Redes sociais e emprego

497 visualizações

Publicada em

Palestra na Católica Braga, em 25/2/2015

Publicada em: Internet
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
497
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Redes sociais e emprego

  1. 1. Redes sociais e emprego. Como potenciar a presença? Francisco Restivo frestivo@braga.ucp.pt https://www.linkedin.com/in/frestivo
  2. 2. Sumário • Internet • Redes sociais • Perfis • Recrutamento • LinkedIn • Sessão hands-on 2Redes sociais e emprego, 25/2/2015
  3. 3. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 3
  4. 4. Pegada digital • A nossa pegada digital constrói-se diariamente e pode vir a ser utilizada a nosso favor ou contra nós a qualquer momento. • Hoje, o recrutamento de recursos humanos e a análise de crédito bancário, por exemplo, passam por uma análise detalhada da nossa pegada digital. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 4
  5. 5. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 5
  6. 6. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 6
  7. 7. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 7
  8. 8. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 8
  9. 9. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 9
  10. 10. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 10
  11. 11. Anabela Possidónio, Lisbon MBA • Para Anabela Possidónio, “há muitas oportunidades de emprego que exigem uma presença online”, mais que não seja para ter acesso a mais anúncios e para dar resposta em tempo útil. • “Quem procura emprego não pode deixar, por exemplo, de ter um perfil no LinkedIn actualizado e completo”, refere. • O LinkedIn funciona como cartão de visita para os recrutadores, que “só depois passam para as outras redes, como o Facebook ou o Twitter”. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 11
  12. 12. “Social Recruiting Survey” de 2013 • “Neste estudo internacional, 94% dos recrutadores entrevistados dizem usar — ou pretender, pelo menos — as redes sociais como fonte de recrutamento. • ”Não podemos, continua, “passar ao lado desta tendência”: em 2008, esta intenção situava-se nos 78%. • De acordo com o “Social Recruiting Survey”, o LinkedIn continua a ser a rede mais popular entre quem escolhe candidatos a vagas (94 por cento), logo seguido do Facebook (65%) e Twitter (55%). Redes sociais e emprego, 25/2/2015 12
  13. 13. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 13
  14. 14. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 14
  15. 15. José Bancaleiro, director executivo da Stanton Chase Portugal • Um caso em que o perfil no Facebook acabou por prejudicar um candidato: a pessoa tinha publicado uma fotografia com a legenda: "Assim é que eu gosto. De papo para o ar, a coçar a micose." • O potencial empregador, uma empresa de consultoria, não gostou e perdeu o interesse. "Se calhar, injustamente", concede Bancaleiro, já que é o tipo de frase que muitas pessoas dirão entre amigos. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 15
  16. 16. Há regras básicas • Ter cuidado com o tipo de fotografias e manter os pensamentos pessoais num círculo restrito de família e amigos. Mas o Facebook (…) é propício a deslizes – até porque muitos utilizadores são "amigos" no Facebook dos chefes e de colegas de trabalho de quem não são particularmente próximos. • "Sejamos claros: o Facebook é utilizado para relações sociais. O LinkedIn é para relações profissionais", sublinha José Bancaleiro. Nesta rede, as fotografias das férias são substituídas por fotos de fato e gravata ou por retratos de braços cruzados e postura confiante sobre um fundo neutro. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 16
  17. 17. LinkedIn • O LinkedIn parece a ferramenta perfeita para quem pretende estar activo no mercado de trabalho. Porém, dependendo do tipo de profissão, do ponto da carreira em que se encontre e do emprego de que estiver à procura, um bom perfil pode oscilar entre o moderadamente útil e o irrelevante. • Ninguém procura no LinkedIn candidatos para posições pouco especializadas (Bancaleiro, no entanto, lembra que o Facebook já foi usado para recrutar trabalhadores para call centers). E também não serve para os cargos de topo, que envolvem abordagens sofisticadas por parte de empresas especializadas. Restam sobretudo os cargos intermédios, aquilo a que a gíria do sector costuma designar por middle managers. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 17
  18. 18. Em que ficamos? • José Bancaleiro conta uma história diferente. Embora relativize o papel das redes sociais no trabalho das empresas de recrutamento, lembra um outro caso em que apresentou uma selecção de candidatos a um director executivo de uma empresa de tecnologias de comunicação. • A primeira coisa que este fez foi procurar os nomes dos candidatos no Google. De seguida, foi aos perfis do Facebook e do LinkedIn. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 18
  19. 19. Google yourself! • O Google tem o nosso rasto completo: o que fizemos, e quando, as redes em que estamos, o que os outros dizem de nós, etc • Absolutamente fundamental sabermos o que uma pessoa que procure pelo nosso nome, vai encontrar! • Tudo está registado! Redes sociais e emprego, 25/2/2015 19
  20. 20. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 20
  21. 21. Social Media Optimization • Escolher usernames e URLs apropriados • Manter uma actividade regular, positiva • Usar tags nos posts, etc • Usar o Slideshare, ou o Scribd, com conteúdos originais Redes sociais e emprego, 25/2/2015 21
  22. 22. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 22
  23. 23. Coloque uma fotografia • Existem muitos perfis no LinkedIn mas por vezes não incluem fotografia. Sendo este o conteúdo que é visto em primeiro lugar numa rede social, ter uma fotografia é essencial. No LinkedIn, os perfis com fotografia são 14 vezes mais vistos que os que não têm foto. Mas deve ter atenção à fotografia que coloca… neste caso deve ser uma imagem clean, sem muita cor, profissional e de aspecto agradável. • Esta será a imagem que vai passar a quem o vê. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 23
  24. 24. Explore e adicione as suas habilidades/competências • O LinkedIn não é apenas para criarmos um perfil e colocarmos as nossas informações básicas. É sim, sobretudo, para que coloquemos o que fazemos, o que sabemos fazer, as nossas habilidades, capacidades e competências. • Assim, perca alguns minutos a explorar essa funcionalidade e adicione as suas habilidades gerais e específicas como forma de conseguir alcançar o maior número de visualizações ao seu perfil. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 24
  25. 25. Verifique o seu resumo no perfil • No seu perfil pode colocar um pequeno resumo onde deve colocar um pequeno texto onde descreve o seu percurso profissional e que será como uma pequena carta de apresentação para quem o visita. • Pense num texto simples e claro mas que cative quem o lê pois se for desinteressante… facilmente os utilizadores ou as empresas procuram outro candidato. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 25
  26. 26. Evite ter apenas as informações básicas. Personalize o seu perfil! • No LinkedIn, quantas mais informações tiver, ou seja, quantos mais campos preencher, mais hipóteses o seu perfil terá de ser visualizado. • Os empregadores procuram, muitas vezes, por “palavras-chave” e termos específicos. Portanto debruce-se sobre o seu perfil, perca algum tempo, e coloque-o o mais completo possível, personalizando-o de acordo com a sua área, capacidades, conquistas, competências, objectivos, etc. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 26
  27. 27. Indique as suas boas acções! • Para além das suas conquistas e competências ‘oficiais’, por assim dizer, ao colocar informação sobre as suas acções mais altruístas como voluntariado, também irá passar uma imagem dos seus valores como a moral, justiça, entre outros. • Segundo o LinkedIn, 1 em cada 5 empregadores contratou alguém devido à sua experiência com trabalho voluntariado. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 27
  28. 28. Não conte mentiras • Já dizia o ditado “Quem conta um conto, acrescenta- lhe um ponto” e, por vezes, quando queremos impressionar ou chamar à atenção, é natural que aumentemos a história para que esta tenha mais impacto. Mas essa é uma má decisão a tomar numa rede social desde género. • Se não tem informações para colocar em determinado campo, mais vale deixá-lo em branco pois a mentira tem perna curta e facilmente as coisas se descobrem e isso não abona em nada para a credibilidade da sua imagem, contribuindo para uma desvalorização, por parte dos empregadores, do seu perfil. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 28
  29. 29. Aceda frequentemente ao LinkedIn e mantenha-o actualizado • De nada vale criar uma conta numa rede social se não a ‘alimentarmos’ e a formos aperfeiçoando. Se pretende tirar partido do LinkedIn, é fundamental que seja um utilizador activo, vá melhorando as suas informações, adaptando aos seus objectivos, adicionando informações relevantes, visualizando perfis e páginas do seu interesse pois esse informação irá também constar nos perfis das pessoas que visita. • Mas, tal como tudo, faça-o de forma moderada, não publique em demasia nem pouco. Publique somente informação que seja útil e relevante, de forma a contribuir para que o seu perfil seja interessante. • Sugestão: escreva artigos de opinião sobre determinado assunto. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 29
  30. 30. Fortaleça a sua rede e analise as estatísticas • Ao se tornar mais activo no LinkedIn, vá adicionando contactos que fortaleçam a sua rede, como empresas e vá acompanhando utilizadores relevantes quanto mais não seja para ‘tirar ideias’ que possam promover o seu perfil. Use a interacção a seu favor, é essa a grande vantagem do LinkedIn face ao tradicional CV. • Esta rede ainda lhe dá várias estatísticas preciosas que deve analisar cuidadosamente para verificar a sua evolução enquanto utilizador. Pode ver quantas pessoas visitaram o seu perfil, em que lugar o seu perfil se encontra e qual o seu crescimento, o nº de contactos que tem, o nº de utilizadores com perfil semelhante ao seu e muito mais. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 30
  31. 31. Seja original e evite os termos ‘banais’ • Quando temos que escrever uma descrição da nossa personalidade enquanto profissionais, por vezes a criatividade e imaginação não reinam e acabamos por utilizar termos banais que toda a gente usa tais como ‘responsável, estratégico, motivado, criativo, vasta experiência, espírito de equipa’, etc… • Ora, para termos destaque não podemos fazer o que os outros fazem. Portanto, a sugestão é que seja cada vez mais original, faça uma introspecção e encontre as suas características psicológicas mais específicas pois isso é que o vai diferenciar enquanto pessoa e sobretudo enquanto profissional. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 31
  32. 32. Nos contactos, prefira a qualidade em vez da quantidade • Ter muitos contactos não é sinónimo de mais visualizações no seu perfil. Prefira ser mais selectivo nos seus contactos, adequando-os aos seus objectivos enquanto profissional. Opte por ter na sua rede pessoas que conheça e das quais tenha referências. • Aceitar pedidos de amizade sem qualquer critério, irá ‘poluir’ o seu perfil, entupindo-o de informações não relevantes para si, fazendo com que por vezes não visualize informações realmente úteis. • Caso pretenda tirar ainda mais partido do LinkedIn, active a versão Premium da plataforma. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 32
  33. 33. Não há soluções mágicas • Ter uma página agregadora http://about.me/frestivo https://sites.google.com/site/frestivo/ associada à assinatura no e-mail • Ver o que outros fazem • Usar Google Analytics ou outra ferramenta Redes sociais e emprego, 25/2/2015 33
  34. 34. Redes sociais e emprego, 25/2/2015 34
  35. 35. Let’s do it! Redes sociais e emprego, 25/2/2015 35

×