Empowerment - Poder para as pessoas

4.012 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado na disciplina de Organização, Sistemas e Métodos (OSM) do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), em Santa Maria/RS.

Desenvolvido e elaborado pelos acadêmicos:
Gabriel Gausmann Oliveira
Bruna Schuh Röhrs
Cádia Anibele Streck

Publicada em: Negócios
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.012
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Empowerment - Poder para as pessoas

  1. 1. Empowerment Poder para as pessoas Acadêmicos: Gabriel Gausmann Oliveira Bruna Schuh Röhrs Cádia Anibele StreckAdministração | 3º Semestre | UNIFRA
  2. 2. O que é empowerment?Estilo gerencial que prima pelofortalecimento do poder decisório dosfuncionários;Sua teoria utiliza amplos conceitos dapsicologia e filosofia;Processo que possibilita às pessoas o acesso total ao seu poder pessoal/coletivo, deautoridade e de influência, para empregar essa força no engajamento de outraspessoas, organizações ou da própria sociedade.
  3. 3. Vantagens Oportunidades de participação ativa nos processos decisórios; Possibilita a solução de conflitos de forma aberta e sincera; Aumentar o envolvimento e comprometimento da equipe; Formação de lideranças; Estimula a cooperação; Foco em pessoas.
  4. 4. VantagensAumenta a resiliência das empresas nummundo marcado por mudanças rápidas;A globalização permite um maior númerode concorrentes, diminuindo o lucro dasempresas. Hoje, a competitividade estáintimamente ligada ao capital intelectualdas equipes;Criação de equipes auto gerenciáveis.
  5. 5. Não confundir empowerment com... … pura e simples participação; … mera constituição de equipes; … caos. Stewart (1994, p. 6) afirma que “os gerentes devem exercitar o tipo correto de autoridade. [...] empowerment é simplesmente o uso efetivo da autoridade do administrador”.
  6. 6. Bases do empowerment1. Poder – Dar poder às pessoas delegando autoridade, responsabilidade, liberdade e autonomia de ação;2. Motivação – Incentivar continuamente o trabalho, através de... a. ...reconhecimento pelo bom desempenho e alcance de metas; b. …participação e recompensa por resultados atingidos;3. Desenvolvimento – Prover recursos para capacitação e desenvolvimento pessoal e profissional, através de treinamentos, partilha de informações, adoção de técnicas atualizadas e criação e descoberta de talentos em toda organização;4. Liderança – Promover as capacidades de liderança mediante orientação, avaliação, feedback, e desenvolvimento pessoal e profissional.
  7. 7. Etapas para implementaçãoMills (1996) explica que o empowerment é um processo constituído de seis etapasde implementação: 1 • Tolerância a erros 2 • Desenvolvimento de confiança 3 • Visão 4 • Fixação de metas 5 • Avaliação 6 • Motivação
  8. 8. 1. Tolerância a errosO primeiro estágio diz respeito àtolerância de erros:Isso não quer dizer que a empresa irátolerar todos os erros de seusfuncionários, mas apenas aqueles cujocusto do erro seja menor do que o custode oportunidade.É necessário que haja um certo grau detolerância a fim de se atingir o segundoestágio, a construção de confiança. O Grito (1983) Edvard Munch
  9. 9. 2. Desenvolvimento de confiançaTalvez o estágio mais importante na implementação do empowerment, pois tambémdiz respeito ao desenvolvimento da maturidade organizacional. Conforme o grau dematuridade, há também um estilo de liderança mais apropriado, segundo Hersey eBlanchard (1986): 1. Determinar; 2. Persuadir; 3. Compartilhar; 4. Delegar. Estes estilos vão do menor para o maior grau de maturidade da empresa, respectivamente.
  10. 10. 3. VisãoPara que haja sucesso na implementação do empowerment, não basta apenasachatar a hierarquia interna da empresa.Mesmo antes de se iniciar o processo é preciso que se tenha uma visão, um ideal deonde se quer chegar.Caso não esteja claro, o processo pode resultarem caos, desmotivação, e descrédito.
  11. 11. 4. Fixação de metasIgualmente, deve haver um estabelecimento de metas desafiadoras (porém possíveis),como forma de aumentar o comprometimento e consistir na pedra fundamental para apróxima etapa, a motivação. A forma de como se atingir essas metas deve ser discutida nas equipes através de brainstorming, mind mapping (ao lado), entre outras ferramentas.
  12. 12. 5. Avaliação Uma vez iniciado o projeto de empowerment, devem ser realizadas avaliações periódicas para se averiguar a diferença entre o planejado e o cenário real da empresa.Devem ser realizadosfeedbacks com os funcionáriose as equipes como um todo,para descobrir as causas doinsucesso no atingimento dasmetas estabelecidas
  13. 13. 6. Motivação O empowerment é um processo contínuo, e sucumbirá se não houver uma constante manutenção em sua rotina. O comprometimento com os objetivos da empresa e com as metas estabelecidas só será possível com o devido reconhecimento dos êxitos, criação de um ambiente propício para os funcionários, e criação de oportunidades de crescimento profissional. Além, claro, de bons salários e benefícios.
  14. 14. 6. Motivação
  15. 15. Motivos do insucesso do empowerment1. Programas orientados para o uso da técnica possuem muitas contradições;2. Executivos e gerentes sabotam os programas de empowerment, ainda que não percebam;3. Funcionários possuem baixo grau de capacitação;4. Resistência a mudanças por parte dos funcionários;5. Imaturidade organizacional;6. Chefias com qualidades de liderança incompatíveis a este novo ambiente;7. Estrutura organizacional insuficiente para implementação do processo.
  16. 16. BibliografiaDONÁDIO, M. Empowerment: seja um samurai e não umzumbi na sua empresa. São Paulo: Commit, 2008. 1 DVD (34min), color.HERSEY, P.; BLANCHARD, K. W. Psicologia paraadministradores: a teoria e as técnicas da liderançasituacional. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária,1986.MILLS, D. Q. Empowerment: um imperativo. Rio de Janeiro:Campus, 1996.STEWART, A. M. Empowering people. Londres: Pitman, 1994.

×