SlideShare uma empresa Scribd logo

Legislação tributária- retenções na fonte

1 de 6
Baixar para ler offline
Retenção na fonte das contribuições CSLL, PIS/PASEP E COFINS
1. Definições Gerais
2.0 PIS
O PIS – PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL foi criado pela Lei Complementar
nº 07, de 07 de setembro de 1970, com o objetivo de beneficiar os empregados da
iniciativa privada do empregado, promovendo a integração do mesmo na vida e
desenvolvimento das empresas; é também um programa de transferência e melhor
distribuição de renda. O programa teve como primeiro agente arrecadador a Caixa
Econômica Federal em que as empresas realizavam depósitos por meio de um fundo de
participação em benefícios dos empregados e trabalhadores avulsos, os quais
participavam por meio de contas individuais, abertas na CEF em nome dos mesmos. O
Fundo de participação era composto por duas parcelas: uma, da redução do Imposto de
Renda devido pelas empresas (5% - do imposto devido em cada exercício); outra, com
recursos próprios das empresas, isto é, sobre o faturamento (0,5%).
Com a lei complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, se unificou o PIS e o
PASEP (PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR
PÚBLICO), mantendo os saldos das contas individuais já existentes e estabelecendo
que participantes cadastrados há pelo menos 05 anos, os quais recebessem remuneração
inferior a 5 (cinco) salários mínimos, poderiam retirar no final de cada exercício
financeiro um valor correspondente a 1 (um) salário mínimo vigente no país.
Com a constituição de 1988 o PIS passou a financiar o seguro desemprego e o abono
anual para empregados da iniciativa privada cadastrados há 05 anos que receberem
rendimentos mensais até dois salários mínimos.
As alíquotas aplicáveis ao PIS-PASEP foram definidas pela Lei nº 9715/98:
I – Zero vírgula sessenta e cinco por cento sobre o faturamento;
II – Um por cento sobre a folha de salários;
III – Um por cento sobre o valor das receitas correntes arrecadadas e das transferências
correntes e de capital recebidas.
Até 2002, a base de incidência da alíquota, salvo exceções, era sobre o faturamento
(totalidade de receitas auferidas) das empresas. A partir da Lei n° 10.637, de 30 de
dezembro de 2002, surgiu a possibilidade não-cumulatividade do PIS (tributação apenas
sobre o valor agregado, por meio da dedução de alguns custos e despesas).
2.1 COFINS
A Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – COFINS foi criada pela Lei
Complementar nº 70, de 30 de dezembro de 1991, com o objetivo de substituir o Fundo
de Investimento Social – FINSOCIAL e destinação a seguridade social. A base de
cálculo era sobre o faturamento, com alíquota de 2%.
No entanto, a Lei 9.718/98 alterou a base de cálculo da COFINS passando a ser cobrada
sobre a receita bruta e não sobre o faturamento; a lei também aumentou a alíquota de
2% para 3%, mas entre fevereiro e dezembro de 1999, estabeleceu-se a possibilidade de
compensação do montante, equivalente a 1% do valor efetivamente pago, com a
Contribuição Social sobre o Lucro devida pela empresa.
Para fins de retenção a alíquota da COFINS é de 3% sobre o montante a ser pago.
2.2 CSLL
A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL foi criada em 1988 e já sofreu
várias mudanças desde sua criação. Com a Lei 7.856/89 houve um aumento, a partir de
1990, para as empresas em geral de 8% para 10%. Com a Lei 9.249/95, a alíquota geral
voltou a ser de 8% a partir de 1996 e permaneceu assim até maio de 1999, quando
passou para 12% até 31 de janeiro de 2000.
De 1º de fevereiro de 2000 até 31 de dezembro de 2002, o adicional continuou com um
ponto percentual (9% ao todo). Atualmente a alíquota doa CSLL é de 9%. A alíquota de
instituições financeiras, pessoas jurídicas de seguros privados e de capitalização é de
15% (quinze por cento) conforme previsto no art. 17 da Lei 11.727/2008.
No entanto, o valor a ser retido de CSLL é de apenas 1% sobre a base de cálculo.
Base Legal e Considerações Gerais
A obrigatoriedade de retenção das contribuições sociais (PIS, COFINS e CSLL) advém
das Leis 9.430/96 (Art. 64) e 10.833/03 (Art.34) e IN SRF 475/04, IN SRF 480/04 e
539/05 e suas atualizações.
De acordo com o Art. 64 da Lei 9430/96:
Os órgãos da administração federal direta, as autarquias e as fundações federais reterão,
na fonte, o Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), bem assim a Contribuição
Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), a Cofins e o PIS sobre os pagamentos que
efetuarem a pessoas jurídicas, pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em
geral, inclusive obras.
A extensão dessa obrigatoriedade de retenção ocorreu a partir de 01.02.2004 após a
aprovação da Lei 10.833 de 2003:
Ficam obrigadas a efetuar as retenções na fonte do imposto de renda, da CSLL, da
COFINS e da contribuição para o PIS/PASEP, a que se refere o art. 64 da Lei nº9.430,
de 27 de dezembro de 1996, as seguintes entidades da administração pública federal:
I - empresas públicas;
II - sociedades de economia mista; e
III - demais entidades em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do
capital social com direito a voto, e que dela recebam recursos do Tesouro Nacional e
estejam obrigadas a registrar sua execução orçamentária e financeira na modalidade
total no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI.
(Art. 34, Lei 10.833/2003)
Desta forma, todos os pagamentos efetuados pelas entidades da administração pública
citadas pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral estão sujeitos a
retenção na fonte do IR e das contribuições sócias (PIS, COFINS e CSLL). A imposição
por lei da obrigatoriedade do pagamento pela fonte pagadora, ou seja, pela tomadora do
serviço surgiu da necessidade de combater a inadimplência e a sonegação fiscal.
Com a IN SRF 475/2004, a partir de 15.12.2004 a obrigatoriedade de retenção da
CSLL, CONFINS e PIS pelos pagamentos efetuados as pessoas jurídicas de direito
privado se estenderam ao Distrito Federal, Estados e Municípios por força do art. 33 da
Lei 10.833/2003:
A União, por intermédio da Secretaria da Receita Federal, poderá celebrar convênios
com os Estados, Distrito Federal e Municípios, para estabelecer a responsabilidade pela
retenção na fonte da CSLL, da COFINS e da contribuição para o PIS/PASEP, mediante
a aplicação das alíquotas previstas no art. 31, nos pagamentos efetuados por órgãos,
autarquias e fundações dessas administrações públicas às pessoas jurídicas de direito
privado, pelo fornecimento de bens ou pela prestação de serviços em geral.
A citação acima obriga a retenção pelo órgão ou entidade que efetuar o pagamento. Os
valores retidos deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional, mediante Documento de
Arrecadação de Receitas Federais (Darf):
I - pelos órgãos da administração federal direta, autarquias e fundações federais que
efetuarem a retenção, até o 3º dia útil da semana subseqüente àquela em que tiver
ocorrido o pagamento à pessoa jurídica fornecedora dos bens ou prestadora do serviço;
II - pelas empresas públicas, sociedades de economia mista e demais entidades em que a
União, direta ou indiretamente detenha a maioria do capital social sujeito a voto, e que
recebam recursos do Tesouro Nacional e estejam obrigadas a registrar sua execução
orçamentária e financeira no Siafi, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz
da pessoa jurídica, atéo último dia útil da semana subseqüente àquela quinzena em que
tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica fornecedora dos bem ou prestadora do
serviço.
A retenção é aplicada de acordo com o percentual de uma tabela, que equivale à soma
das alíquotas das contribuições devidas e da alíquota do imposto de renda, determinada
mediante a aplicação de quinze por cento sobre a base de cálculo estabelecida no art. 15
da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, conforme a natureza do bem fornecido ou
do serviço prestado.
3.4Dispensa de Retenção
De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.234, de 11 de janeiro de 2012, art. 4º:
Não serão retidos os valores correspondentes ao IR e às contribuições de que trata esta
Instrução Normativa, nos pagamentos efetuados a:
I - templos de qualquer culto;
II - partidos políticos;
III - instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, a que se refere
o art. 12 da Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997;
IV - instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e às associações
civis, a que se refere o art. 15 da Lei nº 9.532, de 1997;
V - sindicatos, federações e confederações de empregados;
VI - serviços sociais autônomos, criados ou autorizados por lei;
VII - conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas;
VIII - fundações de direito privado e a fundações públicas instituídas ou mantidas pelo
Poder Público;
IX - condomínios edilícios;
X - Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e as Organizações Estaduais de
Cooperativas previstas no caput e no § 1º do art. 105 da Lei nº 5.764, de 16 de
dezembro de 1971;
XI - pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de
Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte
(Simples Nacional), de que trata o art. 12 da Lei Complementar nº 123, de 14 de
dezembro de 2006, em relação às suas receitas próprias;
XII - pessoas jurídicas exclusivamente distribuidoras de jornaise revistas;
XIII - Itaipu binacional;
XIV - empresas estrangeiras de transportes marítimos, aéreos e terrestres, relativos ao
transporte internacional de cargas ou passageiros, nos termos do disposto no art. 176 do
Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999 - Regulamento do Imposto de Renda
(RIR/1999), e no inciso V do art. 14 da Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto
de 2001;
XV - órgãos da administração direta, autarquias e fundações do Governo Federal,
Estadual ou Municipal, observado, no que se refere às autarquias e fundações, os termos
dos §§ 2º e 3º do art. 150 da Constituição Federal;
XVI - no caso das entidades previstas no art. 34 da Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de
2003, a título de adiantamentos efetuados a empregados para despesas miúdas de pronto
pagamento, até o limite de 5 (cinco) salários mínimos;
XVII - título de prestações relativas à aquisição de bem financiado por instituição
financeira;
XVIII - entidades fechadas de previdência complementar, nos termos do art. 32 da Lei
nº 10.637, de 30 de dezembro de 2002;
XIX - título de aquisição de petróleo, gasolina, gás natural, óleo diesel, gás liquefeito de
petróleo, querosene de aviação, demais derivados de petróleo, gás natural, álcool,
biodiesel e demais biocombustíveis efetuados pelas pessoas jurídicas dispostas nos
incisos IV a VI do caput do art. 2º, conforme disposto no parágrafo único do art. 34 da
Lei nº 10.833, de 2003; (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.244, de 30
de janeiro de 2012) (Vide art. 3º da IN RFB nº 1.244/2012)
XX - título de seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores;
e (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.244, de 30 de janeiro de 2012)
(Vide art. 3º da IN RFB nº 1.244/2012)
XXI - título de suprimentos de fundos de que tratam os arts. 45 a 47 do Decreto nº
93.872, de 23 de dezembro de 1986. (Incluído pela Instrução Normativa RFB nº 1.244,
de 30 de janeiro de 2012) (Vide art. 3º da IN RFB nº 1.244/2012)
Segundo o art. 1º, § 3º da IN SRF nº 459/2004, é dispensada a retenção das
contribuições para pagamento de valor igual ou inferior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais).
Ocorrendo mais de um pagamento no mesmo mês à mesma pessoa jurídica, a cada
pagamento deverá ser:
a) efetuada a soma de todos os valores pagos no mês;
b) calculado o valor a ser retido sobre o montante já pago no mês, desde que esse
montante ultrapasse o limite de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), devendo ser deduzidos os
valores retidos anteriormente no mesmo mês.
Não haverá retenção em casos de empresas optantes do Simples Nacional, devendo a
Micro ou pequena empresa apresentar a cada pagamento apresentar uma declaração de
acordo com a Instrução Normativa SRF nº. 459/2004.
Nas cooperativas a retenção da CSLL não é exigida e nos casos de isenção de uma ou
mais contribuição, a retenção é efetuada aplicando-se apenas a alíquota da contribuição
que não sofreu isenção.
Pessoas Físicas
Mesmo que tais pessoas prestem serviços em valores superiores a R$ 5.000,00 não cabe
a retenção da CSRF ou Contribuições Sociais Retidas na
Fonte (PIS, COFINS e CSLL) , haja vista que a legislação não lhes dá o direito de
compensação e nem poderia, pois não estão sujeitas ao pagamento dos impostos e
contribuições devidos para as Pessoas Jurídicas.
No entanto, a retenção do Imposto de Renda é devida e está sujeita a Tabela
Progressiva, cujas alíquotas e deduções a Receita Federal.
Dispositivos Legais: Lei Nº 10.833, de 2003, art. 30; RIR, art. 647, § 1º; IN SRF Nº
459, de 2004, art. 1º, § 2º, IV; PN CST Nº 8, de 1986, item 14; PN CST Nº 37, de 1987,
item 2.
Base de Cálculo:
A base de cálculo das contribuições é o valor bruto do serviço prestado, sem qualquer
dedução (art.2º DA IN/SRF nº 459/04).
Alíquota:
A alíquota de 4.65%, será aplicada sobre o valor total da nota fiscal. 1% de CSLL,
3%COFINS e 0,65% de PIS/PASEP.
Fator Gerador: O fato gerador das contribuições é a data do pagamento dos serviços
prestados . Os pagamentos antecipados também são alcançados pelas retenções.(ADI nº
10/2004).
Prazo de Recolhimento:
O prazo do recolhimento será até o ultimo dia útil da quinzena subseqüente àquela
quinzena em que tiver ocorrido o pagamento a pessoa jurídica fornecedora dos bens ou
prestadora de serviços (art.74 da Lei nº 11.196/05)
Responsabilidade :A responsabilidade da retenção e do recolhimento das contribui-
ções é da fonte pagadora, ou seja, é da pessoa jurídica tomadora de serviço (art.30 da
Lei nº 10.833/03 e art. 1º da IN/SRF nº 459/04).
Tratamento Fiscal:
As contribuições só serão devidas se o valor da prestação do serviço for superior a R$
5.000,00 dentro do mês. Se houver mais de um pagamento no mês que vem totalizar R$
5.000,00 , neste momento deverá ser recolhida a contribuição.
EXEMPLO; 1º pagamento em 04/11 – R$ 3.500,00 sem retenção.
2º pagamento em 14/11 - R$ 2.500,00. R$ 6.000,00 X 4,65% R$ 279,00
3º pagamento em 30/11 - R$ 1.500,00 Acumulado do mês R$ 7.500,00 X
4,65% R$ 348,75
Valor Total a Recolher ................ R$ 348,75
Valor Recolhido............................ R$ 279,00
Diferença a Recolher...................R$ 69,75

Recomendados

Natureza jurídica das contribuições devidas pelo ente federativo
Natureza jurídica das contribuições devidas pelo ente federativoNatureza jurídica das contribuições devidas pelo ente federativo
Natureza jurídica das contribuições devidas pelo ente federativoAPEPREM
 
Justiça garante R$ 90 milhões anuais em receita do IR a Pernambuco
Justiça garante R$ 90 milhões anuais em receita do IR a PernambucoJustiça garante R$ 90 milhões anuais em receita do IR a Pernambuco
Justiça garante R$ 90 milhões anuais em receita do IR a PernambucoPortal NE10
 
Alerta Tributário - Regulamentação do PERT
Alerta Tributário - Regulamentação do PERTAlerta Tributário - Regulamentação do PERT
Alerta Tributário - Regulamentação do PERTRenato Lopes da Rocha
 
PIS e COFINS - Não-cumulatividade - Questões controversas
PIS e COFINS - Não-cumulatividade - Questões controversasPIS e COFINS - Não-cumulatividade - Questões controversas
PIS e COFINS - Não-cumulatividade - Questões controversasJulia De Menezes Nogueira
 
Trabalho Simples Nacional ''parte escrita''
Trabalho Simples Nacional ''parte escrita'' Trabalho Simples Nacional ''parte escrita''
Trabalho Simples Nacional ''parte escrita'' yurineres7
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacionallidianedidi
 
Www.senado.gov.br atividade materia_get_pdf
Www.senado.gov.br atividade materia_get_pdfWww.senado.gov.br atividade materia_get_pdf
Www.senado.gov.br atividade materia_get_pdfPaulo Corrêa
 
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015Renato Lopes da Rocha
 
Repartição de receitas tributárias
Repartição de receitas tributáriasRepartição de receitas tributárias
Repartição de receitas tributáriascarlos martins
 
E book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalE book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalmaurocesarpaesalmeid
 
Trabalho de direito tributário
Trabalho de direito tributárioTrabalho de direito tributário
Trabalho de direito tributárioSirzi Luppi
 
Icms atualização de procedimentos fiscais
Icms   atualização de procedimentos fiscaisIcms   atualização de procedimentos fiscais
Icms atualização de procedimentos fiscaisMarcelo Bretas Couto
 
Contribuições sociais
Contribuições sociaisContribuições sociais
Contribuições sociaisLuiz Campos
 
Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...
Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...
Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...maurocesarpaesalmeid
 
Cartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativosCartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativosSibele Silva
 
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Rodrigo Oliveira
 
O injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiroO injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiroCIRINEU COSTA
 
Apresentacao delubio silva macae
Apresentacao delubio silva macaeApresentacao delubio silva macae
Apresentacao delubio silva macaeaepremerj
 
PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012
PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012
PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012Roberto Dias Duarte
 

Mais procurados (20)

Slide simples nacional
Slide simples nacionalSlide simples nacional
Slide simples nacional
 
Www.senado.gov.br atividade materia_get_pdf
Www.senado.gov.br atividade materia_get_pdfWww.senado.gov.br atividade materia_get_pdf
Www.senado.gov.br atividade materia_get_pdf
 
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
 
Repartição de receitas tributárias
Repartição de receitas tributáriasRepartição de receitas tributárias
Repartição de receitas tributárias
 
Aula pis, cofins e cide faap
Aula pis, cofins e cide   faapAula pis, cofins e cide   faap
Aula pis, cofins e cide faap
 
E book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalE book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacional
 
Trabalho de direito tributário
Trabalho de direito tributárioTrabalho de direito tributário
Trabalho de direito tributário
 
Icms atualização de procedimentos fiscais
Icms   atualização de procedimentos fiscaisIcms   atualização de procedimentos fiscais
Icms atualização de procedimentos fiscais
 
Contribuições sociais
Contribuições sociaisContribuições sociais
Contribuições sociais
 
Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...
Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...
Da retenção de 11% do valor da nota fiscal ou do faturamento dos prestadores ...
 
Cartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativosCartilha entidades sem fins lucrativos
Cartilha entidades sem fins lucrativos
 
O simples nacional
O simples nacionalO simples nacional
O simples nacional
 
Ple 065.2013
Ple 065.2013Ple 065.2013
Ple 065.2013
 
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
Retenesnafonte 111209061018-phpapp01
 
O injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiroO injusto sistema tributário brasileiro
O injusto sistema tributário brasileiro
 
Carnê leão
Carnê  leãoCarnê  leão
Carnê leão
 
Qladv boletim tribut_090914_2
Qladv boletim tribut_090914_2Qladv boletim tribut_090914_2
Qladv boletim tribut_090914_2
 
tributos
tributostributos
tributos
 
Apresentacao delubio silva macae
Apresentacao delubio silva macaeApresentacao delubio silva macae
Apresentacao delubio silva macae
 
PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012
PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012
PARECER AO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N° 221, DE 2012
 

Destaque (20)

Ta krisen i mobilen
Ta krisen i mobilenTa krisen i mobilen
Ta krisen i mobilen
 
Blankrubric1
Blankrubric1Blankrubric1
Blankrubric1
 
Studio de pinnacle
Studio de pinnacleStudio de pinnacle
Studio de pinnacle
 
Grupo B
Grupo BGrupo B
Grupo B
 
Saree5
Saree5Saree5
Saree5
 
Hotelaria jul ago 2012 - mgs (1)
Hotelaria jul ago 2012 - mgs (1)Hotelaria jul ago 2012 - mgs (1)
Hotelaria jul ago 2012 - mgs (1)
 
00 002 non_identified_loginpage
00 002 non_identified_loginpage00 002 non_identified_loginpage
00 002 non_identified_loginpage
 
Amanda 3 b
Amanda 3 bAmanda 3 b
Amanda 3 b
 
Plano 1
Plano 1Plano 1
Plano 1
 
IQ Test
IQ Test IQ Test
IQ Test
 
letak_b2c-preview
letak_b2c-previewletak_b2c-preview
letak_b2c-preview
 
kics2013-winter-biomp-slide-20130127-1340
kics2013-winter-biomp-slide-20130127-1340kics2013-winter-biomp-slide-20130127-1340
kics2013-winter-biomp-slide-20130127-1340
 
Nazir_2005
Nazir_2005Nazir_2005
Nazir_2005
 
ERPC Certificate
ERPC CertificateERPC Certificate
ERPC Certificate
 
CERTIFICATE DEGREE
CERTIFICATE DEGREECERTIFICATE DEGREE
CERTIFICATE DEGREE
 
Tna
TnaTna
Tna
 
Saray
SaraySaray
Saray
 
Mei 31, 2013 16 28 09
Mei 31, 2013 16 28 09Mei 31, 2013 16 28 09
Mei 31, 2013 16 28 09
 
Grupos micro2 13
Grupos micro2 13Grupos micro2 13
Grupos micro2 13
 
Giovani Talenti della Basilicata
Giovani Talenti della BasilicataGiovani Talenti della Basilicata
Giovani Talenti della Basilicata
 

Semelhante a Legislação tributária- retenções na fonte

Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6Força Aérea Brasileira
 
Piscofins2012 24911274755769
Piscofins2012 24911274755769Piscofins2012 24911274755769
Piscofins2012 24911274755769stefanoalves
 
SESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptx
SESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptxSESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptx
SESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptxDayvidArajo
 
Instrução Normativa RFB nº 1.110
Instrução Normativa RFB nº 1.110Instrução Normativa RFB nº 1.110
Instrução Normativa RFB nº 1.110FETAEP
 
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de TributarJessica Namba
 
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
 Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci... Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...Andréia Lima
 
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctmjnjtributos
 
Informativo Tributário Mensal - Março 2017
Informativo Tributário Mensal - Março 2017Informativo Tributário Mensal - Março 2017
Informativo Tributário Mensal - Março 2017Renato Lopes da Rocha
 
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDADOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDAMARCO AURÉLIO BICALHO DE ABREU CHAGAS
 

Semelhante a Legislação tributária- retenções na fonte (20)

Entidades imunes e isentas
Entidades imunes e isentasEntidades imunes e isentas
Entidades imunes e isentas
 
Simples
SimplesSimples
Simples
 
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - CebasDireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
DireitoTributário – Imunidades e Isenções – 3º setor - Cebas
 
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6Contabilidade para entidades sem fins lucrativos   capítulo 6
Contabilidade para entidades sem fins lucrativos capítulo 6
 
MANUAL PGDAS
MANUAL PGDASMANUAL PGDAS
MANUAL PGDAS
 
Piscofins2012 24911274755769
Piscofins2012 24911274755769Piscofins2012 24911274755769
Piscofins2012 24911274755769
 
SESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptx
SESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptxSESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptx
SESCAP - Retenção de PIS, COFINS, CSLL, IR, ISS e INSS sobre serviços.pptx
 
Ebook Receita Federal
Ebook Receita FederalEbook Receita Federal
Ebook Receita Federal
 
Instrução Normativa RFB nº 1.110
Instrução Normativa RFB nº 1.110Instrução Normativa RFB nº 1.110
Instrução Normativa RFB nº 1.110
 
Curso tributário -_oi
Curso tributário -_oiCurso tributário -_oi
Curso tributário -_oi
 
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar3 - Limita-se ao Poder de Tributar
3 - Limita-se ao Poder de Tributar
 
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
 Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci... Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
Legislação Empresarial - Micro Empresas, Empreendedor, Tributos,Simples Naci...
 
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm40.4  -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
40.4 -decreto_n._6.82910__aprova_o_rctm
 
Apostila de direito tributario
Apostila de direito tributarioApostila de direito tributario
Apostila de direito tributario
 
Direito tributário
Direito tributárioDireito tributário
Direito tributário
 
4320
43204320
4320
 
Resumo de aulas de planejamento tributário
Resumo de aulas de planejamento tributárioResumo de aulas de planejamento tributário
Resumo de aulas de planejamento tributário
 
Informativo Tributário Mensal - Março 2017
Informativo Tributário Mensal - Março 2017Informativo Tributário Mensal - Março 2017
Informativo Tributário Mensal - Março 2017
 
Aula tf 6 contribuições
Aula tf 6   contribuiçõesAula tf 6   contribuições
Aula tf 6 contribuições
 
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDADOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
DOAÇÕES FEITAS POR PESSOAS JURÍDICAS DEDUTÍVEIS DO IMPOSTO DE RENDA
 

Legislação tributária- retenções na fonte

  • 1. Retenção na fonte das contribuições CSLL, PIS/PASEP E COFINS 1. Definições Gerais 2.0 PIS O PIS – PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL foi criado pela Lei Complementar nº 07, de 07 de setembro de 1970, com o objetivo de beneficiar os empregados da iniciativa privada do empregado, promovendo a integração do mesmo na vida e desenvolvimento das empresas; é também um programa de transferência e melhor distribuição de renda. O programa teve como primeiro agente arrecadador a Caixa Econômica Federal em que as empresas realizavam depósitos por meio de um fundo de participação em benefícios dos empregados e trabalhadores avulsos, os quais participavam por meio de contas individuais, abertas na CEF em nome dos mesmos. O Fundo de participação era composto por duas parcelas: uma, da redução do Imposto de Renda devido pelas empresas (5% - do imposto devido em cada exercício); outra, com recursos próprios das empresas, isto é, sobre o faturamento (0,5%). Com a lei complementar nº 26, de 11 de setembro de 1975, se unificou o PIS e o PASEP (PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO PATRIMÔNIO DO SERVIDOR PÚBLICO), mantendo os saldos das contas individuais já existentes e estabelecendo que participantes cadastrados há pelo menos 05 anos, os quais recebessem remuneração inferior a 5 (cinco) salários mínimos, poderiam retirar no final de cada exercício financeiro um valor correspondente a 1 (um) salário mínimo vigente no país. Com a constituição de 1988 o PIS passou a financiar o seguro desemprego e o abono anual para empregados da iniciativa privada cadastrados há 05 anos que receberem rendimentos mensais até dois salários mínimos. As alíquotas aplicáveis ao PIS-PASEP foram definidas pela Lei nº 9715/98: I – Zero vírgula sessenta e cinco por cento sobre o faturamento; II – Um por cento sobre a folha de salários; III – Um por cento sobre o valor das receitas correntes arrecadadas e das transferências correntes e de capital recebidas. Até 2002, a base de incidência da alíquota, salvo exceções, era sobre o faturamento (totalidade de receitas auferidas) das empresas. A partir da Lei n° 10.637, de 30 de dezembro de 2002, surgiu a possibilidade não-cumulatividade do PIS (tributação apenas sobre o valor agregado, por meio da dedução de alguns custos e despesas). 2.1 COFINS A Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – COFINS foi criada pela Lei Complementar nº 70, de 30 de dezembro de 1991, com o objetivo de substituir o Fundo de Investimento Social – FINSOCIAL e destinação a seguridade social. A base de cálculo era sobre o faturamento, com alíquota de 2%. No entanto, a Lei 9.718/98 alterou a base de cálculo da COFINS passando a ser cobrada sobre a receita bruta e não sobre o faturamento; a lei também aumentou a alíquota de
  • 2. 2% para 3%, mas entre fevereiro e dezembro de 1999, estabeleceu-se a possibilidade de compensação do montante, equivalente a 1% do valor efetivamente pago, com a Contribuição Social sobre o Lucro devida pela empresa. Para fins de retenção a alíquota da COFINS é de 3% sobre o montante a ser pago. 2.2 CSLL A Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL foi criada em 1988 e já sofreu várias mudanças desde sua criação. Com a Lei 7.856/89 houve um aumento, a partir de 1990, para as empresas em geral de 8% para 10%. Com a Lei 9.249/95, a alíquota geral voltou a ser de 8% a partir de 1996 e permaneceu assim até maio de 1999, quando passou para 12% até 31 de janeiro de 2000. De 1º de fevereiro de 2000 até 31 de dezembro de 2002, o adicional continuou com um ponto percentual (9% ao todo). Atualmente a alíquota doa CSLL é de 9%. A alíquota de instituições financeiras, pessoas jurídicas de seguros privados e de capitalização é de 15% (quinze por cento) conforme previsto no art. 17 da Lei 11.727/2008. No entanto, o valor a ser retido de CSLL é de apenas 1% sobre a base de cálculo. Base Legal e Considerações Gerais A obrigatoriedade de retenção das contribuições sociais (PIS, COFINS e CSLL) advém das Leis 9.430/96 (Art. 64) e 10.833/03 (Art.34) e IN SRF 475/04, IN SRF 480/04 e 539/05 e suas atualizações. De acordo com o Art. 64 da Lei 9430/96: Os órgãos da administração federal direta, as autarquias e as fundações federais reterão, na fonte, o Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), bem assim a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), a Cofins e o PIS sobre os pagamentos que efetuarem a pessoas jurídicas, pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral, inclusive obras. A extensão dessa obrigatoriedade de retenção ocorreu a partir de 01.02.2004 após a aprovação da Lei 10.833 de 2003: Ficam obrigadas a efetuar as retenções na fonte do imposto de renda, da CSLL, da COFINS e da contribuição para o PIS/PASEP, a que se refere o art. 64 da Lei nº9.430, de 27 de dezembro de 1996, as seguintes entidades da administração pública federal: I - empresas públicas; II - sociedades de economia mista; e III - demais entidades em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto, e que dela recebam recursos do Tesouro Nacional e estejam obrigadas a registrar sua execução orçamentária e financeira na modalidade total no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal - SIAFI. (Art. 34, Lei 10.833/2003)
  • 3. Desta forma, todos os pagamentos efetuados pelas entidades da administração pública citadas pelo fornecimento de bens ou prestação de serviços em geral estão sujeitos a retenção na fonte do IR e das contribuições sócias (PIS, COFINS e CSLL). A imposição por lei da obrigatoriedade do pagamento pela fonte pagadora, ou seja, pela tomadora do serviço surgiu da necessidade de combater a inadimplência e a sonegação fiscal. Com a IN SRF 475/2004, a partir de 15.12.2004 a obrigatoriedade de retenção da CSLL, CONFINS e PIS pelos pagamentos efetuados as pessoas jurídicas de direito privado se estenderam ao Distrito Federal, Estados e Municípios por força do art. 33 da Lei 10.833/2003: A União, por intermédio da Secretaria da Receita Federal, poderá celebrar convênios com os Estados, Distrito Federal e Municípios, para estabelecer a responsabilidade pela retenção na fonte da CSLL, da COFINS e da contribuição para o PIS/PASEP, mediante a aplicação das alíquotas previstas no art. 31, nos pagamentos efetuados por órgãos, autarquias e fundações dessas administrações públicas às pessoas jurídicas de direito privado, pelo fornecimento de bens ou pela prestação de serviços em geral. A citação acima obriga a retenção pelo órgão ou entidade que efetuar o pagamento. Os valores retidos deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional, mediante Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf): I - pelos órgãos da administração federal direta, autarquias e fundações federais que efetuarem a retenção, até o 3º dia útil da semana subseqüente àquela em que tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica fornecedora dos bens ou prestadora do serviço; II - pelas empresas públicas, sociedades de economia mista e demais entidades em que a União, direta ou indiretamente detenha a maioria do capital social sujeito a voto, e que recebam recursos do Tesouro Nacional e estejam obrigadas a registrar sua execução orçamentária e financeira no Siafi, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica, atéo último dia útil da semana subseqüente àquela quinzena em que tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica fornecedora dos bem ou prestadora do serviço. A retenção é aplicada de acordo com o percentual de uma tabela, que equivale à soma das alíquotas das contribuições devidas e da alíquota do imposto de renda, determinada mediante a aplicação de quinze por cento sobre a base de cálculo estabelecida no art. 15 da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, conforme a natureza do bem fornecido ou do serviço prestado. 3.4Dispensa de Retenção De acordo com a Instrução Normativa RFB nº 1.234, de 11 de janeiro de 2012, art. 4º: Não serão retidos os valores correspondentes ao IR e às contribuições de que trata esta Instrução Normativa, nos pagamentos efetuados a: I - templos de qualquer culto;
  • 4. II - partidos políticos; III - instituições de educação e de assistência social, sem fins lucrativos, a que se refere o art. 12 da Lei nº 9.532, de 10 de dezembro de 1997; IV - instituições de caráter filantrópico, recreativo, cultural, científico e às associações civis, a que se refere o art. 15 da Lei nº 9.532, de 1997; V - sindicatos, federações e confederações de empregados; VI - serviços sociais autônomos, criados ou autorizados por lei; VII - conselhos de fiscalização de profissões regulamentadas; VIII - fundações de direito privado e a fundações públicas instituídas ou mantidas pelo Poder Público; IX - condomínios edilícios; X - Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e as Organizações Estaduais de Cooperativas previstas no caput e no § 1º do art. 105 da Lei nº 5.764, de 16 de dezembro de 1971; XI - pessoas jurídicas optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional), de que trata o art. 12 da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, em relação às suas receitas próprias; XII - pessoas jurídicas exclusivamente distribuidoras de jornaise revistas; XIII - Itaipu binacional; XIV - empresas estrangeiras de transportes marítimos, aéreos e terrestres, relativos ao transporte internacional de cargas ou passageiros, nos termos do disposto no art. 176 do Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999 - Regulamento do Imposto de Renda (RIR/1999), e no inciso V do art. 14 da Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2001; XV - órgãos da administração direta, autarquias e fundações do Governo Federal, Estadual ou Municipal, observado, no que se refere às autarquias e fundações, os termos dos §§ 2º e 3º do art. 150 da Constituição Federal; XVI - no caso das entidades previstas no art. 34 da Lei nº 10.833, de 29 de dezembro de 2003, a título de adiantamentos efetuados a empregados para despesas miúdas de pronto pagamento, até o limite de 5 (cinco) salários mínimos; XVII - título de prestações relativas à aquisição de bem financiado por instituição financeira; XVIII - entidades fechadas de previdência complementar, nos termos do art. 32 da Lei nº 10.637, de 30 de dezembro de 2002; XIX - título de aquisição de petróleo, gasolina, gás natural, óleo diesel, gás liquefeito de petróleo, querosene de aviação, demais derivados de petróleo, gás natural, álcool, biodiesel e demais biocombustíveis efetuados pelas pessoas jurídicas dispostas nos incisos IV a VI do caput do art. 2º, conforme disposto no parágrafo único do art. 34 da Lei nº 10.833, de 2003; (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.244, de 30 de janeiro de 2012) (Vide art. 3º da IN RFB nº 1.244/2012) XX - título de seguro obrigatório de danos pessoais causados por veículos automotores; e (Redação dada pela Instrução Normativa RFB nº 1.244, de 30 de janeiro de 2012) (Vide art. 3º da IN RFB nº 1.244/2012)
  • 5. XXI - título de suprimentos de fundos de que tratam os arts. 45 a 47 do Decreto nº 93.872, de 23 de dezembro de 1986. (Incluído pela Instrução Normativa RFB nº 1.244, de 30 de janeiro de 2012) (Vide art. 3º da IN RFB nº 1.244/2012) Segundo o art. 1º, § 3º da IN SRF nº 459/2004, é dispensada a retenção das contribuições para pagamento de valor igual ou inferior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais). Ocorrendo mais de um pagamento no mesmo mês à mesma pessoa jurídica, a cada pagamento deverá ser: a) efetuada a soma de todos os valores pagos no mês; b) calculado o valor a ser retido sobre o montante já pago no mês, desde que esse montante ultrapasse o limite de R$ 5.000,00 (cinco mil reais), devendo ser deduzidos os valores retidos anteriormente no mesmo mês. Não haverá retenção em casos de empresas optantes do Simples Nacional, devendo a Micro ou pequena empresa apresentar a cada pagamento apresentar uma declaração de acordo com a Instrução Normativa SRF nº. 459/2004. Nas cooperativas a retenção da CSLL não é exigida e nos casos de isenção de uma ou mais contribuição, a retenção é efetuada aplicando-se apenas a alíquota da contribuição que não sofreu isenção. Pessoas Físicas Mesmo que tais pessoas prestem serviços em valores superiores a R$ 5.000,00 não cabe a retenção da CSRF ou Contribuições Sociais Retidas na Fonte (PIS, COFINS e CSLL) , haja vista que a legislação não lhes dá o direito de compensação e nem poderia, pois não estão sujeitas ao pagamento dos impostos e contribuições devidos para as Pessoas Jurídicas. No entanto, a retenção do Imposto de Renda é devida e está sujeita a Tabela Progressiva, cujas alíquotas e deduções a Receita Federal. Dispositivos Legais: Lei Nº 10.833, de 2003, art. 30; RIR, art. 647, § 1º; IN SRF Nº 459, de 2004, art. 1º, § 2º, IV; PN CST Nº 8, de 1986, item 14; PN CST Nº 37, de 1987, item 2. Base de Cálculo: A base de cálculo das contribuições é o valor bruto do serviço prestado, sem qualquer dedução (art.2º DA IN/SRF nº 459/04). Alíquota: A alíquota de 4.65%, será aplicada sobre o valor total da nota fiscal. 1% de CSLL, 3%COFINS e 0,65% de PIS/PASEP.
  • 6. Fator Gerador: O fato gerador das contribuições é a data do pagamento dos serviços prestados . Os pagamentos antecipados também são alcançados pelas retenções.(ADI nº 10/2004). Prazo de Recolhimento: O prazo do recolhimento será até o ultimo dia útil da quinzena subseqüente àquela quinzena em que tiver ocorrido o pagamento a pessoa jurídica fornecedora dos bens ou prestadora de serviços (art.74 da Lei nº 11.196/05) Responsabilidade :A responsabilidade da retenção e do recolhimento das contribui- ções é da fonte pagadora, ou seja, é da pessoa jurídica tomadora de serviço (art.30 da Lei nº 10.833/03 e art. 1º da IN/SRF nº 459/04). Tratamento Fiscal: As contribuições só serão devidas se o valor da prestação do serviço for superior a R$ 5.000,00 dentro do mês. Se houver mais de um pagamento no mês que vem totalizar R$ 5.000,00 , neste momento deverá ser recolhida a contribuição. EXEMPLO; 1º pagamento em 04/11 – R$ 3.500,00 sem retenção. 2º pagamento em 14/11 - R$ 2.500,00. R$ 6.000,00 X 4,65% R$ 279,00 3º pagamento em 30/11 - R$ 1.500,00 Acumulado do mês R$ 7.500,00 X 4,65% R$ 348,75 Valor Total a Recolher ................ R$ 348,75 Valor Recolhido............................ R$ 279,00 Diferença a Recolher...................R$ 69,75