Inferno ApresentaçãO1

1.498 visualizações

Publicada em

Conceição de Jacareí - RJ

http://www.gespiritacristao.com

Publicada em: Espiritual, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Inferno ApresentaçãO1

  1. 1. O INFERNO E O PURGATÓRIO
  2. 2. O Inferno e o Purgatório - CI cap. IV item 1- Intuição das penas Futuras Kardec nos explica, que o homem acreditou, por intuição, que a vida futura deveria ser feliz ou infeliz, em razão do bem e do mal que se faz neste mundo; ... as penas e as recompensas são reflexos dos seus instintos predominantes (egoísmo, inveja, etc.). Dominado pela matéria o homem, não compreendia e ainda, não pode compreender a espiritualidade. Desde pequeninos, que ouvimos os mais velhos dizer que se formos bons vamos para o Céu, se formos mal vamos para o inferno. O Céu é a parte que está mais particularmente, acima do nosso horizonte, nos “vemos”. Mas o que é o Inferno e onde fica? Dicionário: Substantivo masculino.
  3. 3. <ul><li>Mitologia: lugar subterrâneo onde estão as almas dos mortos. Segundo o Cristianismo: Lugar ou situação pessoal em que se encontram os que morreram em estado de pecado; lugar de tormento, de martírio. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Item 3- CI- Inferno Pagão e Inferno Cristão. </li></ul><ul><li>Tanto para os Pagãos quanto para os Cristãos, o Inferno seria o local, para onde iam os maus. Esta imagem foi criada pela doutrina cristã e originária do paganismo. Não tendo o entendimento da vida espiritual, nem da justiça de Deus, imaginou-se que os homens maus só poderiam merecer um castigo eterno. </li></ul><ul><li>Criaram a temência a Deus, tendo-O como castigador implacável. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A Doutrina Espírita veio esclarecer sobre esse importante dogma das penas eternas, ensina-nos que, o inferno é a morada temporária de entidades de baixa moral, inimigas do Bem e revoltadas, contra a justiça Divina. </li></ul><ul><li>Dentro das várias moradas, nessas, permanecem transitoriamente as almas dos que se comprazem no assassínio, no furto, na mentira, na luxúria e nas paixões humanas. </li></ul><ul><li>Os Espíritos que vão para esses locais não ficam neles definitivamente. Eles permanecem lá por períodos de tempo, até que surjam novas oportunidades de reencarnação. Todos os Espíritos inferiores, amigos do erro, cedo ou tarde encontrarão a chave da libertação através do esclarecimento reencarnatório. </li></ul><ul><li>O inferno, ou trevas segundo a Doutrina Espírita, é um estado de consciência compartilhado por aqueles cujas fragilidades viciosas e sentimentos negativos predominam em sua individualidade, que se inclinam para o mal e se comprazem. </li></ul><ul><li>André Luiz em “Nosso Lar”, descreve o Umbral. - Imagine que cada um de nós, renascendo no planeta, somos portadores de um fato sujo, para lavar no tanque da vida humana. Essa roupa imunda é o corpo causal, tecido por nossas mãos, nas experiências anteriores. Compartilhando, de novo, as bênçãos da oportunidade terrestre, esquecemos, porém, o objetivo essencial, e, ao invés de nos purificarmos pelo esforço da lavagem, manchamo-nos ainda mais, contraindo novos laços e encarcerando-nos a nós mesmos em verdadeira escravidão. Ora, se ao voltarmos ao mundo procurávamos um meio de fugir à sujidade, pelo desacordo de nossa situação com o meio elevado, como regressar a esse mesmo ambiente luminoso, em piores condições? O Umbral funciona, portanto, como região destinada a esgotamento de resíduos mentais; uma espécie de zona purgatorial, onde se queima a prestações o material deteriorado das ilusões que a criatura adquiriu por atacado, menosprezando o sublime ensejo de uma existência terrena. </li></ul>
  6. 6. Quando os Evangelistas dizem: Jesus desceu aos Infernos, quer dizer: descer aos lugares baixos, de baixa moral. E, não nas entranhas da Terra, como se imaginava
  7. 7. O Purgatório É um termo usado no Catolicismo. Foi criado pela “necessidade” de alojar as almas dos irmãos com conduta mediana. Que achavam não merecer o Céu. Allan Kardec diz que o purgatório dos Espíritos também pode estar nos mundos de expiação. “O purgatório não é por tanto, uma idéia vaga e incerta: é uma realidade material que vemos, tocamos e sofremos. Ele se encontra nos mundos de provas e expiação e a Terra é um deles. (Jesus nos disse: “Há muitas moradas na casa do Pai”. Os homens expiam nela o seu passado e o seu presente em benefício do seu futuro” (Allan Kardec- O Céu e o Inferno Cap. V, item 4).
  8. 8. As almas, ali tem “penas temporárias”, isto é, não estão totalmente purificadas para estar com Deus. Elas ainda se queimam, mas de maneiras menos rigorosas. Sem o purgatório, só há para as almas duas alternativas extremas: a suprema felicidade ou o eterno suplício. Jesus não podia de repente, destruir as penas já enraizadas, faltava ao homem os conhecimentos necessários para compreenderem o infinito do espaço e o número infinito de mundos. Absteve-se, deixando ao tempo o cuidado de retificar as idéias. Falou vagamente da vida feliz e dos castigos que esperam os culpados, mas em nenhuma parte de seus ensinamentos, encontra-se o quadro de suplício corporal dos quais os cristãos fizeram artigo de fé.
  9. 9. Segundo o Espiritismo o prazo da expiação está subordinado ao melhoramento do culpado. Dos trinta e três itens do código da vida futura segundo o espiritismo resumem-se em arrependimento, expiação e reparação, ou seja, apagar os traços de uma falta e suas conseqüências. (CI cap.7 item 1)

×