SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Baixar para ler offline
Doença de
Chagas
Ou
Mal de Chagas
Conceito:
 É uma doença infecciosa causada por
um protozoário parasita
chamado Trypanosoma cruzi, nome
dado por seu descobridor, o cientista
brasileiro Carlos Chagas, em
homenagem a outro cientista,
também, brasileiro, Oswaldo Cruz.
É transmitido pelas fezes de um inseto
(triatoma) conhecido como barbeiro
Se esconde principalmente nas frestas
de casas rudimentares construídas de
pau-a-pique e sem reboco
Sintomas
 Fase Aguda: Febre, mal-estar, falta
de apetite, dor ganglionar, inchaço
ocular e aumento do fígado e baço
são alguns sintomas que podem
aparecer inicialmente, embora
existam casos em que a doença se
apresenta de forma assintomática.
Esplenomegalia
Hepatomegalia
Sintomas:
 Crônica: O mal de Chagas pode
destruir a musculatura dos órgãos
atingidos (principalmente a do
coração e do cérebro), provocando o
aumento destes, de forma irreversível.
Em muitos casos, somente essa fase
é percebida pelo paciente, sendo que
ela pode se manifestar décadas
depois do indivíduo ter sido infectado
pelo parasita.
Diagnostico e periodo de
incubação:
 O período de incubação vai de 5 a 14
dias após a picada e o diagnóstico é
feito através de um exame de sangue,
que deve ser prescrito,
principalmente, quando um indivíduo
vem de zonas endêmicas e apresenta
os sintomas antes mencionados.
Diagnostico e periodo de
incubação:
 O diagnóstico pode ser feito via
exame de sangue do paciente na
busca do parasita no próprio material
coletado (microscopia) ou pela
presença de anticorpos no soro
(através de testes sorológicos)
Tratamento:
 A medicação é dada sob
acompanhamento médico nos
hospitais devido aos efeitos colaterais
que provoca, e deve ser mantida, no
mínimo, por um mês. O efeito do
medicamento costuma ser satisfatório
na fase aguda da doença, enquanto o
parasita está circulando no sangue.
Na fase inicial aguda, a administração
de fármacos como Nifurtimox, Alopurinol
e Benzonidazol curam completamente
ou diminuem a probabilidade de
cronicidade em mais de 80% dos casos.
Tratamento:
 Na fase crônica, não compensa
utilizá-lo mais e o tratamento é
direcionado às manifestações da
doença a fim de controlar os sintomas
e evitar as complicações.
Ainda não há vacina para a prevenção
da doença
Cuidados de Enfermagem
Cuidados de Enfermagem:
 Os cuidados iniciais são de caráter
educativo, passando para o paciente
cuidados com a higiene
principalmente oral, reeducação
alimentar, incentivo ao tratamento,
apoio psicológico.
Cuidados de Enfermagem:
 Na fase crônica o enfermeiro deve
observar a aceitação de alimentos,
queixas de dores abdominais,
nauseais e vômitos, verificar sinais
vitais, sempre fazendo anotações
sobre cada sintoma do paciente.
Dados Epidemiologicos:
 No Brasil, o risco da transmissão
correspondia a 36% do território do
país, atingindo mais de 2.450
municípios, que se estendiam do
Maranhão ao Rio Grande do Sul,
incluindo grande parte das regiões
Nordeste, Sudeste, Sul e Centro-
Oeste.
Dados Epidemiologicos:
 O inquérito sorológico nacional,
realizado no final da década de 70,
estimou a existência de 5 milhões de
brasileiros infectados pelo
Trypanosoma cruzi
Dados Epidemiológicos:
Municípios com casos registrados da doença de Chagas
aguda por município no período de 2000 a 2010 (Fonte:
SVS/MS).
Bibliografia:
 http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe5rwAH/doenca-chagas-
ebah
 http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame.
asp?cod_noticia=658
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Chagas
 http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Pesquisa_Saude/tela13_
2.html
Perguntas:
 Quais são os sintomas de Chagas na
fase aguda e na fase crônica?
 Qual é o Agente Etiologico e o Vetor
da doença?
 Quais devem ser os cuidados de
enfermagem na fase crônica?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Parasitologia - Malaria
Parasitologia - MalariaParasitologia - Malaria
Parasitologia - Malaria
 
Doença de chagas
Doença de chagas Doença de chagas
Doença de chagas
 
Agentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicaçãoAgentes infecciosos e automedicação
Agentes infecciosos e automedicação
 
Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]Malária [ETEC KK]
Malária [ETEC KK]
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Leishmaniose visceral
Leishmaniose visceralLeishmaniose visceral
Leishmaniose visceral
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Seminário sobre Helmintos
Seminário sobre HelmintosSeminário sobre Helmintos
Seminário sobre Helmintos
 
Ascaridíase
Ascaridíase Ascaridíase
Ascaridíase
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Sarampo aula
Sarampo aulaSarampo aula
Sarampo aula
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 

Destaque (18)

Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagas   Doença de chagas
Doença de chagas
 
Trabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagasTrabalho doença de chagas
Trabalho doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGASDOENÇA DE CHAGAS
DOENÇA DE CHAGAS
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
DOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagasDOENÇA  DE  CHAGAS  PALESTRAS.1   doenã§a de chagas
DOENÇA DE CHAGAS PALESTRAS.1 doenã§a de chagas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRiosDoençAs Causadas Por ProtozoáRios
DoençAs Causadas Por ProtozoáRios
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
Taina
TainaTaina
Taina
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
AIDS - The Skeletons
AIDS - The SkeletonsAIDS - The Skeletons
AIDS - The Skeletons
 

Semelhante a Doença de Chagas: causas, sintomas e tratamento

Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioAline Vargas
 
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxDOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxGabrielCamacho44
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia2° PD
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia2° PD
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdfnicoleblanco100
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasDiegoOliveira520215
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresLaíz Coutinho
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetoresMario Gandra
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresMario Gandra
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresMario Gandra
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasLilian Souza
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011cipasap
 

Semelhante a Doença de Chagas: causas, sintomas e tratamento (20)

Doença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitárioDoença de Chagas - um problema sanitário
Doença de Chagas - um problema sanitário
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxDOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
 
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)Trabalho da feira da cultura centro  oeste (801)
Trabalho da feira da cultura centro oeste (801)
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Trabalho biologia
Trabalho biologiaTrabalho biologia
Trabalho biologia
 
Chagas
ChagasChagas
Chagas
 
Feira da cultura
Feira da culturaFeira da cultura
Feira da cultura
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
 
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de ChagasAspectos gerais e características da Doença de Chagas
Aspectos gerais e características da Doença de Chagas
 
Aula 2 virus
Aula 2   virusAula 2   virus
Aula 2 virus
 
Seminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradoresSeminário tópicos integradores
Seminário tópicos integradores
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
 
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de ChagasEctoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
Ectoparasitos de interesse médico e Doença de Chagas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 

Último

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 

Doença de Chagas: causas, sintomas e tratamento

  • 2. Conceito:  É uma doença infecciosa causada por um protozoário parasita chamado Trypanosoma cruzi, nome dado por seu descobridor, o cientista brasileiro Carlos Chagas, em homenagem a outro cientista, também, brasileiro, Oswaldo Cruz.
  • 3. É transmitido pelas fezes de um inseto (triatoma) conhecido como barbeiro
  • 4. Se esconde principalmente nas frestas de casas rudimentares construídas de pau-a-pique e sem reboco
  • 5.
  • 6. Sintomas  Fase Aguda: Febre, mal-estar, falta de apetite, dor ganglionar, inchaço ocular e aumento do fígado e baço são alguns sintomas que podem aparecer inicialmente, embora existam casos em que a doença se apresenta de forma assintomática.
  • 7.
  • 9. Sintomas:  Crônica: O mal de Chagas pode destruir a musculatura dos órgãos atingidos (principalmente a do coração e do cérebro), provocando o aumento destes, de forma irreversível. Em muitos casos, somente essa fase é percebida pelo paciente, sendo que ela pode se manifestar décadas depois do indivíduo ter sido infectado pelo parasita.
  • 10.
  • 11. Diagnostico e periodo de incubação:  O período de incubação vai de 5 a 14 dias após a picada e o diagnóstico é feito através de um exame de sangue, que deve ser prescrito, principalmente, quando um indivíduo vem de zonas endêmicas e apresenta os sintomas antes mencionados.
  • 12. Diagnostico e periodo de incubação:  O diagnóstico pode ser feito via exame de sangue do paciente na busca do parasita no próprio material coletado (microscopia) ou pela presença de anticorpos no soro (através de testes sorológicos)
  • 13. Tratamento:  A medicação é dada sob acompanhamento médico nos hospitais devido aos efeitos colaterais que provoca, e deve ser mantida, no mínimo, por um mês. O efeito do medicamento costuma ser satisfatório na fase aguda da doença, enquanto o parasita está circulando no sangue.
  • 14. Na fase inicial aguda, a administração de fármacos como Nifurtimox, Alopurinol e Benzonidazol curam completamente ou diminuem a probabilidade de cronicidade em mais de 80% dos casos.
  • 15. Tratamento:  Na fase crônica, não compensa utilizá-lo mais e o tratamento é direcionado às manifestações da doença a fim de controlar os sintomas e evitar as complicações.
  • 16. Ainda não há vacina para a prevenção da doença
  • 18. Cuidados de Enfermagem:  Os cuidados iniciais são de caráter educativo, passando para o paciente cuidados com a higiene principalmente oral, reeducação alimentar, incentivo ao tratamento, apoio psicológico.
  • 19. Cuidados de Enfermagem:  Na fase crônica o enfermeiro deve observar a aceitação de alimentos, queixas de dores abdominais, nauseais e vômitos, verificar sinais vitais, sempre fazendo anotações sobre cada sintoma do paciente.
  • 20. Dados Epidemiologicos:  No Brasil, o risco da transmissão correspondia a 36% do território do país, atingindo mais de 2.450 municípios, que se estendiam do Maranhão ao Rio Grande do Sul, incluindo grande parte das regiões Nordeste, Sudeste, Sul e Centro- Oeste.
  • 21. Dados Epidemiologicos:  O inquérito sorológico nacional, realizado no final da década de 70, estimou a existência de 5 milhões de brasileiros infectados pelo Trypanosoma cruzi
  • 22. Dados Epidemiológicos: Municípios com casos registrados da doença de Chagas aguda por município no período de 2000 a 2010 (Fonte: SVS/MS).
  • 23. Bibliografia:  http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe5rwAH/doenca-chagas- ebah  http://www.saudeemmovimento.com.br/conteudos/conteudo_frame. asp?cod_noticia=658  http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Chagas  http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/Pesquisa_Saude/tela13_ 2.html
  • 24. Perguntas:  Quais são os sintomas de Chagas na fase aguda e na fase crônica?  Qual é o Agente Etiologico e o Vetor da doença?  Quais devem ser os cuidados de enfermagem na fase crônica?