SlideShare uma empresa Scribd logo
[object Object],[object Object]
[object Object],1) Conceituar providência divina. 2) Explicar como se realiza a ação providencial de Deus para com as criaturas. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Segundo a questão 573 de "O Livro dos Espíritos": " ao mesmo tempo que o espírito se depura pela encarnação, concorre, dessa forma, para a execução dos desígnios da Providência. Cada um tem neste mundo a sua missão, porque todos podem ter alguma utilidade. " Isto significa que estamos no local certo, no momento certo e com as pessoas certas, por mais que, às vezes, acreditemos haver algum "engano". ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Segundo a questão 634 do Livro dos Espíritos: "É preciso que o espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mal. Entretanto, o mal não deixa de ser o mal..." O homem precisa, às vezes, dos excessos, para sentir que precisa de renovação e mudança. Deus quer a nossa felicidade, mas nos concede a liberdade desta busca. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Segundo Raul Teixeira, na questão 51 do livro "Ante o Vigor do Espiritismo", a violência nasce da revolta alimentada pela desigualdade social e econômica covarde, perversa. Não que ela ou os demais tumultos sejam justificados, mas quando houver maior igualdade, fraternidade, solidariedade, iremos desfrutar de maior paz.. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Segundo a questão 740 de "O Livro dos Espíritos": "Os flagelos são provas que dão ao homem ocasião de exercitar sua inteligência, de demonstrar sua paciência e resignação ante a vontade de Deus e que lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se o não domina o egoísmo."  ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],“Deus nos dá a vida e os recursos para atendermos às nossas necessidades. Ele nos ampara, nos inspira, mas não trabalha por nós. Quando dizemos que  entregamos a Deus , não podemos esquecer que, antes de tudo, Deus entregou a nós o que nos compete: a responsabilidade para com a nossa própria evolução e para com o progresso de toda a humanidade. (Sandra Sales – Palestra virtual 04/06/99) ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],“Sabemos que o nosso destino é o progresso e, conseqüentemente,  a mais pura e eterna felicidade . Normalmente, esperamos que algo ocorra para nos fazer felizes. Contudo, a felicidade é conquista diária e íntima, e Deus nos quer felizes. Sofrimentos, angústias, dificuldades são desafios, mas não o fim de nossas vidas. Contamos com a Providência Divina para encontrarmos alegria, entusiasmo em nossas vidas.” (Sandra Sales – Palestra virtual 04/06/99) ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],1) Conceituar providência divina. 2) Explicar como se realiza a ação providencial de Deus para com as criaturas. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],Conceito de providência divina A providência divina é a solicitude (zelo, cuidado) de Deus para com as suas criaturas. ,[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],A ação providencial de Deus para com as criaturas. As sessões então passaram a ter um objetivo determinado e Kardec, propunha aos Espíritos uma série de perguntas já preparadas e metódicamente dispostas. As perguntas versavam sobre Filosofia, Psicologia e natureza do mundo invisível DEUS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],As sessões então passaram a ter um objetivo determinado e Kardec, propunha aos Espíritos uma série de perguntas já preparadas e metódicamente dispostas. As perguntas versavam sobre Filosofia, Psicologia e natureza do mundo invisível ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Roteiro 3 atributos da divindade
Roteiro 3   atributos da divindadeRoteiro 3   atributos da divindade
Roteiro 3 atributos da divindade
Bruno Cechinel Filho
 
01 deus
01 deus01 deus
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
CeiClarencio
 
295211 633969997261555000
295211 633969997261555000295211 633969997261555000
295211 633969997261555000
Teacher Marcelo
 
Que é deus?
Que é deus?Que é deus?
Que é deus?
Leonardo Pereira
 
01b paroquia imaculada
01b paroquia imaculada01b paroquia imaculada
01b paroquia imaculada
Juliana Felisberto Cardoso Silva
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
Roseli Lemes
 
Lourenco Prado - Mantras
Lourenco Prado - MantrasLourenco Prado - Mantras
Lourenco Prado - Mantras
Amadeu Wolff
 
Alegriae triunfo resumo
Alegriae triunfo resumoAlegriae triunfo resumo
Alegriae triunfo resumo
rosana carvalho
 
Mantras para uma vida saudavel
Mantras para uma vida saudavel Mantras para uma vida saudavel
Mantras para uma vida saudavel
Amadeu Wolff
 
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A  Lei de Deus e Suas Consequências MoraisA  Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
Cláudio Fajardo
 
Deus na visão espírita
Deus na visão espíritaDeus na visão espírita
Deus na visão espírita
Carlos José Dalto
 
Livro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de Deus
Livro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de DeusLivro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de Deus
Livro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de Deus
Mario Emilio do Amaral Coelho
 
Lição o2 a necessidade dos gentios
Lição o2  a necessidade dos gentiosLição o2  a necessidade dos gentios
Lição o2 a necessidade dos gentios
roni evangelista da silva
 
Espiritualidade Alegria E Triunfo
Espiritualidade Alegria E TriunfoEspiritualidade Alegria E Triunfo
Espiritualidade Alegria E Triunfo
Andreia Muenzer
 
Mantras(ry)
Mantras(ry)Mantras(ry)
Mantras(ry)
rosana carvalho
 
Mantras
MantrasMantras
Mantras
annamoon7
 
Eae 86 - o plano divino e a lei da evolução
Eae   86 - o plano divino e a lei da evoluçãoEae   86 - o plano divino e a lei da evolução
Eae 86 - o plano divino e a lei da evolução
Norberto Scavone Augusto
 
A Existência de Deus na Codificação
A Existência de Deus na CodificaçãoA Existência de Deus na Codificação
A Existência de Deus na Codificação
igmateus
 

Mais procurados (19)

Roteiro 3 atributos da divindade
Roteiro 3   atributos da divindadeRoteiro 3   atributos da divindade
Roteiro 3 atributos da divindade
 
01 deus
01 deus01 deus
01 deus
 
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinitoPrimeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
Primeiro Módulo - Aula 2 - Deus e o infinito
 
295211 633969997261555000
295211 633969997261555000295211 633969997261555000
295211 633969997261555000
 
Que é deus?
Que é deus?Que é deus?
Que é deus?
 
01b paroquia imaculada
01b paroquia imaculada01b paroquia imaculada
01b paroquia imaculada
 
Aula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – liliAula 2 - Deus – lili
Aula 2 - Deus – lili
 
Lourenco Prado - Mantras
Lourenco Prado - MantrasLourenco Prado - Mantras
Lourenco Prado - Mantras
 
Alegriae triunfo resumo
Alegriae triunfo resumoAlegriae triunfo resumo
Alegriae triunfo resumo
 
Mantras para uma vida saudavel
Mantras para uma vida saudavel Mantras para uma vida saudavel
Mantras para uma vida saudavel
 
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A  Lei de Deus e Suas Consequências MoraisA  Lei de Deus e Suas Consequências Morais
A Lei de Deus e Suas Consequências Morais
 
Deus na visão espírita
Deus na visão espíritaDeus na visão espírita
Deus na visão espírita
 
Livro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de Deus
Livro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de DeusLivro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de Deus
Livro dos Espíritos, Capítulo 1 - Provas da Existência de Deus
 
Lição o2 a necessidade dos gentios
Lição o2  a necessidade dos gentiosLição o2  a necessidade dos gentios
Lição o2 a necessidade dos gentios
 
Espiritualidade Alegria E Triunfo
Espiritualidade Alegria E TriunfoEspiritualidade Alegria E Triunfo
Espiritualidade Alegria E Triunfo
 
Mantras(ry)
Mantras(ry)Mantras(ry)
Mantras(ry)
 
Mantras
MantrasMantras
Mantras
 
Eae 86 - o plano divino e a lei da evolução
Eae   86 - o plano divino e a lei da evoluçãoEae   86 - o plano divino e a lei da evolução
Eae 86 - o plano divino e a lei da evolução
 
A Existência de Deus na Codificação
A Existência de Deus na CodificaçãoA Existência de Deus na Codificação
A Existência de Deus na Codificação
 

Destaque

Fund I Mód III Rot 4
Fund I Mód III  Rot 4Fund I Mód III  Rot 4
Fund I Mód III Rot 4
Shantappa Jewur
 
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMOAS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4
Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4
Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4
Patricia Farias
 
A gênese
A gêneseA gênese
A gênese
neide2012
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10Graça Maciel
 
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do UniversoAula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
contatodoutrina2013
 

Destaque (6)

Fund I Mód III Rot 4
Fund I Mód III  Rot 4Fund I Mód III  Rot 4
Fund I Mód III Rot 4
 
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMOAS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
AS PREDIÇÕES DE JESUS SEGUNDO O ESPIRITISMO
 
Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4
Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4
Doenças e curas - sob a ótica Espírita – Parte 4
 
A gênese
A gêneseA gênese
A gênese
 
A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10A providencia divina - n.10
A providencia divina - n.10
 
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do UniversoAula 09 - Elementos Gerais do Universo
Aula 09 - Elementos Gerais do Universo
 

Semelhante a Geead 2011 07_27: A providência divina

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Antonio Braga
 
Módulo III - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo III - Aula IV - Mansão EspíritaMódulo III - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo III - Aula IV - Mansão Espírita
brunoquadros
 
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Espetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.com
Espetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.comEspetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.com
Espetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.com
Cheferson Luciana Kiyota
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
Grupo Espírita Cristão
 
Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...
Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...
Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...
Sérgio Taldo
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Elysio Laroide Lugarinho
 
Dons de revelação
Dons de revelaçãoDons de revelação
Dons de revelação
Ailton da Silva
 
Ensino 6 carisma de sabedoria
Ensino 6 carisma de sabedoriaEnsino 6 carisma de sabedoria
Ensino 6 carisma de sabedoria
ministerioformacao
 
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
Tiago de Souza
 
AULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptx
AULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptxAULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptx
AULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptx
ValdirSouza41
 
A busca da felicidade 1
A busca da felicidade 1A busca da felicidade 1
A busca da felicidade 1
ctollin
 
15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo
Antonio Ferreira
 
15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo
Antonio Ferreira
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
Marcos Antônio Alves
 
Lição 03
Lição 03Lição 03
Lição 03
Joao DA Silva
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
grupodepaisceb
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
EdsonAguiar30
 

Semelhante a Geead 2011 07_27: A providência divina (20)

Conhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficenciaConhecimento de si mesmo e beneficencia
Conhecimento de si mesmo e beneficencia
 
Módulo III - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo III - Aula IV - Mansão EspíritaMódulo III - Aula IV - Mansão Espírita
Módulo III - Aula IV - Mansão Espírita
 
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]#   Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
# Iara cordeiro - a fé divina e a fé humana - [ espiritismo]
 
Espetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.com
Espetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.comEspetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.com
Espetacular curso motivacional_so_tem_riqueza.com
 
Finalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãOFinalidade Da EncarnaçãO
Finalidade Da EncarnaçãO
 
Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...
Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...
Palestra: "No Santuário da Alma", de Paramahansa Yogananda, por Sérgio Costa ...
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
 
Dons de revelação
Dons de revelaçãoDons de revelação
Dons de revelação
 
Ensino 6 carisma de sabedoria
Ensino 6 carisma de sabedoriaEnsino 6 carisma de sabedoria
Ensino 6 carisma de sabedoria
 
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
 
AULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptx
AULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptxAULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptx
AULA 04 - Provas existência de Deus e Providência divina_2017.pptx
 
A busca da felicidade 1
A busca da felicidade 1A busca da felicidade 1
A busca da felicidade 1
 
15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo
 
15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo15885156 espirito-santo
15885156 espirito-santo
 
Da encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritosDa encarnação dos espíritos
Da encarnação dos espíritos
 
Lição 03
Lição 03Lição 03
Lição 03
 
O valor do tempo
O valor do tempoO valor do tempo
O valor do tempo
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
 
05 ciclo basico
05 ciclo basico05 ciclo basico
05 ciclo basico
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
 

Mais de Geead Abu Dhabi

GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02
Geead Abu Dhabi
 
OqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecialOqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecial
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26
Geead Abu Dhabi
 
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
Geead Abu Dhabi
 
Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19
Geead Abu Dhabi
 
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnaçãoGeead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead Abu Dhabi
 
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com JesusGeead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead Abu Dhabi
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead Abu Dhabi
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead Abu Dhabi
 
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atosGeead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead Abu Dhabi
 

Mais de Geead Abu Dhabi (20)

GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08GEEAD_2012_02_08
GEEAD_2012_02_08
 
GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01GEEAD_2012_02_01
GEEAD_2012_02_01
 
GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18GEEAD_2012_01_18
GEEAD_2012_01_18
 
GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11GEEAD_2012_01_11
GEEAD_2012_01_11
 
GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04GEEAD_2012_01_04
GEEAD_2012_01_04
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
 
GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14GEEAD_2011_12_14
GEEAD_2011_12_14
 
GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30GEEAD_2011_11_30
GEEAD_2011_11_30
 
GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16GEEAD_2011_11_16
GEEAD_2011_11_16
 
GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02GEEAD_2011_11_02
GEEAD_2011_11_02
 
OqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecialOqueFazesDeEspecial
OqueFazesDeEspecial
 
GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23GEEAD_2011_11_23
GEEAD_2011_11_23
 
GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26GEEAD_2011_10_26
GEEAD_2011_10_26
 
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
 
Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19Geead 2011 10_19
Geead 2011 10_19
 
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnaçãoGeead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
Geead 26-10-2011: Fundamentos e utilidade da reencarnação
 
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com JesusGeead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
Geead 19-10-2011: A mediunidade com Jesus
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
 
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espíritoGeead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
Geead 21-09-2011: Provas da existência e sobrevivência do espírito
 
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atosGeead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
Geead 05-10-2011: Influência dos espíritosem nossos pensamentos e atos
 

Último

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 

Último (10)

Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 

Geead 2011 07_27: A providência divina

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.

Notas do Editor

  1. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  2. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  3. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  4. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  5. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  6. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  7. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  8. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  9. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  10. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).
  11. Inicialmente, Kardec lançou mão da sonda da investigação para poder comprovar a veracidade dos fatos ( ciência ); em seguida, percebendo que poderia extrair conteúdo mais nobre daqueles fenômenos, formulou questões de elevado teor filosófico ( filosofia ); na seqüência, retomando as pesquisas científicas constatou que aquelas verdades, trazidas sob a coordenação dos espíritos superiores estavam entrelaçadas a conseqüências morais-religiosas para o Homem ( religião ).