Participação do bibliotecário   na criação de softwares  Profa. Gisele Dziekaniak DBH/ Furg Grupo de Pesquisa EDUTEC/CNPq ...
Agenda <ul><li>Alguns conceitos... </li></ul><ul><li>Interdisciplinaridade/ Transdisciplinaridade </li></ul><ul><li>Histór...
Alguns conceitos <ul><li>Informática </li></ul><ul><li>Todo recurso que manipula a informação de  </li></ul><ul><li>maneir...
...Conceitos <ul><li>Ciência da Informação </li></ul><ul><li>O desenvolvimento da produção de informações e dos  Sistemas ...
...Conceitos <ul><li>Sistemas de informação </li></ul><ul><li>“ ...é uma entidade complexa, organizada, que capta, armazen...
Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Interdisciplinaridade: </li></ul><ul><li>Ligação e interação entre 2 ou mais áreas <...
TI ou CI <ul><li>Sistemas de informação  </li></ul><ul><li>Superação = necessidades organizacionais </li></ul><ul><li>Meca...
Automação bibliotecas Brasil Adaptado de Gusmão (2001- UFPB) Biblioteca COOPE - UFRJ -1970 Biblioteca da UFRGS - 1975 Cria...
Automação bibliotecas Brasil Instituição Características Déc. Bibl. UFES (SAB-2) -1992 Bibl. UNICAMP - 1982 Base Dedalus (...
Automação bibliotecas Brasil Instituição Características Déc. <ul><li>Biblios Peq. Porte </li></ul><ul><li>Biblios Novas <...
O que esperar? Lembram daquelas que não fizeram a diferença na década passada? Pois é, não chegaram aqui! Provavelmente bi...
Tipologia de softwares <ul><li>Proprietário (comercial, “caixa preta”, $) </li></ul><ul><ul><li>Windows, Pergamum, Aleph, ...
Bibliotecário hoje X TI <ul><li>Temeridade </li></ul><ul><li>Falta de informação </li></ul><ul><li>Falta de formação </li>...
Necessidades da área <ul><li>Tornar acessível acervo crescente de informações (cuidado: lixo informacional) </li></ul><ul>...
...necessidades da área <ul><li>Software livre (quebra monopólios) </li></ul><ul><li>Incentivo à pesquisa nas escolas de C...
Sabem por quê? <ul><li>Visão crítica fundamentada traz capacidade de avaliação que traz decisões acertadas </li></ul><ul><...
...Sabem por quê? <ul><li>Para possuir autonomia </li></ul><ul><li>Para se tornar agente ativo nos processos de escolha de...
Referências <ul><li>CANDIDO, G. A ;  et al. Arquitetura tecnológica de informações e suas implicações na forma de gestão e...
<ul><li>Obrigada   </li></ul><ul><li>g [email_address]   </li></ul>
Autores da área: que dizem? <ul><li>Rowley (2002, p. 133) diz: </li></ul><ul><li>“ (...) a opção mais conveniente é um pac...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Participação do Bibliotecário na criação de softwares Xii Seab 2007

1.130 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada na XI Semana Acadêmica de Biblioteconomia da FURG em Rio Grande, RS (2007)

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Participação do Bibliotecário na criação de softwares Xii Seab 2007

  1. 1. Participação do bibliotecário na criação de softwares Profa. Gisele Dziekaniak DBH/ Furg Grupo de Pesquisa EDUTEC/CNPq XII SEMANA ACADÊMICA DE BIBLIOTECONOMIA – AGO 2007
  2. 2. Agenda <ul><li>Alguns conceitos... </li></ul><ul><li>Interdisciplinaridade/ Transdisciplinaridade </li></ul><ul><li>Histórico automação bibliotecas - Brasil </li></ul><ul><li>Tipologia de softwares </li></ul><ul><li>Postura do bibliotecário diante da TI </li></ul><ul><li>Necessidades da área </li></ul>
  3. 3. Alguns conceitos <ul><li>Informática </li></ul><ul><li>Todo recurso que manipula a informação de </li></ul><ul><li>maneira automática </li></ul><ul><li>Tecnologia da Informação </li></ul><ul><li>Requisitos tecnológicos que integram necessidades organizacionais e desenvolvem mecanismos para dar suporte à tomada de decisão </li></ul><ul><li>(não é um fim em si mesma) </li></ul><ul><li>(CANDIDO, et al., 2001) </li></ul>
  4. 4. ...Conceitos <ul><li>Ciência da Informação </li></ul><ul><li>O desenvolvimento da produção de informações e dos Sistemas de Informação tornou necessária uma ciência com o objeto de estudo a I nformação, a CI , bem como uma tecnologia e técnicas resultantes das descobertas feitas por tal ciência . </li></ul><ul><li>(CANDIDO , et al., 2001) </li></ul>
  5. 5. ...Conceitos <ul><li>Sistemas de informação </li></ul><ul><li>“ ...é uma entidade complexa, organizada, que capta, armazena, processa, fornece, usa e distribui informação. Considera-se que inclui recursos (...) como humanos, tecnológicos e financeiros. É (...) um sistema humano, que inclui (...) recursos computacionais para automatizar determinados elementos do sistema.” (ROBREDO, 2003, P.110) </li></ul>
  6. 6. Inter e Transdisciplinaridade <ul><li>Interdisciplinaridade: </li></ul><ul><li>Ligação e interação entre 2 ou mais áreas </li></ul><ul><li>Transdisciplinaridade: </li></ul><ul><li>Extensão destas áreas e de seus limites de atuação, superando conceitos, reconstruindo-os sobre enfoque inovador, ruptura com limites pré-estabelecidos de uma única disciplina </li></ul>
  7. 7. TI ou CI <ul><li>Sistemas de informação </li></ul><ul><li>Superação = necessidades organizacionais </li></ul><ul><li>Mecanismos tomada de decisão </li></ul><ul><li>Informance – performance + informação </li></ul><ul><li>TI dinamiza a CI </li></ul><ul><li>Agiliza processos e amplia acesso! </li></ul><ul><li>Simbiose! </li></ul>
  8. 8. Automação bibliotecas Brasil Adaptado de Gusmão (2001- UFPB) Biblioteca COOPE - UFRJ -1970 Biblioteca da UFRGS - 1975 Criação formato CALCO por Barbosa (1972) Atualização em batch Empréstimo on-line 1970 Pioneiro IBBD - 1967 INPE – 1969 Bibl. Câmara Deputados - 1969 Uso mainframes Bibliotecas federais Cartão perfurado 1960 Instituição Características Déc.
  9. 9. Automação bibliotecas Brasil Instituição Características Déc. Bibl. UFES (SAB-2) -1992 Bibl. UNICAMP - 1982 Base Dedalus (acervo) (USP) – 1985 Uso mainframes Limite de registros, usuários Sfws não padronizados 1980 Bibl. FRANCA (SP) – 1997 Muitas bibliotecas médio porte $ sistemas bibliotecas Interface gráfica, OPACs , compartilhamento: redes, atualização tempo real, bases de dados referenciais Desenvolvimento websites 1990
  10. 10. Automação bibliotecas Brasil Instituição Características Déc. <ul><li>Biblios Peq. Porte </li></ul><ul><li>Biblios Novas </li></ul><ul><li>Biblios escolares </li></ul><ul><li>- Minibibli </li></ul><ul><li>- Openbibli </li></ul><ul><li>Winisis </li></ul><ul><li>PHL </li></ul>Internet! Websites não acompanham Diversos tipos sfws, Redes de cooperação Bases de dados textos completos Falta tratamento doc. eletrônico Softwares de grande porte barateados pela chegada gratuitos de pequeno e médio porte 2000
  11. 11. O que esperar? Lembram daquelas que não fizeram a diferença na década passada? Pois é, não chegaram aqui! Provavelmente biblioteca será usada através de PC (de casa, escritório,...) Instituição relativizada! 2020 Que abrigam bibliotecários ávidos por conhecimento e equipe de apoio tecnológico (mesma língua) Mecanismos busca potentes Uso de IA, doc. digitalizado, Uso de tecnologias de aplicação (metadados, ontologias) 2010 Instituições Características Déc.
  12. 12. Tipologia de softwares <ul><li>Proprietário (comercial, “caixa preta”, $) </li></ul><ul><ul><li>Windows, Pergamum, Aleph, Sophia </li></ul></ul><ul><li>Gratuito ou freeware (Não $, código-fonte fechado, não alterações ) </li></ul><ul><ul><li>Winisis, Biblivre, PHL </li></ul></ul><ul><li>Livre (Cooperação, liberdade criação, avanço, código-fonte aberto , licença de uso, possuem copyright, rompem monopólios, pode ser $) </li></ul><ul><ul><li>Gnuteca, Mozilla, Moodle </li></ul></ul>
  13. 13. Bibliotecário hoje X TI <ul><li>Temeridade </li></ul><ul><li>Falta de informação </li></ul><ul><li>Falta de formação </li></ul><ul><li>Entendem necessidade </li></ul><ul><li>Envolvem-se com programação visual </li></ul><ul><li>E...pouco com desenvolvimento de softwares ou avaliação </li></ul>
  14. 14. Necessidades da área <ul><li>Tornar acessível acervo crescente de informações (cuidado: lixo informacional) </li></ul><ul><li>Democratizar a informação e seu acesso ( gap tecnológico, cultural e social) </li></ul><ul><li>Projetos de desenvolvimento/ avaliação de softwares (desestimulados por autores da área ) </li></ul>
  15. 15. ...necessidades da área <ul><li>Software livre (quebra monopólios) </li></ul><ul><li>Incentivo à pesquisa nas escolas de CI (combate ao tecnicismo) </li></ul><ul><li>Estudar teoria avaliação de software </li></ul><ul><li>Sabem por quê? </li></ul>
  16. 16. Sabem por quê? <ul><li>Visão crítica fundamentada traz capacidade de avaliação que traz decisões acertadas </li></ul><ul><li>Para não ficar a mercê dos desenvolvedores e fornecedores de softwares </li></ul><ul><li>Para adquirir poder de decisão através da demonstração de competência </li></ul>
  17. 17. ...Sabem por quê? <ul><li>Para possuir autonomia </li></ul><ul><li>Para se tornar agente ativo nos processos de escolha de sistemas de informação dentro das instituições em que trabalham e dirigem. A maioria delas ainda vê o bibliotecário como mero usuário e não como gerenciador do sistema...isso precisa mudar e só acontecerá quando o bibliotecário demonstrar o conhecimento exigido tanto pela instituição como pela sociedade da informação (para não dizer pelo mercado de trabalho e pelos usuários) </li></ul>
  18. 18. Referências <ul><li>CANDIDO, G. A ; et al. Arquitetura tecnológica de informações e suas implicações na forma de gestão e na competitividade das organizações. Informação & Sociedade: estudos. João Pessoa, v.10, n. 1, 2002. </li></ul><ul><li>CÔRTE, A. R. ; ALMEIDA, I. M. de. (Orgs.). Avaliação de softwares para bibliotecas e arquivos . São Paulo: Polis/APB, 2002. </li></ul><ul><li>GUSMÃO, A. O. de M. Avaliação da qualidade e determinantes de desempenho do ALEPH..., João Pessoa, 2001. Dissertação (Mestrado em Ci. Inf.) – UFPB. </li></ul><ul><li>ROBREDO, J. Da ciência da informação revisitada aos sistemas humanos de informação . Brasília: Thesaurus, 2003. </li></ul><ul><li>ROWLEY, J. A biblioteca eletrônica . Brasília: Briquet de Lemos, 2002. </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Obrigada  </li></ul><ul><li>g [email_address] </li></ul>
  20. 20. Autores da área: que dizem? <ul><li>Rowley (2002, p. 133) diz: </li></ul><ul><li>“ (...) a opção mais conveniente é um pacote ou sistema pronto” </li></ul><ul><li>Côrte e Almeida (2000,p 89) dizem: </li></ul><ul><li>“ (...) É inviável, hoje, adotar uma solução caseira para o processo de automação (...) que a equipe interna desenvolva sistemas...” </li></ul><ul><li>Visão anti-ciência, anti-descoberta </li></ul>

×