Conselhos sobre Saúde       Ellen G. White             2007       Copyright © 2012   Ellen G. White Estate, Inc.
Informações sobre este livro                              Resumo    Esta publicação eBook é providenciada como um serviço ...
White: (endereço de email). Estamos gratos pelo seu interesse epelas suas sugestões, e que Deus o abençoe enquanto lê.    ...
iii
Prefácio        No saguão do Hospital Memorial White, fundado em memória    da autora dos “Conselhos” de que se compõe est...
Surgiu então Semmelweiss, obstetra, a quem Kugelman escreveu:“Com poucas exceções o mundo tem crucificado e sepultado osseu...
a sigam. É justo que neste volume seus “Conselhos” vivam para    abençoar, fortificar e dirigir a vida dos que procuram ind...
Prefácio para a segunda edição    Os Depositários têm o prazer de dar a lume a segunda ediçãode Conselhos Sobre Saúde. Dad...
Conteúdo  Informações sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i  Prefácio . . . . . . ....
Conteúdo                                             ixComprados por Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...
x                                 Conselhos sobre Saúde  Abstinência de narcóticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....
Conteúdo                                              xi    Comer devagar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...
xii                                Conselhos sobre Saúde    Os exercícios salutares operarão milagres . . . . . . . . . . ...
Conteúdo                                           xiii    Anjos aguardando para cooperar . . . . . . . . . . . . . . . . ...
xiv                              Conselhos sobre Saúde  Cultura moral e intelectual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...
Conteúdo                                             xv  Críticas e censuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....
xvi                                 Conselhos sobre Saúde    Curando os leprosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....
Conteúdo                                               xvii     Obreiros evangelistas para ministrarem aos enfermos . . . ...
xviii                              Conselhos sobre Saúde     O estudo da fisiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....
Conteúdo                                              xix  O convite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ....
xx                                   Conselhos sobre Saúde     A extensão da obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ...
Conteúdo                                             xxi    Os médicos nas grandes cidades . . . . . . . . . . . . . . . ....
xxii                              Conselhos sobre Saúde     Guias e conselheiros experientes . . . . . . . . . . . . . . ....
Conteúdo                                          xxiii  A verdadeira religião enobrece a mente . . . . . . . . . . . . . ...
xxiv   Conselhos sobre Saúde
Seção 1 — A necessidade do mundo
Multidões em angústia          Ao ver Cristo a multidão que se reunia em torno dEle, “teve      grande compaixão deles, po...
Multidões em angústia                    27das as circunstâncias que os levaram a cair em tentação. Esta é umaclasse que d...
28                      Conselhos sobre Saúde     foram vencidos pelas corrupções do mundo, pelo uso de bebida forte,     ...
Multidões em angústia                   29templar a preciosidade das riquezas eternas. Precisam aprender aalegria de dar, ...
Uma raça degenerada         Foi-me apresentada a condição de fraqueza atual da família hu-     mana. Cada geração se tem v...
A violação da lei física    O homem surgiu das mãos do seu Criador perfeito em estruturae belo na forma. O fato de ter ele...
32                      Conselhos sobre Saúde      viver os princípios desses preceitos, a maldição das enfermidades      ...
A violação da lei física                   33    Nosso Pai celestial vê a deplorável condição dos homens queestão — muitos...
34                      Conselhos sobre Saúde     pode operar nem por meio deles nem com eles. O curso de seus     pensame...
A violação da lei física              35mulheres levam os seus hábitos no comer e beber a tais extremos queterminam em glu...
36                   Conselhos sobre Saúde[25] com Deus, para com nós mesmos e para com o nosso semelhante, é     obedecer...
Necessidade de uma obra de reforma     Vivemos em meio de uma “epidemia de crime”, diante da qualficam estupefatos os homen...
A perspectiva         O mundo encontra-se desconjuntado. Ao olharmos o quadro     geral, a perspectiva parece desalentador...
A perspectiva                        39Senhor ensina a esses obreiros como encontrar aqueles a quem Eledeseja auxiliar. El...
Religião e saúde         O ponto de vista defendido por alguns de que a espiritualidade é     prejudicial à saúde, é sofism...
Religião e saúde                     41de horas desperdiçadas, nem com sombrios presságios, como aspessoas do mundo o faze...
O amor de Cristo um poder vitalizante         Quando o evangelho é recebido em sua pureza e poder, é uma     cura para as ...
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Conselhos sobre saúde (c sa)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conselhos sobre saúde (c sa)

1.835 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.835
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
254
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conselhos sobre saúde (c sa)

  1. 1. Conselhos sobre Saúde Ellen G. White 2007 Copyright © 2012 Ellen G. White Estate, Inc.
  2. 2. Informações sobre este livro Resumo Esta publicação eBook é providenciada como um serviço doEstado de Ellen G. White. É parte integrante de uma vasta colecçãode livros gratuitos online. Por favor visite o website do Estado EllenG. White. Sobre a Autora Ellen G. White (1827-1915) é considerada como a autora Ameri-cana mais traduzida, tendo sido as suas publicações traduzidas paramais de 160 línguas. Escreveu mais de 100.000 páginas numa vastavariedade de tópicos práticos e espirituais. Guiada pelo EspíritoSanto, exaltou Jesus e guiou-se pelas Escrituras como base da fé. Outras HiperligaçõesUma Breve Biografia de Ellen G. WhiteSobre o Estado de Ellen G. White Contrato de Licença de Utilizador Final A visualização, impressão ou descarregamento da Internet destelivro garante-lhe apenas uma licença limitada, não exclusiva e in-transmissível para uso pessoal. Esta licença não permite a republica-ção, distribuição, atribuição, sub-licenciamento, venda, preparaçãopara trabalhos derivados ou outro tipo de uso. Qualquer utilizaçãonão autorizada deste livro faz com que a licença aqui cedida sejaterminada. Mais informações Para mais informações sobre a autora, os editores ou como po-derá financiar este serviço, é favor contactar o Estado de Ellen G. i
  3. 3. White: (endereço de email). Estamos gratos pelo seu interesse epelas suas sugestões, e que Deus o abençoe enquanto lê. ii
  4. 4. iii
  5. 5. Prefácio No saguão do Hospital Memorial White, fundado em memória da autora dos “Conselhos” de que se compõe este livro, há uma placa de bronze com a inscrição: “Este hospital é dedicado à memória de Ellen Gould White, cuja longa vida foi com abnegação devotada ao alívio dos ais e dores dos enfermos, sofredores e necessitados; e a inspirar moços e moças a que consagrem sua vida à obra dAquele que disse: ‘Curai os Enfermos.’” Para os que conheceram a Sra. White, essas palavras estão reple- tas de ternas recordações dos quase incontáveis incidentes da vida desta amorabilíssima alma. Das mulheres que têm vivido nos tem- pos modernos, nenhuma outra, provavelmente, tem exercido mais profunda e duradoura influência sobre a vida dos seus semelhantes do que Ellen G. White. Em nenhum campo foram os seus escritos mais completos e de mais vasto alcance do que no que se relaciona com o cuidado do corpo — o templo do Espírito Santo. De muitas e variadas fontes, nos últimos cinqüenta anos, um dilúvio de luz tem sido derramado sobre este tema tão importante. Da mente do renomado Pasteur vieram raios de luz de brilhante e penetrante poder sobre questões relacionadas com saúde e en- fermidades. Dele recebeu o mundo o conhecimento das bactérias, fator geratriz de muitas doenças. De Luís Pasteur veio a cura para o carbúnculo, devastadora enfermidade que afeta homens e animais. Foi de seu incansável esforço que brotou a descoberta da cura para a hidrofobia, uma das mais terríveis enfermidades de todos os tempos. Lorde Lister, aplicando os princípios de Pasteur na cirurgia, tornou esta segura para a humanidade. Seu gênio transformou os[2] hospitais de câmaras de gangrena e horror em lugares de conforto e cura. Ele demonstrou que pus no corte cirúrgico é desnecessário, e reduziu a mortalidade em operações a um número relativamente insignificante. iv
  6. 6. Surgiu então Semmelweiss, obstetra, a quem Kugelman escreveu:“Com poucas exceções o mundo tem crucificado e sepultado osseus benfeitores. Espero que não vos canseis na digna luta queainda permanece em vossa frente.” Foi este Semmelweiss que seengalfinhou com o terrível monstro da febre puerperal, e em cujocérebro martelavam as indagações: “Por que morrem essas mães?Que é a febre puerperal?” Seus esforços custaram-lhe a vida, masele venceu o horrível mal. Eu podia continuar a falar das bênçãos que o mundo tem recebidodas mãos de muitos outros, como Koch, Ehrlich, Nicolaier, Kitasato,Von Behring, Flexner, Ronald Ross e inúmeros mais. Mas a EllenG. White foi atribuída uma tarefa diferente. Conquanto a obra desua vida e os seus ensinos estivessem em harmonia com a medicinaverdadeiramente científica, foi no domínio do lado espiritual da artede curar que ela brilhou com o fulgor de santo lampadário. Emmatéria de apelos a homens e mulheres com respeito a seu corpocomo santo legado do Altíssimo, e no que toca a obediência às leisda Natureza e ao Deus da Natureza, ela permanece sem igual. Foi elaquem exaltou a santidade do corpo e a necessidade de colocar todosos apetites e paixões sob o controle de uma consciência esclarecida.Outros deram ênfase à ciência em matéria de saúde; a ela foi deixadoimprimir o espiritual no tratamento do templo do corpo. Nenhuma outra pessoa nos tempos modernos penetrou estecampo do esforço espiritual no sentido e na extensão em que ela ofez. Seus esforços foram incansáveis desde sua juventude até o mo-mento de sua morte em idade bem avançada. Em livros, em artigos,em jornais e periódicos, em folhetos e panfletos, constante e infatiga- [3]velmente ela chamou a homens e mulheres, velhos e jovens, em tonsinconfundíveis, a um plano de vida espiritual mais racional, maisalto e mais puro. Da plataforma nas igrejas e nas salas de preleções,em convocações e conferências, sua voz foi continuamente ouvidaapelando para a necessidade de um viver cristão e consagrado emcoisas relativas ao cuidado do corpo. Outros trouxeram à luz fatoscientíficos concernentes a enfermidades, sua causa e sua cura; EllenG. White inculcou aqueles fatos do lado espiritual à mais íntimacidadela da alma de homens e mulheres. É próprio, portanto, que embora ela durma em sua quieta sepul-tura, as fatigadas mãos cruzadas sobre o peito virtuoso, suas obras
  7. 7. a sigam. É justo que neste volume seus “Conselhos” vivam para abençoar, fortificar e dirigir a vida dos que procuram indicar aos demais Aquele que é bendito que, Ele somente, traz a cura em Suas asas. Foi o apóstolo Paulo quem escreveu em sua segunda carta ao jovem Timóteo: “Numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda boa obra.” Paulo escreveu especialmente com referência aos membros da igreja do Senhor. Mas quão maravilhosamente aplicáveis também são essas palavras às pedras humanas que formam na Terra hoje a estrutura da grande casa da arte de curar! Há nela doutores e enfermeiros de ouro, e doutores e enfermeiros de prata, doutores e enfermeiros de madeira e de barro, e alguns para honra e alguns para desonra. Purificar a grande casa da cura, ajudar a moldá-la segundo[4] a semelhança do Grande Médico, eis o objetivo de “Conselhos.” Nesta era sórdida, quando tudo que outrora fora sagrado está sendo comercializado, quando o bezerro de ouro está sendo adorado por toda parte, há e sempre haverá alguns homens e mulheres ane- lando os mais altos ideais pertinentes a uma profissão superada em santidade somente pelo ministério da Palavra de Deus. Na esperança de que este volume contribua para o exercício mais santo e mais puro da medicina, e com uma singela oração para que assim suceda, é ele agora lançado a sua missão. Percy T. Magan
  8. 8. Prefácio para a segunda edição Os Depositários têm o prazer de dar a lume a segunda ediçãode Conselhos Sobre Saúde. Dada a público pela primeira vez em1923, esta compilação dos escritos de Ellen G. White sobre saúdeprovou-se uma indispensável obra de referência, e a primeira ediçãoem suas diversas impressões teve saída além da expectativa. O texto da obra não sofreu qualquer mudança, tendo sido mantidatambém a paginação original. Um aspecto novo que será muitoapreciado pelo estudioso atento é a inclusão da data do escrito ouda primeira publicação em que apareceu em conexão com a fontede referência para cada artigo. Que este volume em sua nova formapossa continuar a preencher um importante lugar em manter perantea igreja e seu ministério e também seus obreiros do trabalho médicoo significativo lugar de nossa mensagem de saúde, são os sincerosvotos dos publicadores e dos Depositários das Publicações Ellen G. White [5] vii
  9. 9. Conteúdo Informações sobre este livro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . i Prefácio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . iv Prefácio para a segunda edição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . viiSeção 1 — A necessidade do mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Multidões em angústia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 No caminho da destruição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Abundam a pobreza e o pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 As necessidades dos ricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Voltar-se para as riquezas terrenas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Uma raça degenerada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 A violação da lei física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 O povo de Deus deve permanecer puro . . . . . . . . . . . . . . . . 32 A loucura da ignorância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Como nos dias de Noé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 Necessidade de uma obra de reforma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 A perspectiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Deus a fonte de sabedoria e poder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Religião e saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 O amor de Cristo um poder vitalizante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 O modo de Cristo curar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 O médico cristão como missionário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 Quem dirá: “envia-me a mim?” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 O cuidado dos enfermos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Método de evangelismo de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Trabalhai com entusiasmo e ardor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 Efeitos dos maus hábitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Um mundo inadvertido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49Seção 2 — Fatores de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 O conhecimento de princípios elementares . . . . . . . . . . . . . . . 52 Indispensável negação própria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Responsabilidade dos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 A sabedoria das obras de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Governai o corpo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 Apego a um regime simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 viii
  10. 10. Conteúdo ixComprados por Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 A recompensa da santidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 A obra da santificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 A carreira cristã . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62Desenvolvei a habilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64Temperança em todas as coisas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65O mundo não serve de norma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68Exercício físico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Resfriados e ar frio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Inatividade e fraqueza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71Ar puro e luz solar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 A saúde da enfermeira deve ser considerada . . . . . . . . . . . . 73Respiração profunda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76Superstições com relação ao ar noturno . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77A influência do ar puro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78Higiene escrupulosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79Usar alimento simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81Hábitos físicos e saúde espiritual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 A experiência de Daniel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82 A santificação um princípio vivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84Abstinência de alimentos cárneos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88Fugi da glutonaria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89Lições da experiência de João Batista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90Bondade e retidão na vida conjugal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Paixão não é amor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Cuidado da esposa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Importante o controle do apetite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 É indispensável ambiente agradável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96Conselhos relacionados com a maternidade . . . . . . . . . . . . . . . 97 A alimentação da criança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97Recusai o vício de fumar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 O uso do fumo uma ofensa a Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Requerida limpeza rigorosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100O uso do fumo contrário à piedade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 O homem propriedade de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Um lamentável mau emprego dos recursos . . . . . . . . . . . . 102 As sensibilidades naturais são amortecidas . . . . . . . . . . . . 102Veneno ardiloso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
  11. 11. x Conselhos sobre Saúde Abstinência de narcóticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Abnegação e oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Efeitos prejudiciais do chá e café . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 O chá e o café não alimentam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 A condescendência consigo mesmo desagrada a Deus . . . 108 Evitai o uso de drogas venenosas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 As drogas não curam as moléstias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 O poder restaurador da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Remédios naturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Roupas saudáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 O poder da vontade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Ocupação adequada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Controlai a imaginação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Moderação no trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Temperança no trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Ordem e limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 Um indício externo de pureza interior . . . . . . . . . . . . . . . . 122 O exemplo da mãe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Ensinando verdades espirituais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Banhos freqüentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 Como preservar nossas sensibilidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 A um irmão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127Seção 3 — O regime alimentar e a saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 A relação do regime alimentar para com a saúde e a moral . 130 O desenvolvimento próprio, um dever . . . . . . . . . . . . . . . . 130 Tentação por meio do apetite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 O apetite dominou os antediluvianos . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 A intemperança após o dilúvio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 A experiência de Esaú . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 Israel desejou as panelas do Egito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Intemperança e crime . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Nossos jovens precisam de domínio próprio . . . . . . . . . . . 134 A responsabilidade dos pais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Males do uso da carne . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 O preparo de alimento apropriado um dever . . . . . . . . . . . 137 O comer erroneamente destrói a saúde . . . . . . . . . . . . . . . . 138 Comer com demasiada freqüência, causa de dispepsia . . . 139 Males a serem evitados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
  12. 12. Conteúdo xi Comer devagar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 O poder do apetite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 Uma solene responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 O efeito dos alimentos estimulantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 Resultados da condescendência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146 Fidelidade na reforma da saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 Responsabilidade pessoal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 Vigor mediante a obediência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148 A alimentação cárnea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 “Para a glória de Deus” . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 O ensino dos princípios de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 Exageros no regime alimentar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154 O regime alimentar em países diversos . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Palavras aos vacilantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 Participantes da natureza divina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 O resultado de desatender a luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159 Fidelidade às leis da saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Cozinha saudável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 Aprendei a cozinhar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 A habilidade mais necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164 Pão prejudicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 167 Mudança de regime . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 Combinação prejudicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 Alimentos sem sabor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171 Regime alimentar pobre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 Extremos do regime alimentar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174 Comer em excesso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 O estômago necessita de descanso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 Mães atarefadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 A glutonaria um pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181 Evitai as falsas normas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183Seção 4 — A vida ao ar livre e a atividade física . . . . . . . . . . . . 185 O exemplo de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 A natureza um compêndio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188 No campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190 A fonte da cura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192 O valor da vida ao ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193 A natureza, o médico divino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
  13. 13. xii Conselhos sobre Saúde Os exercícios salutares operarão milagres . . . . . . . . . . . . . 194 Um pequeno hospital rural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195 Lições objetivas vivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195 Exercício, ar e luz solar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197 O plano original . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199 Rigoroso confinamento na escola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 Ignorância dos reclamos da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 Crianças prejudicadas por estudarem demais . . . . . . . . . . . 201 Método mais simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203 Um melhor equilíbrio entre o trabalho físico e o mental . . . . 204 Resultados da inatividade física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208 Estudo desordenado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209 Amaldiçoada a indolência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210 Cultura e física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212 Reuniões sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213 Ocupações ao ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213 Uma proteção contra o mal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215 Saúde e eficiência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216 Períodos de relaxação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218 Luz solar na casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220 Diversões proibidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221 O exercício como restaurador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223 Andar para exercitar-se . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225 Males da inatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226 Abrir as janelas da alma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227Seção 5 — Os sanatórios — seus objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . 229 O desígnio de Deus em nossos sanatórios . . . . . . . . . . . . . . . 230 Um fanal de luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231 Promulgar princípios de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232 Monumentos para Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233 Fontes de vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234 A igreja qualificada para o serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236 Águas vivas para as almas sedentas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 237 Os sanatórios e a obra evangélica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238 Necessidade de instalações em muitos lugares . . . . . . . . . . . 240 Em todo o mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241 Nos países europeus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242 Em todas as terras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
  14. 14. Conteúdo xiii Anjos aguardando para cooperar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244 Cooperação dos sanatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245 O sanatório de Sydney deve ser educativo . . . . . . . . . . . . . . . 246 A glória do evangelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247 Todos devem ter uma parte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247 Vantagens da agricultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249 Uma advertência contra a centralização . . . . . . . . . . . . . . . . . 250 Economia e beneficência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250 Humildade e abnegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251 Oportunidades providenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252 Dever para com os pobres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254 Responsabilidade da igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255 Nossos sanatórios do sul da Califórnia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 O valor da vida ao ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257 Em busca de lugares adequados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258 O Sábado em nossos sanatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260 O sinal de nossa ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260 Os sofredores jamais devem ser negligenciados . . . . . . . . 262 Livres de embaraços mundanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262 Chamado para ser um povo santo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 263 Sanatórios suntuosos, uma desnecessidade . . . . . . . . . . . . . . 265 Diversões em nossos sanatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266 Animai-vos uns aos outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268 Escolas próximas dos sanatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268 Proferi palavras de incentivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269 Procedimento semelhante ao de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . 269 Pontos de vista denominacionais não devem ser impostos aos pacientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271 A todas as seitas e classes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273 Tratamento médico, viver correto e oração . . . . . . . . . . . . . . 274 Centros de influência e adestramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275 A alta vocação dos obreiros de nossos sanatórios . . . . . . . . . 277 Atmosfera de paz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 A casa do tesouro da experiência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278 A auto-suficiência um perigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279 Substitutos saudáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281Seção 6 — Obra institucional bem-sucedida . . . . . . . . . . . . . . . 283 O segredo do sucesso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 284
  15. 15. xiv Conselhos sobre Saúde Cultura moral e intelectual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285 O poder da verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285 A ineficiência desagrada a Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286 A influência de obreiros tementes a Deus . . . . . . . . . . . . . . 287 Aprendizes e professores ao mesmo tempo . . . . . . . . . . . . 288 A reforma de saúde no sanatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290 Resultados do esforço fiel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291 Manter um padrão elevado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293 A localização dos sanatórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294 Fora das cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 294 Em meio às cenas da natureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 295 Desfavoráveis os arredores de cidade . . . . . . . . . . . . . . . . . 295 Efeitos da vida ao ar livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296 Perigos da vida nas cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297 Não entre os ricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298 Não para os que buscam prazeres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300 As condições da cidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302 Economia no estabelecimento dos sanatórios . . . . . . . . . . . . 303 Aparência exterior indesejável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 303 Exemplos de desprendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304 Nossos edifícios devem representar nossa fé . . . . . . . . . . . 304 O conforto mais importante do que a elegância . . . . . . . . . 306 Coobreiros de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306 Vantagens das estruturas de madeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308 A economia em operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309 O princípio deve controlar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 309 Lealdade às nossas instituições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 311 O sanatório como campo missionário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315 Apego aos princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 316 Para a glória de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 318 O capelão e sua obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 319 Mantende a verdade em sua pureza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 320 Para o bem-estar de outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322 Obreiros necessários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323 Auxiliares experientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323 Indispensável ao tato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325 Tratando com sentimentalismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 326 O poder enobrecedor dos pensamentos puros . . . . . . . . . . . . 328
  16. 16. Conteúdo xv Críticas e censuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 329 Resultados do pecado acariciado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 331 Olhando para Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332 Economia e espírito de sacrifício . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 333 Cooperação entre as escolas e os sanatórios . . . . . . . . . . . . . . 334 Eqüidade em questões de salário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 335 Econômicos por princípios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337 Compensação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 338 Não haja salários exorbitantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341 Auxiliai os que necessitam de ajuda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 342 O que uma instituição pode fazer por outra . . . . . . . . . . . . 343 Reforma necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 344 A questão dos salários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 345 Condutos de bênção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346 Obreiros do sanatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 347 Reconhecimento do trabalho honesto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349 O exemplo de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350 Uma obra em expansão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350 Simplicidade e economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353Seção 7 — O médico cristão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355 Uma profissão de responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356 Um exemplo na temperança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356 O médico dos males espirituais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 358 Familiaridade com o sofredor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 360 A necessidade de simpatia do médico . . . . . . . . . . . . . . . . . 361 Desonestidade e infidelidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 362 A obra do médico em favor das almas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 364 Devem-se seguir os métodos de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . 365 O médico pode apontar a Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 366 Deve-se dar louvor a Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367 Uma palavra a seu tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 367 A esfera de influência dos médicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369 Sua luz deve brilhar por toda parte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 369 Apto para toda boa obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 372 Testemunhando em favor da verdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 375 A cura mental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 376 O domínio de uma mente sobre outra . . . . . . . . . . . . . . . . . 376 Compaixão semelhante à de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 379
  17. 17. xvi Conselhos sobre Saúde Curando os leprosos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 380 Paciência e simpatia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 382 Mensageiro de misericórdia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 383 Dirigi a mente para Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 384 O pecado e a doença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 385 Os médicos devem conservar a sua força . . . . . . . . . . . . . . . . 386 Uma obra que resistirá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 387 A verdade presente leva para o alto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388 Todos devem fazer uma parte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 388 A mensagem para este tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 389 O sinal de nossa relação com Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 390 Fundamento da reforma duradoura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391 Cada qual em seu lugar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 392 Perigos e oportunidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 393 Valor do repouso, do estudo e da oração . . . . . . . . . . . . . . 393 Indispensáveis a integridade e a prontidão . . . . . . . . . . . . . 394 Refinamento e delicadeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395 Necessário parteiras competentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 397 Devem-se entender as causas das enfermidades . . . . . . . . 397 Perigos do sucesso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 399 A Bíblia vosso conselheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 401 A receita do grande médico para repouso . . . . . . . . . . . . . . 402 Qualificações necessárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 404 Oração pelos enfermos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 405 Uma das experiências mais solenes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 406 De acordo com a sua vontade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 407 Submissão e fé . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409 Fé e calma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 409 Fé e obediência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 410 Fé e obras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 412 Gratidão pela saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 414 A influência do médico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415 Tirar água da fonte oculta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 415 Comunhão diária com Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 416 Sede ativos e vigilantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 417 Obediência e felicidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 418Seção 8 — Enfermeiros e auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 419 Devem-se seguir os métodos de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 420
  18. 18. Conteúdo xvii Obreiros evangelistas para ministrarem aos enfermos . . . 421 Ensinai os princípios de reforma da saúde . . . . . . . . . . . . . 422 Trabalho de casa em casa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 424 Um chamado para evangelistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 425 Sanatórios como centros de evangelização . . . . . . . . . . . . . 425 A obra nas grandes cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 426 Preparo para uma obra rápida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 427 Enfermeiros como evangelistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 428 Organização de grupos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429 Uma obra urgente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 429 Deveres e privilégios dos obreiros do sanatório . . . . . . . . . . . 430 Importância das relações sociais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 431 A beleza da santidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 431 Uma luz para o mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 432 Um poder modelador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 433 Avançar no conhecimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 435 Alegria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437 Uma mente ágil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 437 A eficiência depende do vigor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 439 Integridade entre os obreiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 440 Firmeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 443 Um quadro sombrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 444 Crítica desagradável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 444 Ondas de influência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 446 A influência dos companheiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 447 Escolhei associações nobres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 447 Estudai as escrituras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 448 Evitai o flerte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 449 Não vos envergonheis do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 450 Em nossas escolas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 451 Falta de economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 452 Nossa influência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 453 Necessitais de oportunidade para o aperfeiçoamento cristão 454Seção 9 — O conhecimento dos princípios de saúde . . . . . . . . 457 A igreja deve despertar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 458 Todos podem realizar uma parte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 459 Estudo doméstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 459 Os jovens, mão auxiliadora de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . . 460
  19. 19. xviii Conselhos sobre Saúde O estudo da fisiologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 460 Instruí as crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 461 Os ministros devem ensinar a reforma de saúde . . . . . . . . . . 463 A reforma da temperança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 464 Nas reuniões campais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 465 Um trabalho bom dificultado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 467 Disseminando os princípios de temperança . . . . . . . . . . . . . . 468 Cooperar com a união de temperança das mulheres cristãs469 Ensinai com sabedoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 471 O correto exercício da vontade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 472 Assinai o compromisso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 474 Provas prematuras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 476 Mantende à frente a reforma de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . 477 A instrução deve estar ligada com as missões de cidades . 477 Avançai . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 478 Deve-se defender contínua reforma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 479 O povo de Deus deve ser portador de luz . . . . . . . . . . . . . . 479 Vivei vossas convicções, ensinai a verdade . . . . . . . . . . . . . . 482 Necessários os sanatórios em Washington e outros lugares . 483 Educar, educar, educar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 484 Conhecimento do preparo de alimentação saudável . . . . . 485 Ensinai sabiamente e pelo exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 485 O médico e o professor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 486 A obra da igreja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 487 Indiferença e descrença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 488 Uma advertência contra médicos espíritas . . . . . . . . . . . . . . . 489 A experiência de Acazias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 490 Confiança imprudente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 490 Deus, o ajudador de seu povo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 491 Ruína causada por Satanás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 494 O colportor um professor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 496 O valor de nossas publicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 496 Ensinando pelo exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 497 Ministrando aos doentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 497 Uma sagrada e importante obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 498 Distribuí a literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 499 Folhetos sobre a reforma de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 500 Folhetos em muitas línguas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 500
  20. 20. Conteúdo xix O convite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 501 Lições objetivas na reforma de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 502 Por que dirigir sanatórios? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 504Seção 10 — Obra de alimentação saudável . . . . . . . . . . . . . . . . 507 O preparo de alimentos saudáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 508 Deve-se comunicar o conhecimento aos outros . . . . . . . . . 509 O valor das frutas frescas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 510 Piedade prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 512 Educai o povo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 513 A seleção dos alimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 514 A seleção dos alimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 515 A reforma deve ser progressiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 516 Ensinai com sabedoria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 516 Sede portadores de luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 517 A obra de restaurantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 518 O uso de literatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 519 O cuidado dos auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 520 Vantagens dos pequenos restaurantes . . . . . . . . . . . . . . . . . 522 Ensinai as crianças a cozinhar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 523 Restaurantes nas grandes cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 524 Restaurantes e salas de tratamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 526 Fechar no Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 527 A santidade do Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 530 Alimentos saudáveis em todos os países . . . . . . . . . . . . . . . . . 531 Nos Estados sulinos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 532 Como escola industrial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 534Seção 11 — Obra médico-missionária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 537 A obra pioneira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 538 O médico amado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 538 O exemplo de Cristo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 539 Necessidade de simpatia e apoio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 541 Pequenas instalações em muitos lugares . . . . . . . . . . . . . . 541 Devem-se exercer compaixão e simpatia . . . . . . . . . . . . . . 542 Evangelismo médico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 543 Virtude de caráter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 544 A ignorância voluntária um pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 545 Devem-se escolher jovens promissores . . . . . . . . . . . . . . . . 546 Uma ilustração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 548
  21. 21. xx Conselhos sobre Saúde A extensão da obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 549 Desbravar novos territórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 550 Cristo nosso exemplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 551 Obediência e entendimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 551 Segui o vosso líder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 552 Uma obra unida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 553 Força no esforço unido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 554 Fraqueza na separação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 555 Considerar a causa como um todo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 555 Uni-vos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 556 Guardai-vos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 557 Palavras de advertência a um médico em liderança . . . . . . . . 558 Educai médicos-missionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 558 Nossa obra para hoje . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 559 Nenhuma mudança na causa de Deus . . . . . . . . . . . . . . . . . 560 Rebelião contra a reforma de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 562 Não uma obra separada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 563 O exemplo do missionário médico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 565 A ansiedade de sua família . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 565 A inimizade dos fariseus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 566 Indicai Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 567 O evangelho na prática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 569 Reformas a serem feitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 570 Necessidade de um sanatório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 570 Todas as classes devem ser beneficiadas . . . . . . . . . . . . . . . 571 Os ministros devem trabalhar segundo o plano evangélico 571 Com fé e humildade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 573 Conseguir entrada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 574 O grande médico com cada obreiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 575 Evangelistas médicos-missionários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 577 Incentivo aos obreiros jovens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 577 Métodos e planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 579 As associações devem empregar médicos-missionários . . 580 Médicos e evangelistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 582 Palavras de incentivo a um médico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 582 Em contato com o povo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 583 Sugestões práticas para os médicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 584 O trabalho nas cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 587
  22. 22. Conteúdo xxi Os médicos nas grandes cidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 588 Homens de posses ajudarão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 588 Escolas culinárias em muitos lugares . . . . . . . . . . . . . . . . . 589 Cooperando com eles o Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 590 Uma maneira de vencer o preconceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . 591 Sanatórios como postos avançados da cidade . . . . . . . . . . . . 592 Trabalho denodado em Boston . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 593 Remindo o tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 593 O ministério e a obra médica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 595Seção 12 — Exemplos para o rebanho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 597 A importância do exemplo correto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 598 O valor de uma vida coerente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 598 Cartas vivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 599 Entristecendo o Espírito Santo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 599 Indiferença e oposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 600 O dever do cristão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 601 O dever de preservar a saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 602 Trabalho ao ar livre uma bênção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 603 O comer fora de hora e a indigestão . . . . . . . . . . . . . . . . . . 603 Mente clara . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 606 Pureza social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 607 A experiência de Israel uma advertência . . . . . . . . . . . . . . 607 Exemplo de piedade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 608 Exercícios e regime alimentar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 612 Sistema nervoso desarranjado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 612 Abnegação e eficiência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 613 Qual controlará? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 613 Uma reforma necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 615 Males da alimentação cárnea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 615 Erros comuns no regime alimentar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 616 Comer no Sábado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 617 A reforma da saúde e a espiritualidade . . . . . . . . . . . . . . . . 618 Reforma necessária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 618 Um movimento de reforma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 620Seção 13 — Santidade de vida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 621 Luzes em meio das trevas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 622 Uma lição tirada da queda de Salomão . . . . . . . . . . . . . . . . . . 623 Conselhos a médicos e enfermeiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 625
  23. 23. xxii Conselhos sobre Saúde Guias e conselheiros experientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 626 Os médicos devem ser circunspectos . . . . . . . . . . . . . . . . . 626 Confiar em Jesus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 627 Condições que trazem a doença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 627 O exemplo de José . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 628 A preservação da saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 629 Evitai a aparência exterior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 629 Vivei vida santa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 630 Exercei uma influência salvadora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 631 Sede fortes no Senhor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 632 O preço da saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 635 Simplicidade no vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 636 A moda no vestuário uma pedra de tropeço . . . . . . . . . . . . 637 A reforma do vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 638 Nosso vestuário um testemunho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 639 As crianças sujeitadas à moda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 640 O adorno imperecível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 640 O efeito do vestuário sobre a moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 641 Extremos no vestuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 643 Vestuário imodesto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 645 Os pais como reformadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 646 Onde começa a intemperança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 647 A responsabilidade da mãe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 648 Temperança no lar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 648 Cuidado com a corrupção moral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 650 Repeli a familiaridade indevida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 651 Modéstia e discrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 651 A única salvaguarda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 654 Servos do pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 655 A juventude apanhada numa armadilha . . . . . . . . . . . . . . . 655 Frutos da indolência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 657 Um exemplo de degradação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 658 O princípio moral a única salvaguarda . . . . . . . . . . . . . . . . 660 Cegados pelo pecado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 662 Reformadores hipócritas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 663 Piedade e saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 666 Fazer o que é reto, o melhor remédio . . . . . . . . . . . . . . . . . 667 Ociosidade e desânimo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 667
  24. 24. Conteúdo xxiii A verdadeira religião enobrece a mente . . . . . . . . . . . . . . . 668Um passo avançado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 669Religião e contentamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 670 Tomando emprestado preocupações prejudiciais . . . . . . . . 670A necessidade de consagração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 672Abstinência completa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 674
  25. 25. xxiv Conselhos sobre Saúde
  26. 26. Seção 1 — A necessidade do mundo
  27. 27. Multidões em angústia Ao ver Cristo a multidão que se reunia em torno dEle, “teve grande compaixão deles, porque andavam desgarrados e errantes como ovelhas que não têm pastor”. Cristo via as enfermidades, as dores, a carência e degradação das multidões que Lhe embargavam os passos. Eram-Lhe apresentadas as necessidades e misérias da hu- manidade em todo o mundo. Entre os mais altos e os mais humildes, os mais honrados e os mais degradados, via almas anelando as pró- prias bênçãos que Ele viera trazer, almas que necessitavam apenas conhecer-Lhe a graça para se tornarem súditos de Seu reino. “Então disse aos Seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai pois ao Senhor da seara que mande ceifeiros para a Sua seara.” Mateus 9:36-38. Hoje existem as mesmas necessidades. O mundo carece de obrei- ros que trabalhem como Cristo fazia pelos aflitos e pecadores. Há, na verdade, uma multidão a ser alcançada. O mundo está cheio de doenças, sofrimentos, misérias e pecados. Cheio de criaturas neces- sitadas de quem delas cuide — o fraco, o desamparado, o ignorante, o degradado. No caminho da destruição Muitos dos jovens desta geração, entre as igrejas, as instituições[14] religiosas e os lares professamente cristãos, estão* escolhendo o caminho da destruição. Devido a hábitos de intemperança, trazem doenças sobre si mesmos, e movidos da ganância de ganhar dinheiro para as satisfações pecaminosas, caem em práticas desonestas. Ar- ruínam a saúde e o caráter. Separados de Deus e rejeitados pela soci- edade, essas pobres almas sentem-se destituídas de esperança tanto para esta vida como para a futura. O coração dos pais é quebrantado. Os homens falam desses errantes como de casos desesperançados, mas Deus os contempla terna e compassivamente. Compreende to- * Testemunhos Selectos 2:492-496. 26
  28. 28. Multidões em angústia 27das as circunstâncias que os levaram a cair em tentação. Esta é umaclasse que demanda trabalho em seu favor. Abundam a pobreza e o pecado Perto e longe há almas, não somente jovens mas de todas asidades, na pobreza e na miséria, imersas no pecado e vergadas aosentimento da culpa. É a obra dos servos de Deus buscar essas almas,orar com elas e por elas, e levá-las passo a passo ao Salvador. Os que não reconhecem os direitos de Deus, porém, não são osúnicos que se acham em aflição e necessitados de auxílio. No mundoatual, esse mundo onde reinam o egoísmo, a ganância e a opressão,muitos dos verdadeiros filhos do Senhor se acham necessitados eaflitos. Muitos estão, nos lugares humildes e miseráveis, rodeados depobreza, doença e culpas, suportando pacientemente o próprio fardode sofrimento, e procurando confortar o desalentado e ferido pelopecado que lhe está em torno. Muitos deles são quase desconhecidosàs igrejas ou aos ministros; são no entanto luzes do Senhor, brilhandopor entre as trevas. Desses tem o Senhor especial cuidado, e chamaSeu povo a que Lhe sirvam de mão auxiliadora no suprir-lhes asfaltas. Onde quer que haja uma igreja, deve-se dispensar especial [15]atenção a procurar essa classe e ajudá-la. As necessidades dos ricos E ao mesmo tempo que trabalhamos pelos pobres, devemos daratenção também aos ricos, cujas almas são igualmente preciosasaos olhos de Deus. Cristo trabalhou por todos quantos Lhe ouviama palavra. Buscava não somente o publicano e o rejeitado, comoo rico e o culto fariseu, o nobre judeu e a autoridade romana. Ohomem rico necessita de que se trabalhe com ele no amor e temorde Deus. Muito freqüentemente ele confia em suas riquezas e nãosente o próprio perigo. Os bens do mundo, confiados pelo Senhoraos homens, são muitas vezes fonte de grande tentação. Milhares sãoassim levados a pecaminosas condescendências que os confirmamem hábitos de intemperança e vício. Entre as arruinadas vítimas damiséria e do pecado, encontram-se muitos que dantes se achavam deposse de riquezas. Homens de vocações e situações várias na vida,
  29. 29. 28 Conselhos sobre Saúde foram vencidos pelas corrupções do mundo, pelo uso de bebida forte, pela condescendência com as concupiscências da carne, e caíram em tentação. Ao mesmo tempo que esses caídos nos despertam compaixão e requerem nosso auxílio, não devemos também dedicar alguma atenção aos que ainda não desceram às profundezas, mas estão pondo os pés na mesma estrada? Milhares há, que ocupam posição de honra e utilidade, os quais estão cedendo a hábitos que significam ruína para o corpo e a alma. Não se deve fazer o mais diligente esforço a fim de os esclarecer? Ministros do evangelho, estadistas, escritores, homens de fortuna e de talento, homens de vasta capacidade na esfera dos negócios e de energia para serem úteis, acham-se em perigo mortal por não[16] verem a necessidade de estrita temperança em tudo. Importa chamar- lhes a atenção para os princípios de temperança, não de maneira estreita ou arbitrária, mas em face do grande desígnio de Deus para a humanidade. Pudessem os princípios da verdadeira temperança lhes ser assim apresentados, e muitos membros das classes mais elevadas reconheceriam seu valor e os acolheriam de coração. Voltar-se para as riquezas terrenas Há outro perigo a que as classes abastadas se acham especial- mente expostas, e também aí há um campo para a obra médico- missionária. Multidões prósperas no mundo, e que nunca descem às formas comuns de vício, são ainda levadas à destruição pelo amor das riquezas. Absorvidas com os tesouros terrenos que possuem, são insensíveis aos reclamos de Deus e às necessidades de seus seme- lhantes. Em vez de considerar a própria riqueza como um talento a ser empregado para a glória de Deus e o erguimento da humanidade, olham-na como um meio de condescender consigo mesmos e de se glorificarem a si. Ajuntam casa a casa, terra a terra, enchem suas moradas de luxos, ao passo que a necessidade caminha pelas ruas, e ao seu redor tudo são criaturas humanas mergulhadas na miséria e no crime, na doença e na morte. Os que assim se dedicam a servir ao próprio eu, desenvolvem em si, não os atributos de Deus, mas os de Satanás. Tais pessoas se acham carecidas do evangelho. É preciso que volvamos os seus olhos da vaidade das coisas materiais, para con-
  30. 30. Multidões em angústia 29templar a preciosidade das riquezas eternas. Precisam aprender aalegria de dar, a bênção de serem colaboradores de Deus. As pessoas dessa classe são muitas vezes as de mais difícilacesso, mas Cristo abrirá caminhos pelos quais possam ser alcança-das. Que os mais sábios, mais confiantes, mais esperançosos obreiros [17]procurem essas almas. Com a sabedoria e o tato nascidos do divinoamor, com a cortesia e a delicadeza que resultam unicamente dapresença de Cristo na alma, trabalhem eles pelos que, deslumbradospelo brilho das riquezas terrenas, não vêem a glória dos tesouroscelestes. Estudem os obreiros a Bíblia com eles, forcejando porintroduzir-lhes a verdade sagrada no coração. Lede-lhes as palavrasde Deus. “Mas vós sois dEle em Jesus Cristo, o qual para nós foifeito por Deus sabedoria e justiça, e santificação e redenção.” “Assimdiz o Senhor: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorieo forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas; mas oque se gloriar glorie-se nisto: em Me conhecer e saber que Eu souo Senhor, que faço beneficência, juízo e justiça na Terra; porquedestas coisas Me agrado, diz o Senhor.” “Em quem temos a redençãopelo Seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas daSua obra.” “O meu Deus, segundo as Suas riquezas, suprirá todas asvossas necessidades em glória, por Cristo Jesus.” 1 Coríntios 1:3;Jeremias 9:23, 24; Efésios 1:7; Filipenses 4:19. Tal apelo, feito no espírito de Cristo, não será considerado imper-tinente. Impressionará o espírito de muitos da classe mais elevada. Mediante esforços feitos com sabedoria e amor, muito rico po-derá ser despertado para o senso de sua responsabilidade para comDeus. Quando se faz claro que o Senhor espera que eles, comorepresentantes Seus, aliviem a humanidade sofredora, muitos corres-ponderão e darão de seus meios e simpatia para benefício dos pobres.Quando o espírito for assim desviado de seus interesses egoístas,muitos serão levados a se entregarem a Cristo. Com seus talentos de [18]influência e recursos, unir-se-ão de bom grado à obra de beneficênciacom o humilde missionário que foi instrumento de Deus em suaconversão. Pelo devido emprego de seus tesouros terrenos, ajuntarão“tesouro no Céu que nunca acabe, onde não chega ladrão e a traçanão rói”. Assegurarão para si o tesouro que a sabedoria oferece, istoé, “riquezas duráveis e justiça”.
  31. 31. Uma raça degenerada Foi-me apresentada a condição de fraqueza atual da família hu- mana. Cada geração se tem vindo enfraquecendo mais, e a raça humana é afligida por toda forma de enfermidade. Milhares de po- bres mortais de corpos deformados, doentios, nervos em frangalhos e mente cheia de sombras, vão arrastando uma existência miserável. Cresce o poder de Satanás sobre a família humana. Não viera em breve o Senhor e destruísse o seu poder, e não tardaria que a Terra estivesse despovoada. Foi-me mostrado que o poder de Satanás é exercido especial- mente sobre o povo de Deus. Foram-me apresentados muitos em uma condição duvidosa, desesperadora. As enfermidades do corpo afetam a mente. Nossos passos são seguidos por um inimigo as- tuto e poderoso, o qual emprega sua força e habilidade em procurar desviar-nos do caminho reto. E demasiadas vezes acontece que o povo de Deus não está em guarda, ignorando-lhe portanto os ardis. Ele opera por meios que melhor o ocultem à vista, conseguindo[19] muitas vezes seu objetivo. — Testemunhos Selectos 1:102. 30
  32. 32. A violação da lei física O homem surgiu das mãos do seu Criador perfeito em estruturae belo na forma. O fato de ter ele resistido por seis mil anos oconstante crescimento dos fardos da doença e do crime é provacabal do poder de resistência com a qual foi dotado no princípio.E embora os antediluvianos de modo geral se entregassem semreservas ao pecado, passaram-se mais de dois mil anos para que aviolação da lei natural fosse acentuadamente sentida. Não tivesseAdão originalmente possuído maior poder físico do que os homenspossuem agora, e a presente raça ter-se-ia tornado extinta. Através de sucessivas gerações, desde a queda, a tendência temsido continuamente descendente. A doença tem sido transmitida depais a filhos por sucessivas gerações. Mesmo as criancinhas de berçosofrem em conseqüência dos males originados pelos pecados dosseus pais. ... Com poucas exceções, os patriarcas desde Adão até Noé viveramaproximadamente mil anos. Desde então a duração média da vidatem decrescido. Por ocasião do primeiro advento de Cristo, a raça já se havia de-generado de tal maneira que não somente os velhos, mas também osde meia-idade e os jovens eram trazidos de todas as cidades ao Sal-vador, para serem curados de suas enfermidades. Muitos padeciamsob o peso da miséria indescritível. A violação da lei física, com as conseqüências de sofrimento emorte prematura, têm prevalecido por tanto tempo que esses resulta-dos são tidos na conta de sorte inevitável da humanidade; mas Deusnão criou a raça em tão debilitada condição. Este estado de coisasnão é obra da Providência, mas do homem. Foi ele ocasionado pelosmaus hábitos — pela* violação das leis que Deus fez para governar [20]a vida do homem. A continuada transgressão das leis da Natureza éuma permanente transgressão da lei de Deus. Tivessem os homenssido sempre obedientes à lei dos Dez Mandamentos, procurando * Christian Temperance and Bible Hygiene, 7-12 (1980). 31
  33. 33. 32 Conselhos sobre Saúde viver os princípios desses preceitos, a maldição das enfermidades que agora inundam o mundo não existiria. ... Quando os homens seguem qualquer direção que consome des- necessariamente sua vitalidade ou que lhes obscurece o intelecto, pecam contra Deus; não O glorificam no corpo e no espírito que Lhe pertencem. Muito embora o insulto que o homem Lhe tem feito, o amor de Deus ainda se estende à raça; e Ele permite que a luz brilhe, capacitando o homem a ver que, para que possa viver uma vida perfeita, ele precisa obedecer às leis naturais que lhe governam o ser. Quão importante é então que o homem ande nessa luz, exerci- tando todas as suas faculdades, tanto do corpo como da mente, para a glória de Deus! O povo de Deus deve permanecer puro Achamo-nos em um mundo contrário à retidão ou à pureza de caráter, e especialmente ao crescimento na graça. Em tudo o que olhamos, observamos poluição e corrupção, deformidade e pecado. Quão oposto é tudo isso à obra que deve ser executada em nós justamente antes de recebermos o dom da imortalidade! Os eleitos de Deus devem permanecer incontaminados em meio da corrupção prevalecente ao seu redor nestes últimos dias. Seu corpo deve tornar- se santo, puro seu espírito. Se esta obra deve ser realizada, deve ela ser empreendida imediatamente, zelosa e inteligentemente. O Espírito de Deus terá que exercer perfeito controle, influenciando cada ação. A reforma da saúde é um dos ramos da grande obra que deve preparar um povo para a vinda do Senhor. Ela está tão estreita-[21] mente relacionada com a mensagem do terceiro anjo quanto a mão o está com o corpo. A lei dos Dez Mandamentos tem sido conside- rada levianamente pelo homem; todavia o Senhor não irá punir os transgressores dessa lei sem primeiro enviar-lhes uma mensagem de advertência. Os homens e as mulheres não podem violar as leis naturais ao serem condescendentes para com o apetite depravado e paixões licenciosas, sem violarem a lei de Deus. Portanto Ele permitiu que a luz da reforma da saúde brilhe sobre nós, para que possamos compreender a pecaminosidade da transgressão das leis que Ele estabeleceu em nosso próprio ser.
  34. 34. A violação da lei física 33 Nosso Pai celestial vê a deplorável condição dos homens queestão — muitos deles por ignorância — menosprezando os princípiosde saúde. É com amor e compaixão para com a raça que Ele faz comque a luz sobre a reforma de saúde brilhe. Ele proclama a Sua lei ea penalidade desta, a fim de que todos possam ficar sabendo aquiloque é para o seu maior proveito. Proclama Sua lei de maneira tãodistinta, e a torna tão saliente qual a cidade edificada sobre o monte.Todos os seres inteligentes podem entendê-la, se desejarem. Cadaum responde por si. A loucura da ignorância Tornar clara a lei natural e insistir na obediência a ela, é obraque acompanha a mensagem do terceiro anjo. A ignorância já nãoé escusa para a transgressão da lei. A luz brilha com clareza, eninguém precisa ignorar; pois o grande Deus mesmo é instrutor dohomem. Todos estão obrigados pelo mais sagrado dever a dar atençãoà filosofia saudável e à experiência genuína que Deus lhes estáagora proporcionando com relação à reforma da saúde. Ele desejaque o assunto seja debatido, e a mente do público profundamentedespertada a investigá-la; pois é impossível aos homens e mulheresapreciarem as verdades sagradas enquanto se acham sob o poder dehábitos pecaminosos, destruidores da saúde e enfraquecedores docérebro. [22] Aqueles que estão desejosos de informar-se com relação aoefeito que a condescendência pecaminosa exerce sobre a saúde einiciam a obra da reforma, mesmo por motivos egoístas, podem, aoassim fazerem, colocar-se onde a verdade divina possa alcançar-lhes o coração. E, por outro lado, os que foram alcançados pelaapresentação das verdades escriturísticas, acham-se em posição emque a consciência pode ser despertada sobre o assunto de saúde.Eles vêem e sentem a necessidade de escapar dos hábitos e apetitestirânicos que os têm dominado por tanto tempo. Há muitos quereceberiam as verdades da Palavra de Deus, caso seu raciocíniofosse convencido pela mais clara evidência; mas os desejos carnais,que clamam por prazeres, controlam o intelecto, e eles rejeitam averdade porque esta se choca com os seus desejos concupiscentes.A mente de muitos alcança assim tão baixo nível que Deus não
  35. 35. 34 Conselhos sobre Saúde pode operar nem por meio deles nem com eles. O curso de seus pensamentos deve ser mudado, despertadas as suas sensibilidades morais, antes que possam obedecer aos reclamos divinos. Exorta o apóstolo Paulo à igreja: “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Ro- manos 12:1. As condescendências pecaminosas profanam o corpo e incapacitam os homens para o culto espiritual. O que se apega à luz que Deus lhe deu sobre a reforma de saúde, tem um impor- tante auxílio na obra de santificar-se pela verdade e estar habilitado para a imortalidade. Mas, se eles menosprezam essa luz, e vivem em violação da lei natural, devem sofrer a penalidade; suas ener- gias espirituais são amortecidas e, como poderão eles aperfeiçoar a santificação no temor do Senhor? Os homens poluíram o templo da alma e Deus os conclama a[23] despertarem e esforçar-se com todas as suas energias para recon- quistar sua varonilidade dada por Deus. Coisa alguma a não ser a graça de Deus pode convencer e converter o coração; somente dEle podem os escravos dos hábitos obter força para romper as algemas que os prendem. É impossível ao homem apresentar o seu corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, enquanto persistir na condescendência com hábitos que o privam do vigor físico, mental e moral. De novo diz o apóstolo: “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Romanos 12:2. Como nos dias de Noé Jesus, assentado no Monte das Oliveiras, deu a Seus discípulos instruções concernentes aos sinais que deviam preceder Sua vinda: “Pois assim como foi nos dias de Noé, também será a vinda do Filho do homem. Porquanto assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.” Mateus 24:37-39. Os mesmos pecados que atraíram juízos sobre o mundo, nos dias de Noé, existem em nossos dias. Homens e
  36. 36. A violação da lei física 35mulheres levam os seus hábitos no comer e beber a tais extremos queterminam em glutonaria e bebedice. Este predominante pecado, acondescendência para com o apetite pervertido, inflamou as paixõesdos homens nos dias de Noé, e levaram a generalizada corrupção.Violência e pecado alcançaram o Céu. Esta contaminação moral foifinalmente varrida da Terra por meio do dilúvio. Os mesmos pecados de glutonaria e embriaguez embotaram asensibilidade moral dos habitantes de Sodoma, a ponto de parecerque o crime fosse o prazer de homens e mulheres da ímpia cidade. [24]Cristo assim adverte o mundo: “O mesmo aconteceu nos dias de Ló:Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam;mas no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre,e destruiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do homem Semanifestar.” Lucas 17:28-30. Cristo nos deixou aqui uma lição muito importante. Pôs Elediante de nós o perigo de fazermos da comida e da bebida a coisaprincipal. Apresenta-nos Ele os resultados da desenfreada compla-cência com o apetite. As faculdades morais são debilitadas a talponto que o pecado não parece condenável. O crime é consideradocom leviandade, e a paixão controla a mente, até que afinal os bonsprincípios e impulsos são desarraigados, e o nome de Deus é blas-femado. Todas essas coisas são o resultado do comer e beber emexcesso. Esse estado de coisas é o mesmo apontado por Cristo comodevendo existir em Sua segunda vinda. O Salvador nos apresentaalguma coisa mais elevada por que lutar, do que meramente o quecomeremos, o que beberemos ou com que nos vestiremos. Comer,beber e vestir-se são levados a tais excessos que se tornam crime.Estão entre os assinalados pecados dos últimos dias, e constituemum sinal da breve volta de Cristo. Tempo, dinheiro e força, quepertencem ao Senhor, mas que Ele confia a nós, são gastos em super-fluidade no vestir e em luxos do apetite pervertido, que diminuema vitalidade e trazem sofrimento e ruína. É impossível podermosapresentar a Deus nosso corpo como sacrifício vivo, quando o avilta-mos de contínuo com corrupção e enfermidade em virtude de nossaprópria pecaminosa condescendência. Deve-se buscar mais conhe-cimento com respeito à maneira de comer, beber e vestir-se, assimcomo de preservar a saúde. As enfermidades são o resultado da vio-lação das leis naturais. Nosso primeiro dever, dever que temos para
  37. 37. 36 Conselhos sobre Saúde[25] com Deus, para com nós mesmos e para com o nosso semelhante, é obedecer às leis de Deus. Isso inclui as leis da saúde.
  38. 38. Necessidade de uma obra de reforma Vivemos em meio de uma “epidemia de crime”, diante da qualficam estupefatos os homens pensantes e tementes a Deus em todaparte. A corrupção que predomina está além da descrição da penahumana. Cada dia traz novas revelações de conflitos políticos, desubornos e fraudes. Cada dia traz seu doloroso registro de violênciae ilegalidade, de indiferença aos sofrimentos do próximo, de brutale diabólica destruição de vida humana. Cada dia testifica do au-mento da loucura, do assassínio, do suicídio. Quem pode duvidarque agentes satânicos se achem em operação entre os homens, numaatividade crescente, para perturbar e corromper a mente, contaminare destruir o corpo. E enquanto o mundo se acha cheio desses males, o evangelho étantas vezes apresentado de maneira tão indiferente, que não produzsenão uma fraca impressão na consciência ou vida dos homens.Há por toda parte corações clamando por qualquer coisa que nãopossuem. Anelam um poder que lhes dê domínio sobre o pecado, umpoder que os liberte da servidão do mal, que lhes proporcione saúde,vida e paz. Muitos dos que uma vez conheceram o poder da Palavrade Deus, têm-se achado onde não há nenhum reconhecimento dEle,e anseiam pela divina presença. O mundo necessita atualmente daquilo que tem sido necessáriojá há mil e novecentos anos — a revelação de Cristo. É preciso umagrande obra de reforma, e é unicamente mediante a graça de Cristoque a obra de restauração física, mental e espiritual se pode efetuar.— A Ciência do Bom Viver, 142, 143 (1905). [26] 37
  39. 39. A perspectiva O mundo encontra-se desconjuntado. Ao olharmos o quadro geral, a perspectiva parece desalentadora. Mas Cristo acena com preciosas promessas a todos os homens e mulheres que nos causam desencorajamento. Vê neles qualidades que os habilitarão a ocu- par um lugar em Sua vinha. Se eles continuarem como aprendizes, por meio de Sua providência, Ele os tornará homens e mulheres capacitados a fazerem uma obra que não está fora de suas possibili- dades; através da comunicação do Espírito Santo, dar-lhes-á poder de expressão. Muitos campos áridos, não trabalhados, devem ser atingidos por iniciadores. A brilhante perspectiva do Campo mundial, como Jesus o viu, inspirará confiança em muitos obreiros que, se começarem em humildade, e puserem o coração na obra, serão considerados como os homens indicados para o tempo e lugar. Cristo vê todas as misérias e desesperações do mundo, a visão do qual deprimiria alguns dos nossos obreiros de grande capacidade com um senti- mento de desânimo tão grande que eles não saberiam nem mesmo como começar a obra de guiar homens e mulheres ao primeiro lance da escada. Seus métodos formalistas são de pouco valor. Eles se colocariam sobre os lances mais baixos da escada, dizendo: “Subi onde estamos.” Mas as pobres almas não saberiam onde colocar os pés. O coração de Cristo é confortado pela visão daqueles que são pobres no mais lato sentido do termo; confortado por Sua visão daqueles que são maltratados, mas que são mansos; alegrado pelos aparentemente insatisfeitos e famintos pela justiça, pela incapaci- dade de muitos para começarem. Ele saúda por assim dizer o mesmo estado de coisas que desanimaria a muitos ministros. Ele corrige o[27] nosso devotamento errôneo,* dando o encargo da obra dos pobres e necessitados nos ásperos recantos da Terra, a homens e mulheres que possuem coração que pode sentir com os ignorantes e extraviados. O * Testimonies for the Church 7:271, 272 (1902). 38
  40. 40. A perspectiva 39Senhor ensina a esses obreiros como encontrar aqueles a quem Eledeseja auxiliar. Eles serão encorajados ao verem as portas se lhesabrirem, ao penetrarem em lugares nos quais poderão fazer trabalhomédico-missionário. Tendo pouca confiança própria, dão a Deustoda a glória. Suas mãos podem ser rústicas e inexperientes, mas ocoração é suscetível à piedade; eles estão possuídos de um ardentedesejo de fazer alguma coisa que possa aliviar o infortúnio tão in-tenso; e Cristo está ao seu lado para ajudá-los. Ele opera por meiodaqueles que descobrem misericórdia na miséria, ganho na perdade todas as coisas. Quando a Luz do mundo passa, os privilégiosaparecem em todas as adversidades, ordem na confusão, o sucesso ea sabedoria de Deus naquilo que parecia ser uma falha. Meus irmãos e irmãs, aproximai-vos do povo em vosso ministé-rio. Animai aqueles que estão abatidos. Considerai as calamidadescomo bênçãos disfarçadas, os infortúnios como mercês. Agi demaneira que desperteis confiança em lugar de desespero. Deus a fonte de sabedoria e poder A cada obreiro eu diria: Marchai com humilde fé, e o Senhor iráconvosco. Mas vigiai em oração. Este é o segredo do vosso trabalho.O poder é de Deus. Operai confiando nEle, lembrando-vos de quesois coobreiros Seus. Ele é o vosso Ajudador. Vossa força vem dEle.Ele deve ser vossa sabedoria, justiça, santificação e redenção. [28]
  41. 41. Religião e saúde O ponto de vista defendido por alguns de que a espiritualidade é prejudicial à saúde, é sofisma de Satanás. A religião da Bíblia não é prejudicial à saúde, seja do corpo ou da mente. A influência do Espírito de Deus é o melhor remédio para as doenças. O Céu é todo saúde; e, quanto mais profundamente forem sentidas as influências celestiais, mais certa será a recuperação do crente inválido. Os ver- dadeiros princípios do cristianismo abrem perante todos uma fonte de inestimável felicidade. A religião é um manancial contínuo, do qual o cristão pode beber à vontade e jamais secar a fonte. A relação existente entre a mente e o corpo é muito íntima. Quando um é afetado, o outro também o é. O estado da mente afeta a saúde do sistema físico. Se a mente se acha despreocupada e feliz, em virtude da consciência de estar agindo corretamente, e do senso de satisfação por estar promovendo a felicidade de outros, isso cria uma disposição que agirá sobre todo o organismo, produzindo uma circulação mais livre do sangue e dando tono a todo o corpo. A bênção de Deus é um poder salutar, e aqueles que são copiosos em fazer o bem a outros perceberão essa maravilhosa bênção tanto no coração como na vida. Quando os homens que têm condescendido com maus hábitos e práticas pecaminosas se rendem ao poder da verdade divina, a aplicação dessa verdade ao coração faz reviver as energias morais, as quais pareciam paralisadas. O recebedor possui compreensão mais forte e mais clara do que antes de haver ligado sua alma à Rocha eterna. Até sua saúde física melhora pelo senso de sua confiança em[29] Cristo. A bênção* especial de Deus, que repousa sobre o recebedor, é por si mesma salutar e revigorante. Os que andam no caminho da sabedoria e santidade observam que “a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir”. 1 Timóteo 4:8. São sensíveis aos prazeres reais da vida, e não se perturbam com infundados remorsos * Christian Temperance and Bible Hygiene, 13, 14 (1890). 40
  42. 42. Religião e saúde 41de horas desperdiçadas, nem com sombrios presságios, como aspessoas do mundo o fazem, muitas vezes, quando não entretidas poralgum divertimento excitante. A piedade não entra em conflito comas leis da saúde, mas está em harmonia com elas. O temor do Senhoré o fundamento de toda verdadeira prosperidade.
  43. 43. O amor de Cristo um poder vitalizante Quando o evangelho é recebido em sua pureza e poder, é uma cura para as moléstias originadas pelo pecado. O Sol da Justiça ergue-Se trazendo “cura nas Suas asas”. Todos os recursos do mundo não podem curar um coração quebrantado, nem comunicar paz de espírito, nem remover o cuidado, nem banir a enfermidade. A fama, o engenho, o talento — são todos impotentes para alegrar um coração dolorido ou restaurar uma vida arruinada. A vida de Deus na alma, eis a única esperança do homem. O amor difundido por Cristo por todo o ser, é um poder vita- lizante. Todo o órgão vital — o cérebro, o coração, os nervos — esse amor toca, transmitindo cura. Por ele são despertadas para a atividade as mais altas energias do ser. Liberta a alma da culpa e da dor, da ansiedade e do cuidado que consomem as forças vitais. Vêm com ele serenidade e compostura. Implanta na alma uma alegria que coisa alguma terrestre pode destruir — a alegria do Espírito Santo — alegria que comunica saúde e vida. — A Ciência do Bom Viver,[30] 115. 42

×