SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
FORMAÇÃO
LÍNGUA PORTUGUESALÍNGUA PORTUGUESA
ENSINO FUNDAMENTAL I
JUNHO-2013
“Quem não vê bem uma palavra, não pode ver bem uma alma”
Fernando Pessoa
Ensino de Língua Portuguesa
Como era?Como era?
Ao longo da história, o ensino de LP foi, muitas vezes, visto
através da “linguagem pela linguagem” com o estudo
simples da palavra “solta” ou em situações irreais. Um
exemplo claro disso é a alfabetização silábica.
Como está agora?Como está agora?
O novo Parâmetro Curricular Nacional (PCN) de Língua
Portuguesa trabalha com conceitos que foram construídos
ao longo das últimas décadas e que são uma revolução para
todo o ensino, principalmente em relação às ideias de língua,
discurso e textualidade.
LÍNGUA
A língua é um sistema de signos histórico e
social que possibilita ao homem significar o
mundo e a realidade. (PCN, p. 22)
Esclarecendo: a língua é o código que usamos para a comunicar, nomear e
organizar nosso pensamento. Esse código é compartilhado socialmente
e é historicamente construído e modificado.
DISCURSO
É a produção linguística que ocorre com o uso
de uma linguagem (seja ela verbal ou não-
verbal) em uma determinada situação.
Esclarecendo: é uma produção de linguagem dentro de um contexto.
TEXTO
É a manifestação de um discurso. Um uso de
linguagem dentro de um contexto (discurso)
se materializa através de um texto.
Esclarecendo: texto é tudo aquilo que produzimos dentro de uma situação
discursiva. Assim, um romance é um texto e uma placa de trânsito
também é um texto (independentemente de haver palavras nela ou não).
Existem várias maneiras de um discurso aparecer aos falantes, logo,
existem várias categorias de texto. A esse diferentes modos de
apresentação do texto damos o nome de...
Os gêneros textuais são “formas relativamente estáveis” de construção
do texto, assim, conseguimos ver vários textos diferentes e dizer que
eles fazem parte, por exemplo, da categoria ‘carta’.
Esses gêneros são historicamente determinados e socialmente
compartilhados, assim, sabemos que certo gênero tem
características próprias e uma função discursiva.
Todo discurso que produzimos está dentro de um texto que,
obrigatoriamente, está dentro de um gênero textual que tem uma
função discursiva, logo, tudo que dizemos tem uma função. Em
outras palavras, nada do que dizemos é ingênuo, sem propósito.
GÊNEROS TEXTUAISGÊNEROS TEXTUAIS
Produzir linguagem significa produzir discursos. Significa dizer alguma
coisa para alguém, de uma determinada forma, num determinado
contexto histórico. Isso significa que as escolhas feitas ao dizer, ao
produzir um discurso, não são aleatórias — ainda que possam ser
inconscientes —, mas decorrentes das condições em que esse
discurso é realizado. (PCN, p. 22)
(Essa ideia vem de uma vertente do estudo de
Linguística chamada “sistêmico-funcional”. Podemos ler
mais sobre isso nos trabalhos de Michael Halliday)
GÊNEROS TEXTUAISGÊNEROS TEXTUAIS
Por que trabalhamos comPor que trabalhamos com
gêneros textuais?gêneros textuais?
Porque todas as vezes que usamos a língua,
usamos um gênero textual, logo, ao
estudarmos um temos que,
obrigatoriamente, estudarmos o outro. Se
não fizermos dessa forma, não estaremos
usando a língua em uma realidade
significativa.
Frases soltas fora de contexto não são um
texto, logo, não têm função social.
E O ESTUDO DE GRAMÁTICA?!?!E O ESTUDO DE GRAMÁTICA?!?!
Sobre isso, leiamos o que está nos PCNs:
A prática de reflexão sobre a língua.doc
CONCLUIMOS QUE:CONCLUIMOS QUE:
O estudo de gramática não é um fim,
mas um meio.
Então, qual é o fim do estudo de Língua
Portuguesa?
O TEXTO.
CONTEXTUALIZAÇÃO
A todo tempo, ouvimos de nossos coordenadores que as atividades
didáticas precisam ser contextualizadas, mas o que isso significa?
( ) Que precisamos tirar o exemplo a ser analisado do texto.
Ex.: Na oração “a bolsa amarela estava velha” retirada do texto, indique
quais são os adjetivos.
( ) Que precisamos interpretar o texto para depois cobrar a gramática.
Ex.: 1 – Quando João conversa com Maria, como ele se sente?
2 – Qual a classe gramatical da palavra que qualifica João?
( ) Que precisamos buscar a importância discursiva do termo gramatical.
Ex.: No texto, o autor emprega vários adjetivos. Qual o objetivo dele ao
fazer isso?
CONTEXTUALIZAÇÃO
Portanto, contextualizar é apresentar aos alunos a língua em situação real,
empregada com uma função e provocando um efeito de leitura.
Não devemos usar o texto como “pretexto” para ensinar “conteúdos”
(gramática metalinguística), mas devemos pensá-lo como o próprio
objeto de estudo, ao qual devemos dar muita atenção.
Por isso, também, que a interpretação é muito importante (muito mais do
que a gramática). Fazer com que o aluno leia, entenda e perceba, na
leitura, não só o que está explícito, mas também o que está velado,
aumenta sua competência de leitura.
Um texto não serve só para retirarmos informações dele, mas para
percebermos as relações sociais, os sentidos produzidos, as intenções
discursivas e todos os elementos que estão implicados em um processo
de leitura interpretativa e compreensão ativa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoDaniele Silva
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaJessica Nuvens
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaprofamiriamnavarro
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaMARILENE RANGEL
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLene Reis
 
Power point tempo integral
Power point tempo integralPower point tempo integral
Power point tempo integralpipcbc
 
Fases da Escrita
Fases da EscritaFases da Escrita
Fases da Escritaprofmagna
 
1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertido1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertidoermelinda mestre
 

Mais procurados (20)

BNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENSBNCC - LINGUAGENS
BNCC - LINGUAGENS
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismo
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
 
Apresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escritaApresentação psicogênese da língua escrita
Apresentação psicogênese da língua escrita
 
A Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na EscolaA Literatura Infantil na Escola
A Literatura Infantil na Escola
 
Classificadores em Libras
Classificadores em LibrasClassificadores em Libras
Classificadores em Libras
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
Power point tempo integral
Power point tempo integralPower point tempo integral
Power point tempo integral
 
Leitura e produção textual
Leitura e produção textualLeitura e produção textual
Leitura e produção textual
 
Metodos
MetodosMetodos
Metodos
 
Fases da Escrita
Fases da EscritaFases da Escrita
Fases da Escrita
 
1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertido1 planificação setembro convertido
1 planificação setembro convertido
 
Sugestões de Materiais e Recursos
Sugestões de Materiais e RecursosSugestões de Materiais e Recursos
Sugestões de Materiais e Recursos
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 
Plano de-desenvolvimento-individual
Plano de-desenvolvimento-individualPlano de-desenvolvimento-individual
Plano de-desenvolvimento-individual
 

Destaque

Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaGlacemi Loch
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaKelly Moraes
 
Prova como instrumento de avaliação
Prova como instrumento de avaliaçãoProva como instrumento de avaliação
Prova como instrumento de avaliaçãoLeandroFuzaro
 
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequenaFundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequenamkbariotto
 
Atividades contextualizadas
Atividades contextualizadasAtividades contextualizadas
Atividades contextualizadasRenato Lima
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaIanka Targino
 
Contextualizando a Gramática
Contextualizando a GramáticaContextualizando a Gramática
Contextualizando a GramáticaAninha Monteiro
 
O ensino na língua portuguesa: Perspectivas e Contradi
O ensino na língua portuguesa: Perspectivas e ContradiO ensino na língua portuguesa: Perspectivas e Contradi
O ensino na língua portuguesa: Perspectivas e Contradilagunaedu
 
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoO interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoDafianaCarlos
 
Educação contextualizada com o campo
Educação contextualizada com o campoEducação contextualizada com o campo
Educação contextualizada com o campoLuciana Souza
 
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de MoraesAnálise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de MoraesAngelo Otto
 

Destaque (20)

Texto, contexto e situação
Texto, contexto e situaçãoTexto, contexto e situação
Texto, contexto e situação
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de língua
 
Prova como instrumento de avaliação
Prova como instrumento de avaliaçãoProva como instrumento de avaliação
Prova como instrumento de avaliação
 
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequenaFundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
 
Atividades contextualizadas
Atividades contextualizadasAtividades contextualizadas
Atividades contextualizadas
 
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e EscritaGêneros Textuais - Fala e Escrita
Gêneros Textuais - Fala e Escrita
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
 
Contextualizando a Gramática
Contextualizando a GramáticaContextualizando a Gramática
Contextualizando a Gramática
 
Slides contextualização
Slides contextualizaçãoSlides contextualização
Slides contextualização
 
Usabilidade 1 - Conceitos
Usabilidade 1 - ConceitosUsabilidade 1 - Conceitos
Usabilidade 1 - Conceitos
 
Língua Padrão
Língua PadrãoLíngua Padrão
Língua Padrão
 
Cloze
ClozeCloze
Cloze
 
O ensino na língua portuguesa: Perspectivas e Contradi
O ensino na língua portuguesa: Perspectivas e ContradiO ensino na língua portuguesa: Perspectivas e Contradi
O ensino na língua portuguesa: Perspectivas e Contradi
 
Projeto Bullying
Projeto BullyingProjeto Bullying
Projeto Bullying
 
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didáticoO interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
O interlocutor nas propostas de produção textual no livro didático
 
Educação contextualizada com o campo
Educação contextualizada com o campoEducação contextualizada com o campo
Educação contextualizada com o campo
 
Proposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesa
Proposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesaProposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesa
Proposta o-ensino-da-gramatica-em-lingua-portuguesa
 
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de MoraesAnálise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
Análise - Soneto do maior amor, Vinicius de Moraes
 

Semelhante a Formação em LP

Semelhante a Formação em LP (20)

Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 
Apresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacionalApresentação intérprete educacional
Apresentação intérprete educacional
 
Estudos da linguagem
Estudos da linguagemEstudos da linguagem
Estudos da linguagem
 
1840 8
1840 81840 8
1840 8
 
Processos De Produção Textual
Processos De Produção TextualProcessos De Produção Textual
Processos De Produção Textual
 
Gêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensinoGêneros textuais e ensino
Gêneros textuais e ensino
 
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextualLpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
Lpt2 2 alunos_texto_nocoes_generotextual
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
 
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.pptun-5-anos-1-2-e-3.ppt
un-5-anos-1-2-e-3.ppt
 
PCNs de Língua Portuguesa
PCNs de Língua PortuguesaPCNs de Língua Portuguesa
PCNs de Língua Portuguesa
 
Não apenas o texto mas o diálogo em
Não apenas o texto mas o diálogo emNão apenas o texto mas o diálogo em
Não apenas o texto mas o diálogo em
 
Artigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguisticaArtigo sobre sociolinguistica
Artigo sobre sociolinguistica
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Tp3
Tp3Tp3
Tp3
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
Artigo fael Especialização
Artigo fael EspecializaçãoArtigo fael Especialização
Artigo fael Especialização
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

Formação em LP

  • 1. FORMAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESALÍNGUA PORTUGUESA ENSINO FUNDAMENTAL I JUNHO-2013 “Quem não vê bem uma palavra, não pode ver bem uma alma” Fernando Pessoa
  • 2. Ensino de Língua Portuguesa Como era?Como era? Ao longo da história, o ensino de LP foi, muitas vezes, visto através da “linguagem pela linguagem” com o estudo simples da palavra “solta” ou em situações irreais. Um exemplo claro disso é a alfabetização silábica. Como está agora?Como está agora? O novo Parâmetro Curricular Nacional (PCN) de Língua Portuguesa trabalha com conceitos que foram construídos ao longo das últimas décadas e que são uma revolução para todo o ensino, principalmente em relação às ideias de língua, discurso e textualidade.
  • 3. LÍNGUA A língua é um sistema de signos histórico e social que possibilita ao homem significar o mundo e a realidade. (PCN, p. 22) Esclarecendo: a língua é o código que usamos para a comunicar, nomear e organizar nosso pensamento. Esse código é compartilhado socialmente e é historicamente construído e modificado.
  • 4. DISCURSO É a produção linguística que ocorre com o uso de uma linguagem (seja ela verbal ou não- verbal) em uma determinada situação. Esclarecendo: é uma produção de linguagem dentro de um contexto.
  • 5. TEXTO É a manifestação de um discurso. Um uso de linguagem dentro de um contexto (discurso) se materializa através de um texto. Esclarecendo: texto é tudo aquilo que produzimos dentro de uma situação discursiva. Assim, um romance é um texto e uma placa de trânsito também é um texto (independentemente de haver palavras nela ou não). Existem várias maneiras de um discurso aparecer aos falantes, logo, existem várias categorias de texto. A esse diferentes modos de apresentação do texto damos o nome de...
  • 6. Os gêneros textuais são “formas relativamente estáveis” de construção do texto, assim, conseguimos ver vários textos diferentes e dizer que eles fazem parte, por exemplo, da categoria ‘carta’. Esses gêneros são historicamente determinados e socialmente compartilhados, assim, sabemos que certo gênero tem características próprias e uma função discursiva. Todo discurso que produzimos está dentro de um texto que, obrigatoriamente, está dentro de um gênero textual que tem uma função discursiva, logo, tudo que dizemos tem uma função. Em outras palavras, nada do que dizemos é ingênuo, sem propósito. GÊNEROS TEXTUAISGÊNEROS TEXTUAIS
  • 7. Produzir linguagem significa produzir discursos. Significa dizer alguma coisa para alguém, de uma determinada forma, num determinado contexto histórico. Isso significa que as escolhas feitas ao dizer, ao produzir um discurso, não são aleatórias — ainda que possam ser inconscientes —, mas decorrentes das condições em que esse discurso é realizado. (PCN, p. 22) (Essa ideia vem de uma vertente do estudo de Linguística chamada “sistêmico-funcional”. Podemos ler mais sobre isso nos trabalhos de Michael Halliday) GÊNEROS TEXTUAISGÊNEROS TEXTUAIS
  • 8. Por que trabalhamos comPor que trabalhamos com gêneros textuais?gêneros textuais? Porque todas as vezes que usamos a língua, usamos um gênero textual, logo, ao estudarmos um temos que, obrigatoriamente, estudarmos o outro. Se não fizermos dessa forma, não estaremos usando a língua em uma realidade significativa. Frases soltas fora de contexto não são um texto, logo, não têm função social.
  • 9. E O ESTUDO DE GRAMÁTICA?!?!E O ESTUDO DE GRAMÁTICA?!?! Sobre isso, leiamos o que está nos PCNs: A prática de reflexão sobre a língua.doc
  • 10. CONCLUIMOS QUE:CONCLUIMOS QUE: O estudo de gramática não é um fim, mas um meio. Então, qual é o fim do estudo de Língua Portuguesa? O TEXTO.
  • 11. CONTEXTUALIZAÇÃO A todo tempo, ouvimos de nossos coordenadores que as atividades didáticas precisam ser contextualizadas, mas o que isso significa? ( ) Que precisamos tirar o exemplo a ser analisado do texto. Ex.: Na oração “a bolsa amarela estava velha” retirada do texto, indique quais são os adjetivos. ( ) Que precisamos interpretar o texto para depois cobrar a gramática. Ex.: 1 – Quando João conversa com Maria, como ele se sente? 2 – Qual a classe gramatical da palavra que qualifica João? ( ) Que precisamos buscar a importância discursiva do termo gramatical. Ex.: No texto, o autor emprega vários adjetivos. Qual o objetivo dele ao fazer isso?
  • 12. CONTEXTUALIZAÇÃO Portanto, contextualizar é apresentar aos alunos a língua em situação real, empregada com uma função e provocando um efeito de leitura. Não devemos usar o texto como “pretexto” para ensinar “conteúdos” (gramática metalinguística), mas devemos pensá-lo como o próprio objeto de estudo, ao qual devemos dar muita atenção. Por isso, também, que a interpretação é muito importante (muito mais do que a gramática). Fazer com que o aluno leia, entenda e perceba, na leitura, não só o que está explícito, mas também o que está velado, aumenta sua competência de leitura. Um texto não serve só para retirarmos informações dele, mas para percebermos as relações sociais, os sentidos produzidos, as intenções discursivas e todos os elementos que estão implicados em um processo de leitura interpretativa e compreensão ativa.

Notas do Editor

  1. “ O grão que se semeia, a árvore que se planta não dão fruto imediatamente.” Pe. Gailhac