SlideShare uma empresa Scribd logo
Sequência didática – 3º ano – 1º ciclo
Alto de Rodes- Maria Eugénia Jesus
Probabilidades



O estudo das probabilidades permite desenvolver um tipo de raciocínio
   diferente do determinista, do certo e errado.
Pensar em termos de incerteza, e avaliar situações de acaso e de risco fazem
   parte da vida real e daí a importância de incluir este tema no currículo de
   matemática logo nos primeiros anos.
O raciocínio que se desenvolve com o estudo da Estatística e Probabilidades
   permite que o aluno leia e interprete fenómenos reais sem a
   preocupação de dar respostas exatas.

É importante que, desde o 1º ciclo as crianças, desenvolvam a capacidade de
   interpretar o mundo que as rodeia de forma quantitativa.

In Programa de Formação Contínua em matemática para professores dos 1º
                                                     e 2º ciclos. ESEL.
    Desenvolver a noção de acontecimento aleatório e de probabilidade.
   Realizar experiências que levem à recolha de dados e à sua organização
    em tabelas para serem utilizados na interpretação de acontecimentos
    certos, possíveis e impossíveis.
   Utilizar adequadamente as expressões “muito provável”, “pouco
    provável, “mais provável que...”
   Identificar acontecimentos “certos” e ”impossíveis”
   Utilizar estratégias pessoais na contagem do número de resultados
    possíveis, em determinada situação problemática
   Construir tabelas ou diagramas para representar os resultados possíveis
   Comparar o número de resultados favoráveis ao acontecimento com o
    número de resultados possíveis no sentido de concluir sobre a sua
    probabilidade.
Organização e tratamento de dados
Representação e interpretação de dados e situações aleatórias
 Ler, explorar, interpretar e descrever tabelas e gráficos, e, responder e
  formular questões relacionadas com a informação apresentada.
 Formular questões, recolher e organizar dados qualitativos e
quantitativos (discretos) utilizando tabelas de frequências, e, tirar
  conclusões.
 Construir e interpretar gráficos de barras.
 Identificar a moda num conjunto de dados e usá-la quando
 oportuno para interpretar ou comparar informação.
 Explorar situações aleatórias que envolvam o conceito de acaso e utilizar
  o vocabulário próprio para as descrever (certo, possível, impossível,
  provável e improvável).
Alerta: Na tarefa P1 é provável, que a maioria das crianças mais pequenas
   imagine que os feijões, quando a caixa volta à posição inicial, também
   voltem à posição inicial.

   Coloca na caixa, do lado A, 8 feijões. Fecha a caixa com cuidado.
   Desenha, na tua ficha de registo (tarefas P1,P2,P3,P4), o que pensas que
    vai acontecer aos feijões se agitares a caixa, horizontalmente, quatro
    vezes. Coloca a caixa em cima da mesa, abre-a com cuidado e confirma se
    aconteceu o que previste. Desenha agora, como ficaram os feijões e
    explica, por palavras tuas, porque razão fizeste ou não
    uma boa previsão do resultado da tua experiência.
Tarefa P1. Os feijões dentro da caixa
Tarefa P2. Os feijões e o grão
Tarefa P3. Os feijões e os grãos
Tarefa P4. Mais feijões e grãos

As tarefas seguintes P2, P3 e P4 apresentam variantes da tarefa P1
   permitindo às crianças ajustarem as suas justificações e comprovarem as
   suas expectativas baseadas nos resultados das experiências e não em
   crenças.

O que de facto aconteceu?
- Os alunos fizeram as previsões e registaram o que aconteceu. Não
   tirámos conclusões ...
Probabilidades
A tarefa P8, do copo de plástico, permite também testar o que acontece ao
   copo quando cai, embora muitas crianças ainda pensem que o copo cai
   voltado para cima.
 Pega num copo de plástico e regista na tabela, com uma cruz × como
   pensas que ele vai cair no chão. Depois regista como caiu .
 Deixa cair o copo cem vezes no chão e
   regista em cada uma delas o que aconteceu.
  A análise dos registos
  vai permitir confrontar
  as suas expectativas com os resultados.
Previsão    A previsão confirmou-se?Justificação

Par 1   Inclinado   Sim, porque o copo é mais fácil cair inclinado que em pé
Par 2   Em pé       Não, foi o menor número
Par 3   Inclinado   Sim, o copo deitado caiu mais vezes
Par 4   Inclinado   Sim , achámos que ficava deitado
Par 5   Inclinado   Sim, é mais fácil ficar inclinado
Par 6   Inclinado   Sim, o resultado do copo inclinado foi 70
Par 7   Inclinado   Sim, o resultado foi 70
Par 8   Inclinado   Sim , verificámos que caiu mais vezes inclinado
Par 9   Inclinado   Sim, o que ficou com mais lançamentos foi o inclinado
Par 10 Inclinado    Sim , foi a maior quantidade
Par 11 Inclinado    Sim, o copo caiu assim o maior número de vezes
Par 12 Para baixo Não, não foi essa a maior vez que o copo caiu
Par 13 Inclinado    Sim, por causa da gravidade
   Após a discussão:

- é uma experiência com 3 acontecimentos em que e mais
   provável que o copo ao cair ( dadas as mesmas condições...)
   fique inclinado ( deitado)
Utilizar adequadamente as expressões “muito provável”,
   “pouco provável, “mais provável que...”
Identificar acontecimentos “certos”e ”impossíveis”
Utilizar estratégias pessoais na contagem do número de
   resultados possíveis, em determinada situação problemática
Construir tabelas ou diagramas para representar os resultados
   possíveis
Comparar o número de resultados favoráveis ao acontecimento
   com o número de resultados possíveis no sentido de concluir
   sobre a sua probabilidade.
Se fizeres rodar a roleta, em que cor pensas que vai parar o
  ponteiro?
Tarefa P9. A roleta com duas cores

   Os alunos ao registarem “ onde pensas que vai parar” não associaram a
    escolha ao facto das áreas das duas cores serem iguais à exceção de dois
    alunos referiram que tinham pensado que era possível sair 5 vezes azul e
    cinco vermelho porque os “espaços eram iguais”.
   Não saiu amarelo porque ... Não havia amarelo da roleta sendo por isso
    uma acontecimento impossível
    As duas cores saem o mesmo nº de vezes ? – provável
   O vermelho sai mais vezes que o azul? – provável
   É provável que o azul nunca saia ? Em poucas vezes é ...
Probabilidades
Tarefa P10. A roleta com três cores

-Os alunos ao registarem “ que cor pensas que vai sair” já tiveram em conta a
experiência anterior e colocaram como hipótese mais provável sair o azul ( da
área do azul é o “dobro das outras cores”).

-Não saiu verde porque ... Não havia verde na roleta sendo por isso uma
acontecimento impossível
 - Quais as cores que saíram pelo menos uma vez- todas
Então é provável saírem essas cores? É possível mas a mais provável
Azul.
                                           vermelho      3
                                          azul          7
                                          Amarelo       2
Probabilidades
Pensas que sair o 5 é um acontecimento impossível?
         Porquê? Sim é impossível porque a roleta não tem o
         nº 5
         Pensas que sair o 1 é um acontecimento certo? Não
         pois há mais 3 números
         Que números saíram? Posso afirmar que é provável
         sair qualquer um deles? Sim
         Qual foi o número que saiu mais vezes? Saiu o nº 2


1   5    Obs. Seria mais provável nesta experiência sair o nº
         1 pois tem uma área maior que os outros mas, o
2   14
         tipo de material da roleta pode ter tido influencia !
3   2
4   9
1 1
                                         2 4
                                         3 2
                                         4 5
                                         5 0
                                         6 0


Roleta arranjada e eis uma nova experiência já com facilidade na
utilização de termos relativos às probabilidades
-Todos os números têm a mesma probabilidade de sair- é falso;
- Sair o zero é impossível – é verdadeiro
- É impossível saírem números ímpares – é falso
-O 2 e o 4 têm a mesma probabilidade de sair- é verdadeiro
Probabilidades
 Tu e o teu colega atirem a moeda ao ar 20 vezes cada um e tomem nota
  de quantas vezes saiu a face do euro voltada para cima e quantas vezes
  saiu voltada para baixo.
 Utiliza uma moeda de 1 euro para jogares.
 Regista os dados na seguinte tabela:




   Se tivesses de jogar lançando uma moeda de euro ao ar, que face
    escolhias para jogar e ganhar? Porquê?
   A Maria gosta de rebuçados de morango mas não gosta de rebuçados de
    limão. Há dois sacos em cima da mesa, um tem 10 rebuçados de morango
    e 2 de limão, o outro tem 3 de morango e 9 de limão.

   Qual dos sacos deve a Maria escolher para, ao tirar um rebuçado goma
    ao acaso, ter mais hipóteses (maior probabilidade) de lhe sair uma
    rebuçado?


   Escreve como chegaste à resposta.
   O saco onde havia mais rebuçados de morango pois era mais provável
    nesse saco saírem de morango.
   Após a discussão:

   A escolha acertada é o saco que tem mais
    rebuçados de morango porque os dois sacos
    têm a mesma quantidade de rebuçados = 12
Probabilidades
 As tarefas P17 e P18 a realizar com dados de faces diferentes, permitem
  aos alunos ajuizar se os jogos propostos são justos, ou não, ou seja se
  permitem a qualquer jogador ganhar ou se as regras ou os dados
  beneficiam um dos jogadores.
 A construção de uma tabela ajuda a perceber que a soma de dois ímpares
  resulta num número par e que a soma de um número para com um
  número impar resulta num número ímpar.

   O professor deve permitir que os alunos confrontem ideais sobre a
    equidade do jogo e que joguem várias vezes a fim de testar as suas
    hipóteses.
Necessitas de utilizar um dos dados
A- Um dado normal de pintas
B- Um dado com 5 faces de 2 pintas e a outra face com 1 pinta
C- Um dado com duas faces respetivamente com 1, 2 e 3 pintas
D - Um dado com duas faces respetivamente de “2”, “4” e “6”

      Tarefa P17. Utilizando o dado B
      Jogo a pares. Neste jogo apenas se usa o dado B. Lançar o dado à vez,
       indicar o número de pintas que saiu na face voltada para cima. Cada
       aluno joga 5 vezes e soma os pontos obtidos. Um dos alunos ganha se
       conseguir fazer 10 pontos nas 5 jogadas.
      O outro aluno ganha se conseguir fazer 5 pontos.
      Achas que este jogo é justo? Justifica a tua resposta
   Não porque é mais provável sair 2 do que 1 ( JR)
   Não porque quase todos tiveram cinco ( M)
   Não porque ficaram todos empatados (H)
   Não é justo porque um jogador tinha que se esforçar mais do que o outro
    ( E)
   Não é justo porque não é igual ( BB)
   Não porque um tinha mais hipóteses (D)
   Não é justo porque nenhum conseguiu 5 ( BC)
   Não é justo porque de todos só ganhou um ( V)
   Sim , é justo porque 5 pontos ninguém conseguiu e 10 foi o JR (PF)
   Não. Porque devia ganhar o que mais fez e desempatar os segundos ( V)
    Não é justo , deveria se mais que cinco ( M)
   Não parece justo porque só há um ao ( T)
    Não é justo, deviam calhar todos os números ( G)
•Não acho justo porque é complicado ter 5 e10 ( F)
•Não porque só devia ganhar um ( L)
•Não porque é mais fácil fazer ao pontos do que cinco ( N)
•Eu acho que é justo porque é um bocadinho difícil fazer 10 pontos (RO)
•Eu acho que não é justo porque o 5 não é adequado
•Não acho justo imaginar que um tinha 9 e o outro 5 e ganha ro que tinha 5
( PJ)
   Tarefa P18. Utilizando diversos dados

  Jogam 4 alunos.
  Um dos quatro alunos será
o secretário e compete-lhe tomar nota dos
resultados de todas as jogadas.
 Neste jogo dois alunos usam o dado C
e os outros dois o dado D.
Lançar o dado à vez, indicar o número de pintas
da face voltada para cima.
Cada aluno joga 5 vezes e soma os pontos obtidos.


   Ganha quem obtiver um total par . Pensas que o jogo é justo? Porquê?
• sim os quatro grupos jogaram justo ( JR)
• Não é justo porque um dado tem o número seis e o outro não ( M)
• Sim, todos ganharam ( H)
• Não. Porque deviam ter jogado todos com o mesmo dado ( E)
•Sim, porque o jogo foi sincero ( BB)
• Era se os dois tivessem os mesmos dados ( D)
• Sim, cada par teve um vencedor ( BC)
•Não foi justo porque 2 jogadores jogaram com o dado C e os outros
dois com o dado D
•Sim eu acho que o jogo do dado é justo ( PF)
•Acho muito justo porque toda a gente ganhou menos a V . Ela de
certeza que ganha para a próxima ( N)
•Não é justo . Deveriam todos ter jogado com o mesmo dado ( M)
• Há empates ( T)
•Acho que não, deviam todos jogar com os mesmos dados. ( F)
•Não é justo porque deve ganhar quem tem mais pontos ( L)
 Acho que não porque o jogador pode ter muitos pontos
mas pode não ser ímpar ( N)
 Só achava justo se todos tivessem jogado com os dados
com as mesmas pintas ( RO)
 Não porque devia ser o mesmo dado ou o C ou o D ( J)
 Não. Porque deviam lançar com um dado igual

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da Notícia
sextoD
 
Família de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalFamília de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexical
gifamiliar
 
O beijo da palavrinha atividades de interpretação
O beijo da palavrinha   atividades de interpretaçãoO beijo da palavrinha   atividades de interpretação
O beijo da palavrinha atividades de interpretação
Constantino Alves
 
Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...
Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...
Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...
Jose Gomes
 
Fichas 28 palavras
Fichas 28 palavrasFichas 28 palavras
Fichas 28 palavras
Celina Sousa
 
Aula 5 Conto Caldo de pedra + atividade
Aula 5 Conto Caldo de pedra + atividadeAula 5 Conto Caldo de pedra + atividade
Aula 5 Conto Caldo de pedra + atividade
Sheyla Tasso
 
O diálogo
O diálogoO diálogo
O diálogo
AnaCalvario1972
 
Ficha de trabalho - grau dos adjetivos
Ficha de trabalho - grau dos adjetivosFicha de trabalho - grau dos adjetivos
Ficha de trabalho - grau dos adjetivos
Central Didática
 
Texto informativo 1
Texto informativo 1Texto informativo 1
Texto informativo 1
Ana Arminda Moreira
 
Notas e moedas do euro
Notas e moedas do euroNotas e moedas do euro
Notas e moedas do euro
Ines Martins
 
Onomatopeias- Autor José Carvalho
Onomatopeias- Autor José CarvalhoOnomatopeias- Autor José Carvalho
Onomatopeias- Autor José Carvalho
Ana Carlão
 
Registo avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novaRegisto avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano nova
mariacarmcorreia
 
Conteúdos 3ºano
Conteúdos 3ºanoConteúdos 3ºano
Conteúdos 3ºano
Vanda Rodrigues
 
Regras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionárioRegras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionário
Filipa Guerreiro
 
bichos-bicharocos
bichos-bicharocosbichos-bicharocos
bichos-bicharocos
Sousa Martins
 
O senhor do seu nariz
O senhor do seu narizO senhor do seu nariz
O senhor do seu nariz
12_A
 
Gramatica - Fichas
Gramatica - FichasGramatica - Fichas
Gramatica - Fichas
guest899e50
 
4ano carochinha port_mini gramática
4ano carochinha port_mini  gramática4ano carochinha port_mini  gramática
4ano carochinha port_mini gramática
Tida Mota
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Célia Gonçalves
 
Ficha dos determinantes possessivos e demonstrativos
Ficha dos determinantes possessivos e demonstrativosFicha dos determinantes possessivos e demonstrativos
Ficha dos determinantes possessivos e demonstrativos
Inês Robalo
 

Mais procurados (20)

Estrutura da Notícia
Estrutura da NotíciaEstrutura da Notícia
Estrutura da Notícia
 
Família de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexicalFamília de palavras e Campo lexical
Família de palavras e Campo lexical
 
O beijo da palavrinha atividades de interpretação
O beijo da palavrinha   atividades de interpretaçãoO beijo da palavrinha   atividades de interpretação
O beijo da palavrinha atividades de interpretação
 
Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...
Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...
Caderno de consolidação de leitura e escrita 1º ano casos de leitura / padrõe...
 
Fichas 28 palavras
Fichas 28 palavrasFichas 28 palavras
Fichas 28 palavras
 
Aula 5 Conto Caldo de pedra + atividade
Aula 5 Conto Caldo de pedra + atividadeAula 5 Conto Caldo de pedra + atividade
Aula 5 Conto Caldo de pedra + atividade
 
O diálogo
O diálogoO diálogo
O diálogo
 
Ficha de trabalho - grau dos adjetivos
Ficha de trabalho - grau dos adjetivosFicha de trabalho - grau dos adjetivos
Ficha de trabalho - grau dos adjetivos
 
Texto informativo 1
Texto informativo 1Texto informativo 1
Texto informativo 1
 
Notas e moedas do euro
Notas e moedas do euroNotas e moedas do euro
Notas e moedas do euro
 
Onomatopeias- Autor José Carvalho
Onomatopeias- Autor José CarvalhoOnomatopeias- Autor José Carvalho
Onomatopeias- Autor José Carvalho
 
Registo avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novaRegisto avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano nova
 
Conteúdos 3ºano
Conteúdos 3ºanoConteúdos 3ºano
Conteúdos 3ºano
 
Regras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionárioRegras do uso do dicionário
Regras do uso do dicionário
 
bichos-bicharocos
bichos-bicharocosbichos-bicharocos
bichos-bicharocos
 
O senhor do seu nariz
O senhor do seu narizO senhor do seu nariz
O senhor do seu nariz
 
Gramatica - Fichas
Gramatica - FichasGramatica - Fichas
Gramatica - Fichas
 
4ano carochinha port_mini gramática
4ano carochinha port_mini  gramática4ano carochinha port_mini  gramática
4ano carochinha port_mini gramática
 
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivosFicha dos determinantes e pronomes possessivos
Ficha dos determinantes e pronomes possessivos
 
Ficha dos determinantes possessivos e demonstrativos
Ficha dos determinantes possessivos e demonstrativosFicha dos determinantes possessivos e demonstrativos
Ficha dos determinantes possessivos e demonstrativos
 

Destaque

Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
lidiahenriques3
 
Introdução à teoria das probabilidades
Introdução à teoria das probabilidadesIntrodução à teoria das probabilidades
Introdução à teoria das probabilidades
aldaalves
 
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. CarvalhoProbabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Lucia Regina M de Carvalho
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
lidiahenriques3
 
Estatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - ProbabilidadeEstatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - Probabilidade
André Faria Gomes
 
probabilidades
probabilidadesprobabilidades
probabilidades
Lorredana Pereira
 
Probabilidade história
Probabilidade históriaProbabilidade história
Probabilidade história
marinaforcato
 
História das Probabilidades e Eleições
História das Probabilidades e EleiçõesHistória das Probabilidades e Eleições
História das Probabilidades e Eleições
Margareth Domingues
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
Sanclé Porchéra
 
Noções de probabilidade
Noções de probabilidadeNoções de probabilidade
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
Pedro Martins
 
Matemática e Possibilidades
Matemática e PossibilidadesMatemática e Possibilidades
Matemática e Possibilidades
Escola Estadual Elvira Santos de Oliveira
 
Teoria de probabilidades
Teoria de probabilidadesTeoria de probabilidades
Teoria de probabilidades
CarlosPimentelGeocientista
 
Probabilidades
Probabilidades   Probabilidades
Probabilidades
Tiago Faisca
 
1264817179 probabilidades
1264817179 probabilidades1264817179 probabilidades
1264817179 probabilidades
Pelo Siro
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
Pedro Bento
 
Probabilidade - Definição
Probabilidade - DefiniçãoProbabilidade - Definição
Probabilidade - Definição
Vania Leitao
 
Probabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidadeProbabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidade
Lucia Regina M de Carvalho
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Biblioteca Escolar Ourique
 

Destaque (19)

Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 
Introdução à teoria das probabilidades
Introdução à teoria das probabilidadesIntrodução à teoria das probabilidades
Introdução à teoria das probabilidades
 
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. CarvalhoProbabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
Probabilidade Profa. Lucia M. Carvalho
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 
Estatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - ProbabilidadeEstatística Básica - Probabilidade
Estatística Básica - Probabilidade
 
probabilidades
probabilidadesprobabilidades
probabilidades
 
Probabilidade história
Probabilidade históriaProbabilidade história
Probabilidade história
 
História das Probabilidades e Eleições
História das Probabilidades e EleiçõesHistória das Probabilidades e Eleições
História das Probabilidades e Eleições
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 
Noções de probabilidade
Noções de probabilidadeNoções de probabilidade
Noções de probabilidade
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 
Matemática e Possibilidades
Matemática e PossibilidadesMatemática e Possibilidades
Matemática e Possibilidades
 
Teoria de probabilidades
Teoria de probabilidadesTeoria de probabilidades
Teoria de probabilidades
 
Probabilidades
Probabilidades   Probabilidades
Probabilidades
 
1264817179 probabilidades
1264817179 probabilidades1264817179 probabilidades
1264817179 probabilidades
 
Probabilidades
ProbabilidadesProbabilidades
Probabilidades
 
Probabilidade - Definição
Probabilidade - DefiniçãoProbabilidade - Definição
Probabilidade - Definição
 
Probabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidadeProbabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidade
 
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escritoComo redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
Como redigir a introdução e a conclusão de um trabalho escrito
 

Semelhante a Probabilidades

PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...
PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...
PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...
Felipe Silva
 
fichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docx
fichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docxfichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docx
fichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docx
MariaCarmen49
 
3º slide cad.07 - copia
3º slide cad.07    - copia3º slide cad.07    - copia
3º slide cad.07 - copia
ARACY2014
 
Lei de Laplace
Lei de LaplaceLei de Laplace
Lei de Laplace
matematica3g
 
1 ano a-grande-aventura-fichas-de-trabalho
1 ano  a-grande-aventura-fichas-de-trabalho1 ano  a-grande-aventura-fichas-de-trabalho
1 ano a-grande-aventura-fichas-de-trabalho
CarlaSilva639671
 
Ft global probabilidades
Ft global probabilidadesFt global probabilidades
Ft global probabilidades
immra
 
Slide
SlideSlide
PNAIC Estatistica2
PNAIC Estatistica2PNAIC Estatistica2
PNAIC Estatistica2
Naysa Taboada
 
Campo multiplicativo. Jogos e atividades
Campo multiplicativo. Jogos e atividadesCampo multiplicativo. Jogos e atividades
Campo multiplicativo. Jogos e atividades
Aline Manzini
 
Formação matemática junho
Formação matemática junhoFormação matemática junho
Formação matemática junho
Dyone Andrade
 
1º SEMANA - 9º ano.pptx
1º SEMANA - 9º ano.pptx1º SEMANA - 9º ano.pptx
1º SEMANA - 9º ano.pptx
DANIELADELFINO9
 
Apostila matemática básica II
Apostila matemática básica IIApostila matemática básica II
Apostila matemática básica II
Benedito Hermano Neto
 
correcao_probabilidade.pdf
correcao_probabilidade.pdfcorrecao_probabilidade.pdf
correcao_probabilidade.pdf
Joana Faria
 
Probabilidades 9c2ba-ano-alterado
Probabilidades 9c2ba-ano-alteradoProbabilidades 9c2ba-ano-alterado
Probabilidades 9c2ba-ano-alterado
7f14_15
 
Estatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptx
Estatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptxEstatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptx
Estatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptx
JUNIOR508584
 
Probabilidade-2018.pptx
Probabilidade-2018.pptxProbabilidade-2018.pptx
Probabilidade-2018.pptx
ROBSONANDRADEDELIMA
 
Como calcular probabilidades
Como calcular probabilidadesComo calcular probabilidades
Como calcular probabilidades
partediversificada
 
Fichanc2ba3
Fichanc2ba3Fichanc2ba3
Fichanc2ba3
Rccl Carlos
 
probabilidade.ppt
probabilidade.pptprobabilidade.ppt
probabilidade.ppt
CELSOHENRIQUEALMEIDA
 
152185.pptx
152185.pptx152185.pptx

Semelhante a Probabilidades (20)

PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...
PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...
PNAIC - 2014 - Caderno 7 - EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA - PARTE 5 - PROBABILIDADE NOS...
 
fichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docx
fichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docxfichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docx
fichas_trabalho_conteudos_ae_mat.docx
 
3º slide cad.07 - copia
3º slide cad.07    - copia3º slide cad.07    - copia
3º slide cad.07 - copia
 
Lei de Laplace
Lei de LaplaceLei de Laplace
Lei de Laplace
 
1 ano a-grande-aventura-fichas-de-trabalho
1 ano  a-grande-aventura-fichas-de-trabalho1 ano  a-grande-aventura-fichas-de-trabalho
1 ano a-grande-aventura-fichas-de-trabalho
 
Ft global probabilidades
Ft global probabilidadesFt global probabilidades
Ft global probabilidades
 
Slide
SlideSlide
Slide
 
PNAIC Estatistica2
PNAIC Estatistica2PNAIC Estatistica2
PNAIC Estatistica2
 
Campo multiplicativo. Jogos e atividades
Campo multiplicativo. Jogos e atividadesCampo multiplicativo. Jogos e atividades
Campo multiplicativo. Jogos e atividades
 
Formação matemática junho
Formação matemática junhoFormação matemática junho
Formação matemática junho
 
1º SEMANA - 9º ano.pptx
1º SEMANA - 9º ano.pptx1º SEMANA - 9º ano.pptx
1º SEMANA - 9º ano.pptx
 
Apostila matemática básica II
Apostila matemática básica IIApostila matemática básica II
Apostila matemática básica II
 
correcao_probabilidade.pdf
correcao_probabilidade.pdfcorrecao_probabilidade.pdf
correcao_probabilidade.pdf
 
Probabilidades 9c2ba-ano-alterado
Probabilidades 9c2ba-ano-alteradoProbabilidades 9c2ba-ano-alterado
Probabilidades 9c2ba-ano-alterado
 
Estatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptx
Estatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptxEstatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptx
Estatística e Probabilidades. Noção de probabilidade de um acontecimento.pptx
 
Probabilidade-2018.pptx
Probabilidade-2018.pptxProbabilidade-2018.pptx
Probabilidade-2018.pptx
 
Como calcular probabilidades
Como calcular probabilidadesComo calcular probabilidades
Como calcular probabilidades
 
Fichanc2ba3
Fichanc2ba3Fichanc2ba3
Fichanc2ba3
 
probabilidade.ppt
probabilidade.pptprobabilidade.ppt
probabilidade.ppt
 
152185.pptx
152185.pptx152185.pptx
152185.pptx
 

Mais de genarui

A partir de uma proposta de um livro
A partir de uma proposta de um livroA partir de uma proposta de um livro
A partir de uma proposta de um livro
genarui
 
Atividades na escola afonso iii
Atividades na escola afonso iiiAtividades na escola afonso iii
Atividades na escola afonso iii
genarui
 
Javi
JaviJavi
Javi
genarui
 
Como se faz o mel
Como se faz o melComo se faz o mel
Como se faz o mel
genarui
 
Turismo
TurismoTurismo
Turismo
genarui
 
Salinas
SalinasSalinas
Salinas
genarui
 
Hubel dia 4.06.2012
Hubel dia 4.06.2012Hubel dia 4.06.2012
Hubel dia 4.06.2012
genarui
 
Dia da criança
Dia da criançaDia da criança
Dia da criança
genarui
 
A caracolinha carolina
A  caracolinha  carolinaA  caracolinha  carolina
A caracolinha carolina
genarui
 
Messi
MessiMessi
Messi
genarui
 
Cartaz4 docente emergencia
Cartaz4 docente emergenciaCartaz4 docente emergencia
Cartaz4 docente emergencia
genarui
 
João pedro pais
João pedro paisJoão pedro pais
João pedro pais
genarui
 
A evolução do homem
A   evolução do   homemA   evolução do   homem
A evolução do homem
genarui
 
Quinta pedagógica de portimão
Quinta pedagógica de portimãoQuinta pedagógica de portimão
Quinta pedagógica de portimão
genarui
 
A evolução do homem
A   evolução do   homemA   evolução do   homem
A evolução do homem
genarui
 
A evolução do homem
A   evolução do   homemA   evolução do   homem
A evolução do homem
genarui
 
Pão caseiro
Pão caseiroPão caseiro
Pão caseiro
genarui
 
Erupções vulcânicas 1
Erupções vulcânicas 1Erupções vulcânicas 1
Erupções vulcânicas 1
genarui
 
Gravida no coracao
Gravida no coracaoGravida no coracao
Gravida no coracao
genarui
 
Mamã maravilha
Mamã maravilhaMamã maravilha
Mamã maravilha
genarui
 

Mais de genarui (20)

A partir de uma proposta de um livro
A partir de uma proposta de um livroA partir de uma proposta de um livro
A partir de uma proposta de um livro
 
Atividades na escola afonso iii
Atividades na escola afonso iiiAtividades na escola afonso iii
Atividades na escola afonso iii
 
Javi
JaviJavi
Javi
 
Como se faz o mel
Como se faz o melComo se faz o mel
Como se faz o mel
 
Turismo
TurismoTurismo
Turismo
 
Salinas
SalinasSalinas
Salinas
 
Hubel dia 4.06.2012
Hubel dia 4.06.2012Hubel dia 4.06.2012
Hubel dia 4.06.2012
 
Dia da criança
Dia da criançaDia da criança
Dia da criança
 
A caracolinha carolina
A  caracolinha  carolinaA  caracolinha  carolina
A caracolinha carolina
 
Messi
MessiMessi
Messi
 
Cartaz4 docente emergencia
Cartaz4 docente emergenciaCartaz4 docente emergencia
Cartaz4 docente emergencia
 
João pedro pais
João pedro paisJoão pedro pais
João pedro pais
 
A evolução do homem
A   evolução do   homemA   evolução do   homem
A evolução do homem
 
Quinta pedagógica de portimão
Quinta pedagógica de portimãoQuinta pedagógica de portimão
Quinta pedagógica de portimão
 
A evolução do homem
A   evolução do   homemA   evolução do   homem
A evolução do homem
 
A evolução do homem
A   evolução do   homemA   evolução do   homem
A evolução do homem
 
Pão caseiro
Pão caseiroPão caseiro
Pão caseiro
 
Erupções vulcânicas 1
Erupções vulcânicas 1Erupções vulcânicas 1
Erupções vulcânicas 1
 
Gravida no coracao
Gravida no coracaoGravida no coracao
Gravida no coracao
 
Mamã maravilha
Mamã maravilhaMamã maravilha
Mamã maravilha
 

Probabilidades

  • 1. Sequência didática – 3º ano – 1º ciclo Alto de Rodes- Maria Eugénia Jesus
  • 2. Probabilidades O estudo das probabilidades permite desenvolver um tipo de raciocínio diferente do determinista, do certo e errado. Pensar em termos de incerteza, e avaliar situações de acaso e de risco fazem parte da vida real e daí a importância de incluir este tema no currículo de matemática logo nos primeiros anos. O raciocínio que se desenvolve com o estudo da Estatística e Probabilidades permite que o aluno leia e interprete fenómenos reais sem a preocupação de dar respostas exatas. É importante que, desde o 1º ciclo as crianças, desenvolvam a capacidade de interpretar o mundo que as rodeia de forma quantitativa. In Programa de Formação Contínua em matemática para professores dos 1º e 2º ciclos. ESEL.
  • 3. Desenvolver a noção de acontecimento aleatório e de probabilidade.  Realizar experiências que levem à recolha de dados e à sua organização em tabelas para serem utilizados na interpretação de acontecimentos certos, possíveis e impossíveis.  Utilizar adequadamente as expressões “muito provável”, “pouco provável, “mais provável que...”  Identificar acontecimentos “certos” e ”impossíveis”  Utilizar estratégias pessoais na contagem do número de resultados possíveis, em determinada situação problemática  Construir tabelas ou diagramas para representar os resultados possíveis  Comparar o número de resultados favoráveis ao acontecimento com o número de resultados possíveis no sentido de concluir sobre a sua probabilidade.
  • 4. Organização e tratamento de dados Representação e interpretação de dados e situações aleatórias  Ler, explorar, interpretar e descrever tabelas e gráficos, e, responder e formular questões relacionadas com a informação apresentada.  Formular questões, recolher e organizar dados qualitativos e quantitativos (discretos) utilizando tabelas de frequências, e, tirar conclusões.  Construir e interpretar gráficos de barras.  Identificar a moda num conjunto de dados e usá-la quando  oportuno para interpretar ou comparar informação.  Explorar situações aleatórias que envolvam o conceito de acaso e utilizar o vocabulário próprio para as descrever (certo, possível, impossível, provável e improvável).
  • 5. Alerta: Na tarefa P1 é provável, que a maioria das crianças mais pequenas imagine que os feijões, quando a caixa volta à posição inicial, também voltem à posição inicial.  Coloca na caixa, do lado A, 8 feijões. Fecha a caixa com cuidado.  Desenha, na tua ficha de registo (tarefas P1,P2,P3,P4), o que pensas que vai acontecer aos feijões se agitares a caixa, horizontalmente, quatro vezes. Coloca a caixa em cima da mesa, abre-a com cuidado e confirma se aconteceu o que previste. Desenha agora, como ficaram os feijões e explica, por palavras tuas, porque razão fizeste ou não uma boa previsão do resultado da tua experiência.
  • 6. Tarefa P1. Os feijões dentro da caixa Tarefa P2. Os feijões e o grão Tarefa P3. Os feijões e os grãos Tarefa P4. Mais feijões e grãos As tarefas seguintes P2, P3 e P4 apresentam variantes da tarefa P1 permitindo às crianças ajustarem as suas justificações e comprovarem as suas expectativas baseadas nos resultados das experiências e não em crenças. O que de facto aconteceu? - Os alunos fizeram as previsões e registaram o que aconteceu. Não tirámos conclusões ...
  • 8. A tarefa P8, do copo de plástico, permite também testar o que acontece ao copo quando cai, embora muitas crianças ainda pensem que o copo cai voltado para cima.  Pega num copo de plástico e regista na tabela, com uma cruz × como pensas que ele vai cair no chão. Depois regista como caiu .  Deixa cair o copo cem vezes no chão e regista em cada uma delas o que aconteceu. A análise dos registos vai permitir confrontar as suas expectativas com os resultados.
  • 9. Previsão A previsão confirmou-se?Justificação Par 1 Inclinado Sim, porque o copo é mais fácil cair inclinado que em pé Par 2 Em pé Não, foi o menor número Par 3 Inclinado Sim, o copo deitado caiu mais vezes Par 4 Inclinado Sim , achámos que ficava deitado Par 5 Inclinado Sim, é mais fácil ficar inclinado Par 6 Inclinado Sim, o resultado do copo inclinado foi 70 Par 7 Inclinado Sim, o resultado foi 70 Par 8 Inclinado Sim , verificámos que caiu mais vezes inclinado Par 9 Inclinado Sim, o que ficou com mais lançamentos foi o inclinado Par 10 Inclinado Sim , foi a maior quantidade Par 11 Inclinado Sim, o copo caiu assim o maior número de vezes Par 12 Para baixo Não, não foi essa a maior vez que o copo caiu Par 13 Inclinado Sim, por causa da gravidade
  • 10. Após a discussão: - é uma experiência com 3 acontecimentos em que e mais provável que o copo ao cair ( dadas as mesmas condições...) fique inclinado ( deitado)
  • 11. Utilizar adequadamente as expressões “muito provável”, “pouco provável, “mais provável que...” Identificar acontecimentos “certos”e ”impossíveis” Utilizar estratégias pessoais na contagem do número de resultados possíveis, em determinada situação problemática Construir tabelas ou diagramas para representar os resultados possíveis Comparar o número de resultados favoráveis ao acontecimento com o número de resultados possíveis no sentido de concluir sobre a sua probabilidade.
  • 12. Se fizeres rodar a roleta, em que cor pensas que vai parar o ponteiro? Tarefa P9. A roleta com duas cores  Os alunos ao registarem “ onde pensas que vai parar” não associaram a escolha ao facto das áreas das duas cores serem iguais à exceção de dois alunos referiram que tinham pensado que era possível sair 5 vezes azul e cinco vermelho porque os “espaços eram iguais”.  Não saiu amarelo porque ... Não havia amarelo da roleta sendo por isso uma acontecimento impossível  As duas cores saem o mesmo nº de vezes ? – provável  O vermelho sai mais vezes que o azul? – provável  É provável que o azul nunca saia ? Em poucas vezes é ...
  • 14. Tarefa P10. A roleta com três cores -Os alunos ao registarem “ que cor pensas que vai sair” já tiveram em conta a experiência anterior e colocaram como hipótese mais provável sair o azul ( da área do azul é o “dobro das outras cores”). -Não saiu verde porque ... Não havia verde na roleta sendo por isso uma acontecimento impossível - Quais as cores que saíram pelo menos uma vez- todas Então é provável saírem essas cores? É possível mas a mais provável Azul. vermelho 3 azul 7 Amarelo 2
  • 16. Pensas que sair o 5 é um acontecimento impossível? Porquê? Sim é impossível porque a roleta não tem o nº 5 Pensas que sair o 1 é um acontecimento certo? Não pois há mais 3 números Que números saíram? Posso afirmar que é provável sair qualquer um deles? Sim Qual foi o número que saiu mais vezes? Saiu o nº 2 1 5 Obs. Seria mais provável nesta experiência sair o nº 1 pois tem uma área maior que os outros mas, o 2 14 tipo de material da roleta pode ter tido influencia ! 3 2 4 9
  • 17. 1 1 2 4 3 2 4 5 5 0 6 0 Roleta arranjada e eis uma nova experiência já com facilidade na utilização de termos relativos às probabilidades -Todos os números têm a mesma probabilidade de sair- é falso; - Sair o zero é impossível – é verdadeiro - É impossível saírem números ímpares – é falso -O 2 e o 4 têm a mesma probabilidade de sair- é verdadeiro
  • 19.  Tu e o teu colega atirem a moeda ao ar 20 vezes cada um e tomem nota de quantas vezes saiu a face do euro voltada para cima e quantas vezes saiu voltada para baixo.  Utiliza uma moeda de 1 euro para jogares.  Regista os dados na seguinte tabela:  Se tivesses de jogar lançando uma moeda de euro ao ar, que face escolhias para jogar e ganhar? Porquê?
  • 20. A Maria gosta de rebuçados de morango mas não gosta de rebuçados de limão. Há dois sacos em cima da mesa, um tem 10 rebuçados de morango e 2 de limão, o outro tem 3 de morango e 9 de limão.  Qual dos sacos deve a Maria escolher para, ao tirar um rebuçado goma ao acaso, ter mais hipóteses (maior probabilidade) de lhe sair uma rebuçado?  Escreve como chegaste à resposta.  O saco onde havia mais rebuçados de morango pois era mais provável nesse saco saírem de morango.
  • 21. Após a discussão:  A escolha acertada é o saco que tem mais rebuçados de morango porque os dois sacos têm a mesma quantidade de rebuçados = 12
  • 23.  As tarefas P17 e P18 a realizar com dados de faces diferentes, permitem aos alunos ajuizar se os jogos propostos são justos, ou não, ou seja se permitem a qualquer jogador ganhar ou se as regras ou os dados beneficiam um dos jogadores.  A construção de uma tabela ajuda a perceber que a soma de dois ímpares resulta num número par e que a soma de um número para com um número impar resulta num número ímpar.  O professor deve permitir que os alunos confrontem ideais sobre a equidade do jogo e que joguem várias vezes a fim de testar as suas hipóteses.
  • 24. Necessitas de utilizar um dos dados A- Um dado normal de pintas B- Um dado com 5 faces de 2 pintas e a outra face com 1 pinta C- Um dado com duas faces respetivamente com 1, 2 e 3 pintas D - Um dado com duas faces respetivamente de “2”, “4” e “6”  Tarefa P17. Utilizando o dado B  Jogo a pares. Neste jogo apenas se usa o dado B. Lançar o dado à vez, indicar o número de pintas que saiu na face voltada para cima. Cada aluno joga 5 vezes e soma os pontos obtidos. Um dos alunos ganha se conseguir fazer 10 pontos nas 5 jogadas.  O outro aluno ganha se conseguir fazer 5 pontos.  Achas que este jogo é justo? Justifica a tua resposta
  • 25. Não porque é mais provável sair 2 do que 1 ( JR)  Não porque quase todos tiveram cinco ( M)  Não porque ficaram todos empatados (H)  Não é justo porque um jogador tinha que se esforçar mais do que o outro ( E)  Não é justo porque não é igual ( BB)  Não porque um tinha mais hipóteses (D)  Não é justo porque nenhum conseguiu 5 ( BC)  Não é justo porque de todos só ganhou um ( V)  Sim , é justo porque 5 pontos ninguém conseguiu e 10 foi o JR (PF)  Não. Porque devia ganhar o que mais fez e desempatar os segundos ( V)  Não é justo , deveria se mais que cinco ( M)  Não parece justo porque só há um ao ( T)  Não é justo, deviam calhar todos os números ( G)
  • 26. •Não acho justo porque é complicado ter 5 e10 ( F) •Não porque só devia ganhar um ( L) •Não porque é mais fácil fazer ao pontos do que cinco ( N) •Eu acho que é justo porque é um bocadinho difícil fazer 10 pontos (RO) •Eu acho que não é justo porque o 5 não é adequado •Não acho justo imaginar que um tinha 9 e o outro 5 e ganha ro que tinha 5 ( PJ)
  • 27. Tarefa P18. Utilizando diversos dados  Jogam 4 alunos.  Um dos quatro alunos será o secretário e compete-lhe tomar nota dos resultados de todas as jogadas.  Neste jogo dois alunos usam o dado C e os outros dois o dado D. Lançar o dado à vez, indicar o número de pintas da face voltada para cima. Cada aluno joga 5 vezes e soma os pontos obtidos.  Ganha quem obtiver um total par . Pensas que o jogo é justo? Porquê?
  • 28. • sim os quatro grupos jogaram justo ( JR) • Não é justo porque um dado tem o número seis e o outro não ( M) • Sim, todos ganharam ( H) • Não. Porque deviam ter jogado todos com o mesmo dado ( E) •Sim, porque o jogo foi sincero ( BB) • Era se os dois tivessem os mesmos dados ( D) • Sim, cada par teve um vencedor ( BC) •Não foi justo porque 2 jogadores jogaram com o dado C e os outros dois com o dado D •Sim eu acho que o jogo do dado é justo ( PF) •Acho muito justo porque toda a gente ganhou menos a V . Ela de certeza que ganha para a próxima ( N) •Não é justo . Deveriam todos ter jogado com o mesmo dado ( M) • Há empates ( T) •Acho que não, deviam todos jogar com os mesmos dados. ( F) •Não é justo porque deve ganhar quem tem mais pontos ( L)
  • 29.  Acho que não porque o jogador pode ter muitos pontos mas pode não ser ímpar ( N)  Só achava justo se todos tivessem jogado com os dados com as mesmas pintas ( RO)  Não porque devia ser o mesmo dado ou o C ou o D ( J)  Não. Porque deviam lançar com um dado igual