Formulação de problemas de pesquisa em psicologia

1.605 visualizações

Publicada em

O que é um problema de pesquisa? Como formular um bom problema de pesquisa? Será que eles aparecem do nada? Ou será que eles nascem de uma fonte de criatividade que poucas pessoas têm acesso?

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.605
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formulação de problemas de pesquisa em psicologia

  1. 1. FORMULAÇÃO DE PROBLEMAS DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Professor: Diego Fernandes Souza
  2. 2. LEIS FUNDAMENTAIS 1. Em geral não se faz pesquisa da maneira pela qual os que escrevem livros sobre pesquisa dizem que elas são feitas. 2. As coisas levam mais tempo do que se supõe.
  3. 3. CIÊNCIA E “CONFUSÃO”  “Bastante curioso é que uma das características dos cientistas e de seus trabalhos seja a confusão, quase a desordem. (...) Mas ao conversar com um cientista logo se verá que suas ideias não estão tão bem ordenadas. O cientista aprecia a discussão, mas não pensa sempre com esquemas coerentes e completos tais como os que são usados pelos filósofos, juristas e clérigos.”
  4. 4. CIÊNCIA E CONFUSÃO  Isso pode divertir.  Importância dos alunos.  Miopia da Hipótese: distúrbio de visão. Uma incapacidade de ver longe ao pesquisar, devido às ideias pré-concebidas.  Exemplo: Galileu e as manchas do Sol.
  5. 5. MOTIVAÇÃO PARA A PESQUISA  Curiosidade: “A Satisfação da própria curiosidade é uma das maiores fontes de felicidade da vida”  De onde mais?  Senso Comum.  Observação do Mundo ao nosso Redor.  Teorias já existentes: como isso nos modifica?  Pesquisas anteriores.  Problemas Práticos
  6. 6. SENSO COMUM  Partimos das coisas que consideramos verdadeiras.  Os opostos se atraem? Os pais que não batem estragam as crianças?  Testar e “desvendar alguns mitos”.
  7. 7. OBSERVAÇÃO DO MUNDO AO REDOR  Curiosidade despertada por suas observações e experiências pode levar a formulação de perguntas sobre fenômenos de todo tipo.  Guardar as coisas em locais especiais é uma boa ideia? Pelo jeito não...  Motivos: 1. Consideram o local pouco provável. 2. Consideram a memorização óbvia.  Exemplo da letra de rock/rap/country.
  8. 8. OBSERVAÇÃO DO MUNDO AO REDOR  Vocês têm alguma curiosidade?  Descoberta Acidental. Pavlov.
  9. 9. TEORIAS  Têm 2 funções: 1. Organizar e explicar uma diversidade de fatos. Eles não são significativos em si e há a necessidade de um referencial teórico para estruturá-los. 2. Gerar Conhecimentos Novos, guiando nossas observações do mundo. A teoria gera hipóteses. Teoria do Investimento Parental.
  10. 10. PESQUISAS ANTERIORES  Pesquisas anteriores fornecem direcionamentos e possibilidade de ampliar o que já foi estudando.  Hábito de beber dos universitários? (Geller et al., 1986) 1. Estudantes bebem mais se compram canecas do que garrafas. 2. Homens bebem mais do que mulheres. 3. Bebem mais quando estão em grupo. 4. Mulheres ficam mais tempo no bar.  E vocês? Observar método, outras variáveis,
  11. 11. PROBLEMAS PRÁTICOS  Simples: temos o problema e vamos analisar como resolvê-lo.
  12. 12. EU PRECISO TER PROBLEMA?
  13. 13. ALGUNS REQUISITOS PARA UMA PESQUISA Problema Info. Necessárias Melhores Fontes Definição de Ações Sistema de Tratamento Teoria Produção de Respostas Indicar Grau de Confiabilidade Generalização?
  14. 14. SEM PROBLEMA?  O problema precisa existir, mesmo que sob a forma de uma mera curiosidade, para dirigir o trabalho de coleta de informações e, posteriormente, para organizá-las.  Basta ter um problema vago?
  15. 15. CLAREZA  Passo fundamental dentro do processo de pesquisar. As demais decisões a serem tomadas pelo pesquisador dependerão da formulação do problema.
  16. 16. RISCOS E CONFUSÕES  Ponto de Partida: definição imprecisa.  “Quero pesquisar sobre o Amor”
  17. 17. RISCOS E CONFUSÕES  Área (Psicologia Social, Organizacional, Clínica)  Tema  Título: por mais informativo que seja, raramente ele se constitui em uma boa formulação de problema  Sujeito (estudantes universitários, pais de adolescentes grávidas, etc)  Instituição.
  18. 18. HIPÓTESE VS PROBLEMA DE PESQUISA  Hipótese: suposição quanto aos possíveis resultados a serem obtidos. Uma aposta.  Quase inevitáveis!  Durante muitos anos: hipótese = pesquisa quantitativa.  A hipótese é o que deriva do nosso problema de pesquisa.
  19. 19. PROBLEMA DE PESQUISA E OBJETIVO DE PESQUISA.  Objetivos coincidem com o Problema (assim esperado). Mas não são o problema.  Pode servir para chamar atenção para a relevância da pesquisa.  Contribuir...  Chamar atenção...  Esclarecer...
  20. 20. FATORES RELEVANTES PARA FORMULAÇÃO  Relevância e Originalidade  Medo / Receio
  21. 21. EXEMPLO DE PESQUISAS - IGNOBEL  Física - Concedido a Kiyoshi Mabuchi, Kensei Tanaka, Daichi Uchijima e Rina Sakai por terem estudado as propriedades de deslizamento de uma casca de banana.  Psicologia - Peter K. Jonason, Amy Jones e Minna Lyons descobriram que notívagos, pessoas que se sentem mais ativas durante a noite, são mais manipuladoras e têm uma tendência maior à psicopatia.
  22. 22. EXEMPLO DE PESQUISAS - IGNOBEL  Saúde pública - Os cientistas Jaroslav Flegr, Jan Havlicek, Jitka Hanusova-Lindova, David Hanauer, Naren Ramakrishnan e Lisa Seyfried foram premiados por avaliar se ter um gato poderia causar danos à saúde mental das pessoas.  Biologia - Vlastimil Hart, Petra Novakova, Erich Pascal Malkemper, Sabine Begall, Vladimir Hanzal, Milos Jezek, Tomas Kusta, Veronika Nemcova, Jana Adamkova, Katerina Benediktova, Jaroslav Cerveny e Hynek Burda (sim, toda essa galera) foram premiados por descobrir que, na hora de fazer o número dois, cães alinham seus corpos de acordo com o campo magnético da Terra.
  23. 23. EXEMPLO DE PESQUISAS - IGNOBEL  Arte - Marina de Tommaso, Michele Sardaro e Paolo Livrea apontaram um laser para a mão de pessoas olhando para pinturas - a ideia era medir se a quantidade de dor que elas sentem durante esse processo era alterada caso a "arte" fosse bonita, neutra ou feia.  Economia - O prêmio foi concedido ao Instituto Nacional de Estatística da Itália que, para cumprir a determinação da União Europeia de aumentar sua receita nacional, incluiu dados de prostituição, contrabando, venda de drogas e outras atividades ilícitas do país, em sua receita.
  24. 24. EXEMPLO DE PESQUISAS - IGNOBEL  Ciência Ártica - Eigil Reimers e Sindre Eftestol levaram o prêmio por estudarem como renas reagiam a humanos fantasiados de urso polar.  Nutrição - Raquel Rubio, Anna Jofra, Belen Martin, Teresa Aymerich e Margarita Garriga colocaram bactérias vindas de fezes de bebês em alimentos. A ideia era estudar o potencial probiótico desses organismos.
  25. 25. RELEVÂNCIA E ORIGINALIDADE  Relevância Teórica e Relevância Social.  Não saber responder pela relevância de uma pesquisa x Esperar que os resultados sejam definitivos em relação a problemas seculares.  Repisar o que muitos já disseram x Imobilizar-se à procura do absolutamente original.
  26. 26. RELEVÂNCIA E ORIGINALIDADE  A solução de grandes problemas - nas ciências sociais como nas humanas - se dá como trabalho de criação coletiva, e em um espaço de tempo que ultrapassa em muito aquele de um projeto individual de pesquisa.
  27. 27. IDEIA GRANDIOSA?  Projeto de pesquisa vs Programa de Pesquisa  Um bom conselho é o seguinte: se você pretende continuar pesquisando o assunto, não precisa se envolver em um projeto único tão ambicioso; por outro lado, se não pretende, aí que não faz mesmo sentido formulá-lo desta maneira.  Relevância não é Sinônimo de Grandiosidade
  28. 28. DETALHAMENTO DO PROBLEMA  "Diego, como eu faço? Eu quero pesquisar tanto sobre o amor! Afinal, para mim ele é o sentimento mais lindo que existe!"
  29. 29. DETALHAMENTO DO PROBLEMA  Calma...  Destrinchar a formulação inicial.  Destacando as respostas que gostaria de obter.
  30. 30. DETALHAMENTO DO PROBLEMA  Perguntas Claras.  "Que transformações ocorreram no conceito de "amor de mãe" desde que ele foi cunhado e quais as possíveis implicações delas para o sentimento de culpa de novas mães"
  31. 31. IMPORTÂNCIA?  Maior clareza;  Servir de guia para a tomada de decisões importantes na condução da pesquisa;
  32. 32. CUIDADOS EXTRAS  Definição clara das Palavras. Exemplo: Lua  Cotidiano: um corpo redondo e pesado que gira ao redor da terra, que reflete a luz solar e torna-se cheio uma vez por mês.  Poético: uma esfera prateada e resplandecente que se destaca do negro manto do céu.  Científico: um corpo pesado, um satélite do planeta terra (o terceiro planeta do sistema solar) em torno do qual desenvolve uma órbita de 28 dias, situando-se a aproximadamente 384.000 quilômetros da terra; com um diâmetro aproximado de 3.477 quilômetros e que reflete a luz solar”.
  33. 33. CUIDADOS EXTRAS  Defina, pelo menos, o que você entende pelos principais termos da sua pesquisa.  O detalhamento de um problema de pesquisa é um processo relativamente aberto. Diferente de uma camisa de força.  Esteja sensível a realidade que será confrontada.
  34. 34. E AÍ VOCÊ RESOLVEU PESQUISAR.  E encontrou artigos científicos. De onde eles vêm? Para onde eles vão? Como entendê-los?  Vamos dissecá-los!
  35. 35. ARTIGO  Resumo.  Introdução.  Método.  Resultados.  Discussão
  36. 36. BOA PESQUISA!

×