Chico Xavier

4.551 visualizações

Publicada em

Conceição de Jacareí - RJ
www.gespiritacristao.com

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.551
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
266
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Chico Xavier

  1. 1. Chico Xavier Um Homem Chamado Amor
  2. 2. A família de Chico Xavier Casal humilde típico do interior do Brasil. Ambos de fé católica; viviam cheios de filhos, de pobreza de harmonia, numa pequena casa térrea. Foi alí, que em 2/4/1910, nasceu um menino, que recebeu o nome de Francisco.
  3. 3. O desencarne de D. Maria João de Deus ‘Eu estava de pé, no pé da cama, e o queixo encostado na madeira. Na cabeceira do leito, minha mãe me olhava. E eu lhe disse palavras muito duras para um menino: Por que a senhora, mamãe, está dando seus filhos para os outros? Não quer mais seus filhos, é isso?’ “Se qualquer pessoa falar que eu morri, é mentira. Não acredite. Vou ficar quieta, dormindo, não responderei a ninguém, mas não vou morrer”.
  4. 4. Para onde vai o pequeno Chico? Para casa da Madrinha, D. Rita de Cássia, velha amiga de sua mãe. Ali começariam as atribulações do menino, cuja infância é curtida com os mais atrozes castigos e humilhações. Chico estava destinado a altos vôos: tornar-se um professor de humildade, mas para chegar até lá, precisava passar no vestibular do sofrimento. D. Rita seria uma professora intransigente.
  5. 5. A vida com Dona Ritinha “Ao me levantar, pela manhã, eu não me aninava em tomar café; ficava esperando a primeira surra do dia. Depois, sim, tomava meu café com aquela alegria de já haver pago uma parcela.” “Esse menino está com o diabo no corpo”- refrão constante a cada surra, e, obrigava o menino a longos jejuns. O sofrimento ia polindo o menimo.
  6. 6. Mas a capacidade de resistência de uma criança é limitada… Um dia, angustiado e com o corpo cheio de vergões, Chico correu para o fundo do quintal. Ia refugiar-se à sombra das bananeiras e começou a orar. Pouco depois, viu D. Maria João a seu lado e lembrou-se de suas palavras de que não ia morrer.
  7. 7. Orientações Maternas “Quero ir embora daqui mamãe, só vivo apanhando…” A mãe recomendou-lhe paciência: “Quem não sofre não aprende”. “Minha madrinha diz que estou com o diabo no corpo…” “Não se importe. Tudo passa e, se tiver paciência Jesus nos ajudará para ficarmos sempre juntos.”
  8. 8. Depois desse dia, Chico nunca mais reclamou. E nem mais chorou. Suportava tudo calado, de olhos secos. Ante essa reção, D. Rita, mudou o refrão: “Chico é tão cínico que não chora nem mesmo a pescoção. Ele se defendia dizendo que toda vez que suportava a surra sem chorar, via sua mãe. A partir daí começaram a chamá-lo de menino aluado.
  9. 9. A ferida de Moacir Filho adotivo de D. Rita, nesta época andava com 12 anos. Há muito ele tinha uma ferida crônica na perna. Não havia remédio capaz de sará- la. D. Rita recorreu a uma antiga curandeira que naquele caso só uma simpatia daria certo: uma criança deveria lamber a ferida por 3 sextas-feiras seguidas em jejum.
  10. 10. “Durante três sextas-feiras seguidas, em jejum, tive de fazer aquela coisa horrível. Fecheva os olhos e pedia forças ao espírito de mamãe e começava a lamber a perna do menino Foi duro. Na hora, tive muita raiva da minha língua não ser maior, para acabar com o suplício. Felizmente, a danada da ferida começou a sarar na terceira sexta-feira, e eu não precisei fazer mais aquilo. E pedi para minha mãe para dar um jeito de ninguém mais ter ferida , pelo menos em Pedro Leopoldo”.
  11. 11. “Primeiro tratamento com carinho em dois anos…” “Muito bem Chico. Você obedeceu direitinho, louvado seja Deus!” E durante uma semana o menino não apanhou. Mais alguns meses e ele estaria livre da tirania da madrinha. Seu pai se casaria novamente. “Dona Rita foi minha educadora”.
  12. 12. A nova madrasta de Chico Dona Cidália Era uma mulher de grande coração, que escondia sob a sua simplicidade um espírito sagaz, carente apenas de instrução. Chico era uma criança estranha, vivia falando de suas visões, contava como em sonhos se deslocava até lugares de paisagens diferentes das de Pedro Leopoldo. “Ela me disse que não entendia aquilo, mas que acreditava em mim. E disse uma coisa que de não esqueço : Olha , Chico, eu não entendo nada disso, ninguém entende, mas você é um menino inocente e está dizendo a verdade. Um dia, quem sabe? Vai aparecer alguém que entenda e explique as suas visões e as vozes que você ouve”.
  13. 13. Na escola Muitas vezes, durante as aulas, Chico ouvia vozes de espirítos, ou sentia mãos sobre as suas, guiando-lhe os movimentos na escrita, sem que os demais alunos percebessem. “Isso me criava muitos constrangimentos”.
  14. 14. O encontro de Chico Xavier com a Doutrina Espírita Em 1927, Chico já era um rapazinho, sua irmã mais nova, Maria da Conceição, caiu gravamente doente. Tinha violentos acessos de loucura. Os espíritas diziam que se tratava de um caso de obsessão. Tratada por diversos médicos, não apresentava nenhum sinal de melhora. E assim acabaram aceitando oferecimento de um casal de médiuns, Hermínio e Carmen Perácio. Graças a esta obsessão, a família Xavier começou a travar intimidade com o Espiritismo.
  15. 15. Novas diretrizes Na primeira sessão realizada na casa de João Cândido, reaparece a mãe de Chico, através da mediunidade de D. Carmen, dirigindo longa mensagem ao marido e aos filhos, em especial a Chico, comunicando-lhe os novos caminhos que deveria percorrer.
  16. 16. Os três períodos na vida mediúnica “Primeiro, de completa incompreensão para mim, é aquele que com apenas 5 anos via minha mãe; O segundo de 1928 a 31 no qual psicografei centenas de mensagens que os benfeitores mais tarde determinaram que fossem inutilizadas, pois eram apenas exercícios; Terceiro, começou com a presença de Emmanuel que assumiu o encargo de direção de todas atividades mediúnicas
  17. 17. Fundação de um Centro Após um mês, os companheiros que estavam presentes na primeira reunião em casa da família Xavier decidiram fundar um Centro. Restava escolher um presidente. Pensaram em Perácio, mas ele residia a 100 km de Pedro Leopoldo. Foi então que um companheiro de faces avermelhadas, ofereceu-se para dirigir o Centro. Surgia o Centro Espírita Luiz Gonzaga.
  18. 18. A primeira psicografia “Obedeci ao conselho recebido e , de imediato, um amigo espiritual, escreveu 17 pgs, usando minha mão, com grande surpresa de minha parte, conquanto registrasse fenômenos mediúncos em minha experiência pessoal desde a infância”. (08/07/1927).
  19. 19. Todo aprendizado é um exercício de paciência O exercício era extenuante. O médium tinha de se amoldar, digamos , às mãos dos espíritos. Pior que carregar pedra. Chico sentia como se se um cinto de ferro fosse lhe comprimindo a cabeça aos poucos. O braço parecia se mineralizar, virar uma barra de ferro, pesado, mas arrastado por uma força muito grande. O estado psicológico oscilava entre extremos de bom e mau humor.
  20. 20. Haveria interferência do subconsciente do médium nas mensagens recebidas? É possível. Tanto assim que, durante os quatro primeiros anos que durou a aprendizagem, os espíritos não assinavam as mensagens. Durante estes anos, Chico trabalhou firme no Centro Luiz Gonzaga.
  21. 21. Visão simbólica da missão Aos poucos, Chico foi aperfeiçoando sua faculdade de psicografia. Numa reunião de janeiro de 1929, dona Carmem Perácio, teve uma visão: “ Afirmou nossa irmã que vira muitos livros em torno de mim, trazidos por amigos desencarnados. Eu não tinha qualquer pensamento a respeito do assunto…”
  22. 22. Encontro com Emmanuel Em fins de 1931, o médium descansava debaixo de uma árvore, quando viu um espírito se aproximar Vestia-se com uma túnica semelhante a dos padres e indagou se ele estaria resolvido a utilizar sua mediunidade na difusão do Evangelho de Jesus.
  23. 23. Como passou a sua mediunidade psicógrafa dessa fase de indesição para a segurança precisa? Quando Emmanuel assumiu o comando de minhas modestas faculdades, tudo ficou mais claro, mais firme. Ele apareceu em minha vida mediúnica assim como alguém que viesse completar a minha real visão da vida. Até a chegada de Emmanuel, minha tarefa mediúnica, era semelhante a uma cerâmica em fase de experiências, sem um técnico eficiente na direção.
  24. 24. Qual a metodologia que Emmanuel tem seguido em seu desenvolvimento mediúnico? Estudo e trabalho, com disciplina e dever cumprido.
  25. 25. “Chico você conhece um passarinho chamado sofrê?” “ A tentativa é desaconselhável e inoportuna, mas não desejamos que contraries teu pai. Ganharás experiências que muito necessitas. Não abandones a prática da oração. Estaremos contigo através da prece. Volte a P. Leopoldo e vamos trabalhar, vc ñ é um sofrê, mas precisa sofrer para aprender.” Janeiro de 1933, pouco após o Lançamento de Parnaso além Túmulo.
  26. 26. Chico Xavier e as críticas “A princípio me afligi com essas críticas, mas o nosso Emmanuel acalmou-me dizendo que dar muita resposta sobre o caso, seria perder tempo. E acentuou que todos os inimigos do Espiritismo, quando sinceros, mudam de opinião depois de desencarnados. Isso tem acontecido muito nestes pobres quarenta anos de mediunidade. Muitos inimigos gratuitos de nossa Doutrina, que tantas vezes nos ridicularizaram,me visitam atualmente em espírito e me encorajam a servir na obra de Emmanuel, fazendo-me, muitas vezes, chorar de reconhecimento e emoção”.
  27. 27. Nunca foram as suas faculdades mediúnicas experimentadas em efeitos físicos? “Sim,de 1952 a 1953, cooperei com alguns amigos íntimos em diversas reuniões de efeitos físicos, entretanto, após 2 anos Emmanuel solicitou encerrácemos essa fase de meus pobres recursos psíquicos, para não interromper os serviços do livro mediúnico. Alegou o caro mentor que o nosso entusiasmo crescente pelos fenômenos, estava a ponto de descambar para a curiosidade improdutiva e que isso ameaçava o trabalho já instalado por ele e outros benfeitores espirituais para a formação dos livros espíritas.
  28. 28. E o trabalho de desobsessão é aprovado por Emmanuel? “Ensina-me que é o melhor meio de harmonizar-me com irmãos desencarnados que não simpatizam comigo e de obter a tolerância daqueles espíritos a quem ofendi em minhas existências passadas e que naturalmente me abservam ou seguem do M. Esp. como adversários aparentemente gratuitos”.
  29. 29. Conseguiria você dizer em que matéria Emmanuel é mais exigente com você, como educador? No trato para com os outros, porque diz ele que, no trato com o próximo, a Luz do Evangelho de Jesus, deve ser comunicada de quem fala para quem ouve. Quando converso com qualquer pessoa em voz áspera, com impaciência, com agressividade, com anotações de malidicência ou azedume, ele deixa passar os meus momentos infelizes e, depois, principalmente quando entro em meditações e preces da noite, ele me repreende severamente, lamentando as minhas faltas.
  30. 30. Médiuns e Privilégios “ O senhor quer dizer que embora eu seja médium e veja o sr. ao meu lado com tanta bondade, não posso esperar a intervenção do plano em meu benefício próprio?” “Porque você receberia privilégios por ser médium? A intervenção do plano está operando em vosso favor sustentando as suas forças, através do magnetismo curativo e orientando as ações dos oculistas que nos amparam. A condição de médium não exonera você da necessidade de lutar e sofrer, em seu benefício próprio, como acontece às outras criaturas que estão no plano físico. (…) se formos esperar pela saúde perfeita a fim de trabalhar, quando aprenderemos a cumprir os nossos deveres(…) no estado de evolução deficitário em que nos encontramos(…)
  31. 31. O coração é nosso, o rosto é dos outros… Qual a postura espírita diante do sofrimento? O médium experiente na arte de enfrentar as dores do mundo respondeu: sabemos que o sofrimento faz parte da existência humana. Por isso, o espírita consciente chora escondido. Depois, lava o rosto e vai atender sorrindo a multidão.
  32. 32. “Qual a sua maior alegria em sua vida mediúnica?” Se verificou ao término do livro “Paulo e Estevão”, em 1941, quando os benfeitores esp. permitiram contemplar quadros do mundo espiritual que ficaram para mim inesquecíveis. Outra grande emoção foi a ida em espírito, em companhia de Emmanuel e André Luiz até região de “Nosso Lar”, em 08/43, não por merecimento de minha parte, mas para que em minha ignorância, eu não entravasse o trabalho de André Luiz, por meu intermédio, pois eu estava sentindo muita perplexidade, no início da obra.
  33. 33. Um beijo de Amor Celeste na face do Brasil

×