MEMÓRIAS PÓSTUMAS 
DE BRÁS CUBAS 
E E Professor João Cruz 
Gabriela Rovani n°08 2° EMC 
Disciplina: Lingua Portuguesa 
Pro...
DEFUNTO AUTOR 
 Ao declarar-se como alguém que escreve um livro de seu túmulo, o 
narrador se diz livre de pudores ou hip...
SOBRE A OBRA 
 Brás Cubas é um homem solteiro, muito rico, que depois que 
morre resolve narrar sua própria vida em um li...
 Quando retorna de um tempo estudando na Europa, ele vive a 
vida de um moço rico, sem preocupações. Conhece Eugênia, e 
...
 Depois disso, Brás se dedica a vida política, onde não tem talento, 
e as ações beneficentes que faz, não faz com prazer...
O LIVRO EM SI 
 Memórias Póstumas de Brás Cubas é o marco inaugural do 
realismo brasileiro. 
 Como diz no título, quem ...
ASSUNTOS PRINCIPAIS DA 
OBRA 
 O livro fala sobre as memórias de um homem comum, que tudo 
tentou e nada deixou. 
 Macha...
PERSONAGENS 
 Brás Cubas: morto aos 64 anos . Tornou-se um homem egoísta a ponto de 
discutir com a irmã pela prataria qu...
 Quincas Borba: colega de escola de Brás e mendigo. Homem de 
um temperamento exaltado, de certa arrogância . Evoluiu par...
 Marcela: uma prostituta de elite, interessada no dinheiro de Brás. 
Mulher sensual e mentirosa. Ganha muitas jóias de Br...
 Nhá Loló: moça simplória, tem a simpatia de Brás e sua morte - 
morre de febre amarela- choca o narrador. 
 Venância So...
CONCLUSÃO 
 Machado de Assis mostra nesse romance uma sutileza, onde expõe 
vários problemas da nossa sociedade. 
 Isso ...
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
Memórias póstumas de Brás Cubas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Memórias póstumas de Brás Cubas

315 visualizações

Publicada em

Trabalho de Lingua Portuguesa, da escola João Cruz

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Memórias póstumas de Brás Cubas

  1. 1. MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS E E Professor João Cruz Gabriela Rovani n°08 2° EMC Disciplina: Lingua Portuguesa Professora: Piedade
  2. 2. DEFUNTO AUTOR  Ao declarar-se como alguém que escreve um livro de seu túmulo, o narrador se diz livre de pudores ou hipocrisia social quando conta suas experiências, pois não tem mais nada a perder.  Porém, para Machado de Assis isso é uma armadilha para nós leitores, pois trata-se de memórias, a narrativa não segue uma ordem cronológica dos acontecimentos, mas sim uma ordem pelas emoções de Brás Cubas, onde uma lembrança puxa a outra.
  3. 3. SOBRE A OBRA  Brás Cubas é um homem solteiro, muito rico, que depois que morre resolve narrar sua própria vida em um livro. Nisso, emite suas opiniões sobre tudo sem se preocupar se vão julga-lo ou não.  Sobre sua infância, ele relata fatos sobre um amigo chamado Quincas Borba, um menino endiabrado.
  4. 4.  Quando retorna de um tempo estudando na Europa, ele vive a vida de um moço rico, sem preocupações. Conhece Eugênia, e despreza a menina por ela ser manca. Cria casos com Virgília, uma namorada de quando eram jovens, e que agora é casado com um político. Esse jogo de amantes dura por muito tempo, mas depois se desfaz. Brás se aproxima de Nhã Loló, com quem quase se casa, mas a morte não os permitiu.
  5. 5.  Depois disso, Brás se dedica a vida política, onde não tem talento, e as ações beneficentes que faz, não faz com prazer. No final da obra ele lamenta: “Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria”
  6. 6. O LIVRO EM SI  Memórias Póstumas de Brás Cubas é o marco inaugural do realismo brasileiro.  Como diz no título, quem o narra já morreu, isso estabelece um diálogo crítico com a estética realista. A verdade, a ciência e a razão são colocadas em discussão por Brás Cubas.
  7. 7. ASSUNTOS PRINCIPAIS DA OBRA  O livro fala sobre as memórias de um homem comum, que tudo tentou e nada deixou.  Machado de Assis usa Brás Cubas como modelo do homem egoísta e que se ilude com uma vida vazia de valores.  Ao contar suas experiências de vida, o defunto reflete sobre a falta de perspectiva do homem burguês de seu tempo.
  8. 8. PERSONAGENS  Brás Cubas: morto aos 64 anos . Tornou-se um homem egoísta a ponto de discutir com a irmã pela prataria que fiou de herança do pai e trair seu amigo, Lobo Neves.. Cotrim: Cunhado, casado com a irmã de Brás, Sabina. Cotrim é interesseiro, traficante de escravos e cruel com as pessoas que considera “inferiores”, mandando castigar os negros até correr sangue.  Lobo Neves: casado com Virgília, homem frio e calculista, ambicioso, mas muito supersticioso. Chegou a pois recusar a nomeação para presidente de uma província só porque a referida nomeação aconteceu num dia 13.
  9. 9.  Quincas Borba: colega de escola de Brás e mendigo. Homem de um temperamento exaltado, de certa arrogância . Evoluiu para filósofo e desenvolveu a teoria do Humanitismo, que pretendia ser uma religião.  Virgília: Interesseira, bonita e ambiciosa,; amante apaixonada por Brás mas não está disposta a romper com sua posição social, o conforto e o reconhecimento da sociedade.
  10. 10.  Marcela: uma prostituta de elite, interessada no dinheiro de Brás. Mulher sensual e mentirosa. Ganha muitas jóias de Brás Cubas. Contrai varíola e fica feia.  Eugênia: menina bela, mas com um defeito físico (é coxa). Era moça séria, tranquila, olhos negros .  Sabina: irmã de Brás e também valoriza mais o interesse pessoal e a posição social do que os sentimentos ou laços familiares.
  11. 11.  Nhá Loló: moça simplória, tem a simpatia de Brás e sua morte - morre de febre amarela- choca o narrador.  Venância Sobrinha de Brás, a quem ele se refere como o “lírio do vale”.
  12. 12. CONCLUSÃO  Machado de Assis mostra nesse romance uma sutileza, onde expõe vários problemas da nossa sociedade.  Isso nos da um prazer na leitura e demonstra a importância do seu texto, pois fala de forma irônica os processos que nosso país foi se formando e as suas contradições.

×