Jorge Vieira - Instrumentos Financeiros

622 visualizações

Publicada em

apresentação do professor Jorge em evento da Anefac sobre instrumentos financeiros.

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
133
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jorge Vieira - Instrumentos Financeiros

  1. 1. Jorge VieiraJorge Vieira AssessorAssessor Superintendência de Normas Contábeis e de AuditoriaSuperintendência de Normas Contábeis e de Auditoria jorgev@cvm.gov.brjorgev@cvm.gov.br
  2. 2. Agenda:Agenda: 1. Mensuração ao Valor Justo 2. Instrumentos Financeiros Compostos/Híbridos 3. Hedge Accounting
  3. 3. Qual o conceito de valor justo? (PT CPC n. 46) Valor justo é o preço [preço de saída] que seria pago para transferir um passivo recebido para vender um ativo Em uma transação ordenada, entre participantes de mercado, na data da mensuração.
  4. 4. Hierarquia para o valor justo: [CPC n. 46, itens 72-90] Níveis Hierárquicos: V A L O RV A L O RV A L O RV A L O R J U S T OJ U S T OJ U S T OJ U S T O 1º Nível: Preços cotados (não ajustados) em mercados ativos para ativos e passivos idênticos, que a entidade possa acessar na data da mensuração. [IFRS 13, item 76] 2º Nível: “inputs” não categorizados no nível 1 que sejam observáveis para o ativo ou passivo, seja direta ou indiretamente. [IFRS 13, item 81] 3º Nível: “inputs” não observáveis para o ativo ou passivo. [IFRS 13, item 86]
  5. 5. Spread S&P Moodys Fitch Prazo Nota 0,30% 0 Aaa.br 0 4 0,95 1,95% 0 A1.br 0 5 0,90 1,65% BrA+ 0 A+(bra) 4 0,76 1,85% BrA+ 0 A+(bra) 5 0,76 1,15% BrAAA 0 0 4 0,95 1,15% BrAAA 0 0 5 0,95 1,30% 0 Aa1.br 0 5 0,90 Níveis 3: Possível chegar ao risco de crédito? 1,30% 0 Aa1.br 0 5 0,90 1,50% 0 Aa2.br 0 6 0,86 1,20% BrAAA Aaa.br 0 4 0,95 1,20% 0 Aa2.br A+(bra) 5 0,86 1,25% BrAA Aa2.br A(bra) 4 0,86 1,95% BrAA- 0 0 5 0,81 1,40% BrAA- 0 0 3 0,81 1,70% 0 Aa3.br 0 5 0,81 1,70% 0 Aa3.br 0 5 0,81 1,50% 0 Aa1.br 0 5 0,90 1,60% 0 Aa2.br 0 5 0,86 1,60% BrAA- 0 0 4 0,81 0,90% 0 Aa1.br 0 2 0,90 2,00% 0 0 A+(bra) 4 0,76 1,30% 0 0 A(bra) 4 0,71
  6. 6. Rating Cia: BBB+(bra) Regressão OLS (estudo FGV adaptado) taxa de juros x rating de crédito Dependent Variable: SPREAD Spread Cia 3,67% Method: Least Squares Date: 07/12/12 Time: 09:12 Sample(adjusted): 120 Included observations: 20after adjusting endpoints 490905,0 ][Pr001602,0][000246,0028651,0 2 = ×+×−= R azoRatingmédioSpread Níveis 3: Modelo OLS Variable Coefficient Std. Error t-Statistic Prob. C 0,028651 0.006994 4.096.778 0.0008 PRAZO 0,001602 0.000607 2.638.127 0.0173 NOTA -0,000246 7.74E-05 -3.184.148 0.0054 R-squared 0.490905 Mean dependent var 0.014925 Adjusted R-squared 0.431011 S.D. dependent var 0.003109 S.E. of regression 0.002345 Akaike info criterion -9.135.522 Sum squared resid 9.35E-05 Schwarz criterion -8.986.162 Log likelihood 9.435.522 F-statistic 8.196.286 Durbin-Watson stat 1.754.563 Prob(F-statistic) 0.003220
  7. 7. CH Investimento Realizado Medição de Desempenho - DRE: CH VJ Realizado Criação ou Destruição de Riqueza
  8. 8. Constatação Empírica: Mensuração ao Valor Justo é Informação Contábil Relevante! É aquela capaz de fazer diferença nas decisões que possam ser tomadas pelos usuários (§QC6).pelos usuários (§QC6). i n t t ti ii k maisLucrosAnor PLeços εββα + + ++= ∑=1 , 21 )1( Pr Estatisticamente significativo Premissa subjacente: HME na sua forma semi forte J. Ohlson (CAR, 1995)
  9. 9. Avaliando a Eficácia do Hedge: O que fazer?Avaliando a Eficácia do Hedge: O que fazer? PT CPC 38; AG105 - Um hedge só é considerado altamente eficaz se ambas as condições seguintes forem satisfeitas: (a) No início do hedge e em períodos posteriores, espera-se que o hedge seja altamente eficaz em alcançar alterações de compensação no valor justo ou nos fluxos de caixa atribuíveis ao risco coberto durante o período para o qual o hedge foi designado. Essa expectativa poder ser demonstrada dedurante o período para o qual o hedge foi designado. Essa expectativa poder ser demonstrada de várias formas, incluindo uma comparação das alterações passadas no valor justo ou nos fluxos de caixa da posição coberta que sejam atribuíveis ao risco coberto com as alterações passadas no valor justo ou nos fluxos de caixa do instrumento de hedge, ou pela demonstração de elevada correlação estatística entre o valor justo ou os fluxos de caixa da posição coberta e os do instrumento de hedge. A entidade pode escolher uma taxa de hedge diferente de um para um a fim de melhorar a eficácia do hedge, como descrito no item AG100. (b) Os resultados reais do hedge estão dento do intervalo de 80 a 125%. Por exemplo, se os resultados reais forem tais que a perda no instrumento de hedge corresponder a $ 120 e o ganho nos instrumentos de caixa corresponder a $ 100, a compensação pode ser medida por 120/100, que é 120%, ou por 100/120, que é 83%. Nesse exemplo, supondo que o hedge satisfaz a condição da alínea (a), a entidade concluiria que o hedge tem sido altamente eficaz.
  10. 10. Contabilidade de Hedge: Operação de hedge é contratada para o período de 01.01.X2 a 28.02.X3. Os resultados observados por data de corte, assim como os testes de eficácia previstos no CPC#38, são apresentados abaixo: Instrumento Item Por Período Acumulado Teste de EficáciaVariações no Valor Justo Operação pode qualificar-se para fins de “hedge accounting”? Instrumento Item Período de Hedge Objeto de Hedge 1,25 0,8 1,25 0,8 31.03.X2 10.000 (8.000) (1,25) (0,80) (1,25) (0,80) 30.06.X2 5.000 (1.500) (3,33) (0,30) (1,58) (0,63) 30.09.X2 8.000 (10.000) (0,80) (1,25) (1,18) (0,85) 31.12.X2 4.500 (2.500) (1,80) (0,56) (1,25) (0,80) 28.02.X3 7.000 (4.200) (1,67) (0,60) (1,32) (0,76) Por Período Acumulado
  11. 11. Coligindo-se evidências estatísticas... Correlação Paramétrica de Pearson Coluna 1 Coluna 2 Coluna 1 1 Coluna 2 -0,8376612 1
  12. 12. Coligindo-se mais evidências estatísticas... Dependent Variable: INSTHEDGE Method: Least Squares Date: 08/29/13 Time: 23:09 Sample: 1 5 Included observations: 5 Variable Coefficient Std. Error t-Statistic Prob.Variable Coefficient Std. Error t-Statistic Prob. OBJETOHEDGE -1.329.637 0.210228 -6.324.742 0.0241 VARECONOMICA 0.794106 0.191354 4.149.930 0.0535 C 4.189.112 0.474944 8.820.217 0.0126 R-squared 0.968960 Mean dependent var 6.900.000 Adjusted R-squared 0.937920 S.D. dependent var 2.247.221 S.E. of regression 0.559914 Akaike info criterion 1.961.642 Sum squared resid 0.627007 Schwarz criterion 1.727.305 Log likelihood -1.904.104 F-statistic 3.121.654 Durbin-Watson stat 2.501.114 Prob(F-statistic) 0.031040
  13. 13. Em caso de a aplicação das normas contábeis vigentes (Pronunciamentos Técnicos, Interpretações e Orientações do CPC) colidir com a REPRESENTAÇÃO FIDEDIGNA, o que fazer? Quando a aplicação de um Pronunciamento, Interpretação ou Orientação do CPC conduzir à elaboração e apresentação de Demonstrações Contábeis Representação verdadeira e apropriada (“True and Fair view”) Primazia da Essência sobre a Forma Regra de “override” Parecer de Orientação CVM n. 37/2011 elaboração e apresentação de Demonstrações Contábeis que não correspondam a uma representação fidedigna da realidade econômica, o normativo específico deverá ser descumprido e os efeitos dessa decisão e a justificativa para tal decisão deverão ser divulgados em conjunto com as Demonstrações Contábeis (§§ 19-24, PT CPC n. 26). A não ser que dito procedimento seja terminantemente vedado do ponto de vista legal e regulatório (§19, PT CPC n. 26)
  14. 14. Hedge Accounting de transações projetadas altamente prováveis em moeda estrangeira: Diferimento de Perdas Cambiais ou Hedge? ativos 200 passivos - ME 80 Companhia "Y" ativos 200 passivos - ME 80 PL capital 120 Total 200 Total 200
  15. 15. Por hipótese, ocorrem os seguinte eventos: (1) transações projetadas ativas em moeda estrangeira (vendas em mercados internacionais) no montante de $5 (por ano) para os próximos 10 anos; (2) transações projetadas passivas em moeda estrangeira (compras em mercados internacionais) no montante de $3 (por ano) para os próximos 10 anos. Observa-se uma variação na taxa de câmbio de 20%. A companhia elege tão somente proteger as suas exportações. 100% dos fluxos de caixa previstos para os próximos 10 anos, o que se traduz em $50. E utiliza 80% de seus passivos em moeda estrangeira como um instrumento de hedge. $80 x 80% x 20% Instrumento de hedge 12,80 ativos 200,00 passivos - ME 96,00 risco fluxo de caixa futuro 10,00 PL Parte ineficaz do hedge 2,80 capital 120,00 ORA - hedge 10,00- DRE: Lucros. Ac. 6,00- Despesa Financeira 3,20- Total 200,00 Total 200,00 Parte ineficaz do hedge 2,80- LL 6,00- Companhia "Y" Tabela 1: Modelo de Hedge Accounting vigente 20% $80 x 20% x 20% $50 x 20%
  16. 16. Fossem consideradas as importações projetadas, que constituem-se em “hedge natural” dos fluxos de caixa futuros, a contabilidade de hedge, dentro de uma visão macro, refletiria a seguinte realidade: Instrumento de hedge 12,80 ativos 200,00 passivos - ME 96,00 risco fluxo de caixa futuro 4,00 PL Parte ineficaz do hedge 8,80 Companhia "Y" Tabela 2: Modelo de Macro Hedging PL Parte ineficaz do hedge 8,80 capital 120,00 ORA - hedge 4,00- DRE: Lucros. Ac. 12,00- Despesa Financeira 3,20- Total 200,00 Total 200,00 Parte ineficaz do hedge 8,80- LL 12,00- ($50 - $30) x 20%
  17. 17. IFs Compostos/Híbridos: Que bicho é esse?
  18. 18. IFs Compostos/Híbridos: Definições nas IFRSs: Instrumento Híbrido (IAS 39, §§10-13, AG27-AG33B): Um instrumento híbrido é todo aquele instrumento financeiro que contém um derivativo embutido (“embbeded derivative”)contém um derivativo embutido (“embbeded derivative”) abrigado em um instrumento principal (“host contract”) Instrumento Composto (IAS 32, §§28-32, AG30-AG35): Um instrumento composto é um instrumento financeiro não derivativo que contém elementos de passivo (“liability”) e de patrimônio líquido (“equity”).
  19. 19. Tratamento contábil para fins de reconhecimento: “Split Accounting” via mensuração ao valor justo de cada parte do IF, a depender de algumas condições.
  20. 20. A companhia "A" subscreveu e integralizou $80 em debêntures de emissão da companhia "B", as quais são conversíveis em 20 ações de emissão de "B", por ocasião de seu vencimento, em 5 anos, pelo preço de exercício fixo de $4,00. As debêntures pagam um cupom anual de $6 ao seu titular. Admitindo que a opção embutida se enquadre no conceito de PL... Parte Passiva - Juros 22,74Parte Passiva - Juros 22,74 Parte Passiva - Principal 49,67 Parte PL (regra do "fixed-for-fixed") 7,58 Risco de crédito "B" (a.a.) 4% Tx desconto Taxa de juros livre de risco (a.a.) 6% 10% Custos de Emissão $10 ∑= + 5 1 )1(t t t K Coupon 5 )1( 80 K+
  21. 21. As opiniões externadas nesta apresentação são de minha inteira responsabilidade, não refletindo, necessariamente, orefletindo, necessariamente, o entendimento da Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Jorge VieiraJorge Vieira AssessorAssessor Superintendência de Normas Contábeis e de AuditoriaSuperintendência de Normas Contábeis e de Auditoria jorgev@cvm.gov.brjorgev@cvm.gov.br

×