Solos

2.062 visualizações

Publicada em

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.062
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
176
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
290
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Solos

  1. 1. Rosa Maria Vieira Silva Pereira
  2. 2. Rosa Maria Vieira Silva Pereira ALTERAÇÃO DAS ROCHAS Existem formações rochosas que, com o decorrer dos tempos, vão adquirindo formas invulgares, mais pare – cendo estranhas esculturas.
  3. 3. Rosa Maria Vieira Silva Pereira OS AGENTES EROSIVOS As rochas, embora sejam bastante resistentes, sofrem a acção de diversos factores do meio, o que lhes provo – ca muitas alterações.
  4. 4. Rosa Maria Vieira Silva Pereira As alterações das rochas demoram muito anos a ocorrer, por isso é mui- to difícil apercebermo-nos delas. Ao conjunto de alterações e destruição das rochas damos o nome de erosão.
  5. 5. Rosa Maria Vieira Silva Pereira Agentes erosivos  a água  o vento  a temperatura  os seres vivos
  6. 6. Rosa Maria Vieira Silva Pereira  À medida que o tempo passa, vai sendo acrescentado ao solo jovem restos de plantas e animais mortos. Estes restos, tam- bém chamados matéria orgânica, vão-se misturando com o so- lo jovem, que vai sofrendo diversas transformações até se tor- nar num solo maduro.
  7. 7. Rosa Maria Vieira Silva Pereira Rocha MÃE Horizonte C Horizonte B Horizonte A Ho ri zon te OO solo maduro apresenta normalmente, diversas camadas a que chamamos Horizontes. A-- Tem cor escura devido à presença de Húmus. O-- Formado por restos de plantas e de animais. B-- Tem uma cor mais clara. Formado por fragmentos pequenos de rocha. C-- Formado por fragmentos de rocha não alterada.
  8. 8. Rosa Maria Vieira Silva Pereira AR ÁGUA MATÉRIA MINERAL MATÉRIA ORGÂNICA 25% 25% 46% 4%
  9. 9. Rosa Maria Vieira Silva Pereira As minhocas, caracóis, toupeiras, formigas e outros seres macros – cópicos abrem galerias que per – mitem uma melhor penetração do ar e da água.  Os seres vivos microscópicos de- compõem os restos de animais e plantas, originando o húmus, que é a matéria orgânica muito trans- formada. Muito lentamente, as bactérias ao alimentarem-se do húmus, trans – formam-no em sais minerais que são o alimento das plantas verdes.
  10. 10. Rosa Maria Vieira Silva Pereira Já sabes que num solo existe uma parte orgânica e uma parte mineral. Os principais constituintes da parte mineral são:  a areia  a argila  o calcário Solo arenoso Solo argiloso Solo calcário TIPOS DE SOLOTIPOS DE SOLO
  11. 11. Rosa Maria Vieira Silva Pereira PROPRIEDADES DOS SOLOS Os solos não são todos iguais. A diversidade dos solos depende dos materiais que os constituem, dando-lhes, assim, diferentes propriedades. Uma importante propriedade dos solos é a permeabilidade. Permeabilidade Maior ou menor capacidade que os solos têm de se deixarem atravessar pela água. Solo permeável Solo impermeável
  12. 12. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Solo arenoso Formado por grande quantidade de areia, muito leve e permeável. Não servem para a agricultura. Formado por argila. Esta retém muita água, encharcando o solo e tornando-o impermeável. Muito difíceis de traba– lhar, abrindo fendas quando secam. Solo argiloso
  13. 13. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Solo calcário Formado essencialmente por calcário, e muito pobres em matéria orgânica. Solo muito permeável e, por isso fá– ceis de trabalhar. Solo francoFormado por uma mistura de areia, argila e matéria orgânica. Retém bem a água, sem ficarem encharcados. É considerado um solo semipermeável e muito bom para a agricul – tura.
  14. 14. Rosa Maria Vieira Silva Pereira  Quando o solo é pobre em substâncias minerais e orgânicas, deve-se fazer a adubação com pro- dutos químicos ou com estrume. Adubos químicos Estrume
  15. 15. Rosa Maria Vieira Silva Pereira  Quando o solo é muito compacto, é necessário me- lhorá-lo, através da cava, da sacha e da lavra. Lavra Lavra Sacha
  16. 16. Rosa Maria Vieira Silva Pereira Quando o solo não tem a água necessária para o de- senvolvimento das culturas ou, pelo contrário, a tem em excesso, melhora-se a produtividade recorrendo, respectivamente, à irrigação e à drenagem. Irrigação Drenagem
  17. 17. Rosa Maria Vieira Silva Pereira Os solos são indispensáveis à vida na Terra, mas correm inúmeros riscos. Além da erosão, provocada pelos agentes naturais, o solo é, tam- bém, constantemente agredido pela acção humana. Fendas provocadas pela erosão O fogo Lançamento de pesticidas
  18. 18. Rosa Maria Vieira Silva Pereira O abate de árvores conduz à desflores- tação e facilita a erosão do solo. Os lixos contribuem para a degradação dos solos.
  19. 19. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CONSERVAÇÃO DO SOLO Ao ter-se consciência dos perigos da destruição do solo, começam a tomar-se medidas para o conservar. EVITAR A POLUIÇÃO DO SOLO A–Impedir a formação de lixeiras Actualmente, já existem fábri- cas de tratamento de lixos que os transformam em fertilizan – tes.
  20. 20. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CONSERVAÇÃO DO SOLO B-Evitar o uso excessivo de pesticidas A agricultura biológica pre- tende manter a fertilidade dos solos, por meios natu – rais.
  21. 21. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CONSERVAÇÃO DO SOLO EVITAR A EROSÃO DO SOLO A- Cultivar em socalcos Os socalcos são degraus feitos nas encostas e evitam que o so- lo seja facilmente arrastado pe– las águas.
  22. 22. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CONSERVAÇÃO DO SOLO B- Plantar árvores As raízes das plantas fi- xam as partículas do solo, evitando que sejam arras- tadas. C- Adequar as culturas ao tipo de solo Cada tipo de planta tem exigências próprias, devendo, por isso,ser cul- tivada num terreno adequado.
  23. 23. Rosa Maria Vieira Silva Pereira CONSERVAÇÃO DO SOLO A rotação de culturas consiste em alternar, no mesmo terreno, dife- rentes culturas numa sequência adequada. D-Adaptar as culturas ao tipo de solo
  24. 24. Rosa Maria Vieira Silva Pereira

×