Fazenda Kirei - Ao gosto do Freguês

455 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
455
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fazenda Kirei - Ao gosto do Freguês

  1. 1. Criação | Qualidade Ao gosto do freguês Combinação de técnicas leva fazenda a aproveitamento ótimo na oferta de novilhas em programa do Carrefour n Ariosto Mesquita de Campo Grande, MS O Fotos Ariosto Mesquita pecuarista Carlos Alberto Loeff, dono da Fazenda Kirei, de Paraíso das Águas, região norte do Mato Grosso do Sul, conseguiu um feito extraordinário. Por dois anos consecutivos, ele foi classificado como o melhor fornecedor de novilhas, na categoria acima de 500 cabeças, para o Programa Garantia de Origem (GO) da rede de hipermercados francesa Carrefour. Simplesmente 99% dos animais entregues para abate (624 em 2011 e 504 em 2012) obtiveram classificação dentro do programa. Qual seria a receita para tal desempenho? Afinal de contas, o Garantia de Origem é um selo de expressão no mercado brasileiro, criado pela rede há mais de 10 anos e que certifica a qualidade e a segurança dos alimentos ofertados em suas lojas. Para a classificação são avaliados itens como acabamento, idade, sanidade, alimentação e manejo. Carlos Alberto Loeff, o “Peco”: olho bom para comprar e apoio técnico para entregar produto adequado. 82 DBO novembro 2013 Milheto e capim sudão dão conta de novilhas e vacas Novilhas da Fazenda Kirei, em Paraíso das Águas, MS: boa conformação e bom acabamento. Ao contrário do que se possa imaginar num primeiro momento, Peco, como Loeff é conhecido, não é um selecionador, um estudioso de cruzamentos, um criador meticuloso. Com um rebanho que gira em torno de 1.800 cabeças, ele faz recria e engorda de gado Nelore e cruzados e seu critério de aquisição é a oportunidade. “Se o animal me parece em ordem e com preço bom, levo de bezerra a vaca parida. O que estiver em conta eu compro”, afirma ele, que manda para abate entre 800 e 1.100 cabeças/ano. Sua vantagem é estar a pouco mais de 100 km de Camapuã, desde 2008 considerada a “capital do bezerro de qualidade” do Mato Grosso do Sul. Mas também compra animais jovens de propriedades próximas à sua, no município de Costa Rica. Condição também desfrutada por boa parte dos mais de 100 pecuaristas que integram a Associação de Novilho Precoce do MS, escolhida pelo Carrefour para ser parceira no projeto Garantia de Origem. Além do olho do dono e da qualidade adquirida, o segredo está na alimentação caprichada. Pasto mais produtivo – Depois de um primeiro ano (2010) com resultado pífio – não conseguiu boa terminação nem cobertura de gordura adequadas –, Peco focou seu trabalho na alimentação e atacou em duas frentes: conseguir pastos de melhor qualidade e dar uma suplementação reforçada para o gado. Para a primeira tarefa, buscou ajuda dos técnicos da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Chapadão (Fundação Chapadão). O objetivo: incrementar a produção de capim de qualidade a partir da integração lavoura-pecuária, técnica que a Kirei adotou em 2009 (desde 2005 já cultivava soja). Depois, investiu em suplementação, tanto nas águas quanto na seca, tomando o cuidado para que o animal não reduzisse o consumo de capim. Com 2.000 ha de área total, a Fazenda Kirei reserva 1.060 ha para lavoura,
  2. 2. O que a Fazenda Kirei conseguiu nos últimos dois anos: 99% de classificação na categoria acima de 500 novilhas no Programa Garantia de Origem do Carrefour; Premissas: idade entre 20 a 30 meses; acabamento de gordura entre 3 e 10 mm; peso acima de 12@. lária consorciada com nabo forraMS geiro. “A primeira é utilizada para controle de nematoiCampo Grande des e para dar suporte de nitrogênio à terra. O nabo, com sua raiz tuberosa, auxilia na descompactação do solo”, explica Marcelo Arf. Bonificação: Novilha de 12 a 13@ = preço vaca (cotação Cepea Campo Grande) mais 2%; Novilha 13 a 15@ = média de preços boi e vaca ou preço vaca mais 6%; Novilha acima de 15@ acima = preço boi 380 ha para pastagem, 160 ha para reflorestamento e 400 ha para reserva legal. O sistema funciona em rotação. O ciclo da soja acontece no período das águas (outubro a abril), por um período de três a quatro anos; nos dois anos seguintes, uma área equivalente à da pastagem é ocupada pelo gado, retornando depois com a soja, de forma a se ter pasto novo todos os anos. “Além de adubação da área de soja com fósforo e potássio, aplicamos também calcário e gesso, para permitir o aprofundamento radicular, uma vez que temos de trabalhar com a previsão de veranicos que podem durar entre 10 e 20 dias”, informa o engenheiro agrônomo Marcelo Arf, pesquisador da Fundação Chapadão. Peco constata o fôlego que a integração dá à pecuária, através da elevação da fertilidade do solo, via adubação residual da soja: “No primeiro ano de pasto a lotação fica entre 8 e 9 cabeças por hectare; no segundo, cai para em torno de 5 cabeças/ha”. Quando o gado se instala na área, o sistema de pastejo é o rotacionado, com subdivisão, com cerca elétrica, de cada 100 ha em oito piquetes. Periodicamente, 600 ha da área reservada para a soja recebem o consórcio de capim sudão com braquiária ruziziensis e, eventualmente, milheto, enquanto os 400 hectares restantes ainda recebem um “reforço” com o plantio, durante um ciclo, em alguns talhões, de crota- Paraíso das Águas Com uma pastagem revigorada pela adubação residual da soja, restou para a Fazenda Kirei cuidar do acabamento das novilhas, tarefa que exigiu um trato extra através da suplementação mineral. Com um detalhe: sem redução no consumo de capim. Para tanto, Peco contou com a assessoria da empresa Cerrado Alimentação Animal, de Chapadão do Sul, que estabeleceu o fornecimento de suplemento proteinado de baixo consumo para as fêmeas na fase de recria-engorda, durante um período de sete a nove meses (águas e seca), e outro de proteinado-energético de alto consumo para animais em acabamento, durante um período de 60 a 90 dias, também envolvendo águas e seca, mas com variação no teor de proteína bruta, de acordo com o período (veja tabela da pág. 84). Os suplementos são ofertados aos animais na pastagem, em cochos plásticos Suplemento é complemento – Rentabilidade competitiva Custos/ cabeça/ano (em R$) Aquisição de bezerros 715,00 Suplementação 111,50 Pastagem 153,00 Manejo (1) 133,20 Custo Total 397,70 (1) considera custos com mão de obra, medicamentos e outros. Receita Ganho de peso (1) 201,6 kg/cabeça lotação 5 cabeças/ha Produção 34,94@/ha Receita do ganho R$ 3.144,50 Custo total por hectare (2) Lucro do sistema R$ 1.988,50 R$ 1.156,00/ha (1) média de 560 gramas/dia em 360 dias; (2) com lotação de 5 cabeças/ha. Fonte: Cerrado Alimentação Animal DBO novembro 2013 83
  3. 3. Criação | Qualidade Fase Época Custos da suplementação mineral Produto Consumo (1) Custo (2) Recria/engorda 240-270 dias Águas Proteinado baixo consumo (3) 25 a 30 g 4,00 Seca Proteinado baixo consumo (4) 25 a 30 g 4,21 Acabamento 60-90 dias Águas Proteinado alto consumo (5) 250 a 300 g 25,65 Seca Proteinado alto consumo (6) 250 a 300 g 28,05 Por cabeça = R$ 111,50 (7) (1 )Por 100 kg peso vivo; (2) em R$/cabeça/mês; (3) com 25% de proteína bruta; (4) com 45% de proteína bruta; (5) suplemento proteico-energético com 20% de proteína bruta; (6) suplemento proteico-energético com 25% de proteína bruta; (7) média ponderada por cabeça/ano, que considera o equivalente a 11 meses de consumo (8,5 na recriaengorda e 2,5 no acabamento). Operacional (1) Custos da pastagem (em R$/ha/ano) Semente (2) Outros (3) Terra (4) Total (5) 42,80 92,00 660,00 729,80 15,00 Por cabeça = R$ 153,00 (6) (1) tratos culturais para o plantio; (2) custo de aquisição; (3) manutenção de cerca elétrica, aguadas e cochos de sal; (4) custo-oportunidade de um arrendamento na região, tendo como base o equivalente a 12 sacas de soja (R$ 55,00/ sc) por hectare; (5) considera uso da pastagem por dois anos, sendo o custo operacional e o de semente apenas no primeiro ano; (6) considera lotação de 5 cabeças/ha. Fonte: Cerrado Alimentação Animal tipo bombona. Segundo Airton Felini de Aguiar, diretor da Cerrado e responsável pelo acompanhamento do manejo nutricional da Kirei, o suplemento de alto consumo é o trunfo para o acabamento adequado das fêmeas, uma vez que aumenta Milheto com braquiária ruziziensis também entra no cardápio reforçado 84 DBO novembro 2013 a ingestão de energia mas mantém o mesmo volume de consumo de volumoso da pastagem. “O suplemento não permite que o animal se sacie e deixe o pasto. Isso é o que diferencia este sistema do semiconfinamento, onde o gado acaba comendo menos capim, pela maior preferência pela ração”, explica. Pelos cálculos da Cerrado, as fêmeas entram no sistema de suplementação com 220 kg de peso vivo, ganhando em média 560 gramas/dia, o que permite que sejam terminadas um ano depois com peso médio de 421 kg (14,6@, rendimento de carcaça de 52%). O custo compensa largamente o investimento. Incluindo custos operacionais com a pastagem e com mão de obra, a nutrição demanda R$ 398,00 por animal/ano, ante uma receita de R$ 621,00 (6,9@ produzidas no mesmo período, cotadas a R$ 90,00/@). Como consegue colocar até cinco novilhas por hectare, a Kirei projeta para 2013 um lucro excepcional na casa dos R$ 1.000,00/hectare, bem próximo do da soja, que, cotada a R$ 55,00 a saca lhe rende R$ 1.400/ha. Por essas razões é que a Fazenda Kirei tornou-se referência na região. Segundo Marcelo Arf, da Fundação Chapadão, ela é hoje uma vitrine para as demais propriedades do leste e nordeste do Mato Proteinado de alto consumo na seca: trunfo para o acabamento de gordura desejado. Grosso do Sul. Confirmação disso foi a presença de mais de 100 pessoas no último dia de campo realizado na propriedade, em 26 de fevereiro deste ano. Além de pastos recuperados com a integração lavoura-pecuária, os visitantes também puderam ver projeto de silvicultura e conceitos de agricultura de precisão ali utilizados no manejo da soja. “Instalamos esse conceito em 28.000 ha da região nesta última safra”, informa Arf, explicando que, por ele, cada setor de plantio da fazenda recebe a quantidade de fertilizante adequada ao perfil do solo, evitando-se, assim, desperdícios. Para Alexandre Scaff Raffi, presidente da Novilho MS, o fato de Peco adquirir animais baseado fundamentalmente em oportunidade reflete uma tendência natural de invernistas que hoje tentam ganhar tanto na compra como na venda. “O mais importante, no caso dele, é o sistema de produção baseado na ILP, uma vez que consegue colocar à disposição do animal um capim de excelente qualidade, a um custo muito baixo, uma vez que a soja paga a conta”, comenta. Satisfeito com os resultados obtidos, Peco garante, porém, que não trabalha para ganhar prêmios e sim para fechar negócios. Além fornecer mais de 500 animais/ano para o programa do Carrefour, também entrega novilhas e vacas pesadas para o JBS, na mesma proporção. n

×