Apresentação - Composição de trilhas sonoras para MEDs - Oficina 4

1.342 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Apresentação - Composição de trilhas sonoras para MEDs - Oficina 4

  1. 1. NÚCLEO DE TECNOLOGIA DIGITAL APLICADA A EDUCAÇÃO (NUTED) Oficina 4 - Composição de Trilhas Sonoras e Vídeos Educacionais Fátima Weber Rosas Nov/2012
  2. 2. Composição Musical Digital (CMD) Digital “Que é representado exclusivamente por números(segundo um código convencionado) e, portanto,passível de processamento por computadores digitais.” Convertem o dados Computadores: Valores 0 e 1 analógicos para os digitais e vice-versa “Digitalizar uma informação consiste em traduzí-la em números.”(LÉVY, 1999)
  3. 3. Digital x Analógico Sistema conhecido por binário,Digital aonde temos combinações numéricas entre 0 e 1. O sinal analógico é umAnalógico sistema que ocorre através de condução elétrica, por sinais de corrente alternada.
  4. 4. Composição Musical Digital (CMD) Música “É uma organização de sons com a intençãode ser ouvida”. (Schafer, 1991)
  5. 5. Composição Musical Digital (CMD)Música Eletrônica Concreta Eletroacústica
  6. 6. Composição Musical Digital (CMD) Composição Envolve ações de escolha e organização dos sons;(Maffioletti, 2005) Compreende explorações, construções ereconstruções das ideias sonoras. (Maffioletti, 2005) A intenção do compositor ao escolher e organizar ossons é que determina se são ou não musicais; “O ato de compor deve equilibrar as facilidadesproporcionadas pela tecnologia com a arte dasescolhas.” (Fritsch, 2008).
  7. 7. Composição Musical Digital (CMD) Fora do estúdio; nos lares, bastando ter umcomputador ou aparelho digital com acesso à Internet; Em ambientes sem recursos de isolamento acústicocomo em salas de aula, casas, polos; Abertura à possibilidade de apresentar estrutura tonal ou não, de acordo com a vivência e experiência do compositor; Utilização de ferramentas livres e de fácil manuseio. Possibilidade de realização em cursos à distância.
  8. 8. Trilhas sonoras paraMateriais educacionais digitais (MEDs) Proveniente do termo “trilha sonora” de filmes; Termo referente à música ou trechos musicais em OAs e MEDs (Rosas e Behar, 2010); São criadas através da composição digital;  Algumas funções das trilhas sonoras podem ser aproveitadas na educação, para:
  9. 9. Funções das trilhas sonoras na educação Motivar; Influenciar estados de ânimo; Auxiliar na memorização; Remeter a épocas históricas;
  10. 10. A Composição Musical Digital busca: Favorecer a criatividade; Favorecer a consciência rítmica e estética; Inserir a música em materiais educacionais digitais (MEDs);Proporcionar situações onde alunos eprofessores possam criar e produzir suaspróprias trilhas sonoras (ou trechosmusicais);
  11. 11. As trilhas sonoras para MEDs Utilizam recursos da Web 2.0; São produzidas com softwares livres; São criadas através do computador ou de aparelhos digitais: Composição Musical Digital (CMD); A CMD pode ser composta tanto por músicos como ouvintes (apreciadores de música); Promovem uma aprendizagem significativa; Mudança na experiência musical e na maneira de divulgar a música.
  12. 12. Afetividade, Aprendizagem e Música A afetividade é um agente motivador da atividadecognitiva. (Piaget, 2005 citado por Longhi et al, 2009). Emoção, estados de humor ou de ânimo,motivação, sentimento, são termos que dizemrespeito à afetividade. Os domínios de estruturas musicaisrelacionadas a altura, tempo, timbre, gesto, ritmoe métrica também possuem domínios deestruturas não musicais como o afeto e aemoção. (Bharucha et al, 2006).
  13. 13. Funções da Música 10) Contribuição 1) Expressão emocional; para a 2) Prazer estético; integração da sociedade. 3) Divertimento;9) Contribuição para Dez funçõesa continuidade e da músicaestabilidade 4) Comunicação;da cultura; na sociedade: 5) Representação; 8) Validação das instituições 7) Impor conformidade 6) Reação física; sociais e dos rituais religiosos; às normas sociais; (Merriam, 1964, citado por Hummes, 2004).
  14. 14. Funções da Música Para acalmar as criançasPara a reprodução cultural Na escola:O foco educacional tem, acima de Para construirtudo, de estar nos verdadeiros significadosprocessos do fazer musical.Somente então é possível darsentido ao contexto, seja histórico, (Hummes, 2004).social, biográfico, acústico ou (Swanwick, 2003).outro. (Swanwick, 2003).
  15. 15. Música e Educação“Conhecer música não quer dizer escutá-la por acaso e sim, envolver-se com ela profundamente.”(Swanwick, 2003). O importante é saber o que a música é e o que ela pode fazer. (Ibidem).
  16. 16. Música, Áudio e Trilha Sonora Som e áudio: Referem-se à parte técnica de gravação no contexto educacional ou não. Música: Refere-se à parte artística, no contexto educacional ou não. Trilha Sonora de um objeto de aprendizagem pode referir-se à música de um objeto de aprendizagem e, em alguns casos, ao áudio (compreendendo sonorizações, narrações, trechos de músicas, mixagens, etc).
  17. 17.  Música eletroacústica: A músicaeletroacústica é realizada através deprocedimentos que sintetizam outransformam o som através docomputador.(Fritsch, 2008) Música instrumental: Obracomposta para ser executada apenaspor instrumentos. (Ferreira, 2004).  Música vocal: é a música feita para ser cantada por coro ou por um cantor solista. (Wikipedia, 2009).
  18. 18. Alguns formatos de áudioWMA: Windows Media Audio. Arquivo deáudio gerado no Windows Media Player,desenvolvido pelaMicrosoft.WAV: Ou WAVE (waveform ou forma de onda). Arquivo deáudio sem compressão.MP3: MPEG-1/2 Audio Layer 3. Formato de áudio que podeser comprimido em diversas qualidades.MIDI: Musical Instrument Digital Interface. Padrão decomunicação de dados entre instrumentos musicais ecomputadores.OGG: Formato de áudio comprimido com igual ou melhorqualidade que o mp3, reproduzido pelo Winamp.
  19. 19. Algumas ferramentas tocadoras e geradoras de arquivos de áudioWindows Media Player (player):http://www.baixaki.com.br/download/windows-media-player-10-portugues-.htmReal Player (player/conversor):http://www.baixaki.com.br/download/RealPlayer.htm Media io (conversor online):http://media.io/Switch File Sound Converter (conversor):http://www.baixaki.com.br/site/dwnld46452.htmFreecorder Toolbar (gravador/player/gerador/conversor);http://www.superdownloads.com.br/download/126/freecorder/Winamp (player ogg/mp3/wav): http://www.winamp.com/
  20. 20. Trilha Sonora Trilha sonora - também chamada de música incidental ou música para filmes. (Sadie, 2001). Música incidental: Música composta, arranjada, compilada ou improvisada para acompanhar filmes. (Sadie, 2001). Source music: música contida no âmbito da ação. Música de fundo.
  21. 21. Funções da música incidental Comunicar emoções; Caracterização de mudar uma emoção personagens e Funções (estado de ânimo).idéias (Burt, 1994). (Burt, 1994) (Blanco, s/d). Associação a Ludibriar os Estabelecerdeterminado local espectadores; conotações com ou ambiente. comunicar outras áreas. (Burt, 1994). significados e (Blanco, s/d). pensamentos não verbalizados. (Wingstedt, 2005).
  22. 22. Música funcionalÉ muitoÉ muito Com aplicações extramusicais baseadautilizada nasutilizada nas nosempresas;empresas; efeitos psicofisiológicos; Para aumentar a Para aumentar a Música funcional: produtividade produtividade dos funcionários; dos funcionários; Para ser ouvida passivamente Para ser ouvida passivamente (como “pano de fundo”) (como “pano de fundo”) (Nocko, 2005) (Brenner et al, 2006)
  23. 23. Música para ser ouvida passiva ou criticamente? Passivamente: A percepção Ex.: Música ambiental;se dá de maneira inconsciente. para filmes; funcional; em(Brenner et al, 2006). games; para entretenimento. Criticamente: A percepçãosonora se dá de maneiraconsciente. O ouvinte foca sua Ex.: Aprendizagematenção na música, musical; apreciação; noanalisando-a. contexto educacional.
  24. 24. Uso de Trilhas Sonoras em MEDs Duas principais abordagens: Como motivação: Uso da música de forma passiva (influenciando estados de ânimo); Como construtora de conhecimentos e significados (dependendo da proposta pedagógica do professor. Ex.: Composição coletiva).
  25. 25. Exemplos de Trilha Sonorapara objetos de aprendizagem (OAs) Educação Infantil Objeto de aprendizagem Práticas Criativas na Web 2.0: http://www.nuted.ufrgs.br/objetos_de_aprendizagem/2009/criativas/index Trilha sonora: “Pense, tente, invente” : Letra:
  26. 26. A Trilha Sonora “Evolução” Ensino Superior OA CompEAD (Competências na EAD):http://www.nuted.ufrgs.br/objetos_de_aprendizagem/2009/compead/index.html Trilha sonora: Evolução: Metáforas: Linha do tempo e alvo. Possibilidade de download para posteriorreutilização.
  27. 27. Exemplo de trilha sonora coletiva em OA OA CompMAP (Mapeando Competências):http://www.nuted.ufrgs.br/objetos_de_aprendizagem/2010/compmap/ Ouça: Guia da Trilha: Trilha composta com sons do CODES e do JAMSTUDIO
  28. 28. Exemplo de trilha sonora em OAs OA CompMUS (Composição Musical Digital):http://www.nuted.ufrgs.br/objetos_de_aprendizagem/2011/CompMUS/#
  29. 29. Trilhas Sonoras para MEDs Exemplo de uma trilha sonora coletiva feita noJAMSTUDIO e editada no AUDACITYpara o OA CompMUS: Ex.: Trilha “Movimento” (módulo 3 OA CompMUS):
  30. 30. Trilhas Sonoras para MEDs A proposta de composição coletiva de música (trilhas sonoras) para MEDs busca: Promover interações sociais e trabalho colaborativo; Aumentar o grau de interatividade com oobjeto de aprendizagem; Possibilitar a familiaridade com os sons ecom a música; Incentivar o cumprimento da Lei 9610/98;
  31. 31. Trilhas Sonoras para MEDs Promover não apenas a escuta passiva damúsica, mas uma audição (apreciação) críticacomo sujeito ativo no processo deaprendizagem; Favorecer a vivência sonora através dainteração com a música, envolvendoo sujeito cognitiva e afetivamente(audição, composição, contextualização).
  32. 32. Trilhas Sonoras para MEDs Construir significados Apreciar Vivência Sonora Criar sonsRefletir sobre os sons Interpretar sons Adicionar efeitos sonoros Editar, manipular sons
  33. 33.  Aviary: http://www.aviary.com/  JamStudio: http://www.jamstudio.com/Studio/index.htm ClubCreate/MusicLab:http://remixer.clubcreate.com/v2/musiclab/launch.html CODES: http://gia.inf.ufrgs.br/CODES3/# Cantabile Lite:http://www.cantabilesoftware.com/download/
  34. 34.  Conversor de áudio on-line paravários formatos: http://media.io/ Conversor de áudio: “Switch Sound FileConverter”:http://www.baixaki.com.br/site/dwnld43887.htm
  35. 35.  Captura e edição de áudio: “AUDACITY”:http://audacity.sourceforge.net/ Captura, edição de áudio e sequenciamento:“KRISTAL Audio Engine”:http://busca.superdownloads.com.br/busca/kristal.html Captura, edição de áudio e sequenciamento:“Acid”: http://www.superdownloads.com.br/download/19/acid-xpress/ Captura de áudio e vídeo: “Freecorder”:http://www.baixaki.com.br/download/freecorder.htm
  36. 36.  Possibilita a publicação de obras on-line e mantém osdireitos do autor, permitindo que outros distribuam a suaobra, desde que façam referência, nas condiçõesespecificadas pelo autor:http://creativecommons.org/choose/?lang=pt Creative Commons Brasil: http://www.creativecommons.org.br/ Licenças de áudio:http://www.creativecommons.org.br/index.php?option=com_content&task=vie Website com sons (samples ou amostras) livres:http://www.freesound.org/
  37. 37.  São exemplos de ferramentas para a composiçãomusical digital on-line; Servem para a criação de trilhas sonoras para MEDs; MUSICLAB:http://remixer.clubcreate.com/v2/musiclab/launch.html JAMSTUDIO: http://www.jamstudio.com/Studio/index.htm CODES: http://gia.inf.ufrgs.br/CODES3/#
  38. 38. Observações ao utilizar áudio ou construir uma trilha para um MEDA música deve estar de acordo com o público- alvo;A música deve estar contextualizada (de acordo com o conteúdo); Sonsassociados à imagens poderão ser utilizados, desde que estejam ligados ao conteúdo;
  39. 39. Observações ao utilizar áudio ouconstruir uma trilha para um MED Setiver textos escritos, evitar que músicas vocais toquem ao mesmo tempo; Nãoutilizar narração com texto na tela, simultaneamente; Editar o áudio, evitando cortes repentinos da música.
  40. 40. Créditos Nome da música. Nome do compositor. Procedênciade quem fez a mixagem e/ou edição do som.
  41. 41. Considerações finais O som pode carregar consigo toda uma bagagem emotiva e interpretativa que o texto escrito nem sempre consegue transmitir com a mesma intensidade. A música presente em MEDs, com a mediação do professor, pode levar à construção de conhecimentos musicais a partir da audição crítica e da interatividade. Nessa audição crítica ou escuta consciente, o sujeito não é apenas passivo (recebe as informações prontas), mas construtor de significados e do próprio conhecimento.
  42. 42. ReferênciasImagens: Microsoft Power Point: Clip –art. Objetos de Aprendizagem produzidos pelaequipe do NUTED/UFRGS:http://www.nuted.ufrgs.br/ Imagens animadas:http://br.bestgraph.com/gifs/notes-2.html
  43. 43. Referências BibliográficasARANTES, V. A. Afetividade e Cognição: Rompendo a dicotomia na educação. In:VIDETUR, n. 23. Porto/Portugal: Mandruvá, 2003.BEHAR, Patrícia e colaboradores. Modelos Pedagógicos em Educação a Distância.Ed. Artmed, Porto Alegre, 2009.BEHAR, Patrícia Alejandra e TORREZZAN, Cristina Alba. Metas do design pedagógico:um olhar na construção de materiais educacionais digitais. Revista Brasileira deInformática na Educação, Volume 17, Número 3, 2009. Disponível em:<http://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/viewFile/1023/1015>. Acesso em 13 mai.de 2010. BURT, G. The Art of Film Music. Northeastern University Press. EUA.1994.BENENZON, Rolando O. Manual de Musicoterapia. Tradução de Clementina Nastari.Rio de Janeiro: Enelivros, 1985.BHARUCHA, Jamshed J.; CURTIS, Meagan e PAROO, Kaivon. Varietis of musicalexperience. Tufts Ubiversity, Medford, MA 02155, USA. 2006.BLACKING, John. Music Children’s Cognitive and Affective Development:Problems posed ethnomusical research. In: WILSON, Frank & ROEHMANN, Franz L.Music and child development. Proceedings of the Denver Conference, 1987. P.68-78.
  44. 44. BRASIL. MINISTÉRIO DA CULTURA. Lei 9.610/98. Brasília-DF. Disponívelem: <http://www.cultura.gov.br/site/categoria/politicas/direitos-autorais-politicas/document>. Acesso em 14 mai. de 2010.BRENNER, Thomas R.; FRIGATTI, Eduardo F.; OSELAME, Mariane M. eSIMÕES, Pierângela. XII Simpósio Brasileiro de Musicoterapia. Análise dautilização da música funcional em supermercados na cidade de Curitiba. 06 a09 set, 2006, Goiânia –GO. Disponível em: <http://www.sgmt.com.br/anais/p02pesquisaresumoexpandidooral/RECO07-Brenner_ >. Acesso em 22 fev. de 2010.DUARTE, Mônica. A interação social no processo de criação de trilhassonoras: perspectiva para o ensino de música. XVI Congresso daAssociação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Música(ANPPOM). Brasília, 2006.
  45. 45. HUMMES, Júlia. Por que é importante o ensino de música? Considerações sobre asfunções da música na sociedade e na escola. Revista da ABEM. Vol.11, 17-25, set.2004. Disponível em: <http://www.abemeducacaomusical.org.br/Masters/revista11/revista11_artigo2.pdf.>Acesso em 16 fev. de 2010. LÉVY, Pierre. Cibercultura. Trad. Carlos irineu da Costa. Ed. 34. 1999.LONGHI, Magali Teresinha; BEHAR, Patrícia Alejandra e BERCHT, Magda. AnimA-K:recognizing student’s mood during the learning process. Sample Word Paper for Co-located Conferences at the 9th WCC Congress. July, 27-31, Brazil, 2009. Disponívelem: <http://www.wcce2009.org/proceedings/papers/WCCE2009_pap253.pdf >. Acessoem 29 mar. de 2010.FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da línguaportuguesa. 3ª Ed. Curitiba: Positivo, 2004.FRITSCH, Eloi F. Música eletrônica: uma introdução ilustrada. Porto Alegre: Editorada UFRGS, 2008.FRITSCH, Eloi F.; FLORES, Luciano V.; MILETTO, Evandro M.; VICARI, Rosa M. ePIMENTA, Marcelo S. Software musical e sugestões de aplicação em aulas demúsica. Disponível em: http://www6.ufrgs.br/mt/softwaremusical.htm. Acesso em 19 fev2010.
  46. 46. MED, Bohumil. Teoria da música. 4ª Ed. rev. e ampl. Brasília, DF: Musimed, 1996.Página Web.COMPRARÉ. Extensão de Arquivos. 2009. Disponível em:http://www.comprape.com.br/Dicionario-de-extensao-de-arquivos.aspx. Acesso em 24fev. de 2010.MILETTO, Evandro; FLORES, Luciano V.; PIMENTA, Marcelo S. e VICARI, Rosa M.CODES: Um Ambiente para Prototipação Musical Cooperativa Baseado na Web. XXVCongresso da Sociedade Brasileira de Computação – 22 a 29 jul. Unisinos, 2005.NOCKO, Caio M. A sociedade da música da mídia. Anais III Fórum de PesquisaCientífica em Arte. Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005.Disponível em: <http://www.embap.pr.gov.br/arquivos/File/anais3/caio_nocko.pdf.>Acesso em 29 mar. de 2010.PIAGET, Jean. Development and learning. In LAVATTELLY, C. S. e STENDLER, F.Reading in child behavior and development. New York: Hartcourt Brace Janovich,1972. Texto traduzido por Paulo Francisco Slomp destinado aos estudos desenvolvidosna disciplina Psicologia da Educação B. UFRGS.RODRIGUES, Rodrigo Fonseca e. A experiência da música e as escutascontemporâneas. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia. Vol.1, nº19, 2002.Disponível em: http://200.144.189.42/ojs/index.php/famecos/article/viewArticle/331.Acesso em 19 nov. de 2010.
  47. 47.  RODRÍGUEZ, Ángel. A dimensão sonora da linguagem audiovisual. Senac: São Paulo, 2006. RUIZ, Valdete Maria e OLIVEIRA, Marli Jorge Vischi. A Dimensão Afetiva da Ação Pedagógica. EDUC@ação - Rev. Ped. - UNIPINHAL – Esp. Sto. do Pinhal – SP, v. 01, n. 03, jan./dez. 2005. SADIE, Stanley. Dicionário Grove de música: edição concisa. Editado por Stanley Sadie; editora- assistente Alison Latham. Tradução Eduardo Francisco Alves.Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994. _____. The New Grove Dictionary of Music and Musicians. 2ª Ed. Editado por Stanley Sadie. Editor executivo: John Tyrrell. 2001. SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Tradução de Marisa TrenchFonterrada, Magda R. Gomes da Silva, Maria Lúcia Pascoal. São Paulo: Fundação Editora UNESP, 1991. SCHAEFFER, Pierre. Tratado de los objetos musicales. Versão espanhola de Araceli Cabezón de Diego. Alianza Editorial. 3ª edição. Madrid: 2008. SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003. SWANWICK, K.; TILLMAN, J. The sequence of musical development: a study of children’s composition. British Journal of Music education, v.3, p.305-339, 1986.
  48. 48. Obrigada pela atenção!Fonte da imagem: http://semtedio.com/top-05-musicas-para-sorrir/music-smile/

×