Desobediências Tecnológicas (aula 6 - auh 5862)

755 visualizações

Publicada em

Intervenções em Redes Urbanas
(espaços cíbridos e expandidos na cidade contemporânea)
AUH5862 – Pós-graduação FAU- USP
Profa. Dra. Giselle Beiguelman

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
755
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
284
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • mudanças são operacionalizadas por movimentos sociais, ao propor e desencadear descontinuidades com as relações de poder embutidas em instituições de vários tipos
    Essas tensões são constitutivas das possibilidades de mudança cultural, mudanças essas operacionalizadas por movimentos sociais, ao propor e desencadear descontinuidades com as relações de poder embutidas em instituições de vários tipos. Movimentos sociais não são, entretanto, meros conjuntos de indivíduos. São grupos que atuam no espaço público; e, como mostrou Castells, esse espaço público, hoje, na sociedade em rede, é o das redes de comunicação.
  • Todos os anos são descartados 20 milhões de toneladas de eletrônicos. Isso de acordo com as estatísticas mais otimistas. As mais pessimistas estimam que são 50 milhões de toneladas, o suficiente para encher 125 mil Boeings 747
     
    Os números impressionantes instigaram as séries de Chris Jordan Intolerable Beauty: Portraits of American Mass Consumption (2003 -2005)
     
  • Canclini falava de tevê a cabo, mas podemos atualizar a discussão. O direito de acesso à internet ilustra bem essa relação, uma vez que inclui a necessidade não só de acesso à infraestrutura, mas também a uma gama de produtos comerciais e equipamentos de conexão. Esses equipamentos, vale lembrar aqui, são cada vez mais os dispositivos móveis, sugerindo que o indivíduo socialmente excluído, hoje, é o imóvel.

    Essa é uma questão extremamente relevante em economias emergentes como Brasil, China e Índia, que migraram para a cultura de rede, pulando o momento da comunicação em grande escala via linhas fixas. Nesses países, as indústrias de móveis desempenha um papel importante não só no campo das comunicações, mas também na rápida dinâmica da obsolescência programada que anima esse mercado.
  • Celulares, não custa lembrar, são muito mais que meros telefones sem fio com grande alcance. Estamos falando de equipamentos que se definem pela integração entre redes de acesso à internet em alta velocidade, transmissão e recepção de vídeos, participação em redes sociais, entre outras coisas, e tudo isso combinado com serviços e recursos locativos. São tanto um dos mais poderosos dispositivos de rastreamento e invasão da privacidade já inventados como potencializadores de outras formas de criatividade e ação política também jamais pensadas.
  • homenagem às vítimas das batalhas pela posse das minas de coltan (ou tantalita), um dos grandes pivôs da longa guerra civil que matou, de 1998 até hoje, mais de 6 milhões de pessoas na República do Congo. 
  • Afirma-se que Almon B. Strowger, que era agente funerário, desenvolveu sua ideia porque desconfiava que as telefonistas desviavam suas ligações para um concorrente. Verdade ou não, seu sistema foi o paradigma das redes de comunicação contemporâneas. Ao recuperá-lo como elemento de mediação do Tantalum Memorial, Harwood Wright e Yokoji dão presença a essa rede de conversas, ao mesmo tempo que fazem pensar na materialidade do que as redes têm de mais brutal.
  • My point of departure is that the imminence of loss, of the gap and the impossibility of restoration and retrieval are the "default", and not exceptional, element of the digital storage and saving ecosystem.
  • Media artists who deal with contexts of social disarrangement and instability are mainly attracted by that. They seemto me more inclined to approach technology and the future in a more critical, more ironic and less desperate way. A referential artist in that discussion is Ernesto Oroza, a Cuban artist, with a design background, based in the US. He is the author of some meaningful concepts to my discussion, as "architectures of necessity" and "technological disobedience". Both are different dimensions of a vast "ruinological" process, and here I would like to call your attention to the technological disobedience devices.
  • In order to understand his devices, we must remember that in 1991 Cuba’s economy began to implode, after the Perestroika announcement. "The Special Period in Time of Peace" was the Cuban government’s euphemism for what was a culmination of 30 years worth of isolation.
    This isolation began in the 1960s, with the North American Boycott. Oroza studied the innovations created during this period and began to collect those machines, and would later contextualize them as "art" in a movement he dubbed "Technological Disobedience".
  • Every time I see them, I remember Brazilian artist Helio Oiticica's statement at the opening of A Nova Objetividade Brasileira (1967) -- one of the most important avant-garde exhibitions held in the 1960s --, carried out during the military dictatorship: "Of adversity we live!" (Da adversidade, vivemos!). (COUTO, 2012)
  • Rikimbili. Bicycle + gasoline pump water, fumigation devices or gasoline engines chain saw.
  • This video was made from 991 pictures, originally captured from 38 pinhole matchbox cameras in just one action (four hours of duration). It shows, in 3.5 minutes, the transmutation/movement of Ver-O-Peso Market in 360 degrees. It starts in the frenetic movement in the first hours of the morning, and keeps capturing pictures until the end of day in the market.
  • Maybe this imminent disappearance justifies the apocalyptic tone that is suggested in the most basic commands for handling digital editing programs, which invite us to "save" files all the time, and not simply store them. Networks have no time. A system of permanent urgency prevails on them. The most recent publication is supposedly more relevant than the previous one. Now is what counts. And this "now" has an increasing intensity. Try to find that very important comment posted by your friend 30 days ago on Facebook, that photo you "liked" in some remote day of 2012, or that remarkable event in which you shared a video back in 2008. Don’t even try it. You won’t find them.
  • Desobediências Tecnológicas (aula 6 - auh 5862)

    1. 1. Desobediências Tecnológicas Intervenções em Redes Urbanas (espaços cíbridos e expandidos na cidade contemporânea) AUH5862 – Pós-graduação FAU- USP Profa. Dra. Giselle Beiguelman
    2. 2. ZONAS DE TENSÃO DOS TERRITÓRIOS INFORMACIONAIS
    3. 3. CARTOGRAFIA DOS PROCEDIMENTOS DE TERRITORIALIZAÇÃO E AGENCIAMENTO
    4. 4. DINÂMICAS DE ESTRIAMENTO (ESTRATIFICAÇÃO, APROPRIAÇÃO) Territorialização:
    5. 5. LIBERAÇÃO DOS DEVIRES, POTÊNCIAS EM ABERTO Agenciamento
    6. 6. PRODUZIDO NAS TENSÕES ENTRE TERRITORIALIZAÇÃO E AGENCIAMENTO Território informacional
    7. 7. TENSÃO T/A É CONSTITUTIVA DA POSSIBILIDADE DE MUDANÇA CULTURAL
    8. 8. “A MUDANÇA CULTURAL DEMANDA A REPROGRAMAÇÃO DAS REDES DE COMUNICAÇÃO “ M. Castells
    9. 9. CONTESTAÇÃO DAS IMAGENS QUE SÃO PROJETADAS PELOS GRUPOS DE PODER
    10. 10. DIMENSÃO POLÍTICA DA INDÚSTRIA DA MOBILIDADE
    11. 11. ECONOMIA DO HARDWARE
    12. 12. 7 BILHÕES DE HABITANTES + DE 5 BILHÕES DE CELULARES EM USO
    13. 13. 1 CELULAR A CADA 4S É DESCARTADO
    14. 14. AS NOVAS TECNOLOGIAS DE COMUNICAÇÃO EXPANDIRAM A NOÇÃO DE CIDADANIA, INCORPORANDO PRÁTICAS DE CONSUMO AO SEU EXERCÍCIO (CANCLINI)
    15. 15. A DIMENSÃO POLÍTICA DOS CELULARES NÃO SE ESGOTA NO SEU USO
    16. 16. Harwood , Wright e Ukoji| Tantalum Memorial
    17. 17. A contemporaneidade é uma singular relação com o próprio tempo adere a ele e, simultaneamente, dele toma distâncias Giorgio Agamben
    18. 18. OBRA = DISPOSITIVO
    19. 19. É UMA ESTRATÉGIA DE TENSIONAMENTO DA SITUAÇÃO
    20. 20. Linhas de Força Consciência Planetária Sociedade de Controle Políticas do Corpo Virtualizado Design de Contra-informação Tecnofagias (Perspectivas latinas)
    21. 21. CONSCIÊNCIA PLANETÁRIA
    22. 22. Beatriz Costa, Pigeon Blog http://www.beatrizdacosta.net/pigeonblog.php
    23. 23. Alice Miceli. Chernobyl, a marca do invisível. 2005-10. vídeo
    24. 24. SOCIEDADE DE CONTROLE
    25. 25. MILITARIZAÇÃO DO COTIDIANO Sociedade de Controle
    26. 26. Leandro Lima e Gisela Motta, Cigarras, 2008. http://www.aagua.net/
    27. 27. Leandro Lima e Gisela Motta, Armas.Obj, 2008. http://www.aagua.net/
    28. 28. INFILTRAÇÃO MIDIÁTICA Sociedade de Controle
    29. 29. Heidi Kumao, 2006. CNNplusplus. Vídeo
    30. 30. Alessandro Ludovico e Paolo Cirio. Face to Facebook. 2011
    31. 31. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO Sociedade de Controle
    32. 32. Jarbas Jacome, Crepúsculo dos Ídolos. 2008 http://crepusculodosidolosbr.wordpress.com/ vídeo
    33. 33. DESIGN DE CONTRA-INFORMAÇÃO Crítica institucional
    34. 34. Cícero Silva. Plato On-line/
    35. 35. Rafael Marchetti – Geoplay - http://geoplay.info/pt/creditos.html
    36. 36. Angie Waller. http://www.myfrienemies.com/
    37. 37. http://www.hatebook.org
    38. 38. Tecnofagias e Ruinologias Perspectivas Latinas
    39. 39. ERNESTO OROZA
    40. 40. Antenas para decodificar y “roubar” o sinal de emissora estatal de rádio “para Centros de Gastronomía y Comercio de Ciudad de la Habana”. Os criadores ocultavam as antenas em carrinhos. Por isso, se viam tantos televisores y radios em Havana atados a um fio e a carrinhos diversos. Havana, 2005
    41. 41. Fan-phone
    42. 42. aluminum lunch tray antenna
    43. 43. Fernando Rabelo – Contato QWERTY http://hiperface.com/
    44. 44. Arcangel Constantini.Plástico/ Milho/ Plástico (2010)
    45. 45. Dirceu Maués. Feito poeira ao vento. vídeo
    46. 46. Edwin Sanchez. Crossing Points (2010)
    47. 47. Goma Design. Faveleds
    48. 48. Screen shot from “esc for escape”, a cross media documentary about error messages. Giselle Beiguelman, 2004. http://www.desvirtual.com/escape/english/clips.htm

    ×