O professor de filosofia: limites  e possibilidades – dinâmica e  problematização do ensino -         aprendizagem
Universidade Federal de Roraima – UFRR          Centro de Educação – CEDUC               Curso de PedagogiaAcadêmicos: Alc...
Três pontos elementares no ensino            de filosofiaA questão do ensino de filosofia incide sobretrês pontos elementa...
Ponto de partidaÉ caracterizar os envolvidos diretos na educaçãoquando estes estão na sala de aula. Presume-se,seguindo a ...
Gestação do novo e a ruptura com o              velhoInterpretar os fenômenos humanos não deixa de seruma compreensão dos ...
Ensino filosófico como vetor de               reflexãoO perfil do professor, as possibilidades e o „como‟ensinar filosofia...
Quem é o professor de filosofia? A sua    identidade na tensão limites-           possibilidadesAo se tomar como referênci...
Professor sabe e faz tudoA figura de uma pessoa que condensa em si o saber,que determina os livros a serem estudados e asa...
Bem formado e preparado na sua              áreaSer o professor aquele que assumiu a docênciacomo sua profissão é, portant...
Compreensão da realidade e    construção de conhecimentosA Filosofia é a motivação inquietante de procurarcompreender a re...
Theodor Adorno (1995, p. 53)“A filosofia só faz jus a si mesma quando é mais doque uma disciplina específica”. Sua postura...
As possibilidades nas quais se           pode ensinar FilosofiaEssas possibilidades, referem-se à busca do desenvolvimento...
Pontos de vista sobre o que é a filosofiaO modo de interpretar o que é a filosofia nos oferecevários pontos de vista sobre...
Ensino de filosofiaO ensino de filosofia é uma atitude formadora deconceitos. Deve privilegiar a espontaneidade dopensamen...
Lugar de experiência filosófica“As aulas de filosofia como lugar de experiênciafilosófica são um lugar de estudo e produçã...
Aprender uns com os outrosNa relação ensino-aprendizagem, a chave deinterpretação da relação didática a serdesenvolvida na...
Experiência filosófica necessária à         docência filosóficaTêm-se em vista os agentes envolvidos diretamentecom a dinâ...
Considerações FinaisPensar a identidade do filósofo- educador mostra-sena exigente tarefa de fundamentar a sua docênciacom...
O professor é autoridade na medida em que ele mesmo,protagoniza a experiência de fazer-se filósofofilosofando, pesquisando...
Mapa Conceitual                      O professor de filosofia                                                  Bem formado...
Um
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho de filosofia

340 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho de filosofia

  1. 1. O professor de filosofia: limites e possibilidades – dinâmica e problematização do ensino - aprendizagem
  2. 2. Universidade Federal de Roraima – UFRR Centro de Educação – CEDUC Curso de PedagogiaAcadêmicos: Alcir José de Souza Pereira Ana Lúcia Silva Ponte Giselle Vieira de Oliveira Gleicyane Sousa Silva Jordânia Sousa da Silva Maria Gilmar Lima Pereira Rejane Quaresma Neves Professora: Gisele
  3. 3. Três pontos elementares no ensino de filosofiaA questão do ensino de filosofia incide sobretrês pontos elementares: o objetivo e o teordo ensino-aprendizagem de filosofia, aquem este é dirigido e quem o protagoniza,no caso, o professor de filosofia.
  4. 4. Ponto de partidaÉ caracterizar os envolvidos diretos na educaçãoquando estes estão na sala de aula. Presume-se,seguindo a perspectiva do pensamento pedagógicode Libâneo (1985, p. 95), “a interligação que há noato pedagógico entre três componentes: umagente, uma mensagem transmitida, umeducando”.
  5. 5. Gestação do novo e a ruptura com o velhoInterpretar os fenômenos humanos não deixa de seruma compreensão dos fatos como também daspossibilidades que se abrem no horizonte da açãohumana.A educação não é a simples transmissão da herançados antepassados para as novas gerações, mas oprocesso pelo qual se torna possível a gestação donovo e a ruptura com o velho. (Aranha, 2007, p. 31).
  6. 6. Ensino filosófico como vetor de reflexãoO perfil do professor, as possibilidades e o „como‟ensinar filosofia e o próprio ensino filosófico comovetor de reflexão são, por si mesmo, elementoscuja fundamentação deve ser sempre pensadatendo em vista a quem está sendo dirigido.
  7. 7. Quem é o professor de filosofia? A sua identidade na tensão limites- possibilidadesAo se tomar como referência o professor, apergunta feita busca identificar os elementos quepor si só sejam capazes de especificá-lo. Porexemplo: a pessoa do professor deve ser a de alguémque compreende o potencial transformador da educaçãode tal forma que assumiu a docência como habilidadeprofissional. Ele não é um vendedor de sonhos, é umagente transformador da história, pessoal e coletiva.
  8. 8. Professor sabe e faz tudoA figura de uma pessoa que condensa em si o saber,que determina os livros a serem estudados e asavaliações e, daí, todos os critérios de aprovação,ainda povoa, em muito, o imaginário dos alunosacerca do perfil do professor. Esse perfil pode sersintetizado na imagem do professor sabe e faz tudo.
  9. 9. Bem formado e preparado na sua áreaSer o professor aquele que assumiu a docênciacomo sua profissão é, portanto, imprescindível queele seja bem formado e preparado para melhorintroduzir os alunos no universo de sua área deconhecimento, tanto quanto ele viabiliza odesenvolvimento da cultura como um todo.
  10. 10. Compreensão da realidade e construção de conhecimentosA Filosofia é a motivação inquietante de procurarcompreender a realidade, que toma de assalto ofilósofo, motivando-o a pensar sobre si mesmo e arealidade que o toca, estabelecendo um contato deconstrução de conhecimentos (1) entre ele e osoutros seres humanos; (2) ele e o ambiente; e (3)entre ele e as inquietações mais profundas sobreas quais o homem há muito se debruça.
  11. 11. Theodor Adorno (1995, p. 53)“A filosofia só faz jus a si mesma quando é mais doque uma disciplina específica”. Sua postura é emdesprezo aos profissionais, alguns da filosofia, queconsideram a sua área como o centro do mundo,esquecendo-se de refletir os problemas atuais combase na reflexão filosófica.
  12. 12. As possibilidades nas quais se pode ensinar FilosofiaEssas possibilidades, referem-se à busca do desenvolvimentode uma metodologia que viabilize a apreensão do sentido dasaulas como, para os alunos, a construção de um sentido para oestudo filosófico no contexto de uma cultura educacionalprático finalista, que no estágio final do ensino médio submetealunos ao vestibular. A perspectiva adotada não quer restringirse, ao final do processo, somente ao espaço da sala de aula. Oque se espera é a perpetuação da reflexão filosófica nos váriosimprevistos da vida.
  13. 13. Pontos de vista sobre o que é a filosofiaO modo de interpretar o que é a filosofia nos oferecevários pontos de vista sobre esse campo do saber.Quando a ela se atribui uma ensinabilidade, isso querdizer que a filosofia é uma disciplina que didaticamentese situa no conjunto da sala de aula por ser possível deser ensinada e, à sua presença no currículo escolar,corresponde uma perspectiva formadora de consciênciareflexiva acerca do fenômeno humano no espaço dasciências, como também dos „problemas‟ humanos.
  14. 14. Ensino de filosofiaO ensino de filosofia é uma atitude formadora deconceitos. Deve privilegiar a espontaneidade dopensamento na busca, que deve ser umafundamentação, das razões sobre as afirmaçõesque são feitas em torno do espaço humano deonde ela surge.
  15. 15. Lugar de experiência filosófica“As aulas de filosofia como lugar de experiênciafilosófica são um lugar de estudo e produção filosóficos”(ASPIS, 2004, p. 315). O professor de filosofia é oprovocador de reflexões individuais e em grupos, issolhe exige habilidade de trabalhar didaticamente osassuntos, privilegiando os momentos de produção ereflexão individual com os momentos de desenvolvê-lasa partir de um trabalho em e de grupo.
  16. 16. Aprender uns com os outrosNa relação ensino-aprendizagem, a chave deinterpretação da relação didática a serdesenvolvida na sala de aula é de que alunos eprofessores aprendem uns com os outros e unsem relação com os outros.
  17. 17. Experiência filosófica necessária à docência filosóficaTêm-se em vista os agentes envolvidos diretamentecom a dinâmica da sala de aula: professor e alunos. A experiência filosófica tem por protagonista oprofessor integrado com o que faz e sendo omotivador dos alunos a buscarem, por elesmesmos, o conhecimento necessário aos desafiosdo cotidiano. A experiência filosófica também sepõe em relação ao aluno.
  18. 18. Considerações FinaisPensar a identidade do filósofo- educador mostra-sena exigente tarefa de fundamentar a sua docênciacomo prática interventora no mundo. Dessemodo, o seu perfil se aponta na tensão do próprioensino e suas possibilidades, como também estárelacionado ao engajamento que a prática educativatende a despertar.
  19. 19. O professor é autoridade na medida em que ele mesmo,protagoniza a experiência de fazer-se filósofofilosofando, pesquisando e lecionando. Tornando-seefetivamente o filósofo educador.
  20. 20. Mapa Conceitual O professor de filosofia Bem formado e Pontos elementares preparado na sua área de conhecimento Objetivo e teor Ensino de filosofia atitude formadora de conceitosPensamento pedagógico O professor de filosofia é o Um agente provocador de reflexões Uma mensagem Motivador dos Um educando alunos transmitida
  21. 21. Um

×