A independências na américa latina

14.168 visualizações

Publicada em

Resumo de matéria sobre independência das colônias Ibéricas

1 comentário
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
14.168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.440
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
409
Comentários
1
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A independências na américa latina

  1. 1. A INDEPENDÊNCIA DAS COLÔNIAS IBÉRICAS NA AMÉRICA Natania Nogueira [email_address] www.historiadoensino.blogspot.com
  2. 2. A INDEPENDÊNCIA DAS COLÔNIAS ESPANHOLAS <ul><li>A independência da América espanhola está relacionada às transformações que ocorreram no século XVIII na Europa e que levaram à ruína o Absolutismo: </li></ul><ul><li>A independência das colônias inglesas na América do Norte. </li></ul><ul><li>A Revolução Industrial. </li></ul><ul><li>O Iluminismo </li></ul><ul><li>A Revolução Francesa. </li></ul>
  3. 3. ANTECEDENTES <ul><li>Crise política: Bourbons e Habsburgos disputavam o trono espanhol (Guerra da Sucessão). </li></ul><ul><li>Os Bourbons vencem e Felipe V passa a governar a Espanha e promove as Reformas Bourbonicas, com objetivo de reorganizar o Estado e a economia, baseando-se em princípios iluministas. </li></ul><ul><li>Entre as medidas tomadas destacam-se: </li></ul>Felipe V
  4. 4. <ul><li>A expulsão dos Jesuítas; </li></ul><ul><li>A criação dos vice-reinos de Nova Granada e do Rio da Prata; </li></ul><ul><li>Aumento de impostos; </li></ul><ul><li>Maior fiscalização sobre as riquezas produzidas pelas colônias; </li></ul><ul><li>Liberação do comércio entre as colônias; </li></ul><ul><li>Proibição da produção de manufaturas nas colônias. </li></ul>
  5. 5. A CRISE DO SISTEMA COLONIAL <ul><li>Em meados do século XVIII, a Espanha passava por sérios problemas econômicos. </li></ul><ul><li>Tornou-se grande devedora da Inglaterra e da França, pois importava produtos, já que seu desenvolvimento industrial era atrasado. </li></ul><ul><li>Para contornar a situação, a Coroa espanhola, aumentou os impostos e restringiu ainda mais o comércio colonial. </li></ul><ul><li>Tais medidas desagradaram os colonos, em especial os crioulos. Além dessas restrições econômicas, os crioulos também eram proibidos de tomar decisões políticas, pois o controle estava nas mãos dos Chapetones. </li></ul>
  6. 6. O PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA <ul><li>O processo da independência da América Hispânica está diretamente relacionado com a deposição de Fernando VII em 1808, quando as tropas francesas ocuparam a Espanha. </li></ul><ul><li>Napoleão Bonaparte nomeia seu irmão, José Bonaparte, como o novo rei da Espanha, desencadeando uma forte reação nas colônias, que passaram a formar as Juntas Governativas - com caráter separatistas e lideradas pelos criollos. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Antes dos movimentos separatistas ocorreram revoltas coloniais contra o domínio espanhol, destacando-se a revolta dos índios do Peru, liderados por Tupac Amaru. </li></ul><ul><li>Entre os precursores da independência das colônias hispânicas, destaque para Francisco Miranda, que planejou a independência da Venezuela, movimento que fracassou. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A primeira tentativa de emancipação ocorreu no México, em 1810, sob a liderança do padre Miguel Hidalgo. </li></ul><ul><li>No ano de 182O, É decretado o Plano Iguala, baseado na Constituição Liberal de Cadiz, que cria uma monarquia católica constitucional, com rei espanhol. </li></ul><ul><li>Em 1821 o General Augustin Itúrbide proclama a independência do México, tendo sido deposto em 1823. A monarquia torna-se República. </li></ul>A INDEPENDÊNCIA DA NOVA ESPANHA
  9. 9. O SURGIMENTO DE NOVAS NAÇÕES <ul><li>O movimento emancipacionista contou com a liderança dos chamados &quot;libertadores da América&quot; - Simón Bolívar, José de San Martin, José Sucre, Bernardo O'Higgins, Augustin Itúrbide, Miguel Hidalgo e José Artigas. </li></ul><ul><li>A partir de 1823, as colônias da América Central proclamarem a independência, surgindo as Províncias Unidas da América Central, que fragmentou-se em diversas Repúblicas: Costa Rica, Honduras, El Salvador, Guatemala e Nicarágua. Cuba e São Domingos só tiveram a independência no final do século XIX. </li></ul>
  10. 10. Simón Bolívar
  11. 11. <ul><li>No ano de 1818, sob a liderança de Simón Bolívar surge a Grã- Colômbia, que em 1830 se separam, formando a Colômbia e a Venezuela. </li></ul><ul><li>Em 1822 é proclamada a independência do Equador (Sucre e Bolívar). </li></ul><ul><li>Bernardo O'Higgins liberta o Chile, com a ajuda de San Martín, no ano de 1817; San Martin e Bolívar libertam o Peru em 1821; em 1825 foia vez da Bolívia, sob o comando de Sucre. </li></ul><ul><li>Na região do Prata o grande libertador foi San Martín Argentin(1816), Paraguai (1811) e Uruguai (1828). </li></ul>
  12. 12. CARACTERÍSTAS GERAIS DOS MOVIMENTOS DE INDEPENDÊNCIA DAS COLÔNIAS ESPANHOLAS <ul><li>O processo de independência da América Hispânica contou com o apoio da Inglaterra, interessada em ampliar seu mercado consumidor. </li></ul><ul><li>Uma outra característica foi a grande fragmentação territorial, em virtude do choque entre os diversos interesses das elites coloniais. </li></ul><ul><li>Do ponto vista econômico, a independência não rompeu com os laços de dependência em relação às potências européias. </li></ul><ul><li>As novas nações continuavam a ser exportadoras de matérias-primas e importadoras de produtos manufaturados. </li></ul><ul><li>No plano político, os novos dirigentes excluíram qualquer forma de participação popular nas decisões políticas. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Simón Bolívar defendia a unidade política interamericana, com a proposta da criação de uma Confederação de países latino-americanos (Bolivarismo), que contou com a oposição da Inglaterra e dos Estados Unidos. </li></ul><ul><li>Estados Unidos: desejava a fragmentação política para a consolidação norte-americana sobre a região (Doutrina Monroe) </li></ul><ul><li>A Inglaterra: a fragmentação consolidaria sua hegemonia econômica. Ou seja, dividir para melhor controlar. </li></ul><ul><li>O principal fenômeno político destas novas nações americanas foi o surgimento do caudilhismo. </li></ul>
  14. 14. O CAUDILHISMO <ul><li>O caudilho era um chefe político local, grande proprietário de terra e que procurava manter as mesmas estruturas sociais e econômicas herdadas do período colonial. Foi responsável pela grande instabilidade na formação dos Estados Nacionais. </li></ul><ul><li>O caudilhismo contribui para a fragmentação política e territorial da América Hispânica. Outros fatores para a fragmentação: ausência de vínculos econômicos entre as colônias e atividades econômicas voltadas para atenderem as exigências do mercado externo. </li></ul>
  15. 15. A INDEPENDÊNCIA DO BRASIL <ul><li>Independência significa liberdade para tomas suas próprias decisões, sem depender ou estar subordinado a alguém. </li></ul><ul><li>No caso do Brasil, independência significou autonomia em relação à Portugal. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Para muitos historiadores, o processo de independência do Brasil começa com a chegada de Dom João e da corte portuguesa ao Brasil, em 1808. </li></ul><ul><li>Dom João vem para cá, fugindo de Napoleão Bonaparte, que estava invadindo Portugal. </li></ul><ul><li>O nosso país deixou de ser colônia quando, em 1815, quando o Brasil foi elevado à categoria de Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves , pelo regente e futuro rei de Portugal Dom João VI. </li></ul>
  17. 17. A REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA <ul><li>A região Nordeste: com a mudança do eixo político-econômico sofria com problemas de concentração de renda e instabilidade econômica. </li></ul><ul><li>No ano de 1816, a região de Pernambuco sofreu uma série de secas e más colheitas que agravaram os problemas dos produtores da região. </li></ul><ul><li>Havia uma grande hostilidade contra os comerciantes portugueses e insatisfação com a elevação dos impostos. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>A insatisfação aumentou com a nomeação do governador Caetano Pinto Montenegro. </li></ul><ul><li>Em março de 1817, a insatisfação ganhou força se transformando em um movimento de inspiração separatista. Os revoltosos estabeleceram uma República controlada por um Governo Provisório. </li></ul><ul><li>Reagindo à imposição do novo governo, forças portuguesas atacaram os revoltosos e após alguns meses de conflito, a agitação separatista foi contida e muitos revoltosos foram punidos com a prisão e a morte. </li></ul>
  19. 19. D. Pedro proclama a Independência <ul><li>Em 1820: ocorreu a Revolução Liberal do Porto </li></ul><ul><li>As Cortes Portuguesas preparavam uma Constituição Liberal para Portugal e exigiram o retorno de D. João VI. </li></ul><ul><li>Em 1821, D. João VI parte com a família Real, deixando D. Pedro como príncipe regente. </li></ul><ul><li>A pressão das Cortes aumenta e D. Pedro, com apoio da elite colonial, proclama a Independência do Brasil em 1822. </li></ul>
  20. 20. MUDANÇAS? <ul><li>A independência não marcou nenhuma ruptura com o processo de nossa história colonial. </li></ul><ul><li>As bases sócio-econômicas (trabalho escravo, monocultura e latifúndio), que representavam a manutenção dos privilégios aristocráticos, permaneceram inalteradas. </li></ul><ul><li>O &quot;sete de setembro&quot; foi apenas a consolidação de uma ruptura política, que já começara 14 anos atrás, com a abertura dos portos. </li></ul>

×