Livro poemas 5ºs anos

6.089 visualizações

Publicada em

Livro de poemas dos alunos dos 5ºs anos da EMEF Prof. Máximo de Moura Santos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.089
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro poemas 5ºs anos

  1. 1. E.M.E.F. PROF. MÁXIMO DE MOURA SANTOS LIVRO DE POEMAS O LUGAR ONDE VIVO 5º ANO 2014
  2. 2. 1 Capa: Lorena Yuka G. Ueki (Aluna convidada – 9ºB) Professora Melina Projeto de Poesia: São Paulo Multicultural
  3. 3. 2 SUMÁRIO POEMAS 5ºA A vida em São Paulo – Diogo Araújo Carvalho 4 As pessoas – Giovana Marques Storti 5 Verde – Laura Souza Monteiro 7 O meu bairro animado – Luis Gustavo do Carmo Finoti 9 No meu lugar – William R. Benatti Junior 11 POEMAS 5ºB Bom para viver – Camilly dos Santos Honório 14 O bairro especial – Elder Oliveira Santos 16 Minha cidade querida – Guilherme dos Santos Rossi 17 A Lua é o melhor lugar – Jéssica C. Benevides da Silva 19 Ô Jaçanã! – João Pedro A. R. dos Santos 20 Meu lar – Manuella Garcia da Silva 22 Cidade das rimas – Matheus Iung Colombi 23 Minha Pauliceia – Nayanne Queiroz de Almeida 25 Meu querido bairro – Wesley Pereira S. de Souza 26 MENÇÃO HONROSA Um lugar mais divertido – Giovana Tung G. Vieira 29 Parque da Juventude – Samantha I. A. dos Santos 30 POEMA SELECIONADO PELOS ALUNOS A Casa – Vinicius de Moraes 31 POEMA SELECIONADO PELA PROFESSORA MELINA Canção do exílio – Gonçalves Dias 32
  4. 4. 3
  5. 5. 4 A VIDA EM SÃO PAULO Diogo Araújo Carvalho Moro em São Paulo, onde a vida não é fácil. Dia a dia, muitos crimes, muitas mortes, tanta agressividade! Pessoas moram na rua, sem abrigo para viver e dinheiro algum para comer. A parte boa de São Paulo é a incrível natureza, mas toda sua exuberância tem sido devastada: É a Mata Atlântica que já foi condenada. Festas boas de se ver, mas que pena! Algumas acabam em brigas e mortes. É assim em São Paulo, cada um com sua sorte. São Paulo, uma faceta boa, outra ruim, E assim eu vivo aqui.
  6. 6. 5 AS PESSOAS Giovana Marques Storti A rua onde moro se chama Monte Belo, o bairro é Vila Pauliceia e as casas repletas de janelas. Lá tem uma padaria que se chama Estado Luzo, mas o dono de lá fica meio confuso, parece que não tem um parafuso. Também tem a papelaria que é da Dona Maria, lá tudo é elegante e muito interessante, e ela tem uma ajudante: o nome dela é Dona Marineide a que não gosta de azeite. Lá tem o Alemão, ele vende pão. Eu faço curso de inglês e também jogo xadrez. Também tem o Mercadão seu Ricardo é o dono e quem vende o pastel é o seu João. Onde eu moro é assim, tudo de bom para mim. Há flores nos jardins, rosas e jasmins. Amo viver no bairro: é belo e engraçado.
  7. 7. 6 Na grande Pauliceia, vive a pequena e bela Pauliceia, a vila.
  8. 8. 7 VERDE Laura Souza Monteiro O meu bairro é o Recanto Verde, olhando ao redor, percebo o porquê do nome: árvores, flores, plantas tomam conta, espalhando verde por todo lado. Casas cobertas pelo verde, verde, verde, verde. Verde, cor da bandeira do Brasil, verde, verde, verde. Cor também da esperança, verde, verde, verde. Verde cor da natureza, verde, verde, verde. De todas as cores, flores Vermelhas são minhas favoritas. Rosas, amarelas, violetas, Quebrando a monocromia. Gosto imensamente do meu bairro, pois é envolvido por muito verde, o que em São Paulo é raro. O Recanto Verde tem um xará, um bairro lá em Minas Gerais, e tento imaginar se há muito verde por lá. Depois das 23 horas,
  9. 9. 8 surge o guarda da rua, a noite inteira vigiando o bairro. O Recanto Verde, então, descansa sossegado.
  10. 10. 9 O MEU BAIRRO ANIMADO Luis Gustavo do Carmo Finoti Moro em um bairro muito animado Nele tenho um amigo especial No meu bairro tem um parque Onde brinco com meu amigo engraçado. Não saio tanto de casa Porque sou muito novinho Para sair sozinho, Fico tão tristinho Então sozinho estou andando Pelo meu maravilhoso bairro. No meu bairro tem cinema Mas um cinema diferente: Ele é a céu aberto, Tem pipoca e televisão E fica na praça Oscar No bairro Jardim São Paulo Nossa, quanta diversão! Em meu bairro há muitos gatos, Mas eu gosto mesmo é de papagaios, Tem também muito cachorro Por isso meu bairro é tão engraçado. E com meus irmãos Brinco de montão Saio no sabadão E compro um roupão. Em meu bairro tem feiras, Nelas compro artesanato E vejo carros diferentes, Engraçados, com palhaços. O meu bairro de árvores carece
  11. 11. 10 Isso o deixa menos bonito Mesmo assim gostamos dele Pois nele a gente vive.
  12. 12. 11 NO MEU LUGAR William R. Benatti Junior Na minha rua, todos podem brincar, mas vêm nossos pais atrapalhar, já que querem nos educar. No meu bairro, todos correm bem, sem gritaria e não se acorda ninguém, não incomodamos a Dona Francisca, muito divertida, mas odeia ser despertada pelos gritos da criançada. Na minha rua, automóveis passam direto, e também as crianças gostam de lá brincar: Futebol, esconde-esconde, queimada e vôlei. Nunca lutinhas para machucar. Brincadeiras têm limite, mas, se não tivesse, a criançada brincaria com dinamite. Bicicleta todos têm, E, numa corrida, − eita! − Todos correm muito bem. A Parada Inglesa é um lugar muito bom: escolas ótimas há por lá, loja de doces também, além de lugares para brincar. Fizeram agora uma praça e melhoraram a calçada para facilitar às pessoas de idade avançada.
  13. 13. 12 Na cidade há muita poluição, com ônibus, carros e motos. Nesta cidade fica meu bairro, meu refúgio no meio da confusão.
  14. 14. 13
  15. 15. 14 BOM PARA VIVER Camilly dos Santos Honório Eu agora vou falar do bairro onde eu moro: Um lugar com muita leveza chama-se Parada Inglesa. cheio de prédios e casas, Em cismar, sozinha, aqui, parece tudo mais belo. Muitas praças e avenidas, e um metrô que passa dias, noites e madrugadas. É tão puro e tão vivo! Alegria sem igual! Tudo muito dinâmico, tudo sensacional! Aproveito para falar da minha cidade querida, que muito orgulho me dá. Há pessoas sorridentes, trabalhadoras e outras mais, além de prédios enormes, teatros e centros culturais. Das coisas que me entristecem é mesmo poluição, muitas mortes e devastação. Mas eu digo: “Acaba não, meu mundão!”
  16. 16. 15 Não permita, ó Deus, que eu morra, sem que seja nesta terra! Em São Paulo, minha cidade, minha velha amiga, minha amiga velha.
  17. 17. 16 O BAIRRO ESPECIAL Elder Oliveira Santos Meu bairro é sensacional! Chama-se Jardim São Paulo e não existe outro igual. Com seus restaurantes e comerciantes, suas lojas e trabalhadores, serão todos, sempre, vencedores. Diversas crianças indo à escola, enquanto outras ficam só jogando bola, alguns pais a trabalhar, outros ficam a descansar. Verde é a cor predominante, então tudo aqui é mais belo. No amanhecer, porém, se destaca o amarelo. Os parques aqui do bairro, tão estonteantes, fazem inveja a muita gente, cheios de rosas ficam mais elegantes. Quem vier aqui morar, Vai eternamente amar. Se você gosta de natureza Aqui há infinita beleza. ILUSTRAÇÃO: GIOVANA TUNG
  18. 18. 17 MINHA CIDADE QUERIDA Guilherme dos Santos Rossi Guarulhos, cidade querida, Para quem chega de avião Vai ser sempre a preferida. Guarulhos, quero te dizer: Não há melhor cidade para se viver! Moro num bairro que se chama Jardim das Nações, Todo mundo ama Cada rua com suas tradições. Vivo em uma rua Que é bem grande! A rua Venezuela, Quem passa lá vê Minha casa GIGANTEEEEE. Na minha rua é tradição Pintar mascote da Copa Com toda a emoção, mas, Dessa vez, não foi solução. No futebol, Brasil é penta; No meu coração, Ele arrebenta. Haja emoção! Mil tradições nas ruas do bairro. Na rua Colômbia, ali pertinho, Só festa bem grande.
  19. 19. 18 Na Venezuela, como sempre, Desenhos gigantes. Na rua Colômbia, A festa é bacana Lá, servem até banana. Brasil é onde nasci Guarulhos é em São Paulo, Não em Jacareí. No aeroporto, Meu irmão viu um avião E quando entrou nele Quase morreu do coração. O aeroporto de Guarulhos É o meu preferido Pois vive ao meu lado, comigo. São Paulo é centro econômico Mas Guarulhos é o coração Uma ponte que atravessa O mundo todo no avião.
  20. 20. 19 A LUA É O MELHOR LUGAR Jéssica C. Benevides da Silva Sabe onde eu queria morar? Na Lua. Eu sei, é bem estranho! Lá ninguém vai me incomodar, mas um problema persiste: como vou passear? De carro, de foguete…ah já sei! Vou de CARRETE, uma mistura de carro com foguete, Minha grande invenção! Mas, pensando bem… Minha família e amigos estão em São Paulo. Pena que aqui há tanta poluição! Quase não vejo estrelas no céu! O pôr do sol, no entanto, é uma beleza! Há muita diversão nesta grande cidade. As brincadeiras na rua, a queimada com os amigos… Mas quando passa um carro... dou um berro de estourar os tímpanos, e meus primos se jogam na calçada. No fim, é só risada. Lua, que nada! Lá vou congelar, aqui faz mais calor, fácil de solucionar, basta uma boa piscina para mergulhar. São Paulo é o meu lugar noite e dia. A Lua só à noite para nos iluminar, zelar o sono e os sonhos de (quem sabe?) um dia eu estar lá.
  21. 21. 20 Ô JAÇANÃ! João Pedro A. R. dos Santos Eita Jaçanã! O bairro onde eu moro, o Jaçanã, é uma graça, todos os finais de semana vou jogar futebol na praça. Que alegria!!! Dona Maria, toda manhã, bate nela uma vontade de fazer farinha, mas que pena, o pão caiu no chão! Mas então tinha mamão que faz bem ao coração. Quando a Copa chegou a minha rua ficou toda decorada Iiiii! Mas o Brasil perdeu a decoração desapareceu... Já citei a Dona Maria, quando eu chego da escola, todo dia na hora do almoço sinto o cheirinho, hummm, do feijão dela. Jaçanã do tupi ave que nada ou grita, o meu Jaçanã não voa, mas viaja a cidade...
  22. 22. 21 É o Jaça partindo no trem das 11. ILUSTRAÇÃO: GIOVANA TUNG
  23. 23. 22 MEU LAR Manuella Garcia da Silva Eu moro numa rua pequena com mais prédio do que casa. Perto da rua Verde Mar, sem graça. Sabe de um prédio verde e branco? Então, é aquele onde eu morava. Fica no bairro Água Fria. Perto do metrô Jardim São Paulo Parada Inglesa, talvez. Tem criança brincando, que alegria! Sorriso transbordando. Falam que aqui não tem graça Mas, pra mim, diversão é o que não falta. Quando aqui tem festa, na minha casa Tudo fica animado, som alto até de madrugada... O bairro fica numa cidade enorme com isso, não permita Deus que eu morra Sem conhecer toda a cidade… com o tal nome São Paulo… Avenida Paulista, Ibirapuera, Masp… Tanta coisa que ainda não vi No pouco tempo que já vivi.
  24. 24. 23 CIDADE DAS RIMAS Matheus Iung Colombi A noite aparece É hora de fazer uma prece Daqui a pouco amanhece E de tudo se esquece: até do padeiro, que faz pão o dia inteiro, da liberdade e da paz, da magia de ser capaz. Na cidade das rimas, existe cultura e arte e amor por toda parte, no entanto, tem também maldade e tamanha crueldade! Esta cidade não é melhor e nem pior, não é casa de um povo só. Os povos são misturados, de tudo aqui se é falado: pode ser português, inglês, alemão, francês, espanhol e, quem sabe, catalão? Minha cidade é a cidade das rimas Onde de tudo se brinca, Com palavras, brinquedos e poemas. Sua identidade revela-se na diversidade, na agitação, na rapidez e na arte. Estrofes, versos e simplicidade, Não há poema que se aproxime,
  25. 25. 24 não há lugar igual a minha cidade. ILUSTRAÇÃO: GIOVANA TUNG
  26. 26. 25 MINHA PAULICEIA Nayanne Queiroz de Almeida Esta rua em que eu moro É incrível para viver É um bairro tranquilo E se chama Pauliceia. No caminho da sorveteria, Vejo o Mario lavando o carro Vejo a Joana regando as plantas Vejo a Marcia passeando na praça. Ando pelo bairro inteiro Muitos pássaros eu vejo a cantar Um lindo movimento Agitando todo o ar. É uma rua em São Paulo, Uma cidade muito boa, Não sairia daqui Nem se fosse a Lisboa. Quando chego no meu lar Sempre uma bela rotina Vejo árvores, vejo flores Vejo pessoas a andar. Vivacidade constante Que jamais deve acabar. Esta é a Pauliceia Onde todos querem morar.
  27. 27. 26 MEU QUERIDO BAIRRO Wesley Pereira dos Santos de Souza Daqui do planeta Terra, dá para ver a atmosfera. Meu país é o Brasil, mas não é muito frio. Meu bairro é valorizado, em São Paulo está localizado. Nele tem um mercadão, e também uma estação. Nele tem pizzaria, e também padaria lá tem barzinho e também o parquinho. Eu conheço o barbeiro, e também o padeiro. Meu bairro é da Zona Norte, por isso que tenho sorte. Partiu pro paint ball lá estava muito sol tomei coca-cola acordei, fui pra escola. Mas em São Paulo há duas faces, boa e ruim. Da boa já falei, então vamos pra ruim: é poluição, destruição, extinção alagamentos e desmatamento. Terminei o meu poema, eis aqui o meu lema: Sem ostentação
  28. 28. 27 É São Paulo no coração! ILUSTRAÇÃO: WESLEY P. DOS SANTOS DE SOUZA
  29. 29. 28
  30. 30. 29 UM LUGAR MAIS DIVERTIDO Giovana Tung Guinsberg Vieira 5ºB Aqui eu não quero mais morar Quer saber? Eu vou para outro lugar, Um lugar mais divertido de viver. Para a casa em que irei Posso ver o Sol nascer, Entre grandes eucaliptos, Me encanta o amanhecer. Ouço o barulho nas folhas Quando a chuva cai ainda E o cheiro da terra molhada Até a varanda vem subindo. Passeando na longa avenida Aos domingos podemos olhar Um desfile de gente passando Em bicicletas a caminhar. A noite é como uma festa: Carros tocando sons divertidos, Os restaurantes ficam lotados Com pessoas de todos os tipos. Tenho tudo que é preciso Encontrei um bom lar Neste lugar hoje eu vivo Sou feliz e quero ficar.
  31. 31. 30 PARQUE DA JUVENTUDE Samantha Iris Alves dos Santos 4ºB Antes casa de detenção, Hoje é lugar de diversão. Antes tinha muita maldade, Hoje só há liberdade. Com mudanças e atitudes, Criou-se o Parque da Juventude. Escolas profissionais, áreas de lazer, Biblioteca para se divertir e ler. Áreas de descanso, pista de caminhada, Pista de skate e campo para boas jogadas. Ruínas da detenção, Viraram recordação. E de um lugar do mal, Tornou-se muito legal.
  32. 32. 31 A CASA – Vinicius de Moraes Era uma casa Muito engraçada Não tinha teto Não tinha nada Ninguém podia Entrar nela não Porque na casa Não tinha chão Ninguém podia Dormir na rede Porque a casa Não tinha parede Ninguém podia Fazer pipi Porque penico Não tinha ali Mas era feita Com muito esmero Na Rua dos Bobos Número Zero.
  33. 33. 32 CANÇÃO DO EXÍLIO – Gonçalves Dias Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossas flores têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar - sozinho, à noite - Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá.
  34. 34. 33 A palavra é o meu domínio sobre o mundo. Clarice Lispector Onde eu não estou, as palavras me acham. Manoel de Barros Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever – inclusive a sua própria história. Bill Gates

×