Hq como fazer

19.031 visualizações

Publicada em

proposta de oficina de quadrinhos.

Publicada em: Educação
2 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • muito bom mesmo, eu to tentando fazer uma hq mas não entendia nada de roteiro, e isso me ajudou muito, obrigado por disponibilizar esses conhecimentos.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • que massa doido , hq da esecola e hq profissional , meu irmão desenha que só e ta desenhando um hq do 007 em stick . KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.031
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
198
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
260
Comentários
2
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hq como fazer

  1. 1. <ul><li>Passo à Passo: </li></ul><ul><ul><li>Tema </li></ul></ul><ul><ul><li>Roteiro </li></ul></ul><ul><ul><li>Quadrinização </li></ul></ul><ul><ul><li>Exemplos </li></ul></ul>
  2. 2. <ul><li>Exemplo: “Revolução Francesa” pode ser o tema de uma HQ proposta tanto para alunos do 9º ano do Ensino Fundamental, quanto do 1º ano do Ensino Médio. Um quadro sobre a Revolução Francesa, ou mesmo um quadrinho que retrate a época pode servir como suporte. </li></ul>
  3. 3. Prise de la Bastille de Jean-Pierre Houël O quadro pode servir como ponto de partida para um exercício com HQ.
  4. 4. Cena do mangá A Rosa de Versalhes ( ベルサイユのばら ) de Riyoko Ikeda O quadro pode servir como ponto de partida para um exercício com HQ.
  5. 5. <ul><li>Jean-Pierre Houël foi testemunha ocular da Revolução Francesa. Seu quadro é simples e pode ser usado como proposta para que a turma produza uma história em quadrinho que foque nos anônimos, as figuras minúsculas que o autor coloca em seu quadro. Já os três painéis do mangá de Riyoko Ikeda oferecem uma visão dramática da morte da Rainha Maria Antonieta. A proposta pode envolver a descrição da queda da monarquia, sobre a Convenção, ou mesmo sobre como a imagem da rainha foi idealizada pelo quadrinho. </li></ul>
  6. 7. <ul><li>QUADRO 1: Plano médio. Duas meninas conversam. </li></ul><ul><li>LUÍSA: Bel, a professora disse que vai haver uma prova sobre Roma baseada toda nessa excursão. </li></ul><ul><li>BEL: Ah, é? Que legal... Mas agora vamos na “Máquina do Tempo”. </li></ul><ul><li>QUADRO 2: As duas meninas estão diante da máquina do tempo. O quadrinho é dividido por uma diagonal. Close-up. </li></ul><ul><li>BEL e LUÍSA, juntas: UAU! </li></ul>
  7. 8. <ul><li>QUADRO 3: O quadrinho é dividido por uma diagonal. Plano médio. As duas meninas estão sentadas, uma delas demonstra ter medo. Close up no visor da máquina do tempo que diz “Roma – Século III...” </li></ul><ul><li>NARRADOR: Um tempo depois... </li></ul><ul><li>BEL: Pronta? </li></ul><ul><li>LUÍSA: Humrrum! (Na imaginação) Ai que medo! </li></ul><ul><li>QUADRO 4: Plano Geral. Vê-se toda a máquina do tempo e em detalhe, dentro de dois balões vemos o rosto das meninas. LUÍSA chora, BEL sorri e faz o “V” da vitória. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>QUADRO 5: Grande explosão, fumaça e a onomatopéia “PLOFT”. </li></ul><ul><li>QUADRO 6: Plano Geral. LUÍSA sai da máquina do tempo e está meio tonta. Deixá-la com uma cara engraçada. BEL fala de dentro da máquina. </li></ul><ul><li>LUÍSA: Até que enfim! </li></ul><ul><li>BEL: Cuidado! Não tem de... </li></ul>
  9. 10. <ul><li>QUADRO 7: Plano Médio. BEL aparece na porta da nave e parece descer com cuidado. Não vemos LUÍSA, mas um balão indica que ela caiu. </li></ul><ul><li>BEL: ...Grau. </li></ul><ul><li>LUÍSA: A...i... Ai... </li></ul><ul><li>QUADRO 8: Plano Geral. Cidade ao fundo. BEL ajuda LUÍSA a se levantar. </li></ul><ul><li>BEL: E aí? Tudo bem, né? Vamos explorar! </li></ul>
  10. 11. Página do roteiro usado como exemplo, como foi executada pelas alunas. O que importa não é a arte perfeita, mas o exercício que uma a imaginação e a matéria da disciplina, o tema proposto.
  11. 12. <ul><li>As HQs seguem o mesmo sentido de leitura dos nossos livros, isto é, da esquerda para a direita . </li></ul><ul><li>Mangás são lidos da direita para a esquerda , mas estamos no Brasil, recomendamos o exercício em sentido ocidental de leitura. </li></ul>Exemplo de quadrinização básica
  12. 13. <ul><li>Os quadrinhos usam de planos de cinema. Para um trabalho escolar, ainda que iniciante, é possível usá-los. Eis os principais exemplos. </li></ul>Grande Plano Geral Mostra uma visão geral de uma paisagem. Plano Geral Mostra uma pessoa, objeto ou qualquer coisa dentro de uma paisagem. Plano Americano Corta qualquer parte da pessoa acima do joelho e abaixo da cintura.
  13. 14. <ul><li>Outras possibilidades de planos a serem utilizados são: </li></ul>Plano Médio Corta acima da cintura até a altura do peito. Close-up ou Primeiro Plano Mostra apenas os ombros e a cabeça da pessoa. Big Close-up , ou Primeiríssimo Plano Mostra somente a cabeça da pessoa dominando toda a tela. Plano de detalhe ou Extreme Close-up Enquadra somente detalhes. Ex.: os olhos, um anel no dedo, um detalhe no nariz de alguém, etc.
  14. 15. Larry Gonick usa uma HQ curta para explicar a ordália e o funcionamento do direito na Idade Média usando do humor. Q1. Plano Americano, Q2. Grande Plano Geral, Q3 Plano Geral, Q4. Plano Americano.
  15. 16. O brasileiro Spacca, explica o Alvará de D. Maria I em seu quadrinho “D. João Carioca”. O objetivo é fazer rir, mas o resultado é didático. Os quadrinhos permitem que os alunos e alunas aprendam História de uma forma lúdica, desenvolvam competências lingüísticas e artísticas, e exercitem o senso crítico. Usando o modelo anterior, temos: Q1. Grande Plano Geral, Q2. Plano Geral, Q3. Plano Americano, Q4. Plano Geral, Q5-7. Planos gerais sobrepostos ao Q8. que é um Grande Plano Geral.
  16. 19. Aplicando princípios mínimos de roteiro e quadrinização, é possível criar uma HQ que possa ajudar a fixar os conteúdos estudados. Este é o tipo de atividade que permite aos estudantes desenvolverem várias aptidões e os resultados são muito satisfatórios. Não é preciso ser “artista”, basta imaginação, boa vontade e entendimento da matéria dada.
  17. 20. <ul><li>Professoras Natania e Valéria Fernandes. </li></ul><ul><li>E-mails: [email_address] [email_address] </li></ul><ul><li>O conteúdo desta aula pode ser usado desde que seja dado crédito a quem produziu o material. </li></ul>

×