Nº 0
30 Janeiro de 2012
Preço: 100 Escudos
Concorrência traz maiores desafios
“ O Associativismo não é
o forte dos Cabo- v...
2ORabidante:10deJaneirode2012 EDITORIAL
MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA
O comércio é principal fonte de ren-
dimento do país. Q...
3
ORabidante:10deJaneirode2012
Mulheres fazendo renda Foto:
Ana Brandão
Pedicure
Foto: Ana Brandão
Vendedeira Ambulante
Fo...
4ORabidante:10deJaneirode2012
“ Falta de fiscalização!”
Mamadou Trouré Vice – Presidente da As-
sociação dos Rabidantes do...
5
ORabidante:10deJaneirode2012
Ficha Técnica
Rabidante Foto: Ângela Santos
Vendedeira Ambulante Foto: Ângela Santos
Pedicu...
6
chinesa, está em Cabo Verde há
7 anos, comercianteproprietária
de duas lojas, uma em Achada San-
to António e outra em d...
7
ORabidante:10deJaneirode2012
Elisabete Barros, de 34 anos, pai e mãe de uma filha
de 6 anos “diz-nos” que hoje ela torno...
8ORabidante:10deJaneirode2012
Foto: Ângela Santos Rabidante de Sucupira
Foto: Ângela Santos Comerciante: Chinês
9
ORabidante:10deJaneirode2012
A concorrência sempre foi
interpretada ao pé da letra.
Assim como, tudo na vida,
tem um lad...
10ORabidante:10deJaneirode2012
Já lá vão os tempos áureos da sucu-
pira. Me lembro como se fosse hoje,
era mais ou menos n...
11
co (em termos de produtos, ora car-
ne, ora peixe, torresmo, sumo, bo-
los, panelas, milho etc.), mas o que
indignou nã...
12ORabidante:10deJaneirode2012
Vany Aguenes, maiense residente
na capital, 22anos, esta entrada dos
“chineses” foi a melho...
13
ORabidante:10deJaneirode2012
Concorrência aumenta
número de Rabidantes Am-
bulantes
Ao que tudo indica os rabidantes
am...
14ORabidante10deJaneirode2012
Apesar da crise registada nos últi-
mos anos em Cabo Verde, assistiu-se
a uma forte expansão...
15
ORabidante:10deJaneirode2012
-revistada afirma que a concorrência
pela parte dos chineses assim como
tudo na vida tem o...
Jornal O RABIDANTE - EDIÇAÕ Nº0
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Jornal O RABIDANTE - EDIÇAÕ Nº0

249 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
249
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal O RABIDANTE - EDIÇAÕ Nº0

  1. 1. Nº 0 30 Janeiro de 2012 Preço: 100 Escudos Concorrência traz maiores desafios “ O Associativismo não é o forte dos Cabo- verdia- nos”. pág.3 “Não temos, nenhum acor- do com o vosso governo ...” Lin Xiao Ying pág.4 Quando surgiu a gravidez houve a necessidade de trabalhar. pág. 13 Grande Entrevista Entrevista “ O mercado caiu e muito, devido a falta de fiscaliza- ção e também da crise que está a ocorrer no mundo”. pág.8
  2. 2. 2ORabidante:10deJaneirode2012 EDITORIAL MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA O comércio é principal fonte de ren- dimento do país. Quando se fala no comércio no sucupira pensa-se logo no vestuário e no calçado. Mas na realidade o mercado apresenta di- versificações de sectores. O centro comercial do sucupira da cidade da Praia é considerado o maior mercado do arquipélago. Os rabidantes do mercado são pessoas poucas instruídas, com idade com- preendida entre os 16 aos 60 anos, e na sua maioria são mulheres chefes de famílias que batalham para o próprio sustento. A busca pelo “gan- ha-pão” começa desde o amanhecer até ao pôr-do-sol. O mercado é con- siderado uma segunda casa pelos rabidantes. Há muito que os chineses estão nesse ramo de comércio, no país e não eram vistos como uma concor- rência, porque mesmo com a forte presença no sector, o mercado do sucupira nunca deixou de ser pro- curado. Porém de uns anos para cá devido a crise o mercado sofreu uma forte queda de venda. As opiniões dos próprios rabidantes divergem- se entre eles. Enquanto uns respon- sabiliza a queda de venda aos chin- eses, outros aponta-o a crise. Sendo assim, o”O Rabidanti” saiu a rua da capital para saber as opiniões dos cidadãos a cerca dessa prob- lemática. O facto é que a nossa re- vista durante toda a recolha, apurou que estes novos investidores troux- eram benefícios, tanto para a sua população como para a economia do país. Assim, de acordo com os dados re- colhidos, vamos fornecer informa- ções aos públicos com intuito de fazer-lhes conhecerem os dois lados envolvidos (chineses versus rabi- dante), na nossa1ª edição da Revista o “O Rabidanti”. Ângela Santos O QUE DIZ A LEI?De acordo com o Decreto-Lei nº 21/2011 de 7 de Março. A lei diz que, os serviços são o mais importante sector da ecónoma nacional em termos económicos e de emprego e tem registado um maior desen- volvimento nos últimos anos. Ou seja diante dessas circunstâncias, o governo ciente de que um merca- do competitivo e a eliminação dos entraves ao seu desenvolvimento são fundamentais para promover o crescimento económico e a criação de emprego, vem propugnando pela liberdade de estabelecimento dos serviços no território nacional, em ordem à contribuição para a expan- são e crescimento deste sector. Tam- bém a lei diz no artigo 3º da lei nº 49/ VII/2009, de 30 de Dezembro que o presente diploma visa em desenvol- vimento do princípios de livre esta- belecimento em consonância com os compromissos advenientes da adesão de Cabo Verde à organização mundial do comercio concretamente de acordo geral sobre o comercio de serviços, assegurar que os regimes jurídicos aplicáveis ao sector dos serviços respeitem a liberdade do direito de estabelecimento e da livre prestação de serviços ao estabelecer um conjunto de princípios gerais aplicáveis ao procedimentos que regulamentam o acesso e exercício das actividades de serviços, através de um adequado equilíbrio entre a abertura do mercado e a preserva- ção dos serviços públicos, dos dire- itos sócias e da protecção reforçada dos destinatários dos serviços. Ainda é de se lembrar, o artigo 11º (âmbito territorial e limitação de permissão administrativas) em que a lei diz. 1 - As permissões admin- istrativas concebidas pelos serviços da administração directa e indi- recta do estado devem permitir ao prestador de serviços o exercício da sua actividade de serviço em todo o território nacional. 2- Quando o regime de permissão administrativa de uma actividade assim o exija, o prestador de serviço deve informar a autoridade admin- istrativa competente, através do balcão único, da criação de sucur- sais, filias, agências ou escritórios. Ana Brandão
  3. 3. 3 ORabidante:10deJaneirode2012 Mulheres fazendo renda Foto: Ana Brandão Pedicure Foto: Ana Brandão Vendedeira Ambulante Foto: Ana Brandão Clientes Foto: Ana Brandão Vendedeira Ambulante Foto: Ana Brandão Vendedeira Ambulante Foto: Ângela Santos Clientes Foto: Ângela Santos FOTO REPORTAGEM
  4. 4. 4ORabidante:10deJaneirode2012 “ Falta de fiscalização!” Mamadou Trouré Vice – Presidente da As- sociação dos Rabidantes do Sucupira Mamadou Trouré, é Nigeriano residente em Cabo verde cidade da Praia há 22 anos. Comerciante em sucupira há mais de uma década e meio, mostra sua preocupação no que tange ao comércio no Sucu- pira». Segundo, o nosso entrevistado a má fiscalização dos órgãos competentes deste sector, é o grande responsável pela falta de venda neste mercado. Ainda Mamadou diz que há muito que os “Chineses” entraram neste comércio no país. E que até uns dois anos atrás estes não repre- sentavam muita ameaça para eles como está agora; «Os “Chineses”começaram a fazer- nos concorrência a partir do mo- mento que perceberam que o país não tem controlo, ou melhor não possui uma lei que vigia este tipo de comércio. “A partir daí começaram a frequentar os mesmos mercados que nós e ain- da a copiar os nossos produtos”». Cita Trouré. Nosso entrevistado deixa transparecer que apesar de existir uma “Associação dos Rabidantes”, essa não é bem aceite por todos ali devido a várias razões que o próprio diz não vale a pena mencionar. Ainda na sua opinião o associativismo não é o forte dos cabo- verdianos e isto tem preju- dicado a classe. No início que me integrei na Associação, ela contava com vinte membros, fectivos e mais de três dezenas de apoiantes sem contar com os outros rabidantes que participavam nas actividades re- alizadas. Hoje em dia nem o próprio Presidente aparece para inteirar dos factos ocorridos. Na qualidade de vice-presidente, devo dizer-vos que muitas vezes quando a classe passa por momentos tensos os problemas muitas vezes são resolvidos com in- dividualidade. O orgulho dos rabidantes é maior que qualquer conforto, palavras do vice-presidente da associação dos rabidantes. Mamadou não poupa criticas aos colegas sobre “a desunião” entre os rabidantes que de uma certa forma tem sufocado o mercado. Faz-se reuniões da associação não com- parece uma dúzia de colegas cabo- verdianos, e por este motivo, não vale a pena continuarmos com a as- sociação, afirma o rabidante um pouco indignado. Apesar de possuírem qualidades no produto a queixa pela falta de procura é enorme. A dias que nem dinheiro para o transporte se vende. Hoje nem nas épocas festi- vas procura- se o sucupira como antes. Embora se fala na crise, o facto é que o medo de perder o sustento é cada vez mais a preocupação dos rabidantes. Quando o “O Rabidante”, quis saber se a associação já se reuniu alguma vez para tratar desse tema, de concorrência dos chineses, a resposta do inquerido é “nunca”! «Faz-se os comentários, mas na hora de colocar os pingos nos ís ninguém aparece, e começa aquele furdunço, quem está a sentir lesado que vá procurar o seu direito. O entrevistado apela à participação activa dos colegas e aponta que “A união faz a força”. «Os“Chineses”começaram a fazer-nos concorrência a partir do momento que perceberam que o país não tem controlo, ou melhor não possui uma lei que vi- gia este tipo de comércio. “Apartirdaícomeçaramafre- quentar os mesmos mercados que nós e ainda a copiar os nossos produtos”» Ana Brandão Grande Entrevista Foto: Ângela Santos
  5. 5. 5 ORabidante:10deJaneirode2012 Ficha Técnica Rabidante Foto: Ângela Santos Vendedeira Ambulante Foto: Ângela Santos Pedicure Ambulante Foto: Ana Brandão Rabidante Foto: Ângela Santos Cabeleleiras no sucupira Foto: Ângela Santos Rabidante fazendo renda Foto: Ângela Santos Foto Reportagem Reporteres: Ana Brandão e Ângela Santos Edição e Paginação: Ângela Santos e Ana Brandão Imprissão: Multicópia Tiragem: 1
  6. 6. 6 chinesa, está em Cabo Verde há 7 anos, comercianteproprietária de duas lojas, uma em Achada San- to António e outra em descida Terra Branca. Lin defende a sua classe, desmentin- do aos “boatos” de que eles não pagam alfândega, e de ter qualquer pro- tecção do governo. Porém a com- erciante explica-nos o que faz com que os Rabidantes do Sucupira ten- ham essa visão. «O que leva os Rabidantes do Sucu- pira a pensar que temos protecção do governo, é o seguinte, nós somos muitos e estamos mais bem orga- nizado e preparado do que eles, ad- mito sermos uma concorrência forte face aos Rabidantes do Sucupira. Mas o que acontece é que nós quan- do vamos, ou mandamos exportar de qualquer país para Cabo verde organizamos em grupo e alugamos contentores dos navios por um preço mais acessível devido a quantidade de que alugamos e com isso ex- portamos mais; também na hora de compra o que estamos a fazer é tentar satis- fazer o mercado cabo-verdiano. Não só ven- demos produtos da china, mas o facto é que quando vamos por exemplo ao Brasil compramos qualquer produto em grande quantidade o que faz nos ganhar um desconto bem mais baixa do que dos Rabidantes do Sucupira por isso a vendemos mais em conta. Agora gostaria de deixar aqui bem cla- ro que nós os comerci- antes “Chineses”não temos, nenhum acordo com o vosso governo, estamos aqui como in- vestidores e pagamos as nossas despesas como qualquer um», frisa Lin. Enquanto, os Rabidantes do Sucu- pira, atribui a respons- abilidade da aderência de venda ao governo e a concorrência, Ying, culpa a classe de serem os próprios origina- dores, desta crise uma vez que esses não se encontram bem organizados, e ainda de serem pes- soas egoístas. Aponta que a único objectivo dos Rabidantes do Sucupira é ganhar dinheiro, e de muitas vezes exagerarem nos preços, não pensando na verdadeira situação financeira do pais. Assim como os Rabidantes do Sucupira, a comerciante chinesa, também afirma que o momento é de crise, salientando que antes tinha 3 empregada em cada uma da sua loja, mas hoje só tem uma com ela e a irmã que está a frente da outra loja tem dois empregados sem contar com o marido da mesma. «Uma vez quando cá cheguei e até dois anos atrás eu vendia muito e às vezes tomava uma refeição porque não dava tempo, mas hoje como podem ver estou com loja vazio e a tempo até para ler um livro ou ver um filme, mas nem por isso vou acusar as outras lojas, temos de consolar com “kau mau pa tudo lado». Cita Ying. ORabidante:10deJaneirode2012 Chineses & Rabidantes PONTO DE VISTA Lin Xiao Ying Foto:Ana Brandão
  7. 7. 7 ORabidante:10deJaneirode2012 Elisabete Barros, de 34 anos, pai e mãe de uma filha de 6 anos “diz-nos” que hoje ela tornou-se ra- bidanteambulantegraçasaos“chineses”.Com quase a mesma idade da filha de experiência noramo“Bety”comoelaprefereserchamada. Elisabete Barros Foto: Ana Brandão ORabidante – Como é que surgiu esta profissão? Elisabete Barros – Quando surgiu a gravidez surgiu a necessidade de trabalhar, e foi aí que com pouca economia que tinha fui comprar nas lojas dos chineses no plateau para vender em outros pontos como Tira-chapéu, Fundo Cobom, ASA e etc., no inicio dava mais lucro, porque os fregueses não tinham tempo para deslocarem ao plateau, comprava em mim e out- ras colegas depois com abertura de lojas nesses pontos começamos a perder a nossa clientela, porque já não precisavam deslocar, mas com a pratica comecei a ver que existem outras necessidades dos fregueses, a qualidade, foi então que pulei dos chineses para o “iá” (roupas usadas, provenientes dos estados Unidos da América). Apósterdeixadodevendergrande parte dos produtos chineses, para vender outros produtos, como é que você vê os chineses? Ainda vendo, mas vendo mais o iá! E não tenho razões de queixa para com os chin- eses, porque a qualidade do produto é diferente. Como estão a decorrer a vendas? Razoável, há dias que se vende e outros não, mas dá para continuar. O momento inspira compreensão, não há dinheiro. As pessoas querem comprar mas no entanto tem outras prioridades. Na qualidade de rabidante ambu- lante quais os benefícios e as desvantagens que os chineses trouxeram? A meu ver os “chineses” trouxeram muita alegria aos cabo-verdianos, em vários aspectos: por exemplo uma família numerosa hoje desde que haja mínima condição todos pode se vestir ou calçar e por um preço inferior, e não só eles combat- eram a prostituição e o vandalismo. Quanto as desvantagens penso que os rabidantes do sucupira são de uma forma geral os mais prejudica- dos porque estavam acostumados a “matar”com o preço e também en- tendo as suas posições como pais de famílias. Mas devemos ver as coisas por duas faces. Ângela Santos
  8. 8. 8ORabidante:10deJaneirode2012 Foto: Ângela Santos Rabidante de Sucupira Foto: Ângela Santos Comerciante: Chinês
  9. 9. 9 ORabidante:10deJaneirode2012 A concorrência sempre foi interpretada ao pé da letra. Assim como, tudo na vida, tem um lado positivo e outro negativo,aconcorrênciatam- bém tem esses dois lados. Quem beneficia com a con- corrência são os clientes, a medidaqueelavaiaumentan- do os preços dos produtos ou dos serviços vão diminuindo e sendo, Cabo Verde um país onde o rendimento é baixo, qualquer concorrência é bem aceite. A parte positiva é que os chineses diminuíram o desemprego, aumentou os números de rabidantes, trouxe mas oportunidade a famílias numerosas de se ve- stirem melhor. O lado negativo é que esses investidores a partir do mo- mento que entraram no país, fez com que os rabidantes de sucupira perdessem vários clientes. Essa perda é negati- vo uma vez são sustento dess- es rabidantes. Ainda na se- quência dos acontecimentos é de salientar que no meu ver a queda de venda no merca- do sucupira tem muito a ver com a entrada dos chineses. Se formos ver o arquipélago sempre viveu em situações económicas pouco favorável, mas mesmo assim o mercado sucupira sempre vendeu. O factor dessa discorda sem- pre foi o preço. Mas o que a população nunca parou para ver é que, ao contrário dos chineses que vendem má qualidade por um preço baixo, os rabidantes de sucu- pira vendem ao custo elevado devido a boa qualidade. Ana Brandão As duas Faces Artigo de Opinião
  10. 10. 10ORabidante:10deJaneirode2012 Já lá vão os tempos áureos da sucu- pira. Me lembro como se fosse hoje, era mais ou menos na mesma época do (Natal) há três anos atrás quando vim estudar na Capital que lá es- tive para comprar uma sandália. E o tempo era outro parecia com o festival da Gamboa «cheia de agitação, movimentação de cen- tenas de pessoas onde um pisava no “calo” do outro, o mau cheiro de suor, encontro de amigos que a muito não avistava entre outras coisas que não vou mencionar devido a limitação de espaço»; Mas hoje nesta mesma época lá voltei de novo e desta vez não para comprar sapato … foi a passeio mes- mo, saber das novidades etc. Minha gente deparei com um silêncio em termos de tudo que um dia por ali tinha avistado, e pelo incrível que pareça, por um instante coloquei-me no lugar dos rabidantes e a primeira sensação que tive é de me perguntar a mim mesma, o que será de nós que sustentamos a casa com venda? Depois, de algum minutinhos de- brucei-me sobre uma frisa de parede e pus a falar com uma conhecida que ali vende “Fátima” que assim como eu encontrava debruçada na mesma parede, perguntei-lhe: Fátima agora é assim? Ela me respondeu minha filha se não fosse essa distracção de car- ros a subir e a descer penso que, nós éramos muitos que já tinha deixado o sucupira, agora somos rabidantes e rabidantes um a olhar para cara do outro; me despedi, dizendo aiai e fui, mais para cima onde um grupo de rabidantes se divertia jogando cartas. Confesso que em parte, aquela tranquilidade me deixou contente, mas vendo as caras tristes dos rabi- dantes me fizeram sentir uma angús- tia, ao lembrar que aquela tristeza de uma certa forma tinha a ver com o sustento de muitas famílias; por instante senti vontade chorar, mas não o fiz, coloquei a minha fé e pus a orar no meio da caminhada pedin- do a Deus com coração que fizesse aqueles pais venderem alguma coi- sa para não desanimarem; o incrível é ver que estes rabidantes também ajudam outras pessoas a ganharem o sustento, não pude deixar de ver e admirar alguns garotos a rolarem os bidões, a car- regar aquelas caixas grandes, outros a cobrirem os espinhos em forma de tecto onde mais tarde se não cobridas o sol batia, e tudo isso era feito me- diante um custo que os meus ou- vidos apurado não pude deixar de ouvir. A curiosidade de observar, fez com que eu permanecesse ali mais do que o tempo previsto, aí em ter- mos de produto circulava de tudo um pouco, ou seja este lugar é uma casa de sustento, durante tempo que ali fiquei pude ver de tudo um pou- Um dia no Sucupira “Confesso que em parte, aquela tran- quilidade me deixou contente, mas vendo as caras tristes dos rabidantes me fizeram sentir uma angústia, ao lembrar que aquela tristeza de uma certa forma tinha a ver com o sustento de muitas famílias...” Crónica Foto: Ângela Santos
  11. 11. 11 co (em termos de produtos, ora car- ne, ora peixe, torresmo, sumo, bo- los, panelas, milho etc.), mas o que indignou não era a falta de higiene dos alimentos que vinham cheia de moscas mas, sim quando vin- ha uma criança a fazer aquele serviço, tenho filho, e na ci- dade o que se ouve todos os dias é a onda de violência e me perguntava como é que os pais podem ser tão irresponsáveis a ponto de mandar uma criança vend- er naquele sitio onde na maior parte das vezes os frequentadores são (ladrões, usuári- os de droga, marginais, pedófilos entre outros) isso mexeu comigo; e em 1ª oportunidade que tive, fa- lei com uma menina de 9 anos, que vendia água, e ela me contou coisas inacreditáveis (…), depois levei ela para uma barraca onde jun- tas almoçamos e também aproveitei para descansar as minhas pernas que já não aguentava. Fartos, me despedi dela, e con- tinuei a minha caminhada cheia de disposição, mais para cima para o lado do parque 5 de Julho meus ol- hos avistaram duas situações, que me deixaram sem chão, uma menina de menor fa- zia “sexo” com um idoso em pleno dia e quem por ali passava podia ver e no outro lado mesmo próximo dois rapazes e um homem drogava e de onde eu estava podia sen- tir aquele cheiro forte vindo em minha direcção; Agora pergunto aonde estão esses pais, que não são mere- cedores desse lindo nome! na casa, segundo a pequenina a espera do fruto dessa exploração para mais tarde irem fazer o proveito… … Continuei com a minha oração, meu Deus enquanto uns mostram- se triste por não conseguir ganhar o pão dos filhos, outros nem aí estão. “Agora pergunto aonde estão esses pais, que não são mere- cedores desse lindo nome!” Ana Brandão ORabidante:10deJaneirode2012
  12. 12. 12ORabidante:10deJaneirode2012 Vany Aguenes, maiense residente na capital, 22anos, esta entrada dos “chineses” foi a melhor coisa que podia ter acontecido. «Nunca se viu os jovens bem vestido como agora e não só hoje mesmo na minha ilha há essa probalidade de se vestir melhor mesmo que seja por um preço mais caro mas, é mais em conta que antes que só tínhamos o sucupira». Sou a favor dessa entrada dos chineses. A CONCORÊNCIA É BOA OU NÃO? O “O Rabidante” recolheu algumas opiniões, sobre o assunto e de acordo com os entrevistados pode-se ver que as ideias aproximam uma da outra. Joana Monteiro, de 37 anos é Li- cenciada em matemática, mãe de família diz que apesar de não usar os produtos dos chineses devido ao facto de possuir pais emigrantes, é a favor dos chineses. A mesma realça que nem todos têm possibilidade de comprar no sucupira. “gossi quem ki ka biste é pamode é ka kré”. Ivá Semedo, de 26 anos, solteira mãe de um filho, empregada de uma loja chinesa, diz ter conquistado a sua independência com a oportunidade que lhe foi concebidapelos chineses. Para Semedo a patroa e os cole- gas são geradores de emprego; Eaindafrisaquenaqualidadedemãe (sustentadoradoprópriolar),entende arevoltadosRabidantesdoSucupira. Zeca Lopes, um jovem de 26 ano pai de família, proprietário de uma bar- racadeCDs.Oschinesesdiminuíram a venda dos rabidantes do sucupira. Mas combateu muito desemprego, há muitos jovens que estavam a faz- er horrores por aí que hoje, são fun- cionários dos chineses, sou a favor dessa concorrência. Além disso ain- da ajudam muitas familias carren- ciadas, que não tem um rendimento mensal, favoravel ao seu sustento. Vany Evora, estudante de 20 anos, na minha opinião os chineses vier- am tarde. Sou a favor dessa entrada porque os rabidantes do sucupira ex- ageram muitas vezes nos preços. E não eles mesmo compram dos chin- eses e não tem que reclamar, porque também são clientes dos chinases, mas pede aos mesmos que reflictam, vendo a outra parte posi- tiva, que não sejam egoístas A VOZ DO CIDADÃO
  13. 13. 13 ORabidante:10deJaneirode2012 Concorrência aumenta número de Rabidantes Am- bulantes Ao que tudo indica os rabidantes ambulantes sempre existiram, mesmo antes da entrada dos chi- neses no país. Só que com essa entrada, surgiram novos e isso fez com que a concorrência se ampli- asse, dificultando aos rabidantes do sucupira. Estes dizem prejudica- dos uma vez que os chineses, lhes ti- raram a maior clientela os rabidantes ambulantes não só locais também os de demais Ilhas. Afirmando que antes eles eram os fornecedores dos rabidantes ambulantes. Ainda a classe que se diz prejudicada, menciona o facto de os rabidantes ambulantes vend- erem produtos que eles têm, como é o caso de (calcinhas, sutiãs, chine- los etc.) no próprio sucupira, sem pagar nenhum tostão, enquanto eles pagam 8.160$00 todos os meses. Situação de crise Até esta, neste ano de 2011, Graça, realça que a procura tem sido ra- zoável em relação aos anos anteri- ores. “Verifica-se que existem cli- entes, aparentemente, vê-se que tem capacidade financeira mas, que querem poupar porque não sabe do dia de amanhã. Pro- curam qualidade mas querem gastar menos”. Mesmo os chineses apontam o período como des- favorável para o negócio. Lin lamen- ta os tempos atrás e diz que ao contrário de antigamente, nas épocas festivas e não só, nem tempo tinha para fazer uma refeição com conforto, hoje com menos de uma semana para as grandes festividades que é o Natal um dos períodos que mais se vende nas lojas, há tempo até para ler livro, ou falar no tele- fone sem pressa. “O que os rabi- dantes cabo-verdianos precisam entender é que não há dinheiro e aceitar a crise”, cita Lin. A semelhança de Lin os rabidantes do sucupira enquanto esperamosclientes,tambémbuscam formas de passar o tempo, enquanto uns jogam cartas, outros optam por ver televisão, ouvir musica, por a conversa em dia, tirar uma sexta, ou até mesmo limitar-se a sentar a porta das barracas, sem fazer nada, apenas a olhar o movimento das pessoas que por ali passam, muitas vezes sem sequer olhar para os produtos que vendem. Com ou sem crise, o facto é que os poderes de compra dos cabo-verd- ianos já não é o que era antes, o que afecta tanto os rabidantes do sucu- pira como para os que lhes fazem concorrência. A todos o que resta é dividir o mercado, visto que cada um apresenta características próprias, o que faz com que aja também públicos específi- cos, e esperar por tempos melhores “os rabidantes ambulantes sempreexistiram,mesmoantes daentradadoschinesesnopaís.” Foto: Ângela Santos Ângela Santos
  14. 14. 14ORabidante10deJaneirode2012 Apesar da crise registada nos últi- mos anos em Cabo Verde, assistiu-se a uma forte expansão do mercado de vestuáriosedeprodutosdogénero.A proliferação de lojas e comercializa- ção destes produtos gerou uma satu- raçãodomercadomas,apesardacon- corrência, há rabidantes que afirmam queonegócioaindaestádeboasaúde. A proliferação e a saturação do comércio O sucupira é considerado um dos maiores mercados de vestuário da cidade da Praia. Com cerca de mais de um mil rabidantes. Com diver- sidades de sectores de comércio, ainda o mercado conta, com out- ras actividades como,lavagem de automóveis, câmbios etc. O mercado é visto como uma ver- dadeira fonte de rendimento. AentradadosChi- neses no mercado do sector de vestuários no país aconteceu por volta dos anos noventa. Apesar de se tratar de uma forte concorrência, estes só vi- eram ser considerados como tal, alguns anos atrás quando estes começaram a importar de outros mercados. Os rabidantes realçam sentir-selesados,comafrequentação destes no mesmo mercado que eles. Hoje em dia as lojas dos chineses devendasdosprodutosdevestuárioe do género estão espalhados um pou- co por todo arquipélago com forte presença na cidade da Praia, capi- tal do Pais, onde se regista o maior fluxo de negócios. Só no plateau existe aproximadamente meia cen- tena dessas lojas de vestuários dos chineses. Elas são tantas que muitas vezes pode se sair de um e entrar no outro sem mesmo caminhar dois passos. A distância mais longe de um para o outro não chega a uma dezena de metro. Nelas, é possível encontrar todo tipo de produtos, e com custo a c e s s í v e l a todos bolsos. O que não é o caso dos rabidantes de sucupira. De acor- do com as i n f o r m a - ções obtidas s preços variam conforme a qualidade e a maté- ria-prima. Há lojas dos chineses que vendem boas qualidades assim como o do sucupira, mas por um preço mais baixo. Segundo Lin isso acontece, não porque não pagam as alfandegas como cita os rabidantes mas, sim, porque com- pram em grande quantidade. Como sobreviver a concor- rência Segundo Maria da Graça San- tos, de 39 anos, casada natu- ral de Nossa Senhora da Gra- ça residente em Palmarejo, (Dá) como ela prefere ser chamada, com mais de duas décadas de profis- são rabidante do sucupira, a solução no mercado tão saturado é a diver- sificação da oferta, aposta na quali- dade e diferenciação dos produtos. Dá realça “ o mercado caiu e muito, devido a falta de fiscalização e também da crise que está a ocor- rer no mundo”. Ainda na sequência dos acontecimentos a nossa ent- “Se formos ver os chineses ajudou e muito o nosso país. E não só graças a eles hoje as pessoas da nossa terra vestem melhor, ...” Grande Reportagem Foto: Ângela Santos
  15. 15. 15 ORabidante:10deJaneirode2012 -revistada afirma que a concorrência pela parte dos chineses assim como tudo na vida tem o seu lado positivo e negativo. “Se formos ver os chin- eses ajudou e muito o nosso país.E não só graças a eles hoje as pes- soas da nossa terra vestem melhor, e não digo em ter- mos de qualidade porque a própria economia de maioria dos famil- iares da cidade da Praia é baixa, mas se antes os pais da- vam aos filhos só uma sandália hoje podem dar mais do que um. O lado negativo é o facto de eles serem uma concorrência. E com a entrada deles, os nossos lucros di- minuíram e muito, mas ainda dá para o sustento pelo menos no meu caso”, palavras de Dá. Má organização dos rabi- dantes Ao que tudo indica, de acor- do com as informações recolhidas os rabidantes do sucupira se encontra mal organiza- dos face aos chineses. Embora essa classe possua uma Associação, é de notar que a relação entre membros e os demais rabidantes não são boas. Várias são as razões que estão na base desse desacerto. Uns mencio- nam o egoísmo, a inveja, outros as razões políticas, desinteresse mes- mo, como causas dessa abnegação. Ainda para alguns entrevistados, como é o caso de Manuel de Pina de 49 anos, vendedor no mer- cado de sucupira o melhor a se fazer para melhor organizar-se é harmonizar-se uns com os outros. O mesmo realça que a un- ião faz a força e que todos ali deviam se entender uns com os outros, porque todos estão na busca do sustento para a família. Ao contrário dos chineses que se organizem em grupos para im- portar, os rabidantes do sucupira mostramestarmuitodesorganizados. Perfil dos rabidantes do sucupira Os rabidantes são na maio- ria jovens com idade compreen- dida entre os 16 a 60 anos. Na maior parte do sexo feminino, são mães solteiras em busca do próprio sustento da família. Pes- soas de baixo nível de escolaridade, mas com prática no comércio. Os rabidantes mais antigos que ali se encontram têm mais de três dé- cadas de exercício da função e os mais novos com mínimo de cinco anos. São indivíduos com uma vida estável, proprietários de im- óveis, automóveis e outro negócios. “Os rabidantes são na maioria jovens com idade compreendida entreos16a60anos.Namaiorparte do sexo feminino, são mães soltei- ras em busca do próprio sustento da família...” Foto: Ângela Santos Ana Brandão

×