Prevencao incendios explosoes

2.256 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
116
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prevencao incendios explosoes

  1. 1. %! %! ( ( % % " " # &' # &' )% % ) ) ) & & PREVENÇÃO de INCÊNDIOS e EXPLOSÕES Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $!
  2. 2. Classes de fogos CLASSE EXEMPLOS SUBSTÂNCIAS DESIGNAÇÃO A Fogos de materiais sólidos, Madeira, carvão, papel, geralmente de natureza tecidos, alguns plásticos, etc. orgânica, em que a combustão se faz com formação de brasas. B Fogos de líquidos sólidos liquifícáveis C Fogos de gases Butano, Propano, Gás Natural, Acetileno, Hidrogéneo, etc. D Fogos de metais Alumínio, Sódio, Magnésio, Titânio, etc. F Fogos envolvendo produtos Óleos e gorduras vegetais ou para cozinhar em aparelhagem animais % de cozinha ou de Óleos, gasolinas, álcool, tintas, ceras, vernizes, etc. Fonte: NP EN 2, de 1993 e NP EN 2:1993/A1, de 2005 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *
  3. 3. BLEVE – Boiling Liquid Expanding Vapour Explosion (explosão de vapores em expansão provenientes da ebulição de um líquido) Quando um depósito de líquido combustível rompe, o líquido nele contido vaporizar-se-á rapidamente (entra em ebulição), em consequência da brusca redução de pressão. O contacto dos vapores com uma fonte de ignição garantirá a ocorrência duma violenta explosão designada por BLEVE * Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja + ! " ! " # # $! $! +
  4. 4. Risco potencial de espaços confinados • Risco de oxigénio – Muito ou pouco • Gases tóxicos – gases, vapores ou fumos (eg: sulfito de hidrogénio dióxido e monóxido de carbono) • Riscos de inflamação e explosão – vapores ou poeiras em concentrações suficientes para inflamarem Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja • Afundamento – líquidos ou sólidos movediços • Configuração – Chão com inclinação • Riscos físicos – Contacto com equipamento eléctrico, vapor, superfícies a alta temperatura, partes móveis ! " ! " # # $! $! ,
  5. 5. Estatísticas de acidentes em espaços confinados • Mortalidade ou danos graves (Dados: EUA) – – Morte: Aproximadamente 60-65 Ferimentos graves: Aproximadamente 6000 – Causas: • asfixia, sufocação, fogo, explosão, exposição a atmosferas ou produtos tóxicos, submersão (silos, líquidos, …), peças móveis Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -
  6. 6. Fatalidades em espaços confinados • 47% Ar (Oxigénio, gases, vapores) • 21% Afogamento (Submersão em tanques, silos) • 19% Tóxicos (Líquidos, vapores, etc.) • 10% Traumatismos • 2% Electrocussão • 1% Queimaduras Dados: EUA Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! .
  7. 7. Silos e armazéns de produtos agrícolas • Pela sua dimensão e complexidade, podem ser fonte de vários e graves acidentes de trabalho. • Os silos por serem locais fechados, perigosos e traiçoeiros, são conhecidos como espaços confinados • Na Agricultura, existem ainda os chamados espaços confinados móveis: os tanques que são levados para o campo, onde são armazenados os agrotóxicos usados na lavoura; e os camiõescisterna transportadores de combustível ou de água (camiões de abastecimento). • Outros espaços confinados que podem ser encontrados nas diversas actividades associadas à agroindústria: tonéis (de vinho/aguardente,...), colunas de destilação, vasos, cubas, tinas, misturadores, secadores, moinhos, depósitos e outros. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! /
  8. 8. Riscos dos espaços confinados • Um espaço confinado apresenta riscos físicos, químicos, ergonómicos, biológicos e mecânicos. mecânicos Silos • Alguns dos riscos dos acidentes em Silos e Armazéns agrícolas: 1 - explosões; 2 - problemas ergonómicos; 3 - lesões respiratórias e do globo ocular (poeiras); 4 - riscos físicos (ruído, iluminação, humidade, vibrações, etc.); 5 - acidentes em geral (quedas, sufocamento, etc.). Ciclones Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! 0
  9. 9. Riscos de explosões em silos • A decomposição dos cereais pode gerar vapores inflamáveis. • Se a humidade do grão for superior a 20%, poderá gerar metanol, propanol ou butanol. Os gases metano e etano, também produzidos pela decomposição de grãos, são igualmente inflamáveis e podem gerar explosões. • A maior parte dos acidentes ocorre nas regiões em que a humidade relativa do ar atinge valores inferiores a 50%, e onde se armazenam produtos de risco como: trigo, milho e soja, ricos em óleos inflamáveis. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! 1
  10. 10. Riscos de explosões em silos • • • • Alguns fumigantes contêm produtos inflamáveis: dissulfeto de carbono, dicloreto de etileno, fosfina A proximidade com fumigantes e pesticidas implicam a exposição ao tetracloreto de carbono, dissulfeto de carbono, dibrometano, fosfeto de alumínio e dióxido de enxofre, todos potencialmente perigosos. Pequenos aparelhos permitem a medição a concentração de gases perigosos no interior dos silos e demais espaços confinados Para diminuir o risco de explosão, deve-se evitar a soldadura e o fumo no interior e nas proximidades dos silos. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! 2
  11. 11. Problemas ergonómicos associados a espaços confinados • Problemas ergonómicos – provocados pelas reduzidas dimensões do acesso ao espaço confinado e ao transporte de grãos ensacados. – Agressões à coluna vertebral; – Lombalgias; – Torções; e – Esmagamento de discos da vértebra. • Recomendação: Levar instrumento para verificar a existência e a concentração de gases perigosos no interior do recinto fechado Levar também, capacete e luvas Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $!
  12. 12. Problemas com os pulmões e os olhos • Alguns grãos armazenados, como o arroz em casca, desprendem uma poeira que pode causar lesão aos olhos ou dificuldades respiratórias. • A soja, por ser uma planta de porte baixo, ao ser colhida leva muita terra. Assim, ao ser armazenada, e ao movimentar-se, desprende essa poeira, que pode provocar uma doença terrível chamada silicose ou o empedramento dos pulmões. • EPI's recomendados: a) máscaras contra poeiras; e b) óculos de segurança. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *
  13. 13. Riscos físicos (ruídos, iluminação, etc.) • Uso de lâmpadas inadequadas • Electricidade estática. • EPI's recomendados são: a) protectores auriculares; b) óculos de protecção aos raios ultravioletas Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +
  14. 14. Acidentes em geral em silos e armazéns • Silos grandes - quando o operário entra sozinho e tenta andar sem o cinto de segurança sobre a superfície dos grãos, aparentemente firmes • O interior de um silo é um ambiente hostil. – É necessário que a pessoa designada para executar qualquer tarefa no seu interior esteja com boa saúde e devidamente treinada quanto aos riscos de acidentes Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,
  15. 15. Acidentes em geral em silos e armazéns • Antes de entrar num silo para executar qualquer tarefa, recomenda-se que: – Nunca entrar sozinho no silo; – Verificar se há gases e poeiras perigosas • Acidentes graves podem ocorrer igualmente no sistema de transporte de grãos ao silo (sem-fim) ou em equipamento ou circuitos eléctricos Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -
  16. 16. Aparelhos de comunicação e detecção • Aparelhos de comunicação, para transmitir orientações para alguém que esteja do lado de fora do silo, sempre que obstáculos físicos impeçam a sinalização visual entre parceiros. • Nos casos em que se constatar previamente (pelo detector de gases) que a atmosfera no interior gases do silo está pobre em oxigénio, – Pode utilizar-se um equipamento portátil de suporte de oxigénio; ou – Um equipamento externo para fornecer oxigénio, através da ventilação forçada, com a mangueira Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! .
  17. 17. EPI para espaços confinados • Capacete • Luvas • Trava-quedas e acessórios • Botas de segurança • Óculos de segurança • Ventilador/insuflador de ar • Rádio para comunicação • Tripé para apoio de cabo de suporte • Lanternas apropriadas Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! /
  18. 18. EPI para espaços confinados Instrumentação de medida: • Detector de gases e/ou poeiras • Detector de gases • Cromatógrafo • Explosímetro Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! 0
  19. 19. Identificação de atmosfera perigosa Gases ou vapores inflamáveis Suspensões de poeiras inflamáveis Concentração de oxigénio abaixo de 19.5% ou acima de 23.5% Ar contaminado Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! 1
  20. 20. Gases inflamáveis ou poeiras Ignição por faísca se a concentração no ar for acima do LII Gases ou valores com concentração superior a 10% do LII são considerados perigosos » espaços confinados Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *2
  21. 21. AIRdensidade = 1.0 Ar - BEING 1.0 0.5 Heavier than air 1.6 Lighter than air Equal to air Ar Vapor Density THE RATIO OF THE MASS OF VAPOR OR GAS TO THE MASS OF AN EQUAL AMOUNT OF AIR. CHAP 3-2 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *
  22. 22. 3 4$ 5 6 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! **
  23. 23. Deficiência de oxigénio Redução do oxigénio pode ser causada por oxidação do tanque (corrosão), por actividade microbiana ou por preenchimento por outro gás Falta de oxigénio pode causar o colapso imediato ou a morte Ar normal » 21% oxigénio Espaço com oxigénio abaixo de 19.5 % é considerado com deficiência de oxigénio 19.5% 0% Deficiência de oxigénio Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *+
  24. 24. Efeitos da deficiência de oxigénio % Oxigénio Sintomas 19.5% - 16% Fadiga, ligeira descoordenação de movimentos 16% - 12% Aumento da taxa de respiração e do pulso; descoordenação de movimentos, de conhecimento e avaliação 12% - 10% Aumento considerável da taxa de respiração, lábios azulados, confusão mental 10% - 8% Débil, náuseas, vómitos, confusão mental em poucos minutos 8% - 6% Colapso, morte em 8 minutos 6% - 0% Coma em 40 segundos, morte Usaruperior de gás inerte (azoto, eg.) para contra-atacar vapores inflamáveis um Tecnologia e Gestão Escola S ! " $! Instituto Politécnico de eja ! # " # $! pode resultarBem deficiência de oxigénio *,
  25. 25. Atmosferas ricas em oxigénio Um espaço com mais de 23,5% de oxigénio é considerado “rico em oxigénio”. Fonte de oxigénio: fuga de garrafas usadas para trabalhos de soldadura oxi-acetilenica Acima de 23.5% de oxigénio existe risco de fogo ou explosão Botijas verdes contêm O2 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *-
  26. 26. Atmosferas tóxicas ! "# & $ % ' ( ! ") ) * ! % , +% & & & ' Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! *.
  27. 27. Químicos tóxicos Químicos tóxicos em espaços confinados: sulfito de hidrogénio monóxido de carbono Outros químicos tóxicos: fumos de soldadura, vapores formados por vaporização de resíduos líquidos de tanques de combustíveis, produtos químicos confinados Em espaços fechados, os químicos podem rapidamente atingir níveis tóxicos no ar solventes vapores ou “sprays” Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! */
  28. 28. Sulfito de hidrogénio (H2S) ! " # $ % " !' . . " & ( )) + ) * * % 1 0 & ) . / . !, Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja / - ! " ! " # # $! $! *0
  29. 29. Sulfito de hidrogénio (H2S) PPM 10 ppm 50 - 100 200 - 300 500 -700 >1000 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja Efeito Limite de exposição Ligeira irritação dos olhos Irritação considerável Perda de consciência, morte Inconsciência, morte Tempo 8 Horas 1 Hora 1 Hora 1/2 - 1 Hora Minutos ! " ! " # # $! $! *1
  30. 30. Monóxido de carbono CO CO – operações de combustão (motores de combustão interna em espaços fechados) Motores a gás também emitem CO Nível de risco de CO – atingido rapidamente em espaços fechados Densidade = 0,97 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +2
  31. 31. Monóxido de carbono CO • Inodor • Resulta dos produtos de combustão. • Rápido colapso para altas concentrações PPM 50 200 600 1000-2000 1000-2000 1000-2000 2000-2500 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja Efeito Nível de exposição admissível Ligeira dor de cabeça, desconforto Dor de cabeça, desconforto Confusão, náusea, dor de cabeça Tendência para cambalear Ligeiras palpitações do coração Inconsciência Tempo 8 Horas 3 Horas 1 Hora 2 Horas 1 - 1/2 Horas 30 Min. 30 Min. ! " ! " # # $! $! +
  32. 32. Temperaturas extremas • Muito calor ou muito frio • Limpeza com vapor • Friogénios • Equipamento de protecção demasiado isolante Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +*
  33. 33. Outros perigos Linhas eléctricas, linhas de vapor our linhas hidráulicas Riscos mecânicos (peças móveis) Operações de construção, manutenção, … (soldadura, pintura, fusão, limpeza, ...) Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ++
  34. 34. Avisos e controlo no acesso a espaços fechados considerados de risco Avisos à entrada, sinalização Barreiras de entrada Só admitir a entrada de pessoas habilitadas Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +,
  35. 35. Como controlar atmosferas perigosas? Drenar ou bombear líquidos Fechar linhas de alimentação Testar o ar e ventilar. Ventilação constante. Remover lamas dos espaços fechados. Saídas desobstruídas Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +-
  36. 36. Ventiladores • Renovação do ar – Sistema portátil ou fixo – Direcção adequada a renovação/exaustão – Cuidados especiais de ventilação em locais com poeiras em suspensão – Controlo à distância – À prova de explosão em caso de atmosferas com esse risco Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +.
  37. 37. Informação Adicional Para mais informação: Consulta de fichas técnicas Internet / livros técnicos Dono da obra Serviços especializados - Instituto do ambiente - SNBPC - Laboratórios Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +/
  38. 38. • • • Preparação de trabalhos em espaços fechados de risco Nome e nºde telefones dos serviços de urgência Procedimentos de comunicação previamente testados Equipamento e procedimentos. – Pessoal com equipamento de protecção. – Equipamentos de medida das condições da atmosfera – Equipamentos de alarme – Equipamento de salvamento – Sistemas de respiração auxiliar Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +0
  39. 39. Riscos em espaços fechados • Deficiência de oxigénio • Atmosferas ricas em oxigénio • Atmosferas inflamáveis • Atmosferas tóxicas • Temperaturas extremas • Risco de submersão • Ruído • Escorregamento em superfícies húmidas • Queda de objectos Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! +1
  40. 40. Testar a atmosfera de espaços confinados • Testar todas as partes dos espaços confinados – Superior, Meio, Inferior • • • • Metano é mais leve do que o ar Monóxido de carbono é de densidade próxima do ar Sulfito de hidrogénio é mais pesado do que o ar Deficiência de oxigénio. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,2
  41. 41. Prevenção atmosferas perigosas • Reduzir a concentração para valores inferiores ao LII ou aumentá-la para valores superiores ao LSI • Diminuir a concentração por ventilação (ventiladores de extracção, entradas e saídas de ar afastadas) • Manutenção da concentração acima do LSI (recipientes fechados). – Nota: Mesmo depois de esvaziado os reservatórios que tenham contido líquidos inflamáveis, pelos resíduos no fundo e paredes podem emitir vapores inflamáveis. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,
  42. 42. Prevenção atmosferas perigosas (cont.) • Introdução de um gás inerte num espaço confinado onde se encontra uma mistura combustível vai provocar uma diminuição da concentração de O2 da mistura (N2, CO2, vapor de água) – Na zona de descarga da mistura combustível deve haver cuidados especiais, pode ser inflamável, tóxica ou asfixiante Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,*
  43. 43. Prevenção em operações • Proibição de execução de trabalhos em que haja lugar a chama em espaço aberto Soldadura, corte, fumar, aparelho de aquecimento com chama nua • • • Vigiar as superfícies aquecidas (canalizações, aparelhos de aquecimento) e isolar termicamente as superfícies quentes Evitar operações susceptíveis de originar faíscas por partículas metálicas arrancadas a uma material por choque ou fricção; bem como equipamentos como: mós, martelos, trituradores Evitar instalações eléctricas não protegidas (protecções blindadas) Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,+
  44. 44. Prevenção acumulação de cargas electrostáticas • Evitar acumulação de cargas electrostáticas, que ocorrem quando existe movimento relativo de dois corpos, sendo pelo menos um deles um isolante (eg. escoamento de líquidos isolantes, escoamento de gás com poeiras em suspensão, atrito de correias de transmissão, manipulação de materiais plásticos) – Ligação à Terra – Humidificação da atmosfera – Aumento da condutividade de materiais isolantes Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,,
  45. 45. Prevenção de explosões de poeiras • Eliminar a presença de poeiras em quantidades perigosas – Limpeza de depósitos de poeiras antes de atingirem 1 mm de espessura e humidificação aquando da sua limpeza – Acabamento superficial de aparelhos ou canalizações susceptíveis de favorecer a acumulação de poeiras e evitar vibrações – Estanquicidade poeiras dos aparelhos que emitem –… Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,-
  46. 46. Prevenção de explosões de poeiras – Evitar variações bruscas de direcção e diâmetro em condutas de transporte pneumático • Inertização da atmosfera – Introduzir poeiras inertes (eg. poeiras de rocha, cimento) • Suprimir as fontes de inflamação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,.
  47. 47. Ameaças terroristas • 1993 • 1995 • 2000 • Recentes ataques suicidas - Israel, Rússia, Espanha, Inglaterra – Bomba no World Trade Center in New York City, – Bomba no Alfred P. Murrah Federal Building in Oklahoma City – Ataque no metro de Tóquio pela seita Aum Shinrikyo libertando gás sarin e expondo cerca de 5.000 pessoas ao seus vapores mortíferos durante a hora de maior movimento pela manhã. Equipas de intervenção rápida para detecção de vestígios, vapores, sintomas das vítimas, colocação de placas com informação, etc. – Bomba no USS Cole no Yemen Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja Capacidade para entrar e permanecer entre 20 a 40 minutos na área atingida ! " ! " # # $! $! ,/
  48. 48. Alargamento das hipóteses de TERRORISMO … Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,0
  49. 49. O que se pretende detectar? • Explosivos – Militares – Comerciais • Gels • Emulsões explosivas • Dinamites • Materiais perigosos – – – – Químicos Biológicos Gases tóxicos Radioativos – Improvisados » baseados em fertilisantes • Drogas – Leves – Duras Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! ,1
  50. 50. O tipo de agente vs dano provocado • Um pequena quantidade RBQ pode potencialmente infligir maior dano na população do que o equivalente em explosivos • Microgramas de antrax e miligramas de gás dos nervos são suficientes para matar uma pessoa, podendo não acontecer o mesmo com gramas de explosivo • … Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -2
  51. 51. O tipo de agente vs dano provocado (continuação) • Infraestruturas médicas são alvos vulneráveis para acções terroristas com agentes químicos/biológicos. • Enquanto é necessário uma grande quantidade de explosivo para provocar danos sérios, a sua detecção no ar é mais difícil devido à baixa pressão de vapor (caso particular dos explosivos militares). Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -
  52. 52. Detecção • Equipamento de detecção – Equipamento para detecção, identificação, quantificação e monitorização de químicos, biológicos, radiológicos e agentes explosivos em áreas ou pontos específicos • Sensores – detecção (NRBQE) – Intrusivos – Fixos – Portáteis (transporte manual ou em veículos) Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -*
  53. 53. Tipos e níveis de detecção Vestígios visíveis ~1g Partículas 1mg Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja 1µg µ Partículas 1ng / Vapores 1pg Vapores 1fg 1ag ! " ! " # # $! $! -+
  54. 54. Bibliografia: José Carlos Miranda Góis Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -,
  55. 55. % % 6( 6( 78 8 7 “Se algum procedimento errado ou ocorrência negativa tiver que acontecer, acontece… Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! --
  56. 56. ... E será da pior maneira, no momento menos oportuno e de modo a causar o maior número de danos” ! Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " LEI DE MURPHY # # $! $! -.
  57. 57. PROTECÇÃO CIVIL Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja ! " ! " # # $! $! -/

×