SlideShare uma empresa Scribd logo
Despertar


Todos os dias ela acordava ao “som” que lhe lembrava que mais
uma jornada de trabalho estava por vir. Antes, um estridente
despertador.        Agora       um       sinal      de       celular.
Vestia-se, apressada, quase sem se olhar no espelho, e saía,
sentindo-se poderosa de poder ir para o trabalho. O caminho era
sempre igual, melancolicamente igual. Não via, nem ouvia,
nada!...A não ser o que via todos os dias. Carros, buzinas, sinal
fechado,                      gente                      apressada.
Chegando ao trabalho sentia-se orgulhosa de poder afirmar que os
problemas pessoais tinham ficado pra trás. Agora só os problemas
profissionais teriam sua atenção, pensava. Será que sua vida se
resumia                       em                       “problemas”?
Ao chegar balbuciava um “bom dia” a quem lhe olhasse e/ou
dissesse. Quem estivesse distraído ela passava direto. E assim ia
levando...     Altiva   e     responsável,      os    seus     dias.
Aos sábados ela acordava com o cantar de um passarinho.
Estranho esses pássaros! Só cantam em finais de semana. Por que
será? E, novamente, vinha a rotinha dos finais de semana... tudo
sempre igual. O objetivo? Preparar-se para a segunda feira.
Guardar energias para a nova semana que, certamente, virá.
Um dia... O estranho é que não era sábado, nem domingo nem
feriado, ela acordou com o trinado melodioso de um pássaro. Abriu
a janela, algo que raramente fazia, queria ver que pássaro era este.
Tinha de ser um pássaro diferente, pois a tinha acordado em pleno
dia útil. Nesses dias ela não podia se dar o prazer de perceber
coisas assim, pois o enfoque era outro. E foi então que viu uma ave
pequenina, aparentemente frágil, parecia que a olhava dizendo:
Bom dia! Hoje, agradeça a Deus por mais esse dia. Um dia para
viver!
Aprontou-se, como de costume. Como de costume? Não! Não foi
um dia qualquer. Cantarolou, timidamente, uma canção ao tomar
seu banho. Olhou verdadeiramente para o espelho. Sorriu. Colocou
um acessório de final de semana. Perfumou-se com uma essência
de                                                               flor.
Ao sair de casa sentiu uma emoção diferente. No caminho viu uma
mãe levando seu filho para a escola. Uma turma de estudantes se
esbarrando e rindo. Um casal de velhinhos de mãos dadas
passeando. Um homem exibindo, orgulhoso, a camisa de um time
de futebol. Um motorista parou dando-lhe a preferência.
Estranho! Onde estariam essas pessoas? Porque todas
apareceram                       apenas                        hoje?
Chegando ao prédio, imponente, da única motivação de seus dias,
viu à entrada uma florzinha, pequenina, linda, amarela, perfumada.
É! Hoje o dia realmente não está normal. Um pássaro? Uma flor?
Gentilezas...
Ao entrar em sua sala, a secretaria lhe deu bom dia e ia começar a
lhe passar os recados quando ela interrompeu. Luiza? Era esse o
nome de sua secretária. “Luiza”, é o nome de uma linda canção de
Tom Jobim, pensou! Mas, voltando... Luiza! Reparei ao entrar que
uma flor está brotando ao meio da passarela de concreto à entrada
do         prédio,       como         isso        é        possível?
Luiza, um pouco surpresa pelo fato do "chefe" ter olhado para o
chão, ela sempre tem o olhar tão para o alto, lhe disse: não é só ali
que tem flores brotando. O pessoal da manutenção extirpa sempre,
mas sempre em algum lugar elas insistem em mostrar-se
novamente. Vou pedir para eles prestarem mais atenção. Não!
respondeu a chefe. Não estou incomodada com elas, pelo contrário.
 Foi                só                uma                 pergunta...
Aí     ela    pensou:     não     seria     isso     um     recado?
Ao ligar o computador ao invés de ir diretamente para o e-mail, para
a agenda, pesquisou sobre o pássaro e a flor que tinha visto. Olhou
pela janela e viu o céu lindo como via só aos domingos. Viu que
tinha alguém limpando as mesas, de cabeça baixa, e, feliz, lhe deu
um bom dia. Sentiu que tinha um dia que poderia lhe reservar
grandes e boas surpresas se ela não insistisse em fazer dele
apenas              um           dia            de            rotina.
Ao final do dia antes de voltar para casa resolver fazer algo que
raramente      fazia.   Tomar      um      sorvete     na     praça.
Nos dias seguintes não precisou mais do despertador, pois, antes
do passarinho cantar ela já desperta, com um sorriso maroto nos
lábios, aguardava ansiosa que ele cantasse para que abrisse a
janela para mais um dia de VIDA.
Claralice

Mais conteúdo relacionado

Mais de gkgilas

Big Brother Brasil
Big Brother BrasilBig Brother Brasil
Big Brother Brasil
gkgilas
 
Crônica de uma Crioca Sulreal
Crônica de uma Crioca SulrealCrônica de uma Crioca Sulreal
Crônica de uma Crioca Sulreal
gkgilas
 
Crônica do Amor
Crônica do AmorCrônica do Amor
Crônica do Amor
gkgilas
 
Crônica de uma Existência
Crônica de uma ExistênciaCrônica de uma Existência
Crônica de uma Existência
gkgilas
 
O Cavaleiro
O CavaleiroO Cavaleiro
O Cavaleiro
gkgilas
 
O Dia Se Foi
O Dia Se FoiO Dia Se Foi
O Dia Se Foi
gkgilas
 
O Reino Encantado Da Fama
O Reino Encantado Da FamaO Reino Encantado Da Fama
O Reino Encantado Da Fama
gkgilas
 
Patati Patatá
Patati  PatatáPatati  Patatá
Patati Patatá
gkgilas
 
Saudade Nemhuma
Saudade NemhumaSaudade Nemhuma
Saudade Nemhuma
gkgilas
 
A paciencia
A pacienciaA paciencia
A paciencia
gkgilas
 

Mais de gkgilas (10)

Big Brother Brasil
Big Brother BrasilBig Brother Brasil
Big Brother Brasil
 
Crônica de uma Crioca Sulreal
Crônica de uma Crioca SulrealCrônica de uma Crioca Sulreal
Crônica de uma Crioca Sulreal
 
Crônica do Amor
Crônica do AmorCrônica do Amor
Crônica do Amor
 
Crônica de uma Existência
Crônica de uma ExistênciaCrônica de uma Existência
Crônica de uma Existência
 
O Cavaleiro
O CavaleiroO Cavaleiro
O Cavaleiro
 
O Dia Se Foi
O Dia Se FoiO Dia Se Foi
O Dia Se Foi
 
O Reino Encantado Da Fama
O Reino Encantado Da FamaO Reino Encantado Da Fama
O Reino Encantado Da Fama
 
Patati Patatá
Patati  PatatáPatati  Patatá
Patati Patatá
 
Saudade Nemhuma
Saudade NemhumaSaudade Nemhuma
Saudade Nemhuma
 
A paciencia
A pacienciaA paciencia
A paciencia
 

Último

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 

Último (7)

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 

Despertar

  • 1. Despertar Todos os dias ela acordava ao “som” que lhe lembrava que mais uma jornada de trabalho estava por vir. Antes, um estridente despertador. Agora um sinal de celular. Vestia-se, apressada, quase sem se olhar no espelho, e saía, sentindo-se poderosa de poder ir para o trabalho. O caminho era sempre igual, melancolicamente igual. Não via, nem ouvia, nada!...A não ser o que via todos os dias. Carros, buzinas, sinal fechado, gente apressada. Chegando ao trabalho sentia-se orgulhosa de poder afirmar que os problemas pessoais tinham ficado pra trás. Agora só os problemas profissionais teriam sua atenção, pensava. Será que sua vida se resumia em “problemas”? Ao chegar balbuciava um “bom dia” a quem lhe olhasse e/ou dissesse. Quem estivesse distraído ela passava direto. E assim ia levando... Altiva e responsável, os seus dias. Aos sábados ela acordava com o cantar de um passarinho. Estranho esses pássaros! Só cantam em finais de semana. Por que será? E, novamente, vinha a rotinha dos finais de semana... tudo sempre igual. O objetivo? Preparar-se para a segunda feira. Guardar energias para a nova semana que, certamente, virá. Um dia... O estranho é que não era sábado, nem domingo nem feriado, ela acordou com o trinado melodioso de um pássaro. Abriu a janela, algo que raramente fazia, queria ver que pássaro era este. Tinha de ser um pássaro diferente, pois a tinha acordado em pleno dia útil. Nesses dias ela não podia se dar o prazer de perceber coisas assim, pois o enfoque era outro. E foi então que viu uma ave pequenina, aparentemente frágil, parecia que a olhava dizendo: Bom dia! Hoje, agradeça a Deus por mais esse dia. Um dia para viver! Aprontou-se, como de costume. Como de costume? Não! Não foi um dia qualquer. Cantarolou, timidamente, uma canção ao tomar seu banho. Olhou verdadeiramente para o espelho. Sorriu. Colocou um acessório de final de semana. Perfumou-se com uma essência de flor. Ao sair de casa sentiu uma emoção diferente. No caminho viu uma mãe levando seu filho para a escola. Uma turma de estudantes se esbarrando e rindo. Um casal de velhinhos de mãos dadas passeando. Um homem exibindo, orgulhoso, a camisa de um time de futebol. Um motorista parou dando-lhe a preferência.
  • 2. Estranho! Onde estariam essas pessoas? Porque todas apareceram apenas hoje? Chegando ao prédio, imponente, da única motivação de seus dias, viu à entrada uma florzinha, pequenina, linda, amarela, perfumada. É! Hoje o dia realmente não está normal. Um pássaro? Uma flor? Gentilezas... Ao entrar em sua sala, a secretaria lhe deu bom dia e ia começar a lhe passar os recados quando ela interrompeu. Luiza? Era esse o nome de sua secretária. “Luiza”, é o nome de uma linda canção de Tom Jobim, pensou! Mas, voltando... Luiza! Reparei ao entrar que uma flor está brotando ao meio da passarela de concreto à entrada do prédio, como isso é possível? Luiza, um pouco surpresa pelo fato do "chefe" ter olhado para o chão, ela sempre tem o olhar tão para o alto, lhe disse: não é só ali que tem flores brotando. O pessoal da manutenção extirpa sempre, mas sempre em algum lugar elas insistem em mostrar-se novamente. Vou pedir para eles prestarem mais atenção. Não! respondeu a chefe. Não estou incomodada com elas, pelo contrário. Foi só uma pergunta... Aí ela pensou: não seria isso um recado? Ao ligar o computador ao invés de ir diretamente para o e-mail, para a agenda, pesquisou sobre o pássaro e a flor que tinha visto. Olhou pela janela e viu o céu lindo como via só aos domingos. Viu que tinha alguém limpando as mesas, de cabeça baixa, e, feliz, lhe deu um bom dia. Sentiu que tinha um dia que poderia lhe reservar grandes e boas surpresas se ela não insistisse em fazer dele apenas um dia de rotina. Ao final do dia antes de voltar para casa resolver fazer algo que raramente fazia. Tomar um sorvete na praça. Nos dias seguintes não precisou mais do despertador, pois, antes do passarinho cantar ela já desperta, com um sorriso maroto nos lábios, aguardava ansiosa que ele cantasse para que abrisse a janela para mais um dia de VIDA. Claralice