Escritos de ellen white não foram adulterados

4.525 visualizações

Publicada em

3 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.525
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.105
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Escritos de ellen white não foram adulterados

  1. 1. Por Gilberto Theiss
  2. 2. Artigo extraído do livro:A História Revelada e a Verdadeconfirmada de Gilberto G. Theiss
  3. 3. Trindade• Discussão pré e pós Ellen White• Discussão pré e pós 1898• Discussão ressuscitada em nossos dias• Discussão e acusação no meio eletrônico• Escritos adulterados e equipe do acervo literário• Causas da discussão• Causas de apostasias• Porque somente a partir de 1931?Introdução
  4. 4. Equipe de acervo Literário: Um problema?• Algumas acusações de adulteração dos escritos de Ellen White para advogar adoutrina da trindade tem haver com a participação de assistentes literáriospermitidos pela autora. Alegam que, foi a exagerada dependência dos seusassessores, por sua deficiência gramatical, que contribuiu para algumasadulterações.• Outros alegam que os tradutores é quem provocaram as adulterações
  5. 5. Acervo Literário:• A formação dos escritos de Ellen White compostos porcartas, diários, artigos, periódicos e livros totalizam cerca de 100.000 páginas.• Acredita-se que Ellen White, possivelmente, esteja na terceira posição deescritores mais traduzidos da história e a escritora norte-americana maistraduzida em todos os tempos.• Em 1915, ano de seu falecimento, havia 24 livros publicados e mais dois emmãos dos editores para possível publicação. No entanto, após 1990, de suaautoria, 128 livros já se encontravam publicados. (WHITE, Ellen G. MensagensEscolhidas, cap. 12 a 18)
  6. 6. Acervo Literário• Embora ela tenha escrito muitas cartas e livros, de fato, como bemconhecido, Ellen White não era uma estudante brilhante e muito menospossuía formação universitária.• Esta realidade, casada com os critérios para se testar um profeta, clarificacomo verdade o fato de ter sido chamada por Deus para um ministérioespecial.
  7. 7. Acervo LiterárioHerbert Douglas afirma que:• “Seria difícil dizer que a extraordinária obra literária de Ellen White é produtoapenas da inteligência e invenção humanas”, e ainda afirmou que,• “Seus contemporâneos, conhecedores de sua formação e educaçãomínima, também estavam convencidos de que uma sabedoria mais do quehumana era responsável pela incisiva e impressionante eloquênciademonstrada por ela tanto no prelo como no púlpito”. (DOUGLAS, Herbert.Mensageira do Senhor, p. 108).
  8. 8. Acervo Literário x fragilidade• Sua fragilidade não era apenas acadêmica, mas, em grau elevado, física.• Diante deste impasse, ela muitas das vezes precisou dar uma pausatemporária até que Deus a auxiliasse dando-lhe força e condições paraprosseguir.• Reconhecia claramente que era amparada e fortalecida por alguém fora dela:“O Senhor é que me tem fortalecido, e abençoando, e sustido por SeuEspírito.” (WHITE, Ellen G. Manuscrito 4, 1891, citado em Arthur White, Ellen G.White, Mensageira da Igreja Remanescente, 2º ed. (Tatuí, SP: CPB, 1993).
  9. 9. Acervo Literário• Ellen White, com o objetivo de tornar mais eficiente as correções, envio epreparo de matérias para publicação, além da ajuda de seuesposo, desenvolveu uma enérgica organização de assistentes de redaçãotanto voluntárias quanto remuneradas. (WHITE, Ellen G. Mensagens Escolhidas, v.3, p. 89).
  10. 10. Acervo Literário• Ellen White utilizava assistentes literárias pelas mesmas razões que osescritores bíblicos o faziam.• A este respeito, bem ponderou Alberto Timm que, “Se os profetas nãopodem expandir e clarificar conceitos previamente enunciados, comoexplicar então as diferentes perspectivas de determinados eventos descritosnos evangelhos sinóticos de Mateus, Marcos e Lucas?”. (TIMM, Alberto R.Revista do ancião 2005).
  11. 11. A acusação de adulteração• As acusações de adulterações de alguns escritos para advogar a trindade nãoprocedem e muito menos condizem com uma análise séria e criteriosa.• Também têm sido habituais afirmações alegando deturpação direta dooriginal para o inglês – de onde são traduzidas as obras para o português.Estas acusações não são comuns em literaturas, elas são encontradasexaustivamente pela comunicação eletrônica – internet.
  12. 12. A acusação de adulteração• Por este motivo é que, será apresentado em seguida os escritos originais deEllen White com as principais citações concernentes a trindade fazendo umparalelo entre os escritos originais e as traduções para o português.• O objetivo é mostrar que a argumentação levantada, ou acusação feita contraos tradutores e a igreja, não são capazes de suportarem seu próprio peso deevidência.
  13. 13. Análise das cartas e citações em português• A primeira citação a ser avaliada é a que foi publicada em 1906, observe: “Hátrês pessoas vivas pertencentes ao trio celeste; em nome destes trêsgrandes poderes – o Pai, o Filho e o Espírito Santo – os que recebem a Cristopor fé viva são batizados, e estes poderes cooperarão com os súditosobedientes do Céu em seus esforços para viverem nova vida em Cristo”.(WHITE, Ellen G. Evangelismo, p. 615 -A citação original se encontra em Manuscrito21, de 9 de janeiro de 1906, escrito em novembro de 1905).
  14. 14. Análise das cartas e citações em português• Na próxima imagem, escaneada de uma página do diário de EllenWhite, onde é encontrado o original, não editado da cópia escrita à mão domanuscrito 21, 1906, que se lê:• “Aqui estão as três personalidades vivas do trio celestial, nas quais cadaalma arrependida dos seus pecados, recebe Cristo por fé viva, para aquelesque são batizados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo”. (Idem.Manuscrito 21, 1906).
  15. 15. Análise das cartas e citações em português• Na próxima imagem, encontramos a seguinte citação:• “A obra está colocada diante de cada alma que reconhece sua fé em JesusCristo pelo batismo, e se tornou um recipiente da promessa das três pessoas– o Pai, o Filho e o Espírito Santo”. (Manuscrito 57, 1900, publicado nocomentário bíblico adventista do sétimo dia)
  16. 16. Análise das cartas e citações em portuguêsO Manuscrito 271 acrescenta esta citação:“Três agentes distintos, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, trabalham juntos pelosseres humanos”.Podemos confirmar na carta de Ellen White a mesma transcrição. Observe nafigura incluindo a segunda da sequência com a assinatura de confirmação daautora:(Manuscrito 271, 1900 (Publicado em Sevent Day Adventist BibleComentary, 6:1075)
  17. 17. E quanto ao Espírito Santo?A citação encontrada no livro Evangelismo, p. 616 e 617 é uma das cartas maisacusadas de fraude. Portanto, faremos uma breve análise e comparação com otexto original para tirarmos as dúvidas. O texto reza assim:“Precisamos reconhecer que o Espírito Santo, que é tanto uma pessoa como opróprio Deus, está andando por esses terrenos”. “O Espírito Santo é umapessoa, pois dá testemunho com o nosso espírito de que somos filhos de Deus.Uma vez dado esse testemunho, traz consigo mesmo sua própria evidência. Em taisocasiões acreditamos e estamos certos de que somos filhos de Deus....O EspíritoSanto tem personalidade, do contrário não poderia testificar ao nosso espírito ecom nosso espírito que somos filhos de Deus. Deve ser também uma pessoadivina, do contrário não poderia perscrutar os segredos que jazem ocultos na mentede Deus. ‘Por que qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito dohomem, que nele está? assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão oEspírito de Deus’ (ICo 2:11). O princípio da potestade do mal só pode ser mantidoem sujeição pelo poder de Deus na terceira pessoa da Divindade, o Espírito Santo”.
  18. 18. E quanto ao Espírito Santo?E continua,“Cumpre-nos cooperar com os três poderes mais alto no Céu- o Pai, o Filho e oEspírito Santo - e esses poderes operarão por meio de nós, fazendo-noscoobreiros de Deus”. (WHITE, Ellen G. Manuscrito 66, 1899, Idem, Evangelismo, p. 616-617 e está localizada em Special Testimonies, Série A, nº 10, pág. 37; idem, Manuscrito20, 1906, p.9
  19. 19. CartaDatilografada
  20. 20. Carta escrita apunho
  21. 21. Outra citaçãoOutra citação que tem sido fortemente atacada e creditada de adulteração é aencontrada no livro Desejado de Todas as Nações. Observe:“O pecado pode ser resistido e vencido apenas através da poderosa agência daterceira pessoa da Divindade, a qual viria com energia não modificada mas naplenitude do poder divino” (Idem, Desejado de Todas as Nações, p. 671).
  22. 22. Esta citação foi encontrada em uma carta de Ellen G. White, dirigida aos“meus irmãos na América”,datada de 6 de fevereiro de 1896. Ela foi copiada e enviada da Austrália para oslíderes da Igreja em Battle Creek, onde estava o presidente da Associação Geral, O.A. Olsen, e publicada no ano seguinte, em um panfleto que circulou entre líderes eministros da Igreja (Special testemonies, nº 10, 25-33, apude Revista Parousia, 1º semestrede 2006).
  23. 23. uConclusãoAs evidências da autenticidade das traduções são evidentes, e precisamos crer queDeus mesmo se mantém na fiscalização de Sua obra e na manutenção de SuasDoutrinas. Ellen White mesma considerou tais fatos afirmando “Sou animada ebeneficiada ao compreender que o Deus de Israel ainda guia Seu povo, econtinuará com ele até o fim.” Também acrescentou que “A obra está sobre asupervisão do bendito Mestre [...] O intenso anelo de ver a igreja impregnada devida tem de ser temperado com inteira confiança em Deus” E para ser maiscontundente,“Não há necessidade de duvidar, de temer que a obra não tenha êxito. Deus estáà frente da obra, e Ele porá tudo em ordem. Se, na direção da obra, houver coisasque careçam de ajustamento, Deus disso cuidará para corrigir todo erro.Tenhamos fé em que Deus há de pilotar seguramente ao porto a nobre nau queconduz o povo de Deus.” (WHITE, Ellen G. Testemunhos para a Igreja, v. 2, p. 406;Testemunhos Seletos, v. 2, p. 353, 354; A igreja Remanescente, p. 68).
  24. 24. uBibliografiaDOUGLASS, Hebert E. Mensageira do Senhor: o ministério profético de Ellen G. White. 3. ed. São Paulo:Casa Publicadora Brasileira, 2009.POIRIER, Tim. Parousia: Revista do Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia. Ano 5, nº 1.Engenheiro Coelho, SP: Unaspress, 2006.SILVA, Demóstenes Neves da. Perguntas e respostas sobre a trindade. Cachoeira: CEPLIB, 2009.TIMM, Alberto R. Revista do Ancião: Teriam alguns líderes da igreja adulterado os escritos de Ellen Whitepara advogar a doutrina da trindade?. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, out – dez 2005.WHITE, Arthur L; WALDVOGEL, Isolina; CHRISTIANINI, Arnaldo B. Ellen G. White: Mensageira da igrejaremanescente. 2. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1993.WHITE, Ellen Gould. Evangelismo. Tradução de Octavio E Santo, Raphael de Azambuja Butler. 3.ed. Tatuí:Casa Publicadora Brasileira, 1997.________________. The Seventh-day Adventist: bible commentary. U.S.A.: Review and HeraldPublishing Association, 1984.
  25. 25. u________________. Mensagens escolhidas. Tradução de Isolina A Waldvogel, Luiz Waldvogel. 4. ed. V. 3.São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2010.________________. O desejado de todas as nações. Tradução de Isolina A Waldvogel. 22. ed. Tatuí: CasaPublicadora Brasileira, 2004.________________; PAGANI, Cesar Luis. Testemunhos para a igreja. v. 2. Tatuí: Casa PublicadoraBrasileira, 2006.________________. Testemunhos seletos: conselhos para a igreja, selecionados de "Testimonies for thechurch". V. 2. Tradução de Isolina Waldvogel, Rafael de Azambuja Butler. 6. ed. Tatuí: Casa PublicadoraBrasileira, 2009.________________. A Igreja remanescente. 8. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2000.WHIDDEN, Woodrow et al. A trindade: como entender os mistérios da pessoa de Deus na bíblia e nahistoria do cristianismo. 2. ed. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2003.

×