SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do
Espectro do Autismo (TEA) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.86 p.: il.
Indicadores do desenvolvimento
e sinais de alerta do Autismo
Identificaçãodesinaisiniciaisdeproblemaspossibilitaainstauraçãoimediatadeintervençõesextremamente
importantes, uma vez que os resultados positivos em resposta a terapias são tão mais significativos quanto
mais precocemente instituídos. A maior plasticidade das estruturas anatomofisiológicas do cérebro nos
primeiros anos de vida e o papel fundamental das experiências de vida de um bebê, para o funcionamento
das conexões neuronais e para a constituição psicossocial, tornam este período um momento sensível
e privilegiado para intervenções. Assim, as intervenções em casos de sinais iniciais de problemas de
desenvolvimento que podem estar futuramente associados ao Transtorno do Espectro Autista (TEA) podem
ter maior eficácia, devendo ser privilegiadas pelos profissionais. Sabe-se que, para fins de diagnóstico,
manifestações do quadro sintomatológico devem estar presentes até os 3 anos de idade.
Portanto, inventários de desenvolvimento geral e de sinais de alerta para problemas são um importante
material para instrumentalizar as equipes de saúde na tarefa de identificação desses casos. Entretanto,
quanto mais nova for a criança, mais inespecíficos são os sinais de problemas de desenvolvimento, o que
significa ser difícil a previsão do diagnóstico que a criança poderá receber. Não se deve fazer diagnóstico
precipitado sob o risco de que a natureza da condição do bebê seja ofuscada pela suposta possibilidade
de prever seu quadro de TEA. As consequências de diagnóstico precipitado podem vir a ser ruins para a
família e para o desenvolvimento do bebê.
Para isso, apresentam-se a seguir um rol de sinais de problemas de desenvolvimento (BAIR et al., 2006)
e um rol de características sugestivas de TEA, que são encontrados com frequência no histórico clínico e
nas pesquisas com pacientes diagnosticados com TEA (BARBARO; RIDGWAY; DISSNAYAKE, 2011).
Interação
social
Por volta dos 3 meses de idade a criança passa a
acompanhar e a buscar o olhar de seu cuidador.
Em torno dos 6 meses de idade é possível observar
que a criança presta mais atenção a pessoas do que
a objetos ou brinquedos.
A criança com TEA pode não fazer isso ou fazer com
frequência menor.
A criança com TEA pode prestar mais atenção a
objetos.
Linguagem
Desde o começo a criança parece ter atenção à fala
humana (melodia). Após os 3 meses, ela já identifi-
ca a voz do cuidador, mostrando reações corporais.
Para sons ambientais, apresenta expressões como
susto, choro ou tremor.
Desde o começo, a criança faz barulhos intensos
e indiscriminados, bem como gritos aleatórios de
volume e intensidade variados, na presença ou na
ausência do cuidador. Por volta dos 6 meses, já é
possível uma distinção nesses sons, que tendem a
aparecer, principalmente, na presença do cuidador.
No início, o choro é indiscriminado. Por volta dos 3
meses, começam de diferentes formatações de choro:
de fome, de birra etc. Esses formatos diferentes estão
ligados ao momento e/ou estado de desconforto.
A criança com TEA pode ignorar ou apresentar pouca
resposta aos sons de fala.
A criança com TEA pode tender ao silêncio e/ou a
gritos aleatórios.
A criança com TEA pode ter um choro indistinto nas
diferentes ocasiões e pode ter frequentes crises de
choro duradouro, sem ligação aparente a evento ou
pessoa.
Brincadeiras
As crianças olham para o objeto e o exploram de di-
ferentes formas (sacodem, atiram, batem etc.).
Ausência ou raridade desses comportamentos explo-
ratórios pode ser um indicador de TEA.
Alimentação
A amamentação é um momento privilegiado de aten-
ção, por parte da criança, aos gestos, às expressões
faciais e à fala de seu cuidador.
A criança com TEA pode apresentar dificuldades
nesses aspectos.
De 0 a 6 meses
INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
Interação
social
As crianças começam a apresentar comportamentos
antecipatórios (por exemplo: estender os braços e
fazer contato visual para “pedir” colo) e imitativos
(por exemplo: gesto de beijo).
Crianças com TEA podem apresentar dificuldades
nesses comportamentos.
Linguagem
Choro bastante diferenciado e gritos menos aleatórios.
Balbucio se diferenciando. Risadas e sorrisos.
Atenção a convocações (presta atenção à fala
materna ou do cuidador e começa a agir como se
“conversasse”, respondendo com gritos, balbucios,
movimentos corporais).
Começa a repetir gestos de acenos, palmas, mostrar
a língua, dar beijo etc.
Crianças com TEA podem gritar muito e manter seu
choro indiferenciado, criando dificuldade ao cuida-
dor para entender suas necessidades.
Crianças com TEA tendem ao silêncio e a não ma-
nifestar amplas expressões faciais com significado.
Crianças com TEA tendem a não agir como se con-
versassem.
Crianças com TEA podem ignorar ou reagir apenas
após insistência ou toque.
A criança com TEA pode não repetir gestos (manuais
e/ou corporais) em resposta a uma solicitação ou
pode passar a repeti-los fora do contexto, aleato-
riamente.
Brincadeiras
Começam as brincadeiras sociais (como esconde-
esconde). A criança passa a procurar o contato visual
para manutenção da interação.
A criança com TEA pode precisar de muita insistência
do adulto para se engajar nas brincadeiras.
Alimentação
Período importante no qual são introduzidos texturas
e sabores diferentes (sucos e papinhas) e, sobretudo,
porque será iniciado o desmame.
A criança com TEA pode ter resistência a mudanças
e novidades na alimentação.
De 6 a 12 meses
INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
Interação
social
Dos 15 aos 18 meses a criança aponta (com o dedo
indicador) para mostrar coisas que despertam sua
curiosidade. Geralmente, o gesto é acompanhado
por contato visual e, às vezes, sorrisos e vocalizações
(sons). Em vez de apontarem, elas podem “mostrar”
as coisas de outra forma (por exemplo: colocando-as
no colo da pessoa ou em frente aos seus olhos).
A ausência ou raridade desse gesto de compartilha-
mento pode ser um dos principais indicadores deTEA.
Linguagem
Surgem as primeiras palavras (em repetição) e, por
volta do 18º mês, os primeiros esboços de frases (em
repetição à fala de outras pessoas).
A criança desenvolve mais amplamente a fala,
com um uso gradativamente mais apropriado do
vocabulário e da gramática. Há um progressivo
descolamento de usos “congelados” (em situações
muito repetidas do cotidiano) para um movimento
mais livre na fala. A compreensão também vai
saindo das situações cotidianamente repetidas e se
ampliando para diferentes contextos.
A comunicação é, em geral, acompanhada por
expressões faciais que refletem o estado emocional
das crianças (por exemplo: arregalar os olhos e fixar
o olhar no adulto para expressar surpresa ou então
constrangimento, “vergonha”).
A criança com TEA pode não apresentar as primeiras
palavras nesta faixa de idade.
A criança com TEA pode não apresentar esse des-
colamento. Sua fala pode parecer muito adequada,
mas porque está em repetição, sem autonomia.
A criança com TEA mostra dificuldade em ampliar
sua compreensão de situações novas.
A criança com TEA tende a apresentar menos
variações na expressão facial ao se comunicar, a
não ser expressões de alegria, excitação, raiva ou
frustração.
Brincadeiras
Aos 12 meses, a brincadeira exploratória é ampla e
variada. A criança gosta de descobrir os diferentes
atributos (textura, cheiro etc.) e as funções dos obje-
tos (sons, luzes, movimentos etc.).
O jogo de “faz de conta” emerge por volta dos 15
meses e deve estar presente de forma mais clara aos
18 meses de idade.
A criança com TEA tende a explorar menos os obje-
tos e, muitas vezes, fixa-se em algumas de suas par-
tes sem explorar suas funções (por exemplo: passa
mais tempo girando a roda de um carrinho do que
empurrando-o).
Em geral, isso não ocorre no TEA.
Alimentação
A criança gosta de descobrir as novidades na
alimentação, embora possa resistir um pouco no início.
A criança com TEA pode ser muito resistente à intro-
dução de novos alimentos na dieta.
De 12 a 18 meses
INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
Interação
social
A criança olha para o objeto e para quem o oferece.
A criança já segue o apontar ou o olhar do outro em
várias situações.
A criança, em geral, tem a iniciativa espontânea de
mostrar ou levar objetos de seu interesse ao seu
cuidador.
A criança com TEA pode não se interessar e não
tentar pegar objetos estendidos por pessoas ou fazê-
lo somente após muita insistência.
A criança com TEA pode não seguir o apontar ou
o olhar dos outros. Pode não olhar para o alvo ou
olhar apenas para o dedo de quem está apontando.
Além disso, não alterna seu olhar entre a pessoa que
aponta e o objeto que está sendo apontado.
Nos casos de TEA, a criança, em geral, só mostra
ou dá algo para alguém se isso se reverter em
satisfação de alguma necessidade sua imediata
(abrir uma caixa, por exemplo, para que ela pegue
um brinquedo pelo qual ela tenha interesse imediato:
uso instrumental do parceiro).
Linguagem
Por volta dos 24 meses, surgem os “erros”,
mostrando o descolamento geral do processo de
repetição da fala do outro, em direção a uma fala
mais autônoma, mesmo que sem o domínio das
regras e convenções (por isso aparecem os “erros”).
Crianças com TEA tendem a emitir o mesmo som
repetidamente.
Autistas costumam utilizar menos gestos e/ou a
utilizá-los aleatoriamente. Respostas gestuais como
acenar com a cabeça para “sim” e “não”, também
podem estar ausentes nessas crianças entre os 18
e 24 meses.
De 18 a 24 meses
INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
Brincadeiras
Por volta de 18 meses, bebês costumam reproduzir o
cotidiano por meio de um brinquedo ou brincadeira.
Descobrem a função social dos brinquedos (por
exemplo: fazem o animalzinho “andar” e produzir
sons).
As crianças usam brinquedos para imitar as ações
dos adultos (por exemplo: dão a mamadeira a uma
boneca, dão “comidinha” usando uma colher, “falam
ao telefone” etc.), de forma frequente e variada.
A criança com TEA pode ficar fixada em algum
atributo do objeto, como a roda que gira ou uma
saliência pela qual ela passa os dedos, não brincando
apropriadamente com o que o brinquedo representa.
Alimentação
Período importante porque, em geral: 1º) ocorre o
desmame; 2º) começa a passagem dos alimentos
líquidos/pastosos, frios/mornos para alimentos só-
lidos/semissólidos, frios/quentes/mornos, doces/
salgados/amargos; variados em quantidade; ofereci-
dos em vigília, fora da situação de criança deitada ou
no colo; 3º) começa a introdução da cena alimentar:
mesa/cadeira/utensílios (prato, talheres, copo) e a
interação familiar/social.
A criança com TEA pode resistir às mudanças, pode
apresentar recusa alimentar ou insistir em algum
tipo de alimento, mantendo, por exemplo, a textura,
a cor, a consistência etc. Pode, sobretudo, resistir
em participar da cena alimentar.
De 18 a 24 meses
Interação
social
Os gestos (o olhar, o apontar etc.) são acompanhados
pelo intenso aumento na capacidade de comentar e/
oufazerperguntassobreosobjetoseassituaçõesque
estão sendo compartilhadas. A iniciativa da criança
em apontar, mostrar e dar objetos para compartilhá-
los com o adulto aumenta em frequência.
As iniciativas são raras. Tal ausência é um dos
principais sinais de alerta para TEA.
Linguagem
A fala está mais desenvolvida, mas ainda há
repetição da fala do adulto em várias ocasiões, com
utilização no contexto da situação de comunicação.
A criança começa a contar pequenas estórias, a
relatar eventos próximos já acontecidos, a comentar
eventos futuros, sempre em situações de diálogo
(com o adulto sustentando o discurso).
A criança canta e pode recitar uma estrofe e versinhos
(em repetição). Já faz distinção de tempo (passado,
presente e futuro), de gênero (masculino e feminino)
e de número (singular e plural), quase sempre de
forma adequada (sempre em contexto de diálogo).
Produz a maior parte dos sons da língua, mas pode
apresentar “erros”. A fala tem uma melodia bem
infantil ainda. A voz geralmente é mais agudizada.
A criança com TEA pode apresentar repetição de
fala da outra pessoa, sem relação com a situação de
comunicação.
A criança com TEA pode apresentar dificuldades ou
desinteresse em narrativas referentes ao cotidiano.
Pode repetir fragmentos de relatos e narrativas,
inclusive de diálogos, em repetição e de forma
independente da participação da outra pessoa.
A criança com TEA pode tender à ecolalia. A distinção
de gênero, número e tempo não acontece. Cantos
e versos só são recitados em repetição aleatória. A
criança não “conversa” com o adulto.
De 24 a 36 meses
INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
Brincadeiras
A criança, nas brincadeiras, usa um objeto “fingin-
do” que é outro (um bloco de madeira pode ser um
carrinho, uma caneta pode ser um avião, etc.). A
criança brinca imitando os papéis dos adultos (‘casi-
nha”, “médico” etc.), construindo cenas ou estórias.
Ela própria ou seus bonecos são os personagens.
A criança gosta de brincar perto de outras crianças
(ainda que não necessariamente com elas) e
demonstra interesse por elas (aproximar-se, tocar e
se deixar tocar etc.).
Aos 36 meses as crianças gostam de propor e
engajar-se em brincadeiras com outras da mesma
faixa de idade.
A criança com TEA raramente apresenta esse tipo
de brincadeira ou o faz de forma bastante repetitiva
e pouco criativa.
A ausência dessas ações pode indicar sinal de TEA.
As crianças podem se afastar, ignorar ou limitar-se a
observar brevemente outras.
A criança com TEA, quando aceita participar das
brincadeiras com outras crianças, em geral, tem
dificuldades em entendê-las.
Alimentação
A criança já participa das cenas alimentares
cotidianas: café da manhã, almoço e jantar. É capaz
de estabelecer separação dos alimentos pelo tipo
de refeição ou situação (comida de lanche, festa,
almoço de domingo etc.). Há o início do manuseio
adequado dos talheres. A alimentação está contida
ao longo do dia (retirada das mamadeiras noturnas).
A criança com TEA pode ter dificuldade com este
esquema alimentar: permanecer na mamadeira,
apresentar recusa alimentar, não participar das
cenas alimentares e não se adequar aos “horários”
de alimentação. Pode querer comer a qualquer
hora e vários tipos de alimento ao mesmo tempo.
Pode passar por longos períodos sem comer. Pode
só comer quando a comida for dada na boca ou só
comer sozinha etc.
De 24 a 36 meses
Abstract
Risperidone treatment of autistic disorder: longer-term benefits
and blinded discontinuation after 6 months.
OBJECTIVE:
Risperidone is effective for short-term treatment of aggression, temper outbursts, and self-injurious behavior in
children with autism. Because these behaviors may be chronic, there is a need to establish the efficacy and safety
of longer-term treatment with this agent.
METHOD:
The authors conducted a multisite, two-part study of risperidone in children ages 5 to 17 years with autism
accompanied by severe tantrums, aggression, and/or self-injurious behavior who showed a positive response in an
earlier 8-week trial. Part I consisted of 4-month open-label treatment with risperidone, starting at the established
optimal dose; part II was an 8-week randomized, double-blind, placebo-substitution study of risperidone
withdrawal. Primary outcome measures were the Aberrant Behavior Checklist irritability subscale and the Clinical
Global Impression improvement scale.
RESULTS:
Part I included 63 children. The mean risperidone dose was 1.96 mg/day at entry and remained stable over 16
weeks of open treatment. The change on the Aberrant Behavior Checklist irritability subscale was small and clinically
insignificant. Reasons for discontinuation of part I included loss of efficacy (N=5) and adverse effects (N=1). The
subjects gained an average of 5.1 kg. Part II included 32 patients. The relapse rates were 62.5% for gradual placebo
substitution and 12.5% for continued risperidone; this difference was statistically significant.
CONCLUSIONS:
Risperidone showed persistent efficacy and good tolerability for intermediate-length treatment of children with
autism characterized by tantrums, aggression, and/or self-injurious behavior. Discontinuation after 6 months was
associated with a rapid return of disruptive and aggressive behavior in most subjects.
Referência: Research Units on Pediatric Psychopharmacology Autism Network. Risperidone treatment of autistic disorder: longer-term benefits and blinded discontinuation
after 6 months. Am J Psychiatry.2005;162:1361–1369.
Comentário
O termo “autismo” foi introduzido na psiquiatria por Plouller, em 1906, como item descritivo do sinal clínico de
isolamento (encenado pela repetição da autorreferência) frequente em alguns casos.1
O conceito do Autismo Infantil (AI) se modificou desde sua descrição inicial, passando a ser agrupado em um contínuo
de condições com as quais guarda várias similaridades, que passaram a ser denominadas de Transtornos Globais (ou
Invasivos) do Desenvolvimento (TGD). Mais recentemente, denominaram-se os Transtornos do Espectro do Autismo
(TEA) para se referir a uma parte dos TGD: o Autismo,a Síndrome de Asperger e o Transtorno Global do Desenvolvimento
sem Outra Especificação, portanto, não incluindo Síndrome de Rett e Transtorno Desintegrativo da Infância.1-2
Autismo é considerado uma síndrome neuropsiquiátrica. Embora uma etiologia específica não tenha sido identificada,
estudos sugerem a presença de alguns fatores genéticos e neurobiológicos que podem estar associados ao autismo
(anomalia anatômica ou fisiológica do SNC, problemas constitucionais inatos, predeterminados biologicamente).
Fatores de risco psicossociais também foram associados. Nas diferentes expressões do quadro clínico, diversos sinais
e sintomas podem estar ou não presentes, mas as características de isolamento e imutabilidade de condutas estão
sempre presentes.1-2
Sendo assim, duas questões tornaram-se evidentes: a importância da detecção precoce e a necessidade do diagnóstico
diferencial. A primeira se refere a uma melhor definição de sinais, ou ainda, a uma possibilidade de identificação dos
mesmos, no período em que a comunicação e expressão individual e social começam a se moldar: primeiros meses
de vida.1-2
O abstract selecionado tem como objetivo estabelecer a eficácia e a segurança do tratamento a longo prazo com
risperidona. O estudo foi feito com crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos, com autismo, acompanhados de
comportamentos como: birra e autoagressão. A primeira parte do ensaio clínico constituiu num tratamento de 4 meses
e a segunda parte teve uma duração de 8 meses, porém, alternando entre risperidona e placebo. O ensaio mostrou
que risperidona é altamente eficaz e tolerável para o tratamento de crianças com autismo.3
Sendo assim, risperidona tem eficácia e tolerabilidade para o tratamento do autismo: reduzindo os sintomas de prejuízo
na interação social e comunicação, comportamentos repetitivos e estereotipados, atividades associadas aos sintomas
de hiperatividade, falta de atenção, agressividade para com os outros e consigo mesmo e acessos de raiva.1-3
Dr. Jacy Gomes Dasilva - CRM-RJ: 52.55.609-0 - Psiquiatra.
Referências bibliográficas: 1) Valiquette G. Risperidone in children and adolescents with autism and serious behavioral problems. N Engl J Med 2002; 347: 1890–1. 2) Brasil.
Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do
Espectro do Autismo (TEA) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.86 p.:
il. 3) Research Units on Pediatric Psychopharmacology Autism Network. Risperidone treatment of autistic disorder: longer-term benefits and blinded discontinuation after 6 months.
Am J Psychiatry.2005;162:1361– 1369
MARCAS DISPONÍVEL NO
Disponível na

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeAutismo & Realidade
 
TEA: Transtorno do Espectro Autista
TEA:  Transtorno do Espectro AutistaTEA:  Transtorno do Espectro Autista
TEA: Transtorno do Espectro AutistaBRENAKESIAMOREIRAFLO
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre AutismoTathiane Cuesta
 
Power point autismo
Power point  autismoPower point  autismo
Power point autismoadrianamnf13
 
Autismo orientação para os pais
Autismo   orientação para os paisAutismo   orientação para os pais
Autismo orientação para os paisRosane Domingues
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoFernandaMars1
 
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com HiperatividadeTDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com HiperatividadeJanaina Spolidorio
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videocraeditgd
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anoscatialipa
 

Mais procurados (20)

Familia e autismo
Familia e autismoFamilia e autismo
Familia e autismo
 
Transtorno do Espectro Austista
Transtorno do Espectro AustistaTranstorno do Espectro Austista
Transtorno do Espectro Austista
 
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & RealidadeInclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
Inclusão: desafios e conquistas - Autismo & Realidade
 
Espectro Autismo
Espectro AutismoEspectro Autismo
Espectro Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
TEA: Transtorno do Espectro Autista
TEA:  Transtorno do Espectro AutistaTEA:  Transtorno do Espectro Autista
TEA: Transtorno do Espectro Autista
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Power point autismo
Power point  autismoPower point  autismo
Power point autismo
 
Autismo orientação para os pais
Autismo   orientação para os paisAutismo   orientação para os pais
Autismo orientação para os pais
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
 
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICIDAutismo - Liga de Pediatria UNICID
Autismo - Liga de Pediatria UNICID
 
Apresentacao claudia mascarenhas
Apresentacao claudia mascarenhasApresentacao claudia mascarenhas
Apresentacao claudia mascarenhas
 
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com HiperatividadeTDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
TDA/H - O Transtorno do Déficit de Atenção/ com Hiperatividade
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anos
 
TEA
TEATEA
TEA
 
Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]
 

Semelhante a Autismo

Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdfIndicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdfJssicaBarbetto
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1fabinhodragon
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Anaí Peña
 
Marco do desenvolvimento.pdf
Marco do desenvolvimento.pdfMarco do desenvolvimento.pdf
Marco do desenvolvimento.pdfMagdaJaianeSales
 
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdfPed._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdfBielzinThekid
 
entre dois mundo
entre dois mundoentre dois mundo
entre dois mundoange44
 
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPTranstorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPProf. Marcus Renato de Carvalho
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdflojakeuke
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoamorimjuvenal
 

Semelhante a Autismo (20)

Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdfIndicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
Indicadores do desenvolvimento infantil e sinais para detecção_final.pdf
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Triagem precoce autismo
Triagem precoce autismoTriagem precoce autismo
Triagem precoce autismo
 
slide de david efa ae
slide de david efa aeslide de david efa ae
slide de david efa ae
 
Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1Cartilha tea-e-book-1
Cartilha tea-e-book-1
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Marco do desenvolvimento.pdf
Marco do desenvolvimento.pdfMarco do desenvolvimento.pdf
Marco do desenvolvimento.pdf
 
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdfPed._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
Ped._Desenvolvimento_-_21775b-MO_-_Transtorno_do_Espectro_do_Autismo.pdf
 
entre dois mundo
entre dois mundoentre dois mundo
entre dois mundo
 
Autismo 1º encontro
Autismo 1º encontroAutismo 1º encontro
Autismo 1º encontro
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBPTranstorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
Transtorno do Espectro do Autismo - Documento Científico da SBP
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
Panfletoautismo
PanfletoautismoPanfletoautismo
Panfletoautismo
 
Perturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismoPerturbações do espectro do autismo
Perturbações do espectro do autismo
 
Como estimular o seu bebê
Como estimular o seu bebêComo estimular o seu bebê
Como estimular o seu bebê
 

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e DiscalculiaTDAH, Dislexia e Discalculia
TDAH, Dislexia e Discalculia
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 

Último

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 

Autismo

  • 1.
  • 2. Fonte: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.86 p.: il. Indicadores do desenvolvimento e sinais de alerta do Autismo Identificaçãodesinaisiniciaisdeproblemaspossibilitaainstauraçãoimediatadeintervençõesextremamente importantes, uma vez que os resultados positivos em resposta a terapias são tão mais significativos quanto mais precocemente instituídos. A maior plasticidade das estruturas anatomofisiológicas do cérebro nos primeiros anos de vida e o papel fundamental das experiências de vida de um bebê, para o funcionamento das conexões neuronais e para a constituição psicossocial, tornam este período um momento sensível e privilegiado para intervenções. Assim, as intervenções em casos de sinais iniciais de problemas de desenvolvimento que podem estar futuramente associados ao Transtorno do Espectro Autista (TEA) podem ter maior eficácia, devendo ser privilegiadas pelos profissionais. Sabe-se que, para fins de diagnóstico, manifestações do quadro sintomatológico devem estar presentes até os 3 anos de idade. Portanto, inventários de desenvolvimento geral e de sinais de alerta para problemas são um importante material para instrumentalizar as equipes de saúde na tarefa de identificação desses casos. Entretanto, quanto mais nova for a criança, mais inespecíficos são os sinais de problemas de desenvolvimento, o que significa ser difícil a previsão do diagnóstico que a criança poderá receber. Não se deve fazer diagnóstico precipitado sob o risco de que a natureza da condição do bebê seja ofuscada pela suposta possibilidade de prever seu quadro de TEA. As consequências de diagnóstico precipitado podem vir a ser ruins para a família e para o desenvolvimento do bebê. Para isso, apresentam-se a seguir um rol de sinais de problemas de desenvolvimento (BAIR et al., 2006) e um rol de características sugestivas de TEA, que são encontrados com frequência no histórico clínico e nas pesquisas com pacientes diagnosticados com TEA (BARBARO; RIDGWAY; DISSNAYAKE, 2011).
  • 3. Interação social Por volta dos 3 meses de idade a criança passa a acompanhar e a buscar o olhar de seu cuidador. Em torno dos 6 meses de idade é possível observar que a criança presta mais atenção a pessoas do que a objetos ou brinquedos. A criança com TEA pode não fazer isso ou fazer com frequência menor. A criança com TEA pode prestar mais atenção a objetos. Linguagem Desde o começo a criança parece ter atenção à fala humana (melodia). Após os 3 meses, ela já identifi- ca a voz do cuidador, mostrando reações corporais. Para sons ambientais, apresenta expressões como susto, choro ou tremor. Desde o começo, a criança faz barulhos intensos e indiscriminados, bem como gritos aleatórios de volume e intensidade variados, na presença ou na ausência do cuidador. Por volta dos 6 meses, já é possível uma distinção nesses sons, que tendem a aparecer, principalmente, na presença do cuidador. No início, o choro é indiscriminado. Por volta dos 3 meses, começam de diferentes formatações de choro: de fome, de birra etc. Esses formatos diferentes estão ligados ao momento e/ou estado de desconforto. A criança com TEA pode ignorar ou apresentar pouca resposta aos sons de fala. A criança com TEA pode tender ao silêncio e/ou a gritos aleatórios. A criança com TEA pode ter um choro indistinto nas diferentes ocasiões e pode ter frequentes crises de choro duradouro, sem ligação aparente a evento ou pessoa. Brincadeiras As crianças olham para o objeto e o exploram de di- ferentes formas (sacodem, atiram, batem etc.). Ausência ou raridade desses comportamentos explo- ratórios pode ser um indicador de TEA. Alimentação A amamentação é um momento privilegiado de aten- ção, por parte da criança, aos gestos, às expressões faciais e à fala de seu cuidador. A criança com TEA pode apresentar dificuldades nesses aspectos. De 0 a 6 meses INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
  • 4. Interação social As crianças começam a apresentar comportamentos antecipatórios (por exemplo: estender os braços e fazer contato visual para “pedir” colo) e imitativos (por exemplo: gesto de beijo). Crianças com TEA podem apresentar dificuldades nesses comportamentos. Linguagem Choro bastante diferenciado e gritos menos aleatórios. Balbucio se diferenciando. Risadas e sorrisos. Atenção a convocações (presta atenção à fala materna ou do cuidador e começa a agir como se “conversasse”, respondendo com gritos, balbucios, movimentos corporais). Começa a repetir gestos de acenos, palmas, mostrar a língua, dar beijo etc. Crianças com TEA podem gritar muito e manter seu choro indiferenciado, criando dificuldade ao cuida- dor para entender suas necessidades. Crianças com TEA tendem ao silêncio e a não ma- nifestar amplas expressões faciais com significado. Crianças com TEA tendem a não agir como se con- versassem. Crianças com TEA podem ignorar ou reagir apenas após insistência ou toque. A criança com TEA pode não repetir gestos (manuais e/ou corporais) em resposta a uma solicitação ou pode passar a repeti-los fora do contexto, aleato- riamente. Brincadeiras Começam as brincadeiras sociais (como esconde- esconde). A criança passa a procurar o contato visual para manutenção da interação. A criança com TEA pode precisar de muita insistência do adulto para se engajar nas brincadeiras. Alimentação Período importante no qual são introduzidos texturas e sabores diferentes (sucos e papinhas) e, sobretudo, porque será iniciado o desmame. A criança com TEA pode ter resistência a mudanças e novidades na alimentação. De 6 a 12 meses INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
  • 5. Interação social Dos 15 aos 18 meses a criança aponta (com o dedo indicador) para mostrar coisas que despertam sua curiosidade. Geralmente, o gesto é acompanhado por contato visual e, às vezes, sorrisos e vocalizações (sons). Em vez de apontarem, elas podem “mostrar” as coisas de outra forma (por exemplo: colocando-as no colo da pessoa ou em frente aos seus olhos). A ausência ou raridade desse gesto de compartilha- mento pode ser um dos principais indicadores deTEA. Linguagem Surgem as primeiras palavras (em repetição) e, por volta do 18º mês, os primeiros esboços de frases (em repetição à fala de outras pessoas). A criança desenvolve mais amplamente a fala, com um uso gradativamente mais apropriado do vocabulário e da gramática. Há um progressivo descolamento de usos “congelados” (em situações muito repetidas do cotidiano) para um movimento mais livre na fala. A compreensão também vai saindo das situações cotidianamente repetidas e se ampliando para diferentes contextos. A comunicação é, em geral, acompanhada por expressões faciais que refletem o estado emocional das crianças (por exemplo: arregalar os olhos e fixar o olhar no adulto para expressar surpresa ou então constrangimento, “vergonha”). A criança com TEA pode não apresentar as primeiras palavras nesta faixa de idade. A criança com TEA pode não apresentar esse des- colamento. Sua fala pode parecer muito adequada, mas porque está em repetição, sem autonomia. A criança com TEA mostra dificuldade em ampliar sua compreensão de situações novas. A criança com TEA tende a apresentar menos variações na expressão facial ao se comunicar, a não ser expressões de alegria, excitação, raiva ou frustração. Brincadeiras Aos 12 meses, a brincadeira exploratória é ampla e variada. A criança gosta de descobrir os diferentes atributos (textura, cheiro etc.) e as funções dos obje- tos (sons, luzes, movimentos etc.). O jogo de “faz de conta” emerge por volta dos 15 meses e deve estar presente de forma mais clara aos 18 meses de idade. A criança com TEA tende a explorar menos os obje- tos e, muitas vezes, fixa-se em algumas de suas par- tes sem explorar suas funções (por exemplo: passa mais tempo girando a roda de um carrinho do que empurrando-o). Em geral, isso não ocorre no TEA. Alimentação A criança gosta de descobrir as novidades na alimentação, embora possa resistir um pouco no início. A criança com TEA pode ser muito resistente à intro- dução de novos alimentos na dieta. De 12 a 18 meses INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
  • 6. Interação social A criança olha para o objeto e para quem o oferece. A criança já segue o apontar ou o olhar do outro em várias situações. A criança, em geral, tem a iniciativa espontânea de mostrar ou levar objetos de seu interesse ao seu cuidador. A criança com TEA pode não se interessar e não tentar pegar objetos estendidos por pessoas ou fazê- lo somente após muita insistência. A criança com TEA pode não seguir o apontar ou o olhar dos outros. Pode não olhar para o alvo ou olhar apenas para o dedo de quem está apontando. Além disso, não alterna seu olhar entre a pessoa que aponta e o objeto que está sendo apontado. Nos casos de TEA, a criança, em geral, só mostra ou dá algo para alguém se isso se reverter em satisfação de alguma necessidade sua imediata (abrir uma caixa, por exemplo, para que ela pegue um brinquedo pelo qual ela tenha interesse imediato: uso instrumental do parceiro). Linguagem Por volta dos 24 meses, surgem os “erros”, mostrando o descolamento geral do processo de repetição da fala do outro, em direção a uma fala mais autônoma, mesmo que sem o domínio das regras e convenções (por isso aparecem os “erros”). Crianças com TEA tendem a emitir o mesmo som repetidamente. Autistas costumam utilizar menos gestos e/ou a utilizá-los aleatoriamente. Respostas gestuais como acenar com a cabeça para “sim” e “não”, também podem estar ausentes nessas crianças entre os 18 e 24 meses. De 18 a 24 meses INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
  • 7. Brincadeiras Por volta de 18 meses, bebês costumam reproduzir o cotidiano por meio de um brinquedo ou brincadeira. Descobrem a função social dos brinquedos (por exemplo: fazem o animalzinho “andar” e produzir sons). As crianças usam brinquedos para imitar as ações dos adultos (por exemplo: dão a mamadeira a uma boneca, dão “comidinha” usando uma colher, “falam ao telefone” etc.), de forma frequente e variada. A criança com TEA pode ficar fixada em algum atributo do objeto, como a roda que gira ou uma saliência pela qual ela passa os dedos, não brincando apropriadamente com o que o brinquedo representa. Alimentação Período importante porque, em geral: 1º) ocorre o desmame; 2º) começa a passagem dos alimentos líquidos/pastosos, frios/mornos para alimentos só- lidos/semissólidos, frios/quentes/mornos, doces/ salgados/amargos; variados em quantidade; ofereci- dos em vigília, fora da situação de criança deitada ou no colo; 3º) começa a introdução da cena alimentar: mesa/cadeira/utensílios (prato, talheres, copo) e a interação familiar/social. A criança com TEA pode resistir às mudanças, pode apresentar recusa alimentar ou insistir em algum tipo de alimento, mantendo, por exemplo, a textura, a cor, a consistência etc. Pode, sobretudo, resistir em participar da cena alimentar. De 18 a 24 meses
  • 8. Interação social Os gestos (o olhar, o apontar etc.) são acompanhados pelo intenso aumento na capacidade de comentar e/ oufazerperguntassobreosobjetoseassituaçõesque estão sendo compartilhadas. A iniciativa da criança em apontar, mostrar e dar objetos para compartilhá- los com o adulto aumenta em frequência. As iniciativas são raras. Tal ausência é um dos principais sinais de alerta para TEA. Linguagem A fala está mais desenvolvida, mas ainda há repetição da fala do adulto em várias ocasiões, com utilização no contexto da situação de comunicação. A criança começa a contar pequenas estórias, a relatar eventos próximos já acontecidos, a comentar eventos futuros, sempre em situações de diálogo (com o adulto sustentando o discurso). A criança canta e pode recitar uma estrofe e versinhos (em repetição). Já faz distinção de tempo (passado, presente e futuro), de gênero (masculino e feminino) e de número (singular e plural), quase sempre de forma adequada (sempre em contexto de diálogo). Produz a maior parte dos sons da língua, mas pode apresentar “erros”. A fala tem uma melodia bem infantil ainda. A voz geralmente é mais agudizada. A criança com TEA pode apresentar repetição de fala da outra pessoa, sem relação com a situação de comunicação. A criança com TEA pode apresentar dificuldades ou desinteresse em narrativas referentes ao cotidiano. Pode repetir fragmentos de relatos e narrativas, inclusive de diálogos, em repetição e de forma independente da participação da outra pessoa. A criança com TEA pode tender à ecolalia. A distinção de gênero, número e tempo não acontece. Cantos e versos só são recitados em repetição aleatória. A criança não “conversa” com o adulto. De 24 a 36 meses INDICADORES DO DESENVOLVIMENTO SINAIS DE ALERTA PARA TEA
  • 9. Brincadeiras A criança, nas brincadeiras, usa um objeto “fingin- do” que é outro (um bloco de madeira pode ser um carrinho, uma caneta pode ser um avião, etc.). A criança brinca imitando os papéis dos adultos (‘casi- nha”, “médico” etc.), construindo cenas ou estórias. Ela própria ou seus bonecos são os personagens. A criança gosta de brincar perto de outras crianças (ainda que não necessariamente com elas) e demonstra interesse por elas (aproximar-se, tocar e se deixar tocar etc.). Aos 36 meses as crianças gostam de propor e engajar-se em brincadeiras com outras da mesma faixa de idade. A criança com TEA raramente apresenta esse tipo de brincadeira ou o faz de forma bastante repetitiva e pouco criativa. A ausência dessas ações pode indicar sinal de TEA. As crianças podem se afastar, ignorar ou limitar-se a observar brevemente outras. A criança com TEA, quando aceita participar das brincadeiras com outras crianças, em geral, tem dificuldades em entendê-las. Alimentação A criança já participa das cenas alimentares cotidianas: café da manhã, almoço e jantar. É capaz de estabelecer separação dos alimentos pelo tipo de refeição ou situação (comida de lanche, festa, almoço de domingo etc.). Há o início do manuseio adequado dos talheres. A alimentação está contida ao longo do dia (retirada das mamadeiras noturnas). A criança com TEA pode ter dificuldade com este esquema alimentar: permanecer na mamadeira, apresentar recusa alimentar, não participar das cenas alimentares e não se adequar aos “horários” de alimentação. Pode querer comer a qualquer hora e vários tipos de alimento ao mesmo tempo. Pode passar por longos períodos sem comer. Pode só comer quando a comida for dada na boca ou só comer sozinha etc. De 24 a 36 meses
  • 10. Abstract Risperidone treatment of autistic disorder: longer-term benefits and blinded discontinuation after 6 months. OBJECTIVE: Risperidone is effective for short-term treatment of aggression, temper outbursts, and self-injurious behavior in children with autism. Because these behaviors may be chronic, there is a need to establish the efficacy and safety of longer-term treatment with this agent. METHOD: The authors conducted a multisite, two-part study of risperidone in children ages 5 to 17 years with autism accompanied by severe tantrums, aggression, and/or self-injurious behavior who showed a positive response in an earlier 8-week trial. Part I consisted of 4-month open-label treatment with risperidone, starting at the established optimal dose; part II was an 8-week randomized, double-blind, placebo-substitution study of risperidone withdrawal. Primary outcome measures were the Aberrant Behavior Checklist irritability subscale and the Clinical Global Impression improvement scale. RESULTS: Part I included 63 children. The mean risperidone dose was 1.96 mg/day at entry and remained stable over 16 weeks of open treatment. The change on the Aberrant Behavior Checklist irritability subscale was small and clinically insignificant. Reasons for discontinuation of part I included loss of efficacy (N=5) and adverse effects (N=1). The subjects gained an average of 5.1 kg. Part II included 32 patients. The relapse rates were 62.5% for gradual placebo substitution and 12.5% for continued risperidone; this difference was statistically significant. CONCLUSIONS: Risperidone showed persistent efficacy and good tolerability for intermediate-length treatment of children with autism characterized by tantrums, aggression, and/or self-injurious behavior. Discontinuation after 6 months was associated with a rapid return of disruptive and aggressive behavior in most subjects. Referência: Research Units on Pediatric Psychopharmacology Autism Network. Risperidone treatment of autistic disorder: longer-term benefits and blinded discontinuation after 6 months. Am J Psychiatry.2005;162:1361–1369.
  • 11. Comentário O termo “autismo” foi introduzido na psiquiatria por Plouller, em 1906, como item descritivo do sinal clínico de isolamento (encenado pela repetição da autorreferência) frequente em alguns casos.1 O conceito do Autismo Infantil (AI) se modificou desde sua descrição inicial, passando a ser agrupado em um contínuo de condições com as quais guarda várias similaridades, que passaram a ser denominadas de Transtornos Globais (ou Invasivos) do Desenvolvimento (TGD). Mais recentemente, denominaram-se os Transtornos do Espectro do Autismo (TEA) para se referir a uma parte dos TGD: o Autismo,a Síndrome de Asperger e o Transtorno Global do Desenvolvimento sem Outra Especificação, portanto, não incluindo Síndrome de Rett e Transtorno Desintegrativo da Infância.1-2 Autismo é considerado uma síndrome neuropsiquiátrica. Embora uma etiologia específica não tenha sido identificada, estudos sugerem a presença de alguns fatores genéticos e neurobiológicos que podem estar associados ao autismo (anomalia anatômica ou fisiológica do SNC, problemas constitucionais inatos, predeterminados biologicamente). Fatores de risco psicossociais também foram associados. Nas diferentes expressões do quadro clínico, diversos sinais e sintomas podem estar ou não presentes, mas as características de isolamento e imutabilidade de condutas estão sempre presentes.1-2 Sendo assim, duas questões tornaram-se evidentes: a importância da detecção precoce e a necessidade do diagnóstico diferencial. A primeira se refere a uma melhor definição de sinais, ou ainda, a uma possibilidade de identificação dos mesmos, no período em que a comunicação e expressão individual e social começam a se moldar: primeiros meses de vida.1-2 O abstract selecionado tem como objetivo estabelecer a eficácia e a segurança do tratamento a longo prazo com risperidona. O estudo foi feito com crianças e adolescentes, entre 5 e 17 anos, com autismo, acompanhados de comportamentos como: birra e autoagressão. A primeira parte do ensaio clínico constituiu num tratamento de 4 meses e a segunda parte teve uma duração de 8 meses, porém, alternando entre risperidona e placebo. O ensaio mostrou que risperidona é altamente eficaz e tolerável para o tratamento de crianças com autismo.3 Sendo assim, risperidona tem eficácia e tolerabilidade para o tratamento do autismo: reduzindo os sintomas de prejuízo na interação social e comunicação, comportamentos repetitivos e estereotipados, atividades associadas aos sintomas de hiperatividade, falta de atenção, agressividade para com os outros e consigo mesmo e acessos de raiva.1-3 Dr. Jacy Gomes Dasilva - CRM-RJ: 52.55.609-0 - Psiquiatra. Referências bibliográficas: 1) Valiquette G. Risperidone in children and adolescents with autism and serious behavioral problems. N Engl J Med 2002; 347: 1890–1. 2) Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA) / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.86 p.: il. 3) Research Units on Pediatric Psychopharmacology Autism Network. Risperidone treatment of autistic disorder: longer-term benefits and blinded discontinuation after 6 months. Am J Psychiatry.2005;162:1361– 1369