AUH 2302 aula04

371 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
371
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

AUH 2302 aula04

  1. 1. Molduras e EnquadramentosTexto base:Anne Friedberg The Virtual Windowfrom Alberti to Microsoft
  2. 2. Base de funcionamento é princípio da propagação retilínea da luztemos uma imagem projetada num anteparo e invertidadiâmetro do furo está relacionado à profundidade de campo (nitidez)Lente permite aumentar o orificio sem perda da nitidez (Girolamo Cardano, 1550)
  3. 3. DISPOSITIVO PARA VISUALIZAÇÃODO EXTERIOR
  4. 4. O casamento de Arnolfini,óleo sobre madeira. Jan van Eyck 1434
  5. 5. Albrecht Durer, 1525 – tubos de visualização
  6. 6. Athanasius Kircher, camera escura portátil, 1646. © GernsheimCollection. Harry Ransom Humanities
  7. 7. Johannes Vermeer:O soldado e a garotasorrindo, 1657
  8. 8. Johannes Zahn (1641–1707) – câmera portátil com espelho
  9. 9. Câmera sec. 18
  10. 10. 1855.col. Werner Nekes
  11. 11. Andy Mattern and the Camera Head team, 2012
  12. 12. OBSERVADOR INTERIORIZADO
  13. 13. DA HELIOGRAFIA À FOTOGRAFIA
  14. 14. DA FÍSICA À QUÍMICA
  15. 15. Niépce recobriu uma placa de metal com betume branco da judéia, que tinha apropriedade de se endurecer quando atingido pela luz.Nas partes não afetadas, o betume era retirado com uma solução de essência dealfazema. Em 1826, expondo uma dessas placas durante aproximadamente 8 horas nasua câmara escura, conseguiu uma imagem do quintal de sua casa.
  16. 16. J. N. Niépce. Vista da janela de le Gras. 1826. (col. Kodak research Library)
  17. 17. O olho humano pode ser considerado umacâmara escura sendo o orifício a pupila e opapel vegetal a retina, onde se encontramascélulas fotoreceptoras que decodificam aimagem enviando esse sinal ao cérebro; porisso, dizem os físicos, “nós vemos com osolhos, mas enxergamos com o cérebro”.

×