Revisao bibliografica metodologia (1)

254 visualizações

Publicada em

REVISÃO MEODOLOGIA

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revisao bibliografica metodologia (1)

  1. 1. Nome dos alunos: Gilmar Andrade Paulo Freitas CURSO: Ciências biológicas Professora: camila Matéria: metodologia da educação Período: 6° Turno: matutino Revisão Bibliográfica Introdução A obesidade e uma doença que se não tratada pode se torna crônica e cada vez mais acomete grande parte da população brasileira principalmente criança na fase escolar, por diversos fatores tanto alimentar como hereditário. Conceitualmente, a obesidade pode ser classificada como o acúmulo de tecido gorduroso, localizado em todo o corpo, causado por doenças genéticas, endócrino – metabólico ou por alterações nutricionais (Fisberg, 1995). Segundo o Consenso Latino Americano em Obesidade (Coutinho, 1998) a obesidade é uma enfermidade crônica que vem acompanhada de múltiplas complicações, caracterizada pela acumulação excessiva de gordura.
  2. 2. Conceitos Crônica, endócrino, hereditário. RELATO DE CASO Os pilares fundamentais no tratamento da obesidade infantil são as modificações no comportamento e nos hábitos de vida (tanto da criança como se possível, da família), que incluem mudanças nos planos alimentar e atividade física. Para Gomes (2002) o objetivo básico é manter o peso adequado para a estatura, preservando o crescimento e desenvolvimento normal. Em função do crescimento, não se fazem dietas restritivas para a criança, uma vez que os níveis de vitaminas e micronutrientes ficam demasiadamente reduzidos, levando a prejuízos no desenvolvimento físico e mental (Vitolo & Campos, 1998). Para combater a obesidade infantil existe um consenso entre os especialistas da área que incluem a mudança de comportamento, dieta equilibrada, sem grandes restrições alimentares, combinada com exercícios físicos diários (Pollock & Wilmore, 1993; Dietz, 1998; Dâmaso et al.,1995, Behrman & Kliegman, 1994). Certamente pode ser considerada a melhor maneira de conduzir o problema. OBJETIVOS Demonstra a variedade de formas da obesidade e os motivos relacionados ao grande aparecimento dela em idade educacional. E as possíveis soluções para um problema de saúde publicam, devido ao alto níveis de acometimento entre todas a classes sociais das populações do Brasil e em outros países. MATERIAIS & MÉTODOS Foram lidos 10 artigos todos relacionados sobre a obesidade na infância e adolescência. Com a autorização dos pais. Foram realizados estudos quantitativos e qualitativos com alunos de escolas públicas e privadas dos ensinos fundamental e médio, em varias regiões do Brasil nos anos 90 a 2000. Foram entrevistados crianças e adolescente com idades, entre 5 a 18 anos num total de 50 pessoas.
  3. 3. Em todos os artigos foram utilizados métodos específicos para mensuração dos índices de medidas antropométricas (peso altura) índice de massa corporal (IMC) Peso (kg) / Altura2(m). 60 50 40 30 20 10 0 GRAFICO GERAL 0 a 10 10 a 14 14 a 18 total RESULTADOS Encontram grande porcentagem de alunos que estão classificados como obesos ou sobrepeso, e que há possíveis propensões destas crianças se tornarem adultos obesos susceptíveis a doenças advindas destes fatores. Como diabetes hipertensão dislipidemias entre outros, resultados obtidos; que de 0 a 10 anos índice de sobrepesos foi de 10 crianças com obesidade já na faixa etária de 10 a 14 anos o índice de criança se manteve no índice de 10 crianças com sobrepeso, na faixa etária de 14 a 18 anos verificou que índice de criança com obesidade aumentou para 30 adolescentes acometido com sobrepesos. Vários fatores contribuem para esse quadro; hipertenção arterial diabetes tipo 2, depressão , doenças cardiovasculares, alimentação.sendo que as faixa etária de 0 a 10 anos apresentou 10(0,1) casos de doenças causada por hipertenção arterial, na faixa etária de 10 a 14 anos apresentou 5 (0,04)casos de diabetes tipo 2 e 5 casos de doença cardiovascular ,já na faixa etária de 14 a 18 anos apresentou 15 (0,14)casos de depressão e 15 casos de alimentação inadequada.
  4. 4. 0.16 0.14 0.12 0.1 0.08 0.06 0.04 0.02 0 hipertenção arterial DISCUSSÃO diabetes tipo 2 depressão doenças cardiovasculares alimentação É cada vez mais discutido sejam em artigos científicos, revistas especializadas, sobre os efeitos da obesidade na infância e adolescência. Do ponto de vista de saúde publica é alarmante a constatação da alta taxa de obesidade entre crianças e adolescentes e como isso pode futuramente contribuir para tornarmos um país de adultos obesos. Como consequências, poderá afetar o potencial da vida produtiva, causando déficit de pessoas economicamente ativas, pois a obesidade esta ligada a doenças degenerativas como hipertenção arterial diabetes tipo 2, depressão , doenças cardiovasculares,entre outras,que de certa forma podem impedir as pessoas de terem uma vida saudável e produtiva. CONLUSÃO Podemos concluir que as escolas juntamente com os pais dos alunos exercem um papel importante para a educação alimentar dos estudantes, a fim de combater a obesidade que
  5. 5. é considerada com doença crônica. Pois é neste período escolar, e nos lares que os mesmos têm a oportunidade de aprender sobre uma alimentação correta, saudável e essencial para formação física e intelectual. REFERENCIA BIBLIOGRAFICAS; PREVALÊNCIA, FATORES ETIOLÓGICOS E TRATAMENTO DA OBESIDADE INFANTIL. Ludmila Dalben Soares 1 Edio Luiz Petroski 2 AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NO CONTROLE DO SOBREPESO/OBESIDADE NO AMBIENTE DE TRABALHO ÉRICA RODRIGUES D’ALENCAR1 MARTA MARIA RODRIGUES LIMA2 PAULO MARCONI LINHARES MENDONÇA3 IRES LOPES CUSTÓDIO4 BARBARA PEREIRA D’ALENCAR5 FRANCISCA ELISÂNGELA TEIXEIRA LIMA6 Excesso de peso e obesidade prevenção na escola Prevenção na Escola Raquel COELHO, Sofia SOUSA, Maria José LARANJO, Ana Cristina MONTEIRO, Graciete BRAGANÇA, Helena CARREIRO. Educação nutricional como estratégia de intervenção para o tratamento da obesidade na adolescência Obesidade infantil: como podemos ser eficazes? Childhood obesity. Towards effectiveness Elza D. de Mello1, Vivian C. Luf t2, Flavia Meyer3

×