ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ
Assunto: Artigo de Divulgação Científica do livro “A Espiral Dourada” dos autores
Nuno...
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO.........................................................................................................
1 INTRODUÇÃO
O livro “A Espiral Dourada” foi escrito por três autores, um deles foi Nuno
Crato um conhecido matemático e e...
2 MERIDIANO DE GREENWICH
2.1 O QUE É O MERIDIANO DE GREENWICH?
O Meridiano de Greenwich – também chamado de Meridiano Prin...
Fonte: Todamateria.com
2.2 PORQUE O MERIDIANO DE GREENWICH FOI DEFINIDO UM FUSO
HORÁRIO DE REFERÊNCIA?
O reconhecimento do...
Fig. 2 - Meridiano 0, marcado no observatório de Greenwich,
a leste de Londres.
Fonte: Wikpédia
Fig.3 – Meridiano de Green...
Greenwich foi estabelecer um padrão de horários e datas em todo o mundo, o que
ficou conhecido como zonas horárias.
Tornou...
Como por exemplo, no Brasil, estamos no fuso GMT-03, ou seja: fuso
negativo, pois estamos à Oeste do Meridiano de Greenwic...
5 REFERÊNCIAS
Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Nuno_Crato >. Acesso em: 13 nov. 2015.
Disponível em < https://...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gabriel kanashiro

255 visualizações

Publicada em

Assunto: Artigo de Divulgação Científica do livro “A Espiral Dourada” dos autores Nuno Crato, Carlos Pereira dos Santos e Luís Tirapicos
Tema: O Meridiano de Greenwhich

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
255
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gabriel kanashiro

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Assunto: Artigo de Divulgação Científica do livro “A Espiral Dourada” dos autores Nuno Crato, Carlos Pereira dos Santos e Luís Tirapicos Tema: O Meridiano de Greenwhich Nome: Gabriel Henrique Kanashiro de Siqueira Pereira Nº: 13 Série: 3º B Professores: Ms. Maria Piedade Teodoro da Silva Carlos Ossamu Cardoso Narita Disciplinas: Língua Portuguesa / Matemática Jacareí 2015
  2. 2. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO......................................................................................................................4 2 MERIDIANO DE GREENWICH .........................................................................................5 2.1 O QUE É O MERIDIANO DE GREENWICH?..............................................................5 2.2 PORQUE O MERIDIANO DE GREENWICH FOI DEFINIDO UM FUSO HORÁRIO DE REFERÊNCIA? .............................................................................................6 2.3 COMO O MERIDIANO DE GREENWICH SE TORNOU NUMA ESPÉCIE DE CAPITAL DA ASTRONOMIA? .............................................................................................8 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................10 5 REFERÊNCIAS ..................................................................................................................11
  3. 3. 1 INTRODUÇÃO O livro “A Espiral Dourada” foi escrito por três autores, um deles foi Nuno Crato um conhecido matemático e estatístico português que tem tido uma extensa atividade de promoção da cultura científica. Foi Ministro da Educação e Ciência de 2011 a 2015 do XIX Governo Constitucional de Portugal. Outro escritor do livro em questão é Carlos Pereira Dos Santos, um professor de Matemática, sendo especialista em Teoria de Jogos Combinatórios, além de ser mestre internacional de xadrez. O terceiro escritor a ser citado Luís Tirapicos, um jornalista e escrito científico e freelancer, colabora regularmente na imprensa e investiga em arqueastronomia. Os escritores levamo os leitores a fazer uma viagem fascinante pela astronomia e pela matemática, preocupando-se em separar a verdade da ficção nas referências científicas d'O Código da Vinci. No decorrer da obra, vários assuntos são explicados, como por exemplo como Vênus pode desenhar no céu uma estrela de cinco pontas. O livro também aborda sobre Fibonacci e Euclides, desvendando o número de ouro e como este traça uma curva perfeita ao que se denomina espiral dourada. Dentro os meridianos em que o livro também aborda como assunto, está o meridiano de Greenwich, partindo deste assunto foram elaboradas duas perguntas de pesquisas sendo elas: “Porque o meridiano de Greenwich foi definido um fuso horário de referência?” e Como o meridiano de Greenwich se tornou numa espécie de capital mundial da astronomia?”.
  4. 4. 2 MERIDIANO DE GREENWICH 2.1 O QUE É O MERIDIANO DE GREENWICH? O Meridiano de Greenwich – também chamado de Meridiano Principal – é uma linha imaginária que, por convenção, demarca a divisão das longitudes do globo terrestre, tendo ele o valor de 0º de longitude e, tecnicamente, não posicionado nem a leste nem a oeste, ele é quem determina o tempo “solar”, baseado na rotação da Terra. Esse meridiano é, portanto, o marco divisor entre os hemisférios Ocidental e Oriental, ele é representado nos mapas cartográficos por uma reta no sentido norte-sul o qual cruza sete países. O meridiano de Greenwich é o único que tem o próprio nome, pelo fato de que o Meridiano Principal deve-se à existência do Observatório Real de Greenwich, localizado na cidade de Londres, Inglaterra, e sobre o qual essa linha longitudinal atravessa. Esse observatório foi fundado em 1675 e, desde então, passou a ser considerado uma referência internacional para as observações astronômicas. Fig. 1 - Mapa do Mundo com as Linhas Imaginárias Mais Importantes
  5. 5. Fonte: Todamateria.com 2.2 PORQUE O MERIDIANO DE GREENWICH FOI DEFINIDO UM FUSO HORÁRIO DE REFERÊNCIA? O reconhecimento do Meridiano de Greenwich foi definido como referência em razão de sua aceitação em âmbito global, isso ocorreu a partir de um acordo mundial realizado em 1884, na cidade de Washington, com o intuito de estabelecer uma padronização de horários e datas em todo o mundo. A sua escolha como referencial foi por cortar o Observatório Astronômico Real, localizado no distrito chamado de Greenwich, situado na região leste da cidade de Londres. O Meridiano de Greenwich atravessa sete países e dois continentes: Espanha, França, Reino Unido, Gana, Burkina, Faso, Mali e Argélia. Com o acordo de 1884 foram cogitados outros lugares como Portugal (Meridiano de Coimbra), França (Meridiano de Paris) e Espanha (Meridiano de Cádis) para abrigar o marco zero, mas Greenwich venceu, devido a grande influência inglesa no mundo. O Observatório foi edificado em 1794, segundo os interesses de Carlos II, e posteriormente transferido em 1946, por causa da concentração de poluição existente no local que prejudicava a realização de trabalhos e estudos.
  6. 6. Fig. 2 - Meridiano 0, marcado no observatório de Greenwich, a leste de Londres. Fonte: Wikpédia Fig.3 – Meridiano de Greenwich e outros. Fonte: xd.globo.com 2.3 COMO O MERIDIANO DE GREENWICH SE TORNOU NUMA ESPÉCIE DE CAPITAL DA ASTRONOMIA? A definição do Meridiano de Greenwich enquanto marco zero das longitudes terrestres é apenas uma convenção, ao contrário da Linha do Equador, que é o ponto inicial de medida das latitudes por se encontrar a uma mesma distância dos dois polos do nosso planeta. Antes do estabelecimento oficial dessa demarcação, vários outros meridianos ou linhas de longitude eram utilizados pelos navegadores e também pelos países como marco zero oficial, o que trazia vários problemas relativos a uma falta de padronização, portanto o objetivo do Meridiano de
  7. 7. Greenwich foi estabelecer um padrão de horários e datas em todo o mundo, o que ficou conhecido como zonas horárias. Tornou-se referência mundial em pesquisas astronômicas desde a fundação do referido observatório, em agosto de 1675, quando a Instituição passou a se dedicar às pesquisas acerca das distâncias longitudinais para calcular os fusos horários. Fig. 4 – Fuso Horários no Mundo Fonte: xd.globo.com Além de demarcar o início das longitudes, é importante destacar outra importante função do Meridiano de Greenwich: a referência para a demarcação dos fusos horários. Graças ao seu estabelecimento oficial como meridiano principal, sua área a 7,5º de longitude oeste e a 7,5º de longitude leste passou a ser o primeiro fuso da Terra. Assim, a cada 15º de longitude oeste, diminui-se uma hora em relação a Greenwich e, a cada 15º de longitude leste, acrescenta-se uma hora da mesma forma. A formalização dessa regra, também na Convenção de Washington, é até hoje utilizada, embora cada país tenha a liberdade de escolher a sua hora legal oficial.
  8. 8. Como por exemplo, no Brasil, estamos no fuso GMT-03, ou seja: fuso negativo, pois estamos à Oeste do Meridiano de Greenwich, isto significa que quando o relógio marcar 12h na Inglaterra, serão 9h no Brasil. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os meridianos são linhas imaginárias traçadas para definir cartograficamente os diferentes pontos da Terra, todos são semicircunferências traçadas de forma a ligar os dois polos. Todos têm o mesmo tamanho e qualquer um pode ser utilizado para se dividir o planeta em duas porções iguais: hemisfério ocidental (a Oeste) e hemisfério oriental (a Leste). O Meridiano de Greenwich foi definido como meridiano de referência , por meio do mesmo que se determina o horário-base no planeta, o meridiano virou referência por marcar longitude igual á 0º, os demais meridianos são identificados por sua distância, medida em graus, em relação ao meridiano de Greenwich. Essa distância é o que chamamos de longitude e varia de 0o a 180o, tanto para Leste quanto para Oeste. A determinação da hora parte do princípio de que a Terra é uma circunferência perfeita, medindo 360o, e de que a rotação terrestre dura 24 horas. É o tempo necessário para que todos os meridianos passem, num determinado momento, frente ao Sol. Dividindo-se os 360o da Terra pelas 24 horas de duração do movimento de rotação, resultam 15o. Atualmente, a região por onde passa o meridiano abriga várias instituições conceituadas, como a Faculdade Naval Real e o Museu Marítimo Nacional.
  9. 9. 5 REFERÊNCIAS Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/Nuno_Crato >. Acesso em: 13 nov. 2015. Disponível em < https://pt.wikipedia.org/wiki/Carlos_Pereira_dos_Santos>. Acesso em: 13 nov. 2015. Disponível em < https://www.gradiva.pt/?q=C/BOOKSSHOW/1080>. Acesso em: 14 nov. 2015. Disponível em < http://www.mundoeducacao.com/geografia/meridiano- greenwich.htm>. Acesso em: 15 nov. 2015. Disponível em < http://xd.globo.com/pra-explicar/entenda-meridiano-de-greenwich- que-determina-fuso-horario-mundial-17761424.html>. Acesso em: 15 nov. 2015. Disponível em < http://www.brasilescola.com/geografia/a-historia-meridiano- greenwich.htm>. Acesso em: 15 nov. 2015. CRATO, Nuno; SANTOS, Carlos Pereira dos; TIRAPICOS, Luís. A Espiral Dourada. Lisboa. Portugal. Gradiva, 2006.

×