Existe vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo

9.213 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Caros,

    Sobre a questão de Marte ser inferiror à terra: não tenho o original para comparar, no entanto, na edição da IDE e de Herculano Pires, o que se lê é: marte seria ainda inferior.....Entendo que Marte seria ainda um planeta inferior, mas não inferior à terra....Isso parece ficar claro no livro Cartas de uma Morta (Chico Xavier) onde sua mãe exalta a evolução dos seres daquele planeta!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.213
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Existe vida em outros Planetas? O que diz o Espiritismo

  1. 1. Existe vida em outros planetas? O que diz o Espiritismo Daniel Moser* Prof. Alex Carciofi GEENL *daniel.moser@ymail.com
  2. 2. Existência de Vida em outros Planetas O que diz o EspiritismoTópicos:•Questão filosófica e teológica;•Sobre a Vida inteligente (ou humana);– Argumentos Espíritas para Vida em outros planetas.• O que o Espiritismo diz sobre o conceito de Vida;– Limitações da hipótese materialista.+ Análise de uma descrição mediúnica de Vida extra-terresta(*na possibilidade de tempo).
  3. 3. Premissas, ou inspiração: “Deus criou a Terra, estendendo seus atributos evontade aos inumeráveis constituintes deste mundo, criandoos diferentes seres. Criando também outros planetas eestrelas, e não havendo razão para que a Terra sejaprivilegiada a qualquer um destes astros, Deus deve agirigualmente neles. “Agindo nos inumeráveis constituintes de cada mundo,não há razão para deixar de agir em inumeráveis mundos.Assim, se tomarmos a parte pelo todo, podemos atestar quea criação de Deus é ilimitada; que existem inumeráveismundos, assim como inumeráveis seres.”
  4. 4. “Uma nova concepção do universo devenecessariamente corresponder a uma novaconcepção do ser”. Ver Giordano Bruno - Acerca do Infinito, do Universo e dos Mundos (1584) A Ciência, ao longo de sua história, mostrou que aTerra e o homem não possuem nada de especial nacriação: nem em sua localização, organização oucomposição. O último desafio a romper na idéia da criação é acrença que este universo material não é senão umamanifestação particular e restrita da Vida na grandecriação universal.
  5. 5. Acerca da Vida inteligente (ou humana)Crenças Espíritas: Sobre o Universo• O Universo é constituído de 3 elementosindependentes: matéria, espírito, e acima deles, Deus(“causa primária”). [Q.27-LE]• Não existem milagres na natureza (universo regido porleis eternas e imutáveis). [Q.615-LE] Sobre o homem• A alma é um Espírito encarnado, sendo o corpo apenaso seu envoltório.• A alma possuía sua individualidade antes de encarnar;conserva-a depois de se haver separado do corpo.
  6. 6. Qual a finalidade da vida?Ver palestra “Evidências Científica de Reencanação”• Os Espíritos não ocupam perpetuamente a mesma categoria. Todos se melhoram passando pelos diferentes graus da hierarquia espírita. Esta melhora se efetua por meio da encarnação, que é imposta a uns como expiação, a outros como missão. A vida material é uma prova que lhes cumpre sofrer repetidamente, até que hajam atingido a absoluta perfeição moral.• Deixando o corpo, a alma volve ao mundo dos Espíritos, donde saíra, para passar por nova existência material, após um lapso de tempo mais ou menos longo, durante o qual permanece em estado de Espírito errante (Introdução-LE).
  7. 7. Resumo das informações contidas no Livro dos Espíritos (Q55-58; 181-187)• Todos* os globos que se movem no espaço são habitados.• A constituição física é particular a cada globo.• Os seres que habitam os diferentes mundos possuemcorpos mais ou menos materiais.• Este envoltório do Espírito é mais ou menos material,conforme o grau de pureza a que chegaram os Espíritos.• Há mundos em que o envoltório é tão etéreo que é paranós como se não existisse.OBS.: A primeira afirmação é válida se observada a última. Segundo a crença Espírita, não é toda a matéria que é por nós observada, mas uma fração relativamente densa.
  8. 8. Uma passagem Bíblica“Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar”. (João 14:2)O Evangelho Segundo o Espiritismo em seu capítulo III analisa a passagem de São João. Diz Kardec:“A casa do Pai é o Universo. As diferentes moradas são os mundos que circulam no espaço infinito e oferecem, aos Espíritos que neles encarnam, moradas correspondentes ao adiantamento dos mesmos Espíritos [união de Espíritos por afinidade].“Independente da diversidade dos mundos, essas palavras de Jesus também podem referir-se ao estado venturoso ou desgraçado do Espírito na erraticidade. Conforme se ache este mais ou menos depurado e desprendido dos laços materiais, variarão ao infinito o meio em que ele se encontre, o aspecto das coisas, as sensações que experimente, as percepções que tenha”. [céu e inferno como termos relativos]
  9. 9. A Existência de Vida em outros planetas segundo o EspiritismoEm síntese, pontos para crença em vida inteligente em outros planetas:– Análise filosófica (“criação universal”);– Informação direta dos Espíritos;– Interpretação bíblica (“muitas moradas”). Porém, esta crença não deve ser cega! O Espiritismo nos impõem uma análise racional e baseada na Ciência para as condições de vida material nos outros mundos.
  10. 10. A pluralidade dos mundos Revista Espírita, março de 1858 “Quem não teria perguntado, considerando a Lua e osoutros astros, se esses globos são habitados? Antes que aciência nos tivesse iniciado quanto à natureza desses astros,disso se podia duvidar. Hoje, no estado atual dos nossosconhecimentos, há, pelo menos, probabilidades; mas fizeram-sea essa idéia, verdadeiramente sedutora, objeções tiradas daprópria ciência. “A Lua, diz-se, parece não ter mais atmosfera, e, talvez,água. Em Mercúrio, tendo em vista a sua proximidade do Sol, atemperatura média deve ser a do chumbo fundido, (...). EmSaturno, é tudo o oposto; não temos termo de comparação parao frio que nele deve reinar; a luz do Sol, ali, deve ser muitofraca (…). Em tais condições, pergunta-se se seria possívelviver.”
  11. 11. A pluralidade dos mundos habitados Revista Espírita, Novembro 1863 “Estudo em que são expostas as condições dehabitabilidade das terras celestes, discutidas do ponto devista da astronomia e da fisiologia; por CAMILLEFLAMMARION, membro do Observatório Imperial de Paris(...) “Embora não seja relativa ao Espiritismo, nesta obra, oassunto é daqueles que entram no quadro de nossasobservações e dos princípios da Doutrina, e nossos leitoresnos agradecerão por o termos assinalado à sua atenção,persuadidos antecipadamente do poderoso interesse quedarão a essa leitura duplamente atraente, pela forma e pelofundo”. Exatamente o que estamos fazendo aqui!
  12. 12. A Existência de Vida em outros planetas segundo o EspiritismoEm resumo: o problema da vida em outros mundos está subordinada à nossa compreensão da “matéria espiritual”. Não podendo detectar a “matéria” que envolve os Espíritos, nada podemos afirmar sobre sua existência.E, de acordo com as informações contidas na Codificação de Kardec, também é desconhecida a abundância da vida material similar à nossa no universo.
  13. 13. Acerca da Vida universalCrenças Espíritas:• O Universo é constituído de 3 elementosindependentes: matéria, espírito, e acima deles, Deus(“causa primária”). [Q.27-LE]• Não existem milagres na natureza (universo regido porleis eternas e imutáveis). [Q.615-LE] Continuando na análise das informações da Codificação...• O espírito é a individualização do princípio inteligente(Q.79-LE).
  14. 14. Como se dá a individualização do princípio inteligente?Sob o ponto de vista inteligente (moral) há quatro graus na natureza (Q.585-LE):●A matéria inerte (reino mineral), nada além das forçasmecânicas;● As plantas, dotadas de vitalidade;● Os animais, dotados de vitalidade e inteligência instintiva;●O homem, tendo tudo o que existe nos outros reinos, mas tendouma inteligência ilimitada que lhe dá consciência.Resposta: Evolução! (Análoga a idéia de evolução do Espírito).
  15. 15. O Espiritismo e a Vida universal• O princípio inteligente, ao se associar com a matéria, é capaz de produzir um infinita variedade de coisas*. Sem o princípio inteligente, a matéria estaria em perpétuo estado de divisão (Q.27-LE).• O mundo corpóreo e o mundo espírita estão em incessante reação um sobre o outro (Q.86-LE).• A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo. Deus, porém, na Sua sabedoria, quis que nessa mesma ação os Espíritos encontrassem um meio de progredir e de se aproximar Dele. Deste modo, por uma admirável lei da Providência, tudo se encadeia, tudo é solidário na Natureza (Q.132-LE).
  16. 16. O Espiritismo e a Vida universalPortanto, podemos definir Vida como a atuação do princípio inteligente na matéria. A conseqüência é a organização da matéria, tão intensa quanto o grau de desenvolvimento do princípio inteligente.Pontos notáveis:– A primeira edição do “Livro dos Espíritos” é de 1857 (complementos forampublicados em 1860).– Clausius enuncia a 2a. Lei da termodinâmica (aumento da Entropia) em 1856.– O livro “A origem das espécies” de Darwin é de 1859.– No livro “A Gênese” de 1869, Kardec reproduz a informação de que a ViaLáctea não é senão “uma ilha no arquipélago infinito”. A Astronomia só veioconfirmar a existência de outras galáxias em 1920.
  17. 17. O espírito como organizador do corpo biológicoConvidamos os biólogos espíritas (ou biólogos com interesse nesta teoria) a apresentar-nos a questão.– J. Herculano Pires apresenta o conceito de CorpoBioplásmico (Refs.: Ostrander & Schroeder “PsychicDiscoveries”; R. Montandon “De la Bête a lHomme”).– Prof. Harold Saxton Burr, da Yale University, apresenta osL-fields, ou “campos da vida” em “Blueprint for Immortality”.– Hernani Guimarães Andrade, o Modelo OrganizadorBiológico...
  18. 18. O espírito como organizador do corpo biológicoA visão materialista também impõem sérios limites a Teoria da Evolução de Darwin: “Embora nós já tenhamos um bom entendimento da forma como os organismos se adaptam ao seu meio ambiente, muito menos se sabe acerca dos mecanismos por trás da origem das novidades evolutivas, processo distinto da adaptação. Apesar dos inegáveis méritos de Darwin, explicar como é que a enorme complexidade e diversidade dos seres vivos no nosso planeta se originaram permanece um dos grandes desafios da Biologia”[Günter Theißen, “Saltational evolution: hopeful monsters are here to stay,” Theory in Biosciences, Vol. 128:43–51 (2009)].
  19. 19. Síntese das idéias Espíritas apresentadas• A matéria para se manifestar de modo coerente no universo, está ligada ao princípio inteligente.• O princípio inteligente existe independente da matéria. Atua sobre esta para sua evolução, lei sob a qual está subordinado.• Os diferentes graus de evolução manifestam-se nos diferentes reinos da natureza.• O Espírito humano necessita de diversas experiências físicas (reencarnações) para o fim do qual necessita: a perfeição moral.
  20. 20. Síntese das idéias Espíritas apresentadas• O planeta Terra e sua organização física representam um dos ambientes para aquisição destas experiências.• Assim como a vida no planeta já foi mais “bruta”, torna-se gradativamente mais depurada.• Outros globos devem apresentar ambientes diferenciados, de acordo com o fim providencial para a evolução dos Espíritos a eles ligados (*ou de nós mesmos).OBS.: O Espiritismo não concorre com a Ciência, mas busca completá-la!
  21. 21. Uma comparação filosófica com a Ciência (materialista) “Tudo o que observo, existe”.O materialismo, apropriando-se desta afirmação, sentencia: “Tudo o que existe, observo”.Mas esta afirmação é tão despropositada (ou mais!) quanto a existência de Espíritos.“Deus, sendo o Ser Supremo, possui atributos ilimitados, ou infinitos. Não é pelos sentidos que podemos chegar ao infinito, assim como não é através dos olhos que podemos ver a essência das coisas.”
  22. 22. Finalizando: mensagem do Chico“O reino da vida, além da morte, não é domicílio do milagre. Passa o corpo, em trânsito para a natureza inferior que lhe atrai os componentes, entretanto, a alma continua na posição evolutiva em que se encontra. Cada inteligência apenas consegue alcançar a periferia do círculo de valores e imagens dos quais se faz o centro gerador. Ninguém pode viver em situação que ainda não concebe. (...) Em suma, cada ser apenas atinge a vida até onde possa chegar a onda do pensamento que lhe é próprio.”Livro “Roteiro”, pelo espírito de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier
  23. 23. EXTRA: Descrições mediúnicas sobre Júpiter e Marte na Codificação Júpiter e alguns outros mundos Revista Espírita, março de 1858 Carta do senhor Marius sobre Júpiter Revista Espírita de julho de 1858 As habitações do planeta Júpiter (pelo senhor Victorien Sardou) Revista Espírita, agosto de 1858 Observação sobre o desenho da casa de Mozart Revista Espírita, setembro de 1858 Dissertações Espíritas Revista Espírita, outubro de 1860 Obtidas ou lidas na Sociedade por diversos médiuns. (Marte e Júpiter – Médium: senhora Costel)
  24. 24. Descrições mediúnicas sobre Júpiter e Marte na Codificação Resumo (Q.188-LE): (1) “Segundo os Espíritos, de todos os mundos quecompõe o nosso sistema planetário, a Terra é dos dehabitantes menos adiantados, física e moralmente. Martelhe estaria ainda abaixo, sendo-lhe Júpiter superior demuito, a todos os respeitos. “O Sol não seria mundo habitado por serescorpóreos, mas simplesmente um lugar de reunião dosEspíritos superiores, os quais de lá irradiam seuspensamentos para os outros mundos. (...) “Bem curto de vista se revela quem nos toma emtudo por protótipos da criação, assim como é rebaixar aDivindade o imaginar-se que, fora o homem, nada maisseja possível a Deus.”
  25. 25. Uma análise das descrições de Marte e JúpiterSobre Júpiter, vamos assumir que, por ser um suposto mundo adiantado, as propriedades de seus seres nos seriam “estranhas”. Assim Marte, menos adiantado, deveria ser de alguma forma familiar. OBS.: Se a Codificação errou neste ponto, nada garante que não tenha errado no resto. Então voltamos ao ponto zero! (?) Debate é fundamental ao espírita sincero!
  26. 26. Vida em Júpiter e em Marte 1o. argumentoA correlação entre o ponto mais baixo de evolução, com a materialidade, ou “densidade” é equivocada. Nossa matéria não é mais densa, em termos de moralidade, como na descrição das zonas “umbralinas”(ou “infernais”) próximas a nós.Abre-se uma relatividade da densidade da matéria, e se existem serem inferiores (invisíveis) habitando entre nós, por que não haveria em Marte?
  27. 27. Vida em Júpiter e em Marte 2o. argumentoProblema da comunicabilidade mediúnica. Dados “precisos” são extremamente difíceis (idealmente só por médiuns inconscientes). Sabemos que os médiuns influenciam nas comunicações.Por exemplo, qual a influência do nome do planeta ser “Marte”, que pela mitologia romana é o deus da guerra sangrenta?Supondo uma descrição fiel de uma observação, como associa-la inequivocamente com Marte?
  28. 28. Vida em Júpiter e em Marte 2o. argumentoProblema da descrição. Em geral, um espírito se utiliza das palavras/conhecimento que o médium lhe disponibiliza para transmitir uma mensagem. Haveria como descrever algo que não temos a idéia de como seja (“mito da caverna”; “luz a um cego”)?Por exemplo, é preciso descrever uma paisagem a alguém que não fala o seu idioma (sem exibição de imagens, só por palavras). Você se utiliza de um “intérprete” (médium) na “tradução”. Quão fiel você acredita que será a descrição?Exercite esta situação para as seguintes imagens...
  29. 29. As Cavernas de Gelo de Eisriesenwelt, Á
  30. 30. Vales Secos (Dry Valleys), Antártica
  31. 31. Ilha Socotra, Oceano Índico
  32. 32. Rio Tinto, Espanha
  33. 33. Vale da Lua, Brasil
  34. 34. Vida em Júpiter e em Marte 3o. argumento“Estar-se-ia em erro crendo que fazemos da revelação de mundos desconhecidos o objeto capital da Doutrina; isso não será sempre, para nós, senão um acessório, mas um acessório que cremos útil como complemento de estudo; o principal será sempre, para nós, o ensinamento moral, e, nas comunicações de além- túmulo, procuramos sobretudo o que pode esclarecer a Humanidade e conduzi-la para o bem, único meio de assegurar sua felicidade neste mundo e no outro. Não se poderia dizer o mesmo dos astrônomos que, eles também, sondam os espaços e se perguntar em que pode ser útil, para o bem da Humanidade, saber calcular com uma precisão rigorosa a parábola de um astro invisível?" (Revista Espírita, agosto de 1858)
  35. 35. Vida em Júpiter e em Marte 3o. argumento“Caminhando de par com o progresso, o Espiritismo jamais será ultrapassado, porque, se novas descobertas lhe demonstrassem estar em erro acerca de um ponto qualquer, ele se modificaria nesse ponto. Se uma verdade nova se revelar, ele a aceitará” (A Gênese, capítulo I, item 55).
  36. 36. ConclusõesRelevância deste assunto está na manutenção da consistência da doutrina Espírita (como uma “ciência”).Também pela Astronomia ter sido sempre associada às religiões, além do maior conhecimento das leis que regem o Universo que a Ciência proporciona.

×