DEFINIÇÃO
 É um procedimento terapêutico que consiste na
aplicação de uma corrente elétrica contínua NÃO
SINCRONIZADA, no...
DEFINIÇÃO
 É um procedimento na maioria das vezes
eletivo, em que se aplica o choque elétrico de
maneira SINCRONIZADA, ou...
• A desfibrilação elétrica é indicada apenas nas
situações de FV e TV sem pulso,
 A cardioversão elétrica é indicada nas ...
 Desfibrilação procedimento
emergencial
 Cardioversão procedimento
emergencial ou eletivo
• Por tratar-se de uma emergência médica,
nenhum cuidado específico é tomado antes
da cardioversão elétrica. O importante,...
• Por tratar-se de uma emergência médica ,
nenhum cuidado específico é tomado antes
da cardioversão elétrica. O importante...
• As arritmias que levam a uma cardioversão
programada , são a fibrilação atrial ( a principal
em humanos) e o flutter atr...
• É constituído de duas pás ligadas através de
cabos , a um equipamento que transforma
a energia elétrica em choques , com...
 Desfibrilador externo automático (DEA)-
utilizado por leigos no atendimento a PCR.;
 Desfibrilador monofásico
 Desfibr...
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
• CUIDADOS
• Ideal em uma unidade de terapia intensiva ;
• Monitorização contínua do ritmo cardíaco , pressão
arterial , o...
CUIDADOS
• Realizar ECO (descartar presença de trombo intra-
cardiaco)
• No ato da cardioversão elétrica , são
realizados ...
• Complicações:
• A desfibrilação ou cardioversão elétrica, é um
método muito seguro e com baixas taxas de
complicações?
•...
• Complicações:
• A mais temida complicação , é o acidente vascular
cerebral , em pacientes portadores de fibrilação
atria...
INSTABILIDADE HEMODINÂMICA
CARDIOVERSÃO DESFIBRILAÇÃO
CHOQUE
SINCRONIZADO
CHOQUE SEM
SINCRONIA
TV sem pulso
Fibrilação
ven...
PROCEDIMENTO
•Realizar pressão nas pás (comprime a gordura do
subcutâneo e retirada ar dos pulmões)
•Nenhum integrante da ...
PROCEDIMENTO
•Estar preparado para possível FIBRILAÇÃO VENTRICULAR
•Nesse momento aplicar choque não sincronizado;
•Cogita...
Contra-indicações
 Intoxicação digitálica
 Taquicardia atrial multifocal
 Taquicardias automáticas
 Taquicardia repeti...
 ZAYLA
 LABRADOR
 FÊMEA
 10 ANOS
 PACIENTE EM DECÚBITO ESTERNAL HÁ 2 DIAS
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
NECRÓPSIA
 PROVÁVEL SARCOIDOSE
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Aplicado Lidocaina
BRADICARDIA SINUSAL
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
TRATAMENTO
 MARCAPASSO PROVISÓRIO TRANSCUTÂNEO
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
 MARCAPASSO PROVISÓRIO TRANSCUTÂNEO
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
 MARCAPASSO PROVISÓRIO TRANSCUTÂNEO
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder

1.202 visualizações

Publicada em

Esclareça duvidas e diferenças sobre cardioversao e desfibrilação

Publicada em: Educação

Cardioversão x-desfibrilação-guilherme-goldfeder

  1. 1. DEFINIÇÃO  É um procedimento terapêutico que consiste na aplicação de uma corrente elétrica contínua NÃO SINCRONIZADA, no músculo cardíaco;  Esse choque despolariza em conjunto todas as fibras musculares do miocárdio, tornando possível a reversão de arritmias graves como a TV e a FV, permitindo ao nó sinusal retomar a geração e o controle do ritmo cardíaco.
  2. 2. DEFINIÇÃO  É um procedimento na maioria das vezes eletivo, em que se aplica o choque elétrico de maneira SINCRONIZADA, ou seja, o paciente deve estar monitorado no cardioversor  Este deve estar com o botão de sincronismo ativado, pois a descarga elétrica é liberada na onda R, ou seja, no período refratário.
  3. 3. • A desfibrilação elétrica é indicada apenas nas situações de FV e TV sem pulso,  A cardioversão elétrica é indicada nas situações de taquiarritmias como a fibrilação atrial (FA), flutter atrial, taquicardia paroxística supraventricular e taquicardias com complexo largo e com pulso.
  4. 4.  Desfibrilação procedimento emergencial  Cardioversão procedimento emergencial ou eletivo
  5. 5. • Por tratar-se de uma emergência médica, nenhum cuidado específico é tomado antes da cardioversão elétrica. O importante, é realizá-la o mais rápido possível.
  6. 6. • Por tratar-se de uma emergência médica , nenhum cuidado específico é tomado antes da cardioversão elétrica. O importante , é realizá-la o mais rápido possível. • Em certos pacientes , com taquicardias supraventriculares graves ou taquicardias ventriculares persistentes, mas que ainda estão conscientes , fazemos uma rápida sedação antes da cardioversão elétrica.
  7. 7. • As arritmias que levam a uma cardioversão programada , são a fibrilação atrial ( a principal em humanos) e o flutter atrial. • Em Humanos essas arritmias podem causar a formação de coágulos dentro do coração , antes da cardioversão .
  8. 8. • É constituído de duas pás ligadas através de cabos , a um equipamento que transforma a energia elétrica em choques , com intensidade regulável . • A intensidade dos choques é medida em Joules ( 100 J , 200 J ou 300 J ). • As duas pás é que descarregam os choques na parede do tórax .
  9. 9.  Desfibrilador externo automático (DEA)- utilizado por leigos no atendimento a PCR.;  Desfibrilador monofásico  Desfibrilador bifásico
  10. 10. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  11. 11. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  12. 12. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  13. 13. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  14. 14. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  15. 15. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  16. 16. • CUIDADOS • Ideal em uma unidade de terapia intensiva ; • Monitorização contínua do ritmo cardíaco , pressão arterial , oxigenação do sangue ( oximetria ) e acesso venoso calibroso;  Anestesia geral de curta duração;
  17. 17. CUIDADOS • Realizar ECO (descartar presença de trombo intra- cardiaco) • No ato da cardioversão elétrica , são realizados um a quatro choques ( boa parte dos pacientes têm a sua arritmia revertida com o primeiro choque); • Choque sincronizado, verificar se o aparelho está reconhecendo o QRS e não a onda T
  18. 18. • Complicações: • A desfibrilação ou cardioversão elétrica, é um método muito seguro e com baixas taxas de complicações? • O achado mais comum , são queimaduras leves na parede do tórax , aonde as pás do desfibrilador entram em contato com a pele.
  19. 19. • Complicações: • A mais temida complicação , é o acidente vascular cerebral , em pacientes portadores de fibrilação atrial e que apresentam coágulos dentro do coração; • Após a cardioversão , este coágulo poderá ser liberado do coração , causando uma obstrução de uma artéria do cérebro e, conseqüentemente um acidente vascular cerebral .
  20. 20. INSTABILIDADE HEMODINÂMICA CARDIOVERSÃO DESFIBRILAÇÃO CHOQUE SINCRONIZADO CHOQUE SEM SINCRONIA TV sem pulso Fibrilação ventricular Taqui supra e ventricular Nunca desfibrilar em Assitolia e Atividade elétrica sem pulso
  21. 21. PROCEDIMENTO •Realizar pressão nas pás (comprime a gordura do subcutâneo e retirada ar dos pulmões) •Nenhum integrante da equipe deve estar encostado no doente ou maca •Aguardar o aviso do cardioversor de carga completa, depois aplica o choque (lembrar que é sincronizado, só vai disparar no próximo complexo)
  22. 22. PROCEDIMENTO •Estar preparado para possível FIBRILAÇÃO VENTRICULAR •Nesse momento aplicar choque não sincronizado; •Cogitar uso de anti-arrítmico(recidiva da arritmia)
  23. 23. Contra-indicações  Intoxicação digitálica  Taquicardia atrial multifocal  Taquicardias automáticas  Taquicardia repetitas de curta duração
  24. 24.  ZAYLA  LABRADOR  FÊMEA  10 ANOS  PACIENTE EM DECÚBITO ESTERNAL HÁ 2 DIAS
  25. 25. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  26. 26. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  27. 27. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  28. 28. NECRÓPSIA  PROVÁVEL SARCOIDOSE
  29. 29. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  30. 30. Aplicado Lidocaina
  31. 31. BRADICARDIA SINUSAL
  32. 32. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  33. 33. TRATAMENTO  MARCAPASSO PROVISÓRIO TRANSCUTÂNEO Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  34. 34.  MARCAPASSO PROVISÓRIO TRANSCUTÂNEO Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  35. 35.  MARCAPASSO PROVISÓRIO TRANSCUTÂNEO Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP
  36. 36. Fonte:Serviço de Cardiologia FMVZ-USP

×