SlideShare uma empresa Scribd logo

Material de filosofia i (1)

1 de 5
Baixar para ler offline
Material de Filosofia I (1)

Filosofia Geral
A filosofia ocidental surgiu na Grécia antiga no século VI AC.
A filosofia trabalha as noções de ação e pensamento e por meio dessa dicotomia alcança
uma discussão dos meandros filosóficos.
Atribui-se a Pitágoras a criação do termo philosophia: aquele que ainda não alcançou a
sabedoria, mas é amigo da sabedoria e está em busca da sabedoria.

Pitágoras usa a alegoria do estádio. Aquele que se encontra na posição de observador
não age, mas possui a visão privilegiada do que está acontecendo no estádio.

Filosofia significa literalmente amor à sabedoria. É a busca da sabedoria. Pitágoras
dizia: Eu sou um buscador da sabedoria.

É o estudo de problemas fundamentais relacionados à existência, ao conhecimento, à
verdade, aos valores morais e éticos, à mente e à linguagem. Distingue-se da mitologia e
da religião por sua ênfase em argumentos racionais e diferencia-se das pesquisas
científicas porque geralmente não recorrer a procedimentos empíricos em suas
investigações. Entre seus métodos, estão a argumentação lógica, a análise conceptual, e
a interpretação dos conceitos.

Métodos da Filosofia
-Dialética: Método originariamente ligado à palavra diálogo, que procura demonstrar
uma tese através da argumentação.
-Analítica: É a análise do significado e se reduz a uma pesquisa sobre linguagem.
-Hermenêutica: Método desenvolvido na teologia que trabalha com a interpretação e a
compreensão


"A admiração é a verdadeira característica do filósofo. Não tem outra origem a
filosofia." (Platão, Teeteto).

Na mesma linha, afirmava Aristóteles (Estagira, 384 aC – Atenas, 322 aC)
"Os homens começam e sempre começaram a filosofar movidos pela admiração."
(Aristóteles, Metafísica).


A filosofia Grega divide-se em quatro períodos:
Pré-socrático, Socrático. Sistemático, Helenístico


A importância da virtude:
"Por natureza o ser humano aspira o bem e a felicidade, que só é alcançada pela
conduta virtuosa." ideal grego do período sistemático
Os sofistas se compunham de grupos de mestres que viajavam de cidade em cidade
realizando aparições públicas (discursos, etc) para atrair estudantes, de quem cobravam
taxas para oferecer-lhes educação. O foco central de seus ensinamentos concentrava-se
no logos ou discurso, com foco em estratégias de argumentação. Os mestres sofistas
alegavam que podiam "melhorar" seus discípulos, ou, em outras palavras, que a
"virtude" seria passível de ser ensinada.

Protágoras (481 a.C – 420 a.C), Górgias (483 a.C0 – 376 a.C), e Isócrates (436 a.C –
338 a.C) estão entre os primeiros sofistas conhecidos.

Protagoras foi o primeiro sofista a aceitar dinheiro (pagamento) dos seus ensinamentos
Diversos sofistas questionaram a então sabedoria recebida pelos deuses e a supremacia
da cultura grega (uma idéia absoluta à época). Argumentavam, por exemplo, que as
práticas culturais existiam em função de convenções ou "nomos", e que a moralidade ou
imoralidade de um ato não poderia ser julgada fora do contexto cultural em que aquele
ocorreu. Tal posição questionadora levou-os a serem perseguidos, inclusive, por aqueles
que se diziam amar a sabedoria: os filósofos gregos.

A conhecida frase "o homem é a medida de todas as coisas" surgiu dos ensinamentos
sofistas. Uma das mais famosas doutrinas sofistas é a teoria do contra-argumento. Eles
ensinavam que todo e qualquer argumento poderia ser refutado por outro argumento, e
que a efetividade de um dado argumento residiria na verossimilhança (aparência de
verdadeiro, mas não necessariamente verdadeiro) perante uma dada platéia.

Os Sofistas foram considerados os primeiros advogados do mundo, ao cobrar de seus
clientes para efetuar suas defesas, dada sua alta capacidade de argumentação. São
também considerados por muitos os guardiões da democracia na antiguidade, na medida
em aceitavam a relatividade da verdade. Hoje, a aceitação do "ponto de vista alheio" é a
pedra fundamental da democracia moderna.


Principais Filósofos


Protágoras (490-421a.C.)
Sofista de maior renome, é autor da frase que caracteriza o pensamento da escola e do
período: O homem é o princípio de todas as coisa. Protágoras destacou-se sobretudo,
pppooor seusss dons de oratória, com os quais movia multidões para ensinar mediante
pagamento, as estratégias sofistas

Sócrates (469-399 a.C.)
“Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância”.
“Só sei que nada sei”.
“Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses”.

Platão (428-347 a.C.)
Seu mentor foi Sócrates e seu pupilo foi Sócrates
Escreveu na forma de diálogos.
Obra: A República
Todo o conhecimento é uma recordação
O corpo é um obstáculo ao conhecimento

Aristóteles (384-322 a.C.)
Obras: Ética a Nicômaco, Política
“O homem é um ser social”
“A virtude está no justo meio”

Epícuro (341-271 a.C.)
Deu início à corrente filosófica conhecida como o epicurismo. Prega que o
conhecimento se origina da sensação e que a felicidade decorre do prazer, (não do
prazer sensual), que pode conduzir ao bem-estar máximo e harmônico da alma.

Tomas de Aquino (1225-1274)
Sua doutrina concilia dogmas cristãos com ideias aristotélicas.
Conceito de Justiça: É possível dizer que a justiça é uma virtude, ou seja, um meio
(médium) entre extremos opostos, ao qual os gregos chamavam de mesotés, ou seja, a
justa medida entre algo por excesso e outro algo por carência. Pode-se dizer então, que a
razão (ratio) e a experiência (habitus) caminham de braços dados, tudo no sentido de
dizer que a justiça, em particular, consiste em dar a cada um o que é seu, nem a mais do
que é devido ao outro, e nem a menos.

John Locke (1632-1704)
Sua obra normalmente é contrastada à de Thomas Hobbes, no que tange as ideias sobre
o estado da Natureza.

Jean Jacques Rousseau (1712-1778)
Sua obra O contrato social discute a origem da sociedade, descreve o estado de natureza
e polemiza o estado cívico.

Immanuel Kant (1724-1804)
A mente deve criticar a si mesma
A diferença entre juízos analíticos e sintéticos
Existe um a priori em toda a sensação
A existência de Deus nunca será provada

Georg Wilhelm Friederich Hegel (1770-1831)
Em seu sistema de ideias, a razão domina tudo, pois o saber é a verdadeira sede
ontológica das coisas, sendo a dialética a forma pela qual as coisas entram em
movimento.

Karl Marx (1818-1883)
Juntamente com Engels acompanha os movimentos dos trabalhadores no século XIX.
Torna-se um crítico do sistema capitalista. Cria os conceitos de luta de classes e mais
valia. A propriedade privada não é um mal em si, mas o uso que dela se faz é suficiente
para a desigualdade que diferencia os homens entre si, que causa distorções entre as
classes sociais, que assegura a manutenção dos interesses do poder de alienação do
proletariado pela servilização do trabalho, em suma trata-se de uma forma de
exploração.
Filosofia Jurídica


Conceito de pensamento dogmático e método zetético

O pensamento dogmático é uma forma de enfoque teórico no qual as premissas de sua
argumentação são inquestionáveis, como ocorre, por exemplo, com a religião, por ser a
fé inquestionável; o método zetético é analítico e para resolver algum problema ou
investigar a razão das coisas questiona as premissas de argumentação, procede
pesquisas, investiga, é céptico.


Conceituação e natureza da Filosofia do Direito


A Filosofia do Direito é o campo de investigação filosófica que tem por objeto o
Direito. Ela pode ser definida como o conjunto de respostas à pergunta “o que é o
direito?”, ou ainda como o entendimento da natureza e do contexto do empreendimento
jurídico. Assim, ela não só diz respeito a perguntas sobre a natureza do fenômeno
jurídico, mas ainda sobre quais elementos estão em jogo quando ele é discutido. Tem
sido abordada tanto de um prisma filosófico, por filósofos de formação, quanto de um
prisma jurídico, por juristas de formação.

Um uso mais estrito do termo "Filosofia do Direito" poderia delimitar seu conteúdo de
maneira bem menos abrangente, principalmente quando contraposto com o conteúdo de
chamada Teoria do Direito. Nesse sentido, caberia à "Filosofia do Direito" apenas
questões relacionadas à essência do fenômeno jurídico, enquanto que a análise da
substância do direito, isto é, as questões relativas à definição, as funções, fontes,
critérios de validade do direito e etc., caberia à teoria do direito.


            "a teoria do direito dedica-se ao estudo do direito positivo, enquanto a
            filosofia do direito utiliza os ordenamentos jurídicos tão-somente como
            parâmetro de comparação e como fonte de ilustração para tratar de temas,
            tais como poder, coação, verdade e justiça e para refletir sobre o sentido
            ontológico e social do ato interpretativo"
            (DIMOULIS, Dimitri. Positivismo jurídico. Sao Paulo: Método, 2006)


As dimensões totais do Direito não se encerram apenas na lei, expressão limitada, pobre
e fugaz de uma realidade rica, permanente e fecunda. As normas estão cheias, saturadas,
empapadas de realidade humana, pois são destinadas à regulação da atividade do
homem.

O fenômeno jurídico suporta três tipos básicos de tratamento: o técnico, o científico e o
filosófico.
A Filosofia do Direito é a disciplina que busca a formulação da ideia universal do
Direito, determina seu valor ou natureza e estuda sua origem e evolução através da
História.


O Problema axiológico e o seu condicionamento ontológico


Axiologia é o estudo do valor

O Direito é uma realidade embebida de valores, imantada pela Justiça, portadora de uma
carga axiológica que lhe pressiona o ser e, por isso, lhe condiciona inevitavelmente o
conceito. Enquanto o conteúdo das normas éticas e o bem moral, o conteúdo das normas
de etiqueta é a conveniência social, o conteúdo do Direito é o justo. O problema
axiológico é um problema do valor do Direito.

Gnosiologia: é a disciplina filosófica que tem por objeto conhecer o próprio
conhecimento humano, investigando essencialmente cinco problemas: sua
possibilidade, origem, valor, formas e critérios.

Lógica: se preocupa com o aspecto da conformidade formal entre ideias e os princípios
universais do conhecimento, com a ocorrência do pensar e sua fidelidade à verdade.

Psicologia: estuda os aspectos do sujeito

Ontologia: também se ocupa da relação do conhecimento, mas apenas enquanto o
conhecimento é uma atividade do ser

Recomendados

O que e filosofia
O que e filosofiaO que e filosofia
O que e filosofiaJoao Carlos
 
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimentoFilosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimentoDiego Ventura
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaLuci Bonini
 
Apostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoApostila de filosofia 3º ano
Apostila de filosofia 3º anoDuzg
 
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Pedro Freitas
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
 
Aula revisão - Filosofia
Aula revisão - FilosofiaAula revisão - Filosofia
Aula revisão - Filosofia
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
 
Aula ética na administração
Aula ética na administraçãoAula ética na administração
Aula ética na administração
 
1 apostila-filosofia go ok
1 apostila-filosofia go ok1 apostila-filosofia go ok
1 apostila-filosofia go ok
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
Filosofia: Areas da filosofia estudos
Filosofia: Areas da filosofia estudos Filosofia: Areas da filosofia estudos
Filosofia: Areas da filosofia estudos
 
As interfaces entre filosofia e pedagogia
As interfaces entre filosofia e pedagogiaAs interfaces entre filosofia e pedagogia
As interfaces entre filosofia e pedagogia
 
Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
Filosofia e lógica_juridica.
Filosofia e lógica_juridica.Filosofia e lógica_juridica.
Filosofia e lógica_juridica.
 
Para Que Filosofia
Para Que FilosofiaPara Que Filosofia
Para Que Filosofia
 
Filosofia da educação
Filosofia da educaçãoFilosofia da educação
Filosofia da educação
 
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino MédioAula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
Aula de Filosofia - 3ª Série do Ensino Médio
 
Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)Aulão de Filosofia (2015)
Aulão de Filosofia (2015)
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
 
Apostila de filosofia senac 2012
Apostila de filosofia senac 2012Apostila de filosofia senac 2012
Apostila de filosofia senac 2012
 
Empirismo iluminismo cristiane turma 23 mp
Empirismo iluminismo cristiane turma 23 mpEmpirismo iluminismo cristiane turma 23 mp
Empirismo iluminismo cristiane turma 23 mp
 
Fluxograma filosofia
Fluxograma filosofiaFluxograma filosofia
Fluxograma filosofia
 
Filosofia e Educação
Filosofia e EducaçãoFilosofia e Educação
Filosofia e Educação
 

Destaque

Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Tiago Melgaço
 
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
Avaliação de filosofia   1º ano    2º bimetreAvaliação de filosofia   1º ano    2º bimetre
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetreananiasdoamaral
 
Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?josivaldopassos
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoGleycilene Garcia Lima
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º anoEuza Raquel
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaDarlan Campos
 

Destaque (8)

Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.Prova de filosofia 1 ano e. i.
Prova de filosofia 1 ano e. i.
 
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
Avaliação de filosofia   1º ano    2º bimetreAvaliação de filosofia   1º ano    2º bimetre
Avaliação de filosofia 1º ano 2º bimetre
 
Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?Filosofia. Por que estudar?
Filosofia. Por que estudar?
 
Os mitos
Os mitosOs mitos
Os mitos
 
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agostoLista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
Lista de exercicios da 1ª série com gabarito em agosto
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
 
Filosofia e Mito
Filosofia e MitoFilosofia e Mito
Filosofia e Mito
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 

Semelhante a Material de filosofia i (1)

Semelhante a Material de filosofia i (1) (20)

mcientifica.ppt
mcientifica.pptmcientifica.ppt
mcientifica.ppt
 
mcientifica.ppt
mcientifica.pptmcientifica.ppt
mcientifica.ppt
 
metodologia aula 1.ppt
metodologia aula 1.pptmetodologia aula 1.ppt
metodologia aula 1.ppt
 
mcientifica (1).ppt
mcientifica (1).pptmcientifica (1).ppt
mcientifica (1).ppt
 
mcientifica.ppt
mcientifica.pptmcientifica.ppt
mcientifica.ppt
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Hermenêutica e Teoria do Conhecimento
Hermenêutica e Teoria do ConhecimentoHermenêutica e Teoria do Conhecimento
Hermenêutica e Teoria do Conhecimento
 
Aula 01 mitologia e filosofia
Aula 01   mitologia e filosofiaAula 01   mitologia e filosofia
Aula 01 mitologia e filosofia
 
Concepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-sConcepções filosoficas-s
Concepções filosoficas-s
 
1. o que é filosofia
1. o que é filosofia1. o que é filosofia
1. o que é filosofia
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
FILOSOFIA 1°ANO.ppt
FILOSOFIA 1°ANO.pptFILOSOFIA 1°ANO.ppt
FILOSOFIA 1°ANO.ppt
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
 
Material de filosofia i (2)
Material de filosofia i (2)Material de filosofia i (2)
Material de filosofia i (2)
 
Material de filosofia i (2)
Material de filosofia i (2)Material de filosofia i (2)
Material de filosofia i (2)
 
Filosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geralFilosofia do Direito - Programa e base geral
Filosofia do Direito - Programa e base geral
 
Teoria zetetica
Teoria zeteticaTeoria zetetica
Teoria zetetica
 
2° etapa da atps
2° etapa da atps2° etapa da atps
2° etapa da atps
 
Aula de filosofia
Aula de filosofiaAula de filosofia
Aula de filosofia
 

Mais de gabriela_eiras

Mais de gabriela_eiras (20)

Material de sociologia i
Material de sociologia iMaterial de sociologia i
Material de sociologia i
 
Material de filosofia i (3)
Material de filosofia i (3)Material de filosofia i (3)
Material de filosofia i (3)
 
Calendario escolar
Calendario escolarCalendario escolar
Calendario escolar
 
Tge tudo 07 ago a 21 set
Tge tudo   07 ago a 21 setTge tudo   07 ago a 21 set
Tge tudo 07 ago a 21 set
 
Tge 24 ago 2012
Tge   24 ago 2012Tge   24 ago 2012
Tge 24 ago 2012
 
Tge 22 ago 2012
Tge   22 ago 2012Tge   22 ago 2012
Tge 22 ago 2012
 
Tge 21 set 2012
Tge   21 set 2012Tge   21 set 2012
Tge 21 set 2012
 
Tge 18 set 2012
Tge   18 set 2012Tge   18 set 2012
Tge 18 set 2012
 
Tge 11 set 2012
Tge   11 set 2012Tge   11 set 2012
Tge 11 set 2012
 
Tge 10 ago 2012
Tge   10 ago 2012Tge   10 ago 2012
Tge 10 ago 2012
 
Tge 07 ago 2012
Tge   07 ago 2012Tge   07 ago 2012
Tge 07 ago 2012
 
Tge 14 set
Tge 14 setTge 14 set
Tge 14 set
 
Sociologia 28 set 2012
Sociologia   28 set 2012Sociologia   28 set 2012
Sociologia 28 set 2012
 
Sociologia 14 set 2012
Sociologia 14 set 2012Sociologia 14 set 2012
Sociologia 14 set 2012
 
Sociologia 14 set
Sociologia 14 setSociologia 14 set
Sociologia 14 set
 
Metodologia 27 set. estrutura artigos
Metodologia 27 set. estrutura artigosMetodologia 27 set. estrutura artigos
Metodologia 27 set. estrutura artigos
 
Metodologia 06 set trabalho cientifico
Metodologia 06 set trabalho cientificoMetodologia 06 set trabalho cientifico
Metodologia 06 set trabalho cientifico
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
Ied 08 ago a 22 ago
Ied 08 ago a 22 agoIed 08 ago a 22 ago
Ied 08 ago a 22 ago
 
Ied 01 out 2012
Ied   01 out 2012Ied   01 out 2012
Ied 01 out 2012
 

Material de filosofia i (1)

  • 1. Material de Filosofia I (1) Filosofia Geral A filosofia ocidental surgiu na Grécia antiga no século VI AC. A filosofia trabalha as noções de ação e pensamento e por meio dessa dicotomia alcança uma discussão dos meandros filosóficos. Atribui-se a Pitágoras a criação do termo philosophia: aquele que ainda não alcançou a sabedoria, mas é amigo da sabedoria e está em busca da sabedoria. Pitágoras usa a alegoria do estádio. Aquele que se encontra na posição de observador não age, mas possui a visão privilegiada do que está acontecendo no estádio. Filosofia significa literalmente amor à sabedoria. É a busca da sabedoria. Pitágoras dizia: Eu sou um buscador da sabedoria. É o estudo de problemas fundamentais relacionados à existência, ao conhecimento, à verdade, aos valores morais e éticos, à mente e à linguagem. Distingue-se da mitologia e da religião por sua ênfase em argumentos racionais e diferencia-se das pesquisas científicas porque geralmente não recorrer a procedimentos empíricos em suas investigações. Entre seus métodos, estão a argumentação lógica, a análise conceptual, e a interpretação dos conceitos. Métodos da Filosofia -Dialética: Método originariamente ligado à palavra diálogo, que procura demonstrar uma tese através da argumentação. -Analítica: É a análise do significado e se reduz a uma pesquisa sobre linguagem. -Hermenêutica: Método desenvolvido na teologia que trabalha com a interpretação e a compreensão "A admiração é a verdadeira característica do filósofo. Não tem outra origem a filosofia." (Platão, Teeteto). Na mesma linha, afirmava Aristóteles (Estagira, 384 aC – Atenas, 322 aC) "Os homens começam e sempre começaram a filosofar movidos pela admiração." (Aristóteles, Metafísica). A filosofia Grega divide-se em quatro períodos: Pré-socrático, Socrático. Sistemático, Helenístico A importância da virtude: "Por natureza o ser humano aspira o bem e a felicidade, que só é alcançada pela conduta virtuosa." ideal grego do período sistemático
  • 2. Os sofistas se compunham de grupos de mestres que viajavam de cidade em cidade realizando aparições públicas (discursos, etc) para atrair estudantes, de quem cobravam taxas para oferecer-lhes educação. O foco central de seus ensinamentos concentrava-se no logos ou discurso, com foco em estratégias de argumentação. Os mestres sofistas alegavam que podiam "melhorar" seus discípulos, ou, em outras palavras, que a "virtude" seria passível de ser ensinada. Protágoras (481 a.C – 420 a.C), Górgias (483 a.C0 – 376 a.C), e Isócrates (436 a.C – 338 a.C) estão entre os primeiros sofistas conhecidos. Protagoras foi o primeiro sofista a aceitar dinheiro (pagamento) dos seus ensinamentos Diversos sofistas questionaram a então sabedoria recebida pelos deuses e a supremacia da cultura grega (uma idéia absoluta à época). Argumentavam, por exemplo, que as práticas culturais existiam em função de convenções ou "nomos", e que a moralidade ou imoralidade de um ato não poderia ser julgada fora do contexto cultural em que aquele ocorreu. Tal posição questionadora levou-os a serem perseguidos, inclusive, por aqueles que se diziam amar a sabedoria: os filósofos gregos. A conhecida frase "o homem é a medida de todas as coisas" surgiu dos ensinamentos sofistas. Uma das mais famosas doutrinas sofistas é a teoria do contra-argumento. Eles ensinavam que todo e qualquer argumento poderia ser refutado por outro argumento, e que a efetividade de um dado argumento residiria na verossimilhança (aparência de verdadeiro, mas não necessariamente verdadeiro) perante uma dada platéia. Os Sofistas foram considerados os primeiros advogados do mundo, ao cobrar de seus clientes para efetuar suas defesas, dada sua alta capacidade de argumentação. São também considerados por muitos os guardiões da democracia na antiguidade, na medida em aceitavam a relatividade da verdade. Hoje, a aceitação do "ponto de vista alheio" é a pedra fundamental da democracia moderna. Principais Filósofos Protágoras (490-421a.C.) Sofista de maior renome, é autor da frase que caracteriza o pensamento da escola e do período: O homem é o princípio de todas as coisa. Protágoras destacou-se sobretudo, pppooor seusss dons de oratória, com os quais movia multidões para ensinar mediante pagamento, as estratégias sofistas Sócrates (469-399 a.C.) “Existe apenas um bem, o saber, e apenas um mal, a ignorância”. “Só sei que nada sei”. “Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses”. Platão (428-347 a.C.) Seu mentor foi Sócrates e seu pupilo foi Sócrates Escreveu na forma de diálogos. Obra: A República
  • 3. Todo o conhecimento é uma recordação O corpo é um obstáculo ao conhecimento Aristóteles (384-322 a.C.) Obras: Ética a Nicômaco, Política “O homem é um ser social” “A virtude está no justo meio” Epícuro (341-271 a.C.) Deu início à corrente filosófica conhecida como o epicurismo. Prega que o conhecimento se origina da sensação e que a felicidade decorre do prazer, (não do prazer sensual), que pode conduzir ao bem-estar máximo e harmônico da alma. Tomas de Aquino (1225-1274) Sua doutrina concilia dogmas cristãos com ideias aristotélicas. Conceito de Justiça: É possível dizer que a justiça é uma virtude, ou seja, um meio (médium) entre extremos opostos, ao qual os gregos chamavam de mesotés, ou seja, a justa medida entre algo por excesso e outro algo por carência. Pode-se dizer então, que a razão (ratio) e a experiência (habitus) caminham de braços dados, tudo no sentido de dizer que a justiça, em particular, consiste em dar a cada um o que é seu, nem a mais do que é devido ao outro, e nem a menos. John Locke (1632-1704) Sua obra normalmente é contrastada à de Thomas Hobbes, no que tange as ideias sobre o estado da Natureza. Jean Jacques Rousseau (1712-1778) Sua obra O contrato social discute a origem da sociedade, descreve o estado de natureza e polemiza o estado cívico. Immanuel Kant (1724-1804) A mente deve criticar a si mesma A diferença entre juízos analíticos e sintéticos Existe um a priori em toda a sensação A existência de Deus nunca será provada Georg Wilhelm Friederich Hegel (1770-1831) Em seu sistema de ideias, a razão domina tudo, pois o saber é a verdadeira sede ontológica das coisas, sendo a dialética a forma pela qual as coisas entram em movimento. Karl Marx (1818-1883) Juntamente com Engels acompanha os movimentos dos trabalhadores no século XIX. Torna-se um crítico do sistema capitalista. Cria os conceitos de luta de classes e mais valia. A propriedade privada não é um mal em si, mas o uso que dela se faz é suficiente para a desigualdade que diferencia os homens entre si, que causa distorções entre as classes sociais, que assegura a manutenção dos interesses do poder de alienação do proletariado pela servilização do trabalho, em suma trata-se de uma forma de exploração.
  • 4. Filosofia Jurídica Conceito de pensamento dogmático e método zetético O pensamento dogmático é uma forma de enfoque teórico no qual as premissas de sua argumentação são inquestionáveis, como ocorre, por exemplo, com a religião, por ser a fé inquestionável; o método zetético é analítico e para resolver algum problema ou investigar a razão das coisas questiona as premissas de argumentação, procede pesquisas, investiga, é céptico. Conceituação e natureza da Filosofia do Direito A Filosofia do Direito é o campo de investigação filosófica que tem por objeto o Direito. Ela pode ser definida como o conjunto de respostas à pergunta “o que é o direito?”, ou ainda como o entendimento da natureza e do contexto do empreendimento jurídico. Assim, ela não só diz respeito a perguntas sobre a natureza do fenômeno jurídico, mas ainda sobre quais elementos estão em jogo quando ele é discutido. Tem sido abordada tanto de um prisma filosófico, por filósofos de formação, quanto de um prisma jurídico, por juristas de formação. Um uso mais estrito do termo "Filosofia do Direito" poderia delimitar seu conteúdo de maneira bem menos abrangente, principalmente quando contraposto com o conteúdo de chamada Teoria do Direito. Nesse sentido, caberia à "Filosofia do Direito" apenas questões relacionadas à essência do fenômeno jurídico, enquanto que a análise da substância do direito, isto é, as questões relativas à definição, as funções, fontes, critérios de validade do direito e etc., caberia à teoria do direito. "a teoria do direito dedica-se ao estudo do direito positivo, enquanto a filosofia do direito utiliza os ordenamentos jurídicos tão-somente como parâmetro de comparação e como fonte de ilustração para tratar de temas, tais como poder, coação, verdade e justiça e para refletir sobre o sentido ontológico e social do ato interpretativo" (DIMOULIS, Dimitri. Positivismo jurídico. Sao Paulo: Método, 2006) As dimensões totais do Direito não se encerram apenas na lei, expressão limitada, pobre e fugaz de uma realidade rica, permanente e fecunda. As normas estão cheias, saturadas, empapadas de realidade humana, pois são destinadas à regulação da atividade do homem. O fenômeno jurídico suporta três tipos básicos de tratamento: o técnico, o científico e o filosófico.
  • 5. A Filosofia do Direito é a disciplina que busca a formulação da ideia universal do Direito, determina seu valor ou natureza e estuda sua origem e evolução através da História. O Problema axiológico e o seu condicionamento ontológico Axiologia é o estudo do valor O Direito é uma realidade embebida de valores, imantada pela Justiça, portadora de uma carga axiológica que lhe pressiona o ser e, por isso, lhe condiciona inevitavelmente o conceito. Enquanto o conteúdo das normas éticas e o bem moral, o conteúdo das normas de etiqueta é a conveniência social, o conteúdo do Direito é o justo. O problema axiológico é um problema do valor do Direito. Gnosiologia: é a disciplina filosófica que tem por objeto conhecer o próprio conhecimento humano, investigando essencialmente cinco problemas: sua possibilidade, origem, valor, formas e critérios. Lógica: se preocupa com o aspecto da conformidade formal entre ideias e os princípios universais do conhecimento, com a ocorrência do pensar e sua fidelidade à verdade. Psicologia: estuda os aspectos do sujeito Ontologia: também se ocupa da relação do conhecimento, mas apenas enquanto o conhecimento é uma atividade do ser