Centro De Economia Digital Aplicada

1.044 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.044
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Centro De Economia Digital Aplicada

  1. 1. CEDA CENTRO DE ECONOMIA DIGITAL APLICADA INSERINDO O BRASIL NA ERA DIGITAL
  2. 2. INTRODUCAO Prever o futuro do negócio digital pode ser estratégico para o futuro da companhia. É relativamente fácil fazer previsões confiáveis em sistemas de manufatura (hardware), como o aumento substantivo da potência dos microprocessadores e chips de memória. Tendências similares ocorrerão no campo das comunicações digitais, armazenagem de disco e acesso sem fio. O que é mais complicado prever, mas muito mais importante, é como os negócios organizarão o funcionamento dessas tecnologias. As tecnologias digitais estão orientando invenções complementares em novos processos empresariais, estruturas organizacionais e estratégias de negócios. Esses aspectos intangíveis são menos visíveis do que os avanços industriais, mas terão impacto econômico muito maior. É nesse contexto que o Centro da Economia Digital Aplicada – CEDA, se propõe a ingressar.
  3. 3. MISSÃO A missão do Centro de Economia Digital Aplicada é ser uma fonte de liderança em inovação, criação de conhecimento, disseminação e utilização, na teoria e na prática de gestão para empreendimentos digitais. Para atingir esse objetivo, é preciso estabelecer um programa de pesquisa em larga escala, em parceria com centros de excelência internacionais, com vistas a investigar as tendências e técnicas mais recentes no negócio digital.
  4. 4. METODOLOGIA A essência do programa consiste na integração de empresas patrocinadoras de interesse com os pesquisadores e profissionais de renome do CEDA na formação de grupos que abordem temas relevantes tanto para o setor produtivo como para as instituições acadêmicas. Em cada projeto, deve haver uma proposição de igual valor para cada participante – o patrocinador tem um benefício econômico desejado do resultado do projeto e o profissional tem um benefício acadêmico desejado igual da pesquisa. Esta abordagem na aplicação de metodologias de pesquisa rigorosas para resolver questões relevantes do setor produtivo gera um conhecimento generalizado que é de grande valor não apenas para a empresa participante, mas para toda a compreensão de como usar as tecnologias digitais de forma mais eficaz. O conhecimento a ser criado a partir desse processo será disseminado de diversas formas, como oficinas de pesquisa, conferência anual, seminários, artigos e outras publicações. Essas atividades serão formatadas para auxiliar os profissionais e professores, alunos e patrocinadores a entender os desafios e oportunidades gerados pela economia digital.
  5. 5. OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Promover a integração entre Gestão de Negócios e Tecnologia da Informação, tanto no âmbito conceitual- teórico quanto no pragmático-aplicado. Desenvolver e aplicar modelos integrados de gestão de processos, de desempenho, de conhecimento e de automação Substanciar diretrizes e práticas de gestão a partir de soluções de TI intrinsecamente a elas alinhadas Catalisar a competência corporativa em aplicação de Tecnologia da Informação Potencializar empreendimentos e iniciativas intensivos em Tecnologia da Informação
  6. 6. ESCOPO A meta principal da pesquisa é estimular essas estruturas experimentais naturais para modelar e medir mais consistentemente como essas novas tecnologias impacta a organização das empresas, o fluxo do trabalho e da produtividade e o desempenho de seus empregados. quot;Negócio digitalquot; é parte integrante da corporação moderna da atualidade.A tecnologia é invasiva. O Centro se propõe a focar apenas nos aspectos de domínio digital que detenha o conhecimento em seu quadro e em parcerias e alianças estratégicas com centros especializados de comprovada competência. As áreas iniciais de foco a serem exploradas e desenvolvidas pelos Grupos de Interesse (GI) serão cinco: Produtos e Serviços em TI Mercado futuro da Comunicação Estratégia de Marketing Digital Produtividade Digital Redes de Colaboração, Conhecimento e negócios – C5
  7. 7. PRODUTOS E SERVIÇOS DE TI Os projetos deste Grupo devem ser focados na compreensão de como os processos empresariais, estruturas organizacionais e cultura corporativa podem ser re-desenhados usando tecnologias da informação e da comunicação para aumentar o desempenho dos negócios de forma mensurável. Algumas temáticas: Análise estatística das práticas empresariais de Organizações Digitais que foram adotadas por negócios como altos níveis de produtividade. Desenvolvimento de ferramenta de benchmarking on line para avaliar a adoção de práticas da Organização Digital Avaliação do tamanho total do iceberg de TI, como custos e benefícios intangíveis que são tipicamente invisíveis em orçamentos de TI •Reação da bolsa de valores a vários tipos de revelação de informação de investimento e comparativo com diversas medidas de desempenho financeiro e não-financeiro ao longo do tempo. Desenvolvimento e uso de campo da quot;Matriz de Mudançaquot;, uma ferramenta para re- arquitetura de processo de negócio. Desenvolvimento de técnicas baseadas no conhecimento para contratação e financiamento (quot;Serviços de Semântica na Web quot;)
  8. 8. MERCADO FUTURO DA COMUNICAÇÃO Deve constituir-se em uma parceria entre as instituições de conhecimento e o setor produtivo na busca da definição do mapa para as comunicações e seu impacto nos setores adjacentes. A missão deste Grupo deve ser auxiliar os parceiros do setor produtivo a reconhecer as oportunidades e ameaças dessas mudanças ao entender os estimuladores e passo da mudança, construindo tecnologias capazes de criar inovação ininterrupta e construindo os ativadores para tais inovações para que sejam adotadas pelos parceiros. O setor de comunicações está testemunhando eventos emergentes e desestabilizadores em que a estrutura do setor construída ao redor de inteligência e controle centralizados está sendo desafiada com inteligência e controle que mudam para usuários finais e vice- versa.Assim como a onda do PC e digitalização de multimídia foram eventos transformadores, essa tendência nas comunicações provavelmente terá um impacto ainda maior no setor. Exemplo dessa tendência é voz sobre IP, em que o controle sobre uma aplicação centralizada está movendo-se para a ponta da rede. Ainda que o papel da tecnologia na transformação do setor seja importante, igualmente importantes são os acionadores de negócio no setor das comunicações que podem acelerar ou retardar esse processo. Acionadores tais como disponibilidade ampla de infra- estrutura de banda-larga, papel da regulamentação, papel para ativar dispositivos como privacidade e segurança e modelos de negócio eficazes e gestão de direitos que gerem lucros para as empresas.
  9. 9. ESTRATÉGIA DE MARKETING DIGITAL A Internet cria uma nova tecnologia para fomentar a efetividade e eficiência do marketing. O Grupo de Interesse neste setor deve estudar os ganhos potenciais de se empregar tecnologias digitais na formulação e execução de estratégias de marketing (reais)
  10. 10. PRODUTIVIDADE DIGITAL Os projetos deste Grupo devem ser focados na compreensão de como os processos empresariais, estruturas organizacionais e cultura corporativa podem ser re-desenhados usando tecnologias da informação e da comunicação para aumentar o desempenho dos negócios de forma mensurável Algumas temáticas: Desenvolvimento de ferramenta de benchmarking on line para avaliar a adoção de práticas da Organização Digital Estudo dos custos e benefícios intangíveis de projetos de TI, tais como investimento em capital humano e organizacional Estudos de caso de mudanças alternativas de estratégias de gestão, com foco em mudança improvisada Exploração de modelo de eBusiness atômico, implementação e desempenho financeiro.
  11. 11. Redes de Colaboração, Conhecimento e negócios Implementação de um Centro de Competências em redes sociais (C5) com atuação nas seguintes áreas: capacitação de pessoas para a interação em ambiente colaborativo: desenvolvimento de redes de cidadania, redes comunitárias, redes de negócio pesquisa e desenvolvimento: a) informação, conhecimento e transdisciplinariedade;b) indução e sustentabilidade das redes e c) caracterização e análise das redes criação de ambientes reais de comunidades de cooperação, conhecimento e negócio, propiciando a vivência das melhores práticas.
  12. 12. RESULTADOS ESPERADOS Criação de um centro de referência na economia digital, com modelos e propostas orientadas às necessidades e potencialidades nacionais Aumento da maturidade de gestão do ambiente empresarial, melhorando a competitividade nacional e a efetividade dos investimentos em TI Criação de massa-crítica consultiva e de massa-crítica decisória para o desenho e consumo de serviços e soluções de TI de alto valor agregado Influência oxigenadora à mentalidade nacional para modelos de apoio à Tecnologia de Informação como atividade-fim e como atividade-meio Geração de conhecimento e formação de profissionais nos diversos segmentos da economia digital
  13. 13. RESULTADOS ESPERADOS NO SETOR PÚBLICO: estudar temas de políticas Públicas no setor de tecnologia da informação, onde as tecnologias emergentes apresentam novos desafios aos formuladores de políticas. O Centro busca injetar fundamentos econômicos e análise empírica nos debates. Visa melhorar a compreensão aplicando três perspectivas: Legislação e economia. Ao sujeitar as várias instituições legais a análise econômica padronizada, a efetividade de regimes regulatórios alternativos pode ser avaliada. Eficiência Pública. Formuladores de políticas Públicas e executivos da Administração Pública operam em um ambiente altamente competitivo e necessitam de ferramentas e processos similares aos usados pelo setor privado. Implementação de Políticas. Contrastando os custos e benefícios de abordagens alternativas, o Centro explora dispositivos capazes de motivar políticas pro sociedade.
  14. 14. ETAPAS Definir proposta e orçamento de pesquisa & desenvolvimento Formar base de recursos profissionais orientados à proposta: Cada GI deve ser orientado por um membro sênior e incluir diversos outros profissionais engajados em um cluster complementar de projetos formatados em colaboração com os patrocinadores. Cada projeto será amparado por uma Discriminativo de Trabalho, Cronograma de Desempenho, Objetos da Entrega, Orçamento e Investigador principal. Profissionais e patrocinador colaboram ao longo da execução do projeto compartilhando dadas, ferramentas , arcabouços e resultados a fim de maximizar a transferência de tecnologia. Montar acordos operacionais para oferta integrada de “Serviços Corporativos” e “Serviços Públicos”. Influenciar meios acadêmico, governamental e institucional para os estudos e as visões obtidas da parceria (projetos acadêmicos e soluções de negócio)
  15. 15. BENEFÍCIOS DOS PATROCINADORES Patrocinadores do Centro de Economia Digital Aplicada têm a oportunidade de criar relacionamentos pessoais e profissionais que capacitam suas organizações a serem líderes de Negócios Digitais. Como patrocinador do Centro, a organização: Participará da vanguarda da pesquisa e desenvolvimentos no campo da economia digital aplicada. Terá acesso em primeira mão de conhecimento de como o negócio digital pode redesenhar as organizações e como deve lidar com seus fornecedores, parceiros e clientes. Participará na liderança do pensamento e orientará potencialmente o futuro de como a Internet e tecnologias relacionadas impactarão o negócio. Terá acesso ‘aos ativos das instituições acadêmicas que constituem o Núcleo, tais como estudantes de MBA e projetos de pesquisa. Interação com os líderes atuais do setor, pesquisadores da economia digital de renome e líderes empresariais futuros.

×