Successfully reported this slideshow.
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO/ CAMPUS II – ALAGOINHAS     CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍS...
THIAGO LIMA ALVESPERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES      PRATICANTES DE EXERCÍCIO RESISTIDO.              ...
DEDICATÓRIA                Dedico este trabalho    a   todos   aqueles   que          acreditaram neste objetivo.
AGRADECIMENTOS      Agradeço primeiramente a Deus por mais uma conquista em minha vida, aminha família, minha mãe, meu pai...
“A satisfação está no esforço feito para alcançar o objetivo, e não em tê-lo alcançado.”                                  ...
RESUMO:        Esse artigo não tem como intenção defender o uso de suplementosalimentares, mas, analisar o uso dos mesmos ...
SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO...............................................................................................72 REFER...
7   1 INTRODUÇÃO      A antiga idéia de que a atividade física era exclusividade para atletasprofissionais, deixou de exis...
8os praticantes de exercício resistido começam a usar em busca de um aumentorápido de massa muscular sem os efeitos de dro...
9 2 REFERENCIAL TEÓRICO      2.1Exercício Físico      Entende-se como atividade física, qualquer movimento corporal, produ...
10       2.2 Exercício resistido      Conceitualmente exercício resistido é segundo Santarém (1998) uma formade exercício ...
11        2.3 Academia de Ginástica      De acordo com Saba (2001), academia de ginástica é o local que englobamodalidades...
12      A mídia representa um forte poder aliciador manifestando assim um podercoercivo na maneira das pessoas se comporta...
13poderá melhorar ou intensificar a capacidade de trabalho em indivíduos sadios eeliminar a sensação dos sintomas de cansa...
14balanceada, desde que a alimentação convencional não supre as recomendaçõesdiárias.       Os produtores desses suplement...
15                           [...] As bebidas isotônicas, promessa: hidratar e repor                   carboidratos. efeit...
163 METODOLOGIA   3.1 Modelo do estudo      Este estudo caracteriza-se como descritivo, pois exige do pesquisadorinformaçõ...
17         3.3 Local do estudo         O estudo ocorreu no município de Alagoinhas, cidade do interior da Bahia,localizado...
18       3.4 Instrumentos de medida      Buscando uma padronização e a uniformidade do entendimento dosentrevistados foi a...
19      3.6 Análise de dados       Os dados coletados foram analisados através da estatística descritiva(porcentagem) no M...
204 Resultados e Discussão         Em 2002, a Revista Brasileira de Ciência e Movimento relatou que a maioriados usuários ...
21      O predomínio do sexo masculino entre os usuários de suplementos foitambém documentado por Araújo e Soares (1999) e...
22      Foram classificados em: fundamental incompleto, fundamental completo,médio incompleto, médio completo, superior in...
23      Ao contrário do estudo de Pereira e colaboradores (2003) que diz que osusuários de suplementos alimentares são, em...
24      Entre o público feminino o menor período de prática de exercício físico foi detrês meses e o maior entre os entrev...
25      Foi detectado que a maior parte dos homens pratica exercício apenas hácinco meses, mostrando que o interesse por p...
26      GRÁFICO 07. Representação em percentual da freqüência dos indivíduos dogênero feminino nos treinos.      Hirschbru...
27      Foi colocado em questão qual seria o tempo estimado do treino e as opçõesde resposta eram: 30minutos, 45 minutos, ...
28       Nos estudos de Santos & Santos (2002) e Jesus e Silva (2008) foi visto que aconsciência da importância da prática...
29       GRÁFICO 15. Representação em percentual de quem vem à indicação douso de suplemento alimentar dos indivíduos do g...
30estampadas nos mais arrojados rótulos, uma vez que nessa idade o desejo porresultados rápidos é maior.       Como caract...
31      Santos e Barros Filho (2002) em uma de suas pesquisas com universitáriosde São Paulo constatou que o uso de suplem...
32      GRÁFICO 11. Representação em percentual dos resultados esperados pelouso do suplemento alimentar dos indivíduos do...
33      Foi discutido na fundamentação teórica que esse tipo de produto pode causarresultados indesejáveis, mas não houve ...
34       Levadas por falsas promessas de alguns dos rótulos dos suplementosalimentares, as pessoas fazem o uso na expectat...
35      GRÁFICO 19. Representação em percentual do motivo para não usarsuplemento alimentar dos indivíduos do gênero femin...
36      Foi perguntado se o entrevistado conhecia alguém que fizesse uso desuplementação alimentar.      GRÁFICO 20. Repre...
37      Schwenk e Costley (2002) aponta em uma de suas pesquisas que o início douso de suplemento alimentar tem influência...
385. Considerações Finais         Comprovado os benefícios da prática de atividade física, os métodosutilizados por atleta...
39                                            ReferênciasARAÚJO, A.C Matos; SOARES, Y. N. Gonçalves. Perfil de utilização ...
40JESUS E. V., SILVA M. G. B. SUPLEMENTO ALIMENTAR COMO RECURSOERGOGENICO POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS. ANAI...
41SANTOS, M. A. A. e SANTOS, R. P. Uso de suplementos alimentares como forma demelhorar a performance nos programas de ati...
42ANEXOSQuestionário.      Caro aluno:        Estamos conduzindo este questionário para avaliar o uso de suplementosalimen...
439. Obteve resultados indesejáveis?        ( )Sim. Quais?________________ ( )Não10. Quem indicou o uso do produto?       ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE EXERCÍCIO RESISTIDO

6.862 visualizações

Publicada em

THIAGO LIMA ALVES

  • Seja o primeiro a comentar

PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE EXERCÍCIO RESISTIDO

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO/ CAMPUS II – ALAGOINHAS CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA THIAGO LIMA ALVESPERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE EXERCÍCIO RESISTIDO. Alagoinhas 2011
  2. 2. THIAGO LIMA ALVESPERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE EXERCÍCIO RESISTIDO. Projeto de monografia apresentado como requisito parcial para conclusão do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado da Bahia – campus II. Orientador: Prof. Dr. Maurício Maltez Alagoinhas-BA 2011
  3. 3. DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos aqueles que acreditaram neste objetivo.
  4. 4. AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por mais uma conquista em minha vida, aminha família, minha mãe, meu pai, meu irmão Rafael e minha irmã Patrícia porestarem me apoiando sempre e a minha namorada Orleane por participar direta eindiretamente da construção desta pesquisa. Meus amigos/irmãos que tanto me apoiaram e me incentivaram a permanecerlutando pelo meu objetivo, que dividiram experiências ímpares em minha vida,Reinaldo (Pulga), Nilton (Cajazeiras), Vinicius, Pedro (velho Mineiro), Anderson,Raimundo (Nardone), Cleidson (Keu), e não podendo esquecer aquele que é esempre será meu melhor amigo, Junior (T-bag). Meus colegas de sala que juntos partimos e não deixamos se desfazer oeterno coleguismo. Um agradecimento especial ao meu orientador Professor Maurício Maltez porestar sempre junto, me incentivando nas melhores decisões e ao Professor ValterAbrantes o qual me espelho para um futuro brilhante. Sou grato a todos que me acompanharam nessa jornada.
  5. 5. “A satisfação está no esforço feito para alcançar o objetivo, e não em tê-lo alcançado.” Mahatma Gandhi
  6. 6. RESUMO: Esse artigo não tem como intenção defender o uso de suplementosalimentares, mas, analisar o uso dos mesmos pelos praticantes de exercíciosresistidos com idade entre 15 e 20 anos em uma academia de ginástica no centro deAlagoinhas. Discutir um pouco mais sobre esse assunto de crescente repercussãoentre os praticantes de atividade física e, quem sabe, incentivar estudos nessa área,para que volte a praticar exercícios físicos buscando a construção de um corposadio, sem estar preocupados com problemas que possam surgir quando se tentamudar o curso natural das coisas. Este estudo caracteriza-se como descritivo, poisexige do pesquisador informações sobre do que se deseja pesquisar, utilizando-sede um questionário estruturado. A pesquisa visa informar o que são suplementosalimentares, seus efeitos, benefícios e malefícios e citar quais os motivos que levamos indivíduos a procurar esse recurso. Observa-se que o uso desses produtos porparte do público masculino (68%) é muito maior do que pelo público feminino (32%)e que os principais incentivadores para o inicio do uso de produtos ergogênicos sãoos professores das academias (29%), o uso por conta própria (18%) e balconistadas farmácias (17%). Palavras chaves: Atividade física, exercício físico, suplemento alimentar. ABSTRACT: This article is not intended to advocate the use of dietary supplements, butconsider their use by practitioners of resistance exercises aged between 15 and 20years in a gym in downtown Alagoinhas. Discuss a bit more on this subject ofgrowing influence among the physically active and perhaps encourage studies in thisarea, to restore the physical exercise seeking to build a healthy body, without beingconcerned about problems that may arise when trying to change the natural courseof things. This study is characterized as descriptive, since it requires the researcherabout what you want to search, using a structured questionnaire. The research aimsto inform what are dietary supplements, their effects, benefits and disadvantages,and cite the reasons that lead individuals to seek this feature. It is observed that theuse of these products by the male audience (68%) is much larger than the femaleaudience (32%) and that the main drivers for the start of the use of ergogenicproducts are the teachers of the academies (29% ), The use on their own (18%) andclerk of pharmacies (17%). Keywords: Physical activity, physical exercise, dietary supplement.
  7. 7. SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO...............................................................................................72 REFERENCIAL TEÓRICO.............................................................................9 2.1 Exercício físico..................................................................................9 2.2 Exercício resistido...........................................................................10 2.3 Academia de ginástica................................................................... 11 2.4 Suplementos alimentares................................................................123 METODOLOGIA...........................................................................................16 3.1 Modelo do estudo............................................................................16 3.2 População e amostra......................................................................16 3.3 Local do estudo...............................................................................17 3.3.1 Característica da academia...............................................17 3.4 Instrumentos de medida..................................................................18 3.5 Coleta de dados..............................................................................18 3.6 Analise de dados.............................................................................194 RESULTADOS E DISCUSSÃO...................................................................205 CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................................................38REFERÊNCIAS...............................................................................................39ANEXOS..........................................................................................................42
  8. 8. 7 1 INTRODUÇÃO A antiga idéia de que a atividade física era exclusividade para atletasprofissionais, deixou de existir. Buscando melhorias na qualidade de vida econdicionamento físico, grande número de pessoas tem se dedicado à prática deexercícios em academias e centros esportivos. Após evidencias científica dosbenefícios dos exercícios resistidos para saúde, e de sua contribuição para oalcance de um corpo musculoso, “delineado” (desejado) e saudável, a prática dessaatividade aumentou consideravelmente, tanto entre o público masculino quantofeminino. Exercício resistido consiste na resistência à contração muscular, no qual,geralmente, para essa prática, são utilizados pesos, equipamentos ou o próprio pesocorporal. Na sua grande maioria são praticantes desse tipo de exercício aqueles queestimam o aumento de sua massa muscular, a hipertrofia. A força, a explosão,melhor mobilidade, principalmente dos idosos, também são conseguidos com aprática do mesmo. No mundo moderno em que vivemos onde a qualidade de vida vemdiminuindo pela falta de uma alimentação saudável, aumento da poluição ambientale surgimento de doenças nunca vistas, a procura pela prática de atividade física vemse difundindo, principalmente pelas mulheres. A corpolatria é um fenômeno cada vez mais presente na sociedade, [...] uma espécie de “patologia da modernidade” caracterizada pela preocupação e cuidado extremos com o próprio corpo não exatamente no sentido da saúde (ou presumida falta dela, como no caso da hipocondria), mas particularmente no sentido narcisístico de sua aparência ou embelezamento físico [...]. (CODO e SENNE, 1985). Para se conseguir esse “embelezamento” físico muitos procuram os centrosde “ginástica”, associando à sua vida o uso de produtos (suplementos alimentares)que facilitem o seu objetivo. Há evidencias que o uso de suplementos alimentaresseria indispensável para essa melhoria na estrutura física desses praticantes, surgeentão o aumento do uso desses suplementos por parte dessas pessoas que buscamesse corpo mais musculoso e delineado. Dantas (2005) conclui em uma de suaspesquisas que o poder de melhoria desses suplementos em atletas é tão grande que
  9. 9. 8os praticantes de exercício resistido começam a usar em busca de um aumentorápido de massa muscular sem os efeitos de drogas. A pesquisa tem como objetivo geral, analisar o uso de suplementosalimentares pelos praticantes de exercícios resistidos com idade entre 15 e 20 anosem uma academia de ginástica, alem de abordar aspectos mais específicos, como:  Discutir benefícios e malefícios do uso dos suplementos alimentares.  Fazer um levantamento do número de usuários de suplementos alimentares na faixa etária de 15 a 20 anos numa academia de ginástica.  Caracterizar o uso de suplemento alimentar entre os praticantes de exercícios resistidos com idade entre 15 e 20 anos.  Levantar o perfil dos praticantes de exercícios resistidos numa academia de ginástica. Com base nessas considerações, o presente projeto se justifica a propor umestudo sobre o uso de suplementos alimentares por parte dos praticantes deexercícios resistidos com idade entre 15 e 20 anos numa academia de ginástica.
  10. 10. 9 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1Exercício Físico Entende-se como atividade física, qualquer movimento corporal, produzidopela musculatura esquelética que resulta em gasto energético, tendo componentes edeterminantes de ordem biopsicossocial, cultural e comportamental (CASPERSEN,POWEL & CHRISTENSON, 1985). A atividade física com o passar dos anos vem semostrando bastante útil para uma melhoria de vida dos seus praticantes.Comprovado os benefícios dos exercícios resistidos para a promoção da saúde,centros esportivos e academia de ginástica vêm aumentando seu numero de alunosa cada dia. Relatos na literatura apontam que com a prática regular de exercíciosocorrem diversos benefícios físicos e psicossociais. Entre eles, estão: o aumento daforça muscular, a melhora do condicionamento cardiorrespiratório, a redução degordura corporal, o aumento da densidade óssea, a melhora do humor e da auto-estima e a redução da ansiedade e da depressão, alem de estar associado àdiminuição da incidência de diversas patologias e de comportamentos de risco(SABA, 1999). Faria (1998) e Marques (1999) frisam que o bem-estar físico érelevante para lidar com quase todos os eventos estressantes, particularmente osque exigem grande mobilização. Portanto, as práticas físicas são importantes naqualidade de vida, além de levantar sua auto-estima, autoconfiança e uma interaçãosocial. Esses benefícios ocorrem mesmo sendo iniciados em uma fase tardia da vida(terceira idade). Faria (1998) e Marques (1996) afirmam que a prática de umaatividade física regular pode contribuir muito para evitar as incapacidadesassociadas no processo do envelhecer. Os principais benefícios originários daprática de atividade física fazem referência aos aspectos antropométricos,neuromusculares, metabólicos e psicológicos (MATSUDO E MATSUDO, 2000).
  11. 11. 10 2.2 Exercício resistido Conceitualmente exercício resistido é segundo Santarém (1998) uma formade exercício ativo com contração muscular dinâmica (contrações isotônicas) ouestática (contrações isométricas), resistido por uma força externa. A força externapode ser aplicada manualmente ou mecanicamente. Já Fleck e Kraemer (2006)dizem que o treinamento resistido consiste em uma atividade voltada para odesenvolvimento das funções musculares através da aplicação de sobrecarga,podendo esta ser imposta através de pesos livres, máquinas específicas, elásticosou a própria massa corporal. Os exercícios resistidos caracterizam-se por exercíciosnos quais ocorrem contrações voluntárias da musculatura esquelética de umdeterminado segmento corporal contra alguma resistência externa, ou seja, contrauma força que se opõe ao movimento, sendo que essa oposição pode ser oferecidapela própria massa corporal, por pesos livres ou por outros equipamentos, comoaparelhos de musculação, elásticos, ou resistência manual (FORJAZ, REZK, MELO,SANTOS, TEIXEIRA, NERY, TINUCCI, 2003). Tratando-se de exercício resistido a execução pode ser feita em diferentesintensidades, [...] a leve (40% a 60% da carga voluntária máxima – CVM, ou seja, 40% a 60% do peso máximo que se consegue levantar somente uma vez), várias repetições (20 a 30) podem ser realizadas e o resultado dessa prática será o aumento da resistência da musculatura envolvida no exercício. Por esse motivo, esse tipo de exercício resistido (baixa intensidade e muitas repetições) é chamado de exercício de resistência muscular localizada (RML). Por outro lado, quando os exercícios são realizados em intensidades maiores (acima de 70% da CVM), o número de repetições não pode ser muito alto (8 a 12) e obtêm-se como resultado do treinamento o aumento da massa muscular (hipertrofia) e da força da musculatura envolvida no exercício. Assim, esse exercício (alta intensidade e poucas repetições) é chamado de exercício de força [...]. (FORJAZ, REZK, MELO, SANTOS, TEIXEIRA, NERY, TINUCCI, 2003, p. 120)
  12. 12. 11 2.3 Academia de Ginástica De acordo com Saba (2001), academia de ginástica é o local que englobamodalidades competitivas e não competitivas e que envolve a prática de uma sériede movimentos exigentes de força, flexibilidade e coordenação motora para finsúnicos de aperfeiçoamento físico e mental, e é ela a maior opção da populaçãourbana, para aderir a pratica de exercício físico, com o intuito de obter melhorias emseu bem-estar geral. Bittencourt (1986) diz que não existe uma data precisa de quando surgiram asprimeiras manifestações de levantamento de pesos. A história da musculação émuito antiga existindo relatos que datam do início dos tempos afirmando a prática deexercícios com pesos. Em escavações na cidade de Olímpia foram encontradaspedras com entalhes para as mãos permitindo aos historiadores intuir a utilizaçãodestas em treinamentos com pesos. Há registros de jogos de arremessos de pedrasatravés de gravuras em paredes de capelas funerárias do Egito antigo mostrandoque há 4.500 anos os homens já levantavam pesos como forma de exercício físico. [...] A história mais conhecida data da época da Grécia Antiga, quando Milon de Creton, cidadão grego, iniciou seu treinamento levantando um pequeno bezerro nas costas. A medida que o bezerro ia crescendo provocava sobrecarga ao organismo daquele que estava treinando, acarretando adaptações orgânicas que permitiam ao mesmo suportar aquela nova carga que lhe era imposta a cada dia. Acredita-se que este treinamento foi o método originário do princípio da sobrecarga [...]. (p. 22). De acordo com Novaes (1991) o surgimento das primeiras academiasdecorreu do fato das próprias terem a finalidade de atender a um publico alvo quebuscava aulas de ginástica fora dos clubes e que entre as décadas de 30 e 50 onúmero de academias no Brasil era muito pequeno. A partir de 1970 o número foiaumentando consideravelmente, sendo desenvolvidas pelos profissionais deeducação física, com atividades de ginástica, exercícios aeróbicos, voltados para oexercício cardiorrespiratório. Já na década de 80 houve uma maior difusão destasatividades aeróbicas com campeonatos, dando espaço para uma maior diversidadede programação, dentre elas a musculação, ginástica localizada, alongamento,dentre outras. Esse acontecimento foi um dos maiores fatos sociais ocorridos nosúltimos tempos.
  13. 13. 12 A mídia representa um forte poder aliciador manifestando assim um podercoercivo na maneira das pessoas se comportarem, bem como remete padrões devalores a serem buscados e, devido aos inúmeros fatores que influenciamnegativamente a saúde da população atual, a mídia mostra que a prática deexercício físico diminui notoriamente, daí vem o aumento visível do numero deacademias e de seus praticantes. Saba (2001) fala sobre aderência como uma manutenção da prática deexercícios físicos por longos períodos de tempo, como parte da rotina dosindivíduos. A questão da aderência pode ser entendida como sendo o ápice de umaconstante evolução em direção à prática regular de determinada atividade física e dosubseqüente bem-estar nos níveis físico e psicológico. É central nessa concepção, aquestão do comprometimento. 2.4 Suplementos alimentares Segundo Sherman & Costill (1984), Brouns, Saris & Hoor (1986) e Hasson &Barnes (1989) a nutrição corresponde aos processos gerais de ingestão e conversãode substâncias alimentícias em nutrientes que podem ser utilizadas para manter afunção orgânica. A determinação de quais nutrientes são necessários e dasquantidades dos nutrientes essenciais têm sido foco de investigações por décadas.A nutrição é um dos fatores que pode aumentar o desempenho atlético. Quandobem equilibrada pode reduzir a fadiga, lesões, ou repará-las rapidamente, otimizaros depósitos de energia e para saúde geral do indivíduo. Os relatos mostram que Milon foi um dos primeiros a se preocupar com asuplementação alimentar e que ele comia por dia 9 kg de carne, 9 kg de pão e 10litros de vinho - gerando um total de 57 mil kcal (MAESTÁ & BURINI, 2005). Dentro dessa visão os macros e micronutrientes ditos ergogênicos têm sidoutilizados pelos alunos das academias de ginástica visando melhorar o seudesempenho e concomitantemente, a estética. Wilmore & Costill (1999) se refereaos ergogênicos como sendo substâncias ou fenômenos que melhoram odesempenho de um atleta. O termo é derivado de duas palavras gregas “ergon”(trabalho) e “gennan” (produzir). Diante desse conceito, uma substância ergogênica
  14. 14. 13poderá melhorar ou intensificar a capacidade de trabalho em indivíduos sadios eeliminar a sensação dos sintomas de cansaço e fadiga física e mental, dessa formapotencializando seu desempenho. Os suplementos alimentares são produtos ergogênicos utilizados na melhoriado desempenho nas atividades esportivas. Na tentativa de obter melhordesempenho físico ou aumento de massa e força muscular mais rápido, a utilizaçãode recursos ergogênicos por atletas e desportistas, teve início antes da era cristã,quando os heróis olímpicos, tinham suas invencibilidades atribuídas às grandesingestões alimentares (MAESTÁ & BURINI, 2005). Em estudos recentes Dantas (2005) fala que ao viver a prática de exercíciosfísicos o uso de suplementos alimentares vai se aproximando do modo de vidadessas pessoas, [...] os suplementos alimentares priorizam aumentar o tecido muscular, ofertar e produzir energia para o músculo, minimizar os efeitos da fadiga, aumentar o alerta mental, reduzir a gordura corporal, diminuir a produção e aceleração da remoção de metabólicos tóxicos do músculo [...]. (DANTAS, 2005, p.363). As pessoas tentadas pela busca de um corpo que dizem esteticamenteperfeito, um corpo “delineado”, definido, procuram nos suplementos este objetivo. Amaior incidência no número de consumidores de suplementos alimentares sãopraticantes de musculação devido a possibilidade da musculação ser usada tantopara o desenvolvimento de força muscular, como para a "modelação" corporal, fatoeste que se baseia na “crença” de melhoria da performance e resultados estéticos,conclusões feitas nos estudos de Lollo & Tavares (2007). Os suplementos alimentares têm o poder de suprir a carência dedeterminadas substâncias não ingeridas, obtendo uma melhora significativa nostreinos de atletas, e com o passar dos anos o suplemento alimentar se tornouindispensável na dieta de um atleta. O estresse, o sedentarismo e o modo de vidaagitado da sociedade, aliado com o aumento da poluição e uma alimentação cadavez menos saudável, fez com que o suplemento alimentar deixasse de ser umalimento de atletas para um uso comum, pois supriria a ingestão de nutrientes nãoingeridos, além de ser uma forma fácil e prática de se alimentar devido ao preparo,logo, o suplemento alimentar hoje é universal e multidirecionado, indicado a todas aspessoas que estejam preocupadas em manter uma alimentação saudável e
  15. 15. 14balanceada, desde que a alimentação convencional não supre as recomendaçõesdiárias. Os produtores desses suplementos esquecem de dizer nos rótulos e/ou nasbulas dos produtos seus efeitos colaterais, nos quais ocorre uma dependência aesses produtos tanto físicas como psicológicas, sobrecarga no metabolismo dosrins, pulmões e fígado, além de problemas cardíacos e aumento no tempo dacoagulação sanguínea. Para o Conselho Regional de Educação Física (CREF),órgão que regulamenta a atuação dos profissionais de Educação Física, o usoindiscriminado de suplementos nutricionais é ilegal. De acordo com o Conselho,indicar suplementos é responsabilidade do nutricionista, fiscalizar a origem ecomercialização cabe à Vigilância Sanitária. Ao futuro usuário resta consultar essesprofissionais antes do ingresso no “mundo” instantâneo. Segundo a assessoria doCREF, o número de pessoas que aderem aos suplementos alimentares cresceparalelo ao corre-corre cotidiano. As pessoas querem ganhar tempo, nem que paraisso, troquem o natural pelo instantâneo, buscando resultados em curto prazo,esquecendo-se assim da saúde e de suas conseqüências (CREFSP). A mídia relata vários casos de esportistas profissionais usuários dessessuplementos alimentares, mas poucos estudos focam na investigação desse uso porparte da população em geral, principalmente por parte do publico feminino quebusca cada vez mais um corpo dito como “perfeito”, entendido como musculoso,“delineado”. Segundo Tirapegui (2006), praticantes de exercício físico estão sempre àprocura de aperfeiçoamento para chegar ao máximo de sua capacidade física e,assim, conseguirem um lugar à frente de seus oponentes. Esse fato tem induzidoatletas, técnicos e cientistas a buscarem, além das técnicas de treinamento,diferentes métodos de otimizar o desempenho. O uso indevido desses produtospode não trazer bons resultados, alguns surtem efeitos colaterais, tais como: suorexcessivo, aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial,insônia, alteração na percepção da dor e cansaço (que pode levar a lesõesmusculares). Os Principais suplementos utilizados, suas promessas e seus efeitoscolaterais são:
  16. 16. 15 [...] As bebidas isotônicas, promessa: hidratar e repor carboidratos. efeitos negativos: não há, diabéticos e hipertensos devem consultar um médico antes de ingerir. As vitaminas e minerais, promessa: suprir deficiências dos gastos calóricos durante o treino, efeitos negativos: as vitaminas A, E e D tendem a se acumular e podem causar intoxicação, problemas gastrointestinais e neurológicos, a vitamina c eleva as chances de cálculos renais. Os hipercalóricos, promessa: aumentar a massa muscular ou repor a energia eliminada na malhação, efeitos negativos: engorda. As proteínas e aminoácidos, promessa: ampliar os músculos e melhorar o desempenho físico, efeitos negativos: faz crescer os níveis de ácido úrico e a quantidade de gordura localizada, além de causar diversas complicações nos rins. A creatina, promessa: tornar maior a musculatura naqueles que praticam esportes de alta intensidade e curta duração, efeitos negativos: retém água e toxinas e provoca inchaço, dando a falsa impressão de aumento da massa magra. Maltodextrina, gel de carboidrato e bebidas de recuperação, promessa: fornecer energia, possibilitar a queima de gordura e recuperar o estoque de energia no músculo, efeitos negativos: pode engordar e provocar intolerância gástrica. O BCAA, promessa: prevenir ou retardar a fadiga em exercícios de resistência, efeitos negativos: costuma sobrecarregar os rins e o fígado com toxinas, especialmente em quem já tem predisposição a esses males. Os Fat Buner, promessa: queimar gordura, efeitos negativos: desencadeia taquicardia, arritmia e desidratação por causa da produção de suor excessivo [...]. (REVISTA CORPO A CORPO, 2005, p. 14). O uso de suplementos nutricionais é uma forma bastante difundida de tentarmelhorar o desempenho de atletas. Portanto, recomenda-se que tanto atletas comoindivíduos apenas ativos ou sedentários consumam uma alimentação equilibradagarantindo o fornecimento de todos os nutrientes necessários para o bomfuncionamento do organismo ao invés de lançar mão de recursos como esses.
  17. 17. 163 METODOLOGIA 3.1 Modelo do estudo Este estudo caracteriza-se como descritivo, pois exige do pesquisadorinformações sobre do que se deseja pesquisar, o uso de suplementos alimentarespelos praticantes de exercício resistido com idade entre 15 e 20 anos de umaacademia de ginástica no centro de Alagoinhas. Gil (1999 p.26), “define método como caminho para se chegar a determinadofim”, mas Richardson (1999 p.22) “alerta para não confundir método commetodologia”, pois segundo Demo e Minayo (1992; 1997) o método inclui, também,a criatividade do pesquisador. Segundo Trivinos (1987) o estudo descritivo descreve com exatidão os fatos efenômenos de determinada realidade, mas por objetivar fornecer um conhecimentoaprofundado de uma realidade delimitada domina-se como um estudo de caso. Gil(1995) descreve um estudo de caso como sendo um estudo profundo e exaustivo deum ou poucos objetos, de maneira que permita seu amplo e detalhadoconhecimento. 3.2 População e amostra A população foi composta pelos praticantes de exercício resistido com idadeentre 15 (quinze) e 20 (vinte) anos, freqüentadores da academia escolhida eusuários de recursos ergogênicos, pessoas fora desses critérios não participarão. Aescolha da academia tem como critério a proximidade dos freqüentadores com opesquisador por estagiar no espaço e por ser uma das academias maisfreqüentadas na cidade.
  18. 18. 17 3.3 Local do estudo O estudo ocorreu no município de Alagoinhas, cidade do interior da Bahia,localizado a cerca de 120 km de Salvador, com população estimada no ultimo censodo IBGE no ano de 2009 de 137.810 habitantes, com extensão territorial de 7733,97km². A Universidade do Estado da Bahia, campus II, se encontra na cidade deAlagoinhas, com 07 (sete) cursos, entre eles o de Licenciatura em Educação Física. 3.3.1 Característica da academia A academia estudada está em funcionamento desde 2002, na cidade deAlagoinhas, no estado da Bahia, Brasil. Seu horário de atendimento é de segunda asexta, das 05 horas ate às 21 horas e 30 minutos, e aos sábados das 7 horas às 12horas. O número de profissionais de Educação Física na academia varia de acordocom o horário. Naqueles considerados de maior movimento, a academia oferece àinstrução de musculação e condicionamento físico 05 (cinco) profissionais entreprofessores e estagiários de Educação Física. O número médio de clientes são de130 (cento e trinta), do sexo masculino e feminino - dado coletado na academiaatravés das fichas de matrícula com informações dos clientes arquivadas no local.São oferecidos exercícios com aparelhagem ergométrica e de musculação, aulas deginástica (localizada, step, jump, aeróbia, dança de salão e swing baiano) e dealongamento.
  19. 19. 18 3.4 Instrumentos de medida Buscando uma padronização e a uniformidade do entendimento dosentrevistados foi aplicado um questionário estruturado, caracterizando uma pesquisade abordagem quantitativa por se adequar na apuração de atitudes e opiniõesexplícitas e consciente dos entrevistados. Segundo Marconi e Lakatos (2003) arazão para se conduzir uma pesquisa quantitativa é descobrir quantas pessoas deuma determinada população compartilham uma característica ou um grupo decaracterísticas. Segundo Gil (1995) o uso de questionário (anexo) tem vantagens quepossibilita atingir grande número de pessoas, implica menores gastos com pessoal,garante o anonimato das respostas, permite a resposta no momento deconveniência das pessoas, não expõe os pesquisado à influência das opiniões e doaspecto pessoal do entrevistado, mas tem suas limitações que exclui os analfabetos,impede o auxílio ao pesquisado, impede o conhecimento das circunstâncias em quefoi respondido, não garante que a maioria das pessoas preencha devidamente, ositens podem ter significado distinto para cada sujeito pesquisado. 3.5 Coleta de dados Foi utilizado um questionário estruturado composto de 13 (treze) perguntas,sendo elas abertas e fechadas (podendo ser assinaladas mais de uma alternativa).O referido questionário buscou coletar as variáveis sócio-demográficas (sexo, idade,escolaridade) e dados comportamentais (tempo de prática e freqüência da atividade,duração do exercício, e se faz uso de suplemento alimentar) necessários pararealização da pesquisa. Antes da aplicação do questionário foi explicado o objetivodo estudo e pedido o consentimento do entrevistado. O questionário passou por umpré-teste, a fim de comprovar a eficiência do mesmo, e sua aplicação ocorreu emdiferentes horários do dia, em diferentes dias da semana.
  20. 20. 19 3.6 Análise de dados Os dados coletados foram analisados através da estatística descritiva(porcentagem) no Microsoft Excel 2003 e os seus resultados foram demonstrados naforma de tabela e gráficos.
  21. 21. 204 Resultados e Discussão Em 2002, a Revista Brasileira de Ciência e Movimento relatou que a maioriados usuários de suplementos alimentares tinha idades entre 18 e 26 anos e nívelmédio de escolaridade. Em nossa região, 25 jovens, entre 15 e 20 anos, relataramter acesso a essas substâncias, demonstrando uma queda na idade dos que seexpõem ao problema, frente ao relatado no início da década. Em Belo Horizonte,Ribeiro (1999) demonstrou que os usuários estão na faixa etária entre 15 e 18 anos. O fato de a maior parte dos usuários de suplementos serem da faixa dos 15aos 20 anos sugere que os adolescentes são mais vulneráveis à influência dosapelos desses produtos, uma vez que nessa idade o desejo por resultados rápidos émaior. GRÁFICO 01. Representação em percentual do quantitativo de indivíduos dogênero masculino e do gênero feminino. Apesar da crescente participação do público feminino nas salas demusculação, este estudo mostrou que mais homens do que mulheres fazem uso dasuplementação alimentar. Do número total de indivíduos que responderam aoquestionário, 17 (68%) pertenciam ao sexo masculino e 08 (32%) ao feminino.
  22. 22. 21 O predomínio do sexo masculino entre os usuários de suplementos foitambém documentado por Araújo e Soares (1999) em pesquisa feita em academiasde Belém, indicando prevalência do grupo masculino (42%) ao feminino (23%) entreos usuários de suplementação alimentar. Nos EUA, foram realizadas pesquisas, nos anos de 1991 e 1992, com oobjetivo de quantificar o uso indevido e, já naquela época, observou-se que osestudantes do Ensino Médio, sendo que de 4% a 11% eram homens e 0,5% a 2,5%,mulheres, já haviam feito uso dessas substâncias. No entanto, de acordo com umapesquisa americana, 37,2% das mulheres e 23,9% dos homens, entre 20 e 29 anos,tomavam suplementos (PEREIRA, LAJOLO e HIRSCHBRUCH, 2003). O baixo percentual feminino pode ser explicado pelo fato das mulheressentirem medo de ficar com o corpo hipertrofiado (efeito masculinizante), porém issonão se justifica devido ao baixo nível de testosterona no sistema hormonal feminino,diferente dos homens, onde o alto nível do hormônio em questão é um dosresponsáveis pelo seu maior grau de hipertrofia.
  23. 23. 22 Foram classificados em: fundamental incompleto, fundamental completo,médio incompleto, médio completo, superior incompleto, superior em andamento esuperior completo. GRÁFICO 02. Representação em percentual da escolaridade dos indivíduosdo gênero masculino. GRÁFICO 03. Representação em percentual da escolaridade dos indivíduosdo gênero feminino.
  24. 24. 23 Ao contrário do estudo de Pereira e colaboradores (2003) que diz que osusuários de suplementos alimentares são, em geral, indivíduos com elevado grau deescolaridade, com motivação e recursos para a prática de atividades físicas e comacesso a informações sobre nutrição, o resultado desta pesquisa mostrou que amaioria dos homens que fazem uso de suplementação alimentar possui ensinomédio completo (35%), assim como nas mulheres (75%), seguido por ensino médioincompleto (24%), diferente do que acontece com pessoas do sexo feminino, onde aescolaridade que dá segmento ao maior percentual é a de superior em andamento(25%). Isto pode ser explicado devido ao fato de que a pesquisa em questãorealizou-se numa cidade do interior, onde o número de universidades não é grande,ocasionando, assim, um êxodo para as cidades onde se encontram os núcleos deensino superior. Com a idéia de que na universidade o conhecimento fica maisacessível, significa que o fato de usar ou não suplemento alimentar, é o baixo nívelde conhecimento da população em geral, principalmente dos entrevistados. Ao se constatar esse fato, subentende-se que as pessoas com apenas oEnsino Médio não são detentoras de informações imprescindíveis sobre as reais epossíveis conseqüências da suplementação alimentar, muitas vezes indicada porseus instrutores físicos, deixando-se levar somente pela promessa de queconseguirão um belo e saudável corpo, o que não acontece se o uso não é feito demaneira correta. O resultado obtido por Pereira e colaboradores (2003) pode serfundamentado partindo do pressuposto de que, apesar de não ser unanimidade, onúmero de jovens que ingressam na universidade se sobressai àquele de pessoasmais velhas, e, sendo assim, existe uma grande preocupação com status, onde émais bem visto, e até mesmo respeitado, quem é mais bonito e/ou mais forte,levando esses jovens a buscarem, de forma simples e eficaz, aos seus olhos, atingiro estereótipo determinado por eles mesmos. Se tratando de beleza física, a buscade um corpo definido e musculoso por parte dos homens, e esbelto por parte dasmulheres, pode explicar o porquê de o percentual de uso de suplemento alimentardeles ser maior do que o delas.
  25. 25. 24 Entre o público feminino o menor período de prática de exercício físico foi detrês meses e o maior entre os entrevistados foi de oito meses, já entre os homens omenor período foi de dois meses e a maior aderência é de quinze meses. Gráfico 04. Representação em percentual do tempo de pratica na academia(aderência) dos indivíduos do sexo masculino.Gráfico 05. Representação em percentual do tempo de pratica na academia(aderência) dos indivíduos do sexo feminino.
  26. 26. 25 Foi detectado que a maior parte dos homens pratica exercício apenas hácinco meses, mostrando que o interesse por parte deles em ter um corpoesteticamente bem visto, musculoso e definido, é bem maior do que nas mulheres. Os resultados do estudo de Jesus e Silva (2008) indicam que o maiorconsumo de suplementos está associado ao maior tempo de prática de atividadefísica, de permanência na academia e é realizado por homens. De acordo com os dias de funcionamento da academia escolhida o numeromáximo de dias que o entrevistado pode exercer a prática do exercício são de seisdias. Entre as mulheres e os homens o número de dias em comum foi o de cincovezes na semana. GRÁFICO 06. Representação em percentual da freqüência dos indivíduos dogênero masculino nos treinos.
  27. 27. 26 GRÁFICO 07. Representação em percentual da freqüência dos indivíduos dogênero feminino nos treinos. Hirschbruch, Fisberg e Mochizuki (2008) diz que quanto maior o tempo naacademia mais ânsia vai existir por parte dos atletas em alcançar o corpo desejado.Isso justifica o fato de os entrevistados terem a prática de cinco dias na semanatanto por parte dos homens quanto das mulheres.
  28. 28. 27 Foi colocado em questão qual seria o tempo estimado do treino e as opçõesde resposta eram: 30minutos, 45 minutos, 1 hora, 1 hora e 30 minutos e 2 horas oumais. Entre os entrevistados o treino de 1 hora foi o mais utilizado. GRÁFICO 08. Representação em percentual da duração do treino dosindivíduos do gênero masculino. GRÁFICO 09. Representação em percentual da duração do treino dosindivíduos do gênero feminino.
  29. 29. 28 Nos estudos de Santos & Santos (2002) e Jesus e Silva (2008) foi visto que aconsciência da importância da prática da atividade física (musculação) eradiretamente proporcional ao alcance dos objetivos, mas a agitação dos trabalhos docotidiano fazia com que o tempo nas academias fosse uma média de 1h, por contado pouco tempo que se tem para a prática. Um dos objetivos específicos da pesquisa é caracterizar o uso do suplementoalimentar entre os praticantes de exercício resistido na academia Plena Forma, esaber como os alunos iniciam a prática do uso desses produtos, além de quem osindica. As opções de resposta eram: nutricionista, médico, balconista de farmácia ouloja específica, instrutor, amigos, familiares, conta própria, outro. GRÁFICO 14. Representação em percentual de quem vem à indicação douso de suplemento alimentar dos indivíduos do gênero masculino.
  30. 30. 29 GRÁFICO 15. Representação em percentual de quem vem à indicação douso de suplemento alimentar dos indivíduos do gênero feminino. Em estudos anteriores, em academias de ginásticas em são Paulo, instrutorese professores, aparecem como maior número de indicadores de suplementoalimentar (PEREIRA, LAJOLO, HIRSCHBRUCH, 2003), isto também se confirmanos estudos de Schwenk e Costley (2002), que aponta a forte evidência de que aprincipal fonte de informação era proveniente de treinadores, membros da família ouamigos, revistas e livros, e por último o nutricionista. A faixa etária analisada, de 15 a 20 anos, é vista como uma fase de quembusca a independência, mas acaba sendo suscetível às influências externas no usode suplementos alimentares. Pais, amigos, treinadores e professores são influentes -ter em casa um usuário de suplementos influencia o consumo, ter amigos usuáriostambém. Os amigos e treinadores são importantes fontes de indicação desuplementos. A autoprescrição é comum, diz Hirschbruch, Fisberg e Mochizuki (2008), masmesmo assim, o seu número de citações permanece elevado (38% nas mulheres). Ofato de a maior parte dos usuários de suplementos serem da faixa dos 15 a 20 anossugere que há mais vulnerabilidade aos apelos desses produtos e a suas promessas
  31. 31. 30estampadas nos mais arrojados rótulos, uma vez que nessa idade o desejo porresultados rápidos é maior. Como característica do uso do suplemento alimentar foi questionado como sedaria o uso do produto. As opções eram: receita médica, informações do rótulo,indicação do instrutor, aleatório. GRÁFICO 16. Representação em percentual de como é o uso do suplementoalimentar dos indivíduos do gênero masculino. GRÁFICO 17. Representação em percentual de como é o uso do suplementoalimentar dos indivíduos do gênero feminino.
  32. 32. 31 Santos e Barros Filho (2002) em uma de suas pesquisas com universitáriosde São Paulo constatou que o uso de suplementos é feitos sem orientaçãoespecializada, e o modo de uso é feito pela orientação dos balconistas de farmácia,geralmente a mesma contida nos rótulos dos produtos; isso confirma o dado obtidona pesquisa, onde 36% dos entrevistados fazem uso do suplemento pelasinformações do rótulo. Foi questionado se o entrevistado obteve resultados esperados com o uso dosuplemento alimentar. As opções eram sim, não e parcialmente. GRÁFICO 10. Representação em percentual dos resultados esperados pelouso do suplemento alimentar dos indivíduos do gênero masculino.
  33. 33. 32 GRÁFICO 11. Representação em percentual dos resultados esperados pelouso do suplemento alimentar dos indivíduos do gênero feminino. Diversas vezes os suplementos são apresentados aos consumidores, comouma forma de se alcançar mais rapidamente os resultados desejados pela atividade.Entretanto, a recomendação de suplementos para melhorar o desempenho físico écontraditória. Pereira, Lajolo e hirschbruch (2003) chamam a atenção para o fato deque muitos dos suplementos comercializados apresentam a falsa promessa deaumentar o desempenho atlético. Muitos destes produtos não continham no rótulo oefeito prometido, fato esse que ficou comprovado por estudos científicos realizadospor Pereira, Lajolo e hirschbruch (2003). Apesar das controvérsias os suplementosestão cada vez mais sendo utilizados por praticantes de atividade física,particularmente por freqüentadores de academias, comprovando assim osresultados do estudo, tanto em homens quanto em mulheres a não obtenção deresultados é tão alta, 35% e 37% respectivamente.
  34. 34. 33 Foi discutido na fundamentação teórica que esse tipo de produto pode causarresultados indesejáveis, mas não houve nenhum dado coletado de que ocorreualgum tipo de resultado indesejável entre os entrevistados. GRÁFICO 12. Representação em percentual dos resultados indesejáveis como uso do suplemento alimentar dos indivíduos do gênero masculino. GRÁFICO 13. Representação em percentual dos resultados indesejáveis como uso do suplemento alimentar dos indivíduos do gênero feminino.
  35. 35. 34 Levadas por falsas promessas de alguns dos rótulos dos suplementosalimentares, as pessoas fazem o uso na expectativa de alcançarem os resultadosprometidos. É notável que não houve nenhum efeito negativo pelo uso dessesprodutos em 100% dos homens e das mulheres. Embora alguns suplementos alimentares possam apresentar riscos a certo nível de consumo, muitos são seguros a níveis muito superiores que sua dose de eficácia. De acordo com isso, fornecer uma dose eficaz torna-se o fator primordial para a recomendação da dosagem. Em outras palavras, compreender os limites de segurança é o primeiro passo para estabelecer a dosagem. (WALLACE, 2009). Foi questionado se os entrevistados teriam motivo para não usar suplementoalimentar. As opções eram sim ou não; sendo SIM a resposta, o entrevistadoresponderia o porquê de não usar mais o suplemento: se pelos efeitos colaterais,pela dificuldade de compra ou por poder obter bons resultados somente com oexercício físico. GRÁFICO 18. Representação em percentual do motivo para não usarsuplemento alimentar dos indivíduos do gênero masculino.
  36. 36. 35 GRÁFICO 19. Representação em percentual do motivo para não usarsuplemento alimentar dos indivíduos do gênero feminino. Os motivos para o uso e o não uso mostram a crença no produto (a promessado uso desses produtos são as reposições energéticas, melhora na eficácia dostreinos, obtenção de definição, resultados rápidos, ganho de massa muscular maisrapidamente, e o não usar teria como forte argumento os medos, principalmente porparte das mulheres, de ganhar muita massa muscular junto a uma super definição),também mostrada por Carvalho & Hirschbruch (2008) onde todos os usuáriosacreditam na eficácia do produto, apesar de 94% dos homens e 100% das mulheresconsiderarem que a suplementação que consomem não é necessária. No presenteestudo, a maioria dos usuários não considerava a suplementação eficaz.
  37. 37. 36 Foi perguntado se o entrevistado conhecia alguém que fizesse uso desuplementação alimentar. GRÁFICO 20. Representação em percentual do individuo do gêneromasculino em conhecer alguém que use suplemento alimentar. GRÁFICO 21. Representação em percentual do individuo do gênero femininoem conhecer alguém que use suplemento alimentar.
  38. 38. 37 Schwenk e Costley (2002) aponta em uma de suas pesquisas que o início douso de suplemento alimentar tem influências diretas de instrutores de academia,amigos e familiares, pessoas que já usaram ou apenas ouviram falar das promessasdesses produtos. Nessa pesquisa foi detectado que a maioria não conhece pessoasque usam suplemento, portanto continua a hipótese de que as propagandas daspromessas desses produtos podem estar afetando no uso, não descartando a ideiade que mesmo não conhecendo pessoas que façam uso de suplemento osentrevistados podem ter sido influenciados por pessoas que não usam suplementoalimentar.
  39. 39. 385. Considerações Finais Comprovado os benefícios da prática de atividade física, os métodosutilizados por atletas em seus treinamentos estão se aproximando do modo de vidadas pessoas, e com isso o uso de suplementos alimentares também, visto que o usodesses produtos melhora o desempenho físico dos atletas. Na busca de um melhor rendimento físico associado a uma melhoria estética,muitos alunos utilizam suplemento alimentar pelos benefícios que elessupostamente aportam, para atingir os seus objetivos. Explica-se assim o porquê douso de suplementos alimentares pelos praticantes de exercício resistido naacademia Plena Forma. Numa média de 130 clientes, 25 entre 15 e 20 anos, estão entre aqueles quefazem uso de suplemento alimentar na academia estudada, estes com umafreqüência entre 3 a 5 dias na semana e de 2 a 15 meses de prática em média. Os entrevistados não fazem o uso correto dos produtos que utilizam. Amaioria é influenciada pelos professores da academia e balconistas das farmácias.Além do modo de usar não ser acompanhado por profissionais especializados,fazem uso das “receitas” dos instrutores e bulas dos produtos. Nesse conflito entre os benefícios propostos e os malefícios que poderão serobtidos pelo uso indiscriminado dessas substâncias, percebe-se a necessidade denovos estudos sobre o uso de suplementos e seus efeitos relacionados com aeducação nutricional desses indivíduos. A falta de estudos suficientes e conclusivos sobre o consumo de suplementosnutricionais, por praticantes de atividade física, deve-se não só ao fato de ser esteum assunto recente, mas também, ao constante aparecimento de novos produtos nomercado. Maiores esclarecimentos sobre seus efeitos são necessários para evitarproblemas de saúde na população estudada, uma vez que, o consumo desse tipo deproduto é significante entre a população.
  40. 40. 39 ReferênciasARAÚJO, A.C Matos; SOARES, Y. N. Gonçalves. Perfil de utilização de repositoresprotéicos nas academias de Belém, Pará. Rev. Nutr. Campinas 12(1): 81-89. jan/abr.1999. http://www.ufpi.brBITTENCOURT, Nelson. Musculação: uma abordagem metodológica. 2 ed. Rio deJaneiro: sprint,1986.BROUNS, F.; SARIS, W.; HOOR, F.T. Nutrition as a factor I the prevention of injuries inrecreational and competitive downhill skiing. Journal of Sports Medicine, Baltimore, v.9,n.4, p.1121-9, 1986.CASPERSEN, C. J.; POWELL K. E.; CHRISTENSON G. M. Physical activity, exercise,and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. Publichealth rep, 1985; V. 100(2). p. 126-31.CODO, Wanderley e SENNE, Wilson "O que é Corpolatria" - Col. Primeiros Passos, Ed.Brasiliense, 1985.CONSELHO REGIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Disponível em <http://www.crefsp.org.br> Acesso em 20 de janeiro de 2010.DANTAS, Estelio H.M.A pratica da preparação física. 5 ed, Rio de Janeiro: Shape, 2005.DEMO, P. Metodologia científica em ciências sociais. São Paulo: Atlas, 1992.FARIA, A. J. R. et al. Atividade física para terceira idade. Artigos (on-line), 1998.FLECK, S.T.; KRAEMER, W.J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3° ed.Porto Alegre: Artes Médicas, 2006.FORJAZ C.LM., REZK C.C., MELO C.M., SANTOS D.A., TEIXEIRA L., NERY S.S.,TINUCCI T. Exercício resistido para o paciente hipertenso: indicação ou contra-indicação. Rev. Bras. Hipertens., v. 10, n.2, p. 119-124. abril/junho de 2003.GIL, Antonio C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 1999.GIL, Antonio C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 1995.HASSON, S.; BARNES, W.S. Effects of carbohydrate ingestion on exercise of varyingintensity and duration. Sports Medicine, Auckland, v.4, n.2, p.110-201, 1989HIRSCHBRUCH M. D. , FISBERG M., MOCHIZUKI L. Consumo de suplementos porjovens freqüentadores de academias de ginástica em São Paulo. Ver. Bras. Med.Esporte vol.14 no.6 Niterói Nov./Dec. 2008. http://www.scielo.brHIRSCHBRUCH, M. D. ; CARVALHO, J. R. Nutrição Esportiva: uma visão prática - 2ªedição, Ed. Manole, 2008.
  41. 41. 40JESUS E. V., SILVA M. G. B. SUPLEMENTO ALIMENTAR COMO RECURSOERGOGENICO POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS. ANAIS do IIIEncontro de Educação Física e Áreas Afins. Núcleo de Estudo e Pesquisa em EducaçãoFísica (NEPEF) / Departamento de Educação Física / UFPI Outubro de 2008.http://www.ufpi.brLOLLO, Pablo Christiano B & TAVARES, Maria da Consolação G. Cunha F. Perfil dosconsumidores de suplementos dietéticos nas academias de ginástica de Campinas,SP. 2007. Disponível em <http://www.efdeportes.com/.com.br>Acesso em 05 de novembrode 2009.MAESTÁ, N.; BURINI, R. C. O Mito da Ergogênese Alimentar. São Paulo: Revista Nutriçãoem Pauta, n. 7, 2005.MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. 5ª edição.São Paulo: Atlas, 2003.MARQUES, A. A prática de atividade física nos idosos: as questões pedagógicas.Horizonte, Portugal, v.8, n.74, 1996.MATSUDO S. M. M.: MATSUDO V. K. R.; NETO, T. L. B.; ARAÚJO J. L. Evolução do perfilneuromotor e capacidade funcional de mulheres fisicamente ativas de acordo com aidade cronológica. Revista Brasileira Medicina do Esporte. V. 9, n. 6, 2000.MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 7ª ed. Petrópolis:Vozes, 1997.NOVAES J.S. Ginástica em academia no Rio de Janeiro: uma pesquisa histórico-descritiva. Rio de Janeiro: Sprint, 1991.PEREIRA, R.F., LAJOLO, F.M.; HIRSCHBRUCH, M.D. Consumo de suplementos poralunos de academias de ginástica em São Paulo. Revista de Nutrição, v.16, n.03, p.263-272, Campinas Jul/Set. 2003. http://www.scielo.brREVISTA CORPO A CORPO. Suplemento alimentar (cuidado com esta febre). RevistaCorpo a Corpo, 194ª Edição. Publicada em Fevereiro/2005. Editora Escala. Disponível emhttp://corpoacorpo.uol.com.br/Edicoes/194/artigo4961-1.asp acesso em 16 de janeiro de2010.RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas,1999.SABA, F. Aderência: À Prática do Exercício Físico em Academias. São Paulo, Manole,2001.SABA, F. K. F. F. Determinantes da prática de exercício físico em academias deginástica. Dissertação de mestrado, Escola de Educação Física e Esporte da USP, SãoPaulo. 1999.SANTARÉM, J.M. Atualização em exercícios resistidos: hipertrofia muscular. 1998.Disponível em: <http://www.saudetotal.com/artigos/atividadefisica/hipertrofia.asp>. Acessoem 07/07/10.
  42. 42. 41SANTOS, M. A. A. e SANTOS, R. P. Uso de suplementos alimentares como forma demelhorar a performance nos programas de atividade física em academias deginástica. Rev. Paul. Educ. Fís., São Paulo, 16(2): 174-85 jul./dez. 2002.http://www.scielo.brSANTOS K. M. O. , BARROS A. A. F. Consumo de produtos vitamínicos entreuniversitários de São Paulo, SP. Rev. Saúde Pública v.36 n.2 São Paulo abr. 2002.http://www.scielo.brSCHWENK, Thomas L.; COSTLEY, Chad D. When Food Becomes A Drug: NonanabolicNutritional Supplement Use in athletes. American Journal of Sports Medicine, v. 30, n. 6,p. 912-915, 2002. http://www.letras.ufrj.brSHERMAN, W.M.; COSTILL, D.L. The marathon: dietary manipulation to optimizeperformance. American Journal of Sports Medicine, Columbus, v.24, n.5, p.200-15, 1984.TIRAPEGUI, Júlio. Nutrição fundamentos e aspectos atuais. 2ª ed. São Paulo. 2006.TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais – A pesquisaqualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, 1987.WALLACE, E. Determinando a Dosagem Eficaz de EpiCor® em Produtos Consumidospor Crianças. 2009. http://www.embriahealth.comWILMORE, J.H.; COSTILL, D.L. Physiology of sport and exercise. Champaign: HumanKinetics, 1999.
  43. 43. 42ANEXOSQuestionário. Caro aluno: Estamos conduzindo este questionário para avaliar o uso de suplementosalimentares na academia Plena forma, e assim direcionar melhor os projetos nessaárea. Sua participação é fundamental. É necessário ser praticante de exercícioresistido, ter usado ou estar usando suplementos alimentares e estar com idadeentre 15 e 20 anos para responder este questionário. O anonimato será preservadoem todos os questionários. Obrigado pela sua contribuição. 1. Idade: ____ anos 2. Sexo : ( )Masc. ( ) Fem. 3. Escolaridade: ( )Fundamental Incompleto ( )Fundamental Completo ( )Médio Incompleto ( )Médio Completo ( )Superior Incompleto ( )Superior em andamento ( )Superior Completo. 4. Há quanto tempo pratica atividade física na academia?_________. 5. Quantas vezes por semana freqüenta a academia? ( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5 ( )6 6. Qual a duração dos exercícios por dia? ( )30min ( )45min ( )1h ( )1h30min ( )2h ou mais 7. Você faz ou já fez uso de algum tipo de suplemento alimentar? ( ) Sim ( ) Não Que tipo? ( )vitaminas ( )minerais ( ) proteínas ( )aminoácidos ( )creatina ( )hipercalóricos ( )extratos botânicos 8. Obteve resultados esperados? ( )Sim ( )Parcialmente ( )Não
  44. 44. 439. Obteve resultados indesejáveis? ( )Sim. Quais?________________ ( )Não10. Quem indicou o uso do produto? ( ) Nutricionista ( ) Médico ( ) Balconista de Farmácia ou Loja Específica ( ) Instrutor ( ) Amigos ( ) Familiares ( ) Conta Própria ( )Outros. Quem?______11. Como foi feito o uso desse produto? ( ) receita médica ( ) informações do rótulo ( ) indicação do instrutor ( ) aleatório.12. Teria motivo para não usar suplementos? ( )Sim ( )Não ( ) Efeitos colaterais ( ) Dificuldade de compra ( ) Posso obter bons resultados somente com o exercício físico.13. Conhece alguém da academia que use suplemento? ( ) Sim ( ) Não

×