SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
MANUAL DE INSTRUÇÕES
TRADO TIPO CANECO
MODELOS: TC-2/TC-3/TC-4
TERMOS DE GARANTIA
Este aparelho é garantido contra possíveis defeitos de fabricação ou danos, que se
verificar por uso correto do equipamento, no período de 12 meses a partir da data da
compra.
A garantia não abrange fusível, pilhas, baterias e acessórios como pontas de prova,
bolsa de transporte, sensores, etc.
Excluem-se de garantia os seguintes casos:
a) Uso incorreto, contrariando as instruções;
b) Violação do aparelho por técnicos não autorizados;
c) Queda e exposição a ambientes inadequados.
Observações:
• Ao enviar o equipamento para assistência técnica e o mesmo possuir certificado de
calibração, deve ser encaminhada uma carta junto com o equipamento, autorizando a
abertura do mesmo pela assistência técnica da Sondaterra.
• Caso a empresa possua Inscrição Estadual, esta deve encaminhar uma nota fiscal de
simples remessa do equipamento para fins de trânsito.
• No caso de pessoa física ou jurídica possuindo isenção de Inscrição Estadual, esta
deve encaminhar uma carta discriminando sua isenção e informando que os
equipamentos foram encaminhados a fins exclusivos de manutenção ou emissão de
certificado de calibração.
• Recomendamos que as pilhas sejam retiradas do instrumento após o uso. Não
utilize pilhas novas juntamente com pilhas usadas. Não utilize pilhas recarregáveis.
• Ao solicitar qualquer informação técnica sobre este equipamento, tenha sempre em
mãos o número da nota fiscal de venda da Sondaterra, código de barras e número de
série do equipamento.
• Todas as despesas de frete (dentro ou fora do período de garantia) e riscos
correm por conta do comprador.
SONDATERRA®
EQUIPAMENTOS AGRONÔMICOS LTDA.
www.sondaterra.com
Rua Samuel Neves, 1823 - Fone: (19) 3433-7200 Fax: 3434-7803
CEP 13.416-404 - Piracicaba - São Paulo
1. CARACTERÍSTICAS
Os trados tipo Caneco são recomendados para amostragem de solo para fertilidade e
estudos pedológicos, em solos de textura arenosa ou úmidos.
Fabricados pela SONDATERRA®
, são confeccionados em aço inoxidável 304,
livre, portanto de contaminações das amostras de solo.
Esses trados se prestam para coletar amostras de solo em diferentes camadas, de
acordo com o comprimento da haste.
É disponibilizado em 3 modelos:
 TC-2”: Caçamba de 20 cm e Ø de 2”
 TC-3”: Caçamba de 20 cm e Ø de 3”
 TC-4”: Caçamba de 20 cm e Ø de 4”
Também fabricado em peça única com caçamba rosqueada
1.1 – Característica do kit
O kit é composto por:
 01 caçamba Caneco
 02 hastes de 40 cm ou 1 haste de 100 cm com Ø de 3/4”
 01 cruzeta
 02 chaves 18/19 para montagem e desmontagem
 01 estojo para transporte
 Manual de instruções
Trata-se de uma ferramenta delicada, devendo sempre ser usada com os devidos
cuidados.
Não deve ser utilizada em solos contendo cascalhos ou solos rasos com subsolos
rochosos (litossolos).
Não colete amostras quando o solo estiver muito úmido ou excessivamente seco,
quando em épocas de secas prolongadas. O próprio trado lhe mostrará o ponto certo
quando penetrar com facilidade no solo e deixar, com sua inversão em ponteira-
cabeça, a terra deslizar facilmente para o saco plástico.
Ao se afundar o trado no solo, deve-se fazê-lo sem violência, para que se possa sentir
durante a sua introdução, a presença de camadas compactadas no solo. No caso do
trado não afundar, pode tratar-se de uma camada de cascalho ou simples pedra
isolada, portanto, deve-se retirar a sonda e aplicar em outro local, evitando-se assim,
estragar a ponteira de aço.
Figura 1: Modelo de kit
2. AMOSTRAGEM DE TERRA PARA ANÁLISE DE FERTILIDADE.
É o procedimento de coletar amostra de terra, de modo que esta seja a mais
representativa do terreno onde vai ser implantada a cultura. Se a coleta da amostra
não for bem feita, o resultado analítico não indicará as reservas reais do solo e,
conseqüentemente, os adubos recomendados e aplicados não alimentarão
adequadamente a cultura, e, portanto, a produção obtida será menor do que a
esperada.
Para realizar uma coleta de amostras bem feita, o operador deve proceder de acordo
com as operações abaixo:
Figura 2: Amostragem de solo
3. DIVISÃO DA ÁREA EM GLEBAS.
Divida o terreno em talhões de no máximo 20 hectares. Considere na divisão a cor
do solo, grau de uso, erosão, fertilidade, profundidade (rasos e profundos), solos
úmidos (várzeas), pastagens, plantas anuais, semi-perenes ou perenes (pomares,
cafezais, cana, etc.), como mostra a figura acima.
De cada gleba, recolha em um saco plástico, sem contato manual, amostras de terra
coletadas das camadas desejadas, de acordo com a cultura instalada na área (0-20,
20-40, 40-60, 60-80 e 80-100 cm), de no mínimo 20 pontos distintos e distantes pelo
menos 70 metros um do outro, caminhando em ziguezague.
4. OPERAÇÃO DE COLETA
1. Misture bem a terra com as mãos por fora do saquinho plástico,
pressionando-o para desfazer os torrões eventualmente formados. Não
misture a terra com as mãos diretamente, pois além de sujá-las, poderá
contaminar as amostras.
2. Depois de bem misturadas, adicione cerca de 1/2 litro da amostra em um
saquinho plástico ou caixinha de papelão próprio para envio ao laboratório.
3. QUESTIONÁRIO DAS AMOSTRAS: Preencha corretamente o
questionário. Seu preenchimento é obrigatório. Se tiver plantas perenes ou
pomares, complete as informações, escrevendo a idade das plantas,
variedades do porta-enxerto, calagem, adubações realizadas anteriormente,
a produção obtida nos anos anteriores, assim como a produção desejada.
Estas informações são fundamentais para as recomendações de correção e adubação.
4. Introduza a ferramenta até a profundidade escolhida, utilizando a marreta
que acompanha o equipamento. Retire o trado do solo, segurando pela
cruzeta e girando a mesma como um saca-rolha, no sentido horário, ou
seja, no sentido da esquerda para a direita, para que a ponteira não se perca
dentro do solo.
5. No caso de encontrar dificuldade para introduzi-la no solo, ou a terra
estiver grudando na ponteira, formando uma rolha, procure coletar a
amostra em duas etapas, coletando de 10 em 10 cm.
6. Recolha o material coletado na profundidade 0–20 cm em um saco
plástico, e recoloque a sonda no mesmo buraco para coletar a amostra 20-
40 cm, repita a operação para a amostragem das demais profundidades
recolhendo o material em outro saco plástico. Repita as operações nos
vinte pontos para completar uma amostra composta.
7. Não use a ferramenta em solos pedregosos ou com cascalhos e não colete
amostras quando o solo estiver muito úmido ou excessivamente seco,
épocas de estiagem.
4.1 - OBSERVAÇÃO:
1. Limpeza: Depois de utilizar o trado, remova a caçamba, lave-a bem,
passe uma fina camada de óleo na rosca, volte-a no lugar e guarde o equipamento em
lugar bem seco. Dessa forma, ele estará sempre pronto para uso.
Ao aderir ao uso da SONDATERRA®, você não só vai colher uma melhor
amostra, como também, vai economizar tempo e dinheiro.
É expressamente proibida a cópia por qualquer meio deste documento, ou
parte do mesmo, sem a prévia autorização por escrito da Sondaterra Equipamentos
Agronômicos Ltda.
A Sondaterra reserva-se no direito de fazer alterações neste manual ou no
equipamento sem prévio aviso.
As informações contidas neste manual são as mais atuais no momento da
publicação e são fornecidas para facilitar o uso do equipamento.
Apesar de terem sido tomadas todas as precauções na elaboração deste
manual, a Sondaterra não assume qualquer responsabilidade por eventuais erros ou
omissão bem como nenhuma obrigação é assumida por danos resultantes do uso das
informações aqui contidas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do soloWillian Passos
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasAndré Fontana Weber
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptUFV
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxElvisRicardo12
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesBruno Rodrigues
 
Manual de Construções Rurais Soja Plus
Manual de Construções Rurais   Soja PlusManual de Construções Rurais   Soja Plus
Manual de Construções Rurais Soja Plusequipeagroplus
 
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZANTONIO INACIO FERRAZ
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveGeagra UFG
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoGeagra UFG
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesGeraldo Henrique
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasJoseanny Pereira
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticulturaRogger Wins
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasAndresa Gueiros
 
Estresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoEstresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoDailson Oliveira
 
Secagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasSecagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasDanii Morais
 

Mais procurados (20)

Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
AULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.pptAULA 1 Produção de mudas.ppt
AULA 1 Produção de mudas.ppt
 
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptxImportancia - Formação e estrutura da semente.pptx
Importancia - Formação e estrutura da semente.pptx
 
Hortas
HortasHortas
Hortas
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
 
Manual de Construções Rurais Soja Plus
Manual de Construções Rurais   Soja PlusManual de Construções Rurais   Soja Plus
Manual de Construções Rurais Soja Plus
 
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZA CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
A CULTURA DA CANA DE AÇÚCAR-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Análises de Grãos
Análises de GrãosAnálises de Grãos
Análises de Grãos
 
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de DesenvolveComo a Planta de Arroz de Desenvolve
Como a Planta de Arroz de Desenvolve
 
Técnicas de Poda
Técnicas de PodaTécnicas de Poda
Técnicas de Poda
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Desenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantasDesenvolvimento das plantas
Desenvolvimento das plantas
 
Seminario epi e epc
Seminario epi e epcSeminario epi e epc
Seminario epi e epc
 
Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
 
Estresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídricoEstresse por déficit hídrico
Estresse por déficit hídrico
 
Secagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolasSecagem dos produtos agrícolas
Secagem dos produtos agrícolas
 

Semelhante a Manual trado caneco

amostragem de solo.pdf
amostragem de solo.pdfamostragem de solo.pdf
amostragem de solo.pdfmarcio neves
 
Cartilha recomendacoes fomento_florestal
Cartilha recomendacoes fomento_florestalCartilha recomendacoes fomento_florestal
Cartilha recomendacoes fomento_florestalrodolfoctfsilva
 
Mecanica dos solos novo
Mecanica dos solos novoMecanica dos solos novo
Mecanica dos solos novoengenhar
 
MANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em Produção
MANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em ProduçãoMANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em Produção
MANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em ProduçãoLuiz Valeriano
 
Livro amostragem de solo para análise química
Livro   amostragem de solo para análise químicaLivro   amostragem de solo para análise química
Livro amostragem de solo para análise químicaLeticia Foratto
 
Amostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analiseAmostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analisefaccamp
 
Bio sollo laboratório - serviços
Bio sollo   laboratório - serviçosBio sollo   laboratório - serviços
Bio sollo laboratório - serviçosmvezzone
 
Bio sollo laboratório - serviços
Bio sollo   laboratório - serviçosBio sollo   laboratório - serviços
Bio sollo laboratório - serviçosmvezzone
 
Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomucenoPop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomucenoPaulo Eduardo Bastos
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsleneschabbach
 
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliçasSecador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliçasUrialisson Queiroz
 
MANUAL DE INSTALAÇÃO
MANUAL DE INSTALAÇÃOMANUAL DE INSTALAÇÃO
MANUAL DE INSTALAÇÃObtbeffa
 
Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1Armindo Rosa
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Nbr 11579 cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...
Nbr 11579   cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...Nbr 11579   cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...
Nbr 11579 cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...profNICODEMOS
 

Semelhante a Manual trado caneco (20)

amostragem de solo.pdf
amostragem de solo.pdfamostragem de solo.pdf
amostragem de solo.pdf
 
Café. análise química do solo
Café. análise química do soloCafé. análise química do solo
Café. análise química do solo
 
Cartilha recomendacoes fomento_florestal
Cartilha recomendacoes fomento_florestalCartilha recomendacoes fomento_florestal
Cartilha recomendacoes fomento_florestal
 
Mecanica dos solos novo
Mecanica dos solos novoMecanica dos solos novo
Mecanica dos solos novo
 
Coleta de amostra deformada
Coleta de amostra deformadaColeta de amostra deformada
Coleta de amostra deformada
 
MANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em Produção
MANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em ProduçãoMANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em Produção
MANUAL DO CAFÉ - EMATER MG - Manejo de Cafezais Em Produção
 
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de soloCol.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
 
Livro amostragem de solo para análise química
Livro   amostragem de solo para análise químicaLivro   amostragem de solo para análise química
Livro amostragem de solo para análise química
 
Amostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analiseAmostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analise
 
Como fazer uma horta
Como fazer uma hortaComo fazer uma horta
Como fazer uma horta
 
Bio sollo laboratório - serviços
Bio sollo   laboratório - serviçosBio sollo   laboratório - serviços
Bio sollo laboratório - serviços
 
Bio sollo laboratório - serviços
Bio sollo   laboratório - serviçosBio sollo   laboratório - serviços
Bio sollo laboratório - serviços
 
Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomucenoPop desinfecção plano micro karla nepomuceno
Pop desinfecção plano micro karla nepomuceno
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
 
Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
 
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliçasSecador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
Secador solar de baixo custo para frutas e hortaliças
 
MANUAL DE INSTALAÇÃO
MANUAL DE INSTALAÇÃOMANUAL DE INSTALAÇÃO
MANUAL DE INSTALAÇÃO
 
Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1Fertirrega 2004 c indice 1
Fertirrega 2004 c indice 1
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
 
Nbr 11579 cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...
Nbr 11579   cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...Nbr 11579   cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...
Nbr 11579 cimento portland - determinacao da finura por meio da peneira 75 ...
 

Mais de ampla engenharia

Saiba como reagir a crít...no trabalho carreiras
Saiba como reagir a crít...no trabalho   carreirasSaiba como reagir a crít...no trabalho   carreiras
Saiba como reagir a crít...no trabalho carreirasampla engenharia
 
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosProcedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosampla engenharia
 
Manual para-elaboracao-de-artigos-cientificos
Manual para-elaboracao-de-artigos-cientificosManual para-elaboracao-de-artigos-cientificos
Manual para-elaboracao-de-artigos-cientificosampla engenharia
 
Aprenda a escolher um cu...rofissional carreiras
Aprenda a escolher um cu...rofissional   carreirasAprenda a escolher um cu...rofissional   carreiras
Aprenda a escolher um cu...rofissional carreirasampla engenharia
 
Você sabe a diferença entre os níveis profissionais
Você sabe a diferença entre os níveis profissionaisVocê sabe a diferença entre os níveis profissionais
Você sabe a diferença entre os níveis profissionaisampla engenharia
 
Como colocar seu currículo no topo das buscas do google
Como colocar seu currículo no topo das buscas do googleComo colocar seu currículo no topo das buscas do google
Como colocar seu currículo no topo das buscas do googleampla engenharia
 
12 dicas para ter uma postura profissional
12 dicas para ter uma postura profissional12 dicas para ter uma postura profissional
12 dicas para ter uma postura profissionalampla engenharia
 
Plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriais
Plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriaisPlano de gerenciamento de resíduos sólidos industriais
Plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriaisampla engenharia
 
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01ampla engenharia
 

Mais de ampla engenharia (15)

Sondaterra sonda caladora
Sondaterra   sonda caladoraSondaterra   sonda caladora
Sondaterra sonda caladora
 
Saiba como reagir a crít...no trabalho carreiras
Saiba como reagir a crít...no trabalho   carreirasSaiba como reagir a crít...no trabalho   carreiras
Saiba como reagir a crít...no trabalho carreiras
 
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunosProcedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
Procedimentos elaboracao artigos_pp2_alunos
 
Normas gps
Normas gpsNormas gps
Normas gps
 
Manual para-elaboracao-de-artigos-cientificos
Manual para-elaboracao-de-artigos-cientificosManual para-elaboracao-de-artigos-cientificos
Manual para-elaboracao-de-artigos-cientificos
 
Aprenda a escolher um cu...rofissional carreiras
Aprenda a escolher um cu...rofissional   carreirasAprenda a escolher um cu...rofissional   carreiras
Aprenda a escolher um cu...rofissional carreiras
 
Você sabe a diferença entre os níveis profissionais
Você sabe a diferença entre os níveis profissionaisVocê sabe a diferença entre os níveis profissionais
Você sabe a diferença entre os níveis profissionais
 
Como colocar seu currículo no topo das buscas do google
Como colocar seu currículo no topo das buscas do googleComo colocar seu currículo no topo das buscas do google
Como colocar seu currículo no topo das buscas do google
 
12 dicas para ter uma postura profissional
12 dicas para ter uma postura profissional12 dicas para ter uma postura profissional
12 dicas para ter uma postura profissional
 
Duas aspirinas em_água
Duas aspirinas em_águaDuas aspirinas em_água
Duas aspirinas em_água
 
Plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriais
Plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriaisPlano de gerenciamento de resíduos sólidos industriais
Plano de gerenciamento de resíduos sólidos industriais
 
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
Sistemasdeinformaogeogrfica 130702102214-phpapp01
 
Introduo ao-sig-26820
Introduo ao-sig-26820Introduo ao-sig-26820
Introduo ao-sig-26820
 
Risco em usinas eólicas
Risco em usinas eólicasRisco em usinas eólicas
Risco em usinas eólicas
 
Coleta seletiva 2003
Coleta seletiva 2003Coleta seletiva 2003
Coleta seletiva 2003
 

Manual trado caneco

  • 1. MANUAL DE INSTRUÇÕES TRADO TIPO CANECO MODELOS: TC-2/TC-3/TC-4
  • 2. TERMOS DE GARANTIA Este aparelho é garantido contra possíveis defeitos de fabricação ou danos, que se verificar por uso correto do equipamento, no período de 12 meses a partir da data da compra. A garantia não abrange fusível, pilhas, baterias e acessórios como pontas de prova, bolsa de transporte, sensores, etc. Excluem-se de garantia os seguintes casos: a) Uso incorreto, contrariando as instruções; b) Violação do aparelho por técnicos não autorizados; c) Queda e exposição a ambientes inadequados. Observações: • Ao enviar o equipamento para assistência técnica e o mesmo possuir certificado de calibração, deve ser encaminhada uma carta junto com o equipamento, autorizando a abertura do mesmo pela assistência técnica da Sondaterra. • Caso a empresa possua Inscrição Estadual, esta deve encaminhar uma nota fiscal de simples remessa do equipamento para fins de trânsito. • No caso de pessoa física ou jurídica possuindo isenção de Inscrição Estadual, esta deve encaminhar uma carta discriminando sua isenção e informando que os equipamentos foram encaminhados a fins exclusivos de manutenção ou emissão de certificado de calibração. • Recomendamos que as pilhas sejam retiradas do instrumento após o uso. Não utilize pilhas novas juntamente com pilhas usadas. Não utilize pilhas recarregáveis. • Ao solicitar qualquer informação técnica sobre este equipamento, tenha sempre em mãos o número da nota fiscal de venda da Sondaterra, código de barras e número de série do equipamento. • Todas as despesas de frete (dentro ou fora do período de garantia) e riscos correm por conta do comprador. SONDATERRA® EQUIPAMENTOS AGRONÔMICOS LTDA. www.sondaterra.com Rua Samuel Neves, 1823 - Fone: (19) 3433-7200 Fax: 3434-7803 CEP 13.416-404 - Piracicaba - São Paulo
  • 3. 1. CARACTERÍSTICAS Os trados tipo Caneco são recomendados para amostragem de solo para fertilidade e estudos pedológicos, em solos de textura arenosa ou úmidos. Fabricados pela SONDATERRA® , são confeccionados em aço inoxidável 304, livre, portanto de contaminações das amostras de solo. Esses trados se prestam para coletar amostras de solo em diferentes camadas, de acordo com o comprimento da haste. É disponibilizado em 3 modelos:  TC-2”: Caçamba de 20 cm e Ø de 2”  TC-3”: Caçamba de 20 cm e Ø de 3”  TC-4”: Caçamba de 20 cm e Ø de 4” Também fabricado em peça única com caçamba rosqueada 1.1 – Característica do kit O kit é composto por:  01 caçamba Caneco  02 hastes de 40 cm ou 1 haste de 100 cm com Ø de 3/4”  01 cruzeta  02 chaves 18/19 para montagem e desmontagem  01 estojo para transporte  Manual de instruções Trata-se de uma ferramenta delicada, devendo sempre ser usada com os devidos cuidados. Não deve ser utilizada em solos contendo cascalhos ou solos rasos com subsolos rochosos (litossolos). Não colete amostras quando o solo estiver muito úmido ou excessivamente seco, quando em épocas de secas prolongadas. O próprio trado lhe mostrará o ponto certo quando penetrar com facilidade no solo e deixar, com sua inversão em ponteira- cabeça, a terra deslizar facilmente para o saco plástico. Ao se afundar o trado no solo, deve-se fazê-lo sem violência, para que se possa sentir durante a sua introdução, a presença de camadas compactadas no solo. No caso do trado não afundar, pode tratar-se de uma camada de cascalho ou simples pedra isolada, portanto, deve-se retirar a sonda e aplicar em outro local, evitando-se assim, estragar a ponteira de aço.
  • 4. Figura 1: Modelo de kit 2. AMOSTRAGEM DE TERRA PARA ANÁLISE DE FERTILIDADE. É o procedimento de coletar amostra de terra, de modo que esta seja a mais representativa do terreno onde vai ser implantada a cultura. Se a coleta da amostra não for bem feita, o resultado analítico não indicará as reservas reais do solo e, conseqüentemente, os adubos recomendados e aplicados não alimentarão adequadamente a cultura, e, portanto, a produção obtida será menor do que a esperada. Para realizar uma coleta de amostras bem feita, o operador deve proceder de acordo com as operações abaixo: Figura 2: Amostragem de solo
  • 5. 3. DIVISÃO DA ÁREA EM GLEBAS. Divida o terreno em talhões de no máximo 20 hectares. Considere na divisão a cor do solo, grau de uso, erosão, fertilidade, profundidade (rasos e profundos), solos úmidos (várzeas), pastagens, plantas anuais, semi-perenes ou perenes (pomares, cafezais, cana, etc.), como mostra a figura acima. De cada gleba, recolha em um saco plástico, sem contato manual, amostras de terra coletadas das camadas desejadas, de acordo com a cultura instalada na área (0-20, 20-40, 40-60, 60-80 e 80-100 cm), de no mínimo 20 pontos distintos e distantes pelo menos 70 metros um do outro, caminhando em ziguezague. 4. OPERAÇÃO DE COLETA 1. Misture bem a terra com as mãos por fora do saquinho plástico, pressionando-o para desfazer os torrões eventualmente formados. Não misture a terra com as mãos diretamente, pois além de sujá-las, poderá contaminar as amostras. 2. Depois de bem misturadas, adicione cerca de 1/2 litro da amostra em um saquinho plástico ou caixinha de papelão próprio para envio ao laboratório. 3. QUESTIONÁRIO DAS AMOSTRAS: Preencha corretamente o questionário. Seu preenchimento é obrigatório. Se tiver plantas perenes ou pomares, complete as informações, escrevendo a idade das plantas, variedades do porta-enxerto, calagem, adubações realizadas anteriormente, a produção obtida nos anos anteriores, assim como a produção desejada. Estas informações são fundamentais para as recomendações de correção e adubação.
  • 6. 4. Introduza a ferramenta até a profundidade escolhida, utilizando a marreta que acompanha o equipamento. Retire o trado do solo, segurando pela cruzeta e girando a mesma como um saca-rolha, no sentido horário, ou seja, no sentido da esquerda para a direita, para que a ponteira não se perca dentro do solo. 5. No caso de encontrar dificuldade para introduzi-la no solo, ou a terra estiver grudando na ponteira, formando uma rolha, procure coletar a amostra em duas etapas, coletando de 10 em 10 cm. 6. Recolha o material coletado na profundidade 0–20 cm em um saco plástico, e recoloque a sonda no mesmo buraco para coletar a amostra 20- 40 cm, repita a operação para a amostragem das demais profundidades recolhendo o material em outro saco plástico. Repita as operações nos vinte pontos para completar uma amostra composta. 7. Não use a ferramenta em solos pedregosos ou com cascalhos e não colete amostras quando o solo estiver muito úmido ou excessivamente seco, épocas de estiagem. 4.1 - OBSERVAÇÃO: 1. Limpeza: Depois de utilizar o trado, remova a caçamba, lave-a bem, passe uma fina camada de óleo na rosca, volte-a no lugar e guarde o equipamento em lugar bem seco. Dessa forma, ele estará sempre pronto para uso. Ao aderir ao uso da SONDATERRA®, você não só vai colher uma melhor amostra, como também, vai economizar tempo e dinheiro.
  • 7. É expressamente proibida a cópia por qualquer meio deste documento, ou parte do mesmo, sem a prévia autorização por escrito da Sondaterra Equipamentos Agronômicos Ltda. A Sondaterra reserva-se no direito de fazer alterações neste manual ou no equipamento sem prévio aviso. As informações contidas neste manual são as mais atuais no momento da publicação e são fornecidas para facilitar o uso do equipamento. Apesar de terem sido tomadas todas as precauções na elaboração deste manual, a Sondaterra não assume qualquer responsabilidade por eventuais erros ou omissão bem como nenhuma obrigação é assumida por danos resultantes do uso das informações aqui contidas.