Aves de goiania

2.266 visualizações

Publicada em

Livro Aves de Goiânia. Patrocinado pela Fundação Jaime Câmara.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.266
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
288
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aves de goiania

  1. 1. l i l Fim -"~ l 'iaí/ . i _ , l / l ( / _y¡, ) ,1^ 1 FUNDAÇÃO « « JA_IME CAMARA Editado pela Fundação Jaime Câmara l 9 9 7
  2. 2. o dia 29 de outubro de 1989, Jaime Câmara morre sem concretizar um de seus mais acalentados sonhos: criar uma _fundação que desse sentido prático às suas ações nas áreas cultural e social. Seis anos mais tarde, Celia Cámara, sua esposa, dá seguimento a 20 anos de trabalhofilantrópico e de incentivo às artes realizado pela Casa Grande Galeria de Arte efunda, no dia 4 de abril de 1995, a Fundação Jaime Câmara. Instituição privada sem _fins lucrativos, ela tem como objetivo contribuir para uma sociedade mais humana e solidária, promovendo os direitos elementares de cidadania através de programas nas áreas de cultura, educação, meio ambiente e desenvolvimento social. Com a edição de Aves de Goiânia, a FJC resgata a obra de um dos mais importantes cientistas do mundo, identificando mais de 250 aves da nossa _fauna reverenciando, assinz, as belezas de Goiás. Jaime Câmara nasce em l 909, na cidade de João C âmara/ RN. Aos 21 anos, vem para Goiás visitar o irmão Joaquim Cámara Filho e instala-se na cidade de Goiás, começando a trabalhar como_ / itncionário da Loteria Estadual. Passados dois anos, torna-se revisor da [nipreizsa Oficial. Eni 1934, _funda com otttros' dois jornalistas goianos, a Associação Goiana de Imprensa. Um ano depois, ainda na antiga capital do Estado, cria - em sociedade com Henrique Pinto Vieira - (ifirn1a J. Câmara & Cia, embrião do maior conzplcàro de comunicação do Centro-Oeste: a Organização Jaime Câmara. Em l 93 7, des/ a: a . sociedade, transfere-se para Goiânia e cria, com os irmãos' Joaquim Câmara F ilho e Vicente Rebouças Cânzara, a J. Câmara & Irmãos, para operar no . setor de industria grafica. No dia 3 de abril de l 938, lança ojornal O Popular. que abre caminho para outros empreendimentos: Rádio Anhanguera, Televisão Anhanguera, Jornal de Brasil/ ia, Rádio Jornal de Brasilia, .Jornal do Tocantins', além das várias estações de rádio e televisão no interior de Goiás' e Tocantins'. Jaime Câmara teve uma participação intensa na vida politica e administrativa de Goiás', ocupando nzimeroscis'«funções publicas? .secretário de Estado da Agricultura e de Viação e Obras Publicas, ¡Jrefeito eleito de Goiânia, diretor do Banco do Estado de Goias', presidente da C aixa Económica do Estado de Goiás, dirigente da Sitperiittenrléncia da Reforma Agrária em Goiás e deputadofederal por dois mandatos. Membro da Academia Goiana de Letras e das academias de Letras de Brasi/ ici, Catalão e Luziânia, titular dos institutos históricos de Goiás e do Rio Grande do Norte, publicou dois livros: Os tempos da ntudança e Nos tempos de Frei Germano. Cidadão honorifico de dezenas de cidades goianas e detentor de inumeros titulos de honra ao mérito, Jaime C zimaraÀ/ oi um raro exemplo de grandeza humana. Honzem publico, politico. empresário. jornalista, Afilantropo, escritor, historiador: deixou marcas de correção, .seriedade, bom senso, pioneirismo e dedicação em tudo o que/ ez. Mas_ foi a solidariedade, sua marca maior. A bondade e a grandeza de coração eram visíveis no seu comportamento, no seu estilo de vida, na sua relação com (IAfanIi/ ¡rr e rwn as nrassoas. [Q FUNDAÇÃO JAIME CAMARA
  3. 3. Considerações undada em 24 de outubro de 1933, Goiâniafoi planejada com capacidade inicial para 50 mil pessoas, tendo como modelo um traçado urbanistico do tipo radial concéntrico, tendo a Praça Cívica como centro. A capital do Estado de Goiás está situada no Planalto Central do Brasil, a cerca de 764,5 metros (ici/ na do nível do mar, latitude 16"40'43" e longitude 49"15'l4". De clima tropical, a cidade é quente e erLso/ aradct ciurante quase todo o ano, com a temperatura oscilando entre l 8 “e 30". A Itmidade relativa do ar_ fica en¡ torno de 66%. .sendo que, no período chuvoso, entre novembro e abril, ela pode chegar a 74%. C om uma área de 789, 7 lcmí Goiânia ocupa 0,23% da área total do Estado e abriga ttproximctdtrnzente 990 mil ltabitctntes (IBGE, 1995). C alcula-. se que existam na Terra cerca de 8.ó()() especies' de aves e que a terça parte delas . se encontra na America do Sul. A (tvi/ anna brasileira corressp(›rIclc› a 54% deste valor; _oosxsirirtdo de 1591) a l 600 esytecies' e (l/ )I'(). 'ÍIIl(1(1(II7ICHIC 3 mil sulrtaspecies'. Novas descol›er'tzt. s' deverão ser (t('l'(”. '('l(1(t. ' a estes dados, pois (linda exisstcr/ II eco. s.si. s'tentzas que ¡Iãojorcan cornpletarIie/ Ite pesquisados'. Neste levantarnerit(› ornitologico do nzunicipio de Goiânia, realizado entre os anos de 1955 e l 986, corIstatoII-sc a presserzçcr de 254 especies, abrigadas' em 18 ordens e 52_fc'ImilicI. s, o que corresponde a quase 20% das aves do Brasil. A presença da iregetação típica do °lanalto Central (cerradão, cerrado, campo . su/ o, campo limpo e brejo) (associar/ cr a uma vasta zirea de mata ciliar junto as Imagens do rio Meia Ponte, do ribeirão João Leite e dos córregoss Capim Puba, Bota/ irao, Cascavel e Vaca Brava, dentre outros, contribuem para esta lillltie/ YIAYI e admirável presença de aves em Goiânia. A . sequencia crpresentadci das ordens e_ familias, as nomenclcrturcis e as descrições* . seguiram as obras de Augusto Ritschi, James L. Peters, Oliverio M. de O. Pinto e Rodolphe Meyer de Schaueizsee.
  4. 4. Página ORDEM: TINAMIFORMES 13 Família: Tinamidae ORDEM: PODICIPEDIFORMES l 8 Família: Podicipedídae ORDEM: CICONIIFORMES 2 1 Família: Ardeidae Família: Threskiornithidae 2 9 ORDEM: ANSERIFORMES 3 2 Família: Anhímidae Família: Anatidae 3 4 ORDEM: FALEONIFORMES 2 O Família: Cathartidae Família: Accipitrídae Fantília: Falconídae 5 1 ORDEM: GALLÍroRMEs 5 6 Família: Cracidae ORDEM: GRUIFORMES 5 8 Família: Rallidae Família: Cariamidae ORDEM: CHA RA DRIIFORMES 6 9 Família: Jacanidae Família: Charadriidae 7 1 Família: Scolopacidae 7 3 ORDEM: COL UMBIFORMES 7 5 Família: Columbidae ORDEM: PSI TTACIFORMES Família: Psittacidae ORDEM: C UC ULIF ORMES 9 1 Família: Cuculidae ORDEM: S TRIGIF ORMES 9 8 Família: Tytonidae Família: Strigidae 1 ORDEM: CAPRIMULGIFORMES 1 O 6 Família: Nyctibiídae Família: Caprimulgidae 1 ORDEM: APODIFORMES 1 l Família: Apodidae 7 Família: Trochilidae 1 ORDEM: TROGONIFORMES 1 3 O ' Família: Trogonidae ORDEM: CORACIIFORMES 1 3 3 F anII'1ia: Alcedinidae
  5. 5. Família : Momotidae ORDEM: PI C IF ORMES Família Família Família : Galbulidae : Bucconidae : Ramphastídae Família: Picidae ORDEM: PASSERIFORMES Família Família Família: Familia: Família: Família: Família: Família: F anti/ ia: Família: Família: Familia Família Família Família : Dendrocolaptidae : F urnariidae F ormicariidae Pteroptoc/ Iidae C otin gidae Pipridae Tyrannidae Oxyruncidae Hirundinidae C orvidae Troglodytidae : Mimidae : Turdidae : Polioptilidae : Wreonidae Família: Icteridae Familia: Parulidae F ami/ ia Família Família Família : Tersinidae : T1Iraupidae : F ringillidae : Ploceidae Bibliografia Página 137 140 143 149 153 164 171 179 187 189 197 203 236 238 242 245 249 251 256 25282 262 270 277 279 299 317 319
  6. 6. ORDEM: T INAMI F ORMES Família: Tínamidae Aves de habiios diurnos, os tinamídeos alimentam-se, principalmente, de insetos, frutas e sementes. Pequenos lagartos e filhotes de mamíferos também se transformam em presas faceis. Sob cativeiro, nunca ficam mansos, mas procriam sem problemas devido a sua capacidade de adaptaçao. Por causa da carne saborosa, sao perseguidos pelo homem e até por seus animais domesticados. Para esconder dos seus inimigos naturais, alguns tinamídeos [inhambu, perdiz e codorna) ficam debaixo das gramas dos campos e cerrados; outros [iaó e azulona), entre as folhas das matas. A coloraçao de suas penas assemelha-se as cores do meio ambiente, aperfeiçoando ainda mais seu mimetismo. Os filhotes sao hidífugos: deixam logo o ninho, saindo em pequenos bandos a procura de alimento, sob a orientação e proteção paternal. Os ninhos sao feitos no chao, bem escondidos entre raízes, capim seco, folhas e troncos caídos. 13
  7. 7. Nome vulgar: ¡aó Nome científico: CrypfureHus undulafus vermículafus Temminck, 1 825 Comprimento: 310 mm Asa: 170 mm Bico: 30 mm Tarso: 54 mm
  8. 8. Nome vulgar: ¡nhambu-chororó Nome cíentítíco: Crypfurellus parvírosfris Wagler, 1827 Comprimento: 245 mm Asa: 1 1ó mm Bico: 19 mm Tarso: 29 mm 15
  9. 9. Nome vulgar: coclorna-amarela Nome cientítico: Nofhura maculosa maior Spir, 1825 Comprimento: 250 mm Asa: 122 mm Bico: 21 mm Tarso: 45 mm
  10. 10. Nome vulgar: percligõo Nome científico: Rhynchofus rufescens rufescens Temminck, 1815 Comprimento: 41 O mm Asa: 205 mm Bico: 38 mm Tarso: ó8 mm
  11. 11. *j O *j 711v? ) *'70 *jÃ/ *Tfv ORDEM: q- 'JJ/ .-k/ L.; .i4_z_~_. r- _4.JL› 18 Família: POdÍCÍPÊdl-dae Os podicipeditormes vivem nos lagos e breios de água doce, onde há bastante vegetação. Andam em casais, às vezes solitários. Entre o macho e a têmea não existe diterença. Aves de costumes diurnos e noturnos, alimentam-se de pequenos insetos, larvas, peixes e antíbios. Seus ninhos são construídos com gramíneas e raízes aquáticas. Níditugos, os tilhotes recebem os cuidados do macho e da fêmea. Para protegerem a penugem contra a umidade excessiva, os recém-nascidos são transportados sobre as costas do macho.
  12. 12. Nome vulgar: mergulhão-pompom Nome científico: Podíceps dominícus specíosus Linch Arribólzaga, 1877 Comprimento: 225 mm Asa: 98 mm Bico: 21 mm Tarso: 30 mm 2 í-; rra 1* : x " : algm
  13. 13. INÍN Nome vulgar: mergulhão-caçador Nome cientifico: Podilymbus podiceps antarctícus Lesson, 1 842 Comprimento: 320 mm Asa: 135 mm Bico: 24 mm Tarso: 42 mm
  14. 14. :mf/ vt IVÍT/ T Újlfñ” ORDEM: 'vhlvk/ [vghg, 'J. ~'L-= L- 'sixlu Família: Ardeidae Aves de lagoas, beiras e igarapés, os ardeídeos se alimentam, essencialmente, de peixes. As pernas compridas e o bico - além de comprido - torte e pontudo facilitam a pescaria. Com hábitos diurnos e noturnos, voam bem, sempre em bandos arranjados em torma de gancho. Na Ilha do Bananal, elas procuram lugares mais atastados das habitações humanas e tormam seus viveiros, construindo os ninhos sempre no mesmo lugar. '21
  15. 15. 22 Nome vulgar: socozinho Nome científico: Butorides striatus sfriatus Linnaeus, 1758 Comprimento: 430 mm Asa: 173 mm Cauda: óO mm Bico: 60 mm Tarso: 48 mm
  16. 16. Nome vulgar: socó-boi-terrugem Nome cientítico: Tígrísoma Iineafum marmorafum Vieillot, 1817 Comprimento: 760 mm Asa: 360 mm Cauda: 330 mm Bico: 1 10 mm Tarso: 100 mm 23
  17. 17. /7 . 45"_ . ¡' 1 Í S1 ftv”, / Nome vulgar: garça-dorminhoca Nome científico: Nycticorax nycticorax hoacfti Gmelin, 1789 Comprimento: óó0 mm Asa: 305 mm Cauda: 1 15 mm Bico: 74 mm l Tarso: 85 mm / l 1 l 557;¡ _g 1 : Ya- *wi i ”<. '_A~f< -', a" __ * 1*f'$§; -F1k'7"
  18. 18. Nome vulgar: garça-branca-grande Nome cientítico: Egretta alba egrefta Gmelin, 1789 Comprimento: 1000 mm Asa: 400 mm Cauda: 1ó7 mm Bico: 1 18 mm Tarso: 157 mm «$12.74 Y; “Fgm-HT . tan : n<s= :›^rm~: ~u: ›.›v1aw n' : mw _. 'r'r. a-~--: -1›r: ~›-: ñ= v". :a *af* 25
  19. 19. Nome vulgar: arapapó Nome científico: Cochlearius cochlearius Cochlearius Linnaeus, 17óó Comprimento: 51 O mm Asa: 300 mm Cauda: 120 mm Bico: 82 mm Tarso: 80 mm
  20. 20. Nome vulgar: garça-vaqueira Nome cientítíco: Bubulcus ibis ibís Linnaeus, 1758 Comprimento: 530 mm Asa: 260 mm Cauda: 93 mm Bico: 71 mm Tarso: 85 mm
  21. 21. 28 Nome vulgar: garcinha-branca Nome científico: Egrefta thula thula Molina, 1782 Comprimento: 610 mm Asa: 270 mm Cauda: 95 mm Bico: 81 mm Tarso: 89 mm . .QL
  22. 22. , I' e - ' 3;* FAMILIA: .v- 11-7.15:: «ifiu-srgq'. 11231441 Alimentando-se de animais aquáticos, as aves desta tamília vivem com outras pernaltas, às vezes tormando bandos enormes, principalmente nas margens dos grandes rios. Ao constatar a presença do homem, as curicacas e os corocorós soltam gritos estridentes, avisando os demais habitantes daquele ambiente. Os colhedeiros niditicam ¡unto às garças. Por causa de seus bicos arredondados, em Forma de colher, eles não têm a mesma capacidade das garças para detender sua prole. Como conseqüência, seus filhotes são presas Fáceis do gavião caracará, que chega a tirá-los debaixo do colhedeiro adulto. 29
  23. 23. Nome vulgar: curicaca-comum Nome cientítico: Theristicus caudatus caudafus Boddaert, 1783 Comprimento: 760 mm Asa: 420 mm Cauda: 200 mm Bico: 1óO mm Tarso: 84 mm
  24. 24. Nome vulgar: corocoró Nome científico: Mesembrinibis cayennensis Gmelin, 1789 Comprimento: 560 mm Asa: 300 mm Cauda: 150 mm Bico: 1 15 mm Tarso: ó3 mm
  25. 25. " T 141 i à! "g, 0RDEM: A-]W LJJQJJ- - Família: Anhimídae -4'. ;IJ Pernaltas e brejeiras, estas aves habitam terrenos alagadiços. Às margens do rio Meia Ponte, nos arredores de Inhumas, vive uma das mais elegantes espécies desta tamília: a anhuma ou inhuma, que deu nome aquela cidade. A anhuma habita os charcos, os variões, os breios e as margens dos rios e se alimenta quase exclusivamente de plantas ribeirinhas, gramíneas e pequenos animais, como girinos. Geralmente, é vista com seu par. Na época dos amores e disputas pelas têmeas, o macho trava lutas ierrenhas com o uso de seus esporões. Das mais altas copas de árvores, onde gosta de se empoleirar, percebe a aproximação de caçadores e solta seu grito protundo, pondo em tuga patos, marrecos e iacus. Depois, abre as longas asas e desliza, silenciosamente, para outro lugar.
  26. 26. Nome vulgar: anhuma Nome cientítico: Anhima cornuta Linnaeus, 17óó Comprimento: 890 mm Asa: 580 mm Cauda: 293 mm Bico: 55 mm Tarso: 1 10 mm 33
  27. 27. 34 Família: Anatidae Vivendo perto de lagos, rios, breios e campos inundados, os patos, marrecos e marrecões são descontiados e ariscos quando percebem que estão sendo perseguidos, geralmente por causa de sua carne saborosa. Bons voadores e nadadores, dotados de sentidos agudos, percebem a chegada do homem a grande distância e logo se escondem nos lugares mais inacessíveis. O bico longo, chato, guarnecido de lamelulas é característico desta tamília que se alimenta de pequenos animais aquáticos. Costumam voltar sempre aos mesmos lugares para dormir. As espécies maiores procuram as árvores altas no meio da mata.
  28. 28. Nome vulgar: pato-do-mato Nome científico: Cairina moschata Linnaeus, 1758 Comprimento: 840 mm Asa: 400 mm Cauda: 195 mm Bico: 76 mm Tarso: 70 mm 35
  29. 29. Nome vulgar: irerê Nome científico: Dendrocygna viduafa Linnaeus, 1766 Comprimento: 430 mm Asa: 230 mm Cauda: 68 mm Bico: 54 mm Tarso: 47 mm
  30. 30. .a a m «s-; sxaammmmmwm Nome vulgar: marreca-Cabocla Nome científico: Dendrocygna aufumnalis discolor Sclater e Salvin, 1873 Comprimento: 470 mm Asa: 240 mm Cauda: 74 mm Bico: 54 mm Tarso: 59 mm 37
  31. 31. 38 Nome vulgar: ananaí Nome cientítico: Amazonefta brasiliensis brasiliensis Gmelin, 1789 Comprimento: 430 mm Asa: 190 mm Cauda: 90 mm Bico: 40 mm Tarso: 36 mm
  32. 32. Nome vulgar: marreca-de-bico-roxo Nome cientitico: Oxyura dominica Linnaeus, 1766 Comprimento: 360 mm Asa: 148 mm Cauda: 85 mm Bico: 35 mm Tarso: 27 mm
  33. 33. 40 ORDEM: FAL C ONI F ORMES Família: artídae Representante desta tamília, o urubu tem hábitos diurnos. Voa em grandes círculos, sempre em bandos e numa altura considerável, observando a paisagem com sua vista aguda à procura de algum animal morto ou moribundo. Também usa o oltato aguçado para descobrir qualquer coisa que desperte seu apetite. Alimentando-se de restos de carne e couros, o urubu ajuda na "limpeza" do meio ambiente, mas pode espalhar doenças contagiosas entre homens e animais. Quando capturado, o urubu vomita a tim de atugentar o capturador através do mau cheiro. O urubu taz seu ninho em pouca altura ou no chão. Os Filhotes do urubu-preto são brancos e os do urubu-rei são pretos.
  34. 34. Nome vulgar: urubu-preto Nome cientítico: Coragyps afratus brasiliensis Bonaparte, 1850 Comprimento: 660 mm Asa: 41 O mm Cauda: 195 mm Bico: 23 mm Tarso: 80 mm
  35. 35. »i i Nome vulgar: urubu-de-cabeça-vermelha Nome cientítico: Cathartes aura ruficollis Spix, 1824 Comprimento: 760 mm Asa: 525 mm Cauda: 265 mm Bico: 26 mm Tarso: 67 mm
  36. 36. Famíla: Accipitridae Aves de hábitos diurnos, os accipitrídeos são grandes predadores. Com visão excelente, percebem sua presa a longa distância e, geralmente, usam suas garras para matá-la. '43
  37. 37. Nome vulgar: gaviãozinho Nome cientítico: Gampsonyx swainsonii swainsonii Vigors, 1 825 Comprimento: 275 mm Asa: 157 mm Cauda: 95 mm Bico: 13 mm Tarso: 32 mm *vei$:1›w".9=mr: ^,4.' r
  38. 38. Nome vulgar: gavião-peneira Nome cientítico: Elanus leucurus leucurus Vieillot, 1818 Comprimento: 430 mm Asa: 300 mm Cauda: 173 mm Bico: 19 mm Tarso: 37 mm '45
  39. 39. 46 Nome vulgar: gavião-caramuieiro Nome científico: Rostrhamus sociabilis sociabilis Vieillot, 1817 Comprimento: 400 mm Asa: 355 mm Cauda: 185 mm Bico: 27 mm Tarso: 50 mm
  40. 40. Nome vulgar: sovi Nome cientítíco: lctinia plumbea Gmelin, 1788 Comprimento: 375 mm Asa: 310 mm Cauda: 167 mm Bico: 18 mm Tarso: 42 mm x» Q, .
  41. 41. /iR Nome vulgar: gavião-miúdo Nome cientitico: Accipifer sfriatus erythronemius Kaup, 1850 Comprimento: 350 mm Asa: 170 mm Cauda: 136 mm Bico: 11 mm i! ' Í < › X ›. if'. . Ri. , ' iv x . y ¡ _, " . i' i i . r , ~ ~ . -a . Ir. ~ A Ti i ' . Â ' i A. . A . -W g -, . “x 5. A ¡ ¡ ' l' . 4 . Í d -
  42. 42. Nome vulgar: gavião-caboclo Nome cientítico: Heferospizias meridionalis meridionalis Latham, 1790 Comprimento: 600 mm Asa: 400 mm Cauda: 205 mm Bico: 25 mm Tarso: 1 10 mm
  43. 43. .. h m . msi ni0 m _WWNW . r , imPi wonm m . eg-fi . musa 0 . lBmnD 8 m v 3 a. . . . m pow bm5m _mm mmóm gm mwns WHJ a. dk. mm meme , .g oo CACB NN 50
  44. 44. Família: F alconidae Excelentes Voadoras e donas de uma visão primorosa, algumas espécies desta tamília - como os talcões - são amestradas para capturar outras aves e pequenos mamíferos. Já os caracarás são predadores atrevidos que caçam e dilaceram suas presas, não dispensando ainda animais atropelados nas estradas ou restos de peixes, ¡acarés e tartarugas encontrados às margens dos grandes rios. Os lalconídeos constroem seus ninhos em árvores altas, onde o casal adulto cria seus dois ou três Filhotes nidícolas. 51
  45. 45. 52 Nome vulgar: caracará-comum Nome científico: Caracara plancus plancus Miller, 1777 Comprimento: 590 mm Asa: 430 mm Cauda: 239 mm Bico: 35 mm Tarso: 90 mm
  46. 46. Nome vulgar: carrapateiro Nome cientítico: Milvago chimachima chimachima Vieillot, 1816 Comprimento: 450 mm Asa: 295 mm Cauda: 200 mm Bico: 24 mm 53
  47. 47. 54 Nome vulgar: talcão-relógio Nome cientitico: Micrastur semitorquatus semitorquatus Vieillot, 1817 Comprimento: 560 mm Asa: 265 mm Cauda: 249 mm Bico: 21 mm Tarso: 87 mm
  48. 48. 'r l l . fg , lili: l l g j* l' i v I j / .v ' ¡/ ' ; ¡ 1 l , A g, t . r ” 4 í z É/ Í l z? Nome vulgar: quiriquiri Nome científico: Falco sparverius cearae Cory, 1915 Comprimento: 290 mm Asa: 185 mm Cauda: 130 mm Bico: 12 mm Tarso: 33 mm 55
  49. 49. 56 . r"""'"“' ORDEM: 4.. .* »Jp Família: Cracidae Os cracídeos têm vida arbórea e poucas vezes descem até o chão. Apesar disto, são bons corredores. Alimentam-se de trufas, lolhas e pequenos répteis, além de insetos que se encontram nas copas das árvores. São aves descontiadas que togem da proximidade humana, às vezes bem antes de serem observadas. Por causa de sua carne saborosa, são perseguidos constantemente.
  50. 50. Nome vulgar: ¡acupeba Nome cientítico: Penelope superciliaris iacupemba Spix, 1825 Comprimento: 680 mm Asa: 255 mm Cauda: 278 mm Bico: 38 mm Tarso: 55 mm 57
  51. 51. 58 " s- _a f 2. ORDEM: 1; a_ . jj- J '.11 lg 1.1). ) Família: Rallidae Apesar de bem numerosas, as aves desta tamília são pouco conhecidas porque sempre se escondem diante do menor ruído ou movimento suspeito. Alimentam-se de pequenos insetos e peixes, mas também são vistas perto das plantações de milho e arroz, comendo seus grãos. Constroem os ninhos no chão ou entre as plantas aquáticas, podendo ainda construí-los a pouca altura.
  52. 52. Nome vulgar: saracura-preta igricans igricans n 1 81 9 Nome cientitico: Rallus n Vieillot, Comprimento: 280 mm Asa: 136 mm Cauda :49mm Bico: 50 mm Tarso: 42 mm
  53. 53. Nome vulgar: saracura-cariió Nome cientítico: Rallus maculatus maculatus Boddaert, 1738 Comprimento: 275 mm Asa: 134 mm Bico: 45 mm Tarso: 40 mm
  54. 54. Nome vulgar: saracura-três-potes Nome científico: Aramides caianea caianea P. L.S. Muller, 1776 Comprimento: 365 mm Asa: 200 mm Bico: 50 mm Tarso: 70 mm
  55. 55. 62 Nome vulgar: sanã-cariió Nome cientítico: Porzana albicollis albicollis Vieillot, 1819 Comprimento: 240 mm Asa: 109 mm Bico: 30 mm Tarso: 38 mm É . x t» 1 r x W; x . ' . 7', , , ,, , r í . _. ,, .
  56. 56. Nome vulgar: sanã-castanha Nome cientítico: Laterallus viridis brunescens Comprimento Asa: 92 mm Bico: 19 mm Tarso: 32 mm Todd, 1932 :175mm 63
  57. 57. 64 Nome vulgar: galinha-d'água Nome cientítico: Gallinula chloropus galeafa Lichtenstein, 1818 Comprimento: 380 mm Asa: 193 mm Bico: 18 mm Tarso: 55 mm
  58. 58. Nome vulgar: trango-d'água-azul Nome cientítico: Porphyrula martinica Linnaeus, 1766 Comprimento: 320 mm Asa: 184 mm Bico: 19 mm Tarso: 64 mm 65
  59. 59. 66 Nome vulgar: trango-dágua-pequeno Nome cientifico: Porphyrula flavirostris Gmelin, 1789 Comprimento: 255 mm Asa: 135 mm Bico: 25 mm Tarso: 42 mm n:
  60. 60. Família: Cariamidae Excelente corredora, a seriema habita os campos e cerrados e só voa quando é absolutamente necessário (e, ainda assim, sem muita perFeição). Alimenta-se de tudo que encontra no seu caminho: insetos, pequenos répteis, aves e mamíFeros, Frutas e sementes. Seu ninho é Feito de ramos e galhos em árvores não muito altas, criando geralmente dois Filhotes nidícolas. 67
  61. 61. AR ; l i: "'? ¡›¡L_ü : f: Nome vulgar: seriema-de-pé-vermelho Nome cientíFico: Cariama cristata Linnaeus, 1766 Comprimento: 865 mm Asa: 395 mm Cauda: 330 mm Bico: 74 mm Tarso: 230 mm . › _dA ___.
  62. 62. ?WI '77 @Wharf ORDEM: lQ/ JF-4F-I4.JF-F~. .IA_JJ4F-1i_-JF-J-; --1 1.1.1111.- Famílía: Jacanidae Geralmente em pequenos bandos, os ¡açanãs vivem nos breios, lagos, lagoas e beira de rios e se alimentam de pequenos peixes, minhocas e insetos. Voam bem, mas nunca muito alto. Constroem seus ninhos no meio das plantas aquáticas, tirando, normalmente, quatro Filhotes. Os ¡açanãs possuem dedos muito longos. Por isso, caminham por cima das Folhas das plantas aquáticas com tanta segurança como se estivessem em terra Firme. 71"' Á_ 69
  63. 63. 70 Nome vulgar: ¡açanã-preto Nome cientíFico: Jacana ¡acana iacana 3;": Linnaeus, 1766 '. Fil: Comprimento: 230 mm i Asa: 13 mm Cauda: 45 mm Bico: 35 mm Tarso: 50 mm t¡
  64. 64. Família: Charadriidae Providos de pernas longas e cauda curta, os representantes desta Família vivem nos campos abertos, cerrados, pastagens e beiras de rio, sempre em proximidade com a água. São bons voadores e corredores. A ém das sementes, alimentam-se também de pequenos insetos, moluscos e invertebrados. Vivendo sempre em grupo, os casais se afastam, no período de procriação, para o lugar da nidificação. Eles constroem seus ninhos com poucas folhas e no chão, geralmente numa depressão, para proteger os três ou quatro ovos. NidíFugos, os Filhotes estão aptos a correr, mal saem dos ovos. 71
  65. 65. 79 Nome vulgar: quero-quero Nome cientíFico: Vanellus chilensis lampronotus Wagler, 1827 Comprimento: 380 mm Asa: 224 mm Cauda: 105 mm Bico: 32 mm Tarso: 77 mm , Í 'Ms Illi' ' . i 1.' l l t l ', ; i x4 7» j¡ j) 5 o . ty, ,w 1/ " ; ix Á' , n m_ gs_ / 1 ¡- v Ar¡ g. IR' ' ; Í t» f l, 5 O 'x if. . lí í¡ . l il ll . l M , _ r . , ç
  66. 66. fhmílía: S colopacidae Os membros desta Família vivem nas beiras dos rios, praias, campos encharcados, baixadas e, principalmente, nos breios. Algumas espécies só aparecem em Goiônia na época da migração, vindas dos Estados Unidos e do Canadá. Geralmente, andam em bandos, mudando de um lugar para o outro durante a noite. Alimentam-se de peixinhos, vermes, minhocas e insetos, que capturam com agilidade, graças aos seus bicos Finos, longos e sensíveis. Fazem ninho no solo, Forrando-o, às vezes, com Folhas, plantas e penas. Seus Filhotes, em número de três ou quatro, são nidíFugos. 73
  67. 67. 74 Nome vulgar: narceia-comum Nome cientíFico: Gallinago gallinago paraguayae Vieillot, 1816 Comprimento: 290 mm Asa: 129 mm Cauda: 53 mm Bico: 70 mm Tarso: 30 mm
  68. 68. J'. ORDEM: Família: Columbidae Representantes desta Família, as pombos, ¡uritis e rolinhas são aves muito populares, tanto pelo carne saborosa quanto pela conFianço com que procuram o proximidade humana. Boas voodoros, estão sempre em grupos, sendo que algumas espécies vivem em bandos enormes. PreFerem os árvores ao chão dos campos, onde se alimentam de Frutas, sementes e plantas. Constroem seus ninhos, com negligência, em árvores baixos. As aves menores preFerem as laranieiras das chácaras e Fazendas, pois os galhos densos oFerecem mais proteção contra os inimigos naturais. Mocho e Fêmea, iuntos, criam seus dois Filhotes nidícolas. 75
  69. 69. 76 Nome vulgar: pomba-aso-branco Nome cientíFico: Columba picazuro picazuro Temminck, 1813 Comprimento: 350 mm Asa: 228 mm Cauda: 125 mm Bico: 16 mm Tarso: 31 mm
  70. 70. Nome vulgar: pomba-galego Nome cientíFico: Columba cayennensis sylvesfris Vieillot, 1818 Comprimento: 255 mm Asa: 180 mm Cauda: 122 mm Bico: 16 mm Tarso: 25 mm
  71. 71. 7R Nome vulgar: ovoante Nome cientíFico: Zenaida auriculata noronha Chubb, 1819 Comprimento: 250 mm Asa: 135 mm Cauda: 82 mm Bico: 15 mm Tarso: 19 mm
  72. 72. / "x . A» _. F47? r x , -5 4 Ç ' . xfr-Í' É* ~ a. x É . xx “t . i§ i ' : r: v” x' - “FÃ- = D? , i y r J/ ,l/ *Íf . r "lr l/ w . _, _ _ ai. , , 141;* 'x 7,. : . gp «_ 7% a, X , 'x ; l ' s_ Nome vulgar: rolinha-roxo macho Nome cientíFico: Columbina talpacoti falpacoti Temminck, 1811 Comprimento: 185 mm Asa: 91 mm Cauda: 75 mm Bico: 14 mm Tarso: 17 mm 79
  73. 73. Nome cientíFico: Claravis pretiosa Ferrari-Perez, 1886 o na. 4.. .; A m . c. lu - Z a o m , . . . m m m m P 2 m . r. . .nm m ho e 4m u m4869 w. .mnmin m mmiwow o osokm N CACBT 80
  74. 74. Nome vulgar: Fogo-apagou Nome cientíFico: Scardafella squammata squammata Lesson, 1831 Comprimento: 210 mm Asa: 95 mm Cauda: 95 mm Bico: 12 mm Tarso: 15 mm 81
  75. 75. e Nome vulgar: ¡uriti-pupu Nome cientíFico: Leptotila verreauxi decipiens Salvadori, 1871 Comprimento: 280 mm Asa: 135 mm Cauda: 104 mm Bico: 15 mm Tarso: 26 mm *
  76. 76. Nome vulgar: ¡uriti-gemedeira Nome cientíFico: Leptofila rufaxilla reichenbachii Pelzeln, 1870 Comprimento: 280 mm Asa: 136 mm Cauda: 96 mm Bico: 15 mm Tarso: 29 mm
  77. 77. 84 -WVWW #nfrñnrz 7T** ORDEM: 11.3541- 4'- 1-14 4 1 - ls/ J; 4l_ ls) Xl_ a- Família: Psittacidae Seia pelo beleza de suas penas, pela capacidade de imitar palavras humanas ou, ainda, por seu ¡eito engraçado, as araras, os periquitos, os curicas e os papagaios são muito estimados pelo homem. Vivem nas matas, campos e cerrados, quase sempre em bandos, sendo capazes de voar longas distâncias quando descobrem Frutas maduras, seu principal alimento. Os ninhos são construídos no oco dos troncos, em cupinzeiros ou no meio dos penhascos de serras altas. Seus Filhotes, nidícolas, são em número de três ou quatro.
  78. 78. Nome vulgar: maracanã-pequeno Nome cientíFico: Ara nobilis longipennis Neumann, 1831 Comprimento: 320 mm Asa: 192 mm Cauda: 160 mm Bico: 24 mm Tarso: 12 mm ' 1.399; x : í * l¡ . 4_ . › . r t »#47 : A1 a: : , p? ” f' t” . JKA' . L. a', ,/71 , I f. 't g” , da ' 'i 77/: V” ; ff d. f. '85
  79. 79. 86 Nome vulgar: aratinga-do-bando Nome cientíFico: Aratinga leucophfhalmus leucophfhalmus Muller, 1776 Comprimento: 320 mm Asa: 178 mm Cauda: 160 mm Bico: 24 mm Tarso: 18 mm -. ._ w a» a. ›~_ ¡ a, ng_ « x 'g X_ l l i* N' . à, R_ t_ _ X z , x 1 er'. .l i ç usig . :v _. . t, na' _ -_ xx . H : . D' w t : _ r i, , c _ . A. _ s s | . u_ 4.3.37'. ç f. 4 u. .., E _ t . t; k ía " x
  80. 80. Nome vulgar: ¡andaía-de-testo-vermelha Nome cientíFico: Aratinga solsfitialis aurocapilla Kuhl, 1820 Comprimento: 302 mm Asa: 160 mm Cauda: 150 mm Bico: 22 mm Tarso: 15 mm 2;/ 87
  81. 81. 88 Nome vulgar: aratinga-estrela Nome cientíFico: Arafinga aurea aurea Gmelin, 1789 Comprimento: 260 mm Asa: 151 mm Cauda: 130 mm Bico: 19 mm Tarso: 16 mm lí": x 'Í l , .f xt / i i / a. “ ' - í- _ “ L x li
  82. 82. :ou . um, Nome vulgar: tuim-de-asa-azul Nome cientíFico: Forpus crassirosfris vividus Ridgway, 1888 Comprimento: 120 mm Asa: 80 mm Cauda: 40 mm Bico: 11 mm Tarso: 10 mm 89
  83. 83. 90 / B _. -. . r f: _ , , L x¡ v . L/ y_ 4.. . __ F 7P' _I l m” l ; XL-r Nome vulgar: periquito-de-asa-amarela Nome cientíFico: Brotogeris versicolorus chirir¡ Vieillot, 1817 Comprimento: 220 mm Asa: 125 mm Cauda: 94 mm Bico: 16 mm Tarso: 15 mm
  84. 84. ORDEM: C U C ULIF ORMES Família: CuCulidüe Vivendo nos cerrados, campos, beiras de rios ou ainda em mato Fechado, os membros desta Família são bem populares, pois não deixam de buscar a proximidade humana em chácaras, quintais de Fazendas ou das casas de cidades menores. Alimentam-se de insetos e pequenos répteis. Mas algumas espécies maiores, como o anu›branco, não desprezam Filhotes de pássaros ainda nos ninhos. Os sacis, quase todos muito ariscos, põem seus ovos nos ninhos de outras aves menores, deixando a cargo destas a incubação e criação de seus Filhotes. Já os anus constroem seus ninhos em galhos bem protegidos de palmeiras ou de qualquer outra árvore baixa (entre 3 e 10 metros de altura). A construção é coletivo. Desta Forma, várias Fêmeas põem no mesmo ninho, onde até vinte ovos de cor azul são incubados em sociedade. Os Filhotes nidícolas são alimentados por toda a "comunidade". 91
  85. 85. 92 Nome vulgar: anu-preto Nome cientíFico: Crotophaga aní Linnaeus, 1758 Comprimento: 330 mm Asa: 150 mm Cauda: 190 mm Bico: 33 mm Tarso: 37 mm
  86. 86. Nome vulgar: papa-lagarta-cinzento Nome cientíFico: Coccyzus cinereus Vieillot, 1817 Comprimento: 220 mm Asa: 106 mm Cauda: 100 mm Bico: 21 mm Tarso: 25 mm 93
  87. 87. 1 . x. 94 . í i3¡ Nome vulgar: alma-de-gato Nome cientíFico: Piaya cayana cabanisi Allen, 1893 Comprimento: 435 mm Asa: 155 mm Cauda: 310 mm Bico: 31 mm Tarso: 36 mm i l l l l l gx_ i l l' i i _, ii l l' 3 i › : xx l 1 i í ~ É ll x' t iii f x(
  88. 88. Nome vulgar: chincoã-pequeno Nome cientíFico: Piaya minuta Wied, 1817 É Comprimento: 240 mm Asa: 1 12 mm Cauda: 150 mm i Bico: 18 mm l li Tarso: 23 mm
  89. 89. Nome vulgar: saci-do-campo Nome cientíFico: Tapera naevia chochi Vieillot, 1817 Comprimento: 280 mm Asa: 115 mm ç Cauda: 165 mm Bico: 20 mm e¡ Tarso: 30 mm 96
  90. 90. Nome vulgar: anu-branco Nome cientíFico: Guira guira Gmelin, 1788 Comprimento: 430 mm Asa: 174 mm Cauda: 215 mm Bico: 27 mm Tarso: 41 mm 97
  91. 91. __. .i«_i. mi_ . ..Ji 98 í ORDEM: Família: Tytonidae Representante dos tytonídeos, a suindara vive nos cerrados, campos abertos, grutas, casas abandonadas e torres de igreias. Alimenta-se, principalmente, de pequenos roedores e morcegos, mas também captura aves, répteis e insetos. De hábito noturno e audição aguçado, voa solitária ou na companhia de outras da mesmo espécie, podendo ser vista onde alguma luz artiFicial atraia insetos e morcegos. Somente a Fêmea choca seus três ou quatro ovos brancos, colocados em qualquer canto escuro, torres de igreia, oco de madeira, grutas ou sótãos. A criação dos Filhotes é Feita pelo casal por, aproximadamente, dois meses.
  92. 92. Nome vulgar: suindara Nome cientíFico: Tyfo alba fuidara Gray, 1829 Comprimento: 380 mm Asa: 310 mm Cauda: 115 mm ç _ Bico: 22 mm A _4 ' ' ÀÇ, Ã ~_ 'Q Tarso: 75 mm ' 5 l ' i' 99
  93. 93. Família: S tri gidae Os strigídeos habitam os cerrados, campos, Florestas e matas Fechadas. Quase todos os membros desta Família têm hábitos noturnos, mas algumas espécies menores têm atividades l diurnos também. Fazem seus ninhos nos ocos de pau, nas galerias debaixo do solo ou nos cupinzeiros. Seus dois ou três Filhotes têm penugem branca e são nidícolas. 100
  94. 94. t! Bico: 32 mm Nome vulgar: coruia-orelhuda Nome cientíFico: Rhinopfynx clamafor clamafor Vieillot, 1807 Comprimento: 380 mm Asa: 279 mm l Cauda: 150 mm Tarso: 53 mm
  95. 95. Nome vulgar: coruiinha-de-orelha Nome cientíFico: Ofus choliba decussatus Lichtenstein, 1823 Comprimento: 230 mm Asa: 135 mm Cauda: 75 mm Bico: 20 mm Tarso: 25 mm 102
  96. 96. Nome vulgar: murucututu Nome cientíFico: Pulsafrix perspicillata perspicillata Latham, 1790 Comprimento: 465 mm Asa: 350 mm Cauda: 205 mm Bico: 48 mm Tarso: 57 mm lí 103
  97. 97. 104 Nome vulgar: caburé-Ferrugem Nome cientíFico: Glaucidíum brasilianum brasilianum Gmelin, 1788 Comprimento: 165 mm Asa: 100 mm Cauda: 65 mm Bico: 15 mm Tarso: 22 mm
  98. 98. Nome vulgar: coruia-buraqueira Nome cientíFico: Speofyto cunicularia graflaria Temminck, 1782 Comprimento: 245 mm Asa: 175 mm Cauda: 85 mm Bico: 15 mm Tarso: 48 mm 105
  99. 99. /W f K¡ : , _[71 T' , KT ORDEM: k/ A _ : Z .4 luva* - 47'. ) s” -i. - ; Ju Família: Nyctibiidae As aves desta Família têm cabeça grande, boca de sapo, pernas curtas e olhos enormes. Têm hábitos noturnos e alimentam-se de insetos. Constroem seus ninhos em árvores de galhos secos, onde colam um ou dois ovos com saliva. imitando com o próprio corpo a continuação de um galho seco (mimetismo), podem passar despercebidas no seu ambiente natural. 106
  100. 100. Nome vulgar: urutau-grande Nome cientíFico: Nycfibius grandis grandis Gmelin, 1788 Comprimento: 530 mm Asa: 360 mm Cauda: 250 mm Bico: 35 mm Tarso: 20 mm 107
  101. 101. Nome vulgar: mãe-da-lua Nome cientíFico: Nyctibius griseus griseus Gmelin, 1789 Comprimento: 380 mm Asa: 240 mm Cauda: 210 mm Bico: 25 mm Tarso: 20 mm 108
  102. 102. Família: Caprimulgidae São aves da noite, conhecidas por seus vôos noturnos e pela maneira de pousar no chão diante da proximidade do homem, levantando vôo novamente quando a distáncia entre eles se torna pequena. Têm pés e pescoço curtos, cabeça grande e bico pequeno com a base desmesuradamente larga. Vivem nos campos, cerrados, praias e matas, alimentando-se de insetos capturados em pleno vôo. Põem seus ovos no chão, em volta de algumas Folhas secas, onde criam seus dois ou três Filhotes nidícolas. 109
  103. 103. Nome vulgar: curiango-comum Nome cientíFico: Nyctidromus albicollis derbyanus Gould, 1838 Comprimento: 280 mm Asa: 170 mm Cauda: 155 mm Bico: 15 mm Tarso: 22 mm 110
  104. 104. Nome vulgar: tabaco-bom Nome cientíFico: Podager nacunda nacunda Vieillot, 1817 Comprimento: 300 mm Asa: 250 mm Cauda: 125 mm Bico: 15 mm Tarso: 25 mm 111
  105. 105. Nome vulgar: bacurau-de-asa-Fina Nome cientíFico: Chordeiles acutipennis acutipennis Hermann, 1783 Comprimento: 200 mm Asa: 150 mm Cauda: 100 mm Bico: 11 mm Tarso: 12 mm 112
  106. 106. Nome vulgar: bacurau-americano Nome cientíFico: Chordeiles minor minor Forster, 1774 Comprimento: 230 mm Asa: 195 mm Cauda: 1 10 mm Bico: 11 mm Tarso: 10 mm . .,___ H ' x 113
  107. 107. 114 Nome vulgar: curiango-tesoura macho Nome cientíFico: Hydropsalis brasiliana furcifera Vieillot, 1817 Comprimento: 380 mm Asa: 165 mm Cauda: 240 mm Bico: 18 mm Tarso: 15 mm _p_ __. a.__í"_. ____
  108. 108. Nome vulgar: bacurau-chintão Nome cientíFico: Caprimulgus parvulus parvulus Gould, 1837 Comprimento: 200 mm Asa: 140 mm -~ Cauda: 105 mm Bico: 15 mm Tarso: 10 mm à_ : ITM D”
  109. 109. ORDEM: APODI F ORMES Família: Apodidae Os apodídeos têm asas longas e estreitas com músculos desenvolvidos que lhes garantem um vôo rápido e prolongado. São capazes de planar e voar durante o dia inteiro. Quase todas as espécies desta Família só pousam para dormir e pôr ovos. Suas pernas, pouco usadas e muito curtas, têm dificuldades de sustentar o corpo quando estão se "arrastando" pelo chão. Podem levantar vôo de qualquer superfície plana, desde que não haia vegetação rasteira. Por isso, em geral, pousam apenas em penhascos. Pertencem ao grupo dos mais velozes animais do mundo. Gregórios, vivem em grupos de duzentos ou mais espécimes, atrás da queda d'água de cachoeiras ou em cavernas, alimentando-se de insetos que capturam em pleno vôo. Seus ninhos são Feitos de musgo e colados nas pequenas cavidades das grutas e cachoeiras com uma secreção Fabricada pela própria ave. Põem um ou, raramente, dois ovos. 117
  110. 110. .S. / W _ ; Ê f. . _~ i í', ,i l N; J l F pk 07. . '-. . ~'~' _ ›, V Ã. l q. . y . "l x7” i ' “É” , e x . L ' _' , _¡- . _ _ _ - . -5 _g ¡ . t x p_ . l › J Nome vulgar: taperá-do-temporal Nome cientíFico: Chaetura andre¡ meridionalis Hellmayr, 1902 Comprimento: 120 mm Asa: 128 mm Cauda: 37 mm Bico: 6 mm Tarso: 13 mm 118
  111. 111. . m . . i I , , n Lu# . _. . ,. t . , . . iílifixlli jl . L. i . . JF 11,11 L1 l t . , , ,. t . . . l: : í , . : Falsa t ll . . i r (Juli , CU ij . _l . .. .l l1l 41.2. . ri l tl. nl: i i , : _ _ 1.: .r t. . I. .. ,. a. .. . L u. .., I . . I h. _.. ..il. J_lx iiÚlaluPJiFlh. r. l. . _ . . _Íl . . . .. 1.! , ›Ê›)FlVlll
  112. 112. 120 Família: Trochilidae Os beija-Flores vivem em todas as partes de Goiás, pelos cerrados, campos, beiras de rios, breios, Florestas e matas virgens. Alimentam-se de néctar e, principalmente, dos pequenos insetos que também buscam o cálice das Flores. Seu vôo é diFerente do das demais aves: é rapidíssimo e o movimento de suas asas produzem um zumbido característico. Outra particularidade: os beija-Flores podem parar no ar e ainda voar para trás. Geralmente, Fazem seus ninhos em Forquilhas de árvores baixas, onde criam dois ou três Filhotes nidícolas.
  113. 113. Nome vulgar: beiia-Flor-tesoura Nome cientíFico: Eupetomena macroura macroura Gmelin, 1788 Comprimento: 1 90 mm Asa: 75 mm Cauda: 1 14 mm Bico: 22 mm 121
  114. 114. Nome vulgar: beiia-Flor-besourão Nome cientíFico: Glaucis hirsufa hirsuta Gmelin, 1758 Comprimento: 120 mm Asa: 63 mm Cauda: 43 mm Bico: 30 mm 199
  115. 115. Nome vulgar: rabo-branco-acanelado Nome cientíFico: Phaethornis prefrei prefrei Lesson e Delattre, 1839 Comprimento: 165 mm Asa: 60 mm Cauda: 70 mm Bico: 33 mm *ms
  116. 116. Nome vulgar: rabo-branco-rubro Nome cientíFico: Phaethornis ruber ruber Linnaeus, 1758 Comprimento: 86 mm Asa: 33 mm Cauda: 35 mm Bico: 24 mm 194 '
  117. 117. Nome vulgar: beiia-Flor-preto Nome cientíFico: Melanofrochilus fuscus Vieillot, 1817 Comprimento: 127 mm Asa: 76 mm Cauda: 45 mm Bico: 20 mm 125
  118. 118. Nome vulgar: beiia-Flor-de-canto Nome cientíFico: Colibri serrirosfris Vieillot, 1816 Comprimento: 125 mm Asa: 71 mm Cauda: 45 mm Bico: 23 mm : :FÃ l. a! r »E911 E 1 v x _g . "ix _x . *xa li , n . t y _J -1 , ,, , F l T n i , url '- I [a7, s” à' à v ' ' ! ll l É *s F L ' l , A' r s' , . '7' 126
  119. 119. Nome vulgar: bei¡a-Flor-de-veste-preto Nome cientíFico: Anthracofhorax nigricollis nigricollis Vieillot, 1817 Comprimento: 115 mm Asa: 70 mm Cauda: 35 mm _ç Bico: 24 mm É 127
  120. 120. Nome vulgar: beiia-Flor-vermelho Nome cientíFico: Chrysolampis mosquitus Linnaeus, 1758 Comprimento: 95 mm Asa: 58 mm Cauda: 37 mm Bico: 10 mm 'r 128
  121. 121. Nome vulgar: topetinho-vermelho Nome cientíFico: Lophornis magnifica Vieillot, 1817 Comprimento: 70 mm Asa: 40 mm Cauda: 29 mm Bico: 10 mm
  122. 122. rhrJnNrw/ T #Tú/ T t; fran ORDEM: 4_4-. -lJlJr. lJ ; .47 Família: T rogonidae Com hábitos diurnos e alimentando-se de Frutas e insetos, os trogonídeos vivem nas Florestas amazônicas, nas matas ciliares dos rios e em Faixas de matas envoltas de cerrados, perto das habitações rurais. Apesar das derrubadas para Formação de pastos, ainda são encontrados em Goias. A Fazem ninhos no oco de paus ou em buracos Feitos nos cupinzeiros, a uma altura média do chão. Põem de dois a quatro ovos e seus Filhotes são nidícolas. Os machos são dotados de plumagem maravilhosa, com brilho metálico, enquanto as Fêmeas têm cores modestos. 130
  123. 123. Nome vulgar: surucuá-de-coroa-azul macho Nome cientíFico: Trogon curucui curucui Linnaeus, 1766 Comprimento: 280 mm Asa: 130 mm Cauda: 160 mm Bico: 24 mm
  124. 124. Nome vulgar: surucuá-variodo macho Nome cientíFico: Trogon surrucura surrucura Vieillot, 1817 Comprimento: 280 mm Asa: 140 mm Cauda: 145 mm Bico: 24 mm 132
  125. 125. rw 7' , ft fit” ORDEM: lv* 413441- ls/ Í_ - Famrzim-Alcedinídae Com pernas curtas, corpo compacto e plumagem colorida, os alcedinídeos são encontrados perto de rios, lagoas, lagos e córregos, pousando nos galhos baixos, de onde mergulham na água para apanhar pequenos peixes. Fazem seus ninhos na extremidade de canais escavados dos barrancos arenosos, nos cupinzeiros ou no oco de árvores próximas dos rios e criam de dois a quatro Filhotes nidícolas. iss
  126. 126. 1821 Nome vulgar: martim-pescador-grande macho Nome cientíFico: Ceryle torquata torquata Linnaeus, 1766 Comprimento: 410 mm Asa: 210 mm Cauda: 140 mm Bico: 95 mm Tarso: 12 mm
  127. 127. 'wq/ Nome vulgar: martim-pescador-verde macho Nome cientíFico: Chloroceryle amazona amazona Latham, 1790 Comprimento: 280 mm Asa: 135 mm Cauda: 85 mm Bico: 65 mm Tarso: 10 mm
  128. 128. Nome vulgar: martim-pescador-anão macho Nome cientíFico: Chloroceryle aenea aenea Pallas, 1764 Comprimento: 130 mm Asa: 55 mm Cauda: 38 mm Bico: 25 mm Tarso: 5 mm 136
  129. 129. Fanzília: MOmOtídae Extraordinariamente lindos, os momotídeos vivem no interior das matas, chamando a atenção com seu canto surdo e proFundo. Alimentam-se de Frutas, insetos e pequenos répteis. Vivem solitários ou em casais, Fazendo seus ninhos em barrancos, onde criam entre três e cinco Filhotes nidícolas. _ Quando alguém se aproxima, usam de seu mimetismo e Ficam imóveis, balançando apenas a cauda como se Fosse um galho movimentado pelo vento. 137
  130. 130. 188 Nome vulgar: udu-coroodo Nome cientíFico: Momotus momota pilcomaiensis Reichenow, 1919 Comprimento: 410 mm Asa: 140 mm Cauda: 250 mm Bico: 35 mm Tarso: 23 mm
  131. 131. Nome vulgar: ¡uruva-verde Nome cientíFico: Baryphtengus ruficapillus berlai Stager, 1959 Comprimento: 430 mm Asa: 145 mm Cauda: 230 mm Bico: 43 mm Tarso: 24 mm
  132. 132. -? . . m u». . ç r- ORDEMuF. 4-1.01-. - 1.1:. .- Família: Galbulidae 444k. ; Os membros desta Família vivem nas beiras dos rios, córregos, breios e matas, alimentando-se de insetos que apanham no ar, em vôo curto e ligeiro. Vivem em casais ou em pequenos grupos, quase sempre em convívio com aves menores de outras espécies. Constroem seus ninhos nos barrancos ao longo dos córregos ou em lugares baixos onde a erosão cavou sulcos proFundos na terra. O casal toma conta de seus três ou quatro Filhotes nidícolas. 140
  133. 133. Nome vulgar: agulha-pardo Nome cientíFico: Brachygalba lugubris melanosterna Sclater, 1855 Comprimento: 155 mm Asa: 73 mm Cauda: 50 mm Bico: 45 mm Tarso: 7 mm 141
  134. 134. Nome vulgar: ariramba-de-cauda-ruiva macho Nome cientíFico: Galbula ruficauda rufoviridis Cabanis, 1851 Comprimento: 250 mm Asa: 83 mm Cauda: 100 mm Bico: 56 mm Tarso: 11 mm 142
  135. 135. Família: Bucconidae Os bucconídeos são encontrados em todos os cantos de Goiás: nos campos, cerrados, clareiras de Florestas e matas virgens. Alimentam-se de insetos e pequenos répteis. A maioria Faz ninhos em buracos do chão; o restante, no oco de árvores secas e podres. Põem entre dois e três ovos que são incubados pelo casal. Algumas espécies são silenciosos, taciturnas, enquanto outras são barulhentas, gritando durante longas horas. i43
  136. 136. Nome vulgar: urubuzinho Nome cientíFico: Chelidoptera tenebroso tenebroso Pallas, 1782 Comprimento: 150 mm Asa: 1 10 mm Cauda: 48 mm Bico: 25 mm Tarso: 13 mm 144
  137. 137. Nome vulgar: Fevereiro Nome cientíFico: Nystalus chacuru chacuru Vieillot, 1816 Comprimento: 212 mm Asa: 83 mm Cauda: 73 mm t Bico: 35 mm F Tarso: 19 mm 1 145
  138. 138. Nome vulgar: chilu-chilu Nome cientíFico: Nystalus maculatus parvirostris Hellmayr, 1908 Comprimento: 200 mm Asa: 80 mm Cauda: 70 mm Bico: 42 mm Tarso: 18 mm L i: É 31 i 5 Í l e Ê É 2 , _« S', . / a _ d' É 5 5 J * ¡ u' : , rn' ° Â : Í r É . o ¡ v 146 r i
  139. 139. Nome vulgar: Freirinha-parda Nome cientíFico: Nonnula rubecula rubecula Spix, 1824 Comprimento: 165 mm Asa: 63 mm Cauda: 60 mm Bico: 25 mm Tarso:9 mm ; y Ú; ,càytçi 147
  140. 140. Nome vulgar: chora-chuva-preto Nome cientíFico: Monasa nigrifrons nigrifrons Spix, 1824 Comprimento: 285 mm Asa: 123 mm Cauda: 1 18 mm Bico: 40 mm Tarso: 19 mm 1218
  141. 141. Família: Ramph astidae Belas e curiosas, as aves desta Família são bastante perseguidos pelos caçadores devido a sua carne saborosa e pelos índios devido a sua plumagem. Sociáveis e um pouco barulhentas em certas épocas do ano, têm asas curtas, pernas Fortes, cauda longa, bico enorme e uma língua Fina e comprida que parece uma pena a primeira vista. Vivem nas Florestas e matas virgens, alimentando- se, principalmente, de Frutas. Todavia, não desprezam os Filhotes de outras aves menores. Fazem seus ninhos em ocos de árvores, onde criam de dois a quatro Filhotes nidícolas. 1219
  142. 142. Nome vulgar: tucano-de-bico-preto Nome cientíFico: Ramphastos culminatus pintoi Peters, 1945 Comprimento: 470 mm Asa: 200 mm Cauda: 150 mm Bico: 1 15 mm Tarso: 43 mm 150
  143. 143. Nome vulgar: tucanuçu macho Nome cientíFico: Ramphastos toco albogularis Cabanis, 1862 Comprimento: 455 mm Asa: 230 mm Cauda: 170 mm Bico: 160 mm Tarso: 46 mm -151
  144. 144. Nome vulgar: araçari-castanho Nome cientíFico: Pteroglossus castanotis australis Cassin, 1867 g Comprimento: 355 mm Asa: 160 mm Cauda: 170 mm 5 Bico: 1 10 mm Tarso: 32 mm 152
  145. 145. Família: Picidae Os picídeos têm pernas curtas e Fortes com dois dedos anteriores e dois posteriores. O bico é reto e Forte, terminando em ponta de cinzel. A cauda tem canhões duros e espinhosos para aiudar a subir nas árvores. Alimentam-se de insetos, cupins, Formigas e larvas, que retiram das Fendas das cascas de árvores com a aiuda do bico e da língua comprida, pegaiosa, pontiaguda e móvel. Vivem solitários ou em casais pelas matas virgens, cerrados e campos. Fazem seus ninhos em troncos de árvores secas com altura entre 8 e 20 metros. Os quatro ou cinco Filhotes nidícolas são criados pelo casal. 153
  146. 146. Nome vulgar: pica-pau-velho macho Nome cientíFico: Celeus flavescens intercedens Hellmayr Comprimento: 280 mm Asa: 160 mm Cauda: 100 mm Bico: 29 mm Tarso : 26 mm 154
  147. 147. ~ - x Ãü' TÉCVRKJÊ V- 1 1' E $35.53? QSAK ¡SJ&'K v. ~.~_ ~ ' Nome vulgar: pica-pau-do-campo macho Nome cientíFico: Colaptes campestris campestris Vieillot, 1818 Comprimento: 300 mm Asa: 150 mm Cauda: 108 mm Bico: 35 mm Tarso: 30 mm
  148. 148. 5 2 É . Nome vulgar: pica-pau-cariió macho Nome cientíFico: Chrysoptilus melanocloros nattereri Malherbe, 1848 Comprimento: 270 mm Asa: 130 mm Cauda: 90 mm Bico: 26 mm Tarso: 17 mm
  149. 149. Nome vulgar: pica-pau-buFador macho Nome cientíFico: Piculus flavigula erythropis Vieillot, 1818 Comprimento: 189 mm Asa: 120 mm Cauda: 69 mm Bico: 20 mm Tarso: 16 mm
  150. 150. Nome vulgar: pica-pau-de-banda-branca macho Nome cientíFico: Dryocopus lineatus lineatus Linnaeus, 1766 Comprimento: 350 mm Asa: 190 mm Cauda: 125 mm Bico: 40 mm Tarso: 26 mm 158
  151. 151. Nome vulgar: benedito A Nome cientíFico: Melanerpes flavifrons flavífrons ' a ¡_¡ t; Vieillot, 1818 3g “ ' Comprimento: 177 mm _ Asa:112mm "Arq Cauda 70 mm _ , u» Ç i Bico: 25 mm ¡ . . i9, í . J . _ 2.1 c_ ' t, . i .21 : _f . : . ,. ¡ , -/' . v ' ' . ; 'i ' x 'f 1 : , . n _ _ 4 yr _ t 7 »v3 q r___, :.. < 1 , h 's . - u ', 4- ' “. . m' t. .. _ i59
  152. 152. Nome vulgar: pica-pau-branco Nome cientíFico: Leuconerpes candidus Otto, 1796 Comprimento: 262 mm Asa: 1 13 mm Cauda: 58 mm Bico: 35 mm Tarso: 25 mm
  153. 153. Nome vulgar: pica-pau-pequeno macho Nome cientíFico: Veniliornis passerinus transfluvialis Hellmayr, 1929 Comprimento: 165 mm Asa: 85 mm Cauda: 50 mm Bico: 20 mm Tarso: 16 mm 161
  154. 154. Nome vulgar: pica-pau-rei macho Nome cientíFico: Campephilus robustus Lichtenstein, 1819 Comprimento: 360 mm Asa: 187 mm Cauda: 127 mm Bico: 45 mm Tarso: 35 mm / t¡ 162
  155. 155. Nome vulgar: pica-pau-anão-barrado macho Nome cientíFico: Picumnus minutissimus guttifer Sundevall, 1966 Comprimento: 80 mm Asa: 50 mm Cauda: 25 mm Bico: 13 mm Tarso: 11 mm
  156. 156. 164 s; ' : :ao ORDEM: . LLJLJJ-Fjjfusc/ r; 11:1 iii. ) Família: Dendrocolaptidae Trepadores, os membros desta Família procuram seu alimento - insetos, principalmente - ã maneira dos pica-paus. Por isto, na área amazônica, são chamados de pica-paus vermelhos. No entanto, têm três dedos anteriores e um posterior. Vivem nos campos, bosques, clareiras e matas. Constroem seus ninhos em buracos de troncos de árvores, onde criam seus dois ou três Filhotes nidícolas.
  157. 157. Nome vulgar: arapaçu-de-bico-torto Nome cientíFico: Campylorhamphus trochilirostris maior Ridgway, 191 1 Comprimento: 200 mm Asa: 100 mm Cauda: 88 mm Bico: 60-70 mm Tarso: 18 mm . lulu. l ' l l 165
  158. 158. Nome vulgar: arapaçu-pardo Nome cientíFico: Dendrocincla fuliginosa turdina Lichtenstein, 1820 Comprimento: 200 mm Asa: 107 mm Cauda: 94 mm Bico: 27 mm Tarso: 20 mm 166
  159. 159. Nome vulgar: arapaçu-de-cabeça-cinza Nome cientíFico: Sittasomus griseicapillus sylviellus Temminck, 1821 Comprimento: 165 mm Asa: 80 mm 5 i l Cauda: 75 mm l F 1 i 1 Bico: 12 mm Tarso: 17 mm x. ... ... ... ... ._. m . . . . mu1 . ... ... ..›. ¡._. . A. : -. ..t. ... .m. .. An. . . ... _ . . w. .. 167
  160. 160. Nome vulgar: cochi-de-garganta-branca Nome cientíFico: Xiphocolaptes albicollis albicollis Vieillot, 1818 Comprimento: 275 mm Asa: 135 mm Cauda: 120 mm Bico: 39 mm Tarso: 28 mm 168
  161. 161. Nome vulgar: arapaçu-de-bico-preto Nome cientíFico: Dendrocolaptes platyrostris intermedius Berlepsch, 1883 Comprimento: 265 mm Asa: 130 mm Cauda: 1 15 mm Bico: 35 mm Tarso: 23 mm 'i 69
  162. 162. Nome cientíFico: Lepidocolaptes angustirostris bivittatus Lichtenstein, 1822 1 70 O IO C H e 1 Ô . o w m , a m D¡ 5 1,. . m m - . . m . .le Lt/ v, F ¡ . a Át¡ . u¡ lg e 4m . .. ..12 U mÔoo4ó Í z: V . .Hm. a.31l c e o. d. ..o. m mmUOm t» Ô OSGÉG N CACBT
  163. 163. Família: F ur nar üdae Dentre todos as espécies desta Familia, o ioão- de-barro é o mais popular, talvez por se aproximar muito das habitações humanas. Os Furnarídeos vivem sempre a pouca altura do chão, nas matas, capoeiras, campos, bosques, iardins e pomares. Alimentam-se quase exclusivamente de insetos. O casal de ioão-de-barro constrói seu ninho arredondado com barro e ali cuida de seus três ou quatro Filhotes nidícolas. 171
  164. 164. Nome vulgar: ioão-de-barro Nome cientíFico: Furnarius rufus badius Lichtenstein, 1823 Comprimento: 190 mm ç Asa: 95 mm 'E Cauda: 75 mm Bico: 30 mm Tarso: 30 mm É» JE_ _ j. . K . 'A', - T , . V' y 'A N* , y w x , ,. _ . c. ll r 'i . , . l / t' ' _ 1 y , _ x '~ , * g "i g. ., » x r 'Z l y n ? fil : - 4 à* " ~ c / ~ s , . : n . . . ' ' l' a . a Aí i l: l , ã . 172 e . g, t,
  165. 165. Nome vulgar: tiFli Nome cientíFico: Synallaxis frontalis frontalis Pelzeln, 1859 Comprimento: 154 mm Asa: 55 mm Cauda: 80 mm Bico: 10 mm Tarso: 18 mm ; l 173
  166. 166. Nome vulgar: uipi Nome cientíFico: Synallaxis albescens albescens Temminck, 1823 Comprimento: 155 mm Asa: 55 mm Cauda: 85 mm Bico: 9 mm Tarso: 15 mm c» l 174
  167. 167. Nome vulgar: viu-vi Nome cientíFico: Poecilurus scutatus scutatus Sclater, 1859 Comprimento: 143 mm Asa: 60 mm Cauda: 70 mm Bico: 11 mm Tarso: 18 mm 175
  168. 168. 176 Nome vulgar: ioão-do-breio Nome cientíFico: Certhiaxis cinnamomea russeola Vieillot, 1817 Comprimento: 139 mm Asa: 70 mm Cauda: 61 mm Bico: 11 mm Tarso: 17 mm Í' ' -. x› , z , -xu : 1 ~'/ . x '_. ' n . v ç 1* x . "- . . ¡ g . , -- . , r . . si! ' 'a 'Q3233 : A ' t V 1 V _ n . v , ÁE› a 7
  169. 169. Nome vulgar: barranqueiro-de-bico-reto Nome cientíFico: Hylocryptus rectirostris Wied, 1831 Comprimento: 207 mm Asa: 83 mm Cauda: 80 mm Bico: 25 mm Tarso: 26 mm . À «QV i ~~: . '/ ” f' i w x V. ¡ ' r 'l/ ,. 5a. ., ç . ¡ q: : i gx. ;ri . 177
  170. 170. « Nome vulgar: bico-virado-cariió Nome cientíFico: Xenops rutilans chapadensis Zimmer, 1935 Compr¡mento:124 mm Asa: 68 mm Cauda: 53 mm Bico: 10 mm Tarso: 12 mm
  171. 171. Famílía: F orm icariidae Com uma plumagem densa e alongada no dorso, os membros desta Família vivem no chão ou a pouca altura, nas matas ou nos cerrados, alimentando-se de insetos. Quase sempre andam em bandos. E comum encontrá-los sobre Formigueiros, durante a corrição, quando então esses "papa- Formigas" capturam-nas com habilidade. Seus ninhos são bolsas caprichosamente Feitas de Fibras de plantas e suspensas nos galhos. 179
  172. 172. Nome vulgar: choca-da-mota Nome cientíFico: Thamnophilus caerulescens '- l ç ' : ç ochraceiventer , Snethlage, 1928 1 i Comprimento: 150 mm - Asa: 70 mm Cauda: 62 mm . Bico: 14 mm Tarso: 22 mm ç l . 1 an '
  173. 173. /a Nome vu| gor: choccI-de-osa-ruivo Nome científico: Thamnophilus forquafus Swoinson, 1825 Comprimento: 145 mm Asa: ó5 mm Cauda: ó5 mm Bico: 20 mm Tarso: 23 mm 181
  174. 174. Nome vuigor: choca-barrada Nome cientíFico: Thamnophilus doliafus difficilis Heiimayr, 1903 Comprimento: 150 mm Asa: 75 mm Cauda: 63 mm Bico: i7 mm Tarso: 25 mm
  175. 175. Nome vuigar: choró-boi Nome cientíFico: Taraba maior maior Vieiiiot, 1816 . , Comprimento: 205 mm Asa: 100 mm Cauda: 82 mm Bico: 25 mm Tarso: 32 mm . à 't w, ... - "°, ta» 183
  176. 176. 4a. ". * ~ i84 Nome vuigar: choquinha-iisa Nome cientíFico: Dysíthamnus mentaiis affínís Peizein, i868 Comprimento: ii8 mm Asa: 63 mm Cauda: 39 mm Bico: ii mm Tarso: i7 mm . t I ~. ~.
  177. 177. ^ «rc -xuz-arwmr» dar eum» mas' c , - i. - now_ wnxow LüwI Nome vuigar: chorozinho-de-boné Nome científico: Herpsilochmus píleatus afrícapillus Peizein, i868 Comprimento: i i5 mm Asa: 55 mm Caucia: 56 mm Bico: i2 mm Tarso: i7 mm -185
  178. 178. ' v Nome vuigar: Formigueiro-ruivo Nome científico: Formicívora rufa rufa Wieci, i83i Comprimento: i25 mm Asa: 60 mm Cauda: 58 mm Bico: i5 mm Tarso: 2i mm i8ó
  179. 179. Família: PÍÊVÚPÍÚCh idae As duas únicas espécies representantes desta Famíiia em Goias são de diiícii observação. Com seu pequeno porte, vivem no meio das matas e dos cerrados úmidos, ionge do convívio humano. Quase sempre encontram-se no chão, onde procuram insetos, seu aiimento preferido. Andam em casais ou em pequenos grupos e têm hábitos diurnos. Os ninhos, feitos de raízes, musgos e ioihas, Ficam no soio. Juntos, macho e Fêmea criam seus dois iíihotes nidícoias. i87
  180. 180. Nome vuigar: meia-iua-do-cerrado Nome científico: Melanopareía torquafa rufescens Heiimayr, i924 Comprimento: i 25 mm Asa: 54 mm Cauda: 62 mm Bico: ii mm Tarso: i8 mm
  181. 181. Família: Cütingidae Vivendo nos cerrados e nas matas virgens, especiaimente no Tocantins, onde existem iigações com as grandes matas amazônicas, os representantes desta iamíiia compreendem aigumas das nossas mais vistosas e curiosas aves: seia peia sua plumagem, sua Forma ou seu canto. Em conseqüência das devastações contínuas, aigumas espécies desta iamiiia estão em via de desaparecimento, como o pavó que, na época de procriação, percorre matas extensas na busca diária das suas sete ou oito Fêmeas. Aiimentam-se, principaimente de frutas, e também de insetos, pequenos iagartos e anfíbios. Criam seus iiihotes nos ninhos ieitos de gravetos, ramos e Fibras vegetais sobre árvores aitas ou no oco de pau de aitura considerável. i89
  182. 182. Nome vuigar: tesourinha-da-mata Nome cientíiico: Phíbalura flavírostris flavírostris Vieiiiot, i8i6 Comprimento: 2i 3 mm Asa: i i5 mm Cauda: i i0 mm Bico: i0 mm Tarso: i7 mm r'
  183. 183. Nome vuigar: caneieiro-verde Nome científico: Pachyramphus viridis viridis Vieiiiot, i 8i 6 Comprimento: i37 mm Asa: 75 mm Cauda: 58 mm Bico: i2 mm Tarso: i6 mm '191
  184. 184. m. : -gw-r-p. .u. m. . . c . vn-n i92 Nome vuigar: caneieiro-preto macho Nome científico: Pachyramphus polychopferus spixii Swainson, i837 Comprimento: i4O mm Asa: 77 mm Cauda: 62 mm Bico: i2 mm Tarso: i7 mm
  185. 185. Nome vuigar: bico-grosso-de-crista Nome cientíiico: Plafypsarís rufus rufus Vieiiiot, i8i 6 Comprimento: i78 mm Asa: iOO mm Cauda: 7i mm Bico: i4 mm Tarso: i9 mm i93
  186. 186. .. .ça- um: ›4¡n/4*-n. .ü ? aní-o . .~. i94 Nome vuigar: araponguinha-de-rabo-preto macho Nome cientíFico: Tityra cayana brasiliensis Swainson, i837 Comprimento: 205 mm Asa: i2O mm Cauda: 74 mm Bico: 24 mm Tarso: 23 mm
  187. 187. Nome vuigar: araponguinha-de-cara-preta Nome cientíiico: Tityra inquisitor inquisifor Lichtenstein, i823 Comprimento: i8O mm Asa: i iO mm Cauda: 68 mm Bico: 22 mm Tarso: i5 mm '5,[-'*tv"”çi'¡:1'i~_'i
  188. 188. Nome vuigar: pavó Nome cientíiico: Pyroderus scutatus scutatus Shaw, i792 Comprimento: 4i O mm Asa: 250 mm Cauda: i7O mm Bico: 30 mm Tarso: 42 mm i9ó
  189. 189. Família: Pipridae As aves desta Família vivem nos cerrados e nas matas virgens, geralmente em colônias, realizando suas danças periodicamente. Alimentam-se de frutas, insetos e vermes. Fazem seus ninhos perto da água, a pouca altura do chão, criando seus dois ou três filhotes nidícolas. Alguns piprídeos são notáveis por sua beleza, outros pelos ruídos crepitantes que produzem através de dois canhões espessados das retrizes e outros ainda por serem obietos de crendices populares, símbolos de felicidade ou Fidelidade. i97 n
  190. 190. llüllllillllilliilllllllll Nome vulgar: dançador-larania macho Nome científico: Pipra fasciicauda scarlatína Hellmayr, i9i 5 Comprimento: iO5 mm Asa: 64 mm Cauda: 26 mm Bico: i0 mm Tarso: i3 mm 5%' __ x N' nx _ . .~ . .K ' ¡~" › s, í 'x . A _ , W _. q i * i* ¡C'¡ . .- O CD
  191. 191. Nome vulgar: soldadinho macho Nome cientíiico: Antilophia galeata Lichtenstein, i823 Comprimento: i5O mm Asa: 80 mm Cauda: 66 mm Bico: 8 mm Tarso: i7 mm r 4,. i99
  192. 192. :: ;›«. p›u. arm~; g§e, ;- gt: :: sia s: : ã: : jltgíglttg"íi ç, Nome vulgar: dançarino-perereca Nome cientíiico: Machaeropterus pyrocephalus pyrocephalus Sclater, i852 Comprimento: 90 mm Asa: 55 mm Cauda: 20 mm Bico: 8 mm Tarso: i0 mm
  193. 193. Nome vulgar: truchu-do-cerradão Nome cientítico: Neopelma pallescens Lairesnaye, i853 Comprimento: i4O mm Asa: 73 mm Cauda: 60 mm Bico: ii mm Tarso: i5 mm / s 1' M”, ,á _ça , 'f _ítísfFl-Ívs / l . e r «N 1 l . , I ' V q, hüa_ . v l ' . z ~› V¡ l l . , , // 20i
  194. 194. Nome vulgar: tlautim-marrom Nome científico: Schiffornis turdínus Wied, i83i Comprimento: i8O mm Asa: 85 mm Cauda: 65 mm Bico: i3 mm Tarso: i8 mm 17 202 A
  195. 195. .-. ._ -u. .. _._. .:____ Família: T yrannidae Os membros desta Família são exclusivamente americanos, tendo o centro de sua distribuição geográfica na região neotropical. Boa parte deles são nossos mais conhecidos e estimados pássaros. Vivem nos cerrados, nas matas e, especialmente, nas clareiras e ¡ardins da periferia das cidades. Alimentam-se de insetos, mas em certas épocas do ano procuram árvores trutíieras por causa de seus Frutos. Seus ninhos são, geralmente, barisiéricos ou em Forma de bolsa. 203
  196. 196. Nome vulgar: bentevi-verdadeiro Nome cientítico: Pifangus sulphuratus suiphuratus Linnaeus, i766 Comprimento: 220 mm Asa: i i7 mm Cauda: 88 mm Bico: 26 mm Tarso: 22 mm 204
  197. 197. Nome vulgar: primavera Nome científico: Xolmis cinerea Vieillot, i8i 6 Comprimento: 225 mm Asa: i4O mm Cauda: 90 mm É Bico: 20 mm Tarso: 27 mm 37': 7 . (3
  198. 198. Nome vulgar: pombinha-das-almas Nome cientifico: Xolmis velata Lichtenstein, i823 Comprimento: 200 mm Asa: i25 mm Cauda: 85 mm Bico: i8 mm Tarso: 23 mm
  199. 199. Nome vulgar: maria-viuvinha macho Nome científico: Colonia colonus colonus Vieillot, i8i 8 Comprimento: 235 mm Asa: 80 mm Cauda: i60 mm Bico: 7 mm Tarso: i4 mm '207
  200. 200. JFLIIELIm . Nome vulgar: tesourinha-do-breio Nome cientíiico: Gubernetes yefapa Vieillot, i 8i 8 Comprimento: 400 mm Asa: i25 mm Cauda: 3iO mm Bico: 20 mm Tarso: 25 mm 208 41_
  201. 201. Nome vulgar: galito Nome cientifico: Alecfrurus tricolor Vieillot, i8i 6 Comprimento: i8O mm Asa: 70 mm Cauda: 58 mm Bico: ii mm Tarso: i7 mm 4. l/ IV_ ' _ I' I i5 , x *sv* r / // i "l. .› V_ '. "": - t¡ z . . g i i. .. n v. «si- _ . u 'LJ/ 'Xq
  202. 202. Ê Ê É a Ê É 5 a Nome vulgar: maria-velhinha macho Nome científico: Arundinicola leucocephala Linnaeus, i764 Comprimento: i i7 mm Asa: 62 mm Cauda: 46 mm Bico: i4 mm Tarso: i6 mm
  203. 203. Nome vulgar: verão Nome cientifico: Pyrocephalus rubinus rubinus Boddaert, i783 Comprimento: i30 mm Asa: 73 mm Cauda: 57 mm Bico: ii mm Tarso: i4 mm s ~« s. .. /f / v* M3873; . ~ 2ii
  204. 204. Nome vulgar: maria-assobiadeira Nome científico: Sirystes sibilator sibilator Vieillot, i 8i 8 Comprimento: i 90 mm Asa: 95 mm Cauda: 85 mm Bico: i5 mm Tarso: i7 mm
  205. 205. Nome vulgar: tesourinha-do-campo Nome cientíFico: Muscivora fyrannus fyrannus Linnaeus, i766 Comprimento: 350 mm Asa: i i4 mm Cauda: 280 mm Bico: i5 mm Tarso: i6 mm t: i1_ 2i3
  206. 206. Nome vulgar: suiriri-tropical Nome científico: Tyrannus melancholicus melancholicus Vieillot, i8i9 Comprimento: 225 mm Asa: i i0 mm Cauda: iOO mm Bico: 20 mm Tarso: i7 mm 2i4
  207. 207. Nome vulgar: suiriri-de-papo-branco Nome cientifico: Tyrannus albogularis Burmeister, i856 Comprimento: 200 mm Asa: iii mm Cauda: iO4 mm Bico: i9 mm Tarso: i7 mm àx x Xl. . 421.. .( . . , * x . ... ... ... ... _ _ 2i5
  208. 208. Nome cientilico: Empidonomus varius varius Vieillot, i8i 8 Comprimento: i90 mm Asa: 98 mm Cauda: 80 mm Bico: i2 mm Tarso: i4 mm É Nome vulgar: bentevi-peitica a . _, j. / I' Ê i , _z . l . r j _ , z I E l _ , _Íx 1x¡ Í 1 ' " r ; i . A' . i ›I› l r/ .4. I f( _, l , 2ió
  209. 209. Nome vulgar: bentevi-cinza Nome cientíFico: Empidonomus aurentioatrocristatus aurentioatrocristatus Lairesnaye e d'Orbigny, i837 Comprimento: i8O mm Asa: 94 mm Cauda: 75 mm Bico: i2 mm Tarso: i3 mm 2i7
  210. 210. ' Nome vulgar: neinei Nome cientíiico: Megarhynchus pitangua pitangua Linnaeus, i766 Comprimento: 220 mm Asa: i2O mm Cauda: 87 mm Bico: 30 mm Tarso: i6 mm
  211. 211. Nome vulgar: bentevi-raiado Nome cientíiico: Myodynastes maculatus solitarius Vieillot, i 8i 9 Comprimento: i95 mm Asa: i i0 mm Cauda: 85 mm Bico: 20 mm Tarso: i6 mm
  212. 212. Nome vulgar: bentevi-de-coroa-vermelha Nome científico: Myiozetetes similis pallidiventris Pinto, i935 Comprimento: i60 mm Asa: 95 mm Cauda: 75 mm Bico: ii mm Tarso: i4rnm / .z/ *íà-r K, ,iu : M3 'r “t”.
  213. 213. Nome vulgar: maria-de-asa-lerrugem Nome científico: Myiarchus fyrannulus bahiae Berlepsch e Leverkuhn, i890 Comprimento: 200 mm Asa: i00 mm Cauda: 85 mm Bico: 20 mm í Tarso: 20 mm . _ 11:_ . , . ;A f” s r" ' , , *ri i” â. “xx / › , x : N : :: J- 7.3). _5 r . _ l (_« Cl' , x x l I | W_ . ._ '_ x i l . _ . _ 'i 'a y. ». o' 22i
  214. 214. Nome vulgar: maria-cavaleira Nome cientítico: Myiarchus ferox ferox Gmelin, i789 Comprimento: i8O mm Asa: 90 mm Cauda: 80 mm Bico: i5 mm Tarso: i8 mm
  215. 215. Nome vulgar: maria-Ferrugem Nome cientíiico: Casiornis rufa rufa Vieillot, i8i 6 Comprimento: i75 mm Asa: 85 mm Cauda: 80 mm 4 Bico: i3 mm -à Tarso : i8 mm s. V¡ 223
  216. 216. Nome vulgar: lelipe-de-peito-riscado Nome cientíFico: Myiophobus fasciatus flammiceps Temminck, i822 Comprimento: i25 mm Asa: 63 mm Cauda: 53 mm Bico: i0 mm Tarso: i8 mm 224
  217. 217. TÍ_ 6.3.1* "i ~r_, , 1 4 s . mt s '' '. ^ X » , 5353,_ ›. T - lili( V: 7 . Í Nome vulgar: bico-chato-amarelo Nome cientíiico: Tolmomyias flaviventris flavivenfris Wied, i83i Comprimento: i30 mm Asa: 58 mm Cauda: 48 mm Bico: i0 mm Tarso: i4 mm 2°25
  218. 218. Nome vulgar: lerreirinho-relógio Nome científico: Todirostrum cinereum Ridgway, i906 Comprimento: 97 mm Asa: 45 mm Cauda: 32 mm Bico: i2 mm Tarso: i5 mm 226 . .ef-C
  219. 219. Nome vulgar: maria-de-papo-riscado Nome científico: Hemitriccus striaficollis sfriaticollis Lairesnaye, i853 Comprimento: iO5 mm Asa: 50 mm Cauda: 40 mm Bico: ii mm Tarso: i5 mm 4, . @ku . _ (a É. x ~ 7 _ g_ . É , s, * s: u. *zxiqli : si: .i75 ql HT', x , n z -2227
  220. 220. Nome vulgar: maria-cigarra Nome científico: Myiornis auricularis auricularis Vieillot, i8i8 Comprimento: 88 mm Asa: 40 mm Cauda: 27 mm Bico: 8 mm Tarso: i0 mm
  221. 221. . . .. . . _. .,_ , T4, . . . . l _ E u . .lnlarâj_tiuiadwndluliluüln_ . .iii t . .l . l › t . , . . I Jíllr; 1 . .i ilAWlN_lWI¡lr. |lNlYl›l-. N¡¡H1nullh›ll¡Il' t. . : . .1 . L J. . urH_. _r. ii. nr, H/4J.
  222. 222. Nome vulgar: guaracava-de-topete Nome cientíFico: Elaenia cristata cristata Pelzeln, i868 Comprimento: i4O mm Asa: 80 mm Cauda: 72 mm Bico: i4 mm Tarso: i9 mm i / a PJ! s, _ ' _ “ . .K . Q , A . x , , v Í, A í'. . u , rá , - n* x . . '
  223. 223. Nome vulgar: maria-da-copa Nome científico: Myiopagis caniceps caniceps Swainson, i837 Compúmetüo: 25 mm Asa: 54 mm Cauda: 4'? mm Bico: ii mm Tarso: i5 mm , zaÍÕ: ' Á *v . x f / fi. z
  224. 224. Nome vulgar: suiriri-do-sul Nome cientíFico: Suiriri suiriri suiriri Vieillot, i 8i 8 Comprimento: i54 mm Asa: 72 mm Cauda: 65 mm Bico: i3 mm Tarso: i8 mm 939
  225. 225. Nome vulgar: sertaneio Nome científico: Sublegatus modestus modestus Wied, i83i t »liwllti iii». Comprimento: i 30 mm Asa: 65 mm Cauda: 58 mm Bico: 6 mm Tarso: i3 mm s 'x . -~. _ _ , iv r ', 7 , _: __ . _ . l, í _M , l'. 4. L '. . / ii "r i ' _. y. .. . 'SJ-N _ x , IWLN- '- __ -wx . s. - ~ . . w' x »_~ __. -› 2 L¡ _ N . i. . 1x. KK, x k . É. ' T , ° ›. . v Í A à _ a ; 2°33
  226. 226. Nome vulgar: risadinha Nome científico: Camptostoma obsolefum obsoletum Temminck, i824 Comprimento: 97 mm Asa: 55 mm Cauda: 43 mm Bico: 7 mm Tarso: i3 mm v 734 i ; H
  227. 227. Nome vulgar: abre-asa-cabeçudo Nome científico: Leptopogon amaurocephalus amaurocephalus Tschudi, i846 Comprimento: i30 mm Asa: 70 mm Cauda: 50 mm Bico: ii mm Tarso: i3 mm 1 Ml 'é A
  228. 228. ÔQA Família: Oxyruncídae Único representante desta Família, o bico-agudo vive nas matas mais preservadas pelo homem. E muito diFíc¡l de ser observado. O primeiro exemplar coletado em Goiânia, em ianeiro de i990, era uma Fêmea que catava umas Frutinhas iunto aos sanhaços, sabiás e araponguinhas numa mata alta. Não apresentava coloração na crista, o que Fez pensar que ela Fosse um Filhote de dois ou três meses de idade. Outra Fêmea Foi coletada no Fim de março, iá com crista colorida (larania-suia). Em outubro daquele mesmo ano, observou-se uma Fêmea adulta saindo de uma Fenda de um tronco de árvore grosso e de aproximadamente i0 metros de altura. Apresentava uma crista de cor larania-viva- avermelhada, com penas desenvolvidas, íris alaraniada e um ovo esbranquiçado, bem desenvolvido, no ovário. Ainda não nos Foi possível avistar ou coletar um exemplar macho e nem achar alguém que mencionasse o seu nome vulgar. E ainda que Eurico Santos indique araponga da horta, araponguinha ou chibante, preFerimos bico-agudo, tradução do inglês sharpbíll.
  229. 229. Nome vulgar: bico-agudo Nome cientíFico: Oxyruncus cristatus cristatus Swainson, i82i Comprimento: i 70 mm Asa: 96 mm Cauda: 64 mm Bico: i4 mm Tarso: i7 mm f_ O à nl l “ii 2 | 2 i s s i: ›, . r~ A . w . _ c › i il _ x , i _ « l l_ x** , í 'n __ 'é i KW ! S ¡i . 1; - tl / i w i Al ~ t 'f i7 , _, .. .- l. ' . _ s * 13"** v4' ' . , ¡j! __ A. , K¡ F _ Z _gil ' Tí, . ' (ñ _Í to ' r à* » . - ' t k ~ * A 11. *suit " - 4 _. "Ã , F ; m x * ›' v, w ¡'¡_'_ F ^ x , ._ l "i A = a 75 237
  230. 230. 238 Família: Hirundinidae Com bico largo, curto e chato, pernas curtas e Fracas, asas e cauda compridas, as andorinhas vivem nas proximidades das margens dos rios e lagos. Alimentam-se de insetos que capturam em pleno vôo, ora quase tocando a água, ora elevando-se até alturas consideráveis. Algumas espécies só são encontradas em Goiânia clurante o inverno, vindas dos Estados Unidos, para onde voltam para procriar. A maioria Faz seus ninhos nos barrancos de estrada provocados pela erosão, cavando buracos bastante proFundos. Outras procuram cavidades de velhos troncos, paredes ou alguma viga debaixo de telhados. Cuidam cle quatro ou cinco Filhotes nidícolas.
  231. 231. j: . Nome vulgar: andorinha-do-campo " E¡ . l Nome cientíFico: Progne tapera tapera Lg Linnaeus, i766 Comprimento: i7O mm Asa: i35 mm Cauda: 68 mm Bico: i2 mm 239
  232. 232. Nome vulgar: andorinha-grande Nome cientíFico: Progne chalybea domestica Vieillot, i8i 7 Comprimento: i70 mm Asa: i42 mm Cauda: 80 mm Bico: ii mm Tarso: i3 mm 240
  233. 233. Nome vulgar: andorinha-serradora-do-sul Nome cientíFico: Stelgidopteryx ruficollis ruficollis Vieillot, i 8i 7 Comprimento: i30 mm Asa: iO6 mm Cauda: 50 mm Bico: 8 mm Tarso: 9 mm 2'4i
  234. 234. 242 Família: Corvidae Representadas por duas espécies em Goiás, as gralhas, apesar de pouco populares, são bem conhecidas por seu aspecto vivo, seus gritos característicos e pelo Fato de chegarem ao interior das Fazendas, onde quebram ovos de galinha para se alimentarem. Vivem nos campos e cerrados, em pequenos bandos, e comem tudo o que encontram no caminho. Seus ninhos em Forma de tigela, Feitos de gravetos e Fibras vegetais, Ficam a uma altura de 5 ou 6 metros, onde o casal choca três ou quatro ovos. Os Filhotes nidícolas geralmente são portadores de algumas larvas da mosca "bicho berne", o que preiudica bastante seu crescimento.
  235. 235. Nome vulgar: gralha-cancã Nome cientíFico: Cyanocorax cyanopogon Wied, i82i Comprimento: 337 mm ç Asa: i45 mm Cauda: i55 mm " Bico: 28 mm Tarso: 45 mm i , n¡ z : - ° . i2 _ ll a I, .. / , Z / _/ , r , . / ¡. / I / J /7 l JI / / , I IT' Í ; v . ,, . , ' f '243
  236. 236. l Ó/ l/i Nome vulgar: gralha-do-cerrado Nome cientíFico: Cyanocorax cristatellus Temminck, i823 Comprimento: 340 mm Asa: 205 mm Cauda: i35 mm Bico: 33 mm Tarso: 43 mm
  237. 237. Familia: T roglodytidae Bem populares, as aves desta Família vivem nas matas, nos cerrados e até nos quintais das chácaras e das casas mais afastadas dos centros urbanos. Geralmente, são encontrados os casais catando insetos e vermes no chão ou a pouca altura, prestando assim grandes benefícios a agricultura. Seus ninhos, em Forma de tigela, são Feitos de tecidos vegetais e abrigam três ou quatro Filhotes. 245
  238. 238. Nome vulgar: garrincha-de-bigode Nome cientíFico: Thryothorus genibarbis intercedens Hellmayr, i908 Comprimento: i68 mm Asa: 62 mm Cauda: 55 mm Bico: i5 mm Tarso: 24 mm ? AA
  239. 239. 1 l , / l vit- *x Í “' . n, ... , M _ . _f _r . _. -í tia. › _. . a . ie¡ Í' Fil, Z Nome vulgar: corruira-de-casa - z - *Fail r A Nome cientiFico: Troglodyfes aedon musculus Naumann, i823 . lt 4*; N Comprimento: iO6 mm › Asa: 55 mm. . , l 1 Cauda: 44 mm . _¡-' i Bico: i4 mm . .._, _. Tarso: i4 mm i : : l -çr . z ' 'r . f v a r . f, 7 u. ; _' I F qc( fx” é , V . wii. F-EÊJJ-r¡ / g ' , « P¡ , /- 'i E , . 247
  240. 240. : Nome vulgar: iapacanim Nome cientíFico: Donacobius atricapillus atricapillus Linnaeus, i766 Comprimento: 205 mm Asa: 85 mm Cauda: i02 mm Bico: 22 mm Tarso: 32 mm 248
  241. 241. 'YÍWÉÊx Família: Mímidae O teio-do-campo, único representante desta Família em Goiás, vive nos cerrados e bosques, alimentando-se de insetos e, as vezes, de Frutas. _ Vive em pequenos bandos de cinco ou seis indivíduos e só se separam em casais na época da procriação. Bons cantores, podem imitar o canto de vários outros pássaros. Seus ninhos, em Forma de tigela, são Feitos entre as Folhas espessas de árvores de pouca altura. Os Filhotes, em número de três ou quatro, são nidícolas e, mesmo após aprenderem a voar e caçar seu próprio alimento, permanecem por muitos meses na companhia dos pais. 249
  242. 242. Í i Nome vulgar: teio-do-campo Nome cientíFico: Mimus saturnínus frater Hellmayr, i903 Comprimento: 250 mm Asa: iO9 mm Cauda: i23 mm Bico: 22 mm Tarso: 30 mm »l à. ¡ . í/ 4' z ' . Ãj , . r , . l 7'. ” , x . .z ›. -'_ F _ ' _ _. i. l i E ii _j/ r 11'. › x 3 _ g' . t i t . 3. ' ' , , h, ' . ›_ . A l 7 , p_ ' - V 's l , iq 7 i 'l V . Í ~ i í mz"' _. .__ VITÊW : )›' . h y , _. . ll , N . .l _e N. ; : K_
  243. 243. Família: Turdidae Excelentes cantores, os componentes desta Família são os mais conhecidos e estimados pássaros do solo brasileiro. Encontram-se nas matas, campos, clareiras, breios e cerrados, onde se alimentam de insetos e Frutas. Geralmente, andam em casal ou em pequenos bandos de quatro ou cinco individuos. Construídos nas Forquilhas das árvores ou em Fendas de árvores podres, seus ninhos têm Formato de tigela e abrigam três ou quatro Filhotes nidícolas. Para não chamar a atenção dos inimigos naturais durante a criação da prole, os pais pegam os excrementos dos Filhos com o bico e levam para longe do ninho. '251
  244. 244. Nome vulgar. sabiá-Ferreiro Nome cientíFico: Turdus nigriceps subalaris Seebohn, i887 Comprimento: 225 mm Asa: i i0 mm Cauda: 80 mm Bico: i8 mm Tarso: 25 mm
  245. 245. Nome vulgar: Sabiá-laranjeira Nome cientíFico: Turdus rufiventris rufivenfris Vieillot, i 8i 8 Comprimento: 255 mm Asa: i24 mm Cauda: i08 mm Bico: 2i mm Tarso: 34 mm . É _ v_ _E l d_" u ' t* i › l" / i q
  246. 246. Nome vulgar: sabiá-de-cabeça-cinza Nome cientíFico: Turdus leucomelas leucomelas Vieillot, i8i 8 Biilllllzlllilltillllll llllllllliwllllllltllíllliltllllllot Comprimento: 238 mm Asa: ii5 mm Cauda: 92 mm Bico: i8 mm Tarso: 30 mm É . .«› l x r. i “x sit. *X . «zv/ FT-dijp 1 '77 r . . Z/ ç_ V_ V 1a/ - . r i , , _ . ' . JC” . s; p 3254!
  247. 247. Nome vulgar: sabiá-poca Nome cientíFico: Turdus amaurochalinus Cabanis, i85i Comprimento: 235 mm Asa: iiO mm Cauda: 94 mm Bico: 20 mm Tarso: 28 mm 4w, _«¡: ç:5'- , x _u . rw. . 2.3,_ Tt r , 255
  248. 248. 956 Família: Polioptilidae O único representante desta Família vive nos cerrados, capoeiras e beiras de Florestas. Geralmente, andam em casais, alimentando-se, principalmente, de insetos, mas também de Frutinhas e pequenas sementes. Seus ninhos, em Forma de taça, são construídos nos galhos de árvores com 5 ou 6 metros de altura e abrigam quatro ou cinco Filhotes nidícolas.
  249. 249. Nome vulgar: balança-rabo-de-máscara Nome cientíFico: Polioptila dumicola berlepschi Hellmayr, i90i Comprimento: i i5 mm Asa: 54 mm Cauda: 55 mm Bico: i0 mm Tarso: i5 mm '257
  250. 250. u_ u , t_. iil 1- . __ 258 Família: Vireonidae De porte pequeno, os membros desta Familia se caracterizam pelo gancho que têm na ponta do bico. Vivem nas copas das árvores, andam em casais na companhia de outros pássaros, alimentando-se de insetos e Frutinhas. Seus ninhos, bem escondidos entre os galhos de árvores com grande copa e Feitos com Fibras vegetais, são construídos nas matas ribeirinhas ou cerradões. Nas espécies maiores, o casal constrói o ninho, mas apenas a Fêmea cuida da incubação dos dois ou três ovos. Os Filhotes nidícolas são tratados pelos pais até que aprendam a capturar seu próprio alimento.
  251. 251. Nome vulgar: pitiguari Nome cientíFico: Cyclarhis guianensis cearensis Baird, i866 Comprimento: i50 mm Asa: 75 mm Cauda: 62 mm Bico: i5 mm Tarso: i9 mm ÍP* , i 1°¡ x5* i “ax” . .N “i 'Í'-. :j . l l. ;lx a" t' ' v , l til. v" : 259
  252. 252. Nome vulgar: iuruviara Nome cientíFico: Vireo olivaceus chivi Vieillot, i8i 7 Comprimento: i30 mm Asa: 73 mm Cauda: 52 mm Bico: i3 mm Tarso: i6 mm un'. mim t¡ . 't , v l , v›_«. _nu 5.” l vm i0 0'¡ ao 3.4-**
  253. 253. Nome vulgar: vite-vite-de-cabeça-cinza Nome cientíFico: Hylophilus pecforalis Sclater, i866 Comprimento: i i4 mm _ Asa: 60 mm ê~ Cauda: 42 mm Ç Bico: i0 mm Tarso: i7 mm
  254. 254. 262 Família: Icteridae De maneiras engraçadas, belos canto e plumagem e com capacidade de imitar outras aves ou, até mesmo, o assovio humano, os populares icterídeos têm pés Fortes e bico direto e pontiaguda. Vivem nas matas e, principalemente, nos campos, clareiras e margens de rios. Onivoros, comem de tudo mas, principalmente, Frutas e sementes. São particularmente sociáveis, até no tempo da procriação. Os iapiins constroem seus ninhos em grande número, pendurados na mesma árvore e próximos aos ninhos de marimbondos, buscando, assim, proteção e alimento (larvas) para os Filhotes. Já os melros e algumas espécies do gênero Molothrus são parasitas, pondo ovos em ninhos de outros pássaros.
  255. 255. Nome vulgar: iapiim-xexéu Nome cientíFico: Cacicus cela cela Linnaeus, i758 Comprimento: 278 mm Asa: i55 mm Cauda: iO6 mm Bico: 30 mm Tarso: 30 mm c. . , ñ Li Fi t* . v. L ; ñ FI / . , I F à. . / / / V / . «29 . w __ . WI, ( , Z, -l 1,. ' z x. É g a _ A . rff _cu _ _ . ._, ___. .._ ~ ~ Í,
  256. 256. Nome vulgar: iapiim-guaxe Nome cientíFico: Cacicus haemorrhous affinis Swainson, i834 Comprimento: 285 mm Asa: i8O mm Cauda: i i0 mm Bico: 37 mm Tarso: 30 mm a? ,
  257. 257. Nome vulgar: chopim-gaudério Nome cientíFico: Molothrus bonariensis bonariensis Gmelin, i789 Comprimento: 220 mm Asa: i i5 mm Cauda: 80 mm g Bico: i7 mm v i Tarso: 25 mm
  258. 258. nu num ÓAA Nome vulgar: iapu-preto Nome cientíFico: Psarocolius decumanus maculosus Chapman, i92O Comprimento: 4i 0 mm Asa: 220 mm Cauda: i85 mm Bico: 22 mm Tarso: 47 mm
  259. 259. Nome vulgar: pássaro-preto Nome cientíFico: Gnorimopsar chop¡ chop¡ Vieillot, i8i 9 Comprimento: 230 mm Asa: i25 mm Cauda: 90 mm Bico: 55 mm Tarso: 27 mm
  260. 260. Nome vulgar: encontro Nome cientíFico: lcterus cayanensis valencio-bueno¡ lhering, i902 Comprimento: i86 mm Asa: i00 mm Cauda: i0i mm Bico: i7 mm Tarso: 20 mm ? AR
  261. 261. Nome vulgar: polícia-inglesa-do-norte Nome cientíFico: Sturnella m ilitaris superciliaris Bonaparte, i85O Comprimento: i90 mm Asa: i02 mm Cauda: 62 mm Bico: i9 mm Tarso: 30 mm
  262. 262. Família: Parulidae Todas as espécies desta Família são de pequeno porte e vivem nos breios, matas ciliares, beiras de matas e baixadas. Algumas preFerem o meio das matas úmidas de diFícil acesso ao homem. Geralmente, andam em casais e alimentam-se de insetos, principalmente, e de Frutinhas. Curiosas, logo aparecem ao ouvir qualquer barulho estranho, Fazendo alardes excessivos. Seus ninhos, em Forma de tigela, são quase sempre construídos em moitas baixas, onde criam dois ou três Filhotes nidícolas. 970
  263. 263. Nome vulgar: mariquita-do-sul Nome cientíFico: Parula pitiayumi Vieillot, i8i 7 Comprimento: i00 mm Asa: 53 mm Cauda: 36 mm Bico: ii mm Tarso: i4 mm °*' . ii, ' t  Ji? _i3 v 27i
  264. 264. Nome vulgar: pula-pula-amarelo , Nome cientíFico: Basileuterus flaveolus Baird, i865 . '33 l Comprimento: i4O mm 5:_ ç Asa: 65 mm Cauda: 60 mm Bico: ii mm Tarso: i8 mm 1:, 3 ; É ÍiêÍ?
  265. 265. Nome vulgar: pula-pula-coroado Nome cientíFico: Basileuterus culicívorus aurícapillus Swainson, i837 Comprimento: i30 mm Asa: 58 mm Cauda: 54 mm Bico: ii mm Tarso: i5 mm 2°73
  266. 266. 274 Nome vulgar: pula-pula-pichito Nome cientíFico: Basíleuterus leucophrys Pelzeln, i868 Comprimento: i54 mm Asa: 74 mm Cauda: 70 mm Bico: i4 mm Tarso: 22 mm
  267. 267. Nome vulgar: cambacica Nome cientíFico: Coereba flaveola chloropyga Cabanis, i85i Comprimento: i i0 mm Asa: 60 mm Cauda: 3i mm Bico: ii mm Tarso: i2 mm MK: J-FF c. /FÇJ 'F' 'Fins F5.: T4' . n, '¡ 'Õ', .'I'-”*_~ F gl l^'vài' É: 'rpg _ , x »xi É. J¡ à . v 72o. . l ' Í l I' / z F W I ('›'›i r¡ 275
  268. 268. Nome vulgar: Figuinha-bicuda Nome cientíFico: Conirostrum speciosum speciosum Temminck, i824 Comprimento: i00 mm Asa: 62 mm Cauda: 42 mm Bico: 8 mm Tarso: i4 mm fli' , Mil¡ V kb V. ,, . v . gy-lg u' i' / _, 7, 4 v A" r , Mv v_ Í f / / Í l / ,- J x* f' 276
  269. 269. Família: Tersinidae Único representante desta Família, o saí- andorinha vive no cerrado, não muito longe de rios e córregos. Vive em grandes bandos, onde os adultos ensinam os Filhotes a capturarem insetos e procurarem Frutinhas nas copas Frondosas das árvores mais altas. Na época da procriação, o casal se isola e Faz seu ninho em buracos de barrancos de córregos ou estradas e também em ocos de árvores. Põe três ou quatro ovos, sendo a incubação, que dura i4 clias, Feita somente pela Fêmea. No entanto, os Filhotes nidícolas são alimentados pelo casal. 277
  270. 270. Nome vulgar: saí-andorinha Nome cientíFico: Tersina viridis viridis llliger, i8i i Comprimento: i48 mm Asa: 90 mm Cauda: 56 mm Bico: i0 mm Tarso: i6 mm i W "X, Âx 278
  271. 271. Família: T hraupidae Coloridos e cantores, os membros desta Família vivem nas beiras das matas e córregos, a maioria preFerindo os cerrados e clareiras. Não se importam muito com a proximidade do homem. Porém, quando perseguidos, tornam-se ariscos e desconFíados, Fugindo antes mesmo de serem vistos. Às vezes, agrupam em bandos enormes à procura de comida: Frutas e insetos. Seus ninhos, em Forma de tigela não muito Funda, Ficam escondidos entre as Folhas de árvores baixas e abrigam três ou quatro Filhotes nidícolas. 279
  272. 272. 980 Nome vulgar: sanhaço-cinza Nome cientíFico: Thraupis sayaca sayaca Linnaeus, i766 Comprimento: i70 mm Asa: 90 mm Cauda: 62 mm Bico: i4 mm Tarso: i8 mm . :si: * *Í l. l * ' : n: w. . . .l i . ~. ' lj¡ . , : 754;¡ i __.1'. _ë't~ ' -' ~. às, L l
  273. 273. Nome vulgar: sanhaço-do-coqueiro Nome cientíFico: Thraupis palmarum palmarum Wied, i82i Comprimento: i8O mm Asa: i02 mm Cauda: 80 mm Bico: i4 mm Tarso: 2i mm 28i
  274. 274. Nome vulgar: pipira-vermelha macho Nome cientíFico: Ramphocelus carbo centralis Hellmayr, i92O Comprimento: i8O mm Asa: 85 mm Cauda: 84 mm Bico: i6 mm Tarso: 2i mm ¡› V' i . w __ 'r ', y 5"' . '. . A" f' . .i¡ l - , , .1 J: 'Í , na 'A . (- / Í t". . . 73) ¡ s¡ › . 41,' x3' , p l J_I. v' . i ; ' A l' 282
  275. 275. Nome vulgar: gaturamo-rei Nome cientíFico: Euphonia musica aureata Vieillot, i822 Comprimento: ii2 mm Asa: 65 mm Cauda: 34 mm Bico: 6 mm Tarso: i5 mm 'l i-"z v. " 283 m; -
  276. 276. Nome vulgar: gaturamo-verdadeiro, macho Nome cientíFico: Euphonia violacea violacea Linnaeus, i758 Comprimento: i07 mm Asa: 58 mm Cauda: 29 mm Bico: 9 mm Tarso: i5 mm 284
  277. 277. Nome vulgar: saí-beiia-Flor, macho Nome cientíFico: Cyanerpes cyaneus cyaneus Linnaeus, i766 Comprimento: i30 mm Asa: 64 mm Cauda: 32 mm Bico: i5 mm Tarso: i4 mm 2.85 ~' «zu-x» vuigsm- . .. . V.
  278. 278. '. '› . ›;*'-g›7-. ~f. üx. ã›qgtz ; Tmvfcây Nome vulgar: saí-azul macho Nome cientíFico: Dacnis cayana paraguayensis Chubb, i9i O Comprimento: i2O mm Asa: 73 mm Cauda: 46 mm Bico: ii mm Tarso: i5 mm 286
  279. 279. Nome vulgar: saíra-cabocla macho Nome cientíFico: Tangara cayana chloroptera Vieillot, i8i9 Comprimento: i38 mm Asa: 76 mm Cauda: 55 mm -ñ Bico: ii mm Tarso: i5 mm 287
  280. 280. Nome vulgar: sanhaço-de-Fogo, macho Nome cientíFico: Piranga flava saíra Spix, i825 _l Comprimento: i8O mm V? Asa: i00 mm l Cauda: 82 mm Bico: 20 mm Tarso: 22 mm 288
  281. 281. Nome vulgar: pipira-preta macho Nome cientíFico: Tachyphonus rufus Boddaert, i783 Comprimento: i8O mm Asa: 85 mm Cauda: 75 mm Bico: i8 mm Tarso: 22 mm 289
  282. 282. Nome vulgar: pipira-da-taoca Nome cientíFico: Trichothraupis penicillata albicollis LaFresnaye e d'Orbigny, i 837 Comprimento: i8O mm Asa: 90 mm Cauda: 74 mm Bico: i8 mm Tarso: 20 mm 290
  283. 283. eram Nome vulgar: bandoleta Nome cientíFico: Cypsnagra hirundinacea Lesson, i83i Comprimento: i55 mm Asa: 83 mm Cauda: 65 mm Bico: i3 mm Tarso: 2i mm
  284. 284. 292 ç. : ; l É¡ r ? F i Nome vulgar: saira-de-chapéu-preto macho Nome cientíFico: Nemosia pileata paraguayensis Chubb, i9i 0 Comprimento: i30 mm Asa: 78 mm Cauda: 5i mm Bico: i3 mm Tarso: i9 mm
  285. 285. .. ... __. _.. __. .._~. _.___. _ __. ___. .__. _-_--_---/ --~«---: _- › ›- ---- -vn-wmw--vv-w» - ( '~'-*_'*'*-'**' vii? r 'êãáàíàrigvi 413.3 ' . -' Nome vulgar: saíra-de-papo-preto macho Nome cientíFico: Hemithraupis guira guira Linnaeus, i766 Comprimento: i30 mm Asa: 70 mm Cauda: 56 mm Bico: i2 mm Tarso: i5 mm
  286. 286. Nome vulgar: saíra-canária Nome cientíFico: Thlypopsis sordida sordida LaFresnaye e d'Orbigny, i837 Comprimento: i30 mm Asa: 65 mm Cauda: 53 mm Bico: ii mm Tarso: i6 mm l . : n_ _' / .x V. VII' "i , Iv 'L _f v. " -v " | , w ' , . -u/ t 11.4 . l -› ; ' 7'/ . V¡ _f _, / , 294
  287. 287. .. Y, : ;~3=; D2?J1L8§! z Nome vulgar: tiê-do-cerrado Nome cientíFico: Neothraupis fasciata Lichtenstein, i823 Comprimento: i 70 mm Asa: 73 mm Cauda: 68 mm Bico: i5 mm Tarso: 23 mm
  288. 288. 296 Nome vulgar: tiê-tinga Nome cientíFico: Cissopis leveriana maior Cabanis, i85i Comprimento: 280 mm Asa: i i2 mm Cauda: i37 mm Bico: i7 mm Tarso: 27 mm , rw
  289. 289. Nome vulgar: tiê-veludo Nome cientíFico: Schistochlamys ruficapillus ruficapillus Vieillot, i 8i 7 Comprimento: i70 mm Asa: 75 mm Cauda: 70 mm Bico: i4 mm Tarso: i9 mm 2°97
  290. 290. Nome vulgar: tiê-cinza Nome cientíFico: Schistochlamys melanopis olivina Sclater, i864 Comprimento: i65 mm Asa: 86 mm Cauda: 79 mm Bico: i5 mm Tarso: 23 mm l n_ 'ill . .av-ü 'DOR
  291. 291. Família: Fringíllidae Os maiores cantores alados do Brasil pertencem a esta Família. Vivem nas matas, cerrados, campos, breios e clareiras, alimentando-se, principalmente, de sementes de capim, grãos, Frutas e insetos. São encontrados em bandos pequenos e grandes ou em casais isolados. Fazem seus ninhos, com Formato de tigela, em Forquilhas a pouca altura do chão e criam dois ou três Filhotes nidícolas. 2.99 F
  292. 292. Nome vulgar: campainha-azul macho Nome cientíFico: Porphyrospiza caerulescens Wied, i83O Comprimento: i 37 mm Asa: 65 mm Cauda: 5i mm Bico: i0 mm Tarso: i5 mm 302
  293. 293. Nome vulgar: tiziú macho Nome cientíFico: Volatina iacarina iacarina Linnaeus, i766 Comprimento: i00 mm Asa: 54 mm Cauda: 44 mm Bico: i0 mm Tarso: i4 mm 303
  294. 294. 304 Nome vulgar: bigodinho Nome cientíFico: Sporophila lineola lineola Linnaeus, i758 Comprimento: i O7 mm Asa: 56 mm Cauda: 45 mm Bico: 7 mm Tarso: i3 mm
  295. 295. Nome vulgar: papa-capim-capuchinho Nome cientíFico: Sporophila nigricollis nigricollis Vieillot, i823 Comprimento: ii2 mm Asa: 57 mm Cauda: 46 mm Bico: 9 mm Tarso: 9 mm l 305
  296. 296. Nome vulgar: coleirinha Nome cientíFico: Sporophila caerulescens caerulescens Vieillot, i8i 7 Comprimento: i08 mm Asa: 60 mm Cauda: 46 mm Bico: 7 mm Tarso: i5 mm “N, _vg 7 u * . e q! ¡Fxx 'l ç 5g, ? (433 t '. - *1 «; .a x, . 'V 7 . _ i F Y x 3.( - xi: : › , ç t' , la . ;
  297. 297. Nome vulgar: curió Nome cientíFico: Oryzoborus angolensis angolensis Linnaeus, i766 Comprimento: i30 mm Asa: 63 mm Cauda: 57 mm Bico: ii mm Tarso: i5 mm 307
  298. 298. Nome vulgar: canário-da-terra Nome cientíFico: Sicalis flaveola brasiliensis Gmelin, i789 Comprimento: i4O mm Asa: 75 mm Cauda: 54 mm Bico: i0 mm Tarso: i8 mm 308
  299. 299. Nome vulgar: canário-tipio Nome cientíFico: Sicalis luteola luteiventris Meyen, i834 Comprimento: i2O mm Asa: 7i mm Cauda: 52 mm Bico: 9 mm Tarso: i3 mm _ . , 'J' / n_ i 1 _ 1./ x' 47 í / / i2, f L r . ! f. lr 1 2, . i ' 1' i : l l f. so?
  300. 300. Nome vulgar: mineirinho macho Nome cientíFico: Charitospiza eucosma Oberholser, i905 Comprimento: i i4 mm Asa: 63 mm Cauda: 42 mm Bico: 9 mm Tarso: i 2 mm Riñ
  301. 301. Nome vulgar: tico-tico-rei-vermelho Nome cientíFico: Coryphospingus cucullatus rubescens Swainson, i825 Comprimento: i37 mm Asa: 65 mm Cauda: 57 mm Bico: i0 mm Tarso: i7 mm à A 3ii
  302. 302. 3i2 Nome vulgar: tico-tico-da-mata macho Nome cientíFico: Arremon taciturnus tacifurnus Hermann, i783 Comprimento: i43 mm Asa: 75 mm Cauda: 59 mm Bico: i4 mm Tarso: 2i mm
  303. 303. 313 is humeralis Bosc, i 792 ar tico-tico-do-campo íF¡co: Myospiza humeral Nome vulg Nome cien Comprimento: i30 mm Asa: 60 mm Cauda: 47 mm Bico: 9 mm Tarso: i7 mm
  304. 304. Nome vulgar: tico-tico-verdadeiro Nome cientíFico: Zonotrichia capensis matutino Lichtenstein, i822 Comprimento: i37 mm Asa: 65 mm Cauda: 56 mm Bico: i2 mm Tarso: i7 mm 'JT/ I

×