Bs Final

470 visualizações

Publicada em

Bike Share Final - Material elaborado Pelo Coletivo Pedala Jundiaí para ser apresentado à Prefeitura do Município de Jundiaí, queremos uma cidade das bicicletas e estamos começando por aqui, entregamos uma série de materiais e propostas, serão analisadas e torcemos para serem implantadas!

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
470
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bs Final

  1. 1. Bicicleta Bicicletas têm ganho grande notoriedade como transporte durante essa última década em regiões que não se encontrava inserida culturalmente, pois é um método de transporte individual assim como o automóvel, no entanto não ocupa tanto espaço nas vias reduzido problemas de mobilidade nos centros urbanos e a degradação de espaços públicos causados devido aos congestionamentos e a constante ampliação da malha viária. A bicicleta também não emite resíduos de combustíveis fósseis na atmosfera, como é o caso dos veículos propulsionados a motor de combustão interna, grande responsável para a redução da qualidade do ar impactando o meio ambiente e a saúde da população. É comum que uma cidade como Jundiaí que prosperou com base na capacidade do automóvel de transpor grandes distâncias em um curto período tenha superdimensionado a área inscrita em seu perímetro urbano, e devida especulação imobiliária adensou a demografia de seu centro e afastou a classe menos favorecida financeiramente para os subúrbios aumentando a demanda pelo transporte e criando uma situação em que o automóvel deixa de ser uma solução para se tornar um problema. A bicicleta em meio a essas cidades grandes fica desfavorecida como meio de transporte, pois não são todos, em meio à população, que tem a disposição e habilidade para enfrentar sobre duas rodas em suas jornadas, ao trabalho estudos ou centros de lazer, a violência e ignorância (quanto aos direitos e deveres do cidadão) que a sociedade “carrocrata” impõe. Menor ainda é o número de ciclistas dispostos a transpor grandes distâncias para alcançar seu destino, em relação a essa última problemática o bike-sharing (ou bicicletas compartilhadas) aliadas a um transporte público bem planejado torna-se uma solução. Uma Solução Bike sharing é um sistema da qual a aplicação permite a intermodalidade do transporte, ou seja; usuário do sistema pode efetuar seu deslocamento de acordo com o modal de transporte que lhe convém alternando entre o transporte coletivo e a bicicleta (individual) ou até mesmo entre o automóvel e a bicicleta. Segundo DeMaio em seu artigo “Bike-sharing; History, Impacts, Modelo f provision, and Future” essa intermodalidade entre a bicicleta e o transporte coletivo proporciona a first mile/ last mile solution (solução primeiro “quilometro” / último “quilometro”), que ele explica ser um método de entregar ao usuário do transporte público autonomia e liberdade de itinerários e horários do transporte individual.
  2. 2. O conceito do bike-sharing surge na Holanda em 1965, na forma de um manifesto do Provo, grupo associado a contra cultura holandesa e ativo em questões sócio políticas. Consternados com engarrafamentos violência no transito e a poluição do ar frutos de uma nova política de transito implantada no período pós-guerra o grupo atua em um manifesto em praça pública onde pintam bicicletas de branco e a distribuem pela cidade. A cor branca indicava à bicicleta ser de bem público, portanto seu uso era coletivo; qualquer cidadão tinha o direito às bicicletas brancas como ferramenta de transporte, feito isso, era sua obrigação deixa-la em qualquer lugar desde que este fosse um espaço público para que pudesse cumprir sua função a outros cidadãos. A partir deste conceito surgem outros sistemas organizados de compartilhamento de bicicletas que se enquadram como a primeira geração de bike-sharing. Esses sistemas proporcionam ao público um produto, as bicicletas, e serviço; pontos de locação/devolução das bikes assim como manutenção e sua redistribuição entre os pontos garantindo que nenhum ponto ficasse vazio. Esse serviço é importante para a confiabilidade que o usuário tem no sistema, pois dessa forma sempre saberá onde encontrar a bicicleta em perfeito funcionamento. A segunda geração do bike-sharing só ocorre na década de 90 em cidades dinamarquesas. Esses sistemas eram mantidos por ONGs financiadas pelo governo e possuíam uma série de inovação:  Bicicletas próprias, desenvolvidas para o uso intensivo e por vezes abusivo, com intuito em diminuir a necessidade de manutenção.  Racks onde eram presas as bicicletas, incluído um mecanismo afixado na bicicleta onde ao inserir uma moeda era liberada a chave do cadeado responsável por prender a bicicleta ao rack. Quando inserida a chave de volta ao mecanismo este devolvia a moeda, por tanto a locação era gratuita e ocorria pelo “auto-serviço”.  Os racks e as bicicletas funcionavam como plataforma de publicidades de patrocinadores sistema. Embora os racks de auto-serviço inseridos na segunda geração de bike-sharing são considerados uma característica evolutiva do sistema, ele era falho pois ao contrário da primeira geração, em que os dados eram anotados por um atendente, nos bike- sharing da segunda geração o usuário se mantinha anônimo, o que tornava rotineira a não devolução das bicicletas aos racks ou até mesmo furto das bicicletas que chegaram a ser encontradas em outros continentes. A terceira geração de bike-sharing caracteriza-se pela solução do problema pontuado na geração anterior, o anonimato do usuário. BikeAbout, o bike-sharing desenvolvido em 1996 pela universidade britânica de Portsmouth sana o problema com a automação do serviço de locação vinculando a bicicleta ao usuário.
  3. 3. Para se tornar usuário dos sistemas de terceira geração é necessária à obtenção do cartão com tira magnética, somente expedido mediante a efetuação de cadastro. Para a locação da bicicleta o usuário apresenta o cartão no rack, que por meio de sistema eletrônico libera a bicicleta e armazena seu código junto ao código do usuário. Nos anos seguintes, novos programas bike-sharing surgem lentamente até que em 2007 Paris inaugura seu sistema chamado Vélib. No principio de seu funcionamento o sistema apresentou problemas relacionados ao vandalismo que mais tarde fora resolvido com bicicletas reforçadas e ampliação de seu alcance às comunidades revoltosas. O sistema recebeu tamanha notoriedade por meio da mídia, que os 60 sistemas de terceira geração existentes ao redor do globo no fim de 2007 tornaram-se 90 no fim de 2008 e 490 ao fim de 2012. Modelos Financeiros Obviamente existem custos envolvidos na implementação e manutenção de um bike-sharing. Modelos mais comuns usados para financiar os custos e manter sistema de bicicletas compartilhadas são: GOVERNAMENTAL Provido pelo governo ou prefeitura de determina região; a vantagem do modelo é a motivação em prover serviços à população, em contra partida não existe experiência nem estrutura necessária para prover o serviço (racks, bicicletas, serviço de atendimento ao cliente, etc.), o sistema deve ser criado do zero e profissionais responsáveis por manter o sistema precisam passar por treinamentos. AGENCIA DE TRANSPORTE Método considerado semi-governamental, mais preparado que modelos governamentais, pois somada a motivação de prover um serviço à população, está o expertise na área de atuação assim como estrutura física preparada, uma vez que a agencia provê o mesmo serviço a outros municípios. UNIVERSITÁRIO Universidades dispõem a seus a alunos o serviço dentro de seu campus. É uma boa iniciativa, de fácil controle e manutenção uma vez que o sistema cobre uma área pequena, sua única desvantagem está no fato que o sistema limita-se a região do campus. SEM FINS LUCRATIVOS(fundações e ONGs) Esse sistema é bastante vulnerável devido à variação no caixa, tornando a qualidade do serviço inconstante e pouco fiável. Em geral são subsidiados por autarquias, pois é uma forma que encontram em prover o serviço à população sem o devido comprometimento relativo à sua qualidade.
  4. 4. COMPANHIA DE PUBLICIDADE A cidade sede o espaço onde são expostos outdoors e quiosques, em troca à companhia implanta e mantém o sistema de bike-sharing. Nesse modelo as companhias possuem profissionais especializados assim como os equipamentos bicicletas racks e carros de apoio. PRIVADO São raros os sistemas privados, pois é uma tarefa difícil obter lucro do sistema bike-sharing. A menos que exista algum acordo entre o proprietário e município os racks de locação devem ficara em locais privados, tornando o sistema mais caro. Exemplos de Bike-Sharing implantados O modo de financiar um bike-sharing influencia nó modo de operção de todo, ou parte, do sistema, por tanto abaixo são citados alguns exemplos de bike-sharing suas características e modelo financeiro: Modelo COMPANHIA DE PUBLICIDADE, nesse modelo racks e bicicletas apresentam identidade visual do próprio sistema. As propagandas publicitárias concedidas pelo município à empresa responsável pelo sistema em troca do serviço são aplicadas em outdoors totens integrantes do mobiliário urbano painéis em áreas públicas etc., dessa forma a publicidade suportada por essas mídias não está vinculada ao sistema de bike- sharing. CYCLOCITY Cyclocity é o sistema pertencente à empresa de publicidade e mobiliário urbano JC Decaux, o sistema se faz presente em algumas cidades asiáticas, mas sua concentração maior é na Europa, mais especificamente na França país que abriga o Velib’, programa citado anteriormente, causador do verdadeiro “boom” das bicicletras compartilhadas.
  5. 5. SMART-BIKE Smart-Bike pertence à Add Shell, companhia de publicidade americana rival a francesa JCDecaux. Sua implantação mais bem sucedida ocorreu em Barcelona, pois ao prover o serviço à cidade diminui a taxa de acidentes de transito envolvendo tanto ciclistas quanto pedestres. É comum que em sistemas de AGENCIA DE TRANSPORTE o município procure ajuda financeira de empresas do setor privado, como é o caso entre Londres e o banco Barclays(¹BIXI) ou São Paulo/Rio de Janeiro e o banco Itaú(²MOBILICIDADE), todavia isso não é regra a exemplo da Prefeitura do município de Santos que arca com os custos do sistema mobilicidade. ¹BIXI Sistema encomendado pela cidade de Montreal, Canadá, à concessionária responsável pela zona azul estacionamento da cidade. Preocupada com a viabilidade do projeto a concessionária criou um sub grupo da empresa, Bixi (bicicleta táxi), para que pudesse atuar em em outras cidades. O design da bicicleta limpo e sua estrutura preparada para os mais de 10 mil quilômetros rodados diariamente. A Bixi atua nas cidades mundo afora como Melbourne e Londres.
  6. 6. ²MOBILICIDADE Sistema brasileiro pertencente à concessionária de zona azul e estradas Sertel, quando implantado pela segunda vez na cidade do Rio de Janeiro, mediante ao patrocínio do banco Itau, com o nome de Samba torna-se reconhecido em escala global. Atualmente seu foco esta centrado em sua nova missão, a implantação do sistema Sampa na cidade de São Paulo, novamente em parceria com o banco Itaú. Outras cidades em que a mobilicidade atua são; Santos, Sorocaba, Pernambuco, Petrolina, Porto Alegre e Porto Leve. Uma diferença no bike-sharing mobilicidade é seu sistema de auto-serviço, ao invés do rack possuir um display de interação entre o usuário e o sistema automatizado, para a locação o usuário deve discar o número da central de locação, de seu celular previamente cadastrado, em seguida discar o número da doca em que a bicicleta desejada esta presa. Outros modelos: USEBIKE Usebike é exemplo bastante ilustrativo de bike-sharing do tipo SEM FINS LUCRATIVOS. Consistia em bicicletários, paraciclos e sistema de empréstimo de bicicletas distribuído pela cidade de São Paulo, que ofereciam ao público o estacionamento grátis para ciclistas e mediante a um cadastro prévio a locação das bicicletas. Inicialmente o projeto foi fruto da parceria da seguradora Porto Seguro, ONG Parada Vital, redes de estacionamento Estapar e hotéis Accor, o governo do estado de São Paulo e a prefeitura da cidade de São Paulo. A participação da ONG Parada Vital era no gerenciamento e manutenção do sistema. A ONG também tinha objetivos sociais; seus funcionários eram jovens em situação de risco social que aprendiam uma profissão; administração, atendimento ao público nos pontos de locação, mecânico nas oficinas do sistema.
  7. 7. A prefeitura de São Paulo e a seguradora Porto Seguro (sucedida pela Sabesp) financiavam o sistema enquanto o Governo do Estado cedia espaço para os bicicletarios no metrô assim como as redes Estapar e Accor em seus estacionamentos. O sistema Use Bike chegou a ter cerca de 25 bicicletários pela cidade e utilizava dois modelos de bicicletas Sundown. Após a implantação de um segundo sistema de bicicletas compartilhadas na cidade, “as bicicletas do Itaú”, o sistema UseBike perdeu sua força de atuação e eventualmente foi encerrado. Uma característica contundente na Use Bike era o despreparo dos funcionários, que tinham dificuldade em efetuar a locação da bicicleta perante o sistema informatizado, chegando a levar cerca de 20 minutos para efetuar essa ação, além de o fato das bicicletas constantemente apresentar o sistema de câmbio desregulado. PEDAL USP PEDAL USP é um sistema do tipo UNIVERSITÁRIO. O projeto cuja faze de testes se iniciou no dia 4 de maio de 2010 funciona como sistema de bike-sharing dentro da cidade universitária. Como funciona? O aluno ou professor deve previamente cadastrar seu cartão USP no site www.usp.br/pedalusp . Com o cartão USP cadastrado é possível liberar a bicicleta em um dos dois terminais que se encontram no campus. Liberada a bicicleta o usuário deve verificar as condições de pneus, freios e banco, caso estejam Ok ele tem 20 minutos para devolver a bicicleta em um dos terminais. Em caso de atraso o usuário é penalizado não podendo usar o sistema
  8. 8. por dois dias. Um fato interessante desse sistema é o uso de bicicletas comuns adaptadas à racks automatizados que possibilitam o auto-serviço.

×