Teoria da contabilidade slides aula 06

11.222 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
145
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria da contabilidade slides aula 06

  1. 1. Patrimônio A palavra patrimônio tem sua origem na língua latina, da palavra patrimonìum, cujo antecedente é o termo pater referente a pai 1
  2. 2. Patrimônio A herança recebida dos pais denominou-se patrimônio. O termo passou a ser usado para quaisquer valores, mesmo que estes não tivessem sido herdados. Patrimônio Líquido Representa a diferença entre os elementos ativos e passivos (incluído no Passivo o Resultado de Exercícios Futuros), ou seja, o valor contábil que realmente pertence à entidade Definição de Patrimônio Líquido O Iasb define o patrimônio líquido como o interesse residual nos ativos das entidade depois de deduzir todos os seus passivos 2
  3. 3. Definição de Patrimônio Líquido A Estrutura Conceitual da CVM e do CPC segue na mesma direção, ao definir patrimônio líquido como “valor residual dos ativos da entidade depois de deduzidos todos os seus passivos” p Definição de Patrimônio Líquido Dessa forma, a rigor, não se tem uma definição, mas sim uma expressão algébrica: PL = A – P Definição de Patrimônio Líquido Quando um item for analisado sob a ótica de origem de recursos, ou é próprio (patrimônio líquido) ou não é próprio (passivo ou de terceiros) Se um item não se enquadrar na definição de passivo, teremos que, por exclusão, considerá-lo como parte do patrimônio líquido 3
  4. 4. Definição de Patrimônio Líquido A questão da mensuração e reconhecimento do patrimônio líquido está também condicionada a mensuração e reconhecimento do ativo e do p passivo Teorias do Patrimônio Líquido Proprietário Empresarial Entidade Teoria do Proprietário Teve origem nos primórdios da Contabilidade A teoria do Proprietário foca a atenção na figura do proprietário 4
  5. 5. Teoria do Proprietário A entidade existe para satisfazer aos objetivos e necessidades do dono, razão pela qual a principal finalidade da Contabilidade é a determinação da riqueza líquida do proprietário Teoria do Proprietário PATRIMÔNIO LÍQUIDO = ATIVO – PASSIVO Teoria do Proprietário As receitas são aumento de riqueza do proprietário e as despesas representam diminuições O lucro líquido q (diferença entre despesas e receitas) vai direto aos proprietários e representa um aumento de sua riqueza 5
  6. 6. Teoria do Proprietário Os dividendos em dinheiro representam retiradas de capital Os lucros retidos fazem parte da propriedade total Teoria do Proprietário A teoria do proprietário refere-se a uma visão de Contabilidade desenvolvida no momento em que a economia era composta por pequenos negócios, tornando-se inadequada com o advento da grande corporação Teoria do Proprietário A teoria do proprietário adapta-se melhor à firma individual como forma de organização, pois, nesse caso, geralmente há uma relação pessoal entre a gestão da empresa e a propriedade 6
  7. 7. Teoria do Proprietário A teoria do proprietário não se aplica tão facilmente à sociedade por ações quanto à firma individual e a sociedade de pessoas Teoria do Proprietário Entretanto, muitos autores têm optado por levantar o véu das sociedades por ações, descrevendo o total do capital investido e dos lucros retidos como riqueza líquida dos acionistas, o que pressupõe a teoria do proprietário Teoria do Proprietário “Lucro Líquido por Ação” 7
  8. 8. Teoria da Entidade Surgiu no final do século XIX e início do século XX, impulsionado com o crescimento das grandes companhias e a necessidade de separar a gestão da p p propriedade Teoria da Entidade O centro de interesse da contabilidade deve ser a Entidade e não o Proprietário Teoria da Entidade Na teoria da entidade, a empresa é vista como tendo existência, ou mesmo personalidade, separada Os fundadores e p p proprietários não são necessariamente identificados com a existência da empresa 8
  9. 9. Teoria da Entidade Essa relação encontra apoio legal e institucional na sociedade por ações, mas também é encontrada em outras formas de organização de empresas Teoria da Entidade Universidades, hospitais, órgãos governamentais e outras organizações possuem continuidade de existência separada das vidas dos organizadores, ou mesmo distinta dos indivíduos diretamente associados com a organização Teoria da Entidade Ativo = Obrigações 9
  10. 10. Teoria da Entidade Para a teoria da entidade não interessa, a rigor, a distinção entre dívida com terceiros e patrimônio líquido Teoria da Entidade Os juros da dívida são considerados como distribuição de lucro da empresa, e não como despesa Teoria da Entidade Remuneração Juros do Capital de Terceiros Remuneração Dividendos do Capital Próprio 10
  11. 11. Teoria da Entidade Os passivos, são as obrigações específicas da empresa, e os ativos representam os direitos da empresa de receber bens e serviços e outros benefícios esperados p Teoria da Entidade As receitas são consideradas como da entidade, enquanto as despesas representam redução da receita Teoria da Entidade O resultado do negócio é da entidade até que ocorra a distribuição de dividendos 11
  12. 12. Teoria Empresarial Na teoria empresarial a empresa é uma instituição social que age em nome de muitos grupos de interesses (stakeholders) Teoria Empresarial Esses grupos incluem, além dos acionistas e credores, funcionários, clientes, o governo (como autoridade tributária), fornecedores e o público em g geral Teoria Empresarial Teoria Empresarial = Teoria Social da Contabilidade 12
  13. 13. Teoria Empresarial Esse conceito de empresa é mais aplicável à moderna sociedade por ações, que tem sido forçada a levar em conta o efeito de suas atividades sobre diversos grupos e sobre toda a sociedade g p Teoria Empresarial A grande empresa não pode mais operar tendo em mente apenas os interesses dos acionistas Teoria Empresarial O conceito mais relevante de lucro, nessa noção ampla de responsabilidade social da empresa, é o conceito de valor adicionado 13
  14. 14. Teoria Empresarial O valor total adicionado pela empresa é o valor de mercado dos bens e serviços por ela produzidos, menos o valor dos bens e serviços adquiridos e transferidos de outras empresas p Teoria Empresarial O lucro baseado no valor adicionado inclui todos os pagamentos a acionistas sob a forma de dividendos, juros a credores, salários a funcionários, impostos g a unidades governamentais e lucros retidos na empresa Teoria Empresarial Essa teoria tem sido utilizada para justificar a publicação da demonstração do valor adicionado e do balanço social por parte das empresas, tendo em vista a necessidade de justificar as ações sociais da j ç entidade 14
  15. 15. Teoria Empresarial A teoria empresarial possui uma visão diferente de resultado, considerando juros, dividendos, salários e tributos com sendo sua distribuição Teoria Empresarial Distribuição do Valor Adicionado 29% Pessoal 41% Juros Impostos Acionistas Retido 5% 12% 13% DVA DVA Receitas 100.000 ( – ) Insumos (60.000) ( = ) Valor Adicionado 40.000 Distribuição do Valor Adicionado Funcionários 10.000 Governo 8.000 Bancos 2.000 Acionistas 5.000 Retido 15.000 15
  16. 16. Estrutura da DVA Demonstração do Valor Adicionado 1 RECEITAS 1.1 Vendas de Mercadorias, produtos e serviços 1.2 Provisão para devedores duvidosos – reversão/constituição 1.3 Não operacionais 2 INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (incluem os valores dos impostos: ICMS e IPI) 2.1 Matérias-primas consumidas 2.2 Custo das mercadorias e serviços vendidos 2.3 Materiais, energia, serviços de terceiros e outros 2.4 Perda/recuperação de valores ativos 3 VALOR ADICIONADO BRUTO (1 – 2) Estrutura da DVA Demonstração do Valor Adicionado (continuação) 4 RETENÇÕES 4.1 Depreciação, amortização e exaustão 5 VALOR ADICIONADO LÍQ. PROD. P/ ENTIDADE (3 – 4) 6 VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 6.1 Resultado de equivalência patrimonial 6.2 Receitas financeiras 7 VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5 + 6) 8 DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO 8.1 Pessoal e encargos 8.2 Impostos, taxas e contribuições 8.3 Juros e aluguéis 8.4 Juros sobre o capital próprio e dividendos 8.5 Lucros retidos 16

×