JOSÉ GABRIEL MIRANDA DA
PAIXÃO
PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE ...
DEFINIÇÃO
PNEUMONIA COMUNITÁRIA
INFECÇÃO AGUDA
PARÊNQUIMA
LOBO,SEGUIMENTO,
ALVÉOLOS
AGENTE
ETIOLÓGICO
COMUNIDADE DO
INDIVÍ...
EPIDEMILOGIA
 IRA
 2ª maior causa de óbito
 Menores de 5 anos
 Principais causas de mortalidade na infância
 Lactentes
Rudan et al, Bulletin of WHO, may 2008.
PAÍS INCIDÊNCIA ESTIMADA
(EP./CRIANÇA/ANO)
ÌNDIA 0,37
CHINA 0,22
PAQUISTÃO 0,41
BA...
ETIOLOGIA
 Grande número de agentes etiológicos
 Exames complementares
 Amostras fidedignas
 Demora nos resultados
 P...
ETIOLOGIA
 Definição é crucial para a terapêutica
 Estudos epidemiológicos
 Agentes etiológicos mais comuns e estratifi...
Agente etiológico x Idade
IDADE PATÓGENO (ORDEM DE FREQUÊNCIA)
RN - < 3
dias
Streptococcus do grupo B, Gram negativo(sobre...
ATENÇÃO!
 Etiologia mista é possível em até 25% dos casos
 Dificuldades:
 Exames complementares
 Imagem
FATORES DE RISCO
Desnutriç
ão
Baixo
Peso ao
nasciment
o
Amamentaçã
o não
exclusiva
(durante os
primeiros 4
meses de
idade)...
ASPECTOS CLÍNICOS
 Não se apresentam de maneira uniforme
 História e Clínica
 É um quadro sindrômico
 Geralmente prece...
ASPECTOS CLÍNICOS
 NEONATOS
 Taquipnéia
 Sinais de angústia respiratória (grunidos,
respiração soprosa, retrações)
 Le...
ASPECTOS CLÍNICOS
 LACTENTES E PRÉ-ESCOLARES:
 Antecedente de IVAS
 Taquipnéia
 Tosse
 Vômitos
 Recusa alimentar e i...
ASPECTOS CLÍNICOS
 ADOLESCENTES
 Todos citados
 Dor de cabeça
 Otite/otalgia
 Faringite
 Dor abdominal vaga/Diarréia...
ASPECTOS CLÍNICOS
 Valorizar o exame físico!
 Atitude da criança (sinais de toxemia)
 Observação dos movimentos respira...
DIAGNÓSTICO
 Pneumonias comunitárias
 Quadro sindrômico
 Critérios
 Clínicos
 Radiológicos
DIAGNÓSTICO
 Critérios Clínicos
 Criança com tosse e desconforto respiratório
 Tomada da FR
 Desperta
 Sem chorar
 6...
DIAGNÓSTICO
 Critérios da OMS
 Bastante sensíveis mais pouco específicos
 Sensibilidade  DETECÇÃO
 Especificidade  C...
DIAGNÓSTICO
Sensibilidade
Taquipnéia
Estado
Geral
DIAGNÓSTICO
Especificidade
Crepitações Tiragens
DIAGNÓSTICO
 Padrões Torácicos
DIAGNÓSTICO
 Padrões Torácicos
DIAGNÓSTICO
 Padrões Torácicos
DIAGNÓSTICO
 Critérios Radiológicos
 Padrão Intersticial
 Infiltrado reticular difuso
 Característica da infecção viral
DIAGNÓSTICO
 Critérios Radiológicos
 Padrão Intersticial
DIAGNÓSTICO
 Critérios Radiológicos
 Padrão Acinar
 Imagem hipotransparente (consolidação)
 Característica da infecção...
DIAGNÓSTICO
 Critérios Radiológicos
 Padrão Acinar
DIAGNÓSTICO
 Broncograma Aéreo
Universidade Católica do Chile, Manual de
Radiologia.
DIAGNÓSTICO
 “Sinal da silhueta”
DIAGNÓSTICO
 “Sinal da silhueta”
ATENÇÃO!
Não há alteração
radiológica
patognomômica de
pneumonia
DIAGNÓSTICO
 Quadros Típicos
 Boa correlação RX x Etiologia
 Divergências sobre a acurácia da relação direta
Padrão rad...
DIAGNÓSTICO
 Ainda não se deve tomar como uma regra
 Diagnóstico por imagem é limitado
“Os autores concluíram que o diag...
ATENÇÃO!
EXAMES LABORATORIAIS
 Hemograma
 Bacteriana  Leucocitose, predomínio de PMN
 Adenovírus, Influenza e M. pneumoniae 
L...
EXAMES LABORATORIAIS
 Culturas
 Não são rotina
 Casos extremos: complicações e imunossupressão
 Lavado bronco-alveolar...
TRATAMENTO
 Dificuldade de diagnóstico etiológico
 Tratamento é empírico
 Escolha do ATB:
 Idade
 Epidemiologia
 For...
TRATAMENTO
 Critérios para internação:
 < 2 meses
 Tiragem subcostal,Convulsões, Sonolência,
Estridor de repouso
 Desn...
Diagnóstico
provável de
pneumonia
< 2 meses
Idade < 1 semana:
Ampicilina +
Aminoglicosídeo
Idade > 1 semana:
Ampicilina +
...
Obrigado!
Pneumonias comunitárias em pediatria
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pneumonias comunitárias em pediatria

7.391 visualizações

Publicada em

Aula de Pneumonias Comunitárias ministrada durante o internato em Pediatria/ Saúde da Criança, na Universidade do Estado do Pará, Belém, Brasil.
Autor: José Gabriel Miranda da Paixão

Publicada em: Educação
2 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.391
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
237
Comentários
2
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pneumonias comunitárias em pediatria

  1. 1. JOSÉ GABRIEL MIRANDA DA PAIXÃO PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA INTERNATO SAÚDE DA CRIANÇA
  2. 2. DEFINIÇÃO PNEUMONIA COMUNITÁRIA INFECÇÃO AGUDA PARÊNQUIMA LOBO,SEGUIMENTO, ALVÉOLOS AGENTE ETIOLÓGICO COMUNIDADE DO INDIVÍDUO
  3. 3. EPIDEMILOGIA  IRA  2ª maior causa de óbito  Menores de 5 anos  Principais causas de mortalidade na infância  Lactentes
  4. 4. Rudan et al, Bulletin of WHO, may 2008. PAÍS INCIDÊNCIA ESTIMADA (EP./CRIANÇA/ANO) ÌNDIA 0,37 CHINA 0,22 PAQUISTÃO 0,41 BANGLADESH 0,41 NIGÉRIA 0,34 INDONÉSIA 0,28 ETIÓPIA 0,35 RD CONGO 0,39 VIETNAM 0,35 FILIPINAS 0,27 SUDÃO 0,48 AFEGANISTÃO 0,45 TANZÂNIA 0,33 MYANMAR 0,43 BRASIL 0,11
  5. 5. ETIOLOGIA  Grande número de agentes etiológicos  Exames complementares  Amostras fidedignas  Demora nos resultados  Prática pouco habitual  Patógeno não identificado: 40% - 60%
  6. 6. ETIOLOGIA  Definição é crucial para a terapêutica  Estudos epidemiológicos  Agentes etiológicos mais comuns e estratificação de possíveis causas de acordo com idade  Terapia específica
  7. 7. Agente etiológico x Idade IDADE PATÓGENO (ORDEM DE FREQUÊNCIA) RN - < 3 dias Streptococcus do grupo B, Gram negativo(sobretudo E. coli ) > 3dias Staphylococcus aureus, Staphylococcus epidermidis e Gram negativo 1 a 3 meses Vírus sincicial respiratório, Chlamydia trachomatis, Ureaplasma urealyticum 1 mês a 2 anos Vírus, Streptococcus pneumoniae,Haemophilus influenzae (tipo b), H.influenzae não tipável, S. aureus 2 a 5 anos Vírus, S. pneumoniae, H. influenzae tipo b, H. influenzae não tipável, Mycoplasma pneumoniae, Chlamydia pneumoniae, S. aureus 6 a 18 anos Vírus, S. pneumoniae, M. pneumoniae, C. pneumoniae, H. influenzae não tipável, Diretrizes de Pneumonias Comunitárias - Sociedade Brasileira de Pediatria, 2007.
  8. 8. ATENÇÃO!  Etiologia mista é possível em até 25% dos casos  Dificuldades:  Exames complementares  Imagem
  9. 9. FATORES DE RISCO Desnutriç ão Baixo Peso ao nasciment o Amamentaçã o não exclusiva (durante os primeiros 4 meses de idade) Falta de imunização contra Sarampo Aglomeraç ões Poluição do ar em ambientes fechados Rudan et al, Bulletin of WHO, may 2008.
  10. 10. ASPECTOS CLÍNICOS  Não se apresentam de maneira uniforme  História e Clínica  É um quadro sindrômico  Geralmente precedido de Infecção Viral Alta  Idade, agente etiológico e doença subjacente
  11. 11. ASPECTOS CLÍNICOS  NEONATOS  Taquipnéia  Sinais de angústia respiratória (grunidos, respiração soprosa, retrações)  Letargia  Recusa de alimentação  Irritabilidade  Febre e tosse (-)
  12. 12. ASPECTOS CLÍNICOS  LACTENTES E PRÉ-ESCOLARES:  Antecedente de IVAS  Taquipnéia  Tosse  Vômitos  Recusa alimentar e irritabilidade  Febre variável (etiologia)
  13. 13. ASPECTOS CLÍNICOS  ADOLESCENTES  Todos citados  Dor de cabeça  Otite/otalgia  Faringite  Dor abdominal vaga/Diarréia  Dor Pleurítica
  14. 14. ASPECTOS CLÍNICOS  Valorizar o exame físico!  Atitude da criança (sinais de toxemia)  Observação dos movimentos respiratórios (esforço demasiado)  Cianose?  Ausculta  Estertores crepitantes  Percussão  Macicez  Palpação  Aumento do frêmito tóraco-vocal
  15. 15. DIAGNÓSTICO  Pneumonias comunitárias  Quadro sindrômico  Critérios  Clínicos  Radiológicos
  16. 16. DIAGNÓSTICO  Critérios Clínicos  Criança com tosse e desconforto respiratório  Tomada da FR  Desperta  Sem chorar  60 segundos Frequência Respiratória (ipm) Idade da criança > 60 ipm 0 a 2 meses > 50 ipm 3 a 12 meses > 40 ipm 13 meses a 5 anos Ibiapina et al, 2004.
  17. 17. DIAGNÓSTICO  Critérios da OMS  Bastante sensíveis mais pouco específicos  Sensibilidade  DETECÇÃO  Especificidade  CONFIRMAÇÃO  Garantia  Maior população sob risco fique sem tratamento adequado
  18. 18. DIAGNÓSTICO Sensibilidade Taquipnéia Estado Geral
  19. 19. DIAGNÓSTICO Especificidade Crepitações Tiragens
  20. 20. DIAGNÓSTICO  Padrões Torácicos
  21. 21. DIAGNÓSTICO  Padrões Torácicos
  22. 22. DIAGNÓSTICO  Padrões Torácicos
  23. 23. DIAGNÓSTICO  Critérios Radiológicos  Padrão Intersticial  Infiltrado reticular difuso  Característica da infecção viral
  24. 24. DIAGNÓSTICO  Critérios Radiológicos  Padrão Intersticial
  25. 25. DIAGNÓSTICO  Critérios Radiológicos  Padrão Acinar  Imagem hipotransparente (consolidação)  Característica da infecção bacteriana
  26. 26. DIAGNÓSTICO  Critérios Radiológicos  Padrão Acinar
  27. 27. DIAGNÓSTICO  Broncograma Aéreo Universidade Católica do Chile, Manual de Radiologia.
  28. 28. DIAGNÓSTICO  “Sinal da silhueta”
  29. 29. DIAGNÓSTICO  “Sinal da silhueta”
  30. 30. ATENÇÃO! Não há alteração radiológica patognomômica de pneumonia
  31. 31. DIAGNÓSTICO  Quadros Típicos  Boa correlação RX x Etiologia  Divergências sobre a acurácia da relação direta Padrão radiológico x Etiologia  Alterações radiológicas intermediárias  Doenças subjacentes (ex: Asma)  Examinador dependente
  32. 32. DIAGNÓSTICO  Ainda não se deve tomar como uma regra  Diagnóstico por imagem é limitado “Os autores concluíram que o diagnóstico das infecções respiratórias agudas baixas impõe desafios e que a variabilidade entre os observadores é inerente à interpretação de achados radiológicos.” Sarria et al, 2003.
  33. 33. ATENÇÃO!
  34. 34. EXAMES LABORATORIAIS  Hemograma  Bacteriana  Leucocitose, predomínio de PMN  Adenovírus, Influenza e M. pneumoniae  Leucocitose  Demais infecções virais e infecções bacterianas agressivas  Leucopenia  Marcadores de resposta inflamatória  Testes em estudo
  35. 35. EXAMES LABORATORIAIS  Culturas  Não são rotina  Casos extremos: complicações e imunossupressão  Lavado bronco-alveolar e biópsia  Punção em caso de derrame pleural  Hemocultura  doença grave, febre elevada e sintomas persistentes  Baixa incidência de bacteremia
  36. 36. TRATAMENTO  Dificuldade de diagnóstico etiológico  Tratamento é empírico  Escolha do ATB:  Idade  Epidemiologia  Forma de apresentação Clínica  Padrão Radiológico  Gravidade  História Vacinal  Padrões de resistência bacteriana local
  37. 37. TRATAMENTO  Critérios para internação:  < 2 meses  Tiragem subcostal,Convulsões, Sonolência, Estridor de repouso  Desnutrição grave  Ausência de ingestão de líquidos  Sinais de hipoxemia  Doença de base debilitante (ex: Cardiopatia congênita)  Derrame pleural, Abscesso pulmonar, Pneumatocele  Falha na terapêutica ambulatorial
  38. 38. Diagnóstico provável de pneumonia < 2 meses Idade < 1 semana: Ampicilina + Aminoglicosídeo Idade > 1 semana: Ampicilina + Cefalosporina de 3ª geração ou Eritromicina em caso de suspeita de C. trachomatis OBS: considerar utilização de oxacilina se houver indícios clínico-radiológicos de infecção estafilocócica ≥ 2 meses Amoxacilina ou penicilina procaína ou eritromicina em caso suspeito de : C. trachomatis; C. pneumoniae; M. pneumoniae e B. pertuzis Amoxacilina + Clavulanato ou Cefalosporina de 2ª geração Grave: primeira opção é sempre Penicilina Cristalina ( 200 000 Ul/kg/dia , 6/6 h) ou Ampicilina. Muito Grave: Oxacilina + Cloranfenicol ou Oxacilina + Ceftriaxona Se houver: Complicações ( derrame, abscesso), Imunodepressão, Pneumococo resistente. Considerar o uso de Vancomicina + Ceftriaxona Internação InternaçãoTratamento ambulatorial
  39. 39. Obrigado!

×