SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
LIDERANÇA 
DE 
SERVIÇO 
Exposição baseada na obra ¨O Monge e o Executivo¨, de James C. Hunter – 
copyright 1998.
CONCEITO DE LIDERANÇA 
LIDERANÇA é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente 
visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. 
Habilidade é uma capacidade adquirida. Pode ser aprendida e desenvolvida por alguém 
que tenha o desejo e pratique ações adequadas. 
Influência é a ação que uma pessoa exerce sobre a outra. 
Leva as pessoas a fazer o que desejamos. Em contrapartida, recebemos idéias, 
confiança, excelência, em suma, os dons voluntários de cada pessoa. 
Para compreender melhor como se desenvolve a influência, é fundamental compreender a 
diferença entre PODER e AUTORIDADE.
PODER X AUTORIDADE 
PODER “é a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer a sua vontade, por causa de sua 
posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não o fazer”- Max Weber. 
Exemplos: 
Faça isso ou eu despedirei você. 
Faça isso ou irá para o castigo. 
Faça isso, senão… 
AUTORIDADE “é a habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer 
por causa de sua influência pessoal.” – Max Weber 
Exemplos: 
Vou fazer isso porque mamãe pediu. 
Farei tudo o que tiver ao meu alcance para cumprir a meta. 
Regra Áurea – O ideal será que uma pessoa no poder tenha autoridade sobre as pessoas. 
PODER AUTORIDADE 
Pode ser vendido e comprado, dado e tomado Não pode ser comprada, nem vendida; nem 
dada ou tomada. 
Corrói os relacionamentos. Diz respeito a quem você é como pessoa, seu 
caráter. 
Diz respeito à influência que você estabelece.
PODER E VOLUNTÁRIOS 
Na Casa Espírita, em geral, todos os colaboradores são voluntários. 
1. Os voluntários têm mais probabilidade de responder ao poder ou à autoridade? 
Usar poder com voluntários gera fuga, evasão de colaboradores. Eles só são 
voluntários em uma organização que satisfaça suas necessidades. 
2. Lidamos com voluntários no mundo dos negócios? 
Resposta sem reflexão mais profunda: 
Não. Os empregados não são voluntários; são remunerados. 
Resposta com reflexão mais profunda: 
Sim. Os dons individuais de cada um não são alugados. Devem ser, pois, disponibilizados 
de boa vontade. 
Regra Áurea – Quando precisar usar o poder, o líder deve refletir sobre as 
razões que o obrigaram a recorrer a ele.
O CARÁTER 
Caráter é a qualidade inerente a certos modos de ser. 
É formado pelos princípios e valores que dão direção, significado e profundidade à vida. 
O primeiro passo para formar o caráter é enfrentar uma escolha difícil: 
comprometer-se a mudar e manter-se firme. 
Exemplos de qualidades humanas (virtudes): 
Humildade 
Confiabilidade 
Honestidade 
Compromisso 
Atitudes positivas 
Afetividade 
Respeitabilidade 
Bom ouvinte 
Todas são COMPORTAMENTOS. 
Algumas se tornam comportamentos habituais. 
Os hábitos são nossos traços característicos. 
Os hábitos evoluem; amadurecem em altos níveis. 
O desafio para o líder é escolher os traços de caráter que necessitam ser trabalhados.
O PROCESSO DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL 
Mudança comportamental grupal 
Mudança comportamental individual 
D 
I 
F 
I 
C 
U 
L 
D 
A 
D 
E 
S 
Atitudes 
T E M P O 
Aprendizagem 
Auto-reflexão 
Aprendizagem 
Instrução 
Opinião
OS RELACIONAMENTOS 
Ao trabalhar com pessoas e conseguir que as coisas se façam através delas, 
sempre haverá duas dinâmicas em jogo: a TAREFA e o RELACIONAMENTO. 
Concentrando-se em apenas uma das dinâmicas o líder perde o equilíbrio. 
CONCENTRAÇÃO NA TAREFA CONCENTRAÇÃO NO RELACIONAMENTO 
Acontecerão: transferências 
rebeliões 
má qualidade de trabalho 
baixo compromisso 
baixa confiança. 
O líder não terá sua liderança assegurada 
Armadilha: promover pessoas à liderança por causa de suas aptidões 
técnicas. 
Regra Áurea – Executar tarefas enquanto se constroem os relacionamentos. 
Elementos motivadores nos relacionamentos: 
Tratamento digno e respeitoso. 
Sentimento de contribuição para o sucesso da organização ou tarefa. 
Sentimento de participação. 
Segurança. 
CONFIANÇA – O ingrediente imprescindível.
PARADIGMAS E MUDANÇAS 
Paradigmas são simplesmente padrões psicológicos, modelos ou mapas que 
utilizamos para navegar na vida. 
Não vemos o mundo como ele é, mas como nós somos. 
O mundo parece ser muito diferente, dependendo de nossos paradigmas. 
O OUTRO 
RICO 
DOENTE 
JOVEM 
ESPÍRITA 
POBRE 
SADIO 
IDOSO 
CATÓLICO 
VISÕES SUBJETIVAS DO MUNDO 
Torna-se imprescindível eliminar velhos paradigmas, tais como: 
 A Terra é o centro do universo. 
 Mulheres são seres inferiores. 
 Os judeus constituem uma raça inferior. 
 O limbo é a morada de almas não pecadoras. 
 A Casa Espírita não pode ter uma visão empreendedora.
POR QUÊ AS PESSOAS TÊM DIFICULDADES EM MUDAR? 
 A mudança nos desinstala, nos tira da zona de conforto e nos força a fazer coisas de 
modo diferente, o que é difícil. 
> Quando nossas idéias são desafiadas, somos forçados a repensar nossa posição, e por 
isso é sempre desagrável. 
 Em vez de refletir sobre seus comportamentos e enfrentar a árdua tarefa de mudar 
seus paradigmas, muitos se contentam em parmanecer para sempre paralisados em 
seus pequenos trilhos. 
 O progresso contínuo é fundamental tanto para as pessoas como as organizações. 
Nada permanece igual ao longo do tempo. 
> A natureza nos mostra claramente que ou você está vivo e crescendo, ou está morren-do, 
morto ou declinando.
PARADIGMA DE ADMINISTRAÇÃO PIRAMIDAL 
Conceito clássico de administração piramidal: 
PRESIDENTE 
VICE-PRESIDENTES 
GERENTES INTERMEDIÁRIOS 
SUPERVISORES 
EMPREGADOS 
CLIENTES 
Nas organizações todos estão voltados para o chefe, colocando o cliente em segundo ou terceiro 
plano. Os empregados, bem como os escalões intermediários se empenham, sobretudo, em manter 
o chefe satisfeito, o patrão feliz. 
E quem se preocupa em manter o cliente feliz?
NOVO PARADIGMA NAS ORGANIZAÇÕES 
É necessário inverter o triângulo e colocar o cliente no topo. 
CLIENTES 
EMPREGADOS 
SUPERVISORES 
GERENTES INTERMEDIÁRIOS 
VICE-PRESIDENTES 
PRESIDENTE 
Neste caso os empregados, apoiados pela linha de supervisores, estarão em contato direto com os 
clientes, servindo-os (removendo obstáculos) e garantindo o preenchimento de suas reais necessidades. 
É imprescindível também considerar que os supervisores comecem a ver os empregados como clientes, 
identificando-se com suas necessidades e removendo obstáculos ao fluxo de trabalho. É reconhecer que 
o papel do líder não é impor regras e dar ordens, mas servir. SERVIR É REMOVER OBSTÁCULOS.
NECESSIDADES X VONTADES 
Uma vontade é simplesmente um anseio que não considera as conseqüências físicas 
ou psicológicas daquilo que se deseja. 
Uma necessidade é uma legítima exigência física ou psicológica para o bem estar do 
ser humano. 
Atenção! Não se afirma que os líderes devem identificar e fazer a vontade das pessoas, ser 
escravos delas. Os escravos fazem o que os outros querem; os servidores fazem o que os outros 
precisam. 
O líder deve estar sempre mais preocupado com as 
necessidades do que com as vontades. 
As pessoas são diferentes, o que faz com que tenham necessidades diferentes, todavia, sempre é 
fundamental considerar que existem necessidades universais, como por exemplo, o respeito e a 
estima. 
Necessidades diferentes exigem diferentes estilos de tratamento para lidar com as necessidades 
individuais, o que sempre exigirá do líder alto grau de flexibilidade. 
Se o papel do líder é identificar e satisfazer as legítimas necessidades das pessoas é 
fundamental que o líder esteja permanentemente indagando: 
- Quais são as reais necessidades dos meus liderados?
TEORIA DA HIERARQUIA DAS NECESSIDADES HUMANAS 
Abraham Maslow 
AUTO- 
-REALIZAÇÃO 
AUTO-ESTIMA 
PERTENCIMENTO E AMOR 
SEGURANÇA / PROTEÇÃO 
PRIMÁRIAS 
Necessidades universais 
As necessidades primárias são de base. Se não forem satisfeitas o corpo físico morre. 
As necessidades da segunda camada exigem segurança, juntamente com o fornecimento de limites 
e o estabelecimento de regras. 
Seguem-se as necessidades da pessoa estar integrada a um determinado grupo social e de ser 
amada. 
Impõe-se a necessidade da pessoa sentir-se valorizada, tratada com respeito, apreciada, encorajada, 
tendo suas ações reconhecidas. 
Chega-se ao patamar da auto-realização – a construção das experiências ético-morais. 
Princípios básicos: 
1. As necessidades de nível mais baixo devem ser satisfeitas antes das necessidades mais altas. 
2. Somente após a concretização das necessidades de um determinado nível é que o indivíduo 
busca as necessidades de um nível imediatamente superior.
LIDERANÇA DE SERVIÇO 
A partir do conceito de liderança já enunciado: 
Liderança é a capacidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente 
na busca de objetivos identificados como sendo para o bem comum; 
perguntaremos – QUEM FOI O MAIOR LÍDER EM TODOS OS TEMPOS? 
Resposta: - JESUS. – 
Modelo e guia da Humanidade. 
Modelo de liderança vivenciada por JESUS: 
 Para liderar você deve SERVIR – liderança de serviço. 
 Jesus não utilizava o estilo de PODER. Jesus usava AUTORIDADE. 
Nunca forçou ou coagiu ninguém. 
SERVIR É IDENTIFICAR E SATISFAZER NECESSIDADES LEGÍTIMAS. 
Jesus liderou seus discípulos por longo período. A liderança que se exerce a longo prazo, 
suportando o teste do tempo, deve ser construída sobre a autoridade. 
Lembremos: Autoridade é a capacidade de levar as pessoas a realizarem a vontade do líder de 
bom grado, por causa de sua influência pessoal.
LIDERANÇA DE SERVIÇO 
Outros exemplos de LIDERANÇA DE SERVIÇO: 
Mahatma Gandhi – asseverava aos seus seguidores que teriam de se sacrificar para servir à 
causa da liberdade. Através do sacrifício começariam a chamar a atenção do mundo. Afirmava 
que teriam que suportar a dor e o sofrimento pela causa da não-violência. 
SERVIR UMA CAUSA É SACRIFICAR-SE POR ELA. 
Martin Luther King Jr. – acreditava que se sacrificando pela causa da não segregação, ele 
poderia chamar a atenção da nação para as injustiças que os negros suportavam na América. 
Para satisfazer necessidades legítimas é preciso freqüentemente fazer sacrifícios por aqueles 
a quem servimos, daí a LEI DA COLHEITA: 
COLHE-SE O QUE SE PLANTA. 
Resumindo: 
LIDERANÇA 
AUTORIDADE 
SERVIÇO E SACRIFÍCIO
LIDERANÇA DE SERVIÇO 
Como se constrói SERVIÇO e SACRIFÍCIO? 
Com AMOR. Amor é aqui referido como comportamento e não como um sentimento. 
É imprescindível amar, isto é, sentir as reais necessidades e não os desejos daqueles que 
lideramos. 
LIDERANÇA 
AUTORIDADE 
SERVIÇO E SACRIFÍCIO 
AMOR 
Resumindo:
LIDERANÇA DE SERVIÇO 
Onde o amor se fundamenta? 
Na VONTADE. 
Intenções menos ações é igual a nada. 
INTENÇÕES - AÇÕES = 0 
Todas as boas intenções do mundo não significam coisa alguma se não forem acompanhadas 
por ações conseqüentes. Quando as ações não correspondem à vontade das pessoas, pois se limitam 
a apenas cumprir burocraticamente suas tarefas, os relacionamentos ficam em um segundo plano. 
Todavia, quando nossas ações estiverem de acordo com nossas intenções e se somem, 
é que nós estamos nos tornando pessoas harmoniosas e líderes coerentes. 
INTENÇÕES + AÇÕES = LÍDERES 
Desta forma, 
Vontade é a capacidade de sintonizar ações e intenções, determinando nosso 
comportamento.
MODELO DE LIDERANÇA COM AUTORIDADE 
Resumindo: 
LIDERANÇA 
AUTORIDADE 
SERVIÇO E SACRIFÍCIO 
AMOR 
VONTADE 
LIDERAR É IDENTIFICAR E SATISFAZER NECESSIDADES, COM AMOR.
OS PARADIGMAS DE LIDERANÇA 
As idéias sobre liderança até aqui expostas são emprestadas - 
O verdadeiro detentor é JESUS. 
Nossa religião é simplesmente o conjunto de alguns de nossos paradigmas, 
as crenças com que respondemos às difíceis questões existenciais: 
 O universo sempre existiu? 
 O universo é eterno? 
 O universo foi feito ao acaso ou há uma finalidade maior? 
 Quem sou eu? 
 Para onde vou após a morte? 
 Qual o sentido da vida? 
Os ateus também são pessoas religiosas, porque eles também têm suas respostas 
para essas perguntas. 
Tudo na vida é relacional: 
DEUS 
EU PRÓXIMO 
Devemos fazer escolhas à respeito de tais RELACIONAMENTOS. 
Relacionamentos devem ser : cuidadosamente desenvolvidos na vida; 
cuidadosamente alimentados na vida.
OS PARADIGMAS DE LIDERANÇA 
Modelo: LIDERANÇA AFIRMADA NO AMOR. 
PACIÊNCIA Mostrar autocontrole. 
BONDADE Dar atenção, apreciação e incentivo. 
HUMILDADE Ser autêntico e sem pretenção e arrogância. 
RESPEITO Tratar os outros como pessoas importantes. 
ABNEGAÇÃO Satisfazer as necessidades dos outros. 
PERDÃO Desistir do ressentimento quando prejudicado. 
HONESTIDADE Ser livre de engano. 
COMPROMISSO Sustentar suas escolhas. 
RESULTADOS Por de lado suas vontades e necessidades, buscar o maior bem 
Serviço e Sacrifício para os outros. 
Quando estamos comprometidos com o amor a DEUS e aos outros e continuamos a 
investir nesse sentido, comportamentos positivos acabarão produzindo sentimentos positivos, 
algo que os sociólogos denominam de PRÁXIS.
O 
LÍDER 
ESPÍRITA
POSTURA DO COLABORADOR ESPÍRITA 
EQÜANIMIDADE Remove o hábito da discriminação entre amigos e inimigos. 
Mente eqüitativa. 
ALEGRIA Remove o sofrimento. 
A mente jubilosa vê o mundo e as pessoas com alegria e 
gratidão. 
TERNURA Afasta a ira e remove tudo aquilo que impede a criatura 
humana de ser feliz. 
Vê a todos com bondade. 
COMPAIXÃO Afasta a cobiça, a idéia do poder pelo poder, compartilhando 
o amor. 
Produz bem-estar para si e para os outros. 
PAZ NO CENTRO ESPÍRITA
TÓPICOS ESSENCIAIS 
CONHECIMENTO 
DOUTRINÁRIO 
VALORES 
ESPIRITUAIS 
REALIZAÇÕES 
PROGRESSO 
AVALIAÇÃO DAS 
ATIVIDADES 
AUTOAVALIAÇÃO 
VISÃO DO TODO INTERDEPENDÊNCIA 
COMPROMETIMENTO PROATIVIDADE
COMPROMETIMENTO 
DO 
ESPÍRITA 
Por longo tempo muitos apenas se serviram do Espiritismo, todavia, 
é chegada a hora de passarmos, todos, a servir nossa amada e veneranda 
Doutrina Espírita.
TIPOS DE COMPROMETIMENTO 
para com a organização Centro Espírita. 
• AFETIVO 
permanece na organização porque quer. 
• INSTRUMENTAL 
permanece na organização porque precisa. 
• NORMATIVO 
permanece na organização porque reflete sentimento de obrigação.
TIPOS DE COMPROMETIMENTO 
segundo as ações individuais 
O ÊXITO exige de cada um a CORAGEM para correr riscos, para assumir 
posições e para defender pontos de vista. 
COMPROMISSO CONSIGO MESMO 
As pessoas de SUCESSO são as que não têm medo de se COMPROMETER 
com as causas e coisas da organização 
COMPROMISSO COM OS OUTROS
TIPOS DE COMPROMETIMENTO 
segundo as ações individuais 
OS PERDEDORES 
PERDEDORES são aqueles que têm medo de se expor. 
Não falam, não emitem opinião, criticam pelas costas, evitam as reuniões 
(oportunidade de diálogo) e por isso fracassam! 
SEM COMPROMISSO
IMPORTÂNCIA DO COMPROMETIMENTO 
A diferença fundamental entre as pessoas está na medida do 
COMPROMETIMENTO, 
do envolvimento, da participação e da capacidade de fazer, 
de empreender e, às vezes, ........... 
ERRAR !!!
EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO 
Mensagens 
de 
Chico Xavier
EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO 
¨Outro dia me perguntaram 
porque continuo trabalhando, apesar 
da enfermidade, das limitações¨. 
RESPONDI: 
-¨Estou doente, mas ainda não cheguei à inutilidade. 
Ou fazemos ou fica por fazer. Ninguém pode fazer o que 
temos que fazer. A gente tem que agüentar. A 
desistência do dever gera um complexo de culpa muito 
grande¨.
EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO 
¨A gente deve lutar contra 
o comodismo e a 
ociosidade; 
caso contrário, vamos 
retornar ao Mundo 
Espiritual 
com enorme sensação de vazio... 
Dizem que eu tenho feito muito, mas, para mim, 
não fiz um décimo do que deveria ter feito...
EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO 
¨A questão mais aflitiva 
para o Espírito 
no além é a consciência 
do tempo perdido! 
Tudo que pudermos fazer 
no bem, não devemos 
adiar... 
Carecemos somar esforços, criando, digamos, 
uma energia dinâmica que se anteponha às 
forças do mal... 
Ninguém tem o direito de se omitir.
EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO 
¨Emmanuel sempre me 
ensinou assim: 
- Chico, se as críticas 
dirigidas a você são 
verdadeiras, 
não reclame; 
se não são, não ligue para 
elas. 
O Cristo não pediu muita coisa, não exigiu que as 
pessoas escalassem o Everest ou fizessem grandes 
sacrifícios. 
Ele só pediu que nos amássemos uns aos outros.
CONCLUSÁO 
Ao concluírmos a presente exposição, de forma objetiva, devemos: 
1. Redefinir o próprio conceito de LIDERANÇA. 
Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para 
trabalharem entusiasticamente visando atingir objetivos 
comuns, inspirando confiança por meio da força do caráter. 
1. Para os propósitos do conceito de liderança servidora, o AMOR será 
definido como: 
AMOR é o ato de se pôr à disposição dos outros, 
identificando e atendendo suas reais necessidades, sempre 
procurando o bem maior. 
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...
Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...
Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...Alexandre Rodrigues
 
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em GrupoLiderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em GrupoRafael Barbosa Camargo
 
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio PereiraTreinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio PereiraHélder Emiliano de Souza
 
Eduardo alves o monge e o executivo paper
Eduardo alves o monge e o executivo paperEduardo alves o monge e o executivo paper
Eduardo alves o monge e o executivo paperEduardo Ribeiro
 
As leis da lideranca
As leis da liderancaAs leis da lideranca
As leis da liderancaIsmael
 
PrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAPrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAMessias Matusse
 
Trabalho Desafio Empreendedor 04082010
Trabalho Desafio Empreendedor 04082010Trabalho Desafio Empreendedor 04082010
Trabalho Desafio Empreendedor 04082010Thiago Thomaz
 
Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1
Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1
Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1Ana Flávia Pereira
 
Liderança e seus princípios
Liderança e seus princípiosLiderança e seus princípios
Liderança e seus princípioseliasgoncalves
 
Liderança e Motivação
Liderança e MotivaçãoLiderança e Motivação
Liderança e Motivaçãomfcorreia
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismorobsonnasc
 
estudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãestudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãReginaldo Pacheco
 
Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...
Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR  OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR  OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...
Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...Jazon Pereira
 
Palestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipePalestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipeMarcely Santos
 
Curso de chefia e liderança parte 4/6
Curso de chefia e liderança   parte 4/6Curso de chefia e liderança   parte 4/6
Curso de chefia e liderança parte 4/6ABCursos OnLine
 

Mais procurados (20)

Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...
Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...
Resumo do livro - O monge e o executivo - uma história sobre a essência da li...
 
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em GrupoLiderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
Liderança servidora e os Desafios da Motivação em Grupo
 
Fichamento o monge e o executivo ti
Fichamento    o monge e o executivo tiFichamento    o monge e o executivo ti
Fichamento o monge e o executivo ti
 
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio PereiraTreinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
 
Eduardo alves o monge e o executivo paper
Eduardo alves o monge e o executivo paperEduardo alves o monge e o executivo paper
Eduardo alves o monge e o executivo paper
 
As leis da lideranca
As leis da liderancaAs leis da lideranca
As leis da lideranca
 
Treinamento liderança
Treinamento liderançaTreinamento liderança
Treinamento liderança
 
PrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançAPrincíPios De LiderançA
PrincíPios De LiderançA
 
Trabalho Desafio Empreendedor 04082010
Trabalho Desafio Empreendedor 04082010Trabalho Desafio Empreendedor 04082010
Trabalho Desafio Empreendedor 04082010
 
Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1
Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1
Resumo de "O Monge e o Executivo" - Capítulo 1
 
LiderançA1 Ok
LiderançA1 OkLiderançA1 Ok
LiderançA1 Ok
 
Liderança e seus princípios
Liderança e seus princípiosLiderança e seus princípios
Liderança e seus princípios
 
Liderança e Motivação
Liderança e MotivaçãoLiderança e Motivação
Liderança e Motivação
 
Motivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança EmpreendedorismoMotivação Liderança Empreendedorismo
Motivação Liderança Empreendedorismo
 
estudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristãestudo sobre Liderança cristã
estudo sobre Liderança cristã
 
Liderança servidora
Liderança servidoraLiderança servidora
Liderança servidora
 
Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...
Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR  OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR  OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...
Gestão de pessoas (COMO SE TORNAR UM LIDER SERVIDOR OS PRINCIPIOS DE LIDERAN...
 
Palestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipePalestra liderança e trabalho em equipe
Palestra liderança e trabalho em equipe
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Curso de chefia e liderança parte 4/6
Curso de chefia e liderança   parte 4/6Curso de chefia e liderança   parte 4/6
Curso de chefia e liderança parte 4/6
 

Semelhante a Lideranca 120402214620-phpapp01

O Monge e o Executivo - Lições de Liderança
O Monge e o Executivo - Lições de LiderançaO Monge e o Executivo - Lições de Liderança
O Monge e o Executivo - Lições de LiderançaDeomari Fragoso
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Tania Montandon
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoDeomari Fragoso
 
A essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptxA essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptxVanildaCapinam
 
Aula 12 - Competências Gerenciais.pdf
Aula 12    - Competências Gerenciais.pdfAula 12    - Competências Gerenciais.pdf
Aula 12 - Competências Gerenciais.pdfadriellyrlima
 
Liderança e motivação
Liderança e motivaçãoLiderança e motivação
Liderança e motivaçãoRodneync
 
Chefia lideranca
Chefia liderancaChefia lideranca
Chefia liderancaprvasoft
 
Treinamento O Monge E O Consultor
Treinamento O Monge E  O ConsultorTreinamento O Monge E  O Consultor
Treinamento O Monge E O Consultorbpc
 
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20   desenvolvendo a arte de administrarAula 20   desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrarLuiz Siles
 
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]Roberto Possarle
 
Fala do trabalho de comunicacao
Fala do trabalho de comunicacaoFala do trabalho de comunicacao
Fala do trabalho de comunicacaoRafael Sena
 

Semelhante a Lideranca 120402214620-phpapp01 (20)

O Monge e o Executivo - Lições de Liderança
O Monge e o Executivo - Lições de LiderançaO Monge e o Executivo - Lições de Liderança
O Monge e o Executivo - Lições de Liderança
 
liderança
liderançaliderança
liderança
 
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
Motivao Liderana Empreendedorismo 1202230573380806 3
 
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e EmpreendedorismoMotivação, Liderança e Empreendedorismo
Motivação, Liderança e Empreendedorismo
 
Que é uma liderança
Que é uma liderançaQue é uma liderança
Que é uma liderança
 
A essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptxA essência da liderança.pptx
A essência da liderança.pptx
 
Liderança | chefias
Liderança | chefiasLiderança | chefias
Liderança | chefias
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Aula 12 - Competências Gerenciais.pdf
Aula 12    - Competências Gerenciais.pdfAula 12    - Competências Gerenciais.pdf
Aula 12 - Competências Gerenciais.pdf
 
Liderança 01
Liderança 01Liderança 01
Liderança 01
 
Liderança e motivação
Liderança e motivaçãoLiderança e motivação
Liderança e motivação
 
Chefia lideranca
Chefia liderancaChefia lideranca
Chefia lideranca
 
Treinamento O Monge E O Consultor
Treinamento O Monge E  O ConsultorTreinamento O Monge E  O Consultor
Treinamento O Monge E O Consultor
 
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20   desenvolvendo a arte de administrarAula 20   desenvolvendo a arte de administrar
Aula 20 desenvolvendo a arte de administrar
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
Motivacao lideranca empreendedorismo[1]
 
Fala do trabalho de comunicacao
Fala do trabalho de comunicacaoFala do trabalho de comunicacao
Fala do trabalho de comunicacao
 
Equipe 3
Equipe 3Equipe 3
Equipe 3
 
AULA 01.pptx
AULA 01.pptxAULA 01.pptx
AULA 01.pptx
 

Mais de Universidade Unesa

Manual de interpretação e aplicação da nr 10
Manual de interpretação e aplicação da nr 10Manual de interpretação e aplicação da nr 10
Manual de interpretação e aplicação da nr 10Universidade Unesa
 
Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8
Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8
Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8Universidade Unesa
 
Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4
Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4
Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4Universidade Unesa
 
Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02
Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02
Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02Universidade Unesa
 
Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02
Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02
Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02Universidade Unesa
 
Liderana 1210184941713462-8 (1)
Liderana 1210184941713462-8 (1)Liderana 1210184941713462-8 (1)
Liderana 1210184941713462-8 (1)Universidade Unesa
 
Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02Universidade Unesa
 
Liderana 120517174738-phpapp01
Liderana 120517174738-phpapp01Liderana 120517174738-phpapp01
Liderana 120517174738-phpapp01Universidade Unesa
 
Liderana 120517174738-phpapp01 (1)
Liderana 120517174738-phpapp01 (1)Liderana 120517174738-phpapp01 (1)
Liderana 120517174738-phpapp01 (1)Universidade Unesa
 
Liderana 120214132210-phpapp02
Liderana 120214132210-phpapp02Liderana 120214132210-phpapp02
Liderana 120214132210-phpapp02Universidade Unesa
 

Mais de Universidade Unesa (15)

Manual de interpretação e aplicação da nr 10
Manual de interpretação e aplicação da nr 10Manual de interpretação e aplicação da nr 10
Manual de interpretação e aplicação da nr 10
 
Lideranca
LiderancaLideranca
Lideranca
 
Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8
Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8
Liderana o-caminho-para-o-sucesso-1222751372562725-8
 
Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4
Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4
Liderana gesto-de-equipes-1-passo-como-ser-lder-120404292235259-4
 
Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02
Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02
Lideranaeseusprincpios 100727210641-phpapp02
 
Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02
Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02
Lideranaemotivao 140203114643-phpapp02
 
Liderana 1210184941713462-8
Liderana 1210184941713462-8Liderana 1210184941713462-8
Liderana 1210184941713462-8
 
Liderana 1210184941713462-8 (1)
Liderana 1210184941713462-8 (1)Liderana 1210184941713462-8 (1)
Liderana 1210184941713462-8 (1)
 
Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02Liderana 140316043242-phpapp02
Liderana 140316043242-phpapp02
 
Liderana 120517174738-phpapp01
Liderana 120517174738-phpapp01Liderana 120517174738-phpapp01
Liderana 120517174738-phpapp01
 
Liderana 120517174738-phpapp01 (1)
Liderana 120517174738-phpapp01 (1)Liderana 120517174738-phpapp01 (1)
Liderana 120517174738-phpapp01 (1)
 
Liderana 120214132210-phpapp02
Liderana 120214132210-phpapp02Liderana 120214132210-phpapp02
Liderana 120214132210-phpapp02
 
Guia nr 33 mte
Guia nr 33 mteGuia nr 33 mte
Guia nr 33 mte
 
liderança
liderançaliderança
liderança
 
Fundação cesgranrio
Fundação cesgranrioFundação cesgranrio
Fundação cesgranrio
 

Último

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 

Último (20)

UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 

Lideranca 120402214620-phpapp01

  • 1. LIDERANÇA DE SERVIÇO Exposição baseada na obra ¨O Monge e o Executivo¨, de James C. Hunter – copyright 1998.
  • 2. CONCEITO DE LIDERANÇA LIDERANÇA é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum. Habilidade é uma capacidade adquirida. Pode ser aprendida e desenvolvida por alguém que tenha o desejo e pratique ações adequadas. Influência é a ação que uma pessoa exerce sobre a outra. Leva as pessoas a fazer o que desejamos. Em contrapartida, recebemos idéias, confiança, excelência, em suma, os dons voluntários de cada pessoa. Para compreender melhor como se desenvolve a influência, é fundamental compreender a diferença entre PODER e AUTORIDADE.
  • 3. PODER X AUTORIDADE PODER “é a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer a sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não o fazer”- Max Weber. Exemplos: Faça isso ou eu despedirei você. Faça isso ou irá para o castigo. Faça isso, senão… AUTORIDADE “é a habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal.” – Max Weber Exemplos: Vou fazer isso porque mamãe pediu. Farei tudo o que tiver ao meu alcance para cumprir a meta. Regra Áurea – O ideal será que uma pessoa no poder tenha autoridade sobre as pessoas. PODER AUTORIDADE Pode ser vendido e comprado, dado e tomado Não pode ser comprada, nem vendida; nem dada ou tomada. Corrói os relacionamentos. Diz respeito a quem você é como pessoa, seu caráter. Diz respeito à influência que você estabelece.
  • 4. PODER E VOLUNTÁRIOS Na Casa Espírita, em geral, todos os colaboradores são voluntários. 1. Os voluntários têm mais probabilidade de responder ao poder ou à autoridade? Usar poder com voluntários gera fuga, evasão de colaboradores. Eles só são voluntários em uma organização que satisfaça suas necessidades. 2. Lidamos com voluntários no mundo dos negócios? Resposta sem reflexão mais profunda: Não. Os empregados não são voluntários; são remunerados. Resposta com reflexão mais profunda: Sim. Os dons individuais de cada um não são alugados. Devem ser, pois, disponibilizados de boa vontade. Regra Áurea – Quando precisar usar o poder, o líder deve refletir sobre as razões que o obrigaram a recorrer a ele.
  • 5. O CARÁTER Caráter é a qualidade inerente a certos modos de ser. É formado pelos princípios e valores que dão direção, significado e profundidade à vida. O primeiro passo para formar o caráter é enfrentar uma escolha difícil: comprometer-se a mudar e manter-se firme. Exemplos de qualidades humanas (virtudes): Humildade Confiabilidade Honestidade Compromisso Atitudes positivas Afetividade Respeitabilidade Bom ouvinte Todas são COMPORTAMENTOS. Algumas se tornam comportamentos habituais. Os hábitos são nossos traços característicos. Os hábitos evoluem; amadurecem em altos níveis. O desafio para o líder é escolher os traços de caráter que necessitam ser trabalhados.
  • 6. O PROCESSO DE MUDANÇA COMPORTAMENTAL Mudança comportamental grupal Mudança comportamental individual D I F I C U L D A D E S Atitudes T E M P O Aprendizagem Auto-reflexão Aprendizagem Instrução Opinião
  • 7. OS RELACIONAMENTOS Ao trabalhar com pessoas e conseguir que as coisas se façam através delas, sempre haverá duas dinâmicas em jogo: a TAREFA e o RELACIONAMENTO. Concentrando-se em apenas uma das dinâmicas o líder perde o equilíbrio. CONCENTRAÇÃO NA TAREFA CONCENTRAÇÃO NO RELACIONAMENTO Acontecerão: transferências rebeliões má qualidade de trabalho baixo compromisso baixa confiança. O líder não terá sua liderança assegurada Armadilha: promover pessoas à liderança por causa de suas aptidões técnicas. Regra Áurea – Executar tarefas enquanto se constroem os relacionamentos. Elementos motivadores nos relacionamentos: Tratamento digno e respeitoso. Sentimento de contribuição para o sucesso da organização ou tarefa. Sentimento de participação. Segurança. CONFIANÇA – O ingrediente imprescindível.
  • 8. PARADIGMAS E MUDANÇAS Paradigmas são simplesmente padrões psicológicos, modelos ou mapas que utilizamos para navegar na vida. Não vemos o mundo como ele é, mas como nós somos. O mundo parece ser muito diferente, dependendo de nossos paradigmas. O OUTRO RICO DOENTE JOVEM ESPÍRITA POBRE SADIO IDOSO CATÓLICO VISÕES SUBJETIVAS DO MUNDO Torna-se imprescindível eliminar velhos paradigmas, tais como:  A Terra é o centro do universo.  Mulheres são seres inferiores.  Os judeus constituem uma raça inferior.  O limbo é a morada de almas não pecadoras.  A Casa Espírita não pode ter uma visão empreendedora.
  • 9. POR QUÊ AS PESSOAS TÊM DIFICULDADES EM MUDAR?  A mudança nos desinstala, nos tira da zona de conforto e nos força a fazer coisas de modo diferente, o que é difícil. > Quando nossas idéias são desafiadas, somos forçados a repensar nossa posição, e por isso é sempre desagrável.  Em vez de refletir sobre seus comportamentos e enfrentar a árdua tarefa de mudar seus paradigmas, muitos se contentam em parmanecer para sempre paralisados em seus pequenos trilhos.  O progresso contínuo é fundamental tanto para as pessoas como as organizações. Nada permanece igual ao longo do tempo. > A natureza nos mostra claramente que ou você está vivo e crescendo, ou está morren-do, morto ou declinando.
  • 10. PARADIGMA DE ADMINISTRAÇÃO PIRAMIDAL Conceito clássico de administração piramidal: PRESIDENTE VICE-PRESIDENTES GERENTES INTERMEDIÁRIOS SUPERVISORES EMPREGADOS CLIENTES Nas organizações todos estão voltados para o chefe, colocando o cliente em segundo ou terceiro plano. Os empregados, bem como os escalões intermediários se empenham, sobretudo, em manter o chefe satisfeito, o patrão feliz. E quem se preocupa em manter o cliente feliz?
  • 11. NOVO PARADIGMA NAS ORGANIZAÇÕES É necessário inverter o triângulo e colocar o cliente no topo. CLIENTES EMPREGADOS SUPERVISORES GERENTES INTERMEDIÁRIOS VICE-PRESIDENTES PRESIDENTE Neste caso os empregados, apoiados pela linha de supervisores, estarão em contato direto com os clientes, servindo-os (removendo obstáculos) e garantindo o preenchimento de suas reais necessidades. É imprescindível também considerar que os supervisores comecem a ver os empregados como clientes, identificando-se com suas necessidades e removendo obstáculos ao fluxo de trabalho. É reconhecer que o papel do líder não é impor regras e dar ordens, mas servir. SERVIR É REMOVER OBSTÁCULOS.
  • 12. NECESSIDADES X VONTADES Uma vontade é simplesmente um anseio que não considera as conseqüências físicas ou psicológicas daquilo que se deseja. Uma necessidade é uma legítima exigência física ou psicológica para o bem estar do ser humano. Atenção! Não se afirma que os líderes devem identificar e fazer a vontade das pessoas, ser escravos delas. Os escravos fazem o que os outros querem; os servidores fazem o que os outros precisam. O líder deve estar sempre mais preocupado com as necessidades do que com as vontades. As pessoas são diferentes, o que faz com que tenham necessidades diferentes, todavia, sempre é fundamental considerar que existem necessidades universais, como por exemplo, o respeito e a estima. Necessidades diferentes exigem diferentes estilos de tratamento para lidar com as necessidades individuais, o que sempre exigirá do líder alto grau de flexibilidade. Se o papel do líder é identificar e satisfazer as legítimas necessidades das pessoas é fundamental que o líder esteja permanentemente indagando: - Quais são as reais necessidades dos meus liderados?
  • 13. TEORIA DA HIERARQUIA DAS NECESSIDADES HUMANAS Abraham Maslow AUTO- -REALIZAÇÃO AUTO-ESTIMA PERTENCIMENTO E AMOR SEGURANÇA / PROTEÇÃO PRIMÁRIAS Necessidades universais As necessidades primárias são de base. Se não forem satisfeitas o corpo físico morre. As necessidades da segunda camada exigem segurança, juntamente com o fornecimento de limites e o estabelecimento de regras. Seguem-se as necessidades da pessoa estar integrada a um determinado grupo social e de ser amada. Impõe-se a necessidade da pessoa sentir-se valorizada, tratada com respeito, apreciada, encorajada, tendo suas ações reconhecidas. Chega-se ao patamar da auto-realização – a construção das experiências ético-morais. Princípios básicos: 1. As necessidades de nível mais baixo devem ser satisfeitas antes das necessidades mais altas. 2. Somente após a concretização das necessidades de um determinado nível é que o indivíduo busca as necessidades de um nível imediatamente superior.
  • 14. LIDERANÇA DE SERVIÇO A partir do conceito de liderança já enunciado: Liderança é a capacidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente na busca de objetivos identificados como sendo para o bem comum; perguntaremos – QUEM FOI O MAIOR LÍDER EM TODOS OS TEMPOS? Resposta: - JESUS. – Modelo e guia da Humanidade. Modelo de liderança vivenciada por JESUS:  Para liderar você deve SERVIR – liderança de serviço.  Jesus não utilizava o estilo de PODER. Jesus usava AUTORIDADE. Nunca forçou ou coagiu ninguém. SERVIR É IDENTIFICAR E SATISFAZER NECESSIDADES LEGÍTIMAS. Jesus liderou seus discípulos por longo período. A liderança que se exerce a longo prazo, suportando o teste do tempo, deve ser construída sobre a autoridade. Lembremos: Autoridade é a capacidade de levar as pessoas a realizarem a vontade do líder de bom grado, por causa de sua influência pessoal.
  • 15. LIDERANÇA DE SERVIÇO Outros exemplos de LIDERANÇA DE SERVIÇO: Mahatma Gandhi – asseverava aos seus seguidores que teriam de se sacrificar para servir à causa da liberdade. Através do sacrifício começariam a chamar a atenção do mundo. Afirmava que teriam que suportar a dor e o sofrimento pela causa da não-violência. SERVIR UMA CAUSA É SACRIFICAR-SE POR ELA. Martin Luther King Jr. – acreditava que se sacrificando pela causa da não segregação, ele poderia chamar a atenção da nação para as injustiças que os negros suportavam na América. Para satisfazer necessidades legítimas é preciso freqüentemente fazer sacrifícios por aqueles a quem servimos, daí a LEI DA COLHEITA: COLHE-SE O QUE SE PLANTA. Resumindo: LIDERANÇA AUTORIDADE SERVIÇO E SACRIFÍCIO
  • 16. LIDERANÇA DE SERVIÇO Como se constrói SERVIÇO e SACRIFÍCIO? Com AMOR. Amor é aqui referido como comportamento e não como um sentimento. É imprescindível amar, isto é, sentir as reais necessidades e não os desejos daqueles que lideramos. LIDERANÇA AUTORIDADE SERVIÇO E SACRIFÍCIO AMOR Resumindo:
  • 17. LIDERANÇA DE SERVIÇO Onde o amor se fundamenta? Na VONTADE. Intenções menos ações é igual a nada. INTENÇÕES - AÇÕES = 0 Todas as boas intenções do mundo não significam coisa alguma se não forem acompanhadas por ações conseqüentes. Quando as ações não correspondem à vontade das pessoas, pois se limitam a apenas cumprir burocraticamente suas tarefas, os relacionamentos ficam em um segundo plano. Todavia, quando nossas ações estiverem de acordo com nossas intenções e se somem, é que nós estamos nos tornando pessoas harmoniosas e líderes coerentes. INTENÇÕES + AÇÕES = LÍDERES Desta forma, Vontade é a capacidade de sintonizar ações e intenções, determinando nosso comportamento.
  • 18. MODELO DE LIDERANÇA COM AUTORIDADE Resumindo: LIDERANÇA AUTORIDADE SERVIÇO E SACRIFÍCIO AMOR VONTADE LIDERAR É IDENTIFICAR E SATISFAZER NECESSIDADES, COM AMOR.
  • 19. OS PARADIGMAS DE LIDERANÇA As idéias sobre liderança até aqui expostas são emprestadas - O verdadeiro detentor é JESUS. Nossa religião é simplesmente o conjunto de alguns de nossos paradigmas, as crenças com que respondemos às difíceis questões existenciais:  O universo sempre existiu?  O universo é eterno?  O universo foi feito ao acaso ou há uma finalidade maior?  Quem sou eu?  Para onde vou após a morte?  Qual o sentido da vida? Os ateus também são pessoas religiosas, porque eles também têm suas respostas para essas perguntas. Tudo na vida é relacional: DEUS EU PRÓXIMO Devemos fazer escolhas à respeito de tais RELACIONAMENTOS. Relacionamentos devem ser : cuidadosamente desenvolvidos na vida; cuidadosamente alimentados na vida.
  • 20. OS PARADIGMAS DE LIDERANÇA Modelo: LIDERANÇA AFIRMADA NO AMOR. PACIÊNCIA Mostrar autocontrole. BONDADE Dar atenção, apreciação e incentivo. HUMILDADE Ser autêntico e sem pretenção e arrogância. RESPEITO Tratar os outros como pessoas importantes. ABNEGAÇÃO Satisfazer as necessidades dos outros. PERDÃO Desistir do ressentimento quando prejudicado. HONESTIDADE Ser livre de engano. COMPROMISSO Sustentar suas escolhas. RESULTADOS Por de lado suas vontades e necessidades, buscar o maior bem Serviço e Sacrifício para os outros. Quando estamos comprometidos com o amor a DEUS e aos outros e continuamos a investir nesse sentido, comportamentos positivos acabarão produzindo sentimentos positivos, algo que os sociólogos denominam de PRÁXIS.
  • 22. POSTURA DO COLABORADOR ESPÍRITA EQÜANIMIDADE Remove o hábito da discriminação entre amigos e inimigos. Mente eqüitativa. ALEGRIA Remove o sofrimento. A mente jubilosa vê o mundo e as pessoas com alegria e gratidão. TERNURA Afasta a ira e remove tudo aquilo que impede a criatura humana de ser feliz. Vê a todos com bondade. COMPAIXÃO Afasta a cobiça, a idéia do poder pelo poder, compartilhando o amor. Produz bem-estar para si e para os outros. PAZ NO CENTRO ESPÍRITA
  • 23. TÓPICOS ESSENCIAIS CONHECIMENTO DOUTRINÁRIO VALORES ESPIRITUAIS REALIZAÇÕES PROGRESSO AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES AUTOAVALIAÇÃO VISÃO DO TODO INTERDEPENDÊNCIA COMPROMETIMENTO PROATIVIDADE
  • 24. COMPROMETIMENTO DO ESPÍRITA Por longo tempo muitos apenas se serviram do Espiritismo, todavia, é chegada a hora de passarmos, todos, a servir nossa amada e veneranda Doutrina Espírita.
  • 25. TIPOS DE COMPROMETIMENTO para com a organização Centro Espírita. • AFETIVO permanece na organização porque quer. • INSTRUMENTAL permanece na organização porque precisa. • NORMATIVO permanece na organização porque reflete sentimento de obrigação.
  • 26. TIPOS DE COMPROMETIMENTO segundo as ações individuais O ÊXITO exige de cada um a CORAGEM para correr riscos, para assumir posições e para defender pontos de vista. COMPROMISSO CONSIGO MESMO As pessoas de SUCESSO são as que não têm medo de se COMPROMETER com as causas e coisas da organização COMPROMISSO COM OS OUTROS
  • 27. TIPOS DE COMPROMETIMENTO segundo as ações individuais OS PERDEDORES PERDEDORES são aqueles que têm medo de se expor. Não falam, não emitem opinião, criticam pelas costas, evitam as reuniões (oportunidade de diálogo) e por isso fracassam! SEM COMPROMISSO
  • 28. IMPORTÂNCIA DO COMPROMETIMENTO A diferença fundamental entre as pessoas está na medida do COMPROMETIMENTO, do envolvimento, da participação e da capacidade de fazer, de empreender e, às vezes, ........... ERRAR !!!
  • 29. EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO Mensagens de Chico Xavier
  • 30. EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO ¨Outro dia me perguntaram porque continuo trabalhando, apesar da enfermidade, das limitações¨. RESPONDI: -¨Estou doente, mas ainda não cheguei à inutilidade. Ou fazemos ou fica por fazer. Ninguém pode fazer o que temos que fazer. A gente tem que agüentar. A desistência do dever gera um complexo de culpa muito grande¨.
  • 31. EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO ¨A gente deve lutar contra o comodismo e a ociosidade; caso contrário, vamos retornar ao Mundo Espiritual com enorme sensação de vazio... Dizem que eu tenho feito muito, mas, para mim, não fiz um décimo do que deveria ter feito...
  • 32. EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO ¨A questão mais aflitiva para o Espírito no além é a consciência do tempo perdido! Tudo que pudermos fazer no bem, não devemos adiar... Carecemos somar esforços, criando, digamos, uma energia dinâmica que se anteponha às forças do mal... Ninguém tem o direito de se omitir.
  • 33. EXEMPLO DE COMPROMETIMENTO ¨Emmanuel sempre me ensinou assim: - Chico, se as críticas dirigidas a você são verdadeiras, não reclame; se não são, não ligue para elas. O Cristo não pediu muita coisa, não exigiu que as pessoas escalassem o Everest ou fizessem grandes sacrifícios. Ele só pediu que nos amássemos uns aos outros.
  • 34. CONCLUSÁO Ao concluírmos a presente exposição, de forma objetiva, devemos: 1. Redefinir o próprio conceito de LIDERANÇA. Liderança é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir objetivos comuns, inspirando confiança por meio da força do caráter. 1. Para os propósitos do conceito de liderança servidora, o AMOR será definido como: AMOR é o ato de se pôr à disposição dos outros, identificando e atendendo suas reais necessidades, sempre procurando o bem maior. FIM