UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBAFCSAC – FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E                 COMUNICAÇÃO              ...
Carina Tavares                Diego Claret                 Gean Pitta                Helen Martins    PROJETO INTEGRADO EM...
Agradecemos à todos que nos ajudaram a viabilizar a execução         deste trabalho, em especial aos funcionários do DMAPH...
Índice1. Resumo......................................................................................................... 2...
ResumoPor ter sido construído relativamente há pouco tempo, menos de vinte e cincoanos, o prédio onde está localizado o Mu...
IntroduçãoO trabalho busca apresentar o museu histórico Professor Paulo CamilherFlorençano, enaltecendo todos os fatos imp...
HistóricoEm 12 de dezembro de 1975, através da Lei Municipal n° 1.559, o Prefeito deTaubaté criou a Divisão de Museus, Pat...
indígenas Puris, Jerominis e Guianás, passando pela fundação da cidade porJacques Félix em 1640, e por vários fatos marcan...
Imagem 2 – Entrada da Exposição Permanente “Taubaté na História do Brasil”.                     Em destaque, busto de D. J...
Professor Paulo Camilher FlorençanoNasceu em Taubaté, em 18 de abril de 1913. Faleceu em 28 de maio de 1988.Foi Professor ...
Exerceu, desde 1976, com dedicação e proficiência inexcedíveis, o cargo dediretor da Divisão de Museus, Patrimônio e Arqui...
Análise ComunicacionalMídias: Não foi encontrado nada além de trabalhos universitários no sitewww.youtube.com, sem qualque...
Imagem 5 – Notícia de 05/12/1988 do Jornal O Taubateano, informando a inauguração do local. A notícia encontra-se no canto...
Trabalhos publicitários Impressos: Não existiu qualquer tipo de publicidadeque pudesse ser relevante no caso do patrimônio...
Diagnóstico da SituaçãoOportunidades e Ameaças: Por ser o único museu histórico da cidade, acapitação de visitantes é faci...
Plano de comunicaçãoBlog: O patrimônio, em questão, não possui um site oficiais, tendo apenas seuendereço disponibilizado ...
Flyer: Por não ter sido encontrado material publicitário do local, criamos umflyer do museu histórico, apelando em sua lin...
Vídeo Viral: Para atrair o público mais jovem, foi proposto um vídeo viral,utilizando um jogo de imagens entre o museu e o...
Imagem 11 – Storyboard do vídeo viral.Vlog: O vlog foi desenvolvido para mostrar um jovem e seu pensamento sobrecultura e ...
Imagem 12 – Storyboard do vlog.                           Considerações FinaisÉ visível, com este trabalho, que a cultura ...
Referências BibliográficasDados históricos fornecidos pelos funcionários do DMPAH – Departamento deMuseus, Patrimônio e Ar...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Taubaté Museu Prof. Paulo Camilher Florençano

685 visualizações

Publicada em

Taubaté - Proposta Comunicacional para o Museu Prof. Paulo Camilher Florençano

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
685
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Taubaté Museu Prof. Paulo Camilher Florençano

  1. 1. UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBAFCSAC – FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO Carina Tavares Diego Claret Gean Pitta Helen Martins PROJETO INTEGRADO EM COMUNICAÇÃO II TRABALHO SOBRE O MUSEU HISTÓRICO PROFESSOR PAULO CAMILHER FLORENÇANO São José dos Campos – SP 2011
  2. 2. Carina Tavares Diego Claret Gean Pitta Helen Martins PROJETO INTEGRADO EM COMUNICAÇÃO IITRABALHO SOBRE O MUSEU HISTÓRICO PROFESSOR PAULO CAMILHER FLORENÇANO Trabalho de conclusão da disciplina Projeto Integrado em Comunicação II, ministrado pela Professora Hellen Pacheco, apresentado como exigência dos cursos de Jornalismo, Publicidade e Rádio TV da FCSAC, da UNIVAP - Universidade do Vale do Paraíba. São José dos Campos – SP 2011
  3. 3. Agradecemos à todos que nos ajudaram a viabilizar a execução deste trabalho, em especial aos funcionários do DMAPH.Pessoas sempre solícitas, que com suas informações enriqueceram este trabalho e a nós mesmos.
  4. 4. Índice1. Resumo......................................................................................................... 22. Introdução ..................................................................................................... 33. Histórico......................................................................................................... 44. Professor Paulo Camilher Florençano.......................................................... 75. Análise Comunicacional................................................................................ 96. Diagnóstico da Situação.............................................................................. 127. Plano de comunicação................................................................................. 138. Considerações Finais.................................................................................. 209. Referências Bibliográficas........................................................................... 21
  5. 5. ResumoPor ter sido construído relativamente há pouco tempo, menos de vinte e cincoanos, o prédio onde está localizado o Museu Histórico Professor PauloCamilher Florençano não é tombado como patrimônio histórico, e não existeprojeto nesse sentido.Este fato, somado ao local ter como finalidade ser utilizado pelo público,facilitou o acesso a todas as salas do museu e aos materiais disponíveis. Apartir do vasto acervo oferecido, foi direcionado o trabalho no sentido devaloriza-lo para todos os públicos, aumentando o número de visitas através deestratégias de comunicação.Palavras chave: divulgação; memória; museu.
  6. 6. IntroduçãoO trabalho busca apresentar o museu histórico Professor Paulo CamilherFlorençano, enaltecendo todos os fatos importantes relativos ao museu, desdesua fundação, trajetória e momento atual. O museu histórico, atualmentedirigido pelo Prof. Fred Humbert Reis, fica localizado no DMPAH –Departamento de Museus, Patrimônios e Arquivos Históricos, que responde àSETUC – Secretaria de Turismo e Cultura e por sua vez à Prefeitura Municipalde Taubaté.Abordamos neste trabalho apenas as salas localizadas dentro do Edifício Prof.Paulo Camilher Florençano, que são elas a Pinacoteca Anderson Fabiano, aHemeroteca Antônio Mello Júnior, o Arquivo Histórico Félix Guisard Filho, abiblioteca pública e a exposição permanente “Taubaté na História do Brasil”.Apesar de estarem localizados no DMPAH, não abordamos o MISTAU –Museu da Imagem e do Som, como também não o Museu dos Transportes eTecnologia Rural, por não serem parte do museu histórico.Além dos museus, mostramos um breve texto sobre a figura do Prof. PauloCamilher Florençano, idealizador do museu, falecido no ano de suainauguração.Após a apresentação do patrimônio, são expostas todas as dificuldades decriar um plano comunicacional para um museu com rara renovação do acervo,focando nosso plano de comunicação na riqueza deste acervo e na valorizaçãoda memória da cidade de Taubaté e do Vale do Paraíba.
  7. 7. HistóricoEm 12 de dezembro de 1975, através da Lei Municipal n° 1.559, o Prefeito deTaubaté criou a Divisão de Museus, Patrimônio e Arquivo Histórico de Taubaté(DMPAH), com duas salas de exposições no Colégio de Nossa Senhora doBom Conselhoo (hoje, faculdade de medicina da UNITAU), sendo seu primeirodiretor o professor Paulo Camilher Florençano, museólogo e históriador.Após ser trasferido para o Solar dos Oliveira Costa, na Rua Visconde do RioBranco, foi constatado, em 1987, a falta de espaço físico para todos os objetosdisponíveis ficarem em exposição. Foi idealizado então, a construção de umprédio amplo, para ser a definitiva instalação do museu e todo o acervodisponível ter a devida exposição.Em 05 de dezembro de 1988, durante as comemorações dos 343 anos dafundação de Taubaté, foi inaugurada a nova instalação permanente do museu.Situado no Jardim Ana Emília, à rua Thomé Portes Del Rey, 925, a imponenteconstrução evoca os grandes casarões das ricas fazendas de café do SegundoReinado.No complexo museológico construído, funcionam três museus: Museu HistóricoPaulo camilher Florençano, o MISTAU - Museu da Imagem e do Som e Museusdos transportes e tecnologia rural. O museu histórico é formado por váriassalas. A primeira é a Pinacoteca Anderson Fabiano, com pinturas e esculturasproduzidas predominantemente por artistas valeparaibanos paulistas, sendoalgumas obras de pintores taubateanos que retratam a realidade e história daregião. Outra sala é a Hemeroteca Antõnio Mello Júnior, com jornais e revistasdatados desde 1861, como o primeiro jornal da cidade, "O Taubatéense". OArquivo Histórico Félix Guisard Filho, composto por escrituras, documentosoficiais e documentos cartorários em geral, datados a partir de .Compõetambém o museu histórico uma biblioteca pública com mais de 50.000 volumese a exposição permanente "Taubaté na História do Brasil", que descortina aHistória de Taubaté, levando o visitante em uma viagem no tempo de formacronológica, desde os primeiros habitantes do Vale do Paraíba, os grupos
  8. 8. indígenas Puris, Jerominis e Guianás, passando pela fundação da cidade porJacques Félix em 1640, e por vários fatos marcantes na história do Brasil, ondeTaubaté e Vale do Paraíba fizeram parte, através de painéis com textosdidáticos e gráficos, móveis, louças e outros objetos referentes a cada períodohistórico.Aproximadamente 30% do acervo é proveniente do primeiro Museu Históricode Taubaté, que existiu na década de 1940, por volta de 50% do acervorestante é resultado de doações particulares e 20% foi aquisição da PrefeituraMunicipal.Além de seu acervo o museu histórico proporciona regularmente atividades deintegração com a comunidade, visitas monitoradas, estabelece políticas deaquisição, cuidado e seleção de peças, identificação de obras e a pesquisa nasdisciplinas básicas das ciências humanas. Imagem 1 – Fachada do Museu Professor Paulo Camilher Florençano.
  9. 9. Imagem 2 – Entrada da Exposição Permanente “Taubaté na História do Brasil”. Em destaque, busto de D. João VI. Imagem 3 – Pinacoteca Anderson Fabiano. Pinturas e Esculturas em exposição.
  10. 10. Professor Paulo Camilher FlorençanoNasceu em Taubaté, em 18 de abril de 1913. Faleceu em 28 de maio de 1988.Foi Professor primário e secundário de Desenho e História na Escola Normaldo Município de Taubaté.Foi desenhista-projetista do Departamento de Educação Física e desenhista-chefe da Secção de Propaganda e Educação Sanitária de Departamento deSaúde (São Paulo).Mais tarde, foi ilustrador do jornal O Correio Paulista, da Capital. Seusdesenhos ilustraram livros e revistas culturais da Capital do Estado. Foicolaborador de assuntos de História em diversos jornais paulistanos e cariocas.Foi descobridor da velha mansão setecentista que mais tarde passou a abrigaro Museu “Casa do Bandeirante”, da qual foi responsável pelo plano de “Ensaiode Recomposição do Ambiente Rural-Doméstico”, de sua época (meados doséc. XVIII); e do Museu “Casa do Grito”, ensaio de recomposição do ambientede um “Pouso Tropeiro”, que planejou e instalou; conservador do Museu “Casado Bandeirante”.Foi diretor da Divisão do Arquivo Histórico Municipal de São Paulo, tendo,nessa função conseguido reatar a publicação da Revista do Arquivo e salvardois importantes edifícios do passado paulistano, ameaçados de desabamentopor imposições urbanísticas: o sobrado que pertenceu à Marquesa de Santos(na rua Roberto Simonsen) e o antigo Mercado Municipal de Santo Amaro.Ainda na chefia do Arquivo Histórico, propôs a criação do “Centro de Estudos eBibliotecas Especializadas em Assuntos Bandeirantes”, anexo à “Casa doBandeirante”, sugerindo que à referida Casa fosse dado o nome do historiadorAfonso E. Taunay.Como museólogo, planejou e dirigiu a instalação dos museus “Regional deUbatuba”; do “Ciclo Sócio-Econômico do Vale do Paraíba”, em Aparecida;“Museu de Artes Plásticas”; “Museu de Arte Sacra, Arquivo e PatrimônioHistóricos”, de Taubaté. Planejou os museus “Dona Beja”, em Araxá-MG; de“Arte Brasileira”, em Serra Negra-SP , e a reforma do Museu da Infância“Monteiro Lobato” a fim de torná-lo “Sítio do Pica-Pau-Amarelo”.
  11. 11. Exerceu, desde 1976, com dedicação e proficiência inexcedíveis, o cargo dediretor da Divisão de Museus, Patrimônio e Arquivo Histórico da PrefeituraMunicipal de Taubaté, instituição que planejou e organizou dentro dosmodernos conceitos do ICON – unidade especializada da UNESCO.Exerceu, também, a Presidência da Comissão Municipal de Cultura e daComissão Técnica de Tombamento.Destacou-se como fotógrafo, recebendo vários prêmios retratando dasedificações paulistanas às casas dos antigos caboclos do Vale do Paraíba.É autor de vários livros publicados e trabalhos jornalísticos.
  12. 12. Análise ComunicacionalMídias: Não foi encontrado nada além de trabalhos universitários no sitewww.youtube.com, sem qualquer autorização dos responsáveis pelo museuhistórico e com vídeos de baixíssima qualidade e sem um roteiro trabalhado.Trabalhos Jornalísticos e Clipping: As três únicas notícias referentes aomuseu histórico foram encontradas em seu próprio arquivo histórico e remetema data de 05 de dezembro de 1988, dia da fundação do Museu. As notíciaforam veiculadas pelo Jornal Diário de Taubaté, O Taubateano e Gazeta deTaubaté, principais jornais taubateanos da época, sendo que apenas o primeiroainda está em atividade. Todas as notícias com assinaturas do próprios jornais. Imagem 4 – Notícia de 05/12/1988 do Jornal Diário de Taubaté, informando a inauguração do local
  13. 13. Imagem 5 – Notícia de 05/12/1988 do Jornal O Taubateano, informando a inauguração do local. A notícia encontra-se no canto inferior esquerdo.Imagem 6 – Notícia de 05/12/1988 do Jornal O Taubateano, informando a inauguração do local. A notícia encontra-se no canto inferior direito.
  14. 14. Trabalhos publicitários Impressos: Não existiu qualquer tipo de publicidadeque pudesse ser relevante no caso do patrimônio. Fomos informados quefolhetos simples são feitos esporadicamente para divulgação de algum eventono local. Não conseguimos um exemplar destes folhetos.O museu não tem nenhum tipo de tipografia ou cores padrões, apenas usamem todos os seus documentos oficiais o logotipo do DMPAH – Departamentode Museus, Patrimônios e Arquivos Históricos. Imagem 7 – Logotipo utilizado nos documentos do museu histórico.
  15. 15. Diagnóstico da SituaçãoOportunidades e Ameaças: Por ser o único museu histórico da cidade, acapitação de visitantes é facilitada. Porém, o baixo orçamento disponibilizadopela Prefeitura é um dificuldade encontrada.Pontos Fortes e Fracos: O museu goza de um vasto acervo, bem conservadoe dispõe de funcionários muito bem capacitados e está bem localizado próximoa rodoviária intermunicipal de Taubaté. Porém, a falta de divulgação do local éo principal problema, oferece apenas esporadicamente atividades culturais.como também sua administração centralizada são problemas do local.Análise de cenários: O museu tem potencial, espaço e material para tornar-seum dos mais conhecidos museus do Vale do Paraíba. Todos os fatosapresentados anteriormente, mostram que a administração pública deixa adesejar na divulgação do local, bem como em sua utilização para promovereventos culturais para todas as classes sociais, disseminando a cultura e seauto-promovendo.Imagem 8 – Jornalistas utilizando o acervo histórico. Há espaço e material para receber um volume maior de visitantes, pesquisadores e outros profissionais.
  16. 16. Plano de comunicaçãoBlog: O patrimônio, em questão, não possui um site oficiais, tendo apenas seuendereço disponibilizado na seção museus, do site oficial da cidade deTaubaté. Por conta disso criamos, não só um blog, mas um portal, para todotipo de informação, referente ao museu, ser disponibilizada no site.Procuramos um layout sem poluição visual, facilitando o acesso e sendo maisatraente ao público. As principais seções seriam as de “Eventos”, atualizadosemanalmente e a seção “Vídeos”, com os vídeos institucionais, vídeos virais epostagens do vlog. Por ser um local público, em atividade, não foi permitido suapublicação na internet. Imagem 9 – Página principal do Portal proposto. Cada janela leva a categoria marcada acima. E a porta leva ao histórico do museu. Ao clicar no texto “Blog do Museu Histórico Professor Paulo Camilher Florençano” o internauta é levado a página do Blog, atualizada semanalmente.
  17. 17. Flyer: Por não ter sido encontrado material publicitário do local, criamos umflyer do museu histórico, apelando em sua linguagem para o lado emocional.Imagem 10 – Impresso de divulgação proposto. Podendo ser utilizado como flyer, cartaz, página de revista ou jornal.
  18. 18. Vídeo Viral: Para atrair o público mais jovem, foi proposto um vídeo viral,utilizando um jogo de imagens entre o museu e o site de buscas maisconhecido da internet, o Google. No final, uma frase de humor, para criarempatia com o público mais jovem.
  19. 19. Imagem 11 – Storyboard do vídeo viral.Vlog: O vlog foi desenvolvido para mostrar um jovem e seu pensamento sobrecultura e museus. Atraindo a atenção daqueles que pensam da mesma forma edos que não pensam e querem criticar.
  20. 20. Imagem 12 – Storyboard do vlog. Considerações FinaisÉ visível, com este trabalho, que a cultura local deve ser valorizada. Porém,atualmente, o Museu Histórico Professor Paulo Camilher Florençano é umoásis de cultura escondido em um deserto de descaso.Através deste trabalho propomos vários tipos de mídias para divulgar o museuhistórico.O projeto inicial, principalmente as storyboads dos vídeos foram modificadasdiversas vezes para que possa ser bem recebido pelo grande público, sendodesenvolvidas peças com apelo emocional, didático e humorístico.Que essas peças possam sair do trabalho e ganhar as ruas, para o bem doMuseu Histórico e para o bem da cultura Vale Paraíbana.
  21. 21. Referências BibliográficasDados históricos fornecidos pelos funcionários do DMPAH – Departamento deMuseus, Patrimônio e Arquivos Históricos e documentos do próprio arquivohistórico do local.www.taubate.sp.gov acessado em 01/12/2011

×