Revista Pátio – Educação Infantil. Edição 37, Out., 2013.
A música nas práticas criativas da educação infantil
Viviane Bei...
cognitivo, motor ou rítmico e, com a “pedagogização da brincadeira”, perde seu caráter
de experiência significativa, sendo...
o aprendizado mais significativo para a criança. Também é importante lembrar que as
músicas das crianças não são apenas as...
significados da música segundo as próprias crianças, demonstrando que suas experiências
musicais precisam ser vistas sob o...
Cabe ao professor ouvir as crianças, compreender suas concepções de música para
construir um ambiente de respeito mútuo, n...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A música nas práticas criativas da Educação Infantil

744 visualizações

Publicada em

Revista Pátio - Educação Infantil. Edição 37, Out., 2013. A música nas práticas criativas da Educação Infantil, por Viviane Beineke.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
744
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
160
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A música nas práticas criativas da Educação Infantil

  1. 1. Revista Pátio – Educação Infantil. Edição 37, Out., 2013. A música nas práticas criativas da educação infantil Viviane Beineke Proporcionar diferentes formas de participação das crianças favorece o engajamento na atividade musical, já que elas podem vivenciar a música cantando, tocando um instrumento, dançando, batendo palmas ou simplesmente ouvindo. A música está tão presente nas nossas vidas, que muitas vezes não paramos para pensar sobre a diversidade de significados que ela apresenta. Mergulhando em suas lembranças, quais são as experiências musicais que você considera mais significativas? Na escola, como foram as suas experiências musicais? E, na educação infantil, que tipo de contato com a música estamos proporcionando às crianças? Você já observou como elas se relacionam com a música? Com olhos e ouvidos atentos, podemos observar as crianças produzindo uma variedade de sons, experimentando algum instrumento musical (convencional ou não), participando de jogos cantados, balançando o corpo enquanto ouvem música, compondo ou improvisando uma canção enquanto brincam. As crianças produzem sentidos expressando-se sonoramente, em práticas singulares, que refletem e transformam as culturas da infância. Os jogos e brinquedos cantados representam práticas legitimadas na educação infantil, sendo reconhecida a importância dessas atividades para o desenvolvimento das crianças. Entretanto, muitas vezes a brincadeira é colocada a serviço do desenvolvimento
  2. 2. cognitivo, motor ou rítmico e, com a “pedagogização da brincadeira”, perde seu caráter de experiência significativa, sendo reduzida a atividades dirigidas (Leite, 2002). Brincando em sala de aula, nós, professores, assumimos um papel e uma função diferentes da criança que brinca. É necessário que nos apropriemos do gesto de brincar, percebendo como ele é importante para a criança a fim de que possamos dar significado e direção à nossa prática (Pereira, 2005). A brincadeira é uma forma de expressão, e o significado precisa estar presente nas atividades musicais escolares. Se o brincar se estabelece na sala de aula apenas como uma ferramenta para o ensino, ele perde seu potencial criador, imaginativo, de possibilidade de expressão, reinvenção e ressignificação das suas ações. Observando como as crianças brincam, percebemos que elas olham as crianças mais velhas produzindo música e, a seu modo, encontram uma maneira de participar e entrar na brincadeira. Essa é uma ideia que poderia orientar nossas práticas em sala de aula, pois, observando como as crianças apropriam-se das brincadeiras, podemos criar com elas novas formas de jogar e fazer música em conjunto. Proporcionar diferentes formas de participação das crianças também favorece o engajamento na atividade musical, já que elas podem vivenciar a música cantando, tocando um instrumento, dançando, batendo palmas livremente ou simplesmente ouvindo. Assim, não podemos confundir habilidades com capacidade de fruição, gozo e prazer (Pescetti, 2005). No campo de estudos sobre a música infantil, afirmamos a necessidade de que músicos e educadores construam uma atitude de escuta aos jogos e brincadeiras das crianças, respeitando e valorizando a cultura infantil. Nessa perspectiva, as músicas fazem sentido quando compreendidas e vividas mais amplamente, o que inclui todo o contexto do brincar. Na escola, isso muitas vezes não acontece, como, por exemplo, quando canções “do folclore” são trabalhadas sem que se estabeleçam relações entre o contexto cultural e social da música: qual é a origem da música, como ela é cantada, tocada ou brincada, quem são as pessoas que participam dessa prática musical? De modo descontextualizado, cantar canções tradicionais significa cantar temas melódicos, desconsiderando a música e o brincar como produções culturais. Levar músicas que fazem parte do próprio universo das crianças para a sala de aula é uma maneira de valorizar o saber infantil, ampliar os valores estéticos e o imaginário, tornando
  3. 3. o aprendizado mais significativo para a criança. Também é importante lembrar que as músicas das crianças não são apenas as canções chamadas “infantis”, tradicionais ou não. As crianças estão sempre interagindo com as mais variadas manifestações musicais, interpretando e produzindo significados que colocam em movimento as suas ideias de música. Os adultos também produzem muitas músicas para as crianças, porém a riqueza do processo de construção da cultura lúdica, bem como sua complexidade, consiste no fato de que a criança interage e produz seus próprios significados em relações às produções culturais dos adultos para as crianças (Brougère, 2002). Na escolha de repertório para a educação infantil, é comum pensar que as músicas produzidas para as crianças são as mais adequadas. Contudo, é preciso lembrar que tais músicas são elaboradas pelos adultos a partir de suas concepções de criança, trazendo, em muitos casos, ideias infantilizadas ou estereotipadas sobre o universo infantil. É preciso refletir criticamente sobre o conteúdo musical e expressivo do repertório que apresentamos em sala de aula. As crianças, em princípio, podem ouvir músicas de todos os tipos, dos mais diversos estilos, culturas e períodos. Elas compreendem as músicas a partir de suas experiências, as quais lhes permitem, a seu modo, atribuir significados ao que ouvem, ampliando suas concepções e construindo novas referências musicais. Para as crianças, a música é comunicação, prática social, algo para ser vivido coletivamente. Por isso, quando fazem música juntas, seu fazer musical emerge da própria intenção de fazer música em conjunto mais do que da intenção de fazer uma “peça de música” (Young, 2008). Tal premissa, com frequência, vai de encontro a concepções mais tradicionais, que priorizam a aquisição de habilidades formais em atividades individualizadas. As crianças não separam o produto do contexto de produção, pois consideram a natureza interativa do fazer musical mais importante do que habilidades ou técnicas específicas. Você já reparou como as crianças pequenas fazem música expressivamente, mesmo sem ter pleno controle, por exemplo, do ritmo ou da voz? Muito além das concepções dos adultos sobre “música infantil”, as crianças revelam modos próprios de compreender, imaginar e, inclusive, criar as próprias músicas. Por isso, vêm sendo envidados esforços para compreender as concepções de música das crianças, entendendo-as como agentes de sua aprendizagem. Pesquisas na área da educação musical vêm sendo realizadas com a intenção de compreender as perspectivas e os
  4. 4. significados da música segundo as próprias crianças, demonstrando que suas experiências musicais precisam ser vistas sob os seus parâmetros, que podem não corresponder aos critérios dos adultos. Esses parâmetros decorrem do mundo social e cultural vivido e internalizado pela criança, compreendida como um sujeito que pensa e constrói. As crianças são capazes de falar sobre música, emitir opiniões, tocar, cantar, imitar, inventar e imaginar. Precisamos favorecer espaços para que elas exerçam sua musicalidade. Elas também compõem as próprias músicas quando têm oportunidade para manipular materiais musicais, o que desenvolve o pensamento e a compreensão musical. Vale explicar que estou chamando de composição as pequenas ideias musicais elaboradas e organizadas expressivamente pelas crianças, sem necessidade de algum tipo de registro ou notação musical. Criando/compondo música, as crianças podem manifestar as suas ideias espontaneamente, expressando e reinventando o que conhecem. Além disso, apropriam- se do que conhecem e imprimem as próprias intenções musicais em suas produções. Quando compõem música na escola, elas também têm a oportunidade de conectar a produção escolar com suas vivências cotidianas fora da escola. E nós, professores, ao ouvirmos atentamente as composições das crianças, poderemos compreender melhor como elas pensam musicalmente, como articulam ideias musicais e como atribuem significados à música em suas vidas. Tendências recentes no ensino de música vêm apontando a importância de potencializar as atividades criativas através da avaliação coletiva das práticas musicais em sala de aula. Como as crianças percebem a produção musical umas das outras? Devemos criar em sala de aula um ambiente no qual, mediadas pelos educadores, as crianças assumam uma posição de plateia crítica que compreende, contribui, colabora e aprende com as composições musicais da turma. Desse modo, a aprendizagem criativa é desencadeada em experiências musicais diretas que não visam apenas à criação de algo novo ou a aplicação de conhecimentos musicais, visto que a criatividade é entendida no contexto de amplas dimensões éticas, encorajando os alunos a analisar e refletir criticamente sobre as consequências de suas ideias.
  5. 5. Cabe ao professor ouvir as crianças, compreender suas concepções de música para construir um ambiente de respeito mútuo, no qual elas se sintam valorizadas e seguras para expor pensamentos, negociar opiniões e trabalhar com os colegas. Nas atividades em pequenos grupos, fundamentais nesse processo, o professor precisa estar atento à qualidade das interações entre as crianças, construindo com elas um espaço de participação e colaboração. Assim, o foco são as aprendizagens colaborativas, de seres humanos que se relacionam fazendo música, que se escutam e aprendem uns com os outros. Participando das aulas como compositoras, intérpretes e audiência crítica, as crianças têm a oportunidade de construir sua identidade no grupo, tornando-se agentes da própria aprendizagem, elaborando intersubjetivamente o conhecimento que sustenta suas concepções de música, constantemente revistas, atualizadas e ampliadas por suas experiências musicais e reflexivas (Beineke, 2009). É nosso papel criar condições para que se estabeleça um ambiente de comprometimento com os processos de aprendizagem musical do grupo, de colaboração mútua, de engajamento de interesses e de valorização das contribuições das crianças. O que desejamos, enfim, é construir uma educação musical na infância que contribua com a formação de pessoas mais sensíveis, críticas, transformadoras e solidárias, tendo em vista um mundo melhor. Vamos ouvir as músicas das nossas crianças?  Viviane Beineke é doutora em Música/Educação Musical e professora do curso de licenciatura em Música e do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). vivibk@gmail.com

×