Encontros iniciais – parte 1

456 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre os encontros iniciais na clínica analítico-comportamental

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
456
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Encontros iniciais – parte 1

  1. 1. ENCONTROS INICIAIS – PARTE 1 •Professor: Msc. Diego Fernandes Souza
  2. 2. ENCONTROS INICIAIS •Apresentação do clínico •Contrato •Estrutura dos encontros iniciais na clínica analítico- comportamental
  3. 3. A PRIMEIRA IMPRESSÃO É A QUE FICA?  Não é a primeira impressão a que fica. É a última. Apenas certifique-se de que a primeira não seja a última. (Aldo Novak)
  4. 4. OBJETIVO DA AULA  Tratar de aspectos que contribuem para o bom andamento dos encontros iniciais.
  5. 5. O CONTRATO  Compromissos e tarefas (regras) assumidas, tanto pelo clínico quanto pelo cliente.  Regra estabelecida e mantida pelo terapeuta e seu cliente.  Como o cliente reage às regras do atendimento?  Pagamento dos honorários.  Atrasos.  Faltas.
  6. 6. O CONTRATO  Situações como a estrutura do tempo, da sessão e os honorários frequentemente evocam CCR/CRB’s.  Profissional deve garantir sigilo, combinar os honorários e o modo de acertá-los, assim como procedimentos quanto às faltas e reposições, além de estabelecer a periodicidade e a duração das sessões.  Qual a condição civil do cliente?
  7. 7. CLIENTE CRIANÇA, ADOLESCENTE OU INTERDITO  Interdito: juridicamente, significa incapacidade civil. Exemplo: pessoas com alguns transtornos psiquiátricos.
  8. 8. SIGILO  É o elemento do contrato mais estreitamente ligado ao estabelecimento do assim chamado vínculo terapêutico. Intimidade: comportamento interpessoal vulnerável à punição.  Quando o outro não pune, mas reforça o comportamento de arriscar, diz-se que há intimidade.  Deixar claro o respeito do sigilo e até mesmo, se for necessário, estabelecer combinados de procedimentos de proteção fora do contexto da sessão.
  9. 9. PERIODICIDADE E DURAÇÃO DAS SESSÕES  Bastante liberdade.  Se casal ou pais e filhos devem comparecer juntos às sessões, os encontros terão uma duração maior do que os usuais 50 minutos.  Possibilidade de atendimento domiciliar.
  10. 10. VALOR - PAGAMENTO  Cada clínico trabalha de uma forma e de acordo com um valor. Aula separada.
  11. 11. APRESENTAÇÃO DO CLÍNICO
  12. 12. APRESENTAÇÃO  Se mostrar disponível para responder às dúvidas do cliente quanto a sua formação, sua orientação teórica e até mesmo sobre características pessoais, tais como se tem filhos, se é caso, entre outras.  O clínico precisa consequenciar adequadamente respostas do cliente que o surpreendem.
  13. 13. APRESENTAÇÃO  “Não há uma regra sobre o modo ou o quanto um clínico deve expor a seu próprio respeito para o cliente. O que fundamenta sua conduta quanto a esse aspecto é o objetivo que ele tem em cada interação” (pág. 115)
  14. 14. APRESENTAÇÃO  Expressão de segurança, disponibilidade afetiva, cordialidade, atenção e competência.  Notar como o cliente se apresenta e como interage nos encontros iniciais.
  15. 15. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA  Autora: Jocelaine Martins da Silveira  Título do Capítulo: A apresentação do clínico, o contrato e a estrutura dos encontros iniciais na clínica analítico-comportamental.  Livro: Clínica Analítico-comportamental – Aspectos teóricos e práticos.  Link para compra do livro: http://goo.gl/65B5n9  Obs.: o autor dos slides não ganha nenhum tipo de incentivo financeiro com a venda e publicação do livro, tendo como objetivo a divulgação de conhecimento de qualidade.

×