A Lógica do Suplemento<br />aula baseada em <br />J. Derrida. “Este Perigoso Suplemento”. Gramatologia, 1973, p. 173-193<b...
Estruturalismo – L. Strauss<br />Interlocutor<br />ROUSSEAU<br />
Escrituradestruição da presença<br />Rousseau (na leitura de Derrida)<br />Substituição da fala<br />
Economia Simbólica<br />Verdade x aparência<br />presença<br />Ausência<br />natureza<br />mediação<br />   fala<br />tekn...
“a escritura serve somente de suplemento à fala”<br />Rousseau – Ensaio sobre a Origem das Línguas<br />
Excesso<br />Dupla Função do Suplemento<br />Culminação da presença<br />substituto<br />Em lugar de<br />
Perigo do Suplemento<br />Através da seqÜÊncia de suplementos anuncia-se uma necessidade: a de um encadeamento infinito, m...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A lógica do suplemento

1.355 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.355
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
84
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A lógica do suplemento

  1. 1. A Lógica do Suplemento<br />aula baseada em <br />J. Derrida. “Este Perigoso Suplemento”. Gramatologia, 1973, p. 173-193<br />Profa. Dra. GiselleBeiguelmanwww.desvirtual.com<br />Twitter: @gbeiguelman<br />
  2. 2. Estruturalismo – L. Strauss<br />Interlocutor<br />ROUSSEAU<br />
  3. 3. Escrituradestruição da presença<br />Rousseau (na leitura de Derrida)<br />Substituição da fala<br />
  4. 4. Economia Simbólica<br />Verdade x aparência<br />presença<br />Ausência<br />natureza<br />mediação<br /> fala<br />tekné<br />
  5. 5. “a escritura serve somente de suplemento à fala”<br />Rousseau – Ensaio sobre a Origem das Línguas<br />
  6. 6. Excesso<br />Dupla Função do Suplemento<br />Culminação da presença<br />substituto<br />Em lugar de<br />
  7. 7. Perigo do Suplemento<br />Através da seqÜÊncia de suplementos anuncia-se uma necessidade: a de um encadeamento infinito, multiplicando inelutavelmente as mediações suplementares que produzem o sentido disto mesmo que elas diferem: a miragem da coisa mesma, da presença imediata, da percepção originária. A imediatez é derivada. Tudo começa pelo intermediário, eis o que é “inconcebível para a razão”.<br />

×