Especial A nova fronteira agrícola Parte I

A epopéia de um pioneiro
A história do homem que transformou o “esquecido” mun...
Fotos: Ariosto Mesquita

lavouras também nos municípios
vizinhos de Redenção, Cumaru do
Norte e Santa Maria das Barreiras....
Especial
Schlatter pagou 500 reais por hectare em 2002, quando chegou
a Santana do Araguaia, 5% do preço em Chapadão do Su...
Área de soja
da fazenda Santana
Rios, com o seringal
ao fundo

brás, Manah e Volkswagen, entre
outras – passaram a ser don...
Especial

Estrutura de
armazenagem
de grãos recémampliada em
Santana do
Araguaia para a
safra 2013/14.

Surpresa escondida...
No verão, ocupou 100% da área
com soja (média de 55 sacas/ha).
No inverno, metade com milho
(média de 110 sacas/ha) e o re...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A nova fronteira agrícola

2.683 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
139
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A nova fronteira agrícola

  1. 1. Especial A nova fronteira agrícola Parte I A epopéia de um pioneiro A história do homem que transformou o “esquecido” município de Santana do Araguaia (PA) no mais novo celeiro agrícola do Brasil Ariosto Mesquita Q uando, em 2002, o agricultor paranaense Rodolfo Schlatter comprou 17 mil hectares de terras degradadas no vale do Araguaia, no sudeste do estado do Pará, e decidiu abrir 500 hectares para o cultivo de soja, foi visto por boa parte dos moradores locais como um visionário, idealista ou utópico. Na época, era difícil imaginar que alguém em sã consciência acreditasse ser possível que aquela “tal da soja” pudesse vingar ali. Justamente em áreas carregadas de cascalho, abertas para pastagens naquela que era considerada terra 28 | Agro DBO - fevereiro 2014 de extração de madeira e de pecuária extensiva de corte, com enormes fazendas de gado. O tempo acabou mostrando que o “visionário” apostou certo. Mais do que isso. Seu pioneirismo acabou sendo a semente da mais nova fronteira agrícola brasileira, sucedendo as áreas agricultáveis do chamado Mapitoba (Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia), que até então detinham este título. Suas terras (a Fazenda Santana Rios) ficam na “capital” desta nova frente agrícola: Santana do Araguaia, município de 11.591,5 km2 (1.159.150 hectares), situado no extremo sudeste do Pará, na divisa com Mato Grosso, separado do estado do Tocantins pelo rio Araguaia. Não foram poucas, as dificuldades. Tanto é que muitas delas ainda perduram. A região, segundo a Secretária Municipal de Agricultura, Franciele Abreu Lemos Brandão, apresenta logística precária, escassa mão de obra e dificuldade de crédito. “Santana do Araguaia sempre foi considerado o último município do estado, o mais esquecido de todos”. Mesmo assim, a influência do recente ‘boom’ agrícola vem, aos poucos, estimulando a abertura de novas
  2. 2. Fotos: Ariosto Mesquita lavouras também nos municípios vizinhos de Redenção, Cumaru do Norte e Santa Maria das Barreiras. Expansão vertiginosa A estimativa do Sindicato Rural de Santana do Araguaia é de que a agricultura ocupe hoje 60 mil hectares de seu território e produza 162 mil toneladas de grãos. A área é considerável, levando-se em conta a estimativa de um total de 80 mil hectares plantados atualmente neste canto do Pará em duas safras anuais distintas: a primeira, quase sempre com soja de verão e a segunda, com milho ou culturas de cobertura no inverno. Também é possível ver algumas áreas cultivadas com arroz. Considerando estes números (e os primeiros 500 hectares de Schlatter), a expansão da área cultivada na região em 12 anos foi gigantesca: perto de 12.000%. Pelo que a Agro DBO constatou, esta expansão agrícola está só no começo. Santana está atraindo agricultores de várias regiões do país, sobretudo de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná, sequiosos por adquirir terras baratas para plantio. A estratégia deles é quase sempre a mesma: donos de terras bastante valorizadas em polos agrícolas nacionais – como o médio norte de Mato Grosso ou a região dos Chapadões em Mato Grosso do Sul e Goiás –, eles vendem pequenas áreas nas regiões de origem e, com o dinheiro obtido, compram terras mais baratas e, frequentemente, 10 vezes mais extensas em Santana do Araguaia, em sua maioria formadas por talhões degradados, utilizados até então como pastagens para o gado. A partir daí começa o gradual processo de abertura de parcelas para a agricultura. Mais de 30 anos depois, se repetem, com novos cenários e atores, os procedimentos adotados pelos produtores rurais oriundos do Sul do Brasil na abertura das áreas agrícolas do Centro-Oeste do país. Este movimento convergente de migração está promovendo um crescimento em ritmo acelerado das terras cultivadas no Vale do Araguaia. A Semagri – Secretaria Municipal de Agricultura de Santana do Araguaia, estima A ousadia de Schlatter foi recompensada: a agricultura ocupa atualmente 60 mil hectares em Santana do Araguaia. Localização espacial do município de Santana do Araguaia que a área plantada com soja tenha aumentado 75% entre a safra passada e a atual. A bovinocultura de corte continua sendo a principal força econômica da região, mas a mudança é visível nos campos. Ao longo da BR-158, que cruza o município, já é possível ver diversos estágios de transformação de áreas de pastagens em espaço para lavoura. Mesmo convicto, desde o início, de que a região seria propícia para agricultura, Rodolfo Schlatter não escapou de pagar o preço do pioneirismo. No início da década de 1980, ele cultivava 50 hectares de lavouras (30 de soja e 20 de algodão) em Itambé (PR), onde nasceu. Em 1983, tomou a decisão de Patrocínio fevereiro 2014 - Agro DBO | 29
  3. 3. Especial Schlatter pagou 500 reais por hectare em 2002, quando chegou a Santana do Araguaia, 5% do preço em Chapadão do Sul (MS). se mudar para Chapadão do Sul, no Mato Grosso do Sul. “Arrendei terra e fui comprando devagarzinho”, conta. Em 2002, consolidou ali área própria de 4 mil hectares. Até hoje faz bons negócios com a agricultura na região dos Chapadões e, mesmo alçando novos voos no Vale do Araguaia, faz questão de manter a base de seus negócios, e não abre mão de morar no Mato Grosso do Sul. Na safra 2012/13, além de seus 4 mil/ ha, cultivou mais 1,3 mil/ha em parceria/arrendamento em duas safras: verão (100% soja) e inverno (70% milho e 30% milheto). A produtividade obtida com a oleaginosa foi de 60 sacas/ha. Já o milho segunda safra atingiu 120 sacas. Então, em 2002, sem perspectivas de ampliação dos negócios na região, Schlatter decidiu conhecer o sul do Pará. “Tinha notícias desta fronteira norte no Vale do Araguaia e resolvi ver como era”, conta. As extensas áreas de pas- Uma história de fé e coragem Primeira “casa” (1968) e núcleo urbano de Campo Alegre (1980), em fotos reproduzidas do livro “História de Santana do Araguaia-PA”, de Henrique Vita. A história de Santana do Araguaia tem raiz na década de 1960, quando o grupo econômico Cetenco adquiriu 130 mil hectares no vale do rio Campo Alegre, com financiamento da Sudam. Surgia, em 1967, a Cia. Industrial e Agropastoril Vale do Rio Campo Alegre. Na época, outros grupos investiam em grandes fazendas na região (nordeste do Mato Grosso e sul/sudeste do Pará), como a Santa Fé (Caterpillar), Rio Cristalino (Volkswagen), Fartura (Supergasbrás), Codespar (Lunardelli) e Rio Dourado (Atlântica-Boa Vista Seguros). Em 1969, pelo menos 30 projetos pecuários estavam em implantação, somando perto de 20 mil cabeças de gado, todos 30 | Agro DBO - fevereiro 2014 sob incentivo do governo federal. Para abertura das fazendas, eram dias de viagens através de picadas e atoleiros em jericos e veículos improvisados, invariavelmente “paco-pacos” – híbridos de trator e caminhonete montados peça por peça. A alimentação era crítica. Em seu livro “História de Santana do Araguaia-PA”, o italiano Henrique Vita, um dos pioneiros da região, conta que, frequentemente, os alimentos eram jogados de avião pela dificuldade de acesso por terra. Ele mesmo teve de enfrentar refeições não convencionais, como “uma panelada de galinha cozida com tripa, cabeça e tudo”. As tempestades e cheias dos rios da região for- tagens degradadas que encontrou são, em grande parte, originárias de projetos de colonização da Sudam – Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia nos anos 60 e 70 do século passado. Na época, o governo federal incentivou as grandes corporações a investir em atividades produtivas na região, concedendo-lhes grandes benefícios. Com isso, conhecidas empresas de capital nacional e estrangeiro – Caterpillar, Supergas- mavam barreiras intransponíveis, ciclones e incêndios destruíram barracos e oficinas. A estrutura de saúde era, obviamente, limitadíssima. “Alguns médicos faziam preces junto ao paciente, antes de operá-lo”, segundo relato de Vita. O município começou a se desenvolver com o surgimento, em 1975, da Campo Alegre Colonizadora Ltda. A política de ocupação previa, entre outras coisas, a concessão de um lote urbano gratuito para quem adquirisse uma área rural. No final dos anos 70 o povoado passou a ser sede do Atlas Frigorífico, do grupo Volkswagen, presidido à época por Wolfgang José Sauer. Considerado à época o maior frigorífico da América do Sul, ajudou a impulsionar a economia local, atraindo migrantes de várias regiões do país. Em 1980, sua população chegava a 12.605 habitantes, pulando para 31.218 em 2000 (dados IBGE). Hoje, o município, com 63 mil habitantes (estimativa IBGE/2013), luta contra os entraves do passado, na esteira do progresso trazido pelos agricultores que, como Rodolfo Schlatter, acreditam em agricultura de alta produtividade.
  4. 4. Área de soja da fazenda Santana Rios, com o seringal ao fundo brás, Manah e Volkswagen, entre outras – passaram a ser donas de grandes extensões de terras, abertas inicialmente para a criação de gado, atividade gradativamente ampliada por quase três décadas. Com o passar dos anos, porém, a “colonização” refluiu, as grandes empresas perderam o interesse pelo negócio, retiraram-se ou delegaram a administração das propriedades a terceiros, abandonando, praticamente, as fazendas de gado. Então os pastos começaram a se degradar. Foi quando Schlatter enxergou a oportunidade, antevendo, inclusive, boas condições de escoamento da produção no futuro. “Vi áreas abandonadas, mas com um asfalto lindo da BR-158 passando em frente das fazendas, rumo ao norte do país. Bastaria jogar a soja no caminhão e viajar 750 quilômetros até Porto Franco, no Maranhão”, conta. Aposta no futuro Schlatter não pensou duas vezes e adquiriu parte das terras da Supergasbrás, os citados 17 mil / ha que compõem hoje a fazenda Santana Rios. “Paguei R$ 500,00/ ha, algo em torno de 5% do preço em Chapadão do Sul”, calcula. Segundo ele, a valorização das terras de lá para cá já justificaria o investimento. “Hoje, o valor do hectare degradado a ser recuperado em Santana do Araguaia já está na faixa dos R$ 6 mil; áreas como as que existem em minha propriedade, prontas para agricultura, devem valer atualmente quase R$ 20 mil/ha”, estima. Quando, em 2002, abriu os primeiros 500 hectares de lavoura na região, não havia armazéns nas redondezas; ele precisava achar um meio de escoar rapidamente a produção. De olho nos preços em Porto Franco, adquiriu nove caminhões. Em abril de 2003, fez a colheita. “A produtividade foi muito fraca, algo entre 35 a 40 sacas/ha, pois ainda estávamos testando variedades de melhor adaptação”. Mesmo assim enviou seus primeiros grãos para Porto Franco, de onde as cargas agrícolas seguem pelo rio Tocantins para terminais de exportação próximos ao Atlântico. Em 2004, a região de Santana ganhou seu primeiro armazém. A logística adotada permitiu que Schlatter fosse remunerado em valores semelhantes aos pagos, na época, em Chapadão do Sul. “Era até ligeiramente superior”, lembra. Com o tempo, no entanto, a remuneração foi recuando, em função do aumento da oferta de soja na região e limitação de embarque de grãos e tráfego por rio a partir de Porto Franco. A viabilização econômica da hidrovia do Tocantins para o transporte de grandes volumes depende, hoje, da execução das obras de derrocamento do Pedral do Lourenço, um trecho acidentado de 43 quilômetros de extensão, que limita a passagem de embarcações de maior capacidade de carga, mesmo no período de chuvas. Estudos socioambientais neste sentido estão em fase de licitação por parte do governo federal. Nos últimos anos, a alternativa vem sendo escoar os grãos em caminhões até o terminal da Ferrovia Norte-Sul em Colinas, no Tocantins. No entanto, o custo do frete não torna os grãos do extremo sudeste do Pará tão Patrocínio fevereiro 2014 - Agro DBO | 31
  5. 5. Especial Estrutura de armazenagem de grãos recémampliada em Santana do Araguaia para a safra 2013/14. Surpresa escondida na mata Quando Rodolfo Schlatter adquiriu as terras do que é hoje a fazenda Santana Rios, ganhou um verdadeiro “presente”: uma parte dela – 60 hectares – não era área de recomposição florestal. Tratava-se de um seringal com 30 mil árvores, grande parte em plena capacidade de produção. Ele não tinha qualquer experiência em heveicultura e extração de látex. No ano seguinte, assim que estabeleceu sua equipe na propriedade, contratou uma assessoria técnica para conduzir o seringal. A empresa auxiliou-o intermediando a contração de mão de obra, a comercialização da borracha e orientando quanto à utilização de defensivos no seringal. Hoje, a atividade é conduzida por seis funcionários, cada qual responsável pela produção de látex em 10 hectares. Todos são registrados em carteira, recebem salário e, como produtividade, 30% da receita obtida com a comercialização da borracha produzida na área a seu encargo. Schlatter fica com os 70% restantes. Ele não esconde que este capão verde lhe dá um excelente retorno. “Com base nas cotações atuais (dezembro/2013), recebo anualmente um valor líquido entre 300 mil e 350 mil reais; este dinheiro entra direto no caixa da fazenda e, com ele, consigo pagar quase todos os meus funcionários”, relata. Este montante equivale a um faturamento de até 5,8 mil reais, algo em torno de 5% de sua renda anual. competitivos. A expectativa de Schlatter é pela ativação, ainda em 2014, do novo terminal portuário da Bunge em Vila do Conde, no município paraense de Barcarena, na região de Belém (distante de Santana aproximadamente 920 km por rodovia). Mesmo com trechos de estradas em estado ainda precário, ele entende que já é possível levar os grãos em caminhões até lá e vender a soja a um preço 5% superior ao que é pago, em média, no Mato Grosso do Sul. “Vila do Conde é terminal mais próximo do Canal do Panamá, por onde produtos seguem rumo à Ásia, e de mais fácil acesso também à Europa”, ressalta. Investimentos pesados Schllater enfrentou muitos percalços até que seus negócios se estabilizassem em Santana do Araguaia. As dificuldades iniciais o levaram a investir muito. Além da compra de 17 mil hectares de terras e da aquisição de nove caminhões, também se viu obrigado a trazer maquinário para a região. “Comprei tratores e colheitadeiras novas para que apresentassem o mínimo de problemas, uma vez que não encontrava peças de reposição por perto e, muito menos, mão de obra mecânica; tudo tinha de vir a partir de Goiânia, em uma distância de 1.234 km por rodovias”. Com estes equipamentos, transformou as terras degradadas em áreas agricultáveis. “Abrimos uma média de 1.000 hectares ao ano. Hoje, temos perto de 11.000 hectares para lavoura”, conta. Na safra 2012/13, ele cultivou 6.300 hectares na fazenda Santana Rios. Patrocínio 32 | Agro DBO - fevereiro 2014
  6. 6. No verão, ocupou 100% da área com soja (média de 55 sacas/ha). No inverno, metade com milho (média de 110 sacas/ha) e o restante, com milheto para cobertura de solo. Além disso, cultiva mais 4.000 hectares (soja e milho) em sistema de arrendamento/parceria na vizinha Fazenda Santa Fé. Hoje, Schlatter tem a companhia de dezenas de outros agricultores e grandes grupos agropecuários que estão investindo em lavouras na região. “No primeiro ano, somente eu plantava, apesar da desconfiança geral, o que era até certo ponto natural; imagine o choque dos moradores de uma região que, por quase 30 anos, viveu do extrativismo de madeira e da pecuária e que se vê, de repente, diante de um sujeito que vem de fora dizendo que agricultura dá certo e tentando mudar as coisas”, observa. Ele não chegou a ser chamado de louco ou coisa parecida (pelo menos publicamente), mas muita gente tentou tirar de sua cabeça a ideia de se cultivar grãos na região. “Várias pessoas alegavam que o clima não era propício e que o lugar era terra de boi; quando fiz uma visita ao frigorífico da cidade (JBS, antigo Atlas), um dos diretores me disse que agricultura era impossível em função do excesso de chuvas no município”, conta. Obviamente, ele conferiu o real perfil climático. Depois de pesquisar históricos de precipitações pluviométricas da Supergasbrás, Arquivo Rodolfo Schlatter Nos primeiros anos, o serviço de saúde era tão precário que o médico costumava rezar com o paciente, antes de operá-lo. Abertura de áreas nos primeiros anos de ocupação da região de Santana do Araguaia viu que não haveria dificuldade alguma neste aspecto. “Analisei o gráfico de chuvas em um período de 25 anos e vi que não havia exagero nenhum. Percebi que as águas chegam nos meses de setembro/outubro e começam a rarear em abril, o que é muito parecido com o ciclo que temos em Chapadão do Sul”, explica. O pioneirismo de Schlatter durou praticamente uma safra – os agricultores que acabaram por se instalar na região preferiram esperar os resultados de sua ousadia. Na safra 2003/4, mais dois produtores chegaram. Na temporada seguinte, já eram cinco. Tudo parecia ir bem, mas em 2005 estourou uma forte crise na agricultura brasileira. Além da queda dos preços internacionais de commodities, os agricultores compraram insumos com dólar valorizado e comercializaram a safra com a situação oposta (real em alta). Como resultado, o preço da soja ficou pressionado. Na região de Santana do Araguaia, a saca de 60 quilos era comercializada a R$ 20,00, o que não cobria o custo de produção. Quem havia apostado, parou de plantar. “Na safra 2005/6, eu estava novamente sozinho depois de quatro anos cultivando grãos na região. Sabia que se conseguisse superar as dificuldades daquele ano, o mercado voltaria a reagir. Foi difícil, mas alguma coisa me dizia pra não desistir”, ressalta. Sob olhares incrédulos, Schlatter mergulhou no plantio de soja nos meses de outubro, novembro e dezembro de 2005. Quem acompanhava de perto era o produtor Dirceu Flumian, o segundo a cultivar grãos na região. “Em fevereiro de 2006, ele viu que eu já estava colhendo com bons resultados e, neste mesmo mês, decidiu investir na segunda safra, plantando um pedaço de terra com milho; quando colheu e ganhou dinheiro, voltou a apostar em soja na safra 2006/7; dai em diante vieram novos produtores e grandes grupos e a coisa só tem crescido”, resume. Confira nas próximas edições: O • plantio de soja no cascalho; chegada de •A pesquisadores; • Novos grupos e agricultores; Os desafios • estruturais, urbanos e sociais. • Projeções de crescimento na nova fronteira agrícola; A migração • de mão-de-obra especia­lizada; Santana do Araguaia: • as mudanças em uma “terra sem lei”; fevereiro 2014 - Agro DBO | 33

×