SlideShare uma empresa Scribd logo
Política e
Sociedade
Hora de Aventura T06E12 Ocarina "Lei e Justiça"
"O verdadeiro fundador da sociedade civil foi o
primeiro que, tendo cercado um terreno, lembrou-se
de dizer, “isto é, meu” e encontrou pessoas
suficientemente simples para acreditá-lo. Quantos
crimes, quantas guerras, assassínios, misérias e
horrores não pouparia ao gênero humano aquele
que, arrancando as estacas ou enchendo o fosso,
tivesse gritado a seus semelhantes: “defendei-vos de
ouvir esse impostor; estareis perdidos se
esquecerdes que os frutos são de todos e que a terra
não pertence a ninguém!" - Rousseau
Porque vivemos em
sociedade?
De volta a Grécia...
Platão - verdadeiro cidadão é o que se
importa com o bem comum, a vida feliz se
encontra no cumprimento da justiça
A ideia de justiça só é concretizada pelos
mais sábios e estes devem ser os líderes da
Pólis
Sofocracia, governo dos sábios
Aristóteles - Homem é um animal político, zoon politikon, só é
feliz vivendo em sociedade
Ética e política estão juntas, os valores que guiam os indivíduos
são refletidos na sociedade
De volta a Grécia...
Na idade média...
Bom político = bom cristão
Domínio da igreja sob a moral e a ética da sociedade medieval
Ser > Fazer
A concepção tradicional de política e a forma
que compreendíamos a vida em sociedade eram
orientadas por aspectos externos e anteriores
aos indivíduos
Deus
Natureza
Na Era moderna isso se
modificaria...
Renascimento
Renascimento
Razão
Descobertas
Homem
no centro
Avanço no
conhecimento
E surgem outras propostas
para explicar: Porque
vivemos em sociedade?
CONTRATUALISTAS
Thomas Hobbes
Como convivíamos antes da sociedade?
Estado da natureza
Nesse estado, os indivíduos buscam a
sobrevivência e autopreservação ➔
Direito da natureza
Não há noção de certo e errado, bom ou
mau
Homem é o lobo do homem
Então por que surge a sociedade?
Buscando atender seus desejos e preservar sua existência,
no Estado natural os indivíduos viveriam em guerra
constante. Motivado pela razão e pelo instinto de
autoconservação, os indivíduos chegam a conclusão que é
necessário um contrato que limite a liberdade irrestrita
desse estado
A sociedade surge de uma convenção, do contrato que
seus indivíduos instituem e aceitam. O estado surge
também nesse momento como essa instituição que tem
poder para fazer cumprir o contrato
convenção>contrato>contratualistas
O estado para Hobbes nasce da
vontade coletiva e é todo-
poderoso, invencível, garantindo
com mãos de ferro o
cumprimento do contrato e
evitando o domínio do mais forte
pelo mais fraco.
Hobbes é um dos teóricos que
justificam o poder absolutista na
Era Moderna
O estado é visto como um
monstro, o Leviatã, invencível e
protegendo os peixes menores.
Da mesma forma, por essas
condições o Estado deveria estar
nas mãos de uma só pessoa
para evitar conflitos
Leviatã ou Matéria, Palavra e
Poder de um Governo
Eclesiástico e Civil
Jean-Jacques
Rousseau
Rousseau nasce 60 anos depois da
publicação do Leviatã de Hobbes
Influência do Iluminismo ➔ Papel da
razão para o progresso do
conhecimento e da sociedade
Rousseau afirmava que o progresso
das ciências e artes tornou o ser
humano PIOR!
Para Rousseau...
No Estado da Natureza os indivíduos
são bons e sadios. Não há vícios ou
aspectos que o corrompa. Ele é o "bom
selvagem".
Se no Estado Natural de Rousseau tudo
estava bem, éramos felizes, por que
aceitamos um contrato social?
O sentimento de perfectibilidade, da busca pela
perfeição, fez os indivíduos perceberem que em
grupo poderiam fazer tudo de forma mais fácil e
assim surgiram as primeiras comunidades
Família
Amor
Arte
Mas é a partir disso que Rousseau
enxerga a vida em sociedade
como um mal. Pois com o
crescimento da comunidade e o
destaque de seus membros mais
fortes e hábeis surgem vícios
Inveja
Orgulho
Ciúmes
Com o surgimento da
propriedade privada e dos
proprietários o homem perde
sua inocência e se corrompe.
A guerra entre proprietários e
não proprietários faz surgir o
contrato social.
Porém, o contrato é uma
armadilha dos proprietários que
prometem garantir paz, segurança
e justiça a todos para assegurar
seus direitos e subjugar os não
proprietários.
O único meio de garantir um
contrato social justo é a
vontade geral, um pacto entre
os indivíduos para garantir a
justiça e frear a dominação
entre as pessoas superando a
desigualdade que dá origem a
sociedade.
(Unioeste-PR) Em filosofia política, o contratualismo visa
à construção de uma “teoria racional sobre a origem e o
fundamento do Estado e da sociedade política”. O
modelo contratualista é “... construído com base na
grande dicotomia ‘estado (ou sociedade) de natureza /
estado (ou sociedade) civil’”, sendo que a passagem do
estado de natureza para o estado civil ocorre mediante o
contrato social.
Considerando o texto acima e as diferentes teorias
contratualistas, é incorreto afirmar que:
A) o ponto de partida, no pensamento contratualista,
para a análise da origem e fundamento do Estado, é o
estado político historicamente existente, cujo princípio
de legitimação de sua efetividade histórica é o
consenso.
B) os elementos constitutivos do estado de natureza
são indivíduos singulares, livres e iguais uns em
relação aos outros, sendo o estado de natureza um
estado no qual reinam a igualdade e a liberdade.
C) para o contratualismo, a sociedade política, em contraposição a
qualquer forma de sociedade natural, encontra seu princípio de
fundamentação e legitimação no consenso dos indivíduos
participantes do contrato social.
D) diferente de Locke que concebe o estado de natureza como um
“estado de relativa paz, concórdia e harmonia”, para Hobbes o
estado de natureza é um estado de guerra generalizada, de todos
contra todos, de insegurança e violência.
E) a passagem do estado de natureza para o estado civil ocorre
mediante uma ou mais convenções, ou seja, mediante “um ou
mais atos voluntários e deliberados dos indivíduos interessados
em sair do estado de natureza”, e ingressar no Estado civil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
Lyssa Martins
 
Silogismo
SilogismoSilogismo
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
Marcela Marangon Ribeiro
 
Max Weber - Sociologia
Max Weber - SociologiaMax Weber - Sociologia
Max Weber - Sociologia
Centro Acadêmico XX de Agosto
 
Doutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIXDoutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIX
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
Gilmar Rodrigues
 
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
Nábila Quennet
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
lipexleal
 
Surgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado ModernoSurgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado Moderno
Paula Meyer Piagentini
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
Marcioveras
 
Filosofia clássica
Filosofia clássicaFilosofia clássica
Filosofia clássica
Helena Morita
 
Apresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquidaApresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquida
Rosaalicianc
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
Over Lane
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Fatima Freitas
 
Filósofos iluministas
Filósofos iluministasFilósofos iluministas
Filósofos iluministas
Eunice Carmo
 
Filosofia política medieval
Filosofia   política medievalFilosofia   política medieval
Filosofia política medieval
Marcela Marangon Ribeiro
 
Max weber
Max weberMax weber
Médio-Ética Moral e valores.ppt
Médio-Ética Moral e valores.pptMédio-Ética Moral e valores.ppt
Médio-Ética Moral e valores.ppt
Moacyr Anício
 

Mais procurados (20)

Karl marx e o direito
Karl marx e o direitoKarl marx e o direito
Karl marx e o direito
 
Silogismo
SilogismoSilogismo
Silogismo
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 
Max Weber - Sociologia
Max Weber - SociologiaMax Weber - Sociologia
Max Weber - Sociologia
 
Doutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIXDoutrinas sociais do século XIX
Doutrinas sociais do século XIX
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Surgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado ModernoSurgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado Moderno
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
 
Filosofia clássica
Filosofia clássicaFilosofia clássica
Filosofia clássica
 
Apresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquidaApresentação modernidade líquida
Apresentação modernidade líquida
 
Patristica e escolastica
Patristica e escolasticaPatristica e escolastica
Patristica e escolastica
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Filósofos iluministas
Filósofos iluministasFilósofos iluministas
Filósofos iluministas
 
Filosofia política medieval
Filosofia   política medievalFilosofia   política medieval
Filosofia política medieval
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Médio-Ética Moral e valores.ppt
Médio-Ética Moral e valores.pptMédio-Ética Moral e valores.ppt
Médio-Ética Moral e valores.ppt
 

Semelhante a Aula 2 [1-2022-filo] - Contratualistas

Apresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTX
Apresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTXApresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTX
Apresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTX
LetciaSumbaneCyrus
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
Arlindo Picoli
 
Apostila de teoria_geral_do_estado
Apostila de teoria_geral_do_estadoApostila de teoria_geral_do_estado
Apostila de teoria_geral_do_estado
Direito2012sl08
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Rogerio Terra
 
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
Sandra Wirthmann
 
Aula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre eles
Aula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre elesAula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre eles
Aula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre eles
davidelucca13
 
Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1 Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1
ThaisRocha05
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
Paulo Gomes
 
Conceitos em Filosofia
Conceitos em FilosofiaConceitos em Filosofia
Conceitos em Filosofia
Jorge Barbosa
 
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E RousseauA Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
thiagopfaury
 
Hobbes_problema_justificação_estado
Hobbes_problema_justificação_estadoHobbes_problema_justificação_estado
Hobbes_problema_justificação_estado
Isabel Moura
 
Aulla iv john locke 15042014
Aulla iv   john locke 15042014Aulla iv   john locke 15042014
Aulla iv john locke 15042014
Bruno Uchôas
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
Rogerio Terra
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
Allan Jacks
 
Slide do seminário de filosofia
Slide do seminário de filosofiaSlide do seminário de filosofia
Slide do seminário de filosofia
Anderson Feitosa de Andrade
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Aristoteles vs. john locke (1)
Aristoteles vs. john locke (1)Aristoteles vs. john locke (1)
Aristoteles vs. john locke (1)
j_sdias
 
Rosseau
RosseauRosseau
Rosseau
Allan Jacks
 
2° ano
2° ano2° ano

Semelhante a Aula 2 [1-2022-filo] - Contratualistas (20)

Apresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTX
Apresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTXApresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTX
Apresentação dia 2 2022 Teorias contratualistas.PPTX
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
 
Apostila de teoria_geral_do_estado
Apostila de teoria_geral_do_estadoApostila de teoria_geral_do_estado
Apostila de teoria_geral_do_estado
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
 
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
 
Aula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre eles
Aula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre elesAula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre eles
Aula John Locke e Rousseau- entenda tudo sobre eles
 
Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1 Do contrato social Vol. 1
Do contrato social Vol. 1
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
 
Conceitos em Filosofia
Conceitos em FilosofiaConceitos em Filosofia
Conceitos em Filosofia
 
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E RousseauA Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
 
Hobbes_problema_justificação_estado
Hobbes_problema_justificação_estadoHobbes_problema_justificação_estado
Hobbes_problema_justificação_estado
 
Aulla iv john locke 15042014
Aulla iv   john locke 15042014Aulla iv   john locke 15042014
Aulla iv john locke 15042014
 
Jean jacques rousseau
Jean jacques rousseauJean jacques rousseau
Jean jacques rousseau
 
Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3Jusnaturalismo 3
Jusnaturalismo 3
 
Slide do seminário de filosofia
Slide do seminário de filosofiaSlide do seminário de filosofia
Slide do seminário de filosofia
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
 
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas HobbesAula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
Aula 19 - O Contratualismo - Thomas Hobbes
 
Aristoteles vs. john locke (1)
Aristoteles vs. john locke (1)Aristoteles vs. john locke (1)
Aristoteles vs. john locke (1)
 
Rosseau
RosseauRosseau
Rosseau
 
2° ano
2° ano2° ano
2° ano
 

Mais de Gerson Coppes

Aula 1 [2023] - O que é história?
Aula 1 [2023] - O que é história?Aula 1 [2023] - O que é história?
Aula 1 [2023] - O que é história?
Gerson Coppes
 
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamentoAula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Gerson Coppes
 
Aula 11 [3-2022] - Nova República
Aula 11 [3-2022] - Nova RepúblicaAula 11 [3-2022] - Nova República
Aula 11 [3-2022] - Nova República
Gerson Coppes
 
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outrosAula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Gerson Coppes
 
Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?
Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?
Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?
Gerson Coppes
 
Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9
Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9
Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9
Gerson Coppes
 
Aula 10 [1-2022] - O caminho da cidadania
Aula 10 [1-2022] - O caminho da cidadaniaAula 10 [1-2022] - O caminho da cidadania
Aula 10 [1-2022] - O caminho da cidadania
Gerson Coppes
 
resumo fim da Guerra Fria
resumo fim da Guerra Friaresumo fim da Guerra Fria
resumo fim da Guerra Fria
Gerson Coppes
 
Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2
Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2
Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2
Gerson Coppes
 
Aula 9 [1-2022] - Juventudes
Aula 9 [1-2022] - JuventudesAula 9 [1-2022] - Juventudes
Aula 9 [1-2022] - Juventudes
Gerson Coppes
 
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura MilitarAula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Gerson Coppes
 
Resumo Período Democrático e Ditadura Militar
Resumo Período Democrático e Ditadura MilitarResumo Período Democrático e Ditadura Militar
Resumo Período Democrático e Ditadura Militar
Gerson Coppes
 
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e MoralisAula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Gerson Coppes
 
Resumo Guerra Fria
Resumo Guerra FriaResumo Guerra Fria
Resumo Guerra Fria
Gerson Coppes
 
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Friaaula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
Gerson Coppes
 
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - MigrantesAula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
Gerson Coppes
 
aula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundial
aula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundialaula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundial
aula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundial
Gerson Coppes
 
Resumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdf
Resumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdfResumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdf
Resumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdf
Gerson Coppes
 
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Gerson Coppes
 
Aula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptx
Aula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptxAula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptx
Aula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptx
Gerson Coppes
 

Mais de Gerson Coppes (20)

Aula 1 [2023] - O que é história?
Aula 1 [2023] - O que é história?Aula 1 [2023] - O que é história?
Aula 1 [2023] - O que é história?
 
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamentoAula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
Aula 11 [1-2022] - Abolir o apagamento
 
Aula 11 [3-2022] - Nova República
Aula 11 [3-2022] - Nova RepúblicaAula 11 [3-2022] - Nova República
Aula 11 [3-2022] - Nova República
 
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outrosAula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
 
Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?
Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?
Aula 4 [1-2022-filo] - Cidadão?
 
Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9
Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9
Extra [3-2022] - Resolução de exercícios aula 6, 7, 8, 9
 
Aula 10 [1-2022] - O caminho da cidadania
Aula 10 [1-2022] - O caminho da cidadaniaAula 10 [1-2022] - O caminho da cidadania
Aula 10 [1-2022] - O caminho da cidadania
 
resumo fim da Guerra Fria
resumo fim da Guerra Friaresumo fim da Guerra Fria
resumo fim da Guerra Fria
 
Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2
Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2
Aula 10 [3-2022] - Guerra Fria pt.2
 
Aula 9 [1-2022] - Juventudes
Aula 9 [1-2022] - JuventudesAula 9 [1-2022] - Juventudes
Aula 9 [1-2022] - Juventudes
 
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura MilitarAula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
 
Resumo Período Democrático e Ditadura Militar
Resumo Período Democrático e Ditadura MilitarResumo Período Democrático e Ditadura Militar
Resumo Período Democrático e Ditadura Militar
 
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e MoralisAula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
Aula 3 [1-2022-filo] - Ethos e Moralis
 
Resumo Guerra Fria
Resumo Guerra FriaResumo Guerra Fria
Resumo Guerra Fria
 
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Friaaula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
 
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - MigrantesAula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
 
aula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundial
aula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundialaula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundial
aula 7 [3-2022] - 2ª guerra mundial
 
Resumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdf
Resumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdfResumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdf
Resumo - Visões da Velhice [1-2022-filo].pdf
 
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
Aula 7 [1-2022] - Onde habitar?
 
Aula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptx
Aula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptxAula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptx
Aula 6 [1-2022] - Identidade e Patrimônio.pptx
 

Último

Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

Aula 2 [1-2022-filo] - Contratualistas

  • 2. Hora de Aventura T06E12 Ocarina "Lei e Justiça"
  • 3. "O verdadeiro fundador da sociedade civil foi o primeiro que, tendo cercado um terreno, lembrou-se de dizer, “isto é, meu” e encontrou pessoas suficientemente simples para acreditá-lo. Quantos crimes, quantas guerras, assassínios, misérias e horrores não pouparia ao gênero humano aquele que, arrancando as estacas ou enchendo o fosso, tivesse gritado a seus semelhantes: “defendei-vos de ouvir esse impostor; estareis perdidos se esquecerdes que os frutos são de todos e que a terra não pertence a ninguém!" - Rousseau
  • 5. De volta a Grécia... Platão - verdadeiro cidadão é o que se importa com o bem comum, a vida feliz se encontra no cumprimento da justiça A ideia de justiça só é concretizada pelos mais sábios e estes devem ser os líderes da Pólis Sofocracia, governo dos sábios
  • 6. Aristóteles - Homem é um animal político, zoon politikon, só é feliz vivendo em sociedade Ética e política estão juntas, os valores que guiam os indivíduos são refletidos na sociedade De volta a Grécia...
  • 7. Na idade média... Bom político = bom cristão Domínio da igreja sob a moral e a ética da sociedade medieval Ser > Fazer
  • 8. A concepção tradicional de política e a forma que compreendíamos a vida em sociedade eram orientadas por aspectos externos e anteriores aos indivíduos Deus Natureza
  • 9. Na Era moderna isso se modificaria...
  • 11. E surgem outras propostas para explicar: Porque vivemos em sociedade?
  • 13. Thomas Hobbes Como convivíamos antes da sociedade? Estado da natureza Nesse estado, os indivíduos buscam a sobrevivência e autopreservação ➔ Direito da natureza Não há noção de certo e errado, bom ou mau Homem é o lobo do homem Então por que surge a sociedade?
  • 14. Buscando atender seus desejos e preservar sua existência, no Estado natural os indivíduos viveriam em guerra constante. Motivado pela razão e pelo instinto de autoconservação, os indivíduos chegam a conclusão que é necessário um contrato que limite a liberdade irrestrita desse estado
  • 15. A sociedade surge de uma convenção, do contrato que seus indivíduos instituem e aceitam. O estado surge também nesse momento como essa instituição que tem poder para fazer cumprir o contrato convenção>contrato>contratualistas
  • 16. O estado para Hobbes nasce da vontade coletiva e é todo- poderoso, invencível, garantindo com mãos de ferro o cumprimento do contrato e evitando o domínio do mais forte pelo mais fraco.
  • 17. Hobbes é um dos teóricos que justificam o poder absolutista na Era Moderna O estado é visto como um monstro, o Leviatã, invencível e protegendo os peixes menores. Da mesma forma, por essas condições o Estado deveria estar nas mãos de uma só pessoa para evitar conflitos Leviatã ou Matéria, Palavra e Poder de um Governo Eclesiástico e Civil
  • 18. Jean-Jacques Rousseau Rousseau nasce 60 anos depois da publicação do Leviatã de Hobbes Influência do Iluminismo ➔ Papel da razão para o progresso do conhecimento e da sociedade Rousseau afirmava que o progresso das ciências e artes tornou o ser humano PIOR!
  • 19. Para Rousseau... No Estado da Natureza os indivíduos são bons e sadios. Não há vícios ou aspectos que o corrompa. Ele é o "bom selvagem". Se no Estado Natural de Rousseau tudo estava bem, éramos felizes, por que aceitamos um contrato social?
  • 20. O sentimento de perfectibilidade, da busca pela perfeição, fez os indivíduos perceberem que em grupo poderiam fazer tudo de forma mais fácil e assim surgiram as primeiras comunidades Família Amor Arte
  • 21. Mas é a partir disso que Rousseau enxerga a vida em sociedade como um mal. Pois com o crescimento da comunidade e o destaque de seus membros mais fortes e hábeis surgem vícios Inveja Orgulho Ciúmes
  • 22. Com o surgimento da propriedade privada e dos proprietários o homem perde sua inocência e se corrompe. A guerra entre proprietários e não proprietários faz surgir o contrato social.
  • 23. Porém, o contrato é uma armadilha dos proprietários que prometem garantir paz, segurança e justiça a todos para assegurar seus direitos e subjugar os não proprietários.
  • 24. O único meio de garantir um contrato social justo é a vontade geral, um pacto entre os indivíduos para garantir a justiça e frear a dominação entre as pessoas superando a desigualdade que dá origem a sociedade.
  • 25. (Unioeste-PR) Em filosofia política, o contratualismo visa à construção de uma “teoria racional sobre a origem e o fundamento do Estado e da sociedade política”. O modelo contratualista é “... construído com base na grande dicotomia ‘estado (ou sociedade) de natureza / estado (ou sociedade) civil’”, sendo que a passagem do estado de natureza para o estado civil ocorre mediante o contrato social. Considerando o texto acima e as diferentes teorias contratualistas, é incorreto afirmar que:
  • 26. A) o ponto de partida, no pensamento contratualista, para a análise da origem e fundamento do Estado, é o estado político historicamente existente, cujo princípio de legitimação de sua efetividade histórica é o consenso. B) os elementos constitutivos do estado de natureza são indivíduos singulares, livres e iguais uns em relação aos outros, sendo o estado de natureza um estado no qual reinam a igualdade e a liberdade.
  • 27. C) para o contratualismo, a sociedade política, em contraposição a qualquer forma de sociedade natural, encontra seu princípio de fundamentação e legitimação no consenso dos indivíduos participantes do contrato social. D) diferente de Locke que concebe o estado de natureza como um “estado de relativa paz, concórdia e harmonia”, para Hobbes o estado de natureza é um estado de guerra generalizada, de todos contra todos, de insegurança e violência. E) a passagem do estado de natureza para o estado civil ocorre mediante uma ou mais convenções, ou seja, mediante “um ou mais atos voluntários e deliberados dos indivíduos interessados em sair do estado de natureza”, e ingressar no Estado civil.