REDE
“MINAS É INOVACÃO”
      PAINEL DA INOVAÇÃO
OBJETIVOS ESTRATÉGICOS
CRIANDO INDICADORES



                      Criar e disponibilizar ferramentas permanentes capazes...
BENCHMARKING

Considerando os avanços internacionais, o Placar para Inovação utilizará
“benchmarks” internacionais como ba...
BENCHMARKING
Para se criar indicadores é preciso parâmetros (benchmarks) como ponto
de partida e ferramentas para avaliar ...
PARÂMETROS
Tomar decisão sensata nos processos de Inovação requer mensuração
oportuna, confiável e relevante. “Só se conqu...
MÉTRICAS RELEVANTES

O PAINEL DA INOVAÇÃO visa identificar as métricas mais relevantes
da 4ª Geração de inovação:

Indicad...
Novas políticas e ferramentas de Análise Estratégica
Uma nova geração de métricas da inovação abre oportunidades para apli...
RESULTADOS ESPERADOS
Fomentar as ações da gestão Publica para uma agenda de inovação
consistente e a longo-prazo,

Criar p...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Painel Para A Inovacao

1.028 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Painel Para A Inovacao

  1. 1. REDE “MINAS É INOVACÃO” PAINEL DA INOVAÇÃO
  2. 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS CRIANDO INDICADORES Criar e disponibilizar ferramentas permanentes capazes de abordar a necessidade de políticas e métricas de inovação eficazes que possam traduzir o dinamismo da economia global de rede baseada no conhecimento e trazer competitividade às empresas e bem-estar à sociedade. Criar um Painel da Inovação com indicadores de medição da inovação em Minas Gerais no contexto da economia global, ajudando os tomadores de decisão com referenciais (benchmarks) e monitorando o desempenho da inovação, estabelecendo novos parêmetros para a gestão Pública e as estratégias empresariais.
  3. 3. BENCHMARKING Considerando os avanços internacionais, o Placar para Inovação utilizará “benchmarks” internacionais como base de seu trabalho.As métricas da 4a. geração continuam ad hoc e são, portanto, de valor analítico limitado. Elas só podem ser aperfeiçoadas por meio de esforços conjuntos, coordenados e internacionalmente visíveis. Fazer uso dos parcos indicadores nacionais apenas representaria mal os avanços mundiais. É preciso aproveitar o expertise de organizações internacionais que formulam extensiva pesquisa de políticas e trabalhos de mensuração da inovação, como a OECD, a Comissão Européia, os programas de inovação dos Governos dos EUA, Canadá e Inglaterra. O Painel da Inovação deve buscar pesquisas da inovação relativas às metas do setor empresarial, tamanho da amostragem, definições de variáveis, métodos de coleta de dados, procedimentos analíticos e técnicas de disseminação. As definições de métricas e modelos de inovação devem ser harmonizados ou, pelo menos, comparável internacionalmente para objetivos de “ benchmarking “
  4. 4. BENCHMARKING Para se criar indicadores é preciso parâmetros (benchmarks) como ponto de partida e ferramentas para avaliar o impacto das políticas adotadas ao longo do tempo. Os sistemas de mensuração da inovação disponíveis não traduzem adequadamente a dinâmica contemporânea de uma economia global cada vez mais baseada no conhecimento e em rede. O objetivo chave é enxergar além dos insumos tradicionais da indústria em detrimento dos resultados e processos de inovação. Atenção especial deve ser dada em definir métricas consistentes e internacionalmente comparáveis para a demanda de inovação, fluxos de conhecimento, ativos intangíveis, fatores de política Pública, redes de inovação regionais, infra-estruturas e práticas de gestão. O Placar da Inovação deve não apenas ir além da apresentação de métricas, mas também identificar áreas de políticas Públicas e outros fatores relevantes ao desempenho da inovação. Estas apurações devem servir como força-motriz para preencher lacunas nos sistemas de inovação, fomentar políticas e promover um consenso Público-privado em relação a políticas de inovação superiores e integradas.
  5. 5. PARÂMETROS Tomar decisão sensata nos processos de Inovação requer mensuração oportuna, confiável e relevante. “Só se conquista aquilo que se mede.” Métricas equivocadas levam a diagnóstico equivocado, o que resulta na concepção de políticas equivocadas com conseqüências não desejadas. A inovação é uma atividade complexa e multi-dimensional que não pode ser mensurada diretamente ou com um indicador único. Inovação é muito mais do que o aporte de tecnologia. Muitos outros recursos complementares são fundamentais para ter sucesso no Mercado. Indicadores de qualidade são decorrentes da compreensão de que as mensurações disponíveis atualmente traduzem muito mais a era industrial do que a economia do conhecimento que se desdobra continuamente: eles traduzem produtos e artefatos ao invés de idéias e processos. Uma perspectiva renovada e métricas de desempenho “tempo-real” são necessárias para traduzir o novo paradigma de uma economia global em rede baseada no conhecimento.
  6. 6. MÉTRICAS RELEVANTES O PAINEL DA INOVAÇÃO visa identificar as métricas mais relevantes da 4ª Geração de inovação: Indicadores de conhecimento. Ainda contabilizamos equipamento, toneladas de aço, transações, número de PhDes, patentes: deveríamos contabilizar o conhecimento que está atrás de sua criação e os modos em que se desenvolve e se difunde. Redes. As inovações contemporâneas envolvem uma gama de organizações e redes. É fundamental desenvolver indicadores compostos que contabilizem tanto os contratos comerciais como as alianças estratégicas, licenciamento da propriedade intelectual, colaboração e troca de conhecimento em todos os níveis. Condições para a inovação. Demanda econômica, ambiente de políticas Públicas, infra-estrutura, atitudes sociais e fatores culturais são críticos para o êxito da inovação. Mas o que se espera é a criação de métricas sistêmicas de inovação capazes de depreender o contexto em que as organizações se formam e casar expectativas com capacitações para inovar.
  7. 7. Novas políticas e ferramentas de Análise Estratégica Uma nova geração de métricas da inovação abre oportunidades para aplicar novas ferramentas analíticas para avaliar políticas e escolhas estratégicas. Contabilização do Crescimento: economistas serão capazes de estimar melhor o desempenho da produtividade em termos de fatores de contribuição e resultados. Economia do conhecimento: indicadores compostos de conhecimento melhorarão as decisões de investimento para P&D, educação e recursos de capital. Contabilização: relatórios financeiros da nova geração serão capazes de contabilizar com equilíbrio os ativos físicos assim como os intangíveis. Valoração da inovação: executivos empresariais e mercados financeiros poderão avaliar melhor o valor das atividades de P&D e intangíveis relacionados, melhorar as formas de valoração das bolsas de valores a longo-prazo e prever resultados. Dinâmicas do sistema: expandir a abrangência das métricas de inovação de “tempo-real” ajudarão na construção de modelos de dinâmicas de sistema mais robustos e simulações de políticas. Tecnologia de propósito geral (TPG)- análise mais acurada da contribuição estratégica da TPG que estabelece o estágio para a inovação de incremento e tem o potencial inerente para aplicação em uma ampla variedade de segmentos. Desenvolvimento regional orientado para a tecnologia e formação de aglomerações produtivas (Clusters): muda a ênfase de priorização dos insumos para as infra-estruturas de inovação com vistas à melhoria da eficiência, do ritmo e do resutado da inovação.
  8. 8. RESULTADOS ESPERADOS Fomentar as ações da gestão Publica para uma agenda de inovação consistente e a longo-prazo, Criar padrões ( ‘Benchmark) de desempenho da economia com base nos padrões internacionais, Aumentar a conscientização e compreensão Pública e privada dos benefícios da inovação, Chamar a atenção do tomador de decisão às questões críticas, barreiras da inovação e formas alternativas de política, Servir de apoio à tomada de decisão para alavancar o crescimento da economia, do emprego e da competitividade empresarial, Sinalizar oportunidades e ameaças emergentes, Criar parâmetros para bancos de dados mais calibrados e confiáveis para análise de investimento, depuração de intangíveis e gestão de risco, Estabelecer critérios de avaliação para programas de inovação governamentais, Melhorar a compreensão da inovação, que tem sido confinada no lado empírico em função da falta de métricas apropriadas para interligar insumos, processo e produto.

×