Contabilidade respostas 015

5.114 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.114
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Contabilidade respostas 015

  1. 1. 15 - DEPRECIAÇÃO Depreciação é a despesa com a perda de valor dos bens tangíveis do Ativo Permanente, sujeitos ao desgaste: -pelo uso; -pela ação da natureza; -por se tornar obsoleto. A contrapartida da Despesa de Depreciação é a conta Depreciação Acumulada, sendo esta uma conta retificadora do Ativo Permanente. Exemplo do lançamento: Despesa com Depreciação de Veículos a Depreciação Acumulada de Veículos Não podem ser depreciados -Terrenos (salvo em relação às benfeitorias e construções); -Bens que aumentam de valor com o passar do tempo (obras de arte); -Bens que são amortizadas ou exauridos; -Bens que não estejam ligados à produção ou comercialização de bens e serviços. Base de Cálculo A base de cálculo da depreciação de um bem corresponde: (+) Custo de aquisição do bem (+) Gastos necessários para colocá-lo em funcionamento (+) Acréscimos posteriores (correção monetária ou reavaliação) Data do início da depreciação É a data em que o bem é colocado em funcionamento. Exemplificando: se uma máquina é comprada em janeiro de 2003 e somente é colocado em funcionamento em 28 de maio de 2003, a depreciação terá início em maio de 2003, contando-se este mês cheio, sem divisão em dias. Taxas de depreciação Veículos = 20% ao ano Imóveis = 4% ao ano Máquinas e Equipamentos = 10% ao ano Etc. É permitido o uso de taxas superiores aos valores máximos permitidos pela legislação da Receita Federal desde que haja um laudo de uma entidade oficial de pesquisa científica ou tecnológica. A legislação também permite uma depreciação maior para os bens que funcionam mais de oito horas por dia (depreciação acelerada). Valor Contábil X Valor Residual de um bem depreciado Valor contábil É a diferença entre o custo de aquisição e a depreciação acumulada. Valor residual É o valor provável da realização do bem, após totalmente depreciado. Exemplificando valor contábil: Pág. 1
  2. 2. Um veículo comprado por R$ 10.000,00, sendo sua depreciação de 20% ao ano, já foi depreciado por 3 anos, teremos: Custo de R$ 10.000,00 aquisição Valor da R$ 6.000,00 depreciação Valor contábil R$ do bem 4.000,00 Detalhe: Passando mais dois anos, o bem será totalmente depreciado ficando com um valor contábil igual a ZERO. Exemplificando valor residual: Um outro veículo comprado por R$ 10.000,00, sendo sua depreciação de 20% ao ano, já foi depreciado por 3 anos, e tem uma previsão de realização de R$ 1.000,00 ao final do seu período de depreciação. (+) Custo de aquisição R$ 10.000,00 (-) Valor residual R$ 1.000,00 (=) Base cálculo para calcular a R$ 9.000,00 depreciação Valor da depreciação R$ 5.400,00 Valor contábil do bem R$ 3.600,00 Detalhe: O valor residual é o valor pelo qual se conseguiria vender o bem após o seu prazo de vida útil dentro da empresa (depois de totalmente depreciado). Métodos de Depreciação Existem diversos métodos para se calcular a depreciação, no Brasil os mais utilizados são: -Método Linear ou das quotas constantes; -Método de Cole ou da soma dos dígitos. Método de depreciação - Método Linear É calculando aplicando uma taxa constante sobre o valor a ser depreciado, ou divide-se o valor a ser depreciado pelo tempo de vida útil do bem. Exemplificando: Um veículo comprado por R$ 10.000,00. Taxa de depreciação 20%. Vida útil do veículo 5 anos. Valor do Veículo R$ 10.000,00 Taxa de depreciação 20% Cálculo multiplicando o valor pela 10% R$ 10.000,00 x 20% = R$ 2.000,00 Cálculo dividindo o valor pela vida útil R$ 10.000,00 / 5 anos = R$ 2.000,00 Pág. 2
  3. 3. Método de depreciação - Método de Cole A depreciação pelo Método de Cole é calculada da seguinte forma: -Fase 1 => Soma-se os algarismos que compõem o número de anos de vida útil do bem a ser depreciado; -Fase 2 => Multiplica-se o valor a ser depreciado a cada ano pela fração cujo denominador é a soma obtida na fase 1, e o numerador, para o primeiro ano, é o total de anos da vida útil do bem. O numerador para o segundo ano é o número de vida útil do bem diminuindo-se 1 ano já passado. O numerador para o terceiro é o número de vida útil do bem diminuindo-se 2 anos já passados, e assim por diante. Exemplificando: Um veículo comprado por R$ 10.000,00. Vida útil do veículo 5 anos. Soma dos dígitos 1 + 2 + 3 + 4 + 5 = 15 (15 será o denominador) 1o. ano 5 anos / 15 x R$ 10.000,00 = R$ 3.333,33 => valor da depreciação do 1o.ano 2o. ano 4 anos / 15 x R$ 10.000,00 = R$ 2.666,67 => valor da depreciação do 2o. ano 3o. ano 3 anos / 15 x R$ 10.000,00 = R$ 2.000,00 => valor da depreciação do 3o. ano 4o. ano 2 anos /15 x R$ 10.000,00 = R$ 1.333,33 => valor da depreciação do 4o. ano 5o. ano 1 ano / 15 x R$ 10.000,00 = R$ 666,67 = valor da depreciação do 5 ano. Soma ao fim de 5 R$ 10.000,00 anos Depreciação de bens adquiridos usados Quando um bem for adquirido e este já for usado, deveremos usar o maior prazo dentre os seguintes: -metade do prazo de vida útil do bem quando adquirido novo; -restante de vida útil do bem, considerado este em relação à primeira instalação ou utilização desse bem. Exemplificando: Maquinário adquirido novo em 10/05/1996. Vida útil 4 anos. Estará totalmente depreciado em 10/05/2000. Nossa empresa compra este veículo usado em 10/08/1998. Assim teremos: Vida útil do bem = 4 anos Metade da vida útil do bem = 2 anos ou 24 meses Tempo de vida útil restante do bem De 10/08/1998 a 10/05/2000 = 21 meses O tempo usado para se realizar a depreciação desse maquinário será de 2 anos em nossa empresa, sendo a taxa de 50% ao ano. Pág. 3

×