1
INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO BRASIL – IESB
LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA E TEOLOGIA
PÓLO DE REDENÇÃO DO GURGUÉIA - P...
2
AUZIMAR DE SOUSA NUNES
COMUNIDADE QUILOMBOLA DE BREJÃO DOS AIPINS:
CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA E EDUCACIONAL
Monografia apr...
3
Monografia Intitulada Comunidade Quilombola de Brejão dos Aipins:
Caracterização histórica e educacional, de autoria do ...
4
Dedico este trabalho:
À Deus, à minha mãe (95 anos), a
minha esposa, filhos,
genros, noras e netos por está
presente em ...
5
A história prescisa ser reescrita a cada
geração, porque embora não mude,o
presente se modifica; a cada geração formula
...
6
AGRADECIMENTOS
Ao IESB, por nos proporcionar a oportunidade de fazer este curso em nossa
cidade.
Aos professores, por su...
7
RESUMO
Este trabalho é resultado de uma pesquisa de conclusão de curso TCC que trata sobre
a comunidade quilombola de Br...
8
SUMÁRIO
LISTA DE SIGLAS---------------------------------------------------------------------------------09
LISTA DE ILUS...
9
LISTA DE SIGLAS
ABA – Associação Brasileira de Antropologia.
CECOQ-PI - Coordenação Estadual das Comunidades Quilombola ...
10
LISTA DE ILUSTRAÇÕES
Figura 1: Algumas paisagens atuais da comunidade;
Figura 2: Casa onde residiu o coronel João Franc...
11
LISTA DE APÊNDICES
1- Guia de entrevistas
12
INTRODUÇÃO
Este trabalho é resultado de uma pesquisa de campo sobre a
comunidade quilombola de Brejão dos Aipins, tendo...
13
lugares onde viviam sob regime de escravidão, estabelece-se no Piauí, tal
como citado por Mello (2008), pela forte pres...
14
de se conhecer mais sobre a trajetória sócio cultural e os aspectos da vida
educacional e cotidiana dessa população.
Te...
15
CAPITULO I
DA CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA
O movimento quilombola iniciou no Brasil durante o período colonial, no
século X...
16
piauiense. Os primeiros moradores foram os irmãos Egídio Nunes de
Vasconcelos e Teodoro Nunes de Vasconcelos, com suas ...
17
Foto 2- Casa onde residiu o coronel João Francisco da Rocha -1865
Fazenda – Almescas.
De acordo com alguns moradores, a...
18
o senhor José Ribeiro Maia, bisneto do negro Egidio Nunes de Vasconcelos e
Simiana Maia de Vasconcelos na fazenda São G...
19
Segundo eles, a agricultura atrasada, a baixa produtividade, e a concentração
de renda com os grandes latifundiários, e...
20
as de alternativas de geração de renda, que somados a falta de água
comporão os principais desafios vividos por esses q...
21
diferenciado dos que lhes pertenciam. Dizem os moradores, que alguns
descendentes ainda ocupam essas propriedades confi...
22
perfumes, e bebidas, eram algumas das mercadorias desejadas pelos
quilombolas.
F. 8 Antiga salina. F.9 Alimento produzi...
23
instrumentos matérias rústicos dos quilombolas com os tupis- guaranis
baseados na ausência de tecnologias, a horticultu...
24
necessidade de desenvolver formas de proteção contra a violência e repressão
dos colonizadores brasileiros. Eram consta...
25
famílias no quilombo. Mas conforme descrevem os mais velhos, a genealogia
dos remanescentes do Brejão dos Aipins se con...
26
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Os quilombos rurais surgiram da fuga de africanos para os sertões, não
raro apenas chegados á Ame...
27
Perrutti ( 2007) considera os quilombos como “ grupos sociais que tem
identidades étnicas diferentes do restante da soc...
28
Para a ABA - Associação Brasileira de Antropologia, os quilombos
atualmente consistem em grupos que desenvolvem prática...
29
uma política, elaborada desde o ponto de vista dessas populações, pois, no
Brasil ainda há uma tendência cultural basta...
30
CAPITULO II
DA CARACTERIZAÇÃO EDUCACIONAL
F. 18 Escola F. Nunes F. 19 Crianças da comunidade.
A história dos quilombos ...
31
alentadores: não há registros de crianças fora da escola. Entretanto, a maior
parcela da população entre jovens e adult...
32
Após dois anos, essa sala de aula passou a funcionar na casa da
senhora 8
Eliza Nunes Catuaba, com os mesmos recursos e...
33
Criado e mantido pelo regime militar, durante anos, o
MOBRAL, tinha o objetivo de propocionar alfabetização e
letrament...
34
cidade e ou fizeram o 10
LOGOS, um programa do governo que
funcionava na época tipo semipresencial (Depoimento da
morad...
35
se orientava pelas DCNRER (Diretrizes Curriculares Nacionais para as
Relações étnicas Raciais) primando alguns principi...
36
fornecimento, pela comunidade, de produtos agrícolas para a merenda escolar;
a melhoria das casas e da estrada que liga...
37
PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
A pesquisa foi desenvolvida na comunidade quilombola de Brejão dos
Aipins, localizada na zo...
38
Também recorremos ao trabalho com fontes documental iconográficos, e
literário, como livros, revistas e documentos ofic...
39
CONSIDERAÇÕES FINAIS
As estatísticas atuais de um modo geral têm mostrado que a abolição
formal da escravatura, oficial...
40
desprezo, a sociedade circundante vem tentando reconhecer sua história. Os
fenômenos que explicam sua real existência p...
41
É impossível ser um educador ético quando se ignora a globalização, o
multiculturalismo, as questões étnicas, as novas ...
42
REFERÊNCIAS
ALMEIDA, A. W. B. Quilombos e as novas etnias. Manaus: UEA Edições, 2011.
ARRUTI, José Maurício Andion. Moc...
43
MELO C. R. Quilombos no Piauí: históricas territorialidades. (Org.) Lima, S. Oliveira:
Sertão Negro: escravidão e afric...
44
Apêndices
45
1 – Guia de Pesquisa
1 – Fale sobre a origem da comunidade, dos aspectos geográficos e as
adjacências.
2- O que se sabe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

COMUNIDADE QUILOMBOLA DE BREJÃO DOS AIPINS: CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA E EDUCACIONAL

2.765 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.765
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
92
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

COMUNIDADE QUILOMBOLA DE BREJÃO DOS AIPINS: CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA E EDUCACIONAL

  1. 1. 1 INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO BRASIL – IESB LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA E TEOLOGIA PÓLO DE REDENÇÃO DO GURGUÉIA - PI AUZIMAR DE SOUSA NUNES COMUNIDADE QUILOMBOLA DE BREJÃO DOS AIPINS: CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA E EDUCACIONAL REDENÇÃO DO GURGUÉIA – PI, 2012
  2. 2. 2 AUZIMAR DE SOUSA NUNES COMUNIDADE QUILOMBOLA DE BREJÃO DOS AIPINS: CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA E EDUCACIONAL Monografia apresentada ao Instituto de Educação Superior do Brasil – IESB, para apreciação, como cumprimento de exigência para conclusão do curso - TCC. Orientadora: Prof.ª Marly Paz Landim de Araújo REDENÇÃO DO GURGUÉIA – PI, 2012
  3. 3. 3 Monografia Intitulada Comunidade Quilombola de Brejão dos Aipins: Caracterização histórica e educacional, de autoria do aluno Auzimar de Sousa Nunes, apresentada ao Instituto de Ensino Superior do Brasil – IESB, como trabalho de curso TCC para obtenção do grau de licenciatura Plena em História e Teologia. Aprovada em _____/_____/______ _____________________________________ Orientadora ______________________________________ Membro
  4. 4. 4 Dedico este trabalho: À Deus, à minha mãe (95 anos), a minha esposa, filhos, genros, noras e netos por está presente em toda a minha luta.
  5. 5. 5 A história prescisa ser reescrita a cada geração, porque embora não mude,o presente se modifica; a cada geração formula novas perguntas ao passado e encontra novas áreas de simpatia à medida que revive distintos aspectos das experiências de suas predecessoras. ( HILL, 1987,p.32)
  6. 6. 6 AGRADECIMENTOS Ao IESB, por nos proporcionar a oportunidade de fazer este curso em nossa cidade. Aos professores, por sua paciência e disponibilidade para conosco durante esses anos. Ao meu filho Ranchimit, pela orientação e força na realização das atividades do curso. A professora Marly Paes Landim de Araújo, pela sua orientação neste trabalho. A professora Maíres (Bili), pelo apoio presencial e organização dos espaços durante esses anos no Pólo. Aos meus colegas de turma, pela compreensão, companheirismo e ajuda durante esses anos. Às pessoas que, direto ou indiretamente, contribuíram para a realização desta pesquisa.
  7. 7. 7 RESUMO Este trabalho é resultado de uma pesquisa de conclusão de curso TCC que trata sobre a comunidade quilombola de Brejão dos Aipins, tendo como objetivo principal caracterizar o percurso histórico e educacional dessa comunidade. Brejão dos Aipins é uma das comunidades identificadas como quilombolas no estado do Piauí. Essa comunidade fica localizada no município de Redenção do Gurguéia, ao sudoeste piauiense. O acesso ao município se dá de forma terrestre, pela BR – 135. Por sua vez, o acesso à comunidade se dá por uma estrada vicinal, a 20 km do centro urbano do município. Brejão dos Aipins passou a ser mais reconhecida no cenário estadual depois de um trabalho de “Mapeamento de comunidades negras rurais no Piauí”, desenvolvido entre os anos de 2000 a 2007 pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (EMATER – PI) em parceria com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Considerando a quase inexistência de registros escritos sobre essa comunidade e a importância de se conhecer a história dos quilombos brasileiros e as educações, recorremos a um trabalho de caracterização histórica e educacional de Brejão dos Aipins. Através da tradição oral, foi possível obter informações mais detalhadas sobre esse grupo. A metodologia utilizada foi à pesquisa de campo com aplicação de entrevistas guiadas, com moradores e pessoas mais velhas que conheceram a comunidade. Além disso, realizamos uma pesquisa bibliográfica acerca da historiografia quilombola no Brasil. Os resultados revelam uma história marcada pela luta, exploração local e a marginalidade social desse grupo. Palavras Chave: História. Educação escolar. Brejão dos Aipins. ABSTRACT This work is result of a research about the quilombola communityBrejão dos Aipins, having as principal objective to characterize the historical and educational route of this community. Brejão dos Aipins is a community identified as rural quilombola in the state of Piauí. This community is located in the municipality of Redenção do Gurguéia, in the southwest of Piauí. The access to the municipality is by a land road, by BR-135. Therefore the access to community is by vicinal road, 20 km of the urbam centre of the municipality. Brejão dos Aipins passed to be more recognized in the estadual scene after a work of “Mapeament of black rural communities in Piauí”, developed among the yars 2000 to 2007 by (Empresa de AssistênciaTécnica e Extensão Rural do Piauí – EMATER-PI) in partnership with the (InstitutoNacional de Colonização e ReformaAgrária – INCRA). Considering almost inexistence of the written registers about this community and the importance of to get to know the history of the Brazilian quilombos and education, recurred a work of historical and educational characterization of Brejão dos Aipins. Through of oral tradition, was possible to obtain detailed information about this group. The methodology utilized was a research with application of interviews guided with residents and old person that knew the community. Besides, achieved a bibliographic research about quilombola historiography in Brazil. The results divulge a history marked by fight, local exploration and social marginality of this group.
  8. 8. 8 SUMÁRIO LISTA DE SIGLAS---------------------------------------------------------------------------------09 LISTA DE ILUSTRAÇÕES ----------------------------------------------------------------------10 LISTA DE APÊNDICES --------------------------------------------------------------------------11 INTRODUÇÃO -------------------------------------------------------------------------------------12 CAPITULO I -----------------------------------------------------------------------------------------15 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ----------------------------------------------------------------26 CAPITULO II ----------------------------------------------------------------------------------------30 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ---------------------------------------------------- 37 CONSIDERAÇÕES FINAIS --------------------------------------------------------------------- 39 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ---------------------------------------------------------- 42 APÊNDICES
  9. 9. 9 LISTA DE SIGLAS ABA – Associação Brasileira de Antropologia. CECOQ-PI - Coordenação Estadual das Comunidades Quilombola do Piauí. EMATER – Empresa de Assistência Técnica e Rural. IBGE - Instituto Brasileiro Geográfico e Estatístico. INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. MOBRAL – Movimento Brasileiro de Alfabetização.
  10. 10. 10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Algumas paisagens atuais da comunidade; Figura 2: Casa onde residiu o coronel João Francisco Rocha – 1865; Figura 3 – 6 : Fazenda Buriti Grande; Figura 7: Alimentos nativos da região; Figura 8 – 10: Alimentos, recursos naturais e utensílios de uso; Figura 11 – 14: Tradições socioculturais dos quilombolas; Figura 15 - 17: Algumas danças tradicionais ; Figura 18- 19: Escola e Crianças da comunidade
  11. 11. 11 LISTA DE APÊNDICES 1- Guia de entrevistas
  12. 12. 12 INTRODUÇÃO Este trabalho é resultado de uma pesquisa de campo sobre a comunidade quilombola de Brejão dos Aipins, tendo como objetivo principal caracterizar o percurso histórico e educacional dessa comunidade. Nosso grande interesse na construção deste trabalho está associado à importância de se conhecer mais sobre o movimento quilombola no Brasil e reescrever sobre aspectos da história desse grupo de quilombolas, que mesmo após seculos de existencia, ainda vivem silenciados no espaço rural brasileiro. As histórias contadas por quem viveu e o que foi vivido por seus antecessores é de grande relevância para o universo acadêmico , uma vez, que revela conhecimentos da vida cotidiana, que ainda precisam ser aprendidos e compreendidos. As comunidades quilombolas são resultados de construções históricas, de um movimento único da história do Brasil, o movimento negro de resistência contra a escravidão para uma nova alternativa de vida (MUNANGA, 2006). Esses grupos são hoje identificados por diferentes órgãos governamentais, ligados ao Ministério da Cultura e o do Desenvolvimento obedecendo a diversos requisitos, alguns deles a aglomeração populacional baseadas na cor, no gênero, sangue (grau de parentesco), traços culturais e contexto histórico. Dados oficiais (IBGE, 2007) informaram a existência de aproximadamente 3.524 comunidades remanescente de quilombos no Brasil. Estima-se que haja dois milhões de quilombolas vivendo nessas comunidades. De acordo com a Fundação Palmares (2010) órgão do ministério da cultura que formula políticas públicas para a população negra, desse total, apenas 172 comunidades são tituladas com o direito a posse da terra e 1.408 certificadas como quilombolas. Mais especificamente em nível de estado, há no imaginário sociocultural do país, uma crença de que o Piauí é um território que pouco participou do processo escravocrata, em que a presença do negro não foi significativa. Por esse viés, a historiografia piauiense tem promovido poucas análises sobre a vida dos afrodescendentes nesse território. O movimento quilombola, sistematicamente retratado na história oficial pela fuga de afrodescentes dos
  13. 13. 13 lugares onde viviam sob regime de escravidão, estabelece-se no Piauí, tal como citado por Mello (2008), pela forte presença da população negra e a existência de muitos quilombos. Trabalhos recentes, como os da Coordenação Estadual de Comunidades Quilombolas no Piauí, já identificaram 136 grupos remanescentes de quilombos, registrando no estado, elevado número de descendentes desse movimento. Esse elevado número de afrodescendente quilombolas no Piauí pode ser explicado, geograficamente por está localizado entre o Maranhão, Pernambuco, Ceará e Bahia, regiões onde havia muitas fazendas e grande fluxo de escravos fugitivos ou não. Uma evidência disso, é que a maioria dos quilombos piauienses são oriundos desses estados, alguns sendo formados, após a abolição da escravatura de 1888. Sobre o quilombo de Brejão dos Aipins acredita-se que este tenha se formado por volta do inicio do século XVIII, a partir desse movimento de fuga de escravos vindos dos estados da Bahia, Pernambuco e Ceará. O isolamento geográfico, o modo de vida, sangue (grau de parentesco), a luta territorial e a marginalidade sócioeducacional, podem ser apontadas como algumas das características da participação desse quilombo, no movimento de resistência contra a escravidão brasileira nos séculos XVII e XVIII, mais especificamente, mostra que o negro participou efetivamente da construção do Piauí como o fez em outros estados (BOAKAR; GOMES, 2006). A comunidade quilombola de Brejão dos Aipins fica localizada no município de Redenção do Gurguéia, ao extremo sul piauiense. O acesso ao município se dá de forma terrestre, pela BR – 135. Por sua vez, o acesso à comunidade se dá por uma estrada vicinal, a 20 km do centro urbano. Essa comunidade passou a ser mais reconhecida no cenário estadual depois de um trabalho de “Mapeamento de comunidades negras rurais no Piauí”, desenvolvido entre os anos de 2000 a 2007 pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (EMATER – PI) em parceria com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). A quase inexistência de registros escritos sobre os eventos que marca sua história revela a importância
  14. 14. 14 de se conhecer mais sobre a trajetória sócio cultural e os aspectos da vida educacional e cotidiana dessa população. Temos presente que as políticas públicas educacionais voltadas à escolarização formal dos afrodescendentes são significativas nas suas melhorias de vida, à medida que podem ser responsáveis por oportunidades que foram vivenciadas também, com esforços próprios desses indivíduos. A ausência e/ou baixa qualidade de escolarização para este segmento da população brasileira, pode ser entendida como fator determinante da exclusão social em que ainda se encontram muitos membros deste grupo. A escola “propriamente dita” só chegou a Brejão dos Aipins ao ano de 1971, após dois séculos de sua existência, quase um século após a abolição oficial da escravatura. Essa ausência, de educação formal, pode ainda ser forte e significativa nas condições de vida de pessoas dessa comunidade, que enfrentam problemas decorrentes, a princípio da necessária gestão participativa dos próprios agentes que são depositários culturais em função de sua existência sociocultural, além disso, vivem em um núcleo relativamente isolado na malha geográfica estadual, e enfrenta agregadas dificuldades: econômicas, sociais, culturais, políticas e educacionais. Assim, este estudo busca in loco retratar esses problemas a partir das questões históricas e educacionais vividas por essa comunidade quilombola. Um trabalho que se configura, ao mesmo tempo num memorial coletivo na qual os descrevem como sujeitos históricos que ao longo tempos ficaram silenciados. Aponta ainda para reflexões importantes, no esforço de melhor conhecer o negro nos espaços rurais piauienses e suas realidades educacionais, contribuindo dessa forma, para outros agentes sociais em situação similar.
  15. 15. 15 CAPITULO I DA CARACTERIZAÇÃO HISTÓRICA O movimento quilombola iniciou no Brasil durante o período colonial, no século XVI, com a fuga de escravos para o quilombo dos Palmares, na região da Serra da Barriga, atual território de Alagoas. Nos vários 1 mocambos palmarinos chegaram a reunir-se mais de 30 mil pessoas, entre negros, índios, brancos fugitivos e pobres livres (MOURA 1988). No Piauí esse movimento se estabeleceu a partir de dois momentos: na passagem dos negros que fugiam de fazendas dos estados da Bahia, Ceará e Maranhão em direção a Palmares. Com as instalações de diversas fazendas de gado pelo português Domingos Afonso Mafrense no inicio da segunda metade do século XVII. Nesse período muitos negros, escravos foram trazidos para trabalharem junto aos vaqueiros nas fazendas da região. Outros, influenciados pelos que eram trazidos, principalmente os parentes, fugiam para se juntarem em grupos nessa região (LIMA, 2008). Fotos 1. Algumas imagens da Comunidade de Brejão dos Aipins (Jan-2012). Acredita-se que o quilombo de Brejão dos Aipins, tenha se formado a partir desse último evento, entre o final do século XVII e inicio do século XVIII. Contam as pessoas mais velhas da comunidade, que foi por volta do ano de 1800 que chegaram os primeiros moradores no território onde atualmente existe a comunidade quilombola de Brejão dos Aipins. Tratava-se de alguns escravos fugitivos que vieram de fazendas dos estados da Bahia e Pernambuco. Estes viam orientados por sertanistas baianos e Pernambucanos que traziam os rebanhos de gado, do rio São Francisco, para a região sul 1 Refúgio de escravos nas matas; quilombo.
  16. 16. 16 piauiense. Os primeiros moradores foram os irmãos Egídio Nunes de Vasconcelos e Teodoro Nunes de Vasconcelos, com suas esposas. Mais tarde, esses moradores buscaram parentes que ficaram para trás, e juntos deram origem ao quilombo. O motivo para se instalarem nessa região foi por tratar-se de um lugar isolado, de difícil acesso, localizado às margens de um riacho - riacho dos aipins -, e nas proximidades de um rio – o rio Gurguéia, também propício para a horticultura, principalmente da mandioca. Esse quilombo ficou conhecido por muito tempo em toda a região como Brejão dos Negros, depois passou a ser chamado de Brejão dos Aipins. A origem desse nome veio da localização geográfica que ficava a beira do riacho dos aipins. Logo após a criação definitiva da capitania do Piauí, em 1758, determinando a Vila da Mocha (atual Oeiras) como capital sede, outras duas vilas foram criadas ao sul do estado: Jerumenha e Parnaguá. Nesse periodo, a região ainda se tornava objeto de cobiça por parte de baianos e paulistas que através das 2 sesmarias recebiam doações de terras por governantes da Bahia, Pernambuco, Pará e Maranhão. A legislação confusa permitia essa prática na época (NETO,2006). Foi ai que o então, governador, João Pereira Caldas nomeou alguns coronéis para se apropriarem e intensificarem a fiscalização das terras na região. Dentre estes vieram o coronel José Martins Rocha e seu irmão João Francisco da Rocha, vindos da vila de Jerumenha. O primeiro ficou sediando a fazenda Miramar, mais tarde, se tornando vila Bom Jesus (cidade de Bom Jesus). O seu irmão, o coronel João Francisco da Rocha, ficou na fazenda Almesca (próxima ao quilombo de Brejão dos Aipins). 2 A Lei das Sesmarias foi uma legislação do reinado de Fernando I de Portugal. Foi promulgada em Santarém a 28 de Maio de 1375, e insere-se num contexto de crise económica que se manifestava há já algumas décadas por toda Europa. A lei das Sesmarias foi como que uma reforma agrária.
  17. 17. 17 Foto 2- Casa onde residiu o coronel João Francisco da Rocha -1865 Fazenda – Almescas. De acordo com alguns moradores, a chegada do 3 coronel João Francisco da Rocha, marca o primeiro grande evento ocorrido com os quilombolas de Brejão dos Aipins, datado por volta do ano de 1865. Trazendo algumas famílias de agregados vaqueiros, e instalando outras fazendas de gado na região, esse coronel na condição de genro do dirigente da província de Parnaguá ocupou a maior parte das terras do quilombo. Dentre as maiores fazendas instaladas estão à 4 fazenda Almescas, Buriti Grande e São Gregório. Algumas ainda na atualidade administradas por descendentes do coronel “Este coronel e sua família, se apossando das terras, e se dizendo generosos, doaram aos negros apenas as terras que hoje envolve o território de Brejão dos Aipins e Cupins” (Fala da Moradora M. B. P. B) Esse episódio, de acordo com alguns proprietários, reduziu em menos de 50% as terras de uso comum dos quilombolas. Além disso, muitas famílias foram obrigadas a trabalhar como agregados nas fazendas instaladas, no cultivo de pastagens e na criação do gado. O primeiro agregado do coronel foi 3 . O coronel João Francisco da Rocha era oriundo da cidade de Oeiras e Tinha três filhos. Segundo informações de familiares foi ao vim para esta região que recebeu a patente de coronel, e o motivo para que ele viesse se instalar na fazenda Almescas era que esta já pertencia ao seu sogro José Martins de Sousa, também dirigente da vila Parnaguá (cidade de Parnaguá). Ele morreu aos 42 anos de infarto fulminante e foi enterrado nas proximidades da fazenda Buriti Grande, onde viveu até os últimos anos de vida. 4 Grande parte dessas terras ainda pertence aos descendentes do coronel, entre eles seu bisneto o Sr. José Martins da Rocha, mais conhecido como José de Ouro administrador da fazenda Buriti Grande, também herança da família.
  18. 18. 18 o senhor José Ribeiro Maia, bisneto do negro Egidio Nunes de Vasconcelos e Simiana Maia de Vasconcelos na fazenda São Gregório, onde trabalhou por muitos anos como vaqueiro. Este passando a ser 5 apadrinhado pelo coronel, se tornou mais tarde um herdeiro de grande parte das terras dessa fazenda. Das terras tomadas, parte ficava a beira do rio e lagoas, com isso os quilombolas de Brejão dos Aipins, passaram ainda a serem proibidos de pescar nas lagoas e rios que ficavam dentro das propriedades. Dessa forma, o peixe muito presente na alimentação desse povo, passou a ser escasso. Além da atividade pesqueira, houve ainda a proibição da caça, os obrigando praticamente a retirar a carne de suas alimentações cotidiana. F. 3 Fazenda Buriti G. F. 4 Engenho. F. 5 Riacho. F. 6 Restos da capela e o tumulo onde está sepultado o coronel João Francisco da Rocha – Cemitério da fazenda Buriti Grande. No ano de 1915, devido ao problema da seca na região do sertão nordestino, que atingiu principalmente, o Ceará, Pernambuco e Bahia, houve um aumento no fluxo migratório de pessoas destes estados para a região sul do Piauí. O motivo era uma região rica em água fluviais e terras fertéis, além disso, muitas fazendas de gado estavam sendo instalada na região, favorecendo na vinda de muitas familias para o trabalho agregado. Nessa época, Brejão dos Aipins recebeu muitos imigrantes que se juntaram a eles para compor o grupo, entre eles, os irmãos Sabino, Francisco e Pedro, pertencentes à família Tó, todos vindos da localidade Manoel Selvanos da região de Xique Xique da Bahia. Para alguns moradores de Brejão dos Aipins a seca de 1915 foi muito extensa, chegando a durar anos, atingindo até mesmo a região do quilombo. 5 Familiarizado, protegido, beneficiado.
  19. 19. 19 Segundo eles, a agricultura atrasada, a baixa produtividade, e a concentração de renda com os grandes latifundiários, eram fatores que somados ao fenômeno da seca, contibuiam com o aumento da fome e as dificuldades de se viver na região. Isso nos lembra Raquel de Queiroz (1930) ao utilizar-se desse cenário para escrever seu livro O Quinze. Essa autora descreve com precisão os períodos de estiagem com a grave carestia (fome generalizada) que fizeram parte da história do Nordeste brasileiro. Especificamente em Brejão dos Aipins com a vegetação local bastante diversificada , que vai desde caatinga a serrados, contando ainda com o brejo e o rio nas proximidades, ainda que, com muitas dificuldades, garantiam a sobrevivência de sua população no período de seca. “Os 6 molhados”, como são chamados, no caso, o buriti e a mandioca, eram alimentos que resistiam à seca, e não faltava no quilombo. Uma outra alternativa para superarem a fome, era a extração do Mucunâ , Jatobá e o Coroatá, frutos nativos da região e ricos em fibras, que eram aproveitados na produção de massas e vitaminas. F. 7 Alguns alimentos nativos dessa região. A falta de água foi uma das dificuldades enfrentadas por estes quilombolas, no entanto, não é vista por eles com destaque. Mesmo após a abolição, com a vigoração da lei áurea em 1888, essa comunidade passou a sofrer sem o apoio governamental. Historicamente marginalizados e sem informação sobre seus direitos, não tiveram garantia territoriais. Devido isso, também não eram beneficiados com as implantações de políticas sociais como 6 As raízes da mandioca e do Buriti acumulam água em suas raízes por um longo período.
  20. 20. 20 as de alternativas de geração de renda, que somados a falta de água comporão os principais desafios vividos por esses quilombolas na época. OS QUILOMBOLAS BREJENSES E A LEI DE TERRAS DE 1947 Outro descaso com os quilombolas de Brejão dos Aipins ocorreu com a Lei de Terras, instituído entre 1947 a 1955. Essa legislação já previa o direito à aquisição de terras ao campesinato negro, ainda que não fosse o da compra (LEITE, 2011). Com a demarcação dessas terras pelo INCRA e a transformação das braças em hectares, deu-se o término da região criando os títulos de terras em datas, como as datas São Gregório e Raposa, envolvendo toda a região pertencente ao quilombo e o povoado de Redenção do Gurguéia. Nesse momento, um comerciante chamado João Nepomuceno da Fonseca, aproveitou-se da falta de informação dos quilombolas e apropriou-se de quase todo o restante das terras do quilombo, demarcando-as em seu nome. Mais conhecido como “Pununça”, João Nepomuceno era fazendeiro e fornecedor de mercadorias e alimentos em toda a região circundante ao quilombo de Brejão dos Aipins e usava se disso, para intimidar as pessoas. Há um acontecimento que é entendido pelos quilombolas como inicio de sua introdução nas terras pertencentes ao quilombo: [...] começou quando Pununça conheceu, o casal Raimundão e sua esposa Marculina, ambos quilombolas, eles não tinham filhos, ganhando a confiança deles,que comprava na sua mão, Pununça conseguiu que eles fizesse doação de parte de suas terras antes de morrerem [...] isso abriu caminho para ele se adentrar em terras que pertenciam a outros quilombolas( Depoimento da Sr A. S. N.). Com esse ocorrido, muitos moradores da comunidade foram embora, dispersando-se para outras cidades da região. Sob explorações, outros foram obrigados a permanecerem como uma espécie de agregado, ou seja, cuidaria das terras, mais sem direito algum de posse. Como eram desprotegidos pelo poder público, nada puderam fazer se não aceita-lo, “como padrinho” por deixá- los com algumas pequenas propriedades, mesmo em local isolado e
  21. 21. 21 diferenciado dos que lhes pertenciam. Dizem os moradores, que alguns descendentes ainda ocupam essas propriedades confiscadas pelo Sr. Pununça, estando estas localizadas nas proximidades da comunidade. ECONÔMIA LOCAL Maestri e Fiabiani (2001p. 64), ao retratar o movimento quilombola na sociedade escravista do sec. XVII e XVIII, explicam que quilombos se estabeleciam em regiões de difícil acesso, mas com proximidades viáveis para desenvolverem suas econômias, baseadas na troca, no circuito de mercadorias excedente de suas produções. Esses autores enfatizam que os quilombos dominavam como pequenos-mercantis especializadas que privilegiavam as trocas com a sociedade oficial, e eram subordinados no sentido de dependerem do intercambio na produção de subsistência para sobreviverem. No quilombo de Brejão dos Aipins, embora houvesse uma econômia baseada na policultura, como a produção do arroz, a banana, o milho, feijão, associado à pesca, á caça, á coleta, á rapina, sua especialidade era sustentada na comercialização da mandioca. O modo de produção desse vegetal era significativamente superior a horticultura de outros alimentos, e era sustentado na plantação intensiva, homogênea e não itinerante. O escoamento da produção era baseado na economia de troca, funcionando como uma espécie de moeda. Pequenos comerciantes, fazendeiros e sociedade circundante representavam as fronteiras agrícolas. Dentre alguns desses comerciantes que escoavam a produção em Brejão dos Aipins estavam o Sr. João Nepomuceno (Pununça), Anfrisio Bento, e o sr. Aureliano Ferreira Nunes, vulgam como (Piliúne). Ambos forneciam mercadorias em troca da produção dos quilombolas, e repassavam para revendedores da Bahia, Ceará e cidades circunvizinhas, como Parnaguá e Corrente. A produção alternativa do sal, algodão, cana-de-açúcar, e o extrativismo local, baseado no aproveitamento do pequi e do buriti, entravam como produtos também valorizados como moeda. Remédios, roupas, calçados,
  22. 22. 22 perfumes, e bebidas, eram algumas das mercadorias desejadas pelos quilombolas. F. 8 Antiga salina. F.9 Alimento produzido. F.10 Fogo à lenha. A existência de registros como a casa de farinha, os pilões, a salina e o fogão a lenha, mostram a estabilidade de produção e resistência desses quilombolas. As casas rústicas feitas de barro, palha e pau a pique, em geral idênticas às moradias, os utensílios domésticos feitos de gamelas de pau, cabaças, as redes tecida no Teá manual, o sabão feito do Timbó e o creme dental da espuma do juá, mostram seus modos de vida e sobrevivência por muito tempo nesse espaço rural. ASPECTOS SOCIOCULTURAIS Maestri e Fiabiani (2001p. 64) refere-se às heranças e legados pela na formação das comunidades quilombolas pelos trazidos da cultura africana. Foram múltiplos os grupos históricos, culturais, lingüísticos e étnicos que foram trazidos do continente africano para o Brasil. Também foi na convivência proximal com os índios tupi-guarani que algumas práticas Culturais e horticultoras foram se assemelhando, como por exemplo, a divisão sexual do trabalho, a produção de hortas cíclicas, e a ajuda dos filhos e filhas. Para os autores ora supracitados, as práticas culturais apóiam-se em essência em procedimentos pragmáticos ancorados em tradições passadas de geração em geração, comumente desenvolvidas no contexto de atos, entre eles: conhecimento empírico da natureza, a qualidade dos terrenos, germinação das plantas entre outros. Além da semelhança no uso de
  23. 23. 23 instrumentos matérias rústicos dos quilombolas com os tupis- guaranis baseados na ausência de tecnologias, a horticultura quilombola ensaia que os produtores não estabelecessem vínculos afetivos com a terra ocupada, abandonada periodicamente (p.74) F.11. Esmola e Reis. F.12. B. do Festejo. F.13 Santos Festejados. F. 14. Batuque de Q. Em Brejão dos Aipins, seguindo as diferentes culturas de seus antepassados, além da horticultura, os quilombolas cultivavam e transmitiam algumas tradições socioculturais oriundas dos povos africanos, entre elas as festividades religiosas como o candomblé e o festejo de todos os Santos, ocorrendo geralmente entre os meses de outubro a novembro, este último trazido da Bahia pelos primeiros moradores, e acontecia no terreiro central do quilombo, mais conhecido entre os negros como 7 Suçuapara. Dentre alguns dos Santos cultivados nessa festa estão, Santa Bárbara e São Benedito. “Ei... Era no mar e na areia, era tempo de pipa, era tempo de roda e lua cheia. Quando eu vi o neguinho jogar capoeira e dá uma rasteira [...] É na beira do mar... Oh! lêlê. É na beira do mar... Oh! lêlê. Acender o mar. Oh! lêlê.” Esse trecho é o refrão de uma música que está entre as tradições socioculturais mais antigas desse quilombo, à capoeira, uma dança trazida com os primeiros negros moradores, geralmente, transmitida entre os mais jovens como forma de ensinamentos na representação das lutas e resistências contra o regime social da escravidão brasileira. De acordo com o portal Suapesquisa.com (2012) ao chegarem ao Brasil, os africanos perceberam a 7 Palavra que faz parte do grupo das crendices populares do quilombo. Segundo os mais velhos esse nome vem da onça suçuarana, bicho valente que aparecia para beber no Brejo assustando o povo da comunidade.
  24. 24. 24 necessidade de desenvolver formas de proteção contra a violência e repressão dos colonizadores brasileiros. Eram constantemente alvos de práticas violentas e castigos dos senhores de engenho. Quando fugiam das fazendas, eram perseguidos pelos capitães-do-mato, que tinham uma maneira de captura muito violenta. Os senhores de engenho proibiam os escravos de praticar qualquer tipo de luta. Logo, os escravos utilizaram o ritmo e os movimentos de suas danças africanas, adaptando a um tipo de luta. Surgia assim a capoeira, primeiramente utilizada pelos africanos vindos de Angola, em seguida espalhada entre os demais. F.15 Capoeira de quilombo. F.16 Maculêlê. F.17. Dança do Marinbondo. Em Brejão dos Aipins o maculêlê e o maribondo eram danças que também faziam parte do universo sociocultural dos negros. Assim como na capoeira elas representavam estilos de lutas disfarçadas na dança. A folia de reis, a esmola, a festa da congada com o levantamento do mastro eram outras festividades cultivadas em alguns períodos do ano, entre os meses de janeiro a junho, além disso, havia as mulheres cantadeiras, as cantigas de roda e as crendices populares, estas últimas faziam parte, principalmente, do universo infantil na cultura local de Brejão dos Aipins. GENEALOGIA DESSES QUILOMBOLAS No ano de 1900, com a vinda do coronel João Francisco da Rocha, foram trazidas com ele algumas pessoas da família Ribeiro, Logo depois vieram às famílias Calisto, Catuaba e Ferreira, originárias dos estados do Ceará e Bahia. Estes se misturando aos quilombolas deram origem a outras
  25. 25. 25 famílias no quilombo. Mas conforme descrevem os mais velhos, a genealogia dos remanescentes do Brejão dos Aipins se configura na seguinte: PRIMEIRA GERAÇÃO – 1800 - os primeiros moradores foram os irmãos Egidio Nunes de Vasconcelos com sua esposa Simiana Maia Nunes de Vasconcelos, Teodoro Nunes de Vasconcelos e José Nunes de Vasconcelos que veio logo depois com seu primo Bertoldo Nunes da Silva. Estes últimos também com suas respectivas esposas. SEGUNDA GERAÇÃO – 1900 - aqui esteve os senhores: Marcelino Nunes de Vasconcelos, Dionísio Nunes de Vasconcelos, Estevão Nunes de Vasconcelos, Nascimento Nunes, Jacinto Nunes de Vasconcelos, Marcelina Nunes de Vasconcelos, Madalena Nunes de Vasconcelos, Francisca Nunes Calisto, Paula Nunes, Juliana Nunes Ferreira, Domingos Nunes da Silva, Quirino Nunes da Silva, Romana Nunes, Ricardina Nunes, Raimundo Nunes, Norberto Nunes Maia, Ana Vitória Maia, Sergio Ribeiro Maia, Manoel Ribeiro Maia, Pedro Nunes de Vasconcelos, Landislau Nunes de Vasconcelos – Vulgam Sr. Lau. Maria Nunes de Vasconcelos, Eliza Nunes Catuaba, Filomena Nunes Catuaba Moisés Ferreira e Avelino Ferreira (Todos in memorian) TERCEIRA GERAÇÃO – 1990 – ficou o Sr. Antonio Calisto, José Nunes (Vulgo Zé Pretinho) Francisca Nunes, Raimundo Nunes, Marinho Nunes, Maria do Carmo Nunes e Benta Nunes, estes deixando muitos filhos e filhas deram continuidade à comunidade.
  26. 26. 26 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Os quilombos rurais surgiram da fuga de africanos para os sertões, não raro apenas chegados á America. De acordo com MAESTRI & FIABIANI (2008), o fato de uma predominância africana nos quilombos até meados do século XIX levaram muitos historiadores a ver de formas simplistas essas comunidades e suas práticas organizativas e produtivas como cópias americanas, que de acordo com os autores supracitados seria impossível. Foram múltiplos os grupos históricos, culturais, lingüísticos e étnicos a que foram trazidos do continente europeu para o Brasil, foram estes grupos os responsáveis pelas possíveis heranças e legados quando a formação das comunidades quilombolas. Os autores acima mencionados (Ibid, 2008) sustentam a idéia de que foi na convivência proximal dos quilombolas com os índios tupi-guarani que algumas práticas horticulturas foram se assemelhando, como por exemplo, a divisão sexual do trabalho, a produção de hortas cíclicas, e a ajuda dos filhos e filhas. Além disso, há uma semelhança no uso de instrumentos matérias rústicos dos quilombolas com os tupi- guaranis baseados na ausência de tecnologias, com uma horticultura, baseada no trabalho manual através da enxada e a roça de toco. As práticas agrícolas pré-modernas apóiam-se em essência em procedimentos pragmáticos ancorados em tradições passadas de geração em geração, comumente desenvolvidas no contexto de atos e “formulas mágicas”, entre eles: conhecimento empírico da natureza, qualidade dos terrenos, germinação das plantas e valores culturais. Em 1740, o rei de Portugal, Dom João V definiu o quilombo ao conselho Ultramaritano, (órgão responsável pelo controle central patrimonial) baseado em cinco elementos: a fuga, um quantidade mínima de fugidos, o isolamento geográfico, moradia habitual referida ao termo rancho, auto consumo e capacidade de reprodução simbolizada na imagem do pilão de arroz (Moura 1983; Almeida 1999). Essa idéia foi se caracterizando ao mesmo tempo, como uma forma de resistência ao sistema colonialista.
  27. 27. 27 Perrutti ( 2007) considera os quilombos como “ grupos sociais que tem identidades étnicas diferentes do restante da sociedade”, que não se reduz a elementos materiais ou traços biológicos distintos. Segundo este autor o quilombo era um lugar de transição da condição de escravo para a de comunidade negra livre. Noutra analise ele compreende os quilombos desde a ocupação de terras isoladas a heranças, doações, recebimentos de terras entre outros. Conforme isso, As comunidades quilombolas têm diferentes origens, algumas comunidades são formadas pelos remanescentes dos quilombos da época escravista, outras se formaram nas terras doadas pelos antigos donos aos escravos libertos ou foram por estes compradas. Existem também comunidades instaladas em terras do estado e em fazendas abandonadas e formam grupos sociais cuja identidade étnica os distingue do restante da sociedade, seja em razão da ancestralidade comum, das formas de organização política e social própria e de práticas culturais típicas. Por conta disso, a classificação de uma comunidade como quilombola não se baseia em um passado de rebelião e isolamento, mas depende de um auto- reconhecimento, de como aquele grupo se compreende e se define (PERRUTI, 2005 p. 13). No quadro das classificações sociais, a categoria negro quilombola, passou na atualidade, a indicar um recorte de grupo específico que vem se mantendo e persistindo ao logo dos tempos através de suas gerações. Segundo Leite (2011, p. 342), a expressão quilombola vem configurar ou expressar uma identidade social e a nortear inclusive políticas de grupos, previstas no artigo 68 da ADTC, em que o termo “remanescente” implica no reconhecimento de formas atualizadas de antigos quilombos nas comunidades rurais ou urbanas. Um tratamento relevante para a compreensão de que a identidade étnica de um grupo é a base para sua de organização, de sua relação com os demais grupos e de sua ação política. A maneira pela qual os grupos sociais definem a própria identidade é resultado da uma confluência de fatores: uma ancestralidade comum, formas de organização política e social, a elementos linguísticos e religiosos etc.
  28. 28. 28 Para a ABA - Associação Brasileira de Antropologia, os quilombos atualmente consistem em grupos que desenvolvem práticas de resistência na manutenção e reprodução de seus modos de vidas característicos. Do ponto de vista da territorialidade, embora, ainda é a questão que se coloca quando se trata do povo quilombola, já se sabe que existe uma relação maior, que transcende a terra e a mera questão produtiva entre esses povos. Assim como acontece com os indígenas, a terra para eles é mais que um bem econômico, que se constitui em bens materiais e imateriais (BRASIL, 2007). Essa relação é que tem fomentado a pesquisa científica na IES e nos órgãos governamentais e contribuído com o desenvolvimento e a implementação de políticas publicas de atendimento específicos as demandas sociais destes grupos, que ainda vivem espalhados e, ao mesmo tempo silenciados nos espaços rurais brasileiros. Os indicadores desiguais e humanitários têm demonstrado a necessidade de intervir nas condições de vida dessas populações. Desigualdades construídas a partir de uma grande diversidade de processos, tanto durante a vigência do sistema escravista, que por mais de 300 anos subjugou negros trazidos da África para o Brasil, quanto após sua abolição no sec XIX. A invisibilidade desses grupos por muitos séculos configurou uma ideia que ainda interfere na vida dos descendentes de quilombo. De acordo com Munanga (2006, p. 68), a crença popular, na passividade dos africanos escravizados no Brasil, na indolência e no conformismo deles diante da escravidão, se associou ao racismo de nossa sociedade, interferindo no imaginário de nossa sociedade a respeito das pessoas que viveram e os que vivem nesses territórios na atualidade: negros e negras. As demandas que marcam as injustiças sociais sobre esses segmentos da população brasileira e suas condições de vida, não foram completamente atendidas, suas alternativas próprias de organização nesses espaços apontam ainda para constante luta contra o racismo e a marginalidade social. Nascimento (2002), um dos militantes pioneiros do quilombismo, ao procurar aperfeiçoar sua tese sobre esses grupos, chama atenção para a necessidade de medidas socioeducativas efetivas quanto ao aspecto coletivo desses grupos, ele defende que deve ser
  29. 29. 29 uma política, elaborada desde o ponto de vista dessas populações, pois, no Brasil ainda há uma tendência cultural bastante homogeneizante e dominadora em relação ao modo de vida desses grupos. Especificamente em relação à comunidade de Brejão dos Aipins, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde de Redenção do Gurguéia (SMS) esta possui atualmente cerca de 70 famílias matrizes residindo em 89 casas aglomeradas e 20 casas dispersas envolvendo também as regiões adjacentes de Cupins, Volta e São Gregório. Os quilombolas sobrevivem basicamente da agricultura de subsistência e do extrativismo local, tendo como principais fontes: a produção de arroz, de feijão, de milho, de mandioca, a extração do buriti e de seus derivados. Soma ainda a criação de animais de pequeno porte como galinhas e porcos. A extensão do território que, atualmente, envolve a comunidade é de 348 ha (INCRA, 2009). Após um trabalho de pesquisa comunitário desenvolvido pelo INCRA em parceria com a EMATER (2007) Brejão dos Aipins passou a ser reconhecida como remanescentes, atuando com uma portaria provisória Emater/ GAB/DIGER/114/2006. No campo da educação, após a promulgação da atual constituição de 1988, afirmando os princípios educacionais baseados na dignidade da pessoa humana e refutando qualquer forma de discriminação ou preconceito, seja de raça, de sexo, de cor, entre outros, que as condições educacionais da população negra passaram por um quadro de mudanças. Esse advento fortaleceu a atuação dos movimentos negros e, ao mesmo tempo, o país procurou introduzir inovações e políticas de valorização educacional do afrodescendente e suas especificidades. Políticas de norteamento, como a Lei de Diretrizes e Bases (LDB/1996) e o Plano Nacional de Educação (PNE), passaram a contemplar questões específicas dos quilombolas, no sentido de garantir o cumprimento de direitos previstos em leis.
  30. 30. 30 CAPITULO II DA CARACTERIZAÇÃO EDUCACIONAL F. 18 Escola F. Nunes F. 19 Crianças da comunidade. A história dos quilombos representa ao mesmo tempo o marco no plano da exclusão educacional de populações negras em espaço rurais. À denominação dada como escravos foragidos das fazendas faziam com que não lhes imprimisse reconhecimentos das leis educacionais (LEITE, 2011, p. 333). Historicamente a criação de escolas em áreas onde se concentravam populações negras quilombolas, só aconteceu com o advento da industrialização no Brasil, com a chegada de capital estrangeiro entre 1950 – 1960. Com tal advento a limitação da educação tornou-se um problema e passou a ser necessário instruir o povo para expandir o capital (PAIVA, 1986). Nesse cenário, coube a proposta de educação popular já idealizada, muito tempo antes, pelo educador Paulo Freire com suas primeiras iniciativas de conscientização política do povo, buscando a emancipação social, cultural e política das classes menos favorecidas, incluindo a massa negra rural. Nos ideais de Paulo Freire, a educação popular estava relacionada à mudança da realidade opressora, ao reconhecimento, à valorização e à emancipação dos diversos sujeitos individuais e coletivos (BRANDÃO, 1981). Contudo, foi somente a partir da implantação de elementos básicos dessa proposta, em 1960, que alguns grupos de afrodescendentes quilombolas rurais começaram a ter acesso à educação formal. Dessa forma, essa ausência de escolarização percorrida ao longo dos anos pode ser considerada marca crucial na vida da população de Brejão dos Aipins. Os dados referentes à educação dessa população ainda são
  31. 31. 31 alentadores: não há registros de crianças fora da escola. Entretanto, a maior parcela da população entre jovens e adultos é analfabeta. Esse quilombo viveu por muito tempo isolado, na maioria das vezes, difamados pelos fazendeiros e pessoas da região como violentos, sujos e incivilizados. Ao tratar das “educações” como um processo que ocorre em vários lugares e de diferentes formas, Brandão (1993), enfatiza que as experiências de aprendizagem ocorrem independentes do processo de escolarização, experiências como do tipo para aprender, para ensinar e para aprender e ensinar pode ser considerado um aspecto educativo não formal. Foi este o conceito de educação que permeou por muito tempo a trajetória de vida dos quilombolas de Brejão dos Aipins. Como não tinham acesso à educação formal, as crianças aprendiam através da transmissão dos costumes, além disso, elas tinham que constituir família muito cedo, e eram obrigadas a participar do trabalho na roça. Esse tipo de transmissão funcionava como uma forma de continuidade no território. Tempos depois, por volta do ano de 1950, algumas famílias que já se encontrava em melhores condições, introduziram os primeiros sinais de educação formal na comunidade, contratando uma pessoa, que dominava um pouco a escrita, a leitura e sabia contar, para ensinar a seus filhos. Esse primeiro professor foi o Sr. Teodoro Ione (vulgo – Sr.Vinca – atualmente 90 anos). As aulas particulares funcionavam na casa do seu pai o senhor Antonio Calisto. Nessa casa funcionava uma espécie de escola, com apenas uma sala de aula bastante pequena, possuía um número de 20 alunos, apenas aqueles onde as famílias podiam pagar. Os equipamentos eram apenas uma mesa grande, onde todos usavam para colocar o caderno e dois bancos, que sentava todos os alunos e o professor. Quanto aos recursos didáticos existiam apenas, o lápis e a carta de ABC. A remuneração do professor paga pelos pais era feita com alimentos, como: Arroz, feijão, milho, farinha, tapioca, e animais como porco, ovelha galinha e etc.
  32. 32. 32 Após dois anos, essa sala de aula passou a funcionar na casa da senhora 8 Eliza Nunes Catuaba, com os mesmos recursos escolares. A metodologia de ensino era baseada na repetição das letras e a resolução das quatro operações de conta, sendo elas: adição, subtração, multiplicação e divisão. Os alunos eram obrigados a aprender ler, escrever e contar. Existia ainda a punição da palmatória, e como se tratava de alunos negros, os castigos eram ainda mais brutais aqueles que não conseguiam aprender tinham que ajoelhar em pedrinhas ao sol ardente, ou levar chibatadas. Havia casos, em que chegavam a ser colocado para lutar, uns com os outros, corpo a corpo no terreiro. As metodologias de ensino, eram muito desumanas e discriminatórias para com essas quilombolas, contam os mais velhos, que muitas crianças evadiam por não suportar os castigos da época, quando não conseguiam aprender. Nessa época não existia divisão de séries, aqueles que iam aprendendo a ler um bilhete e fazer outro, já podiam afastar da sala de aula. No ano seguinte em 1954, veio um professor (nome o qual os moradores não se lembram) da cidade de Bom Jesus, município onde a comunidade pertencia. Segundo lembram, esse professor tinha um conhecimento além dos primeiros, e isso oportunizou novas aprendizagens para os alunos. A remuneração desse profissional era feita através do Órgão municipal – atualmente Secretaria Municipal de Educação de Bom Jesus, as aulas continuaram acontecendo numa pequena sala cedida pela Sr.ª Eliza. Treze anos mais tarde com a criação do MOBRAL um projeto do governo brasileiro, criado pela Lei n° 5.379, de 15 de dezembro de 1967, que propunhava a alfabetização funcional de jovens e adultos, foi que alguns jovens da comunidade tiveram acesso a leitura e a escrita, que até então, ainda que por conta própria, só as crianças tinham. As aulas aconteciam uma vez por semana, com um professor que vinha da cidade para ensinar aos jovens. Esse movimento durou cerca de um ano na comunidade, pois, logo o projeto deixou de existir. 8 Matriarca da família Catuaba na comunidade foi da terceira geração de moradores, sabia ler e escrever, por isso, trabalhava como professora.
  33. 33. 33 Criado e mantido pelo regime militar, durante anos, o MOBRAL, tinha o objetivo de propocionar alfabetização e letramento a pessoas acima da idade escolar convencional. A recessão econômica iniciada nos anos oitenta inviabilizou a continuidade do MOBRAL, que demandava altos recursos para se manter. Seus Programas foram eram geridos pela prefeitura municipal através do Órgão de educação, suas propostas de ensino eram basedas no método Paulo Freire ( 1960) de educação popular (WIKPÉDIA, 2011). No ano de 1972, quase um século após a abolição oficial da escravatura, a escola “propriamente dita” chegou à comunidade. Neste ano foi construído um prédio com duas salas de aula e uma área pátio. Esta escola recebeu o nome de “Filomena Nunes”, em homenagem a uma líder comunitária responsável pelas festividades religiosa (in memorian) e também doadora das terras do Suçuapara, hoje centro das atividades culturais da comunidade (onde existe a escola, Igreja e o espaço festivo. Essa escola teve como primeira professora, 9 Albertina Mariano, lecionando as primeiras séries, tendo a mesma a qualificação da 4ª série primaria. Nesse período a remuneração desta professora já era feita pela Prefeitura de Redenção, que já havia sido emancipada, tendo como prefeito o Sr. José Dário dos Santos. Anos depois, surgiram outros professores, também com a qualificação primária. Como os alunos não recebiam incentivos e passavam por diversas dificuldades para estudar, os índices de escolaridade e evasão eram enormes. Além disso, se tratava de uma comunidade de difícil acesso, a escola trabalhava isoladamente, não existiam diretores, nem apoio pedagógico, e/ou formação, aqueles que terminavam a 4ª serie já podiam ser professores. “agente não tinha acesso aos níveis maiores de escolaridade, o aluno que concluía a 4ª série e não tinha como ingressar no ginásio, que só existia lá na cidade, ou parava de estudar, ou se desse bem com o prefeito ficava sendo professor aqui na comunidade [...] Os professores que conseguiam ir mais adiante, são porque saiam da comunidade para estudar na 9 Era originária da comunidade Piripi, município de Bom Jesus. Veio para essa comunidade ao se casar com dos negros de Brejão dos Aipins. Onde ela ficou atuando como professora por muitos anos.
  34. 34. 34 cidade e ou fizeram o 10 LOGOS, um programa do governo que funcionava na época tipo semipresencial (Depoimento da moradora E. A.C).” Em 1994 a escola Filomena Nunes passou por sua primeira ampliação com mais uma sala de aula. Depois na administração municipal da Sra. Elita Tavares, foi realizado o primeiro concurso municipal onde essa escola, teve a oportunidade de receber professores mais qualificados. Em 2002 foi ampliado o nível de oferta de escolaridade até o ensino fundamental completo. Esse momento representou uma oportunidade para os moradores de Brejão dos Aipins, muitos alunos que haviam parado seus estudos, voltaram novamente à escola, jovens, adultos e até pais de famílias. Com isso elevou-se o número de alunos. Demandando mais uma ampliação da escola, em que foram construídas mais salas de aula, banheiros, secretaria, uma cantina e aumentando o numero de professores. Neste mesmo ano, essa escola, também recebeu seu primeiro diretor o professor Mario Genário Lima. No ano de 2005 essa escola teve a felicidade de contar pela primeira vez com uma negra filha da comunidade na direção escolar, formada e com nível superior, a Professora Mª Benedita (atual diretora). Além disso, recebeu sua primeira equipe de coordenadores pedagógicos, que atuavam junto aos trabalhos da Secretária Municipal de Educação. Uma das grandes felicidades vividas pelos moradores de Brejão dos Aipins, também ocorreu neste mesmo ano, com a festa de conclusão da primeira turma de ensino fundamental na comunidade, em que houve uma belíssima solenidade. Percebe-se através das falas que este evento marcou muitos moradores dessa comunidade, principalmente os pais de alunos. Concluir a 8º serie representou para este grupo uma grande conquista, uma vez, que havia expectativas de que pudessem chegar até esse nível de ensino. Relativo ás questões pedagógicas, no ano de 2007 foi implantada a primeira proposta pedagógica fundamentada da rede municipal de ensino que contemplava as questões especificas voltadas para essa escola. Tal proposta 10 Foi um projeto do Governo Federal em parceria com o estado. O objetivo era a formação de professores leigos para atuarem no magistério.
  35. 35. 35 se orientava pelas DCNRER (Diretrizes Curriculares Nacionais para as Relações étnicas Raciais) primando alguns principios pelo: ensino fundamental de 09 anos e pelo reconhecimento das especificidades dos quilombolas. Previa a Formações continuada de professores para a Educação quilombola. Nesse periodo com o apoio do professor 11 Ranchimit B. Nunes na função de supervisor pedagógico alguns desses trabalhos pode ser concretizado. Atualmente essa escola é frequentada pelos moradores da localidade e de outras comunidades vizinhas, atendendo cerca de 180 alunos (CENSO ESCOLAR, 2011) de Educação Infantil e Ensino Fundamental com faixa etária de 03 a 18 anos, maior parte atendida pelo transporte escolar municipal (não adequado). Devido ao um trabalho desenvolvido nos últimos anos pelas organizações de moradores dessa comunidade e da equipe da Secretária Municipal de Educação em função do reconhecimento étnico desse grupo, a escola vem contando com o apoio de alguns programas específicos do Governo Federal, como o da merenda escolar, Brasil quilombola e PDE escola. Ao todo são 11 funcionários, entre professores e servidores. Para os moradores de Brejão dos Aipins, além da formação recebida, muitas conquistas obtidas nos últimos vinte anos estão relacionadas à presença da escola na comunidade. Tal instituição é muito valorizada por esses moradores, os mais velhos, que não tiveram acesso à educação formal, relacionam o sucesso dos projetos da comunidade ao apoio da escola. Segundo esse ponto de vista, os professores e os jovens estudantes ajudam a comunidade com base nos conhecimentos aprendidos. De acordo com esses moradores, mesmo com muitas dificuldades, as condições de vida melhoraram muito nos últimos dez anos. Eles lembram que, no passado, elas eram maiores. Segundo se percebe, a situação começou a mudar mesmo na década de 1990. A partir de então, houve algumas conquistas, que proporcionaram melhoria na infraestrutura do lugar, geraram melhores condições de trabalho e ainda garantiram novas fontes de renda. Dentre essas, destacam-se: o 11 Professor da rede municipal de ensino, exercia na época, a função de Supervisor Pedagógico de todas as escolas da rede municipal de ensino de Redenção do Gurguéia-PI.
  36. 36. 36 fornecimento, pela comunidade, de produtos agrícolas para a merenda escolar; a melhoria das casas e da estrada que liga o Brejão à sede do município; a implantação da rede elétrica; a miniusina de beneficiamento de arroz; as melhorias na casa de farinha; e o poço artesiano com rede de distribuição para as moradias. A maior parte das obras foi concretizada por meio de ações comunitárias, através das associações, igreja e escola. As relações cooperativas dessa comunidade com a escola mostram como a educação formal tem sido forte e significativa na vida dessa população, de outra forma, mostra como esses grupos de afrodescendentes estão tentando se manter face às mudanças estruturais ocorridas no seu próprio interior e na sociedade circundante. Suas opiniões, medos, ansiedades, expectativas e esperanças em torno da escola, indicam que, apesar das dificuldades socioeconômicas e do preconceito que ainda enfrentam por conta das origens e da cor, ainda é a melhor possibilidade de saídas e superação (BOAKARI, 2011).
  37. 37. 37 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa foi desenvolvida na comunidade quilombola de Brejão dos Aipins, localizada na zona rural do município de Redenção do Gurguéia no Estado do Piauí. Participaram também pessoas mais velhas do município, que conheceram direto e/ ou indiretamente esse quilombo. Um dos critérios de escolha dessa comunidade foi devido a experiências vivências próprias nas proximidades da mesma. Além disso, há uma necessidade imperiosa de registros escritos sobre a trajetória sociocultural desse grupo. A pesquisa compreendeu, enquanto acontecia à observação participante, aplicação de entrevistas guiadas sobre a história local e a história da educação escolar da comunidade, que foram induzidas com questões abertas a um grupo de seis pessoas, às quais entrevistamos quatro da comunidade e duas colaboradoras. Essas pessoas foram convidadas para participar voluntariamente da pesquisa. O critério de escolha era entre os parentes dos moradores protagonistas antigos e conhecedores locais da história. Esperávamos conhecer, com a colaboração dos participantes, de maneira mais clara, os acontecimentos que marcaram a história da comunidade, para assim, desenvolvermos um trabalho de caracterização histórica e educacional sobre a mesma. Os métodos utilizados para alcançar os objetivos propostos neste trabalho foram organizados a partir dos instrumentos de coleta de dados apoiados fortemente em fontes orais, através das entrevistas, conduzidas individualmente. Para garantir a confiabilidade dos depoimentos narrados, foram realizadas gravações em um aparelho de áudio, ajudando na comprovação da consistência dos dados. Além disso, utilizamos anotações de campo. Essas técnicas foram úteis na organização, na transcrição e interpretação dos dados e “devem ser compreendidos como meios específicos que viabilizaram o trabalho.
  38. 38. 38 Também recorremos ao trabalho com fontes documental iconográficos, e literário, como livros, revistas e documentos oficiais que marca a demarcação das terras do quilombo pesquisado e documentos da escola. Tentamos unir essas fontes, a fim de melhor obtermos informações sobre os sujeitos da pesquisa. Foram retiradas ainda fotografias, de alguns pontos da pesquisa, no caso de filmagens não foram permitidas pelos sujeitos. Os depoimentos coletados constituirão o corpus da pesquisa que foram transcritos e depois organizados. O processo de construção do texto foi desenvolvido a partir da história descritiva contada pelos sujeitos, com foco na análise da periodicidade, dos eventos ocorridos e na trajetória educativa. Na transcrição escrita o nível de detalhes, como as normas gramaticais foram seguidas, com também ao transcrever as falas, tivemos a habilidade literária de manter o texto escrito fiel à essência dos dados obtidos. Quanto ao processo de interpretação, este ocorreu continuamente ainda quando coletando os dados (Questionando os depoimentos e as informações). Assim, os métodos utilizados nesta pesquisa obedeceram às diferentes etapas apresentadas, considerando os objetivos propostos para este trabalho. Em momento nenhum houve caso de extremos imprevistos, como acidentes, que pudesse a pesquisa ser suspensa ou encerrada. No entanto, o critério previsto para tal evento seria o de um replanejamento da metodologia e das estratégias da pesquisa.
  39. 39. 39 CONSIDERAÇÕES FINAIS As estatísticas atuais de um modo geral têm mostrado que a abolição formal da escravatura, oficializada pela lei nº 3.353, de 13 de maio de 1888 - Lei Áurea - não representou o fim da segregação e do não acesso aos direitos sociais para negros e negras, e isso se reflete fortemente na realidade das comunidades quilombolas, constituídas em todas as regiões do país. Em Brejão dos Aipins, por exemplo, as condições de acesso aos serviços de saúde e educação ainda são precárias. Estima-se que o Índice de Desenvolvimento Humano - IDH dessa população esteja abaixo da média local que é de 0, 583. As explicações para isso estão associadas às consequências de uma fragilidade de vida, imposta a essa população ao longo de sua história. As comunidades remanescentes de quilombos como a de Brejão dos Aipins fazem parte do patrimônio cultural da nação (CF/88, art. 216). Elas retratam e preservam a cultura afro-brasileira, remanescente do povo africano que colonizou este País e, portanto, devem ser protegidas pelo Estado, de acordo com o art. 215, §1º, da Constituição Federal de 1988. A identificação e titulação desses territórios tradicionais são verdadeiramente um direito humano e, por isso, devem prevalecer frente aos direitos patrimoniais. Acontece que o trajeto é longo, existem muitas comunidades quilombolas que ainda estão à margem do reconhecimento. A inserção dessas comunidades no art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição da República que contempla a obrigação do Estado em emitir o título definitivo das terras ocupadas pelos remanescentes de quilombos é um processo político, burocrático e lento. Aponte-se que o reconhecimento pelo referido artigo em nível constitucional vem ocorrendo recentemente, a mais de cem anos da abolição da escravatura. Isso significa que por mais de um século esses grupos humanos foram abstraídos da cultura nacional. Essa invisibilidade ocasionou uma ignorância sobre os modos de ser e viver das comunidades remanescentes de quilombos. No caso da comunidade de Brejão dos Aipins, embora, já tenham dado o primeiro passo no caminho do reconhecimento, por força dos longos anos de
  40. 40. 40 desprezo, a sociedade circundante vem tentando reconhecer sua história. Os fenômenos que explicam sua real existência por muito tempo vêm sendo despercebida. A grande maioria da população redencense ainda não compreende as relações e vínculos que se estabelecem dentro dessa comunidade. Os integrantes desse grupo, também de humanos, estritamente minoritários, desfalcados de recursos econômicos e políticos, não têm mecanismos próprios para se auto-afirmarem. Dessa forma, fica quase impossível exercerem seus estados de Direito. Quanto ao aspecto educacional, há uma necessidade imperiosa da formação de professores quanto a essa questão na comunidade. Provocar essa demanda específica na formação docente em Brejão dos Aipins é um exercício de cidadania. Por outro lado, o conceito de quilombo ainda está restrito às denominações de núcleo de escravo fugido; esconderijo de escravo no mato; habitação clandestina; comunidade negra rural; grupos sociais descendentes de escravos africanos. E, é está visão estereotipada sobre a representação desse segmento de negros que é transmitido na escola, ignorando o conhecimento científico, técnico, lingüístico, estético e a visão de mundo dos africanos e afro-brasileiros. Portanto, são denotações limitadas para designar a complexidade desse fenômeno. A bagagem cultural africana é matriz importante na formação do povo brasileiro. Os povos africanos não foram responsáveis somente pelo povoamento do território brasileiro e pela mão de obra escrava. Podemos destacar algumas contribuições pedagógicas dos povos africanos: oralidade, alunos e alunas contadores de histórias; a circularidade, que é um valor civilizatório afro-brasileiro, pois aponta O Censo 2010 mostrou que a taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais varia de acordo com cor ou raça. Enquanto na população de cor branca é de aproximadamente 19%%, na que se declarou de cor preta ou parda, atingiu mais de 30%. Neste sentido, é fundamental rever os currículos escolares e dos cursos de formação de professores, que ainda são formados a partir de uma visão homogeneizadora e linear da história, conduzindo-os a uma neutralidade que ignora valores básicos da composição pluriétnica da sociedade brasileira.
  41. 41. 41 É impossível ser um educador ético quando se ignora a globalização, o multiculturalismo, as questões étnicas, as novas formas de comunicação, as manifestações culturais e religiosas, as diversas manifestações de violência simbólica e a exclusão social que configuram diferenciados cenários sociais, políticos e culturais. Em algumas comunidades remanescentes de Quilombos como Brejão dos Aipins já houve mudanças bem sucedidas na prática pedagógica, com o objetivo de compreender a importância das questões relacionadas à diversidade étnico-racial e lidar positivamente com elas, destacando-se: preservar os recursos naturais existentes na comunidade; valorizar os costumes da cultura afro-brasileira e a preocupação com a importância do resgate histórico da cultura local; re-significar a dinâmica do poder e as relações sociais de dominação. Portanto, nos urge pensarmos nestas comunidades como grupos que resistiram ou manifestamente se rebelaram contra o regime escravista e formou territórios independentes onde a liberdade e o trabalho comum passou constituir símbolos de liberdade, autonomia, resistência e diferenciação do regime de trabalho escravista. Cabe a todos nós educadores a árdua tarefa ética de mudar esse equivocado paradigma secular tendo agora uma visão mais ampla sobre esses grupos que ultrapasse a simples questão fundiária e considere os aspectos étnicos, históricos, antropológicos e culturais.
  42. 42. 42 REFERÊNCIAS ALMEIDA, A. W. B. Quilombos e as novas etnias. Manaus: UEA Edições, 2011. ARRUTI, José Maurício Andion. Mocambo: Antropologia e História do processo de formação quilombola. Bauru, SP – Edusc, 2005. 370 p. (Coleção Ciências Sociais). BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação? São Paulo: Brasiliense, Coleção primeiros Passos, 1993 BRANDÃO, C. R. O que é o método Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 1981. BRASIL, Constituição Federal de 1988. Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, art. 68. BRASIL, Ministério da Educação. Censo escolar. Brasília, 2011 BOAKARI, F. M.; GOMES, A. B. Comunidades negras rurais no Piauí: mapeamento e caracterização sociocultural. EDUFPI: Teresina, 2005 CARRIL, Loudes. Terras de Negros. Heranças de Quilombos. São Paulo: Scipione, 1997. Coordenação Estadual de Comunidades Quilombolas do Piauí. Disponível em: <http// www.cecoqpi.blogspot.com/2010>. Acesso em: 20 mai. 2011. Educação Popular e a construção de um poder ético em Paulo Freire. Revista eletrônica espaço acadêmico: nº 78 – novembro/2007. p 1- 4. Disponível em: <http//www.espacoacademico.com.br >. Acesso em: 26 fev. 2012. FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: os quilombos, da escravidão às comunidades remanescentes 1532 – 2004. São Paulo: Expressão popular, 2005. HILL, Christhoper. O mundo de ponta a cabeça. Ideias radicais durante a Revolução inglesa de 1640. Tradução: Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Brasília, 2010. LEITE, Ilka Boaventura. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica: Lisboa, 2011. V. IV n. 2, p. 333-354. MAESTRI, M.; FIABIANI, A. O mato, a roça e a enxada: a horticultura quilombola no Brasil escravista (séculos XVI-XIX). In: MOTTA, M.; ZARTH, P. (org). Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história. Concepções de justiça e resistência nos Brasis. São Paulo: Ed. Da Unesp/Brasília: NEAD, 2008, PP. 63-84 (ED 1)
  43. 43. 43 MELO C. R. Quilombos no Piauí: históricas territorialidades. (Org.) Lima, S. Oliveira: Sertão Negro: escravidão e africanidades no Piauí. Rio de Janeiro: Booklink; Teresina: matizes, 2008. MOURA, Clóvis. Quilombos, Resistência ao Escravismo, São Paulo: Ática, 1987. ______ A sociologia do negro brasileiro. ______. Rebeliões na senzala, quilombos, insurreições, guerrilhas. São Paulo: Ciências Humanas, 1981. MUNANGA, Kabengele. GOMES, L. N. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2006. NASCIMENTO, Abdias do. O quilombismo. Salvador: CEAO/EDUFBA, 2002. NETO, Adrião. Geografia e História do Piauí para estudantes. Teresina: Geração 70, 2006. SUAPESQUISA. COM. História da capoeira. Disponível em: http/ www.suapesquisa.com/educacaoesportes/historia_da_capoeira. Acesso em 12 de maio de 2012. PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Notícia da Prima Pagina: No Brasil, Índice de desenvolvimento humano da população negra. Brasília, 2010. Disponível em: < www.pnud.org.br >. Acesso em: 10 fev.2012. THOMPSON, P. A voz do passado. História oral. São Paulo: Paz e Terra, 1998. ______.______. História oral. Tradução de: Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.
  44. 44. 44 Apêndices
  45. 45. 45 1 – Guia de Pesquisa 1 – Fale sobre a origem da comunidade, dos aspectos geográficos e as adjacências. 2- O que se sabe sobre o coronel João Francisco da Rocha. 3 – Falem um pouco da seca de 1915 e as ocorrências em Brejão dos Aipins nesse período. 4- Sobre o que se sabe da lei de terras e o ato de demarcação publica nessa região. Sobre o senhor João Nepomuceno. 5- Fale a respeito da genealogia dos moradores dessa comunidade. 6- Sobre a economia local: Fontes de renda, formas de comercialização. 7 - Da educação: conte um pouco da sua trajetória escolar na comunidade. 8 - Sobre a escola e os professores e de como eram os métodos de ensino. 9 – Nos relate a respeito de seus desafios e de suas conquistas educacionais aqui na comunidade.

×